quarta-feira, 17 de maio de 2017

Especialista em Geologia reagem à entrevista por mim concedida ao Jornal "notícias" com críticas descabidas e também imprecisas


Especialista em Geologia reagem à entrevista por mim concedida ao Jornal "notícias" com críticas descabidas e também imprecisas

Quiçá o meu azar é gostar de estar sempre actualizado do que alguns "especialistas". Mas o que não gosto mesmo é pôr em causa diplomas de quem quer que seja.

O modo emocional de agir dos especialistas que dirigiram uma "carta de esclarecimento" ao "notícias", até insinuando que este órgão de comunicação social com créditos bem firmados em Moçambique agiu irresponsavelmente na busca de esclarecimentos sobre sismos, visou pôr em causa as minhas credenciais académicas e demonstra que os mesmos (autores da carta) não pretendiam corrigir nenhuma imprecisão na referida entrevista. De facto, o que eles estão a protestar é o facto de não terem sido eles a ser entrevistados pelo "notícias", sobre o assunto em questão. Só estou a ver ciúmes na reacção dos meus colegas, mais nada! Não vejo esforço nenhum para repor uma verdade que tenha falsificado por pertensa ignorância.
Tendo dito isto (acima), estou a preparar uma resposta circunstancial sobre a entrevista que eu concedi ao "notícias", mostrando que as imprecisões referidas na carta dos especialistas decorreram de falhas de transcrição da entrevista, às quais eu não reagi pedindo correcções. Este é que o erro que eu cometi e o assumo. Eu deveria ter pedido ao "notícias" para corrigir as imprecisões na transcrição da entrevista, que na hora foi gravada. Aliás, é preciso indicar que a jornalista-repórter Anabela Massingue, que conduziu a entrevista, enviou-me o texto da primeira parte da entrevista, para verificação da informação transcrita. Ocorreu, porém, que eu não consegui fazer tempo para ler o texto dela e proceder às correcções que se impunham fazer, antes da sua publicação. Isto pode ser criticado justamente. Mas o texto da segunda parte da mesma entrevista foi por mim revisto e corrigido...
Conhecendo-me (como me conhecem!), os meus colegas poderiam ter falado comigo, o entrevistado, para obter melhor esclarecimento e possível discussão do conteúdo da entrevista, antes de correr a fazer "cartas de esclarecimento" que não esclarecem nada ao público leitor leigo em matéria de geofísica. Isto demonstra simplesmente que a verdadeira intenção dos subscritores da tal "carta de esclarecimento" (vede imagem) não era esclarecer nada, mas protestar contra o facto de terem sido eles a ser entrevistados.
E, já agora, é bom que se diga aqui que nenhum dos subscritores da dita "carta de esclarecimento" é especialista em sismos. Logo, também eles não estão tão credenciados assim para falar 'autoritativamente' sobre sismos. Do eu tenho conhecimento, Moçambique ainda não formou sismólogos (ou sismologistas). Portanto, tanto os autores da tal "carta de esclarecimento" quanto eu, todos estudamos sismologia como disciplina curricular nos bancos da universidade e aí se acabou. Aqui pode ser que algum evento se tenha passado eu desatento, e haja já alguns sismólogos moçambicanos, formados recentemente. Vou ressalvar a minha afirmação, se tal for o caso. Mas por ora não sei da existência de nenhum sismólogo moçambicano.
Sobre o conteúdo da entrevista, por característica própria eu não falo sobre assuntos dos quais não me sinto competente. Não sou aventureiro desqualificado, que é que os meus colegas pretendem fazer crer. Desafio qualquer um deles (e os conheço relativamente bem!) a confrontar o seu conhecimento especializado sobre sismologia com o meu, até mesmo em praça pública! Eu aceitei dar a entrevista ao "notícias" porque tenho competência científica para falar sobre sismos ao nível do detalhe que era requerido para o propósito de informar o público sobre o fenómeno. Não era imprescindível que se falasse com geólogos sobre sismos. Até um geógrafo bem treinado poderia dar aquela entrevista. Entrevistar um físico do meio ambiente sobre sismos foi até apropriado para simplificar o nível de detalhe da informação que se pretendia obter para o consumo público. Tanto detalhe poderia confundir as pessoas. Os geólogos têm muitas dificuldades de buscar exemplos para explicar o que se passa no interior da Terra, porque não se especializam nas leis da Física. A Geofísica nasceu para colmatar essa lacuna de formação dos geólogos. Podem não gostar, mas é facto: os geofísicos são mais físicos do que geólogos!
Sobre o exemplo de "nuvem de fumo" por mim dado na entrevista, em respostas à uma pergunta da entrevistadora, e que os autores da "carta de esclarecimento" dizem ser «despropositado», de facto é bem apropriado. Com efeito, magma é um fluído pastoso ou muito viscoso, qual mel ou manteiga de amendoim. No interior da Terra, este material (magma) forma "colunas" (poupo aqui as causas!) que sobem do manto em direcção à crusta, do mesmo modo que se vê "colunas" de fumo subindo da superfície para as alturas da atmosfera terrestre. Magma e fumo pertencem à classe de substâncias genericamente chamadas fluídos, com a diferença de que têm diferentes coeficientes de viscosidade, sendo maior o coeficiente de viscosidade da magma. "Despropositado" mesmo é um especialista em geologia não saber disto!
A direcção do jornal "notícias" e os leitores deste matutino podem estar seguros da minha idoneidade, contra a qual os meus colegas atentam. Se me tivessem pedido uma entrevista para falar sobre a ocorrência de recursos minerais, hidrocarbonetos, sedimentologia, ou sobre formações geológicas e suas propriedades específicas, aí eu poderia bem ter referido a repórter para falar com um dos meus colegas subscritores da "carta de esclarecimento" hoje publicada no "notícias". E tenho feito isso!
Enfim, não tenho tanta lacuna de conhecimento científico sobre sismologia quanto os meus colegas tentaram fazer crer na sua "carta de esclarecimento". De facto, despropositado é que tentaram fazer com via mesma carta: desacreditar o "notícias" e a mim, por ciúmes. Isso é que deve ser combater!
Ficai tranquilos!

