domingo, 2 de julho de 2017

DA PRISÃO DE GUEBUZA A "FALÊNCIA" DO ESTADO DE DIREITO



Isalcio Mahanjane
com Alexandre Chivale e 3 outras pessoas.


2 de Julho de 2016 ·









Este "inglório" tempo de crise "económica", mas acima de tudo de valores, revela a emergência de muitos "especialistas", que se formam juristas, economistas, psicólogos num ápice... igual ao engenheiro de construção civil que se forma em 10 h de voo, TAP, entre Portela e Mavalane!


Vejo muita cólera chamar-se ciência, vejo muita inveja apelidar-se razão, como vejo muita ignorância tornar-se arma letal... vejo o preocupante silêncio do "bons"... e vejo uma sociedade que porta-se igual ao povo que escolheu a crucificação de Cristo no lugar de Barabbás (que andará nas matas a ordenar que pessoas sejam mortas e impedidas de prosseguirem suas justas expectativas...)


Não será minha sina defender o indefensável, mas será minha defender que inocentes, à luz da Lei, porque à luz do subjectivismo nunca seremos tais defensores, tenham sua dignidade e direitos intactos... digo isto porque vejo um mundo ávido e desejoso de ver Guebuza preso, dispensando para o efeito o devido Mandado e as regras processuais que ensinam a fazé-lo... isto apenas depois de analisados os factos que o possam determinar ou não... portanto haverá que ter factos minuciosamente analisados e haverá que seguir a Lei para o julgamento e posterior condenação... aí sim veremos coincidência ou não entre os nossos interesses, às vezes inconfessos, e o veredicto dos homens da Lei, também falíveis porque homens!


Pelo que "prender" Guebuza fora do formalismo devido, deve lembrar a inquisição e nunca um Estado de Direito Democrático.... que a suceder significará a falência de tal Estado... tal como a pretensão, pois a justa pretensão deverá ser a da busca da verdade material, que desconhecemos!


p.s. haverá um homem de mãos ensanguentadas que exige sem cessar "justiça"... tal homem se torna ávido apenas porque o que se lhe podia imputar andará prescrito...

p.s.2 haverá igualmente que escrever sem cessar sobre este "hiato" de dívidas... portanto apenas o início!



Eusébio A. P. Gwembe

29/6 às 15:57 ·



Amnistia, uma alternativa sobre as dívidas

De vez em quando vão haver algumas queixas de que estamos a exigir demasiados esforços argumentativos aos nossos irmãos, aos justiceiros, sem, no entanto, propor alternativas. Eles dizem que há uma tendência de contra-atacar aos que defendem a prisão e responsabilização e, os pensadores mais avantajados chegam a dizer que a onda de intimidação está sendo dirigida contra a PGR porque, segundo eles, essa fez pacto com o diabo, nessa coisa de auditoria. Bom, eu não quero falar disso. Eu quero falar mesmo é desta tendência de, quando alguns se encontram sem argumentos lógicos e baseados na fé de que o seu desejo é o desejo do povo, intimidarem também a outra barricada com acusações do tipo “se algo de mal acontecer connosco é por culpa deles”. Isto, primeiro. Segundo, há um movimento de, chamemo-lo por “agitadores profissionais” cuja missão é incitar a PGR a tomar medidas tendentes a levar uns para a prisão porque, de acordo com eles, há matéria para a PGR agir. A primeira pergunta a colocar-lhes é: o que ganharemos com a prisão de uns! Dólares? Honra? E a segunda é: a quem interessa a prisão e a responsabilização se tal acto não resultar em ganhos para o povo? Baixará, no dia seguinte, o preço do pão só porque o fulano foi preso?

Diferentemente do governo de Guebuza, que tinha legitimidade para, em nome do povo, tomar certas decisões (podemos discutir o mérito delas), esses movimentos não possuem legitimidade de falar em nome do povo. Eles não foram eleitos pelo povo. Acima de tudo, pretendem fazer com que o presidente Nyusi vire costas contra Guebuza, esquecendo-se do quão Guebuza foi arquitecto da personalidade política do camarada Nyusi. Estou em crer que o PR já topou que nem todos os elogios são sinal de aprovação tal como nem todas as críticas são sinal de reprovação. Os fariseus e os sumos-sacerdotes também elogiaram a Cristo antes de o assassinarem. O que nós necessitamos não é a prisão de quem quer que seja, mas e acima de tudo, a reconciliação. Não tenhamos ilusões porque o momento que passa é de impasse. Haverá saídas mais vantajosas para o país e os seus habitantes sem responsabilização? É claro que sim. E este caminho não está nas mãos da PGR como sugerem os agitadores. Está em cada um de nós, individualmente. É neste sentido que sugiro um.

O esclarecimento sobre os 500 e outros milhões de dólares, em minha opinião, deverá ser feito numa comissão conjunta entre os três órgãos de soberania incluindo representantes destes movimentos revoltados e nunca aos estrangeiros cuja agenda vai contra os princípios elementares de soberania de um Estado. Mas o primeiro passo, tem que ser o de garantia, digamos “amnistia” ao Governo cessante. Se fomos capazes de amnistiar os que em plena luz do dia assassinaram concidadãos por que não havemos de amnistiar quem no cumprimento da missão do Estado escorregou? É este o caminho, se pretendemos sair do presente impasse e sermos mais unificados. Sim, esta é oportunidade em que o povo moçambicano pode se encontrar unido. A agenda da responsabilização não é moçambicana. É uma agenda externa cuja materialização requer acólitos domésticos. Este é um momento que exige de todos uma reflexão sobre que caminho seguir e que sociedade construir. Todos queremos que esta crise acabe. A maneira mais rápida de a acabar é amnistia. Uma vez garantida, os envolvidos poderão esclarecer o que for possível de não colocar em causa o Estado. Quanto mais depressa formos corajosos neste sentido mais depressa recuperaremos a nossa paz espiritual.

Nota: A foto não tem nada a ver com a postagem


GostoMostrar mais reaçõesComentarPartilhar
65Tu e 64 outras pessoas
3 partilhas
92 comentários
Comentários

Titos Celesstino O facto do Guepato arquitectar a victoria fraudolenta o cidadão Nyussi como lider que veio duma fraude não pode deixar o popular Armando a ir na barra do tribunal? Para dizer que um pai se é chefe e vê seu a cometer crimes já o seu filho não pode responder criminalmente?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:05

Sidonio Pedro Actualize a foto do Afonso no teu perfi, essa foto não tem nada a ver com o estado físico actual desse senhor.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:33

Titos Celesstino Não lhe interessa da foto actualiza no seu perfil eu gostei a mesma a foto do estado actual actualize no seu perfil

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 18:05

Escreve uma resposta...


Eusébio A. P. Gwembe O problema é que ha um esforço titanico para que Nyusi vire as costas, Titos Celesstino. E um beijo da traiçao acenado por aqueles que amanha, tal como ontem, darao golpes baixos ao PR quando este estiver completamente desprotegido.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:10

Claudino G. Nchumaly Desprotegido de quem ou o que? para que o PR precisa de proteccao? sera que o PR é ainda crianca para precisar de proteccao de outrem?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:46

Eusébio A. P. Gwembe Claudino G. Nchumaly da Freli. Quando estes conselheiros de hoje começarem a atirar contra ele

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:48

Claudino G. Nchumaly Eusébio A. P. Gwembe Afinal, nao sabia

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:48

Serafali Amisse Yaaaa, encurralamento mesmo

GostoMostrar mais reações · Responder · 22 h

Escreve uma resposta...


Titos Celesstino Se há interferência ou pressão isso não pode se deixemos a PGR tratar do assunto

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:13

José de Matos Eusébio A. P. Gwembe, a amnistia que mencionas, ao contrario do que das a entender, tambem abrengia a Frelimo! Portanto, incluiu as duas partes no conflito! Neste caso, so uma parte é responsavel pelo desaparecimento do dinheiro!

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 16:14

Elvino Dias Amnistia?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:16

Gilder Anibal PARECE que ele, faz parte da FAMILIA DOS VISADOS.

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 29/6 às 16:37


Escreve uma resposta...




Eusébio A. P. Gwembe José de Matos, a Frelimo foi quem perdoou a Renamo, para começar. Porque foi a Renamo quem agiu de forma marginal. Neste caso preciso, não é só uma parte mas todas as partes que deveriam ter agido a tempo. Falo do parlamento e dos tribunais que ficaram distraídos até que chegamos onde chegamos.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:19

Claudino G. Nchumaly Afinal era confronto entre a Frelimo e Renamo? pensei que fossem as FADM contra os homens armados da Renamo

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:47

Eusébio A. P. Gwembe Claudino G. Nchumaly pergunta sem razao de ser por dizer o que nao se disse. Afinal, a amnisitia foi celebrada nos quarteis ou no Parlamento?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:50

José de Matos Claudino G. Nchumaly , ha mesmo diferença ?
Eusébio A. P. Gwembe, por mais que andas as voltimhas, a amnistia foi para a Renamo e para o braço armado da Frelimo!
FACTO!

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 20:04

José de Matos " a Frelimo foi quem perdoou a Renamo"

Eusébio A. P. Gwembe, quem perdoou a Frelimo e quando ?

Continuem a bricar com a reconciluaçao nacional!

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 20:06

Escreve uma resposta...


Titos Celesstino Criminosos inflitrados na Frelimo gostam da amnistia, para amanhã continuarem com a lavagem do metical, a amnistia passada quem beneficiou se foi a Frelimo que semeou muito luto nas familias do Norte e Centro

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:21

Titos Celesstino Meu docente Eusébio A. P. Gwembe a frelimo sempre gostou de empurrar a Renamo na guerra para justificar as falcatroadas que tem vindo a cometer o cidadão Armandinho tinha noção das dividas que um dia iam sair a superficie e dali engentrou um conflito, pior se o cidadão Guebuza se conseguisse abater o lendário Dlhakama e trazer a cabeça dele na cidade como trofeu, o Armandinho ia esvaziar os cofres para se justificar que usou os fundos na operação Afonso

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 16:30

Osvaldo Jocitala "Endorsement" às fraudes e aos crimes e protecção aos surrupiadores da coisa pública? Eusébio pha, deixa-me-lá eu aqui ir comendo este meu milho torrado e bebendo este meu pombe aqui.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 16:33

Eusébio A. P. Gwembe Qual é a vantagem da prisao, Osvaldo Jocitala? Aparecerao os recibos que nao foram apresentados a Kroll?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:34

José Puchar Puchar E os rouba patos que enchem as cadeias? Tamb vamos amnistiar e esvaziar todas as prisoes, porque estes, oque roubaram nao chegam atingir usd 50000

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 21:38

Escreve uma resposta...


