sexta-feira, 16 de junho de 2017

Uma falácia propositada ou despropositada?!...


Há uma falácia, propositada ou despropositada, no pensamento expresso de Elísio Macamo [1] sobre a Frelimo gloriosa liderada por Samora Machel. O argumento de Elísio Macamo é que o período da História de Moçambique independente em que Samora Machel foi o líder da revolução, foi tenebroso no que tange ao respeito pelas liberdades cívicas. Ele [Elísio Macamo] usa este argumento para defender que é "haramo" os amantes da liberdade celebrarem a vida e obra de Samora Machel. Ele [Elísio Macamo] não esgota argumentos, para provar que os problemas que a intolerância que se vive no Moçambique de hoje é consequência do facto de o regime revolucionário liderado por Samora Machel ter execrado a diferença de ideias, sobretudo nas hostes da própria FRELIMO.
Eu considero falaciosa a argumentação de Elíso Macamo por duas razões, a saber:
Primeira razão: O argumento não considera o contexto histórica da época e a própria história da luta que conduziu à independência de Moçambique da administração colonial portuguesa e à criação da nacionalidade moçambicana. Ocorreu que a independência de Moçambique não era vista como bom exemplo para os povos negros da África do Sul e da Rodésia (hoje Zimbabwe) pelos regimes minoritários racistas que então governavam estes dois territórios. Por razões egoístas, Malawi não era simpático com a luta pela independência de Moçambique... Assim, com quem, então, a FRELIMO poderia contar para concretizar o sonho de edificar e consolidar um Estado moçambicano soberano, que foi a causa da luta de libertação contra o jugo colonial português? Só com o apoio dos então países socialistas é que a FRELIMO podia contar para a edificação do Estado moçambicano independente e soberano. Ou seja, o regime socialista de partido único foi a única escolha que na altura se afigurava apropriada para viabilizar a criação do Estado moçambicano independente e soberano, contanto que a luta de libertação nacional foi largamente apoiada pelos países do bloco socialista. Não entender que esta era a única escolha que se oferecia à FRELIMO naquela altura, só pode ser por desonestidade intelectual.
Segunda razão: Não é verdade que a FRELIMO não acomodava ou não acomoda a diferença nas suas hostes. Aliás, a facilidade de adaptação da FRELIMO às novas realidades decorre exactamente do facto de esta organização saber acomodar a diferença. Só quem nunca acompanhou as discussões internas nos órgãos de direcção político-ideológica da FRELIMO é que pode cometer o erro crasso de dizer que a FRELIMO não acomoda a diferença. A FRELIMO é uma organização verdadeira democrática. Dentro da FRELIMO, ganham as ideias que se impõem sobre outras por via do debate interno vigoroso, que culmina sempre com a votação. Ninguém é dono de NADA nas hostes da FRELIMO. As ideias de todos os que as têm e as expõem nos órgãos são discutidas do ponto de vista de seu mérito à luz do ideal e dos princípios e valores da FRELIMO. Se assim não fosse, Filipe Nyusi não seria hoje Presidente da República de Moçambique e da Frelimo, e a Armando Guebuza continuaria a dirigir pelo menos a FRELIMO. Aliás, Joaquim Chissano estaria ainda no poder!
Enfim, meu objectivo aqui não é contrariar ninguém, mas explicar porque acho que o argumento de que o tempo de partido único, com Samora Machel à frente dos destinos de Moçambique, foi o mais tenebroso da História de Moçambique, a tal ponto que os amantes da liberdades cívicas e da justiça não estariam a ser coerentes celebrando a vida e obra de Samora Machel. Naquele tempo, houve excessos, sim. Mas é preciso enquadrar esses excessos no contexto em que ocorreram. Hoje, usar esses excessos hoje para negar uma apreciação positiva dos actos públicos de Samora Machel, só pode ser ou propositado ou despropositado.
Pode ser que eu esteja errado ou tenha entendido mal o Elísio Macamo, caso em que peço melhor esclarecimento a quem poder dar, por favor.

---

Referências
GostoMostrar mais reações
Comentários
Lyndo A. Mondlane
Lyndo A. Mondlane Prof. Aquele foi o unico patriota q tivemos.. depois so vieram vendepatrias so, capazes de trocar o pais por um punhado de moedas de ouro
GostoMostrar mais reações
 · 9 h · Editado
Homer Wolf
Homer Wolf O unico patriota que t(iv)emos é o El Patriota masé!😃Ntsém
GostoMostrar mais reações
 · 
2
 · 9 h · Editado
Lyndo A. Mondlane
Lyndo A. Mondlane Kkkkkkkklll
GostoMostrar mais reações
 · 
1
 · 9 h
Homer Wolf
Homer Wolf Não tenho acesso á referência bibliográfica - porque fui bloqueado pelo autor.
Mas se a ideia central for essa que o Profe faz referencia «... o período da História de Moçambique independente em que Samora Machel foi o líder da revolução, foi tenebroso
 no que tange ao respeito pelas liberdades cívicas», então eu não poderia estar mais de acordo com o seu "colego"...

Li e reli os argumentos que o Profe usa para rebater a idea, mas não me convenceram. Até mesmo porque são argumentos mais politicos (com a religiosidade que lhes é peculiar) do que académicos... É mais uma missa, que uma aula!
Nem a justificação do "contexto histórico", e muito menos essa ideia de uma frelimo "acolhedora das mais diversas sensibilidades" (essa sim - é que é uma ideia falaciosa), servem de justificativa eu discordar da reflexáo do "sodotori"... E eu sou insuspeito, pois como disse, fui bloqueado há bué...

Points of view. anyway
GostoMostrar mais reações
 · 
6
 · 9 h · Editado
Lyndo A. Mondlane
Lyndo A. Mondlane Mau comportamento Homer Wolf..kkkkk.. os tempos foram dificeis nesses aspecto, mas nao havia tanto estafador de ilusoes como agora, se perdeu num lado, mas havia honestidade e outris valores q nao estao em voga agora com as consequencias negativas q disso derivam... em soma o pais era mais ordenado
GostoMostrar mais reações
 · 
1
 · 2 h · Editado
Homer Wolf
Homer Wolf Vou te responder inbox... eh eh eh
GostoMostrar mais reações
 · 
1
 · 9 h
Lyndo A. Mondlane
GostoMostrar mais reações
 · 9 h
Homer Wolf
Homer Wolf No tempo colonial tambem havia outros valores e o país era mais ordenado - há quem diga - ntsém... 
Mas era o tempo colonial! Com todas as vissicitudes(?) contextuais!


Isto para dizer que a análise náo pode ser tão simplista assim...
GostoMostrar mais reações
 · 
3
 · 8 h · Editado
Kulemedzana Kulemedzana
Kulemedzana Kulemedzana Não vale isso, se não temos uma opinião sobre o assunto em debate, não nos exclua por favor.
GostoMostrar mais reações
 · 3 h
Tony Ferreira
Tony Ferreira Eu só sei que muitos jovens que estão aqui a ser grandes juízes do sistema estariam no jamanguane e ou refugiados nos países vizinhos. ..perguntem ao Máximo Dias...e claro que essa de contexto não vale porque senão não mudaria com a morte da andorinha. 

Já agora qual é o contexto que Cuba, Venezuela estão a seguir??
GostoMostrar mais reações
 · 1 h

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.