Alguns amigos estão a telefonar-me para manifestar desconforto por causa da tentativa de desmentido assinado por colega meus bem titulados na UEM (Univerisdade Eduardo Mondlane). Não são os títulos que ditam o quanto alguém sabe algo. É o conhecimento associado com o título que dita a autoridade científica de alguém. No caso, parece que os nossos especialistas têm títulos mas não a autoridade que reclamam ter sobre sismologia. Isso pode ser demonstrado, eles querendo passar por esse teste. Estou pronto!

Por isso, amigos, ficai tranquilos pois pode ser provado que eu não menti aos moçambicanos, qual se tenta fazer crer. Eu apenas disse o essencial. Na transcrição do que disse houve erros nos números e na redacção. Mas esses erros não distorceram o sentido da mensagem que se pretendia passar. Os nossos "especialistas" apenas acrescentam detalhes (e não correcções!) do que eu disse o essencial na entrevista. Ter formação psico-pedagógica ajuda a esclarecer melhor assuntos complicados aos leigos. Buscam-se exemplos que excluem o detalhe que complica a explicação. Eu tenho a sorte de possuir formação psico-pedagógica e didáctia sobre como partilhar ou transmitir efectivamente conhecimento. Não sei se aqueles nossos especialistas também têm essa formação. Pelo que sei deles, parece que não a têm melhor a minha!
Eu não sou geólogo, mas formo geólogos. Geólogos só ficam "especialista" em qualquer coisas de geociências (ou ciências da Terra) com o auxílio das leis da Física. Eu sou físico! Estudei Física Nuclear. Depois estudei Física do Meio Ambiente Terrestre, cujo objecto de estudo se estende até à fronteira superior do manto do planeta Terra. Eu não teria vergonha de dizer que errei, se os nossos "especialistas" tivessem trazido erros de princípio na descrição de sismo e das suas consequências. Não é isto que eles fizeram. Logo, eles não desmentiram NADA no que é essencial!
Estou firme!
Comentários
Quem sabe não teme. 
Parabéns Prof. Julião João Cumbane.
16 h
Rui Jose de Carvalho Dr Julião João Cumbane. Quantos fisicos nuclear o país têm? Qual área específica de atuação...
1
16 h
Julião João Cumbane Não tenho o número, Rui Jose de Carvalho, mas são uns poucos, infelizmente! E maior parte destes já não pratica Física Nuclear, qual o meu caso!
3
16 h
Rui Jose de Carvalho Obrigado Dr cumbane. Tenho muita admiração pela sua frontalidede no tratamento de assuntos. Chamar a coisa pelo próprio nome... Grande abraço
1
16 h
El Patriota "Ficai tranquilos", essas suas formulações lembram-me velhos tempos de acólito e cristão devoto, nos corredores frios da paróquia da nossa senhora da Imaculada Conceição de Nzinje. Olhando para o seu linguajar virtual, o senhor daria um bom pároco, professor. Se calhar melhor que no seu actual ofício. Gosto como manuseia a língua de Pessoa
6
14 hEditado
Ser - Huo Provocador,
Agitador
2
16 h
Julião João Cumbane Tenho resposta à medida da tua provocação, El Patriota, mas não te darei hoje o prazer de saberes qual é!
3
16 h
Jose Cossa El Patriota! como invade mural alheio e manda aqueles comentario fora da conversa? ja viu?
1
16 h
Homer Wolf Eu já lhe falei isso há bué... Parece o próprio Cristo dirigindo-se aos apóstolos🙂
6
15 hEditado
El Patriota Já viu, mas ele pensa que estou a provocar-lhe
2
14 h
Ivan Uamusse O grupo de geólogo tem outros interesses que não seja científicos,porque segundo as explicações está tudo claro que quem faz o quê!
3 h
1
16 h
Ser - Huo Mas professor, sem querer agitar nada, não acha que está a se concentrar demais em (1) tentar dar o dito pelo não dito, transformando o seu "quintal" em espaço em que mandas (in)directas aos seus colegas da UEM (alias, condenas-os porque não se aproximaram , ti para papo de colegas, e estas as fazer o mesmo, nao indo a eles e sim ficando na rede); (2) tentar justificar que as gralhas da entrevista que foram tomadas pelos seus colegas para escrever o "esclarecimento" sao culpa do jornal na transcrição da mesma. 