Rosa Maria Oh oh oh oh

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:37

Eusébio A. P. Gwembe Mais um motivo por que penso que deve haver amnistia: http://www.verdade.co.mz/tema-de-fundo/35/62641



Maria Isaltina Lucas aprovou Garantias para Proindicus, EMATUM e MAM e…
VERDADE.CO.MZ

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:39

Osvaldo Jocitala Prefiro não responder! À partida, se constitui difícil discutir consigo sobre está particular sugestão que trazes! À todos os níveis apriorística. Sugira à Assembleia da República para legislar amnistia dos grandes ladrões da coisa pública! No fundo, propões a institucionalização de uma sociedade sem comandos e normas, completamente desorganizada! Eusébio, pha! Nem nos direitos comparados, haverias de achar uma barbaridade tal! Não invente novas sociedades.

GostoMostrar mais reações · Responder · 6 · 29/6 às 16:42

Claudino G. Nchumaly Osvaldo Jocita é melhor ver o direito Turco, se calhar tenha algo parecido por la.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:52

Escreve uma resposta...


Maulana Domingos Maulana O ponto seria: ainda existe o dinheiro? É possível recupera-lo? Como? Estão, se isso passa por preender preventivamente quem quer que for, assim seja. A justiça é que deve condenar ou absorver os "suspeitos" que arquitetaram este rombo. Porquê correr aministiar pessoas?

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 16:42

Titos Celesstino Todos na cadeia, eu tenho a fé se fosse o meu docente Eusébio A. P. Gwembe, a roubar no minimo dinheiro de contribuição para guarda duma escola neste momento estaria a ver a luz aos quadradinhos

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 16:43

Augusto Cacecussa Sem dúvidas que tu es porta voz dos frelos radicais. Parece que não vives neste país, propriedade da frelo. Neste país ha cidadãos talvez menos cidadãos que aqueles que protagonizaram as dívidas ocultas. Estes cidadãos estão presos, condenados por roubar 5 mil, 10 mil, 20 mil MT, etc. Porque não encarcerar um cidadão que prejudicou um nação inteira por roubar bilhões de dólares? Qual carapuça de reconciliação? O líder da renamo está privado da sua liberdade, perseguido com armas para ser morto so por ter reclamado o resultados das eleições de 2014 que ganhou legitimente. Eleições que foram validadas a favor de Filipe com base em documentos falsificados no computador, eleições cujos Editais não foram validadas. Onde está a reconciliação? Amigos, se quisermos ter um país Normal devemos abraçar a Cultura de responsabilização. A sociedade está cheia de problemas de vário indolo, são os casos de corrupção e outros e para minimizar todos estes males devemos responsabilizar, cada caso sua medida.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 16:53

Eusébio A. P. Gwembe Augusto Cacecussa, ante todos os problemas que apresenta, nao acha que ha que haver reformas estruturais? Ou ha que seguir a tradicao que, como deixas claro, nao nos permite o lacance de grande coisa? Qual é a vantagem, ainda nao respondeu. A vantagem de uma suposta prisao

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 16:56

Ediasse Manuel Ediasse Interessante e revoltante esta posição!
Interessante porque provém de alguém supostamente iluminado.
E revoltante porque generaliza factos para distorcer a mente dos incautos.
Vamos em parte, em que circunstância é necessário a amnistia? 2-como fica o estado de direito?
3-quem nos garante que o mesmo cenário não virá a se repitir?4-
Será que tudo que diz respeito a politica desde mortes, roubos e fraudes se resolve com amnistia?

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 29/6 às 17:02

Eusébio A. P. Gwembe Ediasse Manuel, A amnistia é necessária como meio para desanuviar tensões sempre que as posições se extremam e não há como uma pode derrotar a outra.
O estado de Direito permanece porque ele é fruto da vontade colectiva.
O que nos garante serão os termos de referência pelos quais a amnistia devera ser desenhada pois, ela tem em vista aos factos do passado e não do futuro.
Nem que diz respeito a política desde mortes, roubos e fraudes se resolve com amnistia. Porém, nos encontramos em momento excepcional que requer medidas excepcionais sob o risco de o próprio PR se mergulhar no barulho o que não é bom, alias, é o que desejam os justiceiros.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:09

Jossias Gimo De que planeta é afinal Eusebio Guembe?eu não entendo seu posicionanento quanto a este caso,para si so não ha matéria criminal porque envolve os seus camaradas queridos!sinceramente o sr merece um exame de consciência ou escreveu sobre efeito de alcool?

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:12 · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Jossias Gimo, A questão já não se limita a camaradagem mas ao pais. Estamos de tangas mas isso não pode nem deve ser motivo para perdermos a nossa dignidade e aceitarmos ser manipulados a ponto de não prevermos as consequências de uma decisão. Aos que não se interessam pelo futuro e, sobretudo, aos que se querem vingar fazendo vincar a sua tese “do roubo” esta abordagem pode parecer ter sido feita sob efeitos do álcool.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:15

Jossias Gimo Eusebio Gwembe,noto um enorme esforço em destorcer a verdade do factos e chamar um fantásma de dignidade e soberania para o efeito. O argumento de segredo de estado não é válido na medida em que ha violação da lei,crime de desvio de fundos e sobrefaturaçãdo,portanto o seu esforço é uma prova clara de que es adepto do mal (crimes) cometidos pelo estado.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:28 · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Jossias Gimo todos estes imaginarios crimes nao resultam dos factos porque ate a o relatorio propria Kroll esta sendo questionado e ja foi chamado de enganoso por duas das entidade directamente ligadas ao processo. Servir-se de um relatorio enganoso para criar deduçoes nao acho ser a correcta via.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:53

Jossias Gimo O teu problema deve ser esse Eusebio Guembe,procura uma informação contraditória e te apegas nela porque lhe convem para servir de sua base de sustentação. Primeiro devias proucurar quem fala,qual é o nível de envolvementos e seu intesse no caso auditado. A partir do momento em que o interloculor é parte do problema as suas afirmações são suspeitas,daí precisa-se fazer uma análise eusastiva dos factos por ele arolado.
Segundo sabes qual foi o impasse que a kroll teve para colher tais informações,nalguns casos nem conseguiu apurar nada porque os camaradas nem quiseram colaborar para o efeito.
Terceiro tens que saber que a Kroll não é tribunal nenhum para condenar quem quer que seja,contudo,o seu trabalho veio para auxiliar a PGR e o fez dentro das suas possibilidades e condições fornecidas no terreno.

Matéria de crime:
Violação da lei orçamental,trafico de influência,sobrefaturação e esquemas para defraudar o estado.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 18:20 · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Jossias Gimo uma das entidades diz que pediu para falar com a Kroll mas nunca foi ouvida. Por que motivo a Kroll negou ouvir as partes interessadas, envolvidas no esquema? Nao fazer este tipo de questionamento pode ser parte do seu problema ao se apegar tambem ao que acha que serve para justificar a sua posiçao. O objectivo era malicioso, nao encontro a outra justificaçao

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 18:22

Jossias Gimo Acontece que este caso não precisa muita perícia da descobrir que existe um crime e o relatório da Krool traz alguns deles. no entanto pode ter uma e outra falha por indunção de quem é de direito com intuito de desacreditar a kroll,mas eu e tantos outros cidadãos sabemos que sempre ouve interesse de proteger os visados por parte da PGR porque para eles existe filhos e afilhados. Portanto,essa pode ser mais uma manobra desses individuos.
Basta lembrar que ha critérios para a contratação e elegibilidade de empresas para prestar serviços as instituições de estado,as quais não foram observados para o caso vertente e o facto mais curioso é um servidor publico cria uma empresa fantasma e a partir delas substrai-se somas avultadas,por fim torna-se PCA de todas elas e Eusebio Guembe acha isso normal.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 20:37

Eusébio A. P. Gwembe Jossias Gimo se a PGR estivesse interessada em proteger nao podia cometer aquele crime sobre o sigilo bancario de um ex-PR. Na nossa modestia opiniao, a PGR e a tal embaixada de cujo pais nao faço ideia com eles andaram muitas vezes em conciliábulos traiçoeiros para tramar uma parte e contentar a outra. Hoje, como ontem, o nosso intuito é orientado em plena liberdade, com uma perfeita noção das nossas responsabilidades de cidadão responsável sempre que a nação o exige. Entendemos que o caminho seguido pela PGR não é o melhor porque não liberta o pais da apreensão cujos resultados estão sendo mais danosos do que benéficos. Entretanto, entendemos ser imperioso que a nação se envolva de modo a que acima das miseráveis conveniências das várias quadrilhas que tem se esforçado a esmagar o pais e, principalmente a Frelimo, haja a noção de que o cargo é passageiro e as instituições e o pais ficam, alias, como teríamos dito o que coube ao tempo confirmar.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 21:00

Jossias Gimo A quebra do sigilo bancário foi um simulacro para interter as pessoas Eusebio Guembe e so serviu para enganar os menos atentos. A responsabilização criminal seria a melhor via. Os argumentos que me apresentas faz me lembrar do ladrão que quando é encontrado alega o espírito mão.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:16


Escreve uma resposta...


Augusto Cacecussa Vamos tirar todos presos que estão nas cadeias, em particular os presos por roubos e furtos qualificados, porque não há vantagens, concordas comigo Eusébio! ! Para termos de volta este dinheiro porque ainda penso que uma parte existe, a acção penal deve funcionar.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:16

Eusébio A. P. Gwembe Augusto Cacecussa, Pensa que uma parte do dinheiro existe porque parte de uma premissa errada segundo a qual houve roubo. Se notou o meu post não fala de amnıstıar o roubo porque para mım, ate que me provem em contrarıo, não houve roubo. O meu post traz uma abordagem tendente a permıtır que haja esclarecımento sobre os contornos não apurados pela Kroll. Agora compreendo por que alguns nos crıtıcam na forma como lemos e ınterpretamos os posts. Não estou a defender o roubo.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:20

José de Matos nao se amnistia o roubo mas amnistia-se os mbavas! Ridiculo!

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:06

Oreste Muatuca Muatuca Mas o que houve, na minha língua (gem), chama-se roubo. Sei que o roubo tem várias designações, dependendo de quem o tenha praticado. Quanto mais poderoso for quem o tenha praticado, o roubo pode ser designado de desvio de aplicação, até mesmo de dívida soberana. Kkkkkkkkkkkk Kkkkkkkkkkkk Kkkkkkkkkkkk. Pérola do Índico é encantadora. Juro aqui.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 8:10 · Editado

Escreve uma resposta...


Zito Vilanculos Eu prefiro não ver as coisas no âmbito da amnistia, por que na verdade, não é porque houve roubo algum, mas simplesmente porque o valor em causa foi aplicado num sector sensível que dispensa TRANSPARÊNCIA. Não haja amnistia para ninguém, não é necessário. Haja juízo para perceber o sentido patriótico destes investimentos e valor do sigilo

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 29/6 às 17:21

Eusébio A. P. Gwembe Os curiosos querem saber como o valor foi aplicado, ha que procurar meio para satisfazer-lhes a curiosidade, Zito Vilanculos.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:24

Escreve uma resposta...


