sexta-feira, 21 de julho de 2017

Os dois anos e meio do Presidente Nyusi

Os dois anos e meio do Presidente Nyusi
Fui convidado por tvm e stv pra falar dos dois anos e meio de presidente Nyusi. Por imperativo do tempo não fui à Stv. A pergunta é a mesma: "foi bom presidente ou não". E vejo muitos outros analistas a degladear-se como num jogo de crianças sim-não ao infinito.
Sabem o que digo?
1. Pra mim podem lá estar todos os presidentes do mundo, cada um com seu carácter, mas se não mudarmos as estruturas nada se altera. Tudo é igual.
2. O bem funcionar de um país depende de suas instituições. Instituições fortes. Como pode um presidente ser bom ou mau se existem individuos mais fortes do que instituições do Estado?
3. Um Estado é ruim quando há indivíduos fortes que até estão acima das leis.
4. Os órgãos de soberania não devem depender de "politiquices", estes devem ser independentes, autônomos, e bem separados como aprendemos na escola.
5. Pra órgãos serem independentes e autônomos os seus titulares não devem ser nomeados pelos presidentes da República. Espécie os da PGR, Presidente do Tribunal Constitucional, o Presidente do Tribunal administrativo etc.
6. Divisão clara dos três poderes (executivo, legislativo e judicial).
7. Nada de justificativa que foi a "luta de libertação" e por via disso reivindicar "direitos" estranhos. Você foi como um dever de um cidadão consciente. Se não tivesse ido iria outra pessoa.
8. O presidente da República tem excessivos poderes. Como o rei francês Luís XIV que dizia: "O Estado sou eu". Ele nomeia e desnomeia por lei. Aprendi na escola e ensinado por Karl Popper que numa sociedade quando uma entidade é mais poderosa, isto é, sem limites não pode haver democracia. Democracia significa paridade e limites. E um verdadeiro "check and balance". A democracia moderna foi introduzida exactamente pra lutar contra os reis absolutistas e déspotas por lei. Recordemo-nos que um dia senhor como Dhlakama pode ser presidente.
9. O presidente se desdobra muito em "presidências abertas" ou visitas as empresas ou ministérios. Existe aquilo que aprendemos em política que se chama de "subsidiáriedade". Um Presidente não precisa estar em todo sítio pra se aperceber de algo que não funciona. Visitas são gastos honrosos pra os bolsos dos moçambicanos que já a crise multiplicou.
10. A dita "Disciplina partidaria" torna Assembleia da República um "brinquedo". Onde indivíduos adultos só sabem levantar as mãos ou abaixa-las. Agente se pergunta o que estes indivíduos adultos estão aí a fazer. Gastos desnecessários. Pra tornar as coisas mais nefastas exigem "mercedes".
11. Os deputados devem ser eleitos pelos seus círculos eleitorais pra defenderem os interesses do povo. Não nomeados ou indicados pelos partidos.
12. Os governadores, como em outros países, devem ser eleitos. Não fazem parte do poder executivo centralizado.
13. Temos que abandonar o "Presidencialismo atipico": Presidente da Republica, presidente do partido, presidente do governo, presidente de forças armadas (comandante em chefe), presidente de todos poderes (legislativo, executivo e judiciário), presidente de ACLIN... Numa só pessoa.
14. Um Presidente da República não deve ser Presidente do Governo.
15. A sociedade civil deve ser mais proactiva e exigir os próprios direitos no lugar de esperar que algum partidos políticos o faça. Os partidos tem seus interesses (querem governar).
16. Reformas constitucionais já.
O resto não me interessa se o Presidente é bom ou não.
SOCIEDADE DE PROCESSOS OU DE ACONTECIMENTOS ESPORÁDICOS?
Tenho notado que esta geração que está a respirar o ar de Moçambique por estas alturas do ano 2017 D.C está praticamente alheia à sua própria evolução.
Fiz uma observação esporádica e não científica (afinal não sou nenhum cientista), e cheguei à conclusão que toda a sua vida é feita de acontecimentos e não de processos, e por isso que está estagnada sem perceber que está estagnada (repeti porque qui-lo).
Ora vejamos:
O moçambicano desta geração não se preocupa pelos processos, mas apega-se aos acontecimentos como o objectivo final de qualquer facto, e daí para frente volta a mergulhar na mesma paragem processual que sempre teve e venera.
Isto é produto da análise sentimental que se faz dos factos, isto é, o sentimento é que guia todo e qualquer tipo de julgamento, e daí é só mandar ao inferno ou ao céu da consideração, sem se preocupar com o resultado final do processo que foi despoletado por esse tal acontecimento.
