quarta-feira, 19 de julho de 2017

Governo de Nyusi - que futuro ?


A paz duradoura é possível? os homens de Salvador & Lagos terão nova surpresa reservada para Macacho quando este voltar a circular na fatídica EN6? ou quando acordar nas Palmeiras II? o empregado do povo ausentar-se-á para Cabo Delgado ou zona onde não chega o sinal das operadoras telemóveis?
As próximas eleições autárquicas e legislativas serão livres e justas? a FIR/UIR voltará a ser desdobrada no terreno? registar-se-ão cortes de energia em determinados círculos eleitorais no momento da votação? os cadernos eleitorais voltarão a ser trocados? as assembleias de voto (novamente em determinados círculos eleitorais) voltarão a abrir tarde e a más horas? o CC voltará a validar resultados eleitorais sem estar na posse de editais? o regime contará novamente com o apoio tácito de dois conhecidos «cheque-book journalists» que cunharam a conhecida a máxima: «as irregularidades verificadas não alteram significativamente os resultados finais» ?
A despartidarização do Estado continuará a ser um mero projecto-lei? e se o projecto-lei entrar na augusta Assembleia da República, os deputados extraparlamentares do glorioso partido serão largados em províncias e distritos para emperrar uma vez mais o processo?
Qual será conhecido primeiro: o parecer da PGR sobre a auditoria Kroll? ou o relacionado com a investigação do acidente aéreo de Mbuzini nas mãos da Procuradoria-Geral da República desde Outubro de 2008?
O governo continuará a contar com a cumplicidade da comunidade internacional, que sustenta financeiramente um regime que não respeita regras mas reconhece como justas e válidas eleições pautadas por semelhante tipo de fraude?
Nyusi tentará com o novo secretário de Estado norte-americano aquilo que não conseguiu com John Kerry, isto é, atribuir a nacionalidade moçambicana à respectiva esposa para que desistissem da malfada “auditoria externa e independente”, ao mesmo tempo que os intelectuais G40 dissertam sobre moçambicanos originários e não originários? Nyusi recrutará G40 mais qualificados do que aqueles que têm aparecido ultimamente em redes sociais, ou recorrerá aos competentes serviços dos que foram contratados pelo antecessor?
O empregado do povo poderá esclarecer estas e outras questões, sem ambiguidades ou frases inacabadas? (Ao que consta, a crise macroeconómica não teve repercussões no linguajar dos melhores filhos, governadores e comissários políticos)
GostoMostrar mais reações
Comentar
Comentários
Kuyengany Produções
Kuyengany Produções Moçambique està de Volta

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.