Edson João João Alberto Eu suspeito que um dia a Renamo seja pior que a Frelimo.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:23

Luciano Mapanga que tal uma amnistia para todos gatunos deste pais? sim, todos: ladroes de patos e galinhas passando pelos criminosos de colarinho branco? que tal?

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:37 · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Mais um que incorre a percepçao errada de que se esta a defender o roubo, Luciano Mapanga. O comentario anterior serve de resposta a essa sua inquietaçao

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:31

Jorge Jone A vantagem da prisão Sr. Eusébio é cumprir-se com a lei. Qual foi a vantagem de termos prendidos funcionários públicos por terem desviado fundos do Estado. Estas pessoas são menos moçambicanas e por isso não puderam estar acima da lei? Sr. Eusébio por favor não insulte a inteligência dos moçambicanos e nem se redicularize. O Estado precisa mostrar que tem instituições funcionais e que os cidadãos podem contar com elas para a defesa dos interesses da nação. Que precedente queres abrir afinal?

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 17:31

Eusébio A. P. Gwembe Mas para alguém ir a prisão há que haver matéria do crime e não suposições. Até a kroll deixa claro que o que falta são documentos e não fala em roubo nenhum, Jorge Jone

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:34

Jossias Gimo Para si no há matéria de crime?acho que para ser válido essa sua tese so tem uma chence Eusebio Guembe:dê como avaliação aos seus alunos.
NB: tem que ser exame de recorência,questões multipla escolha com única alternativa à favor dos seus argumentos.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 17:50


Escreve uma resposta...


Jorge Jone E claro que deverá haver matéria caro Eusébio. Ninguém deve ser preso sem matéria. Só não estou certo que não haja mas isso deixo aos entendidos no assunto.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:39

Edson João João Alberto Tenho uma dúvida: porquê vários internautas acham que a detenção do antigo chefe de Estado é a solução desse problema? Eu realmente nao entendo.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:42

Eusébio A. P. Gwembe Aguarde pela resposta dos entendidos :)

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:44

Escreve uma resposta...


Augusto Cacecussa Eusébio, da maneira como está país dirigido /governado não tenho dúvidas que ninguém ficará preso neste caso. Parto da premissa de que nunca na história deste país independente já foi condenado um dirigente na categoria de superior mesmo que tivesse que dizimar uma zona inteira para mantar no poder como é o caso de valas comuns e etc.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:48

Edson João João Alberto Pessoas que mataram, roubaram, agrediram, queimaram os bens da população beneficiaram de amnistia. Acho que a opinião do MA. é ideal para solucionar este problema.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:52

José de Matos A annustia tambem foi para os da Frelimo, os que cometeram crimes! Informa-te!

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 20:12

Edson João João Alberto Não tenho evidências para afirmar que o Governo cometeu tantas barbaridades

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 20:42

Edson João João Alberto Mas sim a Renamo

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 20:43


Escreve uma resposta...




Celso Mapsanganhe Acredito que a ideia de aministia so pode soar para um pequeno punhado de gente. Mesmo dentro da Frelimo acredito que grande numero de camaradas querem que o Nyussi vire costa ao Galo. E eu tambem gostaria que isso acontecesse. Finalmente o Presidente teria o poder que ainda nao tem. Controlar e distruir os inimigos inuteis.

O Eusebio esta assustado com tudo isso, e nem parece um Professor de Historia. Acredito que ja leu o Principe de Nicolau Maquiavel, numa das citacoes refere que no jogo de poder ha situacoes que tens que atacar primeiro, antes de ser morto. Nao sei se eh vantajoso encobertar criminosos, para depois ser julgado por cumplicidade e encobritamento. A justica nao apodrece. Hoje os "gensters" assaltaram e controlam o poder judicial, mais amanha pode ser que aparessa alguem com enxofre para desenfectar as instituicoes do Estado e recuperar a todo custo o patrimonio dos bandidos e dos seus descendentes.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 17:53

Eusébio A. P. Gwembe E depois, se se descobrir que a mao do Principe esta envolvida o que se seguira? Ainda bem que confessa desejar que o PR vire costas a Guebuza, mas isso teria efeitos catastroficos para a Frelimo que é o maior desejo de todos os agiadores (de fora e de dentro da Frelimo). Pensar que o povo vai amar Nyusi ou odeia-lo em funçao de Guebuza é um disparate porque cada um é um e o fantasma Guebuza deveria ser retirado de muitas mentes. Ha muito que o PR caminha por si so nao ve quem nao quer ver

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 17:58


Escreve uma resposta...


Guilherme Noronha O povo mocambicano esta preocupado com o destino que o dinheiro seguiu, alias, se, de facto, o dinheiro serviu para, efectivamente, garantir a soberania nacional ou oferecer outro beneficio ao povo ou se serviu para enriquecimento de certas pessoas. Se se provar que a primeira opcao e valida, vera que o furia ira passar e os "gatunos" serao aplaudidos. Ora, se se provar o contrario, lugar de gatuno e na cadeia....a crise nao ira passar, porem a justica sera feita, alias, e papel do estado garantir a justica. Pessoalmente, se o mola foi desviada, prefiro que seja devolvida....e que os "gatunos" passeiem pelas pracas para serem vaiados....a prisao e pouco pa eles! A ideia de amnistia avancada e optima....mas, e se se provar que houve gatunagem?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 18:07 · Editado

Fobricco Bennan No Brasil ha uma figura designada por Delação Premiada...assumes o crime esclarece como funcionou o esquema e ainda diz quem estava envolvido mas também devolve oque abocanhou ai sim tem um pena relaxada. Agora amnistiar so, tipo nothing hapens sir you free to go...sinceramente não, que reconheçam o que fizeram e devolvam o que abocanharan ai sim

GostoMostrar mais reações · Responder · 4 · 29/6 às 18:00

Jorge Jone Muito bem dito.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 18:09

Escreve uma resposta...


Elvino Dias A amnistia é para crimes políticos e não para roubalheira

GostoMostrar mais reações · Responder · 5 · 29/6 às 18:06

Guilherme Noronha

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 18:09

Guilherme Noronha Esta verdade e funny....

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 18:09

Escreve uma resposta...


Eusébio A. P. Gwembe Matar pessoas na EN1 é crime politico, oh. Elvino Dias? Queimar as viaturas e cavar estradas sao crimes politicos?

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 18:11

Elvino Dias Penso que sim. É político pk tem motivações políticas

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 29/6 às 18:14

Jorge Jone Obviamente. Afinal não são questões políticas? Ou há outra razão para a guerra?

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 18:17

Escreve uma resposta...


Francisco Pacheco Chigogoro O que mesmo,? roubaram,meteram nos num beco sem saida,incluiram a roubalheira no OGE para pagarmos ate esperma dos nossos netos acabar dos testiculos,agorae p amnistia? confisque se os bens dos gatunos e mande se p cadeia os gajos,ai estaremos aliviados.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 18:25 · Editado

Edson João João Alberto MA. Eusébio, na opinião de Elvino Dias, o dinheiro é mais importante que matar pessoas e roubar e queimar os bens da população.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 18:24

Eusébio A. P. Gwembe Também foi o que entendi do ilustre Elvino Dias. Interessante :)

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 18:33

José de Matos Edson, os bandidos do braço armado da Frelimo foram abrangidos pela amnistia! Informa-te!

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 20:13

José de Matos Eusébio A. P. Gwembe , continuas a defender a impunidade ? TSC!

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 20:14

Edson João João Alberto Sr. José de Matos gostaria de lhe lembrar que as FDS inclui os antigos agressos da Pátria aqueles que vieram um ano depois da saida dos portugueses em 1975. Refiro-me a luz do AGP. Se esqueceu?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 20:50

Edson João João Alberto Neste caso os bandidos são aqueles que ficaram com as armas e negaram fazer parte das FDS.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 20:53

José de Matos Edson João João Alberto , eu conhe1o bem o AGP ! O que previa esse acordo ? E o que previa o acordo de cessaçao de hostilidades ? Porque tornamos a ter guerra depois de 20 anos de Paz ? Os bandidos que fizeram as emboscadas, em tempo de Paz, e invadiram a casa de Dhlakama, quando vao ser pinidos ? Os bandidos armados da Frelimo que forçaram milhares de moçambicanos a fugire para o Malawi quando vao ser punidos ? Os bandidos dos esquadroes da morte e os bandidos que mataram e deixaram os carpos no mato, quando vao ser punidos ?

Poupa-me, pah!

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 21:02

Sidonio Pedro José de Matos, tudo fantasias. Como prova que foram as fds que deixaram os cadáveres ni mato? Como prova que existiam esquadrões da morte?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 21:54

Edson João João Alberto São falácias de José Matos, únicos que eu conheco e que vivem nas matas como se fossem os destruidores do Império Romano, ou seja, os bárbaros sao os da antiga abreviatura RNM.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:59


Escreve uma resposta...


Edson João João Alberto MA. Eusébio, eu estou preocupado com a mentalidade de alguns dos nossos compatriotas. Os escritos desses internautas MA. Eusébio, têm como objetivo final levar o povo moçambicano a revoltar-se contra o seu próprio Governo.
Uma coisa é certa senhores internautas: o povo moçambicano é bem diferente do povo iraquiano ou libio. Se alguém pretende levar este nosso povo seja para que Primavera for, terá que se preparar convenientemente.
Para vencermos o Ocidente e alguns que lêm essa mensagem, nós os moçambicanos, devemos resolver os nossos problemas como moçambicanos sem sofrer agitação de algumas vozes invisíveis.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 18:35
Ocultar 16 respostas

Francisco Pacheco Chigogoro estas mais preocupado com punhado de cowboys/gansters que chama governo pilha quase tudo do povo? se fosse um governo q se interessa c o seu bem estar,haveriam d incluir o q roubaram p OGE p tu e teus bisnetos pagarem a viajarem nos my love? e carteiras?

