sábado, 10 de junho de 2017

Ainda Sobre a entrevista de Trindade à sapataria “Savana” (2)

Ainda Sobre a entrevista de Trindade à sapataria “Savana” (2)
Desde sempre que digo que sou atento. Gosto de responder ao que julgo estar errado. Isto não é por estar a residir fora de Moçambique. É um hábito que cultivo. Há mais de 17 anos que escrevo para alguns jornais moçambicanos. Os jornalistas moçambicanos , assim como leitores assíduos, sabem que Nini Satar sempre teve tomates para responder a qualquer assunto. Fi-lo mesmo quando estava preso. Para mim não havia grandes. Confrontava-os de igual modo.
A famosa entrevista de Trindade
João Trindade deu uma entrevista publicada nas páginas centrais do “Savana”, de 02 de Junho de 2017. Até foi puxada para capa do jornal, com direito a fotografia e tudo. Na referida entrevista, em jeito de desabafo, fala sobre a inércia e a promiscuidade reinantes no judiciário. O título é: “Há interesses alérgicos às reformas na administração da justiça”.
Em conversa, Trindade refere que optou por se jubilar porque não havia ambiente para continuar no sector, pois a evolução que esperava nunca acontecia por falta de vontade política.
Meus amigos, fãs e seguidores: este pequeno desabafo de João Trindade prova o que vos tenho sempre dito: há interferência do poder político no judiciário. Ou seja, os juízes são marionetes do sistema. Há anos que tenho vos explicado e com prova robusta que Augusto Raul Paulino era marionete do sistema. Muitos dos seus colegas se enervaram com os meus comentários, mas hoje Trindade, apesar de ser por outras palavras, o confirma.
Em abono da verdade, para quem leu a entrevista, há-de perceber que não é mais do que uma confissão de que Trindade é um homem sem integridade, sem moral e que não sabe o que é ética. Em quase toda a entrevista ele mentiu para parecer um santo, daqueles que não quebram pratos.
Diz que depois da independência, acompanhou todo o processo da construção do aparelho judiciário que hoje temos no país. Entrou para o sector em 1977.
A pergunta que faria a Trindade, apesar de tentar se desculpar, é esta: que orgulho tem de ter feito parte deste lamaçal todo? A podridão na justiça ainda continua. O que ele, concretamente, fez pela justiça moçambicana?
Pela sua própria boca diz que em 1977 foi destacado para a província de Niassa, estava ele no último ano de licenciatura em Direito. Lá foi juiz- presidente.
Sabem porquê foi destacado para Niassa e não outra província? É lá onde havia grandes centros de reeducação. Milhares de moçambicanos, com requinte de crueldade, foram chacinados nos campos de reeducação e enterrados em valas comuns. Alguns, as famílias até hoje choram a sua perda e não sabem ao certo se estão vivos ou não. E Trindade encabeçou este processo.
Trindade, na entrevista, diz que a Lei de chicotada foi decidida a nível político e eles foram obrigados a aplicá-la. E diz que no caso dele era mais doloroso devido à sua origem rácica, porque é branco. De maneira que sempre que a lei era aplicada, as vítimas e os seus familiares olhavam para ele e recordavam-se da figura do administrador colonial.
Meus amigos, importa referir que se Trindade aceitou embarcar nisso é porque lhe fazia gosto. Ninguém iria matá-lo por não querer aplicar a tal lei de chicotada. Porquê não fugiu para outro país se é que não estava de acordo? Há muitos juízes que na altura abandonaram Moçambique e foram-se embora, do que participarem numa vergonha de aplicar chicotada a um ser semelhante. A verdade é que Trindade mandou chamboquear, e com muito gosto, até mamanas que só vendiam duas barras de sabão, açúcar, bolos…
As grandes vítimas de Trindade, conforme as sentenças em meu poder, eram senhoras. Eram aplicadas oito chicotadas em cada nádega!!!
Para se desculpar, diz que em 1988, ele, Ossumane Ali Dauto, Norberto Carrilho , Mário Mangaze e Abdul Carimo contribuíram com a sua resistência e protestos na revogação da lei de chicotada.
Isto é mentira. Em Outubro de 1986 Samora Machel morreu. Em sua substituição foi nomeado, em Novembro do mesmo ano, Joaquim Chissano. Ele, Mário Machungo ( primeiro-ministro) e Magid Osman (ministro das finanças) desenharam o Programa da Reabilitação Económica (PRE), para a reestruturação da economia moçambicana. Nesse processo, houve oposição do FMI e a Convenção de Genebra que exigiam o fim das leis de fuzilamento e chicotada. Foi por essa via que Moçambique se viu livre dessas arbitrariedades. Não foi o Trindade que fez alguma coisa. Aliás, ele participou dessa vergonha e hoje vem a imprensa para mentir.
Diz, por outro lado, que não conviveu confortavelmente com os tribunais militares revolucionários. Ou seja, esses tribunais eram constituídos por militares que julgavam e aplicavam penas contra segurança do povo e do Estado. É aqui que se aplicava a pena de morte. Diz que os julgamentos eram feitos em circuitos fechados que ele, porque era do tribunal popular, não tinha acesso a esse circuito.
