quarta-feira, 14 de junho de 2017

Os moradores previram um "acidente catastrófico" em Londres

— aconteceu e matou 12 pessoas

O número de mortos pode aumentar. Não se sabe se há vítimas dentro do escombro calcinado do prédio e há desaparecidos. Durante anos, moradores alertaram para as falhas de segurança.
Fotogaleria
No prédio de 24 andares que ardeu nesta quarta-feira no centro de Londres, o alarme contra incêndio não disparou. Methrob, que vivia no 17.º andar, só percebeu o que se estava a passar quando ouviu os carros dos bombeiros. Ao chegar à rua, viu que "o revestimento do edifício parecia um fósforo", como disse à BBC. O incêndio, de proporções catastróficas, matou 12 pessoas, feriu 74 e as autoridades avisaram que o número pode aumentar. Dezoito feridos estão em estado crítico.
O alarme foi dado por volta da 1h da manhã desta quarta-feira. Um incêndio deflagrara num prédio de 24 andares. Não se sabe, ainda, o que provocou as chamas, mas um grupo de moradores fez repetidos alertas, ao longo dos últimos anos, devido às precárias condições de segurança do edifício caso houvesse um incêndio, apesar de recentemente ter sido feita uma remodelação que custou mais de 11 milhões de euros.
"Nos meus 29 anos nos bombeiros nunca vi nada com esta escala", disse a comissária dos bombeiros de Londres, Dany Cotton, ao jornal The Guardian, comentando as dimensões do fogo que engoliu quase toda a Torre Grenfell, construída em 1974, e localizada no bairro de Kensington.
Mais de 200 bombeiros combateram durante toda a noite e madrugada as chamas — tornaram público que chegaram seis minutos depois de terem recebido a primeira chamada de emergência.

Um desastre "nunca visto"

Na tarde desta quarta-feira a polícia metropolitana londrina confirmava a morte de 12 pessoas e avisava que o número vai aumentar — não esperava encontrar sobreviventes dentro do prédio calcinado. Também para a polícia, este foi um desastre "nunca visto".
PÚBLICO -
Aumentar
Não era claro se estavam mais pessoas no interior da torre, mas algumas das que lá moraram estão dadas como desaparecidas.
Com os bombeiros, estiveram no local 40 viaturas de combate ao incêndio e 20 ambulâncias, a "trabalhar incansavelmente em condições muito difíceis". Uma equipa de engenheiros avaliou a estabilidade do edifício, concluindo que não havia risco de colapso apesar de ter ficado praticamente todo destruído.
O prédio era composto por 120 apartamentos e foi alvo de uma remodelação no valor de dez milhões de libras (mais de 11 milhões de euros), concluída no ano passado. Nas obras, foi instalado um novo sistema de aquecimento, vidros duplos e o tal revestimento exterior que ardeu como um fósforo.
O presidente da câmara de Londres, Sadiq Khan, considerou o incêndio um "acidente de enorme gravidade" e disse que "existem muitas perguntas a fazer nos próximos dias".
Em comunicado, Downing Street (a sede do Governo) informava que a primeira-ministra, Theresa May, está "profundamente triste pela trágica perda de vidas" no incêndio na Torre Grenfell.

Explosão em frigorífico?

Uma das perguntas mais repetidas esta quarta-feira é "o que provocou este desastre". A investigação para descobrir a origem do incêndio iniciou-se logo que as chamas foram controladas mas não foram divulgados pormenores. O Guardian dava conta de relatos que circulavam entre os moradores e que mencionavam uma explosão num frigorífico no quarto andar do prédio. No entanto, esta informação não foi confirmada.
Nos últimos anos, um grupo de moradores, o Grenfell Action Group, publicou no seu blogue repetidos avisos e críticas sobre a falta de segurança da torre. Em Novembro do ano passado, o grupo acusava a administração do edifício de ser uma "mini-máfia". E dizia que só um "acidente catastrófico" poderia expor publicamente a "incompetência" da administração dos apartamentos e as falhas de segurança. A organização queixava-se, entre outras coisas, da falta de instruções sobre como actuar em caso de incêndio e da existência de apenas uma saída de emergência. "Não podem dizer que não avisámos", dizia na altura.
Já em 2013, após um pequeno incêndio provocado por um curto-circuito, o grupo de residentes afirmara que por pouco tinha sido evitada uma tragédia.
Depois do incidente desta quarta-feira, a organização publicou um texto na sua página na Internet onde diz que todos os seus avisos caíram "em saco roto", juntando os links — dez no total — de todos os alertas que fizeram nos últimos anos. "Nós previmos que uma catástrofe como esta era inevitável e apenas uma questão de tempo", lê-se.
Em comunicado, a Kensington and Chelsea Tenant Management Organisation, responsável pela gestão das habitações neste bairro londrino, do qual faz parte a Torre Grenfell, diz que é demasiado cedo para especular sobre as causas da tragédia e que estava ao corrente das queixas dos moradores. "É demasiado cedo para especular sobre o que causou o incêndio e para contribuir para a sua propagação", afirma o comunicado. "Estamos conscientes de que foram levantadas preocupações por parte dos moradores. Nós levamos sempre os alertas a sério e isto fará parte das nossas próximas investigações", diz ainda o texto, citado pelo Guardian.
Os moradores que sobreviveram ao desastre garantiram que os alarmes de incêndio não dispararam e que foram surpreendidos pelos gritos de socorro dos vizinhos. Conta quem viu que era possível ver pessoas presas no interior do prédio a fazer sinais usando as lanternas dos seus telefones e a bater nos vidros, gritando desesperadamente por ajuda. As testemunhas disseram que era um ambiente infernal.
Existem ainda testemunhos que dão conta de pessoas que se atiraram pelas janelas — um bebé terá sido lançado pela mãe do nono ou 10.º andar e salvo por um homem que estava na rua e o apanhou.
"Nós vimos pessoas na janela do segundo andar a contar do topo do edifício. Havia quatro pessoas que estavam a gritar e depois a janela ficou completamente escura por causa do fumo e aquela parte do edifício estava coberta de chamas. O pior foi ver pessoas presas e a sensação de ser inútil. Estávamos provavelmente a ver pessoas a morrer, e a sensação de não fazer nada, simplesmente não podermos fazer nada, é horrível", contou à BBC Line Sterring, uma dinamarquesa de 23 anos.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.