terça-feira, 9 de maio de 2017

Comandante do soldado assassino de Rufino exonerado

Comandante do soldado assassino de Rufino exonerado

Posted on Maio 09, 2017, 7:57 am
Add to favorites 4 mins
O movimento está a ser gerido, segundo fontes do “Perola das Acácias, no maior segredo possível para evitar com que o público perceba que a Presidência da República teve culpas no assassinato, a sangue frio, do menino Rufino.
Silvano Ndôngua, Coronel, Comandante do Posto de Comando Unificado Permanente (PCUP), afecto à Região Militar de Luanda, das Forças Armadas Angolanas (FAA), uma Unidade de forças mistas, criada pelo Presidente da República José Eduardo dos Santos, enquanto Comandante-em-chefe, foi, recentemente, exonerado do cargo, na sequência, segundo apurou-se de fonte militar, das demolições levadas a cabo por efectivos a si confiado e que culminaram com o assassinato, a tiro, de um adolescente de 14 anos que em vida atendia pelo nome de Rufino.
A morte de Rufino causou, rapidamente e em todo o País, reações duras contra o regime de José Eduardo dos Santos que, afirmava-se, não respeitar até cidadãos indefesos. Rufino fora atingido mortalmente por um disparo de arma de fogo, feito por um efectivo da Guarnição de Luanda, destacado no PCUP aquando das demolições de mais de mil habitações.
Desde aquele momento as coisas no Comando de General Wala passaram a complicar-se, tendo sido, segundo fontes, instaurado um processo crime contra o soldado assassino e comparsas. Passado algum tempo e segundo apuramos o Comandante da Unidade, Ndôngua, é exonerado do cardo tendo sigo, acrescenta a fonte, transferido para a Província do Namibe cuja nova função não foi avançada.
Sabe, por outro lado que a Procuradoria-Geral da República, através da Direcção Nacional de Investigação Penal (DNIAP) tem em curso um processo em que são ouvidos o coronel Ndôngua e o Engenheiro da Zona Económica Especial de Viana, conhecido apenas por Silva, acusados de autores mandantes do infausto acontecimento.
O movimento está a ser gerido, segundo fontes do “Perola das Acácias, no maior segredo possível para evitar com que o público perceba que a Presidência da República teve culpas no assassinato, a sangue frio, do menino Rufino.
Apesar disso, os familiares têm estado a mostrar estranheza porquanto o soldado assassino encontra-se, alegadamente, solto, mesmo comprado o seu grau de culpabilidade na acção. Em entrevista recente a uma rádio de Luanda o advogado da causa disse que o processo estava encalhado na PGR militar que pouco tem estado a fazer para responsabilizar o culpado pela morte do menino.
De lembrar que as demolições ocorridas na zona do Zango três continuam a fazer muitas vítimas já que alguns dos camponeses afetados estão a morrer por complicações cardíacas resultantes do trauma deixado.
O processo que já fez mover membros do MPLA a nível de Luanda, como são os casos de Bento Kangamba e Higino Carneiro, continua longe de ser resolvido, no sentido da indeminização, pois, envolve figuras nomeadas pelo chefe de executivo.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.