quinta-feira, 20 de julho de 2017

PR diz que não gostaria que religião se confundisse com política


Presidente da República questiona fronteira entre política e religião
O Chefe de Estado aproveitou a visita ao ministério que tutela os assuntos religiosos para lançar recados às igrejas que têm assumido posicionamentos sobre assuntos políticos. E não faz duas semanas que os bispos católicos se posicionaram sobre as chamadas dívidas ocultas: “Não podemos permitir que ao povo moçambicano seja imputada a responsabilidade de pagar com a miséria, sangue e morte as dívidas contraídas em nome dele, de forma ilegal e inconstitucional”.
Ontem, Filipe Nyusi não disse que estava a reagir a este tipo de intervenções, mas questionou a fronteira entre a religião e a política. E fê-lo usando uma linguagem polida: “Não gostaria que a religião do meu país se confundisse com a política. Mas se a nova forma de fazer a religião é essa, teremos dificuldades, como país, de chegar a uma conclusão”. 
Como que a propor uma saída, o Chefe de Estado fez questão de instruir o Ministério a prestar mais atenção no relacionamento que tem com o sector religioso. “Eles precisam de saber que há uma área de tutela, uma área que resolve as suas preocupações. Não todas, mas aquelas que são possíveis e legais”.
Outro assunto que tira sono ao Presidente da República é a falta de patriotismo. E, antes de ser mal interpretado, fez questão de esclarecer que ser patriota não significa ser partidário. “Como é que vocês trabalham para ter a certeza de que não estão a formar pessoas que pensam erradamente que ser apartidário significa não ser patriota”, questionou à directora o Centro de Formação Jurídica e Judiciária. Juíza de profissão, Elisa Samuel circunscreveu a sua resposta na Constituição da República: “Nós (juízes) temos a missão de respeitar e de fazer respeitar a Constituição. O modelo de formação de juízes é ditado pela Constituição. A própria Constituição estabelece que o magistrado judicial deve ser independente, imparcial, humano e altamente responsável”. 
Depois de ouvir a resposta, Nyusi desabafou que sente inveja de outros povos que se orgulham dos seus países. “São povos de todos os sistemas possíveis do mundo que se sentem orgulhosos por aquilo que são. Nós ainda não conseguimos ter esse sentimento. Falamos da unidade nacional, mas só pode falar da unidade nacional aquele que se acha patriota, aquela pessoa que luta para que possa existir um Moçambique sem corrupção, sem doença, um país com transparência, com escolaridade, água, energia e liberdade de expressão”, detalhou.
Sobre o ministério
O Ministério da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos conta com mais de 8 360 funcionários, dos quais mais de metade pertencem ao serviço penitenciário. Sobre as instituições tuteladas, o serviço de registos tem 170 conservatórias, 13 cartórios, uma repartição de registo criminal e 341 postos de registo civil. Os serviços de registo e notariado estão em quase todos os distritos, à excepção dos nove recentemente criados nas províncias de Gaza e Zambézia.
Já o IPAJ conta com mais de 137 delegações, das quais seis funcionam em regime ambulatório. O SERNAP conta com 34 estabelecimentos prisionais, com capacidade para 8 188 reclusos. Porém, a actual população prisional é de 19 108 reclusos. O ministro Isac Chande informou que, devido aos cortes orçamentais, as obras de construção da sede do IPAJ estão paralisadas. E reclamou que o edifício sede do ministério é tão pequeno que nele só funciona uma direcção nacional, sendo que as outras direcções estão espalhadas pela cidade.

“Ministério da Justiça devia ser o último a ser julgado por falta de transparência”

PR quer que ministério preste contas sobre fundos para melhorar credibilidade do país
Filipe Nyusi retomou as visitas aos ministérios e, ontem, foi ao Ministério da Justiça, um dos poucos onde efectuou mudança de ministro antes de fechar a metade do mandato. Foi em Março de 2016 que o Chefe de Estado trocou Abdurremane Lino de Almeida por Isac Chande. Um ano depois, Lino de Almeida foi condenado a dois anos de prisão, por pagamento de remunerações indevidas e abuso de funções, quando exercia o cargo no edifício 33 da Julius Nyerere. Nyusi não chegou a mencionar o caso, mas deixou uma indirecta, quando falou da transparência: “O vosso ministério devia ser o último a ser julgado por falta de transparência, porque vocês são os guardiões da transparência deste país”. 
