segunda-feira, 10 de julho de 2017

How dictators use our open society against us


How dictators use our open society against us
© Greg Nash
 Como os ditadores usam nossa sociedade aberta contra nósPor Daniel Calingaert, colaborador - 07/06/17 16:40 EDT40348AddThis Sharing ButtonsPartilhar no Facebook414Compartilhar no TwitterCompartilhar no Google+
 
Como os ditadores usam nossa sociedade aberta contra nós© Greg Nash


Os pontos de venda da Pro-Pequim ganharam uma participação dominante no mercado de TV a cabo em língua chinesa nos Estados Unidos.
Os guarda-costas do presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, derrotaram manifestantes pacíficos na capital do nosso país. E o lobby para os ditadores em Washington tornou-se tão rotineiro para servir os regimes mais repressivos, como o Azerbaijão, o Egito, a Arábia Saudita e o Sudão, e incluem pessoas como Paul Manafort e Michael Flynn, que podem voltar a entrar na política e no governo americanos depois de representar Interesses internacionais corruptos e autoritários.
O que esses desenvolvimentos têm em comum?
Todos eles são exemplos de ditadores que exploram nossa sociedade aberta para enfraquecer nossa democracia. Os esforços russos para manipular a cobertura da mídia americana durante as eleições presidenciais dos EUA no ano passado fizeram parte de um padrão mais amplo, conforme detalhado em um estudo recente da Freedom House.


Os governantes autoritários modernos se tornaram globais com seus métodos de controle político. Eles aprendem uns com os outros como controlar os impulsionadores da liberdade, como a internet e a sociedade civil, e estender seu alcance ao sistema político dos Estados Unidos e à de nossos aliados democráticos.
Os regimes autoritários, particularmente a China e a Rússia, ameaçam os valores e os interesses americanos. Sua influência muitas vezes vem à nossa custa e leva a uma maior instabilidade, como se vê no Mar da China Meridional e nas invasões da Rússia à integridade territorial da Ucrânia.
E eles também prejudicam os interesses econômicos dos EUA. A corrupção e a fraca regra da lei colocam as empresas americanas em uma desvantagem distinta em relação aos concorrentes locais com conexões políticas e as restrições à mídia e à internet limitam o acesso de empresas americanas aos mercados estrangeiros.
Os Estados Unidos precisam recuar com mais força sobre a crescente influência de poderes autoritários. Há vários passos que pode levar sem tornar a sociedade americana menos aberta.
Primeiro, enquanto os Estados Unidos promovem seus interesses econômicos e de segurança com governos autoritários, ainda deve responsabilizá-los por não seguir suas próprias leis e compromissos internacionais em matéria de direitos humanos.
Os EUA estão à altura dos seus compromissos internacionais. Devemos exigir que outros façam o mesmo. Autoridades sênior dos Estados Unidos devem criticar publicamente eleições injustas, restrições da liberdade de imprensa, detenções arbitrárias de dissidentes e outras medidas repressivas.
Além disso, a plena aplicação do Global Magnitsky Human Rights Accountability Act servirá para destacar autores individuais, documentar sua culpabilidade e deter futuros abusos.
Em segundo lugar, o governo dos EUA deve insistir no acesso recíproco para negócios americanos para mercados estrangeiros.
Por exemplo, deve pressionar a China a conceder às empresas americanas de internet o mesmo acesso que eles têm ao mercado americano e considerar medidas punitivas se a China não fornecer esse acesso. A censura de mídia e internet são barreiras significativas ao comércio e devem ser tratadas como tal.
Em terceiro lugar, o governo dos Estados Unidos precisa neutralizar de forma mais vigorosa as restrições e a propaganda da mídia sem replicar métodos autoritários.
Deve fornecer recursos suficientes para a transmissão internacional dos EUA para competir com a Rússia e a China. A nomeação de um novo Presidente do Conselho de Administração de Radiodifusão será fundamental. A pessoa deve estar profundamente comprometida com os valores democráticos, apoiando o envolvimento dos Estados Unidos no exterior e aberta a estratégias inovadoras.
A Lei de Combate à Desinformação e Propagação promulgada em dezembro de 2016 fornece um mandato para intensificar o monitoramento da guerra de informação da Rússia e da China, analisar tendências e identificar novas soluções. Essas soluções devem enfatizar a expansão do alcance internacional de notícias equilibradas, baseadas em fato e aumento da cobertura de corrupção e abusos de poder.
As maiores operações de propaganda estrangeira, como RT (anteriormente Russia Today), Sputnik, China Daily e China Global Television Network (anteriormente CCTV), são insidiosas em apresentar-se como pontos de referência legítimos.
Por exemplo, a China Daily compra inserções para parecer uma cobertura de notícias séria no Washington Post e outros jornais líderes, e o conteúdo da RT agora é exibido nas telas das bombas da estação de serviço. Os membros do Congresso e os altos executivos das filiais devem envergonhar essas operações pelo serviço de propaganda.
Medidas mais fortes podem ser consideradas.
O governo dos EUA poderia, por exemplo, considerar exigir rótulos claros e proeminentes sobre o conteúdo pago por um governo estrangeiro ou revogar licenças de transmissão para RT e CGTN se a Rússia e a China, respectivamente, continuarem a negar o acesso dos organismos de radiodifusão suportados pelo governo dos EUA para o seu país .
A China usou seu poder de mercado para criticar internacionalmente
e apresentar uma imagem mais favorável do país. Os esforços insidiosos das empresas chinesas para adquirir empresas americanas de mídia e entretenimento merecem uma resposta resoluta. O Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos deve evitar que as empresas chinesas adquiram seu caminho e, assim, ganhem influência sobre as indústrias americanas de mídia e entretenimento. Finalmente, O governo dos EUA deve restringir a influência dos lobistas de ditadores em Washington, intensificando a aplicação da Lei de Registro de Agentes Estrangeiros e acrescentando um requisito para rotular eventos e viagens pagos por um agente estrangeiro. Os esforços dos governantes autoritários para ampliar sua influência, inclusive para usar nossa Sociedade aberta contra nós, representam uma séria ameaça ao nosso sistema democrático. Os Estados Unidos precisam combater esses esforços com mais vigor e urgência. Daniel Calingaert é vice-presidente executivo da Freedom House, uma organização de vigilância dedicada à expansão da liberdade e da democracia em todo o mundo. As opiniões expressas pelos contribuidores são próprias e não são As vistas de The Hill.



