terça-feira, 13 de junho de 2017

Colonos do tipo novo


No passado colonial, o inimigo do povo moçambicano estava bem identificado – tinha, do seu lado, a polícia, o exército, a PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado), os sipaios, a religião, chamboco e o xibalo para repressão. Era um mal contra o qual se devia levantar e lutar. Após 500 anos de ocupação, depois de 10 anos de uma guerra heróica, o povo venceu e expulsou do solo pátrio o ocupante estrangeiro. Houve festa e euforia pela vitória sobre o colonialista, porém, não tardou para se chegar a conclusão de que o que se operou foi uma simples operação de substituição por novos colonos da pior espécie que esvaziam a essência da envolvente luta popular contra o brutal sistema colonial. O povo abraçou a luta para ser dono do país.
O povo não lutou por uma simples bandeira nem por um presidente de cor preta, no lugar de um governador-geral. Passados 42 anos depois da proclamação da independência nacional, ao povo só lhe resta chorar porque a situação vai de mal a pior. A qualidade do ensino, desde o primário ao universitário passando pelo profissional, baixou, drasticamente, embora tenha subido o número de pessoas que frequenta a escola. Os dirigentes enviam os seus filhos para as universidades estrangeiras. Alguns governantes mandam, para além-fronteiras, os seus meninos a fim de aprenderem o abc. O país está mergulhado num caos sem precedentes. Virou uma machamba de alguns privilegiados do mesmo clube. Uma capoeira dos altos governantes.
O sistema de transporte público está colapsado e isso não se deve ao aumento de utentes, mas, à ineficiência de gestão e incúria. Até a única empresa pública de transporte aéreo está muito doente. O INSS, o chamado banco do povo, e todas as empresas públicas são uma capoeira dos dirigentes do partido no governo onde retiram fundos para custear casamentos e baptizados dos seus filhos e recapitalizarem as suas empresas falidas. A corrupção engoliu toda a máquina administrativa do Estado. É uma doença endémica (doença localizada e de causa local). Não ser corrupta, hoje, é uma qualidade cada vez mais rara, no nosso país. Os colonos do tipo novo abafaram e arruinaram o sistema judiciário, indicando os dirigentes judiciais para que nunca levantem a mão contra as suas práticas de ilegalidades.
As dívidas ocultas contraídas, de quase 2,2 biliões de dólares, pelos colonos do tipo novo visavam, antes de mais nada, encher os seus bolsos e, num golpe de mestre, conseguiram empurra-las para as costas do povo que não sabe onde foi aplicado o dinheiro. Pondo as mãos ao lume, eu afirmo que o antigo colono nem de perto nem de longe se atreveria fazer algo igual. O antigo colono era, indubitavelmente, mau, porém, o colono do tipo novo é muito pior. Os antigos colonos prendiam-se ente eles quando para tal fosse necessário, mas os colonos do novo tipo defendem-se mutuamente. O exemplo do relatório da Kroll que está sendo editado pela Procuradoria, é demasiado esclarecedor da cumplicidade.
LikeShow more reactions
3 Comments
Comments
Aziza Throne
Aziza Throne Colono não é quem vem de fora? Esses qe dizem que sao colonos vem de onde? Tem outro nome que nao coono. Colono de moçambique deixou prédios, machambas, linhas ferreas, escolas, hospitais, chibalo, estradas. E os que chamam colono agora ?
LikeShow more reactions
· 21 hrs
Remove
Subject Mate
Subject Mate Os nossos sao chamados colonos de mocambique e de fortuna
LikeShow more reactions
· 21 hrs
Remove
Caly Aquário Quente
LikeShow more reactions
· 20 hrs

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.