Mas os discursos foram antecedidos de uma correria pelas instituições tuteladas pelo Ministério da Justiça, a começar pela 1ª Conservatória, da Cidade de Maputo. Aqui, a novidade foi a informatização dos registos e notariado e a introdução de um sistema electrónico de pagamento de serviços. Trata-se de uma iniciativa piloto que poderá flexibilizar o atendimento e melhorar a gestão de receitas.
A visita continuou no Instituto de Patrocínio e Assistência Jurídica (IPAJ) e na Imprensa Nacional, única instituição tutelada com sustentabilidade financeira. O Chefe de Estado passou por diversos departamentos de impressão e acabamento de boletins da República e outros documentos oficiais, antes de seguir para o Serviço Nacional Penitenciário (SERNAP). A sobrelotação das cadeias continua a ser o grande desafio do sistema prisional.
Já na Matola, Nyusi visitou o Centro de Formação Jurídico e Judiciário (CFJJ), local onde são formados os juízes e procuradores, depois de graduarem em Direito. Os cortes nos orçamentos foram a principal queixa das instituições. Em jeito de balanço, o Presidente da República disse que gostou do que viu, mas deixou algumas recomendações.
Cobranças ilícitas
“Insisto que a inspecção do ministério precisa de verificar a tabela de preços de serviços cobrados nas instituições tuteladas. Eu ando pelo país e oiço muita coisa. E não me parece que aquilo que falamos com muita propriedade seja o que se passa no terreno. Se calhar, há pessoas que inventam serviços urgentes, expressos e/ou qualquer outra coisa para fazer cobranças ilícitas ou a mais. Os serviços cujos preços estão definidos na tabela não deviam criar dúvidas aos cidadãos. As pessoas que têm bilhetes de identidade falsos significa que conseguiram tratar certidões de nascimento falsos neste ministério. Eu conheci uma pessoa e fiz questão que saísse de Moçambique: não nasceu em Moçambique, não tinha nacionalidade moçambicana, mas tinha certidão de nascimento de Mecúfi (Cabo Delgado). Como é que isso acontece? Esta questão de estrangeiros que se tornam moçambicanos com tanta facilidade é muito preocupante. Até vimos isso nos clubes de futebol.”
Gestão de receitas
“Queria aconselhar-vos a olhar com mais atenção para a gestão de receitas. Não tenho muitos elementos que me possam sugerir a revisão dos vossos métodos de gestão, mas penso que, pela quantidade das auditorias e inspecções, há muita receita perdida nos vossos sectores. Há muitas pequenas despesas que, com a vossa receita, poderiam ajudar a pagar. Se isso não acontece, significa má gestão. Aconselharia, também, a melhorar a gestão os fundos doados pelos doadores. Uma das formas simples e que pode merecer a vossa confiança é prestação de contas, com toda a transparência. Quando recebe o valor, tem de provar que fizeram esta e aquela actividade, mostrar as facturas e o dinheiro que restou. Mostrar o dono que vos deu o dinheiro. Mas quando é a instituição internacional que financiou um projecto ou programa a pedir-nos para justificar, significa que não temos a cultura de prestação de contas. Por isso é que, muitas vezes, não somos credíveis nesse aspecto.”
Sobrelotação de cadeias
“Nos serviços prisionais, senti que a qualquer momento vão concluir o sistema de informatização. E devem terminar, para facilitar o registo, o controlo, o acompanhamento, incluindo a gestão da população reclusória. Preocupa-me muito a questão da sobrelotação das cadeias, não só porque as pessoas vivem mal, mas porque muitas não deviam estar presas. Eu tenho conversado com alguns e sei que muitos reclusos são pessoas que já cumpriram as penas a que foram condenados e outras estão fora dos prazos. Uma das soluções passa pela construção de mais infra-estruturas prisionais, mas, para mim, é mais a questão de celeridade dos processos. Por isso que estava a perguntar sobre o relacionamento que o ministério tem com as instituições de administração da justiça, para ver se influenciamos, não as conclusões, mas o curso dos processos. Isso iria permitir que as decisões definitivas fossem tomadas em tempo útil, para que as pessoas cumpram penas dentro dos prazos ou sejam devolvidas ao convívio social.”
Funcionários turbos
“Tenho tido algum sentimento, porque cruzo com pessoas deste ministério que são turbos, para recorrer à linguagem usada para designar professores que dão aulas em várias instituições de ensino. Tenho sentimento de que aqui há funcionários turbos. São pessoas seniores que querem fazer tudo. Mas a prioridade deve ser aqui. Se você só trabalha aqui duas ou três horas e depois vai fazer outras coisas fora do ministério, por que é que não nos pedem para poderem ficar lá. Nós temos muitos jovens que estão a formar-se, estão à procura de pleno emprego, ocupação total para explorar todas as suas capacidades. Mas há quem trabalha aqui meia hora e sai para fazer outras coisas. E isso cria corrupção, porque se está a assistir um assunto fora, aqui dentro pode manipular a lei a seu favor.”

