quinta-feira, 6 de julho de 2017

Milhares pedem clemência para William Morva, que vai ser executado amanhã


William Charles Morva
Advogados dizem que homem sofre de doença mental grave. União Europeia e embaixada da Hungria pediram que Morva seja poupado
William Charles Morva vai ser executado na madrugada desta sexta-feira em Virginia, Estados Unidos. O homem de 35 anos foi condenado à pena de morte por ter assassinado dois homens em 2006, enquanto fugia da prisão. O caso do húngaro-americano Morva tem captado a atenção internacional, já que os seus advogados argumentam que sofre de graves problemas mentais.
A morte de Morva está agendada para às nove horas da noite no centro correcional Greensville (1 da manhã, em Lisboa). Os advogados pedem que o governador da Virginia, Terry McAuliffe, comute a pena, alegando que Morva sofre de transtorno delirante, uma doença equiparável à esquizofrenia.
Os defensores dizem ainda que o estado mental de Morva se agravou quando foi preso por roubo, em 2006, porque os médicos da prisão se recusaram a tratá-lo e que foram dadas informações incorretas sobre a doença durante o julgamento.
Especialistas do Conselho das Nações Unidas para os Direitos Humanos disseram esta semana que o julgamento de Morva não cumpria todos os requisitos para ser considerado justo, segundo a Reuters.
A União Europeia e a embaixada da Hungria nos Estados Unidos pediram que o governador poupasse o homem de 35 anos e 20 legisladores da Virginia pediram que a pena de Morva fosse comutada para prisão perpétua.
Mais de 34 mil pessoas assinaram uma petição para McAuliffe a pedir clemência para Morva.
Morva foi levado para um hospital em agosto de 2016, enquanto estava detido, e tentou fugir. Para isso, roubou a arma de um guarda e baleou-o. No dia seguinte, Morva baleou um vice-xerife que o tentava recapturar. Os dois homens morreram.
A filha do vice-xerife escreveu um e-mail a McAuliffe a pedir que a vida de Morva seja poupada.
O pedido de recurso do caso de Morva foi recusado pelo tribunal supremo em fevereiro. Esta execução será a 13ª nos Estados Unidos este ano.
Em Portugal celebra-se este mês o 150º aniversário da abolição da pena de morte.
"A abolição da pena de morte é ainda, passados estes 150 anos, um combate atual, um ideal pelo qual devemos batalhar todos os dias com a força do nosso exemplo", disse o presidente Marcelo Rebelo de Sousa, na cerimónia comemorativa organizada pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.