O moçambicano actual tem a coragem de aplaudir o mal só porque identifica-se sentimentalmente com o seu actor, ou simplesmente não simpatiza com a vítima ou o escudo da vítima, sem olhar para a big picture, ou esperar pelo fim do processo em causa.
O sentimento ganha um espaço de juiz, juiz momentâneo que somente está para saciar nossos egos, apegando-se aos acontecimentos localizados e deles extrair o néctar social para saciar nossos egos, e daí marimbámo-nos para o processo desencadeado sem nos preocuparmos com os resultados que daí podem advir, pois o nosso ego saiu a ganhar.
O sentimento é elevado estoicamente a categoria de juiz, de Deus que tudo pode, e decide inconscientemente, mesmo que o nosso espaço vital como indivíduos esteja a ser diminuído ou ameaçado.
O que se nota nesta geração que está a viver em Moçambique, é um excessivo toque de narcisismo injustificado, onde o sentimento é glorificado e o binómio “gosto-não gosto” é posto como sacrossanto do ajuizamento dos factos, mesmo que sejam relevantes para a sociedade como um todo e não para o indivíduo como sujeito social.
Isto é, os cidadãos acham que não são sujeitos sociais e tudo o que acontece no país neste momento, tem somente a responsabilidade dos que são citados em acontecimentos esporádicos, e sobre estes lançamos os nossos sentimentos sem olhar para a contribuição de cada um de nós numa visão procéssica (inventei isto agora) a longo prazo.
Esquecemos que todos somos sujeitos sociais e estamos emaranhados na responsabilidade que imputamos àqueles que pensamos que deviam ser culpados, pois no final, esta nossa análise e responsabilização fatiada, vai desaguar sobre as nossas cabeças, quer queiramos quer não.
Estamos sentados num conformismo sentimental abstracta sempre baseada em justificações embriões que nuca se desenvolvem para outra fase. Estamos comodamente sentados sobre a nossa irresponsabilidade, e a ser governados por sentimentos como animais do mesozoico.
Optamos por separar os anseios colectivos, coleccionando o individualismo, justificando com ideologias que estão a anos-luz da nossa sociedade. (Apregoamos que somos uma sociedade de consumo, mas não notamos que não temos todos os elementos que nos transformam em tal. Talvez somos essa sociedade. Mas a ficção futurista!).
Inconscientemente esquecemos a necessidade de evolução colectiva como sociedade, o que nos faz estar estagnados social, histórica e filosoficamente, ou se avançamos, estamos a faze-lo de uma forma negativa e torpe, sempre com medos a espreitar-nos a cada esquina.
Esta nossa prisão maelstrómica legitima a paragem histórico-social como um dado importante para a evolução (que na verdade nunca acontece), trazendo assuntos que já tratamos para que voltemos a trata-los da mesma forma, e para podermos justificar esta inércia, usamos os sentimentos como armas de arremesso, e apontamos os dedos aos responsáveis pelos acontecimentos, como se nós fôssemos simples apêndices históricos.
Na verdade e conscientemente, todos conseguimos identificar a mais-valia dos actores sociais pelos seus actos e pelas suas palavras, e as propostas que não conseguimos discernir na nossa mais pura justiça para onde nos levam, ou não deslumbramos nunca a ideia principal, devemos cancrotizá-las (do cancro) do nosso anseio de evolução social, se queremos mesmo evoluir como sociedade.
Nesta geração aqui, adoptamos um jogo de inversão psicológica, onde apelidamos os actores maléficos (os que estagnam a sociedade), como todos aqueles que não simpatizamos com eles, como se a simpatia fosse uma medida fiável factualmente para decidir em prol da evolução social.
Tornamo-nos mamparras simples e amarrados nos nossos sentimentos, julgando os factos não pelo que são ou representam para a nossa evolução social, mas sim se prejudicam aqueles com os quais não simpatizamos, ou se beneficiam o outro nosso brada, e assim estagnamos a favor de sentimentos.
Andamos a viver quotidianos negociados, instáveis e como autênticas marionetas da vontade imunizada da paralisação histórica hipnotizada, sem entendermos que o nosso papel como agentes históricos e sociais também é arrastado para esse mundo estático que inconscientemente desejamos nos tornar a cada dia.
Acreditamos piamente que a nossa desintegração social é que nos pode desenvolver como nação, e a nossa história será mais audível se condimentada com um pouco de caos e de dor, esquecendo que seremos perscrutados por olhos críticos dos nossos descendentes e seremos responsabilizados como uma geração e não separados entre actores e “sentidores”.
