quinta-feira, 22 de junho de 2017

Governador do Banco de Moçambique cava mais a cova em que caíu!


Existe esta expressão que diz que se você caíu numa cova não pode sair dela por cavá-la ainda mais.
Vem isto a propósito das declarações do Governador do Banco de Moçambique (transmitidas esta noite nas TVs – 19 de Junho de 2017) ao dar “explicações” da intervenção do Banco de Moçambique ao MOZA banco e da sua posterior venda ao fundo de pensões dos trabalhadores do próprio Banco de Moçambique. O Governador do Banco de Moçambique fez uma série de declarações que são de arrepiar e que levantam dúvidas sobre em que Moçambique ele vive.
Primeiro, é uma desculpa esfarrapada dizer que fez como fez porque não tem leis que lhe permitam fazer diferente e melhor. Isso é um queixume. Se não tem as leis que lhe permitam fazer bem o que deve fazer, então que prepare a proposta de Lei e a entregue a quem lhe colocou lá para levar ao sítio onde a lei deve ser aprovada. Esse é o seu papel como conselheiro do governo, e não de fazer coisas mal feitas e depois vir dar explicações dessa natureza. Se o regulador não tem o quadro legal para agir tem que exigir esse quadro, e trabalhar para se criar esse quadro, e não agir discricionariamente de maneira controversa e de racionalidade duvidosa para depois dizer que fiz assim porque não tem quadro legal próprio.
Segundo, o Governador Zandamela entendeu mal a preocupação das pessoas sobre o conflito de interesses. E é extremamente grave e preocupante quando o regulador não tem clareza sobre a natureza de conflitos de interesse no seu domínio, pois uma das tarefas do regulador por natureza é monitorar e controlar atos que resultam de conflitos de interesse. O que as pessoas levantam como especto fundamental do conflito de interesses não é em relação a ele, pessoalmente, como Zandamela. As pessoas estão a pensar no Governador (seja ele Dr. Zandamela ou outro), e no conjunto dos trabalhadores do banco de Moçambique que são por definição accionistas do MOZA Banco por serem pensionistas do fundo detentor da maioria daquele banco comercial, em resultado da "decisão superior de gestão" tomada pelo Governador do Banco de Mocambique. Isto envolve desde Administrador passando por diretores até simples estafeta que seja pensionista do Banco de Moçambique. Por isso o conflito de interesses (ou a aparência dele) é institucional, o que é mais grave ainda. Por isso a explicação de que não há conflitos de interesse porque ele (o Dr. Zandamela) não tem pensão do Banco de Moçambique é despropositada, uma não-resposta e nem interessa ao público. As pessoas já sabem que ele não iria trocar uma pensão de mais de vinte anos no FMI por uma pensão do Banco de Moçambique que só começaria a pagar agora.
Deixando esses assuntos, o Governador falou sobre a situação económica e financeira no país e disse que já não há crise em Moçambique, que a economia dá sinais de recuperação, que o sector financeiro está a funcionar em pleno, e o Banco de Moçambique está a aumentar as suas reservas (citando mais de cem milhões de dólares adicionais em seis meses). Reconheceu mas minimizou os desequilíbrios fiscais, e asseverou que devemos deixar de ser pessimistas.
É um discurso consonante com a proclamação do chefe de que “Moçambique está de volta”. A minha espinha gelou.
A outra coisa que Governador Zandamela afirmou foi que a crise do MOZA Banco é a primeira na história do sistema bancário de Moçambique que obrigou a uma intervenção do Banco de Moçambique. Neste caso eu perdoaria o Governador se não leu os jornais na altura, pois ele próprio disse publicamente que viveu durante muitos anos fora de Moçambique. Mas como Governador tinha obrigação de estudar um pouco da historia da instituição que dirige. Quando foram roubados o Banco Comercial de Moçambique (BCM) e o Banco Popular de Desenvolvimento (BPD) e mais tarde Banco Austral (hoje vendido ao Barclays), a crise só não foi “sistémica” para quem não quis ver. Mas que teve uma intervenção teve sim senhor, e foi do mesmo Banco de Moçambjique que o Dr. Zandamela dirige hoje. E foi uma Intervenção que custou não só dinheiro dos contribuintes como até vidas preciosas. Uma dessas vidas é de um colaborador muito qualificado e competente do próprio Banco de Moçambique, que hoje poderia ser ele sentado na cadeira onde o Dr. Zandamela está sentado como Governador (ou muito próximo dela). E quando foi morto havia sido mandado pelo Banco de Moçambique para transitoriamente gerir um banco comercial intervencionado, recapitalizado, revendido e depois roubado outra vez e deixado abandonado. Foi morto por bandidos ao serviço de mandantes que muito provavelmente o governador até já pode ter apertado mão sem saber pois muito certamente alguns deles ainda pululam nos banquetes oficiais. O Governador Zandamela já visitou o lugar onde a tragédia ocorreu alí mesmo a menos de trezentos metros do Gabinete dele? Se não o fez ainda, aconselho-o a faze-lo, o 11 de Agosto está próximo. Isso havia de lhe ajudar muito a aterrar no seu solo pátrio, a ter mais sensibilidade e cautela no que diz, e para ver se se livra do perigo de viver em bolhas do poder!