Vergonhoso. Tudo o que acontecia nos tribunais militares era do conhecimento de Trindade. Ele era juiz- presidente do Tribunal Popular. Os relatórios chegavam-lhe às mãos e nalguns casos até era para dar um cunho jurídico a arbitrariedades que aconteciam naqueles tribunais militares. Muitos moçambicanos inocentes morreram às mãos destes senhores.
Trindade é parte integrante da nossa vergonhosa história como país. Não fez nada para mudar o cenário. Alguns moçambicanos, os que realmente discordaram com o sistema, desertaram. Exemplos evidentes é a criação da Renamo. O André Matsangaissa e Afonso Dhlakama, Joana Simeão, Uria Simango e tantos outros preferiram virar as costas à Frelimo por não concordar com algumas políticas. Se ele, mesmo sabendo dos excessos que se cometiam, preferiu ficar, é porque sabia que tinha benesses. Tinha o cartão vermelho dos camaradas que lhe dava acesso a tudo. Trindade e todos os que participaram daquela vergonha tinham mordomias. Ele ficava no gabinete e controlava tudo.
Trindade dirigiu o Centro de Formação Jurídica e Judiciária. Parte dos magistrados que hoje mancham o sistema foram formados nesse tempo. Diz ele que optou por pedir o seu afastamento quando percebeu que as coisas não andavam a contento. Para mim, este senhor nunca foi vertical. Em jeito de síntese, diria que em todas as frentes em que esteve, segundo palavras suas, foi derrotado. Afinal, Trindade ajudou em que sentido no fortalecimento do judiciário?
E há um reparo que vou aproveitar o ensejo para o fazer. Tendo sido João Trindade um juiz-conselheiro, devia saber que nunca se pode comentar, nos jornais, decisões de outros juízes. Fê-lo ao falar na entrevista do meu processo. E ainda mais, inventou na entrevista ao “Savana” que eu tinha outros processos. Ele sabe perfeitamente que não os tenho, além dos que fui condenado. Com isso, ele demonstrou, mais uma vez, a sua falta de escrúpulos, de ética. E aparece nos jornais para mentir como se tivesse ajudado este país em alguma coisa. Qual é a sua obra? Que eu saiba, Trindade foi um carrasco.
Há um facto relevante: quando Augusto Paulino era juiz -presidente do Tribunal Judicial da Província de Maputo, localizado na Matola, roubou 300 milhões de meticais para comprar uma casa à sua amante. Isabel Rupia, na altura chefe do Gabinete Central de Combate à Corrupção, instaurou-lhe um processo-crime. Paulino passou a ser arguido.
Paulino, nesse processo, tinha como advogado Albano Silva. Trata-se do processo-crime n.º 12/2007 que deu entrada no Tribunal Supremo. Trindade e Luís Sacramento fizeram de tudo para aparar com o processo. Tanto assim foi que Paulino acabou permanecendo como PGR, quando estava em causa a sua nomeação, pouco tempo depois de se saber que havia defraudado o Estado em 300 milhões de meticais. O Trindade esqueceu?
Vou-lhe elucidar, o montante foi solicitado por Paulino em 2005 e foi extraído de uma conta da quinta secção daquele tribunal da Matola. Quando o processo foi instaurado, quem ouviu Paulino foi João Trindade, na altura juiz-conselheiro do Tribunal Supremo. É vergonhoso quando hoje fala da administração da justiça, como se tivesse feito algo de útil.
É a primeira vez que ouvimos em África que temos um PGR de um certo país na posição de um arguido.
Trindade nada fez para evitar isso. Ele, como juiz conselheiro do Tribunal Supremo, preferiu abafar o assunto e mais tarde mandou o processo para um outro juiz-conselheiro, neste caso Luís Mondlane. Este também abafou o processo. Paulino quando já era PGR também recebeu um processo de Luís Mondlane em que era acusado de desvio de milhões do Conselho Constitucional e Paulino também o abafou. Assim que se tratam os camaradas. Um abafa o podre do outro.
Não existe nenhum juiz ou magistrado que não conheça esses assuntos. São estes assuntos que deviam ter sido arrolados na entrevista que o “Savana” fez a Trindade.
Trindade diz ainda
"O poder judiciário funciona a reboque dos políticos","o que me desagrada é que os sinais que o poder político dá de desfasamento entre o discurso e a prática.Isto é,há comportamentos políticos que até certo ponto desmoralizam a actuação dos magistrados."
O que Trindade disse não é novidade eu Nini Satar a mais de 15 anos tenho dito que o poder político controla o poder Judicial.
E por este motivo que eu fui condenado injustamente porque os juízes como Paulino, Trindade,Carrilho,Mondlane e outros recebiam ordens para condenar inocentes e Deixar do lado o verdadeiro mandante Nympine Chissano.
Comportaram se como marionetes.
(Venderam a alma ao sistema)
Eles não amam Moçambique eles amam a Frelimo.
Tinha razão Dr Arouca( advogado)
Trindade pode vender a mãe para agradar o sistema.

