terça-feira, 30 de maio de 2017

Índios brasileiros denunciam no Parlamento Europeu perto de 400 assassínios desde 2003


1
O líder índio da etnia Guarani-Kaiowá, da região brasileira do Mato Grosso do Sul, denunciou no Parlamento Europeu que este povo indígena sofreu "quase 400 assassínios desde 2003".
Em novembro de 2016, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução sobre a situação dos índios Guarani-Kaiowá
Marcelo Sayao/EPA
O líder índio da etnia Guarani-Kaiowá, da região brasileira do Mato Grosso do Sul, denunciou esta terça-feira no Parlamento Europeu (PE) que este povo indígena sofreu “quase 400 assassínios desde 2003”. “Está a acontecer um genocídio contra os Guarani Kaiowá devido ao negócio com as nossas terras”, afirmou Ladio Verón, durante uma conferência no PE, em representação desta comunidade que engloba cerca de 50.000 pessoas.
Está a matar-se o nosso povo com balas e com veneno e tudo isto porque querem ocupar as nossas terras para cultivo. Existem grandes indústrias que querem roubar a nossa terra e o governo do Brasil não está a fazer nada para que a lei seja cumprida”, prosseguiu o líder índio.
A conferência em que participou Ladio Verón foi organizada por vários eurodeputados, incluindo Xavier Benito do partido espanhol Podemos (extrema esquerda), formação política que promoveu no ano passado uma proposta de resolução no Parlamento Europeu sobre a proteção dos direitos das populações indígenas no Brasil.
“Existe uma necessidade urgente de atuar para travar este genocídio” e “a União Europeia e o Parlamento Europeu têm de tomar medidas para acabar com a ocupação de terras para a monocultura por parte de multinacionais”, afirmou Xavier Benito.
Em novembro de 2016, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução sobre a situação dos índios Guarani-Kaiowá, apelando então às autoridades brasileiras para que protegessem estes indígenas. Na resolução, os eurodeputados lembraram que a Constituição brasileira reconhece o direito original dos povos indígenas aos seus territórios ancestrais.
“É dever do Estado regulamentar e proteger esse direito”, salientaram na altura os eurodeputados, apelando às autoridades brasileiras para que garantissem a realização de inquéritos independentes sobre os assassínios e os ataques de que os povos indígenas têm sido vítimas por tentarem defender os seus direitos humanos e territoriais, de modo a que os responsáveis sejam levados a tribunal.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.