quinta-feira, 18 de maio de 2017

A oposição se organiza enquanto a Frelimo se estagna no beijo da traição

A oposição se organiza enquanto a Frelimo se estagna no beijo da traição

Custa dizê-lo mas é obra dos olhos. De há algum tempo para cá não vejo as actividades nem sinto aquela vitalidade da Frelimo nas bases. Ou porque não são publicitadas ou porque não existem. Fora do excelente trabalho do Presidente Nyusi, a CP, os deputados, a OJM, a OMM, Associação dos Combatentes e freelancers do facebook não marcam presença de forma coordenada, salvo um e outro, e isoladamente. Do lado oposto, são visíveis as actividades da Renamo, do MDM e até as provocações do Sibindy. Este filme não me é novo. Durante os dias negros de 2000, quando esta Frelimo estava ao rubro da coragem, um camarada exclamou, referindo-se aos apoiantes de Manuel Pereira que tinha sido detido em protestos contra as eleições do ano anterior, na Beira: “quem são eles e que espécie de pessoas pensam eles que somos?”.

Os adversários da Frelimo acabavam por descobrir que estavam quase a tomar o poder e Chissano pagou caro por ter permitido que tal acontecesse. De facto, antes das eleições, as actividades da Frelimo nas bases eram quase nulas, salvo lutas internas para constar da Lista dos deputados. Camaradas! Não nos atrevamos a cometer o mesmo erro outra vez. Por isso, enquanto ainda temos tempo, perguntemos a nos próprios: “que espécie de pessoas pensamos que somos?”. Mas precisamente: “em que estamos a confiar para garantir a próxima vitória? E respondamos: “somos a Frelimo, merecedora da vitória e determinada não só a vencer mas a trabalhar para tal”. Joaquim Chissano conduziu a Frelimo a uma vitória apertada mas deixou de ser Presidente quando os frutos da vitória iam começar a ser saboreados. No entanto, abandonou o cargo com dignidade e, como se viria a verificar, a história recorda a sua grandeza em termos aos quais nunca nenhum mal-intencionado conseguirá apagar.
Em vésperas das eleições de 1999, a Frelimo acarinhava a Renamo, na esperança de coagir os seus membros a admira-la e, com isso, votar nela. O resultado foi o que não queremos recordar. Os estudos sobre os comportamentos eleitorais mostram que as campanhas de sensibilização servem mais para fortalecer as convicções anteriores do que para fazer mudar de opinião do potencial eleitor. Veem ai eleições. Não conheço outra forma de julgar o futuro a não ser pelo passado. E a julgar pelo passado, gostaria de saber, o que houve na conduta da Frelimo nos últimos meses que justifique a anestesia com a qual os camaradas do topo se têm confortado e confortado todos os militantes? Será o tal perdão da Renamo com o qual Dhlakama pretende nos impor a autoria das suas agressões? Não confiemos nele, revelar-se-á uma armadilha aos nossos pés.
Dizem alguns que devemos fazer mensagens elogiosos a nova postura Dhlakamica, publicitando-a quanto podemos, em nome da sacrossanta trégua. Não nos deixemos atraiçoar com um beijo! Interroguemo-nos, antes, como é que a nossa aparente inacção se encaixa nos preparativos e nas movimentações da oposição. Perguntemo-nos o que significa esta exibição propagandística da oposição, se o seu propósito não é forçar-nos à submissão? Poderão os camaradas atribuir-lhe outros motivos? Tem a oposição algum adversário noutro canto do mundo, que justifique toda esta sua movimentação? Não, camaradas, não tem nenhum. Destina-se a nós, não pode ser para mais ninguém. Foi financiada para prender e manter sobre nós essas grilhetas económicas que as instituições estranhas vem forjando há tanto tempo.