Termino dizendo que um juiz é como se fosse representante de Deus na terra. Deve tomar todas as suas decisões com imparcialidade, com lucidez. Neste caso, os juízes-conselheiros da velha guarda e alguns novatos comportam-se como tiranos. Com isto não quero dizer que todos os juízes sejam maus. Há que elogiar alguns juízes-conselheiros (novos)que o Tribunal Supremo tem e o Tribunal Superior de Recurso têm agora.
Nini Satar
GostoMostrar mais reações
Comentar
32 comentários
Comentários
Essau Jackson
Essau Jackson Castigos corporais, humilhações colectivas, assassínios. Pela primeira vez, os "centros de reeducação" surgem em público em toda a extensão da tragédia que representaram, durante quase uma década de poder absoluto da FRELIMO em Moçambique. Dados a conhecer por quem neles esteve. Acompanhados de fotografias inéditas, tiradas entre 1975 e 1984. Um documento a que ninguém poderá ficar indiferente. In MAGAZINE, suplemento do Jornal Público, nº 277 de 25.06.1995
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
8
 · 8/6 às 10:10
Momade Assife Abdul Satar
Momade Assife Abdul Satar Essau Jackson
Obra de Trindade.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
2
 · 8/6 às 10:12
Unay Cambuma
Unay Cambuma " Termino dizendo que um juiz é como se fosse representante de Deus na terra. Deve tomar todas as suas decisões com imparcialidade, com lucidez. "
É isso mesmo Nini. Tudo neste mundo e Deus que comanda. 
E realmente Niassa foi o epicentro dos crimes t
erríveis da frelimo, os famosos campos de reeducação. É estranho que o Savana do Fernando Lims não tenha feito uma nota introdutória ou um comentário final sobre o percurso tenebroso deste anjo da morte. 
Naquele tempo (76/77/78) a frelimo cometeu os mais horríveis absurdos que só lembram o diabo! Uma vez em Maputo, uma linda jovem dona de casa desceu do seu prédio por volta das 19 horas para deitar lixo só que naquele exato momento estava a passar o famigerado grupo dinamizador ou algo assim e apesar da jovem senhora justificar que vive mesmo ai no andar de cima, os jagunços não quiseram saber e atiraram a miuda para dentro da viatura e foram se embora a grande velocidade. 
Vendo a demora da mulher, 'o marido desceuca sua procura durante horas a fio até que foi informado que viram uma mulher a ser levada pelos milicianos da frelimo. O marido só ficou a saber que a mulher estava nas mãos do grupo juiz Trindade nos Campos de reeducação em Niassa 6 meses depois e quando lá chegou, encontrou a totalmente destruida e em farrapos. Durante este tempo todo foi abusada sexualmente por mabulanhutchis e guardas prisionais e fazia trabalhos forçados como percorrer certa distância a busca de lenha e agua, trabalhar nas "machambas do povo", etc.
Ela disse ao marido a chorar que já não merecia ser a mulher dele e que seria melhor ele casar se com outra mas o marido não aceitou isso e levou a casa so que ela acabou morrendo de desgosto e trauma.
Há muitas histórias horríveis, uma mais horripilante que outra. Muitos jovens de hoje não conhecem bem a frelimo e não sabem porque surgiu Dhlakama e o famoso André Matsaigaisse (a minha foto perfil). Antes da Renamo surgir, a frelimo ate prendia e mandava matar quem tivesse um relógio bonito, uma bicicleta ou se alguém recebesse um hóspede sem o secretário do bairro saber.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
19
 · 8/6 às 9:09
José Pedro Elacinho
José Pedro Elacinho É verdade, estás muito certo quanto a isso
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 23:35
Comentários Principais está selecionado e, por isso, algumas respostas podem ter sido filtradas.
Tomás Simião Tamele
Tomás Simião Tamele Mamae nao quero ser prefeito
Pode ate k eu seja eleito
E alguem pode querer me assassinar