Eu acho que um chamada a jornalista e outra aos colegas era bem útil. ACHO
5
16 h
Jose Cossa o "esclarecimento" foi publico, a(s) resposta(s) sao publicas
15 h
Ser - Huo Jose Cossa, o Juliao Cumbane pode muito bem responder, a não ser que sejas "guardiao" das respostas dele. Estou a tentar dizer, se queres rebater algum comentário com argumentos, o faça na boa, mas tentativa de cortar respostas e interacao, me parece uma atitude inútil. Vi a mesma tentativa no comentário do El Patriota
E se fores pouco atento, vais entender que eu estou a ligar palavras dele do primeiro post em que diz que os colegas podiam lhe te contactado...
E estas com sua defesa de "público" a ele assim , Júliao devia voltar ao jornal.
6
15 h
Luís Loforte "Os nossos "especialistas" apenas acrescentam detalhes (e não correcções!) do que eu disse o essencial na entrevista." Então, não há mhaka, a essência e o detalhe complementam-se para o conhecimento de leigos, como eu. Li a peça com interesse, no jornal.
3
15 h
Alfredo Chambule Eu não li a peça, mas "Errare humanum est".
14 h
Zuneid Esmael THE BEST PART"Eu não sou geólogo, mas formo geólogos. Geólogos só ficam "especialista" em qualquer coisas de geociências (ou ciências da Terra) com o auxílio das leis da Física. Eu sou físico! Estudei Física Nuclear. Depois estudei Física do Meio Ambiente Terrestre, cujo objecto de estudo se estende até à fronteira superior do manto do planeta Terra. Eu não teria vergonha de dizer que errei, se os nossos "especialistas" tivessem trazido erros de princípio na descrição de sismo e das suas consequências. Não é isto que eles fizeram. Logo, eles não desmentiram NADA no que é essencial!"
13 comentários
Comentários
Helio Filemone Inguane He he. So posso rir e lamentar pois... a guerra é de dinossauros
Mostrar mais reações
Sergio Serpa Salvador A ciência agradece pelo debate
Mostrar mais reações
1
19 h
Cris Cintura O SABER NAO OCUPA LUGAR...! DEBATE CIENTIFICO PRECISA-SE..BEM HAJA!
Mostrar mais reações
Mostrar mais reações
Francisco Montes Prezado professor Julião João Cumbane embora não t conheça ja tens o meu respeito.
Mostrar mais reações
1
18 h
Armando CR Junnyor Eu conheço o professor e pude ver a entrevista citada no post! Agora ao ler o "Esclarecimento" no jornal Notícias, nota-se o puro ciume pelo facto de nõ terem sido eles os entrevistados! E, mais ainda, onde é que eles estavam esse tempo para prestar esclarecimentos?
Mostrar mais reações
Raul Junior Entre ter e não ter é preferível ter algo! Os Geólogos nunca apareceram em público a explicar Sismos! Só explicam se bem que explicam aos seus estudantes! Aliás é algo para questionar o que explicam de facto os geólogos? Há alguns meses perguntei aos ilustres geólogos se havia relação entre insectos e ocorrência de certos minerais dado que a minha zona constacto formigas de diversas espécies! A resposta dos meus amigos: não há relação. Agora pergunto aos físicos depois falarei com os geofísicos!
Mostrar mais reações
2
18 h
Paulino Malendza so posso lamentar. sem comentarios.
Mostrar mais reações
Armando CR Junnyor Triste atitude a deles!!!Infelizmente não se estão a comportar como académicos!Pena!
Mostrar mais reações
1
17 h
Armando CR Junnyor Como o Dr sempre dizia nas aulas, e acredito que continua dizendo aos actuais estudantes: SE NÃO SABE CALA, em ciência não se ACHA!!! "...eu não falo sobre assuntos dos quais não me sinto competente..."
Mostrar mais reações
Dias Cardoso Tuchu Faz tempo que não se verificava um debate entre académicos nacionais. Isso é muito bom. A ciência agradece. Moçambique agradece.