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 19:04

Zulfikar Abdurremane Amur Francisco Pacheco Chigogoro Recomende ao Edson ler o relatorio vera que ninguem esta a incitar a violencia, apenas quer - se justica.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:10

Zulfikar Abdurremane Amur Meu caro Edson, deverias perceber que quase 75% do nosso orçamento e de doacoes, como e que vamo - nos desligar do ocidente se dependemos deles?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 21:12

Edson João João Alberto Então se queremos justiça conhecemos por julgar Afonso Dhlakama e a Renamo que desde 1976 massacrou milhões de moçambicanos e MA. Eusébio foi uma das vítimas deste grupo de malfeitores.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:18

Titos Celesstino Neste poste misturam coisas ninguém falou dum partido mais sim os cidadãos que lesaram o povo, quando alguém mistura nos comentários a frelimo, a renamo, o MDM isso é falta de noção, aqui fala se das dividas onde entra o presidente da renamo, do MDM? Quem diz que a guerra é santa? Qualquer mudança política perde se vida

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 9:10

Zulfikar Abdurremane Amur Titos Celesstino Ja notaste que o Edson João João Alberto ficou tao atordoado que começou a citar assuntos que nem dava mencionar no post? Por isso optei em nao falar sobre os mesmos.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 10:41

Francisco Pacheco Chigogoro O Edson esta misturar alho e bagalho,se e da frelimo o problema e dele,o que eu quero gatunos o lugar deles e atras das grades

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 11:13

Titos Celesstino Meu irmão Zulfikar Abdurremane Amur é por isso que moçambique esta a regredir porque alguns compatriotas nossos bastará ser um simples seguidores de um partido, mesmo que os membros desse partido cometam erros não se pode criticar, o que se fala neste post e em todos os cantos do país o povo quer justiça e levar as pessoas na barra do tribunal. Outros aparecem para misturar coisas que não tem interesse.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 11:39

Edson João João Alberto Acham que é possível dissociar os aspectos econômicos que ocorrem nos últimos tempos no nosso país dos políticos? A questão não é misturar ou de ser do partido m ou k, mas sim, de ver onde muitos não conseguem enxergar. A detenção dos supostos autores das dívidas ocultas na vossa opinião não terá repercussão a nível político? Na minha opinião terá sim, é por esta razão que falo de alguns aspetos políticos e consegui ver onde vários acólitos não enxergaram.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 12:13

Edson João João Alberto Zulfikar, Francisco e Titos honestamente falando parecem pessoas que não vivem neste país

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 12:27

Edson João João Alberto Sempre que querem dar um exemplo todos ficam fora do contexto.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 12:29

Titos Celesstino Você o que fala sabe sozinho,

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 12:29

Edson João João Alberto É por isso que vos convido para estarem ao lado da razão

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 12:46

Titos Celesstino Razão de quem

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 13:38

Zulfikar Abdurremane Amur Edson João João Alberto Estas a tentar dizer que o relatório citou nomes? O relatório falou da Renamo, Frelimo ou MDM? Por favor, a nossa justiça esta débil e precisa desta oportunidade para nos acreditarmos que realmente ha separação de poderes. Nao estamos preocupados com consequências de um determinado partido, o Estado esta acima de tudo. Falas de consequências a nível politico, consegues perceber das consequências econômicas e sociais causadas por essas dividas? Se o dinheiro nao foi usado para esses tais fins militares nem para o objectivo da criação dessas empresas, onde esta o dinheiro? Quem deve pagar? Porque nao devolvem? Come on.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 15:52

Titos Celesstino Zulfikar Abdurremane Amur deixa bater a sua cabeça com o irmão Edson João João Alberto discutir com ele é a mesma coisa discutir um assunto religioso com uma pessoa que se faz em religioso, mas no fundo não é

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 15:59

Escreve uma resposta...


Alvaro Guimaraes Ontem brindou nos com manobras de diversão. Hoje temos barragem de artilharia a valer. Parabéns pela iniciativa. Agora estamos claros

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 18:55

Pedro Tiago Se queremos responsabilizar ao extremo àqueles que tenham lesado o Estado, então comecemos por Afonso Dhlakama e pela Renamo que, durante 16 anos massacraram milhões de moçambicanos. Sei que é de grande interesse da Renamo usar este pequeno assunto para abafar as suas atrocidades. Os distraídos estão a adquirir esse sabonete dos assassinos da Renamo para branquear a história.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 19:06 · Editado

Mouzinho Zacarias Pedro também estás tentar encobrir ladrões usando a renamo

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 6:42

Pedro Tiago Diz me lá se dois biliões USD pagam a vida de uma pessoa! Isto é política e há quem quer se safar a custa deste pequeno problema. Sabe que os CFM fizeram um grande investimento em locomotivas, equipamento e nas linhas, que rondaram os 5 biliões USD, e a Renamo destruiu tudo numa sentada. Quem pagou esse dinheiro aos credores? Foi o povo é não houve responsabilização alguma. Acho bom responsabilizamos da mesma forma todos os que causaram algum dano ao Estado.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 10:53


Escreve uma resposta...




Jaime Micael Souto Tembissa Outras coisas pah! É verdade que pensamos diferente mas eu quero acreditar que isso é desespero. Nós pedimos a auditoria para facilitar o trabalho da PGR e isso foi feito. A PGR está a trabalhar. O relatório não pode nos encomodar mas pelo teor do mesmo já da para prever que os indivíduos A, B e C que ainda não leram o relatório terão que o fazer para explicar o sumiço do dinheiro na barra do tribunal. Falar a amnistia é uma tentativa absurda de querer tapar o sol com a peneira. Nós o povo estamos a "travar com jantes" por ações premeditadas de um grupo de pessoas e isso não é justo.

GostoMostrar mais reações · Responder · 5 · 29/6 às 19:30

Spirou Maltese São quantos casos do gênero que vai se precisar pra começar a culpar as pessoas? Vamos começar então por amnistiar os que estão envolvidos na morte de Samora e fechamos esse dossier

GostoMostrar mais reações · Responder · 4 · 29/6 às 19:40

Maximo Bonifacio Bonifacio Dr. Gwembe, quem pisa a linha vermelha, merece uma sansao com base na lei do pais. A sansao pretende, entre outros fins, desencorajar actitudes semelhantes. K a PGR cumpra com seu dever.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 19:42

Xidakua Francisco kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 19:43

Candido Junior Só pode ser aministiado quem se reconhece culpado e clama por perdão. A questão das dívidas é um entruncado de assuntos alguns dos quais que ultrapassam o nível de compreensão do cidadão comum. Ora, no caso ninguém se diz culpado e os visados até se escudam em questões sensíveis ligadas à segurança nacional. verdade?... mentira?... há que continuar a trilhar o caminho do apuraramento da verdade iniciado pelo trabalho da KROLL e bem mais lá para frente quiçá, poderemos falar de amnisitia ou não aos indiciados.

GostoMostrar mais reações · Responder · 4 · 29/6 às 19:43

Marcos Cipriano Maulate Afonso e que vive no mato a espera de amnistia, a compra de material militar foi optima ideia, pois sem ele os bandidos armados iriam governar a forca tal como haviam prometido, se ate hoje nao existe se quer um bairro governado a forca foi gracas a dedicacao das FDS com material comprado.

GostoMostrar mais reações · Responder · 4 · 29/6 às 20:27
Ocultar 18 respostas

Eusébio A. P. Gwembe Gosto: foi bem frontal e preciso na apresentaçao. José de Matos de compreender que quem precisa de amnistia é aquele que esta la. Aguarde que tal sera a proxima exigencia apos a saida das FADM

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 20:33

José de Matos Eusébio A. P. Gwembe , os esquadroes da morte tambem vao ser amnistiados ? E os bandidos que fizeram as emboscadas ?

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 20:35

Marcos Cipriano Maulate Supostos esquadroes nao tem rosto, nem identidade, enquanto que bandidos armados ja vieram a publico assumir as atrocidades que teem levado a cabo no territorio nacional.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 21:08 · Editado

Candido Junior Marcos Cipriano Maulate assim é que se fala! ...

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 20:59

Sidonio Pedro De que emboscadas falas João de Matos? Das emboscadas a viaturas civis nas estradas? Nas aldeias?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:00

José de Matos Marcos Cipriano Maulate e Candido Junior, eu converso com o Eusebio, nao com voces!

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:02

José de Matos Sidonio Pedro , eu comverso com o Eusebio, nao contigo!

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:02

Sidonio Pedro José de Matos, porquê é intolerante à opiniões diferentes das suas?

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 22:03

José de Matos Sidonio Pedro , so mais uma vez: eu escolho com quem converso, estou a conversar com o Eusebio, no mural dele!

Ponto final!

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:06 · Editado

Candido Junior José de Matos pois continue falando com o Eusébio

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 22:07

Marcos Cipriano Maulate José de Matos Nós os moçambicanos não aceitamos ingerencia nos assuntos internos, pois voces os colonos já tem vários problemas vossos, além de voces serem cumplices de desistabilização de Moçambique, vai cuidar dos vossos incendios maluco.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 8:57

José de Matos Marcos Cipriano Maulate , eu nao perco tempo com escumalha como tu! So te digo que vais ter de comer muita matapa para me dares qualquer liçao de moçambicanidade! Insulta-me so mais uma vez e eu bloqueio-te, racistas malcriados como tu cheiram pior que uma latrina!

Eusébio A. P. Gwembe, o teu mural é frequentado por alguns rafeiros que so prejudicam o que tu defendes!

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 9:17 · Editado

Marcos Cipriano Maulate José de Matos, dentro de um latrina tem uns bixos chamados vermes, este só pode ser voce que se almenta do produto de uma latrina.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 9:26

José de Matos Marcos Cipriano Maulate , nao sei, lTRINA essse é o Teu campo, manambwa asqueroso! Ladra so mais uma vez e eu bloquei-te, racista canalha! Insultas-me e pensavas que eu aceito ser insultado por canalhas rafeiros!
FUTSEKA!

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 9:28

Candido Junior O que o Eusébio devia fazer, era bloquear um certo preconceituoso e mal educado reformado ex operacional do Nó Gordio, saudosista e sedento dos previlégios obscenos que possuia no tempo em que nossos avós eram comercializados como mercadoria de exportação para as américas e Europa.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 9:28

José de Matos Candido Junior , BLOQUEIO EU CANALHAS E racistas, começando por esee manambwa que me insultou e acabando em ti que o apoias.
Voces frelos malcriados e racistas pemsam que me podem iinsultar com impunidade, escumalha como voces nao me intimidam!

FUTSEKA

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 9:32 · Editado

Marcos Cipriano Maulate José de Matos voce não vale o chao que pisa nem o ar que respira, seus filhos devem ter muita vergonha de ter um pai igual a voce que se dedica a insultar no facebook, educação não se aprende na escola mas sim de casa, através dos pais, aconselho te a ir num centro de alfabetização de adultos para aprender alguma educação.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 9:34

Sidonio Pedro José de Matos, quando diz " vocês frelos malcriados e racistas...", está a referir-se a quem? Aos quatro milhões de membros e a outros milhões de simpatizantes? Não acha que isso seja um insulto e manifestação mais porca de racismo? Porquê acha que nós devemos carregar com as tuas frustrações? Haja paciência José de Matos, é que o sr não pode interromper a nossa queca matinal, com as suas insanidades.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 9:50


Escreve uma resposta...