E vou parar aqui. Até porque já entornei o caldo. Sempre que escrevo algo relacionado com o Banco de Moçambique um bom amigo meu costuma chamar-me atenção dizendo que nunca se deve levantar o véu da noiva. Ele vai ter que me desculpar se hoje não resisti.
43 comentários
Comentários
Júlio Massango
Júlio Massango O duelo é de gigantes e tudo quanto possa dizer pode ser reduzido à sua insignificância mas um pouco de pimenta pode alterar o gosto.
Entendi que, o governador do banco de Moçambique ao falar da falta de leis referia-se a uma situação factual cuja inte
rvenção era de caracter imediato, não sobrando espaço de submissão de propostas de lei cuja aprovação levaria tempo superior aos prazos fixados daí que, a acção teve que ser feita não como o desejado e sim como solução unicamente viável naquele momento. Entendi também que, era desejo do regulador que o banco ficasse nas mãos dos antigos donos e para tal deviam recapitaliza-lo e não o conseguiram e no percurso aprazado, investidores há que apareceram com sacos de dinheiro mas sem garantias bancárias e logo, suspeitos, então, na hora da verdade e perante este quadro optou-se por uma saída que não criasse novamente uma crise daí que se recorreu ao dinheiro limpo dos pensionistas do banco regulador, onde não consigo ver borrada alguma. Deixo a bola para os entendidos.
Eugenio Mabunda
Eugenio Mabunda Meus amigos Elvino Dias,João Chilengue, Silvestre Joaquim e Cadu Moreira, venham ver este post... Bastante exaustivo.
 · 
3
 · 20/6 às 20:05 · Editado
Gote Rafa
Gote Rafa Isso só acontece em Moçambique onde cada um dita sua norma porque está num cargo de renome num país. É difícil encontrar um indivíduo nascido pelo sere humano com espírito próprio de servir esse povo humilde. Ladrão procura outro ladrão para falarem a mesma linguagem.
 · 
2
 · 20/6 às 2:50
Euclides Matusse
Euclides Matusse O peixe/atum ja foi tirado da frigideira e os barcos arrumados. Vamos viver de lobistas ate quando?, e isso que queremos?. Deixem o homem trabalhar pelo que tem feito e ademais. Boas, nao conseguimos elogiar porque afinal, os problemas nao acabam vamos resolve los paulatinamente. O problema de Mozambicano quando pensa em dinheiro e sempre para ficar rico e nao milionario.
 · 
2
 · 20/6 às 3:07 · Editado
Farida Moty
Farida Moty Ê simplesmente doloroso
 · 
1
 · 20/6 às 3:46
Jose Eduardo
Jose Eduardo A falta de leis nao devia permitir a ninguem puxar claramente a sardinha à sua brasa, nem tao pouco entrar no mato, para depois justificar "por isso mesmo", pois ainda era possivel agir diferente. Dos pronunciamentos do governador, ficou a marca de ter aprendido cedo o " como se age" na Pérola do Índico.
 · 
5
 · 20/6 às 3:51 · Editado
Euclides Matusse
Euclides Matusse Luta se com as armas que possui, sem ou com municoes o importante e que estamos vivos; e vamos nos organizar...
Donaldo Chongo
Donaldo Chongo O Dr Roberto Julio Tibana não concorda com o posicionamento do Governador do BM quando ele afirma que a crise é coisa do passado mas, entretanto, não vejo a sua leitura que contra - argumenta tal afirmação. Sem querer ser inconveniente, peço encarecidamente, que, contrapondo ao optimismo do Zandamela, o Dr dê a sua leitura sobre o que está realmente a acontecer com a nossa economia. Nós os leigos nesses assuntos agradeceremos.