Ismail Mahomed Muito complicado, tentar definir a fronteira entre a política e a igreja, isto porque tanto a política quanto a igreja o seu principal objecto de trabalho são as populações, é preciso ter sempre em conta a igreja como dos elementos fundamentais na direcção do povo , veja que os padres os maulanas estão permanentemente em contacto directo com as populações (todos os domingos e todas as sextas feiras ), aí são passadas mensagens que são acatadas muito fielmente 
É preciso ter muito cuidado na abordagem deste assunto para não causar mais fissuras neste sociedade já há muito clama por uma unidade de pensamento e este trabalho pode ser muito bem desenvolvido pelas igrejas, logo a linha de fronteira entre estas duas instituições é muito ténue quase invisível. ...
 · Responder · 
5
 · 1 h
Manage
Fidélio Tembe
Fidélio Tembe É o mesmo quer separ o sal da água do mar!
Infalivelmente, uma das coisas terá que desaparecer!
 · Responder · 1 h
Manage
Juvencio Guilherme Chigona
Juvencio Guilherme Chigona É que a política assentasse no bem servir e bem servir é um dom de deus. Doz isso por que a política africana e Moçambicana, objdctiva acumular riqueza. Quando os políticos fogem ou fazem a politica sem os valores éticos morais e religiosos estes, valores tornam inimigos dos políticos. Nãovesta preocupado em bem servir, por isso quer distância entre a política e a religião. Esquecue que quando algo acontece na sociedade recorrem na religião.
 · Responder · 
3
 · 1 h
Manage
Dercio Muhatuque
Dercio Muhatuque A laicidade do estado nao inibe a *igreja* de cumprir com o seu papel social. A igreja educa a sociedade para a cidadania e o patriotismo e o Governo deve sentir a cumplicidade da igreja ao exigir justica. Se nao, as igrejas estariam a ensinar as pessoas a serem obedientes aos injustos, esse nao é o caminho a seguir.
Seria quebra da laicidade do estado se a igreja tivesse requesitado que ela fosse religiao do estado Moçambicano!
 · Responder · 
5
 · 1 h · Editado
Manage
Rudolfo Cossa
Rudolfo Cossa Isso so porque alguns padres questionam as dividas ocultas,mas quando e' tempo de campanha os partidos politicos participam em cultos relegiosos pedindo votos e hoje quer a demarcacao entre religiao e a politica. Isso ja e' falsidade senhor presidentei. Nao seja Fariseu nessa epoca de campeonato.
 · Responder · 
1
 · 1 h
Manage
Candido Alfredo Quive
Candido Alfredo Quive Contraste muito grave entre a imagem (foto) com o tema tratado!!!!! O nosso jornalismo!!!!!! Para os atentos, a imagem ilustra a visita do Presidente à Imprensa Nacional, e o assunto tratado desde o título até ao texto é sobre outra realidade, e nem sequer tem algo dentro do texto relacionado com as imagens, embora a Imprensa seja tutelado pelo Ministério da Justiça. Há um contraste muito notório a qualquer um. Muita pena do jornalismo em Moçambique!!!!!!!!!!
 · Responder · 
1
 · 1 h
Manage
Mailito Ismail
Mailito Ismail É função da igreja sim criticar o q está errado e contribuir no q è plausível,a igreja não trata só de assuntos da vida futura prq ela tbem foi afectada por essa maldita crise.
 · Responder · 
2
 · 1 h
Manage
Francisco Mucoia Bambo
Francisco Mucoia Bambo A relegiao esta para o bem do povo e a politica é feita para o bem do povo, os dois andam junto, não se pode viver num mundo sem esses dois. Quando um anda mal deve haver questionamento.
 · Responder · 1 h
Manage
Teixeira Teté
Teixeira Teté Esqueceu se nas igrejas universais por onde sempre andaram aquando da campanha eleitoral e mais. Acho que a carapuça lhe saiu pela..
 · Responder · 
1
 · 2 h
Manage
Lastino Zaichelho Marrengula
Lastino Zaichelho Marrengula esses igrejas são uma porcaria...ja querem se meter na política.
 · Responder · 
2
 · 2 h
Manage
Dercio Muhatuque
Dercio Muhatuque Elas ensinam Justica e estiveram por de traz da assinatira do acordo de paz. Essa porcaria serviu para abulir a escravatura na Englatera, atravez das missoes suicas muitos estudaram fora do país e contribuiram para a libertacao do país.