Para nos enganarmos mais, formamos assembleias emancipatórias, autênticos purgatórios psicológicos, justificando cada acto e cada ideia destrutiva como sendo em prol da democracia e do bem-estar geral, e os aplausos baseados nas simpatias e não nos factos, tornam esta grande mentira como uma verdade.
Estas verdades fátuas são forçosamente renovadas, e cada dia de Deus temos que ser amedrontados, e temos que temer pela nossa vida, numa sociedade que se diz ávida de desenvolvimento, aparecendo cidadãos defensores da democracia que ao mesmo tempo defendem que a ameaça à vida é legítima. Mais uma vez com base em simpatias.
Infelizmente ainda não acreditamos nos nossos sonhos comuns, e vivemos a vida encostados a pesadelos que nós mesmos alimentamos, usando os sentimentos como algo que pode justificar o caos e o vai-vem histórico e social em que nos encontramos.
Precisamos de desenhar uma fronteira clara entre o que queremos e o que sentimos. O querer é factual, é dinâmico, é processual e desenvolvido, pois significa movimento para chegar à meta e aos objectivo, enquanto o sentir é um jogo de dores e alegrias subjectivas que destroem o comunal em prol de satisfação pessoal. É algo momentâneo, estático, narcísico e que estranhamente entre nós tem o valor de juiz supremo.
A separação entre estes dois é que pode ajudar a desatolar a nossa roda e avançarmos como uma nação que precisa de alcançar o seu futuro em conjunto.
Ao abraçarmos a objectividade como guia da nossa sociedade, ao abraçarmos a análise dos processos e não dos acontecimentos, estaremos a isolar os agentes patológicos que usam a subjectividade para atiçar os sentimentos como guias sociais, pois a objectividade é racional e permite a construção de um país objectivo e que se move.
As nossas liberdades não podem ser alteradas para se adequar à nossa subjectividade, mas a subjectividade é que deve procurar a objectividade social e nela inspirar-se para a sua própria socialização.
Se continuarmos a ser “sentimentais”, no fim do nosso caminho, e também nas conversas das futuras gerações, a subjectividade de cada um de nós vai ser responsável pela estagnação em que votamos o nosso país durante a nossa passagem por cá.
Esta geração vai ser conhecida como a geração da “Época dos Sentimentos”, como houve a “Idade das Trevas” na Europa.
Nhanisse!
GostoMostrar mais reações
Comentar
Comentários
António Cipriano Gonçalves
António Cipriano Gonçalves Américo Matavele, ainda bem que assumes não ser cientista. O que relatas aqui faz parte do Espírito da Época muito bem caracterizado por Zygmunt Bauman por tempos líquidos na obra "modernidade líquida": valorização do instantâneo....o aqui e agora. E olha que Bauman é polaco e falava no contexto do Ocidente europeu.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
5
· 4 h
Gerir
Matias De Jesus Júnior
Matias De Jesus Júnior Feitiçaria é achar que um dia Américo Matavele escreveu algum texto científico que não tenha sido para lamber botas...nhanisse
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
3
· 3 h
Gerir
Kuyengany Produções
Kuyengany Produções Bingo!
Comentários
Heleno Bombe
Heleno Bombe Bem dito
Carlos Cardoso
Carlos Cardoso Bem falado sem duvida apoiado!
Mebanze Joao
Mebanze Joao Numero 6??!!?!!
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 5 h
Eliminar
Dionisio Costumado
Dionisio Costumado Os Pontos 10 e 10, sao para mim o serne da questao.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 5 h
Eliminar
Mbuya Chaves Dezanove
Mbuya Chaves Dezanove Boa explanação superou a expectativa mais do que outros parabéns ilustre
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 4 h
Eliminar
Helder Mario
Helder Mario Ponto 2, 3, 7 e 12
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 4 h
Eliminar
Egidio Vaz
Egidio Vaz Cadê o balanço dos dois anos e meio?