Rufino Sitoe
Rufino Sitoe Sem dúvidas, meu caro! Parece que o esforço está mais em criticar do que em encontrar fundamentos para a crítica.
Joel Mabasso
Joel Mabasso Duvido que alguém tenha o "cabedal" suficiente para contra-argumentação! Isto leva-me a concluir que há sempre disposição para falácias, em clara tentativa de desacreditar posições republicanas como, por exemplo, o tema em apreço. 

Não se deve almejar
 que todos tenham o mesmo sentido patriótico, falácias são das cenas quanto a mim, extremamente contraproducentes. E, alarmante quando há nisso protagonistas de quem se espera uma leitura racional ao "problema" de que se fala.
Caetano Morais
Caetano Morais Às vezes me parece que este Governador é mais um político do que técnico. Eu confesso , talvez por ser leigo na matéria, que não sei onde ele queria chegar. O Kuhanha não concorreu a compra do Mozabanco e como está lá como accionista? Qual é a garantia de recuperação desses investimento (de pensionistas)?Lembrando que nós do INSS já perdemos parte das nossas pensões em negócios bancários não parados. Diz que é a primeira vez que o BM intervém num Banco comercial. Ele nunca ouviu falar do caso Siba Siba Macuacua (alto funcionários do BM encarregue de investigar a derrapagem dum Banco comercial) e do jornalista Carlos Cardoso que seguiu o mesmo caminho pelo seu trabalho investigativo no maior rombo financeiro do país?
Então a crise já passou???? Isso é de arrepiar!!!!
 · 
5
 · 20/6 às 7:16 · Editado
Rufino Sitoe
Rufino Sitoe Como podes distinguir aonde ele quer chegar se és leigo na matéria? Tsk. A tua afirmaçao retira validade à qualquer crítica que possas elaborar depois dela.
 · 
3
 · 20/6 às 10:39 · Editado
Caetano Morais
Caetano Morais ....e eu pensei que a conferência de imprensa fosse justamente para leigos. Não sabia que era dirigida para uma classe específica!!!!
 · 
2
 · 20/6 às 19:26 · Editado
Mussa Abdula
Mussa Abdula Vakithi, o governador sempre tinha que dar um apiritivo às palavras e com este caldo que o Dr Timbana entornou pode vir a ser salubre demais. Kkkkkk.
 · 
1
 · 20/6 às 7:13
Alexandre Samuel Chemane
Alexandre Samuel Chemane Para mim a explicação do Governador foi muito clara , agora não entendo o motivo de todo este alarido. ...
 · 
7
 · 20/6 às 7:21
Ostwald Mabasso Jr.
Ostwald Mabasso Jr. Caro Dr Roberto Julio Tibana, sou um estudante ainda e por isso tenho sempre a atenção de ler os comentários que faz sobre os assuntos político-sociais e económicos do nosso País, e admiro muito a forma científica de como aborda os assuntos, mas no tocante as últimas declarações do Governador do B.M desta vez meu ponto de vista é ligeiramente diferente do seu, creio que se lembra do nosso Grande Crítico social o Doutor #Regendra que quando estava fora Ele fazia os melhores comentários as melhores abordagens mas hoje o mesmo está sufocado e não mais concretiza as recomendações que o mesmo dava ao executivo quando comentador.
O Doutor Zandamela de acordo com a ciência econômico financeira que já assimilei até então associado à realidade que tenho vivido dia após dia posso afirmar que sim há grandes melhorias no que toca à crise pois todo Moçambicano que está neste País sentiu na Pele o quão difícil foi o Ano de 2016 e Graças a algumas políticas introduzidas pelo Governador Zandamela e a própria conjuntura económica mundial permitiam aliviar a pressão que havia sobre o metical face às principais moedas de troca.
Quanto ao caso MozaBanco até então não tenho matéria suficiente pra contrapor a decisão do Governador do BM portanto no meu ver a decisão foi a mais acertada pois permitiu recapitalizar o banco e evitar a situação que se viu com o "Nosso Banco".
O Zandamela é conselheiro do executivo isso sim é uma obrigação dele mas lembra que a economia do País não depende só do BM mas há outros mais actores, outros ligados a Política que actuam de forma directa outros em anonimato.
Pronto o muito dirão os outros.