 · Responder · 1 h
Manage
Lastino Zaichelho Marrengula
Lastino Zaichelho Marrengula Qual justiça? Aquela que culpa os que lhes convém? Igreja deve ter papel neutro . Não estar a falar de que aquele tem razão ou não.
 · Responder · 1 h
Manage
Fidélio Tembe
Fidélio Tembe Essa Igreja com papel neutro ainda vão criar com ele. 
Quando a casa estiver a arder querem a igreja para mediar, já quando é roubalheira, ela deve ser neutra?
Sabe o que provoca guerra? Egoísmo, injustiça, ladroagem, etc..., desses políticos sem nenhum escrúpulos nem respeito pelo povo.
 · Responder · 1 h
Manage
Lastino Zaichelho Marrengula
Lastino Zaichelho Marrengula A igreja no tempo de de guerra tinha um papel muito bom que era conciliar as duas partes...agora estão a dizer governo bla bla bla.
 · Responder · 
1
 · 1 h
Manage
Varanda Varandinha
Varanda Varandinha lastino. voce precisa ir a igreja. ou lea biblia para melhor te situares nas suas intervencoes....a fe nao tem tempo. porque deve ser a todo tempo. a abordagem do chefe do estado e clara e fez para ter esclarecimento....a igreja trata de principios eticos morais conjugado com valores sociais dos povos a politica traca metas e regimentos para armonizar os tais principios convista alcancar o bem estar social.a igreja nao faz politica e a politica nao faz fe porem ha uma simbiose dos dois para que todo trabalho seja possivel e alcance se o bem estar social....numa sociedade onde a politica e relegiao nao obedecem se, nao ha paz.........por outra. o politico e homem o religioso e homem. sendo o homem um lobo de si mesmo precisa de principios (relegiao) e regras (politica) para viver em harmonia com os outros....por tanto ha principios de dualidade....para ser mais claro. o espirito de compaxao pelos outros(valor etico moral) e valor da relegiao, e o espirito de cooperacao (doing business para sobrevivencia) e valor politico.
 · Responder · 29 min
Manage
Lastino Zaichelho Marrengula
Lastino Zaichelho Marrengula Varanda eu sou ateu...ou seja não acredito nessas porcarias e muito menos leio aquele livro de ficção que chamas de biblia.
 · Responder · 26 min
Manage
Elias Penhane Nhocue
Elias Penhane Nhocue Quando as igrejas marchava contra os ataques e pela paz podiam se menter + agora k é sobre as dividas oucultas ja nao sao bem vindas esse governo pah.
 · Responder · 29 min
Manage
Ramalho da Conceição
Ramalho da Conceição Mas que pergunta mais absurda!!!.
Um presidente da República não conhecer a tal fronteira???
Excia: a sua resposta encontra-se numa das páginas do relatório da Kroll. Acho que é naquela página que fala dos 500 milhões de USD desaparecidos
 · Responder · 
3
 · 2 h
Manage
ABílio J. Conge
ABílio J. Conge Em suma a fronteira sao 500 milhoes de dolares...
 · Responder · 
1
 · 1 h
Manage
Armando Arlindo Chilaule
Armando Arlindo Chilaule Quando intermediou,a assinatura dos acordos de roma,para k hoje estivessemos em paz...ninguem falou nada...agora quando defende o povo,sao muitas as vozes
 · Responder · 
1
 · 1 h
Manage
ABílio J. Conge
ABílio J. Conge nao querem ser questionados, a igreja nao few nenhum mal...
 · Responder · 1 h
Manage
Santos Ze
Santos Ze Muitos religiosos se uniram e foram la nas matas da gorrongoza em busca da paz. Aquela atitude ñ é política nem ??
 · Responder · 
2
 · 2 h
Manage
Armando Tomas Fernando Fernando
Armando Tomas Fernando Fernando NO TEMPO DE CAMPANHA ANDAVA NAS IGREJA IA FAZER OK SE IGREJA NAO SE DEVE MENTER NA POLITICA
 · Responder · 
5
 · 2 h
Manage
Matavele Elias Afonso
Matavele Elias Afonso A igreja e a politica sempre andaram juntos em Mocambique. Nao havera devorcio agora
 · Responder · 1 h
Manage
Teles Mireche
Teles Mireche Boss Esqueceu as suas visitas na universal onde ia ser engraxado politicamente???? Kkkk, falaste e não disseste nada....
 · Responder · 
2
 · 1 h · Editado
Manage
Lina Silva
Lina Silva Ministério da Justiça Assuntos Constitucionais e Religiosos,não me diz nada?!?