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
4
· 4 h
Eliminar
Luis Baptista
Luis Baptista hahahahahaha
GostoMostrar mais reações
· Responder · 4 h
Eliminar
Helio Maguengue
Helio Maguengue O balanço dos dois anos e meio resume-se no ponto 9
GostoMostrar mais reações
· Responder · 3 h
Eliminar
Egidio Vaz
Egidio Vaz O ponto 9 é uma opinião. O Professor Ferreira viveu na Itália. Pergunta a ele se o Primeiro-ministro não visita Itália e com que frequência. Pergunte a ele.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 3 h · Editado
Eliminar
Carlos Edvandro Assis
Carlos Edvandro Assis Egidio Vaz o balanço dos dois anos e meio incidem na medida em que o Domus Oikos repara e sugere o que deveria ter sido feito mais pelo PR para tornar a nossa sociedade mais justa e vivivél.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 2 h · Editado
Eliminar
Rildo Rafael
Rildo Rafael Helio Maguengue 9. O presidente se desdobra muito em "presidências abertas" ou visitas as empresas ou ministérios. Existe aquilo que aprendemos em política que se chama de "subsidiáriedade". Um Presidente não precisa estar em todo sítio pra se aperceber de algo que não funciona. Visitas são gastos honrosos pra os bolsos dos moçambicanos que já a crise multiplicou.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 2 h
Eliminar
Lenon Arnaldo
Lenon Arnaldo Kkkkkkkkkkk nem mais
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 2 h
Eliminar
Rildo Rafael
Rildo Rafael Até para cortar fitas nos quiosques!!!
GostoMostrar mais reações
· Responder · 2 h
Eliminar
Rildo Rafael
Rildo Rafael Carlos Edvandro Assis 5. Pra órgãos serem independentes e autônomos os seus titulares não devem ser nomeados pelos presidentes da República. Espécie os da PGR, Presidente do Tribunal Constitucional, o Presidente do Tribunal administrativo etc.
GostoMostrar mais reações
· Responder · 2 h
Eliminar
Egidio Vaz
Egidio Vaz Rildo Rafael, cadê o balanço. Balanço é avaliação do que se fez. E não de teorias gerais. Criticar visitas não é balanço nenhum. As visitas são uma actividade para atingir um fim específico. Se não conheceres esse fim, passarás a falar a toa como o fazes. Criticar as visitas presidenciais para por compreender as razões e propor mecanismos alternativos para poupar o tal dinheiro que dizes estar a ser gasto. Então vamos ao balanço
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
3
· 2 h
Eliminar
Lenon Arnaldo
Lenon Arnaldo Falou falou falou ....... é opinião dele, respeitemos. Mas de balanço nada tem.

Os pontos elencados acima, não são a solução dos problemas, pois, temos exemplos de presidentes que são/fazem quase isso ele elenca acima mas não tem os problemas que nos temos. Ex Portugal

Digo-lhe mais, há países com a estrutura que defende, com piores problemas que os nossos. Ex Guine Bissau

De certeza a solução é outra, em que todos somos convocados na procura do melhor modelo para invertermos o cenário.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 2 h
Eliminar
Helio Maguengue
Helio Maguengue São questões prévias. Sem as mesmas, não há balanço positivo nenhum que se faça.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 2 h
Eliminar
Rildo Rafael
Rildo Rafael Chamuari Egidio Vaz , voltarei!
GostoMostrar mais reações
· Responder · 2 h
Eliminar
Rildo Rafael
Rildo Rafael Egidio Vaz As questões levantadas por Domus Oikos são profundas para a estruturação do nosso sistema político...Antes de partirmos para o propalado balanço (positivo, negativo ou ainda outro), há ou não aspectos por reflectir no post? O ponto 6 levantado pelo Domus Oikos: Divisão clara dos três poderes (executivo, legislativo e judicial) podem ser arroladas para perceber a lógica da "dívida pública deles e não nossa" e como o PR tratou deste assunto no seu breve informe de dois anos e meio? A Paz um aspecto que o PR se vangloria pelos passos alcançados na sua governação, mesmo sabendo que o outrora foi Ministro da Defesa que esteve no teatro da guerra e deu sinais claros de avanços e retrocessos na consolidação da paz com discursos de reconcialiação e extremosos. É um dado que as calamidades naturais constituem de facto um grande empecilho para o desenvolvimento do país e não constitui uma realidade nova tendo em conta a localização geográfica de Moçambique, o que se fez para prevenir e mitigar a situação e tenho certeza que estes eventos cíclicos farão parte dos próximos dois anos e meio da governação do PR! Queria respeitar o mural do Domus Oikos e debater os pontos levantados por ele! Um abraço amigo!!
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 2 h
Eliminar
Lúcio Langaa
Lúcio Langaa Ponto 16
Isaquiel Isaque Momade
Isaquiel Isaque Momade Bem colocado e transparente.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 4 h
Eliminar
Mbuya Chaves Dezanove
Mbuya Chaves Dezanove Quando Eu for eleito lhe convido a ser meu assessor Político kkkkkkkkkkk aceita desde já o meu convite.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 4 h
Eliminar
El Patriota
El Patriota Muito bem dito. O resto é resto....
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
3
· 4 h
Eliminar
Luis Baptista
Luis Baptista discordo com o número 3. Samora estava acima da Lei mas, a sua governação foi mais justa e transparente que a de Nyusi. Nem sempre um presidente ditador faz uma péssima governação...