Um abraço
 · 
16
 · 20/6 às 8:34 · Editado
Matavel Mario Jose Matavel
Matavel Mario Jose Matavel Ostwaldo mabasso Jr, bravo é verdade o k DF disse. Senti um tanto de amargura e descontextualizada a abordagem por meter assuntos k nem atrelados e nem trelas Duz respeito.
Matavel Mario Jose Matavel
Matavel Mario Jose Matavel Meus irmãos entendidos e entendedores de economia, as explicações objectivas que salvaguardam a segurança do evitável, foram bem claras e fundamentadas pelo Dr Zandamela. As acessórias resultam da sua ausência neste período de mais 20 anos fora do Moçambique real mas não são determinantes. O que é certo, se é que estão cépticos, usem várias plataformas da sociedade civil disponíveis para levarem a debate como forma de contribuir na consolidação da medida e expurga-la de possíveis ora "profeticamente" previsíveis danos. Foi sim coerente e ajustada à realidade permitida e creio que doravante, a questão da legislação estará agora no TPC dos ilustres LEGALISTAS e adiar a medida nao era o recomendavel condicicionada à questao legal e não sei ate quando. Está sim o colectivo do Banco de Moçambique de parabéns por ter dado esta medida ainda que paleativa pois não era a mais desejável pelo que entendi.
Vou confessar, agora já posso ir regularizar a minha situação porque o email do MozaBanco não pára de bater na minha in box porque tratei de zerar a conta preventivamente na espreita de ver aonde as ondas impeliam.
 · 
3
 · 20/6 às 8:41 · Editado
Nelson Badaga
Nelson Badaga Prefiro enjaular as minhas palavras porque ainda tenho duviedade de dúvida perante as declarações do ilustre governador do BM.
Matavel Mario Jose Matavel
Matavel Mario Jose Matavel Kkkk, algemar palavras ou enjaula-las isso não trás liberdade e nem sossego na liberdade enjaula-se mais gravosamente por não estares livre.
Candido Alfredo Quive
Candido Alfredo Quive Há em nisto too um conjunto de factores a ter em conta, para mim é importante o dilema que Dr. Zandamela fez, é um dilema inteligente, mas não por completo. Primeiro, o BM injetou somas de dinheiro ao MOZA Banco para a salvação deste último, e depois o mesmo BM é quem compra as acções do MOZA Banco. Estranho!!!! Será que aquele dinheiro é realmente de KUHANYA? Será que a KUHANYA tem tanto dinheiro ao ponto de pagar comprar aquelas acções e continuar até hoje pagar pensão aos trabalhadores reformados? Quem nos garante, pode ser que seja o próprio BM que em nome da Kuhanya comprou as acçoes, porque já revelou ter capacidade financeira quando injetou o primeiro resgate ao MOZA. Para põr fim a isto, seria necessário auditar as contas da KUHANYA. Segundo, acho que Dr. Zamdamela caiu no jogo político ao dizer que já não há crise em Moçambique. Antes ouvimos Nyusi a dizer que Moçambique já está de volta, e depois ouvir Zandamela a dizer que já não há crise em Moçambique......É estranho.
 · 
4
 · 20/6 às 9:37
Roberto Matusse
Roberto Matusse Assuntos chaves, conflito de interesses, intervencionismo e recapitalizaxao, falta de conhecimento de intervenxoes anteriores a feita no banco de moxambique, entre outros. saudaxoes meu caro.
 · 
2
 · 20/6 às 9:46
José Luís
José Luís Ele Zandamela não está em conflito de interesse por não ser pensionista do BM. Quem nos que o próximo governador do BM não estará em conflito de interesse com o Moza? Realmente não há clrareza e exaustividade na sua abordagem... foi um discurso poético, dizer que a Kuhanha evitou que a situação do Moza contaminasse o sistema bancário nacional. Temo que Zandamela deixe de ser pragmático, como ele diz ser.
 · 
2
 · 20/6 às 9:56
Jaconias Massango
Jaconias Massango Zandamela representa o banco; os pensionistas são colegas dele. Lei anti-trust.
 · 
1
 · 20/6 às 22:07 · Editado
Candido Alfredo Quive
Candido Alfredo Quive Se já estamos em crise, por que não se baixa a taxa de incidência do BM para o consequente baixamento das taxas de juros dos Bancos Comerciais?