 · Responder · 
1
 · 55 min
Manage
Carlitos Antonio
Carlitos Antonio Lastino nakele tempo era bebe e nem viveu a guerra por ixo xta dispensado nexe debate
 · Responder · 
1
 · 2 h
Manage
Victor Paulo
Victor Paulo O presidente disse isto na defesa dos seus interesses políticos, inocente ele. Isto encaixa bem nos religiosos escovinhas.
O propósito original da igreja, dado por Deus, não se encontra em ativismo político. Em nenhum lugar na Bíblia temos o comando de
 gastar nossa energia, nosso tempo ou nosso dinheiro em assuntos governamentais. A nossa missão não reside na mudança da nação através de uma reforma política, mas na mudança de coração através da Palavra de Deus. Quando os crentes acham que o crescimento e a influência de Cristo podem de alguma forma se aliar com a política do governo, eles corrompem a missão da igreja.
 · Responder · 
1
 · 32 min
Manage
Manuel Mamudo
Manuel Mamudo Patriotismo é o sentimento de orgulho de pertencer a uma nação. Mas como sentir-se orgulhoso de uma nação cujos líderes espoliam o seu próprio povo? Patriotismo começa nos líderes e é reflectido no povo. Se os líderes demonstrarem verdadeiro compromisso com a causa do povo. O povo amará os seus líderes e terá orgulho da sua pátria.
 · Responder · 25 min
Manage
Augusto Manhique
Augusto Manhique Que me chamem para assessorar o presidente, esse discurso podia ser melhor
 · Responder · 
1
 · 1 h
Manage
Estevao Mula
Estevao Mula Política se com a religião PK tudo tem o mesmo principio. K e angariar dizimo para o pastor
 · Responder · 1 h
Manage
Sebastiao Matias Matias
Sebastiao Matias Matias A paz q estamos a desfrutar teve a mau da igreja. E só por falar da divida oculta já ta interferir no governo?
 · Responder · 27 min
Manage
Julio Uamusse
Julio Uamusse Quando foi para assinar acordos em Roma souberam k a igreja existe agora já não kkkkkkk
 · Responder · 1 h
Manage
Carlitos Antonio
Carlitos Antonio Se nao ker pork entao pede entao a mediaxao?
 · Responder · 
2
 · 2 h
Manage
ABílio J. Conge
ABílio J. Conge Gostei da idea...
 · Responder · 1 h
Manage
ABílio J. Conge
ABílio J. Conge E eu gostaria de saber a fronteira entre a politica e justiça????
 · Responder · 
7
 · 2 h
Manage
Cota Zé
Cota Zé Seria melhor se falasse isso para Dom Denis Singulane
 · Responder · 
2
 · 2 h
Manage
Carmelo Pontes
Carmelo Pontes A César o que é de César a Deus o que é de Deus
 · Responder · 1 h
Manage
Dercio Muhatuque
Dercio Muhatuque É verdade! O cristianismo nao toma parte em assuntos politicos, mas "ensina a dar o que é do Cesar ao Cesar". Por isso, seria injusto da parte da igreja assistir as injusticas e ficar calada, como se diante das cheias e secas preferisse dizer que é responsabilidade do Governo.
Lei a sobre a vida de Dietrich Bonhoffer e a politica!
 · Responder · 1 h
Manage
Ernesto Nhaule
Ernesto Nhaule Foi muito infeliz, preferivel ter se calado ntsem!
 · Responder · 
1
 · 1 h
Manage
Cubaliwa Babalaze
Cubaliwa Babalaze Qual e a fronteira entre partido no poder vs governo?
 · Responder · 
1
 · 2 h
Manage
Nelson Neto
Nelson Neto Para mim ele foi 100% infeliz ao dzr isso...
 · Responder · 
1
 · 2 h
Manage
Tivane Pedro Tivane
Tivane Pedro Tivane Questionar dívidas.
 · Responder · 2 h
Manage
Marinela Dulce
Marinela Dulce Se ele é o primeiro
 · Responder · 2 h
Manage
Djamba Boss
Djamba Boss o presidente nao quer que a religiao questione certas actitidos dos politicos 🤣🤣🤣🤣🤣🤣
 · Responder · 2 h
Manage
Carlitos Antonio
Carlitos Antonio Dom singulane qdo foi ver quem? Sera k tambem é amigo d afonso
 · Responder · 2 h
Manage
Custodio Cavazela
Custodio Cavazela Kkkkkkkk.não sei oq dizer.
 · Responder · 30 min

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.