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
5
· 4 h
Eliminar
Mebanze Joao
Mebanze Joao Mas houve muitos abusos e excessos pelo facto de ele ter estado por cima dalei
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 3 h
Eliminar
Luis Baptista
Luis Baptista Como em qualquer governo democrático. aliás, os abusos e excessos da primeiro República foram menos piores que actuais excessos.
Armandinho Caula
Armandinho Caula Apoiado professor.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 3 h
Eliminar
Estevao Pangueia
Estevao Pangueia Meu caro, primeiro faria balanco, e depois sugerir reformas constitucionais, que tambem estou de acordo.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 3 h
Eliminar
Carlos Edvandro Assis
Carlos Edvandro Assis Tiraste me as palavras Domus Oikos. Adicionarei a isso a aculturação da cidadania que provavelmente precederia os outros pontos todos, visto que esta busca o espirito e a alma de saber servir a sociedade onde quer que estejamos a todo o momento.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 3 h · Editado
Eliminar
Isaquiel Isaque Momade
Isaquiel Isaque Momade Caros ilustres, o balanço já foi feito implicitamente/explicitamente, mas oque restou é desmistificar, desmarcar bem o decurso do Domus Oikos, aliás PENSOU EU que professor preparou seu decurso para um determinado Auditório, portanto, para atingir nível de percepção desse texto, lede com calma e repetidamente.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 3 h
Eliminar
Idrisse Mário
Idrisse Mário Ponto 12...
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 3 h
Eliminar
Enio Jorge Malema
Enio Jorge Malema Um texto transparente como um cristal parabéns professor Domus Oikos os G40 estão de boquiaberto
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 3 h
Eliminar
Fidélio Tembe
Fidélio Tembe Opah!
Uma visão genial para apimentar o meu final de semana!
Para a materialização disto, só falta uma e exclusiva coisa, "#VONTADE #POLÍTICA!...Ver mais
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
3
· 3 h
Eliminar
Gerson Alberto Chitsumba
Gerson Alberto Chitsumba Dr. Domus Oikos concordo plenamente com alínea 11 porque eu não m lembro de ter delegado um deputado para ir falar do que eu gostaria q fosse,mas eles tão sempre na suas palavras repetitivas " meu povo quer isto,meu povo quer aquilo " é complicado mesmo
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
3
· 2 h
Eliminar
Kadinho Kuti
Kadinho Kuti Isso mesmo!!!!será que estes tipos não tem consciência disso ou andam sempre com babalaza.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 2 h
Eliminar
Carla Reis
Carla Reis Moçambique está doente e foi ao médico. O diagnóstico, muito assertivo, é de leitura obrigatória para quem quer assistir a uma boa convalescença.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 2 h
Eliminar
Victor Niquice
Victor Niquice Cistac ainda vive! Diz-se que nao se pode fazer corta-mato em democracia...temos que esperar ate' que aparecam outras Geracoes para implementarem isso...esta e' a Geracao da 'Voltagem'.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 2 h
Eliminar
Carla Reis
Carla Reis Adorei essa do corta-Mato, Victor Niquice. Em democracia, tem de ser uma caminhada, de mãos dadas.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 1 h
Eliminar
Fidélio Tembe
Fidélio Tembe 4.
Eu questiono fronteiras entre os poderes legislativo, executivo e judicial.
Estas estão sendo violadas sucessivamente!
Como é que o judicial, por exemplo, vai actuar contra quem lhe confiou? Até os cães conhecem o seu dono!
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 1 h · Editado
Eliminar
Arsenio Mondlane
Arsenio Mondlane 👍 👌
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
1
· 1 h
Eliminar
Júlio Massango
Júlio Massango É uma abordagem frontal , verídica e justa do autor do texto. De zero a vinte tem o meu dezanove e meio.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 1 h
Eliminar
Inocencia Patricio
Inocencia Patricio Disse tudo para os mais atentos não irei falar dos que precisam de definições claras . .... Mais assim é o nosso Moçambique ( presidente para todas instituições e para todo povo moçambicano) daí advém a má governação. ...
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 1 h
Eliminar
Agness Ivan Suleimane Suleimane
Agness Ivan Suleimane Suleimane Epah este País Parece Que Não tem presidente Tá Mal Isto,Ainda Nao vi Nada a mudar Já tem dois Anos e meio a governar mais Nada Fez...
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 54 min
Eliminar
Agness Ivan Suleimane Suleimane
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
2
· 47 min
Eliminar
Eduardo A. N. Zimba

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.