Eu nao preciso ler jornais
Mentir sozinho eu sou capaz
Nao quero ir ao encontro com o azar! 

Raul Seixas---Fora da lei
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
2
 · 8/6 às 8:28
Unay Cambuma
Unay Cambuma Vejam só esta ironia: O juiz ou melhor Algoz Trindade vem hoje confirmar com a sua própria boca aquilo que o Nini vinha denunciando há anos - a podridão do sistema judiciário de Moçambique e sua promiscuidade com o sistema política. Mais uma vez a história iliba o Nini. Até da para admirar q coragem que o Trindade teve para denunciar isso e espero que os camaradas não lhe dêem um tiro para depois qcusar o Nini tal como a Beatriz Buchili fez com Ali Coutinho.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
2
 · 8/6 às 12:03
Junno Madeira
Junno Madeira Triste ver que apesar de estares sempre a dar a faca e o queijo nos teus posts, quem é de direito não consiga ainda preparar uma sandes. 

Obrigado por mais um texto elucidativo.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
6
 · 8/6 às 7:44
Helder Tembe
Helder Tembe Caso seja verídica a história,narrador trindade d juiz não tem nada a não ser k na altura leu mui livros sobre Império Romano, então eis a oportunidade d se tornar um autêntico bárbaro... 
Mas o k me parece bárbaros tinham objectivo d pilhar e ocupar,a
 inquietação seria qual seria o objectivo ao turturar irmão igual sem ter intenção d pilhar? 
Estou convicto k seres com esse tipo d raciocínio estão em via d extinção.

Por falar em via de extinção:
Em África existe dois tipos d macacos o chimpanzé e o nobonobo,ambos habitam o msm espaço e tem msm características fisicamente o k lhes difere é a maneira d assimilar(pensar)....

O chimpanzé imita taxativamente td k o mestre faz isto é,qd o Mestre para d mastigar,tomar,limpar as maos,levantar idem... etc
O nobonobo faz td contrario o Mestre para d comer,para d tomar nada k Mestre faz e para este continua isto é,este apega se ao sabor e prazer instântaneo em outras palavras é ambicioso,ganancioso até pode vender sua própria familia pelo prazer...

A moral da história é k o nobonobo esta em via d extinção pk o Mestre pa além d comida e bebidas na mesa tem la uma porção d veneno num dos alimentos e este sendo ganancioso ira comer td k tiver na mesa sem se aperceber do perigo.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
1
 · Ontem às 0:06
Andre Nhabanga
Andre Nhabanga Eu digo mais meu caro Nini, mesmo depois dessa oposição do FMI e convenção de Genebra, no seio do partido, as leis de fuzilamentos nunca foram completamente abolidas pois, existem ainda sanguinários com ideias retrógradas.
Existem ainda assassinos que
 agem a mando de " gente graúda" e selecionam criteriosamente as vítimas, simplesmente porque são supostamente uma pedra no sapato do regime. Os famosos "esquadrões da morte", são uma realidade aqui no país e todo o mundo sabe de que lado são.
Tivemos recentemente o caso das valas comuns, os assassinatos do Cistac, Paulo Machava, Jeremias Pondeca so para citar alguns exemplos, por acaso alguem esclareceu?. NÃO!!! Enfim, estamos perante um organização criminosa que, aproveitando-se da ignorância do povo, vem cometendo atrocidades, senão mesmo crimes contra a humanidade. Salve nos Deus!!!
Infelizmente eles nem têm noção de que estão a ser usados pelo diabo para o cumprimento das profecias.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 21:19
Essau Jackson
Essau Jackson Portanto, era muita tirania do sistema... É de tirar sono a qualquer um (normal), imaginar que tudo isso aconteceu sob égide de quem fez direito e era guardião do mesmo...
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 10:17
Isac Samuel Mahala Jr.
Isac Samuel Mahala Jr. Bem estas tu que só agora que estas fora do pais gosas daquele dito direito(liberdade de expressao) 