Swahil Triga
Swahil Triga essa medida iria aumentar a oferta monetária e consequentemente a teriamos o aumento da Procura Agregada resultando numa subida dos niveis gerais de preços no pais! Analisando a conjuntura actual da nossa economia achas essa medida eficiente?
Sergio Baloi Sergio
Sergio Baloi Sergio Não sabia que Dr Zandemela tem falta de respeito com os moçambicanos.
Rufino Sitoe
Rufino Sitoe Parece que o Dr Tibana preferiu não escolher o feijão e deitar todo pro lixo. O esclarecimento da capitalização do Mozabanco por parte do Dr Zandamela foi claro. A decisão tomada pode não ter sido a melhor mas foi a mais acertada. Sobretudo no contexto em que nos encontrávamos. Quem estuda o processo decisório e a liderança nos momentos de crise sabe que há decisões as vezes drásticas que devem ser tomadas para evitar que o barco afunde. A lógica por detrás dessa decisão é boa.
Angela Maria Serras Pires
Angela Maria Serras Pires Please não divague na ilegalidade porque usar um fundo para o saque e demasiado cruel
Rufino Sitoe
Rufino Sitoe Ilegalidade teria sido aceitar que "qualquer um" aparecesse com valores para recuperar o Banco. Se acompanhou a explicação do Governador entenderá o esforço que se fez num quadro legal com muitas lacunas em favor de uma acção pragmática. Ele foi um decisor de mérito.
Angela Maria Serras Pires
Angela Maria Serras Pires Já percebi que o Zandamela ja está frelimizado
Solomone Manyike
Solomone Manyike Parabéns aos intervenientes neste debate! E parabéns ao "provocador"!
Na verdade governar na situação actual exige muito mais! É preciso conjugar a arte e a ciência para avançar!
Heitor Macuacua
Heitor Macuacua Moz está de "VOLTA"?!... a tapar o Sol cm peneira
Matavel Mario Jose Matavel
Matavel Mario Jose Matavel Deixem de serem pessimistas e profetas do apocalipse de Moz.

Saibam elogiar pelo menos uma vez.
Joao Alexandre Papucides
Joao Alexandre Papucides Parabens Dr. Foi directo e consiso. Espero e que o sr governador do BM leia isto e tire as devidas ilacoes. Abr
Álvaro Xerinda
Álvaro Xerinda Primeiro negaram a crise e depois aceitaram e a mesma nao afetaria aos moçambicanos. Hoje a crise ja passou. Este Pais anima pah. Estamos a espera de ver esta melhora no dia a dia do povo. Transportes, Educação, Saúde, Salários, Energia, Combustíveis.....
Oscar Jaqueta
Oscar Jaqueta Que as verdades sejam ditas, sem dúvidas, Doutor!
António Francisco
António Francisco Roberto Julio Tibana, qual é a suruma que ele e tu andam a snifar? A vossa frontalidade é fantástica.
Roberto Julio Tibana
Roberto Julio Tibana António Francisco, Agradeço teres trazido um pouco de graça nesta conversa comovente, mas assunto é e permanece muito sério. Acabo de ver na STv outras passagens da entrevista dele, e começo a perguntar-me se não temos aqui uma patologia qualquer. Veja o meu outro post de hoje sobre o assunto.
António Francisco
António Francisco É pá, Roberto Julio Tibana. Estas voltas e reviravoltas de que o Timoneiro e o Xerife falam só podem ser engolidas snifando algo bem forte. A entrevista do xerife está disponível no youtube?
Jaconias Massango
Jaconias Massango Não é facil negar de professar a religião. A Kroll aceitou se converter, Dhlakama idem. Quem é Zandamela?
 · 
3
 · 20/6 às 23:08 · Editado
Nelson Alfredo Covane
Nelson Alfredo Covane O governador perdeu a oportunidade de exercer a técnica na qual foi nomeado e aliou se ao #Sistema ou está a serviço da mesma, pk nem tinha certeza de suas palavras... #Decepção
Hugo Xavier Ribeiro
Hugo Xavier Ribeiro Infelizmente ele não é Allan Grrenspan ou a Janet, porque esses quando falavam os mercados reagiam imediatamente. Como houve assim tanta transparência que o Moza foi adjudicado a uma empresa que nem sequer concorreu? Aquilo foi um bail out plain and simple. Então cabe ao BM admitir isso e parar de brincar com as pessoas..... isto até me faz lembrar o discurso do ministro da economia e finanças que disse que a dívida era boa...... se fosse num outro país mais sério ele seria linchado no pódio, mas cá foi ovacionado......