E que temos nós para lhes opor? O povo! É nele em que deve residir a nossa esperança. Quando iniciaremos a movimentar as bases? Na próxima semana, no próximo mês ou no próximo ano? Quando estivermos completamente desarmados e um guarda da oposição com um carimbo FMI estiver estacionado em cada casa? Venceremos esta oposição supinamente deitados de costas e abraçando o ilusório fantasma de que o Presidente está a trabalhar até que os nossos adversários nos acorrentem de pés e mãos? Trabalhemos camaradas. Deixemos o presidente fazer o seu trabalho e façamos nós o nosso. Estejamos conscientes que as nossas vitórias resultarão do trabalho conjunto. Preparemo-nos para travar as nossas batalhas sozinhos embora exista um Deus justo que preside o destino das nações e que, por um milagre, providenciará amigos para travarem as nossas batalhas por nós.
Há 40 anos somos/fomos vítimas da Renamo, um agressor que nos perdoa. Perdoar é missão das vítimas. Acreditará alguém na sinceridade do perdão do agressor? É claro que não! Só se ele estiver a espera que o amnistiemos é que simulará este tipo de inversão de papéis. Com esta oposição, não temos escolha. Ela pretende nos destruir, destruir o nosso legado e prender os nossos líderes, seus familiares, seus amigos e nós todos. Se fôssemos suficientemente indignos para desejar a vitória deles, agora é tarde demais para nos retirarmos do conflito democrático. Apenas poderemos retirar submissos e escravizados! As nossas grilhetas estão forjadas tanto dentro como fora. Levantemo-nos para o trabalho. Os nossos adversários já se encontram no campo de batalha movimentando as massas, prometendo-lhes o paraíso. Por que motivo permanecemos nós aqui inactivos? Será a trégua tão valiosa e tão doce que possa ser comprada com grilhetas e escravatura, caso eles venham a ganhar? Livremo-nos desse pesadelo, camaradas. A vitória constrói-se, a vitória organiza-se.
E já que perguntar não ofende, em que estamos a confiar para vencer os próximos pleitos eleitorais?

Linette Olofsson, Tome Morais, Lenon Arnaldo ve 25 diğer kişi bunu beğendi.
Yorumlar
Narcyo Mula
Narcyo Mula Está pesado isto. Pedro Isaias Macuvele. Mas eu julgo que a Frelimo já começou a preparar as proximos. A série de noticias boas desta semana favorece a quem está no poder. Não a oposição
2 · 1 saat
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Nao me recuso, porem mais de 60% dos eleitores vive fora das cidades, pelo que as boas noticias so indirectamente poderao afectar as suas vidas. Para que essa gente tome conhecimento das "boas noticias que favorecem quem esta no poder" ha que haver alguém a trabalhar nas bases. Abandonar a base pode revelar-se uma ma estrategia, Narcyo Mula.
1 · 1 saat
Kaldır
Narcyo Mula
Narcyo Mula E achas que a Renamo e MDM estão a trabalhar nas bases? No meu entender são fraquinhos. Agora, o que é verdade é que a Renamo tem eleitores fieis em algumas regiões do pais
1 · 1 saat
Kaldır
Egidio Vaz
Egidio Vaz O seu pensamento está bem coordenado com um outro articulista. Felizmente e curiosamente os dois são parte da FRELIMO e em vez de fazerem o trabalho, engajam-se na crítica pela falta de trabalho de base. Muito estranho, justamente agora que há mais de três meses ou seis, a FRELIMO está em processos de revitalização dos seus órgãos. É mesmo estranho. As conferências a todos níveis e eleições de novas lideranças não são movimentações? Ou é de outro trabalho que se refere? O trabalho da FRELIMO compara-se ao da RENAMO ou MDM? Está a ser razoável ou quer fazer seu ponto?
Kaldır
Sidonio Pedro
Sidonio Pedro De acordo Vaz, há muito trabalho nas bases. Que não se avalie o trabalho das bases, através das movimentações da comissão politica.