Moçambique é uma lastima.

A Frelimo só tirou o colono portuguez para ser ele a nos colonizar.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
5
 · 8/6 às 9:08
Saguate Sussundenga Junior
Saguate Sussundenga Junior Moçambique minha Pátria em declínio...
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 8:50
Ibrahimo Ossman
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 15:38
Mário Wa Solo
Mário Wa Solo Bem a questão que sempre surge me em mente hoje em dia em torno dos últimos acontecimentos é o porque da quebra do sigilo do sistema político? ??? Bem já são muitos membros do partido Frelimo que estão a quebrar muitos segredos. Bem talvez seja o princípio de uma nova era para edificação de um novo Estado.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
1
 · 8/6 às 8:13
Julieta Jemissene
Julieta Jemissene Só você para nós abrir a mente.minha visão hoje é outra em relação a tudo que acontece em Moçambique
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
1
 · 8/6 às 8:56
Ailton Stélio Uamusse
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 9:31
Francisco Adolfo
Francisco Adolfo Povo temos que mudar isto, deixemos de fanatismo e tentemos ser o mais lúcido possível, a hora da mudança está chegando.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 2 h
Nelson Telmo Bernardo Telmo
Nelson Telmo Bernardo Telmo Nini Satar, o carrasco dos puxa sacos do sistema.
Só não aprendem, mas apanham na boa medida.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 14:16
Nelo Dos Santos
Nelo Dos Santos A verdade so encontramos aqui no post do Nini ,bem aja qui Deus cuide de te é asua família,forca
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 18:34
Mauricio Naife
Mauricio Naife Esses Srs. deveriam se redimir dos crimes k cometeram em nome da," justiça ."
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 19:13
Waene JR Jr.
Waene JR Jr. Triste cenário... ainda que tarde, mas nunca falha a justiça de Deus...
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 14:37
Vasco Pedro Francisco
Vasco Pedro Francisco O SAUDOSO DR MUALIMO ESCREVEU UM TEXTO COM O TITULO MOÇAMBIQUE NO MAR ALTO.ELE VIU AS AMBICOES DOS MOÇAMBICANOS LA NA TANZANIA.PORKE DE LA COMEÇARAM MATANÇAS ENFIM.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 9:51
Francisco Albino Inrugula
Francisco Albino Inrugula Saudações, tens o livro no formato digital?
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 21:51
Samito Bachir
Samito Bachir Carga!!!
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
1
 · 8/6 às 18:54
Gyra Agy
Gyra Agy Triste cenário
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 
1
 · 8/6 às 9:04
Roberto Lamba
Roberto Lamba Epah, o nosso sistema judicial. O sistema que me identifico.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 8:48
Marshal Vasconcelos
Marshal Vasconcelos hey que matabicho gostoso
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 8:22
Kito Macuacua
Kito Macuacua Este realmente é um anjo da morte.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 12:06
Isaias Nyamunda
Isaias Nyamunda Um homem informado vale por dois
GostoMostrar mais reações
 · Responder · Ontem às 8:03
Gildo Marrumete
Gildo Marrumete Sito muito.
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 10:26
Afonso Raul
Afonso Raul GRAÇAS A NINI, JA ME CINTO ABERTO...HOMEM COM H, DETEI PRA OS CAMARADAS OS MEUS VOTOS,.....AGORA NWAMAMA....NWATHU MUNO.....VAMOS LA VER.....
GostoMostrar mais reações
 · Responder · 8/6 às 19:39 · Editado

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.