Parabéns Professor, pela sua colocação. A história reservar-te-á um lugar.

Mas quem são esses que querem minimizar os conhecimentos de uma personalidade que prestou alguns serviços à NASA (National Aeronautics and Space Administration, ou, em português, Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço)?

Não se pode minimizar uma personalidade que prestou serviços a esta agência do Governo Federal dos Estados Unidos, responsável pela pesquisa e desenvolvimento de tecnologias e programas de exploração espacial.
Mostrar mais reações
1
15 hEditado
Julião João Cumbane Não me empola, Dias Cardoso Tuchu; não gosto disso! Eu não estive na NASA como quadro da agência. Eu passei por lá como "cientista convidado", no âmbito de um programa de colaboração com a Universidade de Joanesburgo. Quando lá estive (na NASA), é verdade que as minhas ideias no que constitui meu interesse científico actual foram apreciadas ao ponto de receber um convite para por lá ficar, e declinei esse convite. Foram essas ideias que fizeram elegível como "cientista visitante" naquela agência espacial. Na ocasião, aproveitei aprender muitas coisas que dificilmente poderia ter aprendido doutra forma. Portanto, corrige o teu comentário!
Mostrar mais reações
Dias Cardoso Tuchu Em qualquer dos casos, ilustre, o evento merece meu respeito. Tiro chapéu.... Foi uma participação que até muitos cientistas europeus, africanos, etc, tencionam, mas não conseguem.
Bem-haja, Senhor Professor!
Mostrar mais reações
1
16 h
Alzira Magalhaes Esses sao colegas ou inimigos!De facto,a tal carta dos tais geologos nao acrescenta nada de novo,sao detalhes que a meu ver nao interessavam o publico.
Mostrar mais reações
Dercio Muhatuque Prof. JJC, quando o assunto em questão é fisica, preciso tirar o meu chapeu aprender com o senhor, pois bom professor o senhor é. Fico feliz pela publicação por que chama atençao ao diálogo academico e ao respeito mútuo. Ficaria mais alegre se as suas publicações fossem de natureza academica e nao fossem de ideias com fundamentos subjectivos e muito deficeis de comprovar. Parabens pela reação provocadora e justa.
Mostrar mais reações
Lavina Mambonhe Devo desde já lamentar o comportamento infantil dos prezados académicos. Acredito que possa existe sim uma querela mas que devessem arranjar um fórum adequado pra se esgrimirem e não publicamente como fizeram. Triste atitude.
Mostrar mais reações
Herminio Ricardo Esta é a triste realidade do nosso país.As pessoas querem subir pisando os outros. São ciúmes,inveja e nem têm cultura académica !!!
Mostrar mais reações

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.