sexta-feira, 5 de maio de 2017

OBRIGADO, JAIME. MAS… CHAME O TOMÁS!

OBRIGADO, JAIME. MAS… CHAME O TOMÁS!
Não são todos os dias que tenho o privilégio de receber em minha conta os operativos do infame G 40. Dado que há dias, quando fiz um dos meus últimos postes, eis pois que o meu amigo Jaime Langa, elemento sénior do G 40, entrou em cena para fazer o seguinte comentário: “Amigo Nenane, esta coisa de G40 é muito interessante. O Savana publicou uma lista onde consta o nome dele e por acaso o meu também. Acho que seria indecente e imoral da parte dele dizer que não é dessa lista. Um facto. Agora ser prostituta não é imoral senão a sociedade global seria imoral. A Holanda seria o país mais imoral situado no berço da civilização. Aqui não há espaço para fundamentar”. Bom, permita-me, caro Jaime Langa, o ensejo de lhe agradecer por ter decidido entrar em cena. De resto, explicar o seguinte: em debate na STV Notícias, António Boene declarou o seguinte: “Eu sou do G 40 e tenho orgulho de ser do G 40”. Muito bem. Em reacção, Silvério Ronguane rebateu: “Claro, isso acontece com algumas prostitutas da Baixa que se orgulham da sua profissão mesmo sabendo que a mesma é imoral”. Se queres saber qual a minha opinião sobre a prostituição, isso podemos fazê-lo num café ou numa das minhas barracas preferidas no Xipamanine. Se a prostituição é imoral ou não, também não cabe a mim tecer qualquer comentário. De resto, concordo plenamente consigo quando diz que da parte de António Boene, seria indecente e imoral dizer que não é da lista. O que considero estar aqui em causa já não é ser ou deixar de ser da lista, portanto, a confissão não serve como prova em tribunal, as nossas investigações são suficientes para o efeito, analisando os indícios, as evidências e as provas chegamos lá. Aliás, há muito que chegamos lá. Já ultrapassamos essa fase, quase que em sede de instrução preparatória. O que nos preocupa é a moralidade da lista, já que por causa da prostituição aqui chamada à colação acabamos resvalando para o campo da moral. Mais do que o campo moral, o que nós discutimos sobre o G 40 são questões de ética e até mesmo de legalidade. Quanto a mim – sem precisar equiparar o G 40 a prostitutas, que as respeito pelo trabalho de se exporem nuas em dias de frio para a venda do corpo muitas vezes por causa da escola das crianças, portanto, por causa da pobreza –, o G 40 representa o que há de mais degradante no tecido moral e ético da nossa sociedade, dado que vende a alma e o espírito em troca de garrafeiras e senhas de combustível ou títulos de altos órgãos do Estado, acabando por isso por tirar a esses órgãos a dignidade e a respeitabilidade que mereciam. Há-de ter sido por causa do seu desempenho como G 40 que Jaime Langa ascendeu ao cargo de director do jornal Notícias, após a exoneração do então director Rogério Sitói. O problema não é que Sitói não pudesse ser substituído do cargo, mas sim as circunstâncias da sua substituição e de quem o substituiu, portanto um G 40, Deus me livre e guarde! Bate na madeira! Acontecendo isso numa altura em que, segundo o relatório há dias lançado pelo MISA Moçambique, propagandístas e comissários políticos, vulgarmente conhecidos por G 40, iam tomando de assalto os telejornais, os espaços de debate e de comentário político e até mesmo cargos de direcção dos órgãos de informação em detrimento de jornalistas mais experientes, a fim de manipularem a opinião pública com discursos a favor do governo, do partido no poder, contra a oposição e contra os discursos críticos ou alternativos ao poder politico, o que constitui interferência política grosseira na gestão editorial destes órgãos, atentando contra a independência editorial, a liberdade de imprensa, a liberdade de expressão, o pluralismo de expressão, o pluralismo político, o pluralismo ideológico, assim como a Constituição da República e o Estado de Direito e Democrático. Acho a prostituição uma profissão mais nobre que essa vossa, que acaba por atentar contra a segurança do Estado, promovendo o divisionismo e a intolerância política. Aproveitando a oportunidade de seres o primeiro elemento do G 40 a vir cá pôr os pés – depois de muitos colóquios aqui travados – gostaria de tomar partido da sua boa vontade para pedir V. Excia se digne a convidar o seu colega de lista Tomás Viera Mário, que é meu amigo de longa data, a responder ao expediente que lhe foi enviado pela procuradoria-geral da República, dado que, ao não fazer, poderá incorrer ao crime de desacato a autoridade. Aproveite para aconselhá-lo no sentido de que, uma vez ser ele um dos visados, em virtude de também ser membro da lista, pode responder a procuradoria invocado limitações na tramitação do expediente devido ao manifesto conflito de interesses de ser o juiz em causa própria. Na expectativa de que possamos nos cruzar num desses cafés, despeço-me com a mais elevada estima e consideração. Obrigado, Jaime. Obrigado mesmo. Mas chame o Tomás!
Luciano Mapanga “o G 40 representa o que há de mais degradante no tecido moral e ético da nossa sociedade, dado que vende a alma e o espírito em troca de garrafeiras e senhas de combustível ou títulos de altos órgãos do Estado, acabando por isso por tirar a esses órgãos a dignidade e a respeitabilidade que mereciam.” Aqui esta o sumo do post. Ponto final.
GostoMostrar mais reações
· Responder ·
3
· 1 h
Ernesto Martin Chauque
GostoMostrar mais reações
· Responder · 57 min
Cristo Pedro Mawai Jr.
Cristo Pedro Mawai Jr. O G40 ta mal mesmo.
GostoMostrar mais reações
· Responder · 53 min
Celso Macarala
Celso Macarala Tico phuti
GostoMostrar mais reações
· Responder · 18 min
Mário João Francisco Francisco
Mário João Francisco Francisco kkkklll

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.