domingo, 16 de julho de 2017

PR anuncia para breve exploração de areias pesadas de Chibuto




Filipe Nyusi avança que estão em curso estudos ambientais para exploração de areias pesadas de Chibuto
O Presidente da Republica, Filipe Nyusi, efectou uma visita de trabalho a província de Gaza, local onde decorrem os Jogos Desportivos Escolares. Naquela província do Sul do país, o Chefe do Estado anunciou para breve o início da exploração as áreas pesadas de Chibuto.
Mesmo sem avançar com datas precisas para o efeito, Filipe Nyusi disse que já estão em curso os estudos ambientais e reassentamento da população.
U Tal Zango
U Tal Zango Mas esse assunto ja devia ter sido enserado!
Manage
Annlawi Annlawi Jr
Annlawi Annlawi Jr De exploracao este pais esta cansado, pois dessas exploracoes o povo so ganhou miseria e os da elite ganharam riqueza...nem sequer plo menos os reassentamentos tem sido dignos de um ser humano...talvez sera diferene ai em gaza como sai os donos do pais...
Manage
Sérgio José Filimaõ Manjate
Sérgio José Filimaõ Manjate Perante o actual senário económico do estado .aqui ceder a toda chantagem dos financiadires .abrindo lhes oportunidades de investimentos a criterio deles . Pq de vantagens pouco temos tido. Força
Manage
Yung Dos Zavales Zavales
Yung Dos Zavales Zavales Dâ na mesma,a populaçao local so ganhará doenças proveniente das poeiras,Hiv por conta desses estrageiros k la estarao.
Manage
Zulficar Mahomed
Zulficar Mahomed É demasiadamente apetecível investir em Moçambique, tipo mete 2 milhões de dólares e tira 12.
O pior é que não estamos preparadaos para explorar nem controlar essa mesma exploração.
No final teremos "buracos proFundos".
Manage
Michon Fred Sambo
Michon Fred Sambo É muito triste, doloroso o que temos passado com a nossa herarquia. Eu nao sei por que o nosso pais nao preocupe-se em formar os seus exploradores para se evitar o que esta acontecer.
Manage
Sergio Tembe
Sergio Tembe Os lucros vai nos bolsos deles não sei porque continua a nuciar estes tipos de coisa porque não benefecia a populacao
Manage
Gabriel Manhique Manhique
Gabriel Manhique Manhique Onde so ficou restos ,o boss chissano ja vendeu
Manage
Cabral Toze
Cabral Toze Kikiki mocambicanos sempre vivem d promessas. Estamos a sofrer desde o passado agora no presente e depois o futuro pk temos k pagar as dividas
Manage
Eunicio Francisco Maquite
Eunicio Francisco Maquite Esperamos que só são ainda estudos e não a própria exploração para no final ser a mesma porcaria.
Manage
Edgar Azarias Mazivila
Edgar Azarias Mazivila Viva e força juntos unidos levaremos a enconomia do pais mais alto nivel
Manage
Sá de Fonseca
Sá de Fonseca E assim o país vai às covas
Manage
Amida Da Muala Muala
Amida Da Muala Muala K economia ira avançar? Apenas é a entrada d varias doenças e o nsso lucro sera as redes mosquiteiras e diabetes k n acabam pha n tem nda a anunciar né.
Manage
Hipó Crita
Hipó Crita Pagar dívida pública nada
Manage
Sebas DA Paz Maculuve
Sebas DA Paz Maculuve Boa coisa fasa bom trabalho...
Manage
Edson Ted Madiva
Edson Ted Madiva E o taco?
Moçambique tem recursos para todos - Palavras do Padre Vicente Berenguer
Por Edwin Hounnou
O Padre Vicente Berenguer Llopis, da Congregação Padres de Burgos, de nacionalidade espanhola, chegou a Moçambique no ano de 1967. Trabalhou em Moatize e Cidade de Tete e Changara, uma zona isolada, tórrida e com poucos recursos mas com gente dedicada ao trabalho.