Kaldır
Linette Olofsson
Linette Olofsson Não subestime​ os outros partidos! O povo está cansado com a Frelimo, Frelimo já não tem discurso político, está comprometido até pescoço! Interessante a reflexão do Eusébio.
Kaldır
Isalcio Mahanjane
Isalcio Mahanjane Eusébio A. P. Gwembe, que não te cataloguem por pela brilhante colocação...
2 · 1 saat
Kaldır
Isalcio Mahanjane
Isalcio Mahanjane E não tardou...
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Isalcio Mahanjane pode crer que vao chover mais. Mas no fundo no fundo, quem o fizer so pode estar a ter bons desejos a Frelimo, de outra maneira, claro. :)
1 · 1 saat
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Egidio Vaz e Narcyo Mula, se o que dizem é verdade entao falta a publicidade. Simples. Pode ser que mudou a nossa estrategia de trabalho e que as pessoas com as quais me informo das actividades do glorioso mentem. Por vezes é triste voce ligar para alguem e ouvir-lhe a dizer que "fomos esquecidos".
Kaldır
Egidio Vaz
Egidio Vaz Há, OK. É esse a principal mensagem. Existe um sentimento de "esquecimento" por parte de um grupo que antes sei lá o quê, estavam ocupados fazendo esse trabalho, não sei qual. Ora, se é esse o problema então deve ser resolvido. Não podemos é dizer nada acontece. Olha, a FRELIMO tem uma máquina equiparável ao próprio Estado. Essa gente é paga salários mensalmente. Seria uma ofensa enorme dizer a eles que não estão a fazer seu trabalho.
Kaldır
Egidio Vaz
Egidio Vaz Se é preciso fazer mudanças então que sejam feitas. E é salutar. Mas julgo impossível que a FRELIMO fique sem fazer nada. Seria uma eutanásia.
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Egidio Vaz nao estou a falar do povo esquecido, mas de grupos equiparaveis aos antigos GD. Esquecer pessoas que conhecem as bases (que recebem um valor por isso) deixando-a sem orientaçoes é um erro crasso. Ha exemplos que nao me é etico expor aqui. O passado ja mostrou que a politica promovida de cima para baixo deixou-nos em maus lençois.
Kaldır
Egidio Vaz
Egidio Vaz Sim sim sim. Entendo o que está a dizer. Alguma coisa mudou de facto: insultos dos membros da FRELIMO contra os da oposição. Isso faz com que se mudem de porta-vozes e encontrar formas de fazer política focado noutros temas. Hostilizacao. A FRELIMO está na vanguarda, abraçando a paz e reconciliação com actos. Longe de isso ser fraqueza é pelo contrário força. O factor principal será ver como alguns combatentes da FRELIMO se ressignificam. Se ajustam ao contexto e aquilatam seu discurso, habituado a insultar, humilhar e marginalizar.
1 · 1 saat
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Egidio Vaz espero que de certo. Eu so aguardo pelo fruto. E quero bom fruto, diga-se :)
Kaldır
Egidio Vaz
Egidio Vaz Estou a evitar dizer algo seco. Esse blabla todo é mesmo para lhe alertar o seguinte: um setor está a criar um problema falso, projectar esse problema como perigo sério para depois apelar o voto de não confiança no NYUSI. É isso que estão a tentar fazer aqui nas redes sociais e em surdina. Watch Out.
2 · 1 saat
Kaldır
Armistício Mulande
Armistício Mulande Não sei se é isso Egidio Vaz. Acho que há muito de falacioso em toda essa história que se conta sobre os grupos. O partido Frelimo sempre teve na sua liderança o factor aglutinador de ideias, desejos e até mágoas. O que está a acontecer agora é vermos gente que tem como missão defender a liderança da Frelimo de ataques sei lá de onde. Isso é normal sempre em finais de ciclos, e não no início. Mas a liderança também é nova. Pode ser por isso.
Sobre os insultos, nunca foi cultura das pessoas das bases do partido fazer isso. Muita dessas pessoas fazem política a sério e os dos outros partidos são seus vizinhos, e em alguns casos seus familiares. Essa coisa de insultos a gente só ouve na Assembleia e nas lideranças.
