domingo, 14 de maio de 2017

Moscovo e Pequim “preocupados com escalada da tensão” após míssil norte-coreano


A China e a Rússia estão "preocupadas com a escalada de tensão" na península coreana, após o lançamento de um míssil pela Coreia do Norte em violação das resoluções da ONU.
JEON HEON-KYUN/EPA
Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre
A China e a Rússia estão “preocupadas com a escalada de tensão” na península coreana, após o lançamento de um míssil pela Coreia do Norte em violação das resoluções da ONU, afirmou este domingo o Kremlin.
O Presidente russo, Vladimir Putin, e o seu homólogo chinês, Xi Jinping, “discutiram em detalhe a situação na península coreana” durante um encontro, em Pequim, e “as duas partes exprimiram a sua preocupação para com uma escalada de tensão”, declarou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, aos jornalistas.
A Coreia do Norte levou hoje a cabo um novo teste de míssil, a partir da sua base de Kusong, a norte de Pyongyang.
As autoridades sul-coreanas indicaram que o míssil, disparado às 05:27 (21:27 de sábado em Lisboa), percorreu cerca de 700 quilómetros antes de cair no Mar do Japão, pelo que o ensaio terá sido bem-sucedido, considerando tratar-se de um míssil balístico, apesar de continuarem a proceder à análise dos detalhes do lançamento para determinar o tipo de projétil em causa.
A China já tinha apelado à contenção, reiterando a sua oposição às violações das resoluções do Conselho de Segurança da ONU por parte da Coreia do Norte, num comunicado divulgado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.
“Todas as partes envolvidas devem exercer contenção e abster-se de aumentar a tensão na região”, afirmou, poucas horas depois do lançamento do míssil.
A Casa Branca, por seu turno, apelou à adoção de sanções “muito mais fortes” contra o regime de Pyongyang.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.