Zulfikar Abdurremane Amur Começo a ver o coitado do antigo ministro da justiça a ser preso porque desviou 2 milhões de meticais. Sera que a amnistia tem classes sociais que deve abranger? Afinal a justiça para que serve neste pais? Estamos a dizer que as leis sao validas apenas por aqueles que nao detêm o poder politico? Vejo todos os dias indivíduos a serem encarcerados com uma prisão preventiva sem que tenha sido feito quaisquer investigação. Lembro me da celebre frase do sr Chipande " Lutamos, agora chegou a vez de ficarmos ricos".

GostoMostrar mais reações · Responder · 4 · 29/6 às 20:53

Maryto Bastos Magul Risos!!!

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 8:08

Devis Gimo Boa colocação.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 9:05


Escreve uma resposta...




Edson João João Alberto Meu colega do curso, zulfikar esta estoria que tu contas não tem nada de extraordinário. Quando é assim é melhor não contar nada e ficar calado porque um dia corres o risco de contar que: era uma fez um cão mordeu uma pessoa.
Achas que há algo de extraordinário aqui? Já estou a ficar preocupado com o seu estado de lucidez.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 21:04
Ocultar 13 respostas

Zulfikar Abdurremane Amur “Quem aceita o mal sem protestar, coopera com ele.”
― Martin Luther King Jr.

lembre - se sempre disso. Os casos de corrupção do Brasil e Africa do Sul deveriam servir de exemplo.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:15

Edson João João Alberto Meu amigo os seus exemplos estão fora do contexto

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:36

Edson João João Alberto Brasil e África do Sul nestes 2 países provou-se que os presidentes usaram o dinheiro para o benefício próprio, o que não aconteceu em Moçambique. Ja leste o relatório da kroll? Caso não recomendo-te a ler e voltaremos a discutir, mas te adianto que a kroll não aponta nenhuma individualidade.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 21:41

Zulfikar Abdurremane Amur Edson João João Alberto no relatório nao constam os 500 milhões de dolares, quem pode responder a esta pergunta? A Kroll diz ainda que nao teve acesso a alguns documentos porque algumas entidades nao forneceram, quem sao essas entidades? Por favor, nao tapemos o sol com a peneira, pois existem documentos que demostram quem assinou as papeladas.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 21:57

Zulfikar Abdurremane Amur http://www.verdade.co.mz/tema-de-fundo/35/62641



Maria Isaltina Lucas aprovou Garantias para Proindicus,…
VERDADE.CO.MZ

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:06

Edson João João Alberto Meu amigo não haverá condenação de Guebuza sem acusação e para tal acusação é preciso prova.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:09

Zulfikar Abdurremane Amur Quem falou de Guebuza neste post? Afinal o relatório citou nomes?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:11

Zulfikar Abdurremane Amur http://www.verdade.co.mz/tema-de-fundo/35/62629



António Carlos do Rosário o executor, Armando Guebuza o…
VERDADE.CO.MZ

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:11

Edson João João Alberto Na sua opinião se há prova, o que impede a PGR condenar os supostos autores das dividas ocultas?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:11

Zulfikar Abdurremane Amur http://www.verdade.co.mz/tema-de-fundo/35/62629



António Carlos do Rosário o executor, Armando Guebuza o…
VERDADE.CO.MZ

Gosto · Responder · 1 · 29/6 às 22:12

Edson João João Alberto É no seu governo onde se contraiu.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:12

Zulfikar Abdurremane Amur Dividas ilegais legalizadas assim chamo esse facto.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:13

Edson João João Alberto Os ânimos estão levantados. Mas não vamos permitir que branqueia a História.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:21


Escreve uma resposta...




Lourenco Covane Como é que se amnistia pessoas que nao roubaram mas que pontapearam a lei e procedimentos ?

Moçambique precisa de exemolo do Zuma, presidente sul Africano. Devolveu dinheiro que detinha mas que nao sabia que nao lhe pertencia.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:26 · Editado

Lourenco Covane Tenho uma questao, tipico de um ignorante. E a questao e:

Em circunstacia pode se alegar segredo do estado a uma PGR quando solicita alguma informacao?

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 21:31

José Puchar Puchar O senhor diz que nao ha crime, nem criminosos, e porque haveria amnistia para eles, se sao inocentes?

GostoMostrar mais reações · Responder · 5 · 29/6 às 21:57

Jaime Micael Souto Tembissa Muito obrigado José pela simples mas bela observação. Antes os tipos alegaram não existir provas do envolvimento dos tais. Até diziam que o relatório iria parir um rato. Hoje temos informação suficiente que incrimina o tal grupo mas mesmo assim os adeptos do diabo ainda têm energias para exibir tamanha estupidez. A crise ainda não nos tirou a lucidez...

Gosto · Responder · 3 · 30/6 às 6:52


Escreve uma resposta...




Manuel Moises Americo Amnistia sim, mas com os milhoes de dolares devolvidos/entregues aos cofres do estado.

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 29/6 às 22:03

Ediasse Manuel Ediasse Sou obrigado a convidar certos individuos a lerem o relatório da Krooll. Ele relata parcialmente o crime de roubo e casos graves de má gestão e pisoteio das regras referentes a aquisição de uma divida soberana. No capitulo das garantias é sombrio e atenta as leis vigentes.
O que tal relatório teve dificuldade é de dizer onde foram os 500milhões de dólares.
Em termos de dados para actuar a justiça existem. Como reza a constituição, em caso de suspeitas contundentes e evidências fortes pode o suspeito ser detido.
Podemos não saber onde foram os 500mil dólares, mas o relatório indica a parte maior roubada e os individuos embora os codifiquem por razões de segredo de justiça.
Mas as evidências para prender tais individuos são abundantes e incontestáveis.
Enquanto se investiga a parte sombria dos 500mil pode prender-se esses que temos prova e pronto.
O resto é barulho desnecessário!

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 22:14

Marcos Manejo Pakhonde Pakhonde Dr Gwembe meu ilustre, por favor! Perdoar? Sim, é caracteristica mocambicana, mas entre 2006 ou 2007, o entao presidente da Republica e o Judiciario nao perdoaram ao entao Ministro dos transportes e o Cambaza naltura PCA dos ADM! Está a dizer que o povo tem que perdoar a quem nao perdoou aos comparsas? Para mim, CUMPRA antes, dpois perdoaremos. Ademais, naltura do caso aeroporto, tantos ministerios tiveram igualmente gestao danosa, mas somente o dos transportes serviu de modelo injusto. Cadeia, cadeia e cadeia.

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:14

Ediasse Manuel Ediasse Por exemplo, quando o relatório afirma que há incompatibidade do preço supostamente aplicado na compra de alguns itens com os recibos e documentos existentes, em termos cientificos e analiticos,isso não pode ser interpretado como roubo? Outrossim, a emissão de garantias soberanas pelo anterior executivo pisando a constituição legitima a opinião de que não é divida pública. Conceder amnistia a esses graves erros não politicos mas sim domésticos é condescender com a evolução do crime.
Não obstante, a lei só deve abrir excepção a casos extremos e não a casos passionais e corrigivéis!

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 22:48

Joao Cabrita Novamente, a máquina fotográfica de Eusébio A. P. Gwembe anda desfocada, reproduzindo fotos trocadas, O que tem ver a visita da delegação da OUA às zonas libertadas da Frelimo com a moscambilha EMATUM ?

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 29/6 às 23:37

Jr Chauque Eusébio A. P. Gwembe no fim desta propaganda de apoio ,defesa e ajuda ao Guebuza (Governo cessante) pela amenestia... A que se deve essa idolatria?

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 29/6 às 23:39

Jr Chauque Já pensaste Eusébio A. P. Gwembe amenestia para TODOS prisioneiros de Moçambique?

GostoMostrar mais reações · Responder · 29/6 às 23:39

Joao Cabrita Além de fotógrafo barato, Eusébio A. P. Gwembe revela-se jurista de meia-tijela: a que propósito um amnistia se ainda ninguém foi processado judicialmente ou sequer condenado ?

GostoMostrar mais reações · Responder · 4 · 29/6 às 23:42

Yaqub Sibindy Guebuza, nunca veio ao público, pronunciando um arrependimento em nome do Governo que ele encabeçou ao longo dos 10 anos que os delapitadores roubaram biliões de dólares aos cofres do Estado Moçambicano!

Como amnistiar um ladrão arrogante e vaidoso?

"se tivesse oportunidade de voltar ao poder, faria mais dívidas secretas que da última vez...."!
Senteciou Armando Guebuza, à CIP da AR, durante à sua audição!

Gosto · Responder · 2 · 30/6 às 7:59 · Editado

Mugaza Waka Machel Há pessoas que não sei o porquê de os admirar até o ponto de os seguir. Todos os dias cantamos pior eles, tipo ninguém está acima da lei, porquê é que agora devemos perdoar pessoas que nos roubaram? Se for o caso libertem todos os ladrões de galinhas e deixem as cadeias livres, isto porque não há crime pequeno e grande.

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 30/6 às 1:45

Yaqub Sibindy Quer dizer em Moçambique há crimes de miséria e há crimes de Luxo!

Gosto · Responder · 2 · 30/6 às 7:46

Mugaza Waka Machel Crime é crime em qualquer canto deste planeta, e quando alguém comete é julgado e condenado a pagar pelo crime que cometeu. Acho eu que não precisamos de americanos ou seja quem for para julgar e prender um ladrão do dinheiro público. Congelem todos as contas desses ladrões.

Gosto · Responder · 1 · 30/6 às 8:48


Escreve uma resposta...




Jr Chauque Há pessoas que deviam ser investigados ....que suruma é que fumam porque representam um perigo para uma sociedade democrática moderna onde TODOS são iguais perante a lei.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 1:49 · Editado

Kuyengany Produções se ele fumasse suruma não escrevia esta merda Je te Jure mon frère

Gosto · Responder · 18 h · Editado


Escreve uma resposta...




Jr Chauque Mas no fim será que alguém precebe que o Eusébio A. P. Gwembe pode estar a fazer um jogo psicólogico para vos distrair e desviarem do foco principal ?
Cuidado amigos a política tem gente que trabalha com mentes para ficarem no mesmo lugar....e ele ao publicar estás brincadeiras de criança já sabe o seu alvo que vai lhe acompanhar ...fiquem esperto e saíam do saco..... dele.
Ele já viu que basta falar do Guebuza prontos já tem seguidores....saíam do saco agora ,que ele vai mudar do indivíduo A e sair a procura de outros alvos

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 30/6 às 1:58 · Editado

Mugaza Waka Machel Bem pensado, não estou a reconhecer este Sr e nem sei que droga ele consumiu para escrever isto.