Nindzy Whatsy
Nindzy Whatsy Bom se ele caiu mais a cova que ele cavou tenho a certeza que eu e você cidadãos "comuns" estamos muito mais ao fundo, Doutor deixemos do "blablaismo" e vamos a soluções concretas ou só estamos pra passear a classe dos " academicos/Doctorismo" . Nós o povo queremos coerência e coesão.
Kissane Chivite
Kissane Chivite Esses blá blá blá feliz ou infelizmente acabam servindo de inspiração para quem tem a oportunidade de ler e assim por diante alertar aos nossos queridos pais que não tiveram a sorte de estudar mas conseguiram com sabedoria nos dar a oportunidade de ter uma visão diferente, e sermos mais atuantes na mudança das coisas. Ele fez a parte dele alertando aos leigos na matéria. E a nossa como povo qual é? Ficar calados assistindo ou fazer algo que ajude a mudar o cenário? Cada um luta com a arma que tem é que tem maior domínio dela...
 · 1 h
Fernando Veloso
Fernando Veloso Quando começou a "crise" quantos meticais compravam 1 USD? E agora quantos meticais compram 1 USD?
Issufo Issufo
Issufo Issufo Metam uma maçã boa numa cesta de maçãs estragadas, depois de alguns dias observem o que aconteceu à maçã boa, e tirem conclusões...
 · 
1
 · Ontem às 0:30 · Editado
Jaconias Massango
Jaconias Massango O Dr. Zandamela estava convencido de ter chegado num país de cegos onde se aplaude vocábulos e terminologias raras. Um país com economistas monomotapistas e seria suficiente o facto de estar a vir dos EUA para marcar o golo do lado que quisesse. Estou convencido que a Frelimo é uma religião!
Caetano Morais
Caetano Morais "A Kuhanha não concorreu para a compra do Mozabanco mas depois entrou no negócio" 
"O João Figueiredo não veio cá pedir emprego, nós é que fomos atrás dele e ele negou ao primeiro momento mas fizemos -lhe entender que era um interesse nacional , foi p
or isso que ele aceitou".

Um homem que num momento se assume como Governador do Banco de Moçambique (e usa a 3a pessoa na conjugação dos verbos ao se referir a Kuhanha) e num outro momento se assume como representante do accionista maioritário (e conjuga os verbos na 1a pessoa) com competências para nomear o PCA do Mozabanco.

2. Sem o Dr João Figueiredo o Mozabanco ficaria sem PCA. Ele é o único no país com capacidade de assumir a função por isso era preciso obriga-lo a assumir o cargo!

Isto me parece uma comédia!
Kissane Chivite
Kissane Chivite Kakakakaak defacto parece uma a grande piada, ele está envolvido num esquema que mal sabe se situar. Creio que hajam cargos que as pessoas por mais capazes e inteligentes que sejam devem se negar a assumir, sobretudo em negócios de família, onde a actuação ficará refem do lambebotismo e palmadinhas nas costas sempre que a família se unir pra aplicar manobras de fuga ao fisco...
 · 1 h
Jaconias Massango
Jaconias Massango Sr Caetano Morais, nem para o lugar de PR vai a pessoa mais inteligente de todos! É uma questão de oportunidade.
Caetano Morais
Caetano Morais O PR é eleito e ele concorre ao lugar de livre e espontânea vontade!
Artur R Jaquene
Artur R Jaquene Dizia um velho ditado... que a reputação de indivíduos e atribuído pelos seus admirados .. pelo estes terem construído uma base de efeitos relevantes na sua careira. ... e o caráter é um valor acrescentado que nós como indivíduos nos atribuímos na ausência de quaisquer telespectadores. .. Ou seja... o carácter não deve, nem pode ser assistido na sua atribuição .. Pode até ser um valor divino. Lhe falta o Dr Rogério Zandamela governador do Banco de Moçambique. .. O CARÁCTER ... fes lembrar a necessidade de avaliar a proveniência de alguns diregentes em actividades de relevo.. como o banco de Moçambique. ... para a busca de Historial aparatir da sua proveniência , a árvore parentesco , os abitos a custumes na comonidade onde nasce o dirigente. .. e mais elementos que podem nos conduzir a uma clara e profunda avaliação da sua Conduta.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.