Padre Vicente evangelizou, ensinou a sua gente a amar a Deus e ao próximo. Ensinou que o povo tem o direito à liberdade e ao progresso. Ensinou a inconformar-se com a situação e a lutar pela sua emancipação. O amor a Deus pressupõe amarras e lutar pela liberdade e independência. Muitos jovens atravessaram a fronteira ao encontro dos que lutavam pela liberdade e independência através das mãos do Padre Vicente e isso criou-lhe dissabores de tamanhos variados com as autoridades coloniais.
Em 1975, chegou a independência e o Padre Vicente continuou com o seu trabalho de consciencialização. Todos, incluindo ele próprio, estavam entusiasmados com os ventos da independência porque o povo passaria a ter mais escolas, mais centros de saúde e com melhor habitação. Não tardou a ser acusado de ensinar o povo o que não convinha aos novos governantes. Teve problemas e ia sendo "corrido" e a caminho da deportação, Sérgio Vieira foi tirá-lo do avião. São coisas da revolução de confundir amigos com inimigos. Ficou em Maputo, como funcionário da Educação sem deixar a sua tarefa de missionário. O Padre Vicente já com 80 anos, amigo dos pobres, excluídos e dos oprimidos, vai descansar depois de 50 anos de trabalho ininterrupto em Moçambique e com a gente humilde. Construiu a Escola Secundária do Bairro Ferroviário das Mahotas e um importante Centro onde as mulheres aprendem a costura e culinária. Em Ressano Garcia deixa uma imponente Escola Secundária, um condomínio para os professores com todas as condições para os docentes se sentirem bem.
Porém, o Padre Vicente diz que os frutos da independência ainda não chegaram ao povo porque os novos governantes se esqueceram dos objectivos da luta. Eles não aprenderam a redistribuir os benefícios da independência. A riqueza ficou acumulada nas mãos das mesmas famílias, no mesmo grupo e o povo caiu numa das piores desgraças de sempre -pobreza abjecta e repugnante. Se nada for revertido, Moçambique vai cair numa catástrofe histórica sem precedente.
O país tem tudo para ser um paraíso para todos e não num vale de lágrimas onde uns poucos têm tudo e a maioria está desprovida do essencial para levar uma vida com alguma dignidade, disse o prelado em conversa amena. O Padre Vicente vai para sua terra natal e leva o povo de Moçambique, para quem trabalhou durante 50 anos, no coração. Está amargurado por o povo não ter alcançado os objectivos da luta pela independência. O povo não lutou para substituir um explorador por outro nem um opressor por outro, mas para alcançar a justiça, a liberdade, igualdade e o progresso. Passados 40 anos da independência, esses objectivos estão a ficar cada vez distantes e isso entristece profundamente o sacerdote.
Os Padres de Burgos vieram para Moçambique na década de 60 e até 1974 quase todos já haviam sido expulsos do país pela polícia política (PIDE) por discordarem da forma como o regime de Salazar /Caetano geria os destinos do nosso país e operavam nas províncias de Sofala, Manica e Tete. Os Padres de Burgos eram, na sua maioria, um importante grupo de oposição ao regime colonial.
GostoMostrar mais reações
Comentar
6 comentários
Comentários
Maria Cristina Gomes
Maria Cristina Gomes Fernando Veloso, será possível conseguir um contacto do Pe. Vicente?
GostoMostrar mais reações
· Responder · 2 h
Manage
Delmar Maia Gonçalves II
Delmar Maia Gonçalves II Não fora o egoísmo e a ganância ,o país estaria noutro patamar de desenvolvimento e a liberdade de expressão seria uma certeza!!
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 2 h
Manage
Pedro De Castilho
Pedro De Castilho Não era este que tinha perto de Ressano Garcia uma escola onde tinha crianças aprenderem agricultura?
GostoMostrar mais reações
· Responder · 2 h
Manage
Pedro De Castilho
Pedro De Castilho Padre dos pobres..Casa do Gaiato?
GostoMostrar mais reações
· Responder · 2 h
Manage
Adao Da Fonseca
Adao Da Fonseca Ele hoje despediu se em lágrimas da população de Ressano García
GostoMostrar mais reações
· Responder · 2 h
Manage
Maria Isabel Antunes
Maria Isabel Antunes Obrigada, Fernando. Um beijinho.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.