Pro-Beijing outlets have gained a dominant share of the Chinese-language cable TV market in the United States.
Bodyguards of Turkish President Recep Tayyip Erdoğan beat up peaceful protesters in our nation’s capital. And lobbying for dictators in Washington has become so routine as to serve the most repressive regimes, such as Azerbaijan, Egypt, Saudi Arabia, and Sudan, and include individuals like Paul Manafort and Michael Flynn who can re-enter American politics and government after representing corrupt, authoritarian foreign interests.
What do these developments have in common?

They all are examples of dictators exploiting our open society to weaken our democracy. Russian efforts to manipulate American media coverage during the U.S. presidential election last year were part of a broader pattern, as detailed in a recent Freedom House study.
Modern authoritarian rulers have gone global with their methods of political control. They learn from each other how to control the drivers of freedom, such as the internet and civil society, and extend their reach to America’s political system and that of our democratic allies.
Authoritarian regimes, particularly China and Russia, threaten American values and interests. Their influence often comes at our expense and leads to greater instability, as seen in the South China Sea and in Russia’s encroachments on Ukraine’s territorial integrity.
And they harm U.S. economic interests as well. Corruption and weak rule of law put U.S. businesses at a distinct disadvantage in relation to local competitors with political connections, and restrictions on media and the internet limit the access of American companies to overseas markets.
The United States needs to push back harder on the growing influence of authoritarian powers. There are several steps it can take without making American society less open.
First, while the United States advances its security and economic interests with authoritarian governments, it still should hold them to account for failing to follow their own laws and international human rights commitments.
The U.S. lives up to its international commitments. We should demand that others do the same. Senior U.S. officials should publicly criticize unfair elections, restrictions of press freedom, arbitrary detentions of dissidents, and other repressive measures.
In addition, full enforcement of the Global Magnitsky Human Rights Accountability Act will serve to spotlight individual perpetrators, document their culpability, and deter future abuses.
Second, the U.S. government should insist on reciprocal access for American business to overseas markets.
For example, it should press China to grant American internet companies the same access they have to the U.S. market and consider punitive measures if China fails to provide such access. Media and internet censorship are significant barriers to trade and should be treated as such.
Third, the U.S. government needs to more vigorously counteract media restrictions and propaganda without replicating authoritarian methods.
It should provide sufficient resources for U.S. international broadcasting to compete with Russia and China. The appointment of a new Chairperson of the Broadcasting Board of Governors will be critical. The person should be deeply committed to democratic values, supportive of U.S. engagement overseas, and open to innovative strategies.
The Countering Disinformation and Propaganda Act enacted in December 2016 provides a mandate to step up monitoring of Russia’s and China’s information warfare, analyze trends, and identify new solutions. These solutions should emphasize expanding the international reach of balanced, fact-based news and increasing coverage of corruption and abuses of power.
The largest foreign propaganda operations, such as RT (formerly Russia Today), Sputnik, China Daily, and China Global Television Network (formerly CCTV), are insidious in presenting themselves as legitimate news outlets.
For example, China Daily purchases inserts meant to look like serious news coverage in the Washington Post and other leading newspapers, and RT content is now shown on the screens of gas station pumps. Members of Congress and senior executive branch officials should publicly shame these operations for being propaganda services.
Stronger measures may merit consideration.
The U.S. government might, for instance, consider requiring clear and prominent labels on content paid for by a foreign government or revoking broadcast licenses for RT and CGTN if Russia and China, respectively, continue to deny access by U.S. government-supported broadcasters to their country.
China has used its market power to blunt international criticism of its government and present a more favorable image of the country. Insidious efforts by Chinese firms to acquire American media and entertainment companies merit a resolute response.
The Committee on Foreign Investment in the United States should prevent Chinese firms from buying their way into and thus gaining influence over the American media and entertainment industries.
Finally, the U.S. government should curb the influence of dictators’ Washington lobbyists by stepping up enforcement of the Foreign Agents Registration Act and adding a requirement to label events and trips paid by a foreign agent.
The efforts of authoritarian rulers to extend their influence, including to use our open society against us, present a serious threat to our democratic system. The United States needs to counter these efforts with more vigor and urgency.
Daniel Calingaert is executive vice president of Freedom House, a watchdog organization dedicated to the expansion of freedom and democracy around the world.

The views expressed by contributors are their own and are not the views of The Hill.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.