A política é uma luta ferrenha pelo poder e, há tempos não muitos distantes, muitas pessoas, incluindo o Egidio, até aceitaram o uso da violência armada como uma forma de luta política. A história tem muita coisa para contar sobre isto. Watch out!
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Falando e politica de hostilização, eu não sei quem hostiliza quem e até que ponto isso deve ser levando em conta quando o assunto é trabalho nas bases. Como diz Armistício Mulande nas bases as pessoas são vizinhas, convıvem e comem juntas. O que causa a hostilização mediática é, por vezes, o não respeito pelas regras do jogo. Com efeito, para a sobrevivência do regime democrático, o respeito e a aceitação das regras são aspectos fundamentais. Quando uma das partes não aceita os resultados ditados pelo voto surgem clivagens. E como a democracia é fruto de um cálculo de custos e benefícios feito por actores políticos em conflito, todo e qualquer grupo político prefere reprimir a tolerar seus adversários. Parece-me que isto é bom quando sai da Renamo para a Frelimo. Recentemente Dhlakama acusou a Frelimo de comer crimes. Felo de forma inteligente, apelando o perdao dos membros da Renamo. Ninguém fala em hostilizaçao. Posso estar enganado.
1 · 28 dk.
Kaldır
Sebastiao Bernardo Mufana Mufana
Sebastiao Bernardo Mufana Mufana
Kaldır
Mucussete Ussene Ussene
Mucussete Ussene Ussene Nao te preocupes Gwembe, a sua gang está a preparar a habitual fraude. So q desta vez, nao vai colar!
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Esquece de Fraudes, Mucussete. Vamos trabalhar, é o que importa
Kaldır
Oreste Muatuca Muatuca
Oreste Muatuca Muatuca Camaradas, vamos à base ludibriarmos, como sempre, aqueles eleitores. A vitória prepara-se. Não podemos parar, para elogiar ninguém.
Kaldır
Mucussete Ussene Ussene
Mucussete Ussene Ussene Kkkkkkkkkk todos na panela da derrota. MDM vai vos devorrar!
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Mucussete o MDM nao tem dentes para morder.
1 · 1 saat
Kaldır
Mucussete Ussene Ussene
Mucussete Ussene Ussene Pois nao mata, mas realiza
1 · 1 saat
Kaldır
Fidalgo Da Ecineta
Fidalgo Da Ecineta Kkkkkk
1 · 1 saat
Kaldır
Sidonio Pedro
Sidonio Pedro MDM? Kkkkk, há com cada piada.
Kaldır
Patricio Bernabé Nguema
Patricio Bernabé Nguema Bravo,observacao e alerta oportuna!vamos ao trabalho cdas.
Kaldır
Jemusse Abel
Jemusse Abel Eusébio A. P. Gwembe e Egidio Vaz recordam-se deste provérbio. "Nguluwe idalira nsampha utaning'a"!
Kaldır
Egidio Vaz
Egidio Vaz Yap. Bem mesmo
Kaldır
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe So posso concordar se o Nguluwe for Afonso, Jemusse Abel. Mas, se for o contrario, huuuum :)
Kaldır
Linette Olofsson
Linette Olofsson Vencer os pleitos eleitorais? Como habitualmente, com fraudes!
RENAMIZAÇÃO DA FRELIMO?
Tenho acompanhado que com júbilo e garbo, camaradas meus (entenda-se, da FRELIMO) têm publicitado os habituais telecomícios de Afonso Dhlakama, líder incontestável e inabalável da RENAMO, a respeito das “installment tréguas” com que tem brindado os moçambicanos. O que salta a vista nesses comícios é o facto de Dhlakama dar a entender que os seus correligionários devem saber perdoar a FRELIMO e não agir com ódio! Oh Senhor, assim mesmo está bom?