Gosto · Responder · 1 · 30/6 às 8:51

Jr Chauque Eu acho que é suruma da mafalala

Gosto · Responder · 1 · 30/6 às 9:30

Mugaza Waka Machel Já não sei em quem me inspirar nesta vida. Dizem que estudar abre a mente do indivíduo e quanto mais níveis concluir mais lúcido fica mas não me parece ser este caso!

Gosto · Responder · 2 · 30/6 às 10:13

Jr Chauque É fácil....não segue o mbanguista

Gosto · Responder · 30/6 às 10:15

Kuyengany Produções essa merda não tem nada a vêr com suruma vocês pah!.....Suruma não te põe Matreco não......

Gosto · Responder · 1 · 18 h

Jr Chauque Depende Kuyengany Produções

Gosto · Responder · 17 h

Kuyengany Produções então é palha....".howawa"

Gosto · Responder · 1 · 17 h

Jr Chauque Não Kuyengany Produções howawa é a k não bate ak bate é mbangue

Gosto · Responder · 1 · 17 h

Kuyengany Produções Essa é à que fumam os do G16/40 or whatever

Gosto · Responder · 1 · 16 h · Editado


Escreve uma resposta...




Oreste Muatuca Muatuca Pontos de reflexão: 1- "Acima de tudo, pretendem fazer com que o presidente Nyusi vire costas contra Guebuza, esquecendo-se do quão Guebuza foi arquitecto da personalidade política do camarada Nyusi" ; 2- O que ganharemos com a prisão de uns! Dólares? Honra? (...) a quem interessa a prisão e responsabilização se tal acto não resultar em ganhos para o povo?"; 3- "O que nós necessitamos não é a prisão de quem quer que seja, mas e acima de tudo, a reconciliação". 4- " Mas o primeiro passo tem que ser (...) "amnistia" ao Governo cessante. Se fomos capazes de amnistiar os que em plena luz do dia assassinaram concidadãos, por que não havemos de amnistiar quem no cumprimento da missão do Estado escorregou?"
Nestes dias parei de me expressar, face à onda de atenções que me tomam. "Cuidado, falas demais, este é Moçambique, um dia vais para o olho da rua, vão te assassinar, etc. Mas isto interessou-me e vou dizer pouco do que penso, com base naqueles pontos que votei como sendo de reflexão.
Quanto ao ponto 1, como realmente queremos que alguém aja contra quem o projectou? Ele deve favores (e que favores!) ao camarada, por isso, não há como agir contra ele. Povo? Estado? Estão em segundo plano. É melhor não defraudar aquele que o projectou, mesmo que isso represente humilhação para o povo. Em relação ao ponto 2, afianço que ganharíamos honra. Todo o justo é honrado. Honra vale mais que biliões de libras. Se eu vejo pessoas a serem responsabilizadas pelos crimes que cometem, em nome da lei, legalidade ou justiça, é justo que todos sejam tratados de igual modo. Assim, seriamos um povo justo, uma nação justa e, por conseguinte, uma nação honrada. Há muito que dizer sobre este ponto, mas...
Sobre o ponto 3, nós necessitamos, sim, a reconciliação connosco mesmos, com a nossa consciência tranquila, com a nossa paz interior, mas como resultado do fim do remorso que vem do facto de sabermos que somos injustos, covardes e desumanos. Para isso, tínhamos de usar a mesma medida para nós, não devíamos acobertar crimes de alguém porque devemos favores a ele.
Esta reflexão vale para o ponto 4. Escorregou? Pode ser que sim. Mas devem ser medidas adequadas, as mesmas que são tomadas para todos os que escorregam. Isso chama-se JUSTIÇA. E nada mais justo que julgar factos ao invés de pessoas. Só para terminar, quem são os que nós amnistiamos mesmo? Quem são os que, em plena luz do dia, assassinaram (assassinam) concidadãos? Esquadrões da morte? Afinal já foram amnistiados? Os raptores e os assaltantes? Já há amnistia para eles? Os ditos homens armados da renamo e da frelimo, que nos habituaram a fazer do povo capim para experiências militares, laboratório de novas aquisições de armas da tecnologia de ponta?

GostoMostrar mais reações · Responder · 6 · 30/6 às 5:10 · Editado

Mugaza Waka Machel Zuma devolveu dinheiro do povo que usou para fins pessoais, porquê é que aqui esses ladrões não podem fazer o mesmo?

Gosto · Responder · 30/6 às 8:57


Escreve uma resposta...




Antonio A. S. Kawaria Com a prisão doa actuais prevenimos que no futuro se roube da mesma forma.

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 30/6 às 7:30

Sebastião Mufana Devolver o tako como forma de remissão e amnistiar ponto e final.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 8:35

Eusebio Jose So precisam de amnistia os criminosos, entao tens a maxima consciencia de que eles sao...

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 9:03

Devis Gimo https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Pol%C3%ADtica



Política – Wikipédia, a enciclopédia livre
Política[1][2] (do Grego: πολιτικός / politikos, significa "de, para, ou relacionado a grupos que integram a Pólis")…
PT.WIKIPEDIA.ORG

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 9:22

Repetente da Secundaria Sem comentários. Não sei em que esquina adquirem tal suruma. Não é normal que alguém pense desse jeito. Temos que trabalhar muito para combatermos o consumo de drogas em Moçambique.

GostoMostrar mais reações · Responder · 5 · 30/6 às 9:32

Jr Chauque É da alta qualidade de mafalala

Gosto · Responder · 2 · 30/6 às 9:48

Quivi José Faera Kkkkk melhor comentario i like

Gosto · Responder · 1 · 30/6 às 11:43

Kuyengany Produções Na Mafalala esse senhor nem pode entrar.....Talvez na Zona Militar como é zona deles

Gosto · Responder · 18 h


Escreve uma resposta...




Joao Cabrita Eusébio A. P. Gwembe distorce a realidade, pretendendo fazer crer que a PGR está empenhada numa cruzada contra o regime. No âmbito da chamada «dívida oculta» até hoje a PGR nada fez – e nem sequer pode evocar que está a analisar o relatório da Kroll, ou que há segredos de justiça a salvaguardar.

Muito antes da entrada da Kroll em cena, a PGR dispunha de dados concretos para actuar, nomeadamente o facto de a Constituição ter sido violada pelo governo ao não obter permissão da Assembleia da República para contrair empréstimos junto de instituições de crédito – um governo que jurou respeitar a Lei Fundamental.

Mas o que espanta e provoca repulsa e indignação é ver jovens académicos manchando a sua própria imagem, a pôr em causa a sua reputação, a idoneidade das instituições por onde passaram ou onde ainda estudam, defendendo clara e ostensivamente a impunidade de quem viola flagrantemente a lei sob várias formas. Eusébio A. P. Gwembe é um desses académicos. Há mais. Infelizmente – e tragicamente também.

Com que cara fitarão eles nos olhos os filhos ou as esposas à mesa da refeição ou no recato de uma sala-de-estar? Conseguirão andar de cabeça erguida entre a multidão?

Não lhes faz espécie prostituírem-se por menos de 30 moedas?

GostoMostrar mais reações · Responder · 4 · 30/6 às 9:54 · Editado

Mugaza Waka Machel Já não sei em quem me inspirar nesta vida. Dizem que estudar abre a mente do indivíduo e quanto mais níveis concluir mais lúcido fica mas não me parece ser este caso!

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 10:14

Eusébio A. P. Gwembe İlustre Joao Cabrita, existe, no seu comentario, uma tentativa (deliberada?) de falsificar a percepção ao ver no post uma tentativa de encobrir/defender o roubo que, em face dos documentos disponíveis, ainda não existe senão na cabeça dos que assim pensam. O que as percepções não querem ver no post é a proposta que ele traz e as interrogaçoes que Oreste Muatuca Muatuca tratou de resumir, de modo a que se esclareçam os contornos ou, se quiserem, o destino do dinheiro. O pais esta num impasse porque os argumentos evocados para a falta do devido esclarecimento ultrapassam as animosidades do cidadão comum: segredo do Estado. Neste momento da nossa vida atribulada pelo fantasma do roubo, todo o nosso esforço esta polarizado por uma ideia politica encoberta no desejo por uma justiça. Como se conseguira a justiça enquanto as posições se extremam? Em direito, as afirmações do tipo "roubou" nem sempre correspondem à justiça justa enquanto faltarem provas. É essa a base que me mantém entre todos os desgostos uma alma inquebrantável e com ela tornarei, dentro em breve à batalha, a ultima batalha, infelizmente necessária, para garantir a soberania pela qual muitos compatriotas morreram, o futuro de glória que o sacrifício deles tornou possível. Esta é uma proposta que a julgo necessária para evitar a repetição de estéreis lutas internas e assegurar uma condição prımordıal, a estabılıdade e a depuração do regime, sob cuja bandeira juntos temos combatido. Se soubermos ultrapassar com sabedoria e nao com vingança o presente momento, às gerações de amanhã nunca faltará a liberdade ainda que para tal tenhamos nós de sofrer os ferros das prisões psicológicas, nem lhes faltará nunca o pão, embora tenhamos de regar com o nosso sangue os campos que o hão de produzir. Tenho dito!

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 10:31

Germano Milagre Lestes o relatório da Kroll ? Não existiu roubo ???

Gosto · Responder · 1 · 30/6 às 12:56

Germano Milagre Confundir a luta de libertação com ladrões é um verdadeiro insulto à memória dos que deram a vida pela independência.

Gosto · Responder · 2 · 30/6 às 13:02

Joao Cabrita Fundamentei-me nestas afirmações por si proferidas, Eusébio A. P. Gwembe:

1. A Procuradoria-Geral da Grei deveria ser processada por ter cometido um crime contra a Segurança do Estado ao permitir que os agentes da Secreta Moçambicana, após deporem na comissão parlamentar, fossem espiados por agentes secretos de fora.

2. Mas o que me intrigou é, por um lado, saber que a Procuradoria-Geral da Grei deu luz verde à Kroll para colher informações que já tinham sido dadas à Comissão Parlamentar, em vez de pedir que a AR fornecesse a acta/relatório que se elaborou do depoimento do indivíduo “A”.

3. Debalde se pergunta para onde nos arrasta essa audácia desnorteada que assaltou a PGG, de surpresa, sem plano, sem abnegação e sem patriotismo

E diz-nos Eusébio Gwembve que “Em direito, as afirmações do tipo "roubou" nem sempre correspondem à justiça justa enquanto faltarem provas.”

É caso para perguntar: se não houve roubo, e faltam provas, a que propósito vem a sugestão de uma amnistia? Amnistiar o quê? e quem?

E quanto a gadanho, o que sabemos e que a chefe do FMI, Christine Lagarde, referiu-se publicamente ao à EMATUM como um caso de corrupção. Isto, muito antes do governo ter acedido a uma auditoria independente.

