quinta-feira, 20 de julho de 2017

Polícia dispara balas reais contra um cidadão indefeso e mata-o em Tete

Polícia dispara balas reais contra um cidadão indefeso e mata-o em Tete
PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Nacional
Escrito por Redação  em 14 Julho 2017
Share/Save/Bookmark
Um cidadão morreu supostamente vítima de disparos efectuados pela Polícia da República de Moçambique (PRM), na quarta-feira (12), na vila de Moatize, província de Tete, quando um grupo de populares amotinou-se para contestar o encerramento unilateral dos portões que dão acesso à concessão da empresa mineira Vale Moçambique.
Trata-se de portões de uma outra mina de carvão pertencente àquela companhia, cuja exploração ainda não iniciou.
Contudo, após longas conversações entre o governo local e a Vale Moçambique, chegou-se à conclusão de que os portões deviam estar sempre abertos com vista a permitir que a população [que antes era dona do espaço] pastasse gado e buscasse lenha, contou uma testemunha ao @Verdade.
A nossa fonte acrescentou que houve tentativas de se ocultar o crime e difundiu-se informações segundo as quais o homicídio aconteceu nas cercanias da área de concessão mineira da Vale, mas não foi em consequência de disparos.
O malogrado, que respondia pelo nome de Hussene António, encontrou a morte quando fugia da Polícia, após ser alvejado num dos braços.
Mesmo apercebendo-se de que o finado já estava ferido, um dos agentes da Polícia, chamado pela Vale para o local onde decorria a manifestação considerada pacífica, disparou o segundo tiro, tendo o projéctil atingido as costas.
Por conseguinte, o cidadão caiu sem nenhuns sinais vitais, ficando, deste modo, exposta a brutalidade com que determinados membros da instituição que tem como função garantir a segurança e a ordem públicas e combater infracções à lei trata os cidadãos indefesos.
O @Verdade tentou ouvir a corporação em Tete, mas esforços nesse sentido redundaram em fracasso, porque ainda se estava a apurar “em que circunstâncias o baleamento mortal aconteceu”, segundo explicou.
Não é a primeira vez que a Vale Moçambique solicita a PRM quando está em apuros com as comunidades das áreas abrangidas pelas suas actividades, e nalgumas vezes acontece o pior.
Refira-se ainda que centenas de oleiros ainda estão de costas voltadas com a Vale Moçambique e o governo de Moatize, em resultado da falta de entendimento entre as partes no que diz respeito às indemnizações as comunidades dizem ter direito, por ter cedido as suas terras.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.