Também é caso para perguntar: como se explica que um regime que é acusado de corrupção, que na praça pública é visto como tendo desviado fundos, e que resistiu até ao fim à realização de uma auditoria independente, nunca tivesse tido preocupação de imediato vir a público esclarecer a situação?

Gosto · Responder · 2 · 30/6 às 13:50

Lazaro Filimone Pene O único seu problema é postar isto muito atrasado.
Quando é assim, uma prosa deste tamanho, é melhor relê-lo antes de postar. Até parece ser o agente O!!!

Gosto · Responder · 1 · Ontem às 11:45


Escreve uma resposta...




Jonas Banbo Eusébio A. P. Gwembe, imagina encontrares um gajo a violar sua filha vais perdoar e continuar a conviver com ele.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 11:47 · Editado

Edson João João Alberto Jonas banbos os exemplos estão fora do contexto. Mas vives neste país? O que te falta postar é: era uma vez um cão mordeu uma pessoa. Tem algo de engraçado aqui?

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 12:35

Germano Milagre Leis para quê ? Afinal não precisanos delas ... ou só se aplicam a alguns ? Temos um sistema de castas em Moçambique ?

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 12:55

Germano Milagre Mas já começo a perceber pk começaram a perseguir DHL e companhia ... troca de Amnistias ??? E o povo é que paga sempre ???

GostoMostrar mais reações · Responder · 4 · 30/6 às 12:58

Eusébio A. P. Gwembe Presidente da Ematum, MAM e Proindicus ataca autor do relatório sobre Moçambique
HÁ 2 HORAS
2
O presidente das empresas Ematum, MAM e Proindicus confirmou à Bloomberg que expulsou os auditores da Kroll do seu escritório "porque queriam detalhes sobre questões da segurança do Estado".

Partilhe

A Pessoa A geriu mal as três empresas, atrasando a entrega dos projetos, e que disse à Kroll que as faturas dos navios de pesca atuneira escondiam a compra de outros ativos, o que a Privinvest diz ser "completamente falso".
Manuel Moura/LUSA

Autor

Agência Lusa
Mais sobre

EMPRESAS
MOÇAMBIQUE
ÁFRICA
MUNDO
O presidente das empresas moçambicanas Ematum, MAM e Proindicus, António do Rosário, confirmou esta sexta-feira à agência Bloomberg que expulsou os auditores da Kroll do seu escritório “porque queriam detalhes sobre questões da segurança do Estado”.

De acordo com uma carta obtida pela Bloomberg e que foi autenticada pelo responsável destas três empresas públicas no centro do escândalo da dívida de Moçambique, António do Rosário assume que é a ‘Pessoa A’ identificada no sumário executivo publicado pela Procuradoria-Geral da República e mostra-se desafiante face às críticas da consultora.

“Para a Kroll, nós sabemos quem vocês realmente são e o que querem”, escreveu o presidente das empresas na carta obtida pela Bloomberg, acrescentando: “Estou contente de ver a maneira muito negativa como me atacaram, porque isso prova que nós não cedemos a pressões e não temos medo”.

A direção das empresas, continuou, fará o que for preciso para que tenham sucesso, e explicou que a compra dos navios, através dos empréstimos, era necessária para proteger os 2.800 quilómetros de costa de piratas do mar.

As três empresas entraram em incumprimento financeiro nos últimos meses ao não pagarem os cupões relativamente aos títulos de dívida pública, em janeiro, e aos empréstimos, cujas prestações começaram a ser falhadas já no ano passado.

António do Rosário disse ainda, na carta enviada à Kroll e citada pela agência de informação financeira Bloomberg, que as críticas que lhe foram dirigidas vêm de pessoas não identificadas que “querem desesperadamente” que as forças de segurança falhem.

“Hoje a nossa independência económica está em risco”, disse. “A luta continua! Independência económica ou morte, nós vamos vencer”, concluiu o presidente das três empresas públicas que contraíram dívidas no valor de mais de 1,4 mil milhões de dólares.

Segundo a auditoria que foi divulgada parcialmente no sábado, a Mozambique Asset Management (MAM) e a Proindicus não conseguiram explicar para onde foram quase 2 mil milhões de dólares em empréstimos obtidos nos últimos cinco anos.

António do Rosário é o presidente da Ematum, que emitiu obrigações entretanto convertidas em títulos de dívida pública no valor de 850 milhões de dólares, e é também o líder da MAM e da Proindicus, que contraíram empréstimos escondidos no valor de 535 e 622 milhões de dólares, respetivamente.

No sumário da auditoria, a Pessoa A, que António do Rosário assume ser ele, é criticada por não dar informação alegando ser “classificada” e não estar disponível e, por outro lado, são apresentadas inconsistências entre as explicações dadas pela Pessoa A e o Ministério da Defesa e a Privinvest, o empreiteiro que organizou a venda dos navios, sobre o uso dos 500 milhões de dólares dos 850 milhões angariados pela Ematum.

A auditoria diz ainda, segundo a Bloomberg, que a Pessoa A geriu mal as três empresas, atrasando a entrega dos projetos, e que disse à Kroll que as faturas dos navios de pesca atuneira escondiam a compra de outros ativos, o que a Privinvest diz ser “completamente falso”. http://observador.pt/.../presidente-da-ematum-mam-e.../



Presidente da Ematum, MAM e Proindicus ataca autor do relatório sobre Moçambique
O presidente das empresas Ematum, MAM e…
OBSERVADOR.PT

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 17:38

Joao Cabrita Eish! Os homens da segurança da Frelimo sempre foram poderosos. É um facto:

« expulsou os auditores da Kroll do seu escritório “porque queriam detalhes sobre questões da segurança do Estado”;

”nós não cedemos a pressões e não temos medo”.

Senhores auditores: Passopa! Ruwarua ou Metelela continuam a ser dois destinos.

Gosto · Responder · 3 · 30/6 às 17:49


Escreve uma resposta...




Eusébio A. P. Gwembe Parece que a insistencia era demasiada, Joao Cabrita. Consegue topar onde reside o impasse: "nao temos medo". Quem diz isso algo confia e so uma amnistia poderia permitir abertura, penso.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 17:52

Joao Cabrita Eusébio A. P. Gwembe, leu este aviso de um tal Alcides Magagula que circula no WhatsApp?

«Totalmente de acordo, caro Rosário, perder tempo com traidores armados em sabotadores nesta altura do campeonato, é reduzir a capacidade de concentração sobre o essencial. Para esses, o seu tempo chegará»

O seu tempo chegará! Faz lembrar aquelas ameaças nas vésperas do assassinato de Gilles Cistac.

Auditores de todo o mundo: uni-vos!

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 17:58 · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Nada, é a primeira vez que leio mas nao é preludio de qualquer coisa. Ninguém morrera, Joao Cabrita. E disto que eu falo, "se algo de mal acontecer" dirao que o tal de Magagula (apelidos da minha terra) é o novo kara...v

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 18:02

Joao Cabrita "nao é preludio de qualquer coisa. Ninguém morrera". Que alívio, Eusébio A. P. Gwembe. A garantia vem de que lado? A ou B ?

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 18:05

Lazaro Filimone Pene Kikikikikkaka!

Gosto · Responder · Ontem às 11:47


Escreve uma resposta...




Eusébio A. P. Gwembe Da experiencia e do momento Joao Cabrita. Ninguém estaria interessado em azedar o estado em que as coisas estao com uma morte. A ter que acontecer so pode ser obra de inimigos sem rosto para ainda incriminar mais aos seus criminosos imaginarios.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 18:08

Joao Cabrita Há sempre os BAs de Dhlakama para culpar, Eusébio A. P. Gwembe. Mas esclareça algo que me intriga. Estas ameaças de Rosário (”nós não cedemos a pressões e não temos medo”) não desautorizam o Sr. Engenheiro Filipe Jacinto Nyusi? Ele aceitou a auditoria (externa e independente), com ToR bem definidos, o que incluía auscultar todas as partes. Apesar de tudo, Rosário é o CEO de uma das empresas sob investigação. Lá fora poderão alegar obstrução à justiça por parte de Rosário.

GostoMostrar mais reações · Responder · 30/6 às 18:14 · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Eu acho que o PR nao esta sendo desautorizado por nada muito menos ser desafiado. O CEO jurou defender os segredos do Estado e o PR jurou defender a CRM. Sao coisas diferentes e cada um vai cumprindo a sua missao respeitando a sua consciencia. Para ser obstruçao da justiça tinha que ser outro tipo de caso e nao mera auditoria a nao ser que o seu conceito de obstruçao a justiça difira do meu, Joao Cabrita.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 18:17 · Editado

Joao Cabrita Se não está a ser desautorizado, então comunga com a postura de Rosário, o que equivale a dizer que lá fora poderão ser 2 e não 1, vistos como obstruindo a justiça. Salvo opinião mais autorizada, leio que nos Estados Unidos (um dos países a exigir a auditoria independente), o conceito de obstrução à justiça define-se como crime que consiste em obstruir delegados do Ministério Público ou outros, normalmente entidades do governo. Portanto, do governo e não de tribunais ou de órgãos de justiça, propriamente ditos. (Do original: «The crime of obstruction of justice, in United States jurisdictions, refers to the crime of obstructing prosecutors or other (usually government) officials.»)

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 30/6 às 18:27 · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Mas ai esta, Joao Cabrita. Obstruçao a justiça tem a ver com os orgaos de justiça e nao auditores estrangeiros. Eis a razao por que penso que o que nao disseram aos estrangeiros podem dize-lo a uma comissao (por criar) composta por moçambicanos. Mesmo la nas Americas, nao sei se os seus agentes secretos poderiam ser expostos como vimos aqui, com a bençao do MP.

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 18:32

Joao Cabrita Não se trata de violar a CRM, Eusébio A. P. Gwembe, mas determinar a forma como foram usados os montantes do empréstimo. O PR concordou que houvesse uma auditoria externa. Uma auditoria tem de ser realizada de forma transparente, sem ser às escondidas. Da leitura do relatório da Kroll constata-se que os auditores foram impedidos de desempenhar as tarefas enunciadas nos ToR, e Rosário confirma isso mesmo, quando disse à LUSA que «expulsou os auditores da Kroll do seu escritório “, pois ”nós não cedemos a pressões e não temos medo”. Apurar a questão dos juros pagos ao Credit Suisse não implica violação da CRM. Juros não são armas. Justificar gastos na ordem de $500 milhões não constitui violação de leis, mas de provar o cumprimento delas. Lá nas Américas não apenas os polícias, mas os presidentes são alvo de investigações. Nixon no caso Watergate, Clinton no caso Monica, e agora Trump no caso dos russos.

GostoMostrar mais reações · Responder · 3 · 30/6 às 18:51

Eusébio A. P. Gwembe Distorce os factos constantes do Relatorio da propria Kroll, Joao Cabrita pois este relatorio diz que a informaçao requerida estava fora do ambito da auditoria internacional (pags. 37 e 38). A Kroll nao desmentiu pelo que fica a impressao de que quem ultrapassou os limites foi esta e nao o "ouvido". A proposito, Joao Cabrita nao acha estranho a Kroll recusar que uma das empresas envolvida apresentasse a sua versao, a tal que veio a dizer que este relatorio é enganoso? Quer dizer, preferiu recorrer ao tal consultor de confiança com proposito de inventar a sobrefactuaçao, sem conhecer os mercados, recusando dialogar com quem detem as transaçoes. Muito estranhissimo relatorio, este. E meia volta, N vezes para o gabinete onde ha homens do SISE. Neste seculo é possivel desaparecer tanto dinheiro sem rastos? Nao era mais interessante se se apertassem ao ponto de saida e nunca o de chegada? Algo nao vai bem mas como queiram, aguardemos para os desenvolvimentos desta e de outras "ilaçoes" para citar Temer.

Consultora Palomar quer reunião com Kroll sobre dívida de Moçambique
A consultora Palomar renovou esta sexta-feira, dia 30 de Junho, a disponibilidade para se reunir com os responsáveis pela auditoria à dívida pública de Moçambique, considerando que só assim é possível explicar o envolvimento da consultora nas transacções financeiras.

"A Palomar expressou outra vez a sua vontade de se encontrar com a Kroll, e de partilhar toda e qualquer informação requerida para garantir que o relatório sobre Moçambique é completo e correcto no que diz respeito ao papel da Palomar", disse um porta-voz da consultora à Lusa.

Questionado especificamente sobre o envolvimento da consultora na preparação dos empréstimos da Mozambique Asset Management e da Proindicus, a mesma fonte escusou-se a comentar, argumentando que as explicações serão dadas primeiro aos autores do relatório e não aos meios de comunicação social.

Na nota enviada à Lusa, a Palomar disse que "desde o início da auditoria tem-se oferecido de forma consistente para reunir e cooperar, mas a Kroll não respondeu a esta oferta".

A "negligência" dos auditoras da Kroll, uma consultora contratada pela embaixada da Suécia para auditar os dois empréstimos de mais de mil milhões de dólares que foram garantidos pelo Estado de Moçambique sem que as instituições nacionais e os parceiros internacionais estivessem ao corrente, "resultou num relatório com falhas e enganador".

O escândalo das dívidas ocultas rebentou em Abril de 2016, com a divulgação pelo Wall Street Journal de um empréstimo escondido de 622 milhões de dólares da ProIndicus e de mais 535 milhões da MAM, ambos com garantias do Estado.

Lusa – 30.06.2017

Gosto · Responder · Ontem às 2:25 · Editado

Joao Cabrita Eusébio A. P. Gwembe, fui ler as páginas 37 e 38 da versão em língua portuguesa do Relatório da Kroll e não consegui encontrar a frase por si citada: «este relatorio diz que a informaçao requerida estava fora do ambito da auditoria internaciona». Não se deve descurar o facto de que o relatório da Kroll divulgado pela PGR é um resumo do relatório fimal.

Mas o que fica esclarecido da leitura da página 38 é que o CEO das empresas auditadas, António Carlos do Rosário (Indivíduo A), prestou declarações aparentemente falsas:

«O Indivíduo A, forneceu à Kroll, para suporte adicional desta declaração o rascunho de uma carta não assinada, datada de 5 de Dezembro de 2016, supostamente do Indivíduo I, Posição I. A carta declarava que:

"Para todos os devidos efeitos legais e subsequentes, confirmamos que o Ministério da Defesa da República de Moçambique recebeu, no âmbito do ’projecto EMATUM’, equipamento militar equivalente a USD 500.000,00 [sic] (Quinhentos milhões de dólares americanos)27, com vista ao reforço da capacidade de protecção da soberania, integridade territorial e inviolabilidade das fronteiras nacionais"»

Acrescenta o Relatório dos auditores:

«A Kroll reuniu-se com o Posição I para discutir o rascunho da carta. O Posição I explicou à Kroll que tinha conhecimento do rascunho da carta, mas que se recusara a assiná-la, já que não sabia se tinha sido fornecido algum equipamento militar ao Ministério da Defesa.»

De acordo com o jornal «ESTRELA», editado pelo antigo director da agência governamental de informação, AIM, Sr. Gustavo Mavie, o Indivíduo I ou Posição I é Atanásio Salvador Mtumuke, Ministro da Defesa.

Gosto · Responder · 2 · 23 h · Editado


Escreve uma resposta...




Joao Cabrita Mas é interessante que o seu conceito de justiça tenha evoluído de forma vincada, Eusébio A. P. Gwembe. Ainda recentemente, li um comentário seu a dizer que a publicação do relatório integral da Kroll era para coincidir com o próximo Congresso do Partido Frelimo, para um acerto de contas entre Nyusi e os outros (os maus que 'obstaculizam' os trabalhos do Sr. Engenheiro Filipe Jacinto Nyusi). Portanto, o Eusebio Gwembe defende que o relatório, elaborado por gente que é posta no olho da rua pelo CEO de uma das empresas auditadas, devia ser usado como instrumento, acima da lei e das instituições de justiça. Parabéns, Eusébio A. P. Gwembe, pelo salto qualitativo.

GostoMostrar mais reações · Responder · 2 · 30/6 às 20:07 · Editado

Cassamo Tongolo Qual povo. Quem está preocupado são aqueles que nos deliciam com suas escritas diariamente . Aqueles que dizem que a crise é por causa das dívidas ocultas. Se os tais supostos ladrões como vocês chamam se forem presos a crise vai acabar?

GostoMostrar mais reações · Responder · 1 · 30/6 às 20:52

Comentários





Rodrigo Fernandes Gostei de ouvir!...mas e muita pena. O nosso Pais depende de voces!


2 de Julho de 2016 às 15:51







Alexandre Chivale Ó sotor, às vezes o que parece não é! Sotor tá lembrado de como está a "Djilma"? No "Brasiu" parecia que a ideia era caçar o Lula, mas o fim último era a Presidenta! Algo me diz que na Pátria Amada a empreitada tem os mesmos contornos e propósitos!

Jikulumeso!


9 · 2 de Julho de 2016 às 16:03







Isalcio Mahanjane Aí Sotor prometo escrever nas próximas horas...


1 · 2 de Julho de 2016 às 16:04







Licinio Mauaie São "maderssos" , depois vão nos dar "xabude"


2 · 2 de Julho de 2016 às 16:06







Alexandre Chivale Camarada Augusto BáfuaBáfua, não se mete!


1 · 2 de Julho de 2016 às 16:07







Fernando Jorge Francisco Cumbana É pena que os ditos doutores nao empregam os seus conhecimentos para o bem da sociedade ,procurando soluçoes cientificas para resolver tantos problemas do país.Logo que tem canudo desdobram se em debates nas redes socias criticando o poder,mas sem trazer soluçoes alternativas.Se o motivo è protagonismo deviam se empenhar mais no trabalho depois aparecerem para amostrar a competencia


8 · 2 de Julho de 2016 às 16:08







Alexandre Chivale Wel said


2 de Julho de 2016 às 20:30







Fernando Jorge Francisco Cumbana thanks bruhVer Tradução


1 · 2 de Julho de 2016 às 23:00







Rogerio Daniel Naene Certíssimo


3 de Julho de 2016 às 11:07







Filimao Suaze Muito obrigado Isalcio, well done my friend,well said. Com tanta poeira hoje em Maputo, os de ja orelhas antes empoeiradas, te ouvirao com muita dor e perturbaçao. Invejo-te a acutilância e contundência.


7 · 2 de Julho de 2016 às 17:24







Isalcio Mahanjane Touché Filimao Suaze!Ver Tradução


2 de Julho de 2016 às 17:55







Augusto BáfuaBáfua Je suis "Presidente Aberto"...


2 de Julho de 2016 às 18:25







João Ferro Ferro bem soado mas algo falta em vês de falar falar...queremos nos a conclusão da vossa competência para o mesmo.


3 de Julho de 2016 às 19:48







Jeronimo Pelembe MEU IRMAO, EU NAO SOU POLITICO E NEM TO INERESSADO NESSA DROGA MAS 'E VERDADE QUE HA EXAGEROS POR PARTE DE ALGUNS MEMBROS DO PARTIDO CUJO NOME NAO SE PODE ESCREVER.


4 de Julho de 2016 às 10:26







Jeronimo Pelembe DO JEITO QUE "FALAS" 'E COMO SE ACABASSES DE DESCER DO PLANETA MARTE OU QUALQUER OUTRO MENOS EXPLODADO E DEREPENTE LHE PEDISSEM PARA DIZER ALGO SOBRE A ACTUALIDADE POLITICO-ECONOMICA DE MOZ. EM ALGUM MOMENTO TEMOS QUE ENCARAR A REALIDADE. E NAO PARTIRMOS EM DEFESA DAQUELES QUE DESGRACAM O POVO TODO.


1 · 4 de Julho de 2016 às 10:54 · Editado







Isalcio Mahanjane Jeronimo Pelembe, pedir-lhe-ei para que avance com argumentos que me contradigam... acima de tudo jurídicos... paixões à parte... quanto ao resto, donde pareço vir, sugiro que guarde para si... tem um bom dia! Ainda sobre a desgraça popular... tenho comigo que precisaria de elabora muito sobre tal para nos dar a real visão do que se passa...


1 · 4 de Julho de 2016 às 10:43







Jeronimo Pelembe QUANDO ESTIVERES A TRATAR DE ASSUNTOS COMO ESTE TENS QUE SER UM POUCO MODERADO MEU IRMAO. EU NAO SOU JURISTA SOU APENAS UM CIDADAO QUE TEM ALGO A DIZER SOBRE OS TEMAS DO DIA, AINDA QUE ESTEJA ERRADO. BOA SEMANA PRA SI E A FAMILIA TODA


4 de Julho de 2016 às 10:53







Isalcio Mahanjane Jeronimo Pelembe, meu cuidado será tão só referente as regras jurídicas e de deontologia... porque não andarei por outras águas... quanto ao cuidado que pede, confesso não ter medo, já andei injusta e ilegalmente preso, faltar-me-á a refeição de raízes, que inevitável, tarde ou cedo... Alexandre Chivale, já só olho!


1 · 4 de Julho de 2016 às 10:59







Alexandre Chivale Só podes. Equação algébrica não é para qualquer mortal


4 de Julho de 2016 às 11:03







Marta Cuna kkkkkkkkk


4 de Julho de 2016 às 11:23







Antolinho André De facto a excelente elaboração do presente texto dispensa qualquer argumento senão intervenções mal elaboradas misturadas com insultos sinal de que não tem argumentos válidos e consistentes sobre a matéria.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.