Quer dizer, a FRELIMO é que deve ser beneficiária de uma clemência por parte da RENAMO, mesmo se sabendo que quem mata, viola e saqueia é ela e não a FRELIMO! Ora nem mais, há aqui uma tentativa de renamizar a FRELIMO que, como membro não posso conceber. Aliás, sempre achei estranho que Afonso Dhlakama fosse quem viesse anunciar os entendimentos com o Presidente Nyusi. Há quem vê nisso um exercício de “empowerment” de Dhlakama, alguém que quando lhe dá na real gana foge para o mato, manda matar, saquear e destruir e no fim diz que deu presente aos moçambicanos porque vê o sofrimento do povo e está sensibilizado pelos constrangimentos dos empresários. Parece-me haver inversão de papéis.
Por outro lado, a renamização da FRELIMO é caracterizada pela ausência da FRELIMO nas bases. Já há bom tempo não vejo os Chefes das Brigadas Centrais de assistência as províncias (também membros da Comissão Política) nas respectivas províncias assistidas, tanto é que boa parte deles são deputados eleitos por esses círculos eleitorais, portanto, com responsabilidades com o seu eleitorado. Assim, como acontecia com a RENAMO, apenas o Presidente do Partido se faz ao terreno, numa espécie de “one man show” a moda Dhlakama. Em contrapartida, a Renamo vai descendo as bases e fazer aquilo que a FRELIMO sabe fazer melhor que ninguém: desdobrar-se as bases. Muito estranho para mim!
Finalmente, num exercício a todos os níveis estranho, flagranteamos quadros da FRELIMO e da RENAMO em troca de propaganda romântica, quais galhardetes de amor e paixão, com declarações de fazer inveja. Em suma, são adversários em campo que parece jogarem para empatarem o jogo. Vale recordar que quando o adversário nos elogia é porque não estamos no bom caminho e da última vez que entre a RENAMO e a FRELIMO houve este “exchanging vows” a FRELIMO esteve a um passo de morar na oposição. Preciso lembrar os resultados de 1999? O adversário não pode ser objecto de carícias, mas alvo a abater numa guerra, naturalmente, com o devido respeito.
Em todo o caso, o que me anima é saber que a FRELIMO, sabiamente inspirada pelo espírito da gesta libertária e pelos briosos combatentes da luta de libertação nacional, as nossas reservas morais, tudo fará para evitar esta renamização a que tem sido imposta!
Mostrar mais reações
Comentários
Jaime Guambe Amigo ROXIN queremos paz! Assuntos de fórum partidário convém serem tratados lá. Bom dia
2
8 h
Alexandre Chivale Entao nos deixe. Ninguem te chamou!
4
8 h
Jaime Guambe E alguém precisa de ser chamado para assuntos que podem pôr em causa a paz? Só um irresponsável se colocaria nessa posição.
8 h
Alexandre Chivale Jaime Guambe, sim. Se não és membro e o assunto não te interessa, baza. Não te chamei porque sei que não és membro. Se não gosta do que escrevo tens duas opções: ignore or unfriend! Custa? Mencionei teu nome aqui? Falei de Guambização da Frelimo? Baza meu brada. Não perca tempo comigo ya!
8
7 hEditado
Augusto BáfuaBáfua Yuuu, o mambo ta agressivo.
4
7 h
1
7 h
Marcos Cipriano Maulate Paz sim, mas não a qualquer custo, parabéns Dr Alexandre Chivale.
3
5 hEditado
Liliana Sulila Baza mesmo Jaime Guambe. Nos membros da INCOMPARAVEL, INABALAVEL, COMPETENTE, INVEJAVEL A NIVEL MUNDIAL E GLORIOSA FRELIMO, estamos satisfeitos com o texto do nosso Cda Alexandre Chivale.
4
7 h
Antolinho André Falei disso num dos post em que o ofensor está anunciar perdão ao ofendido. Inversão de papel. Se a paz que tanto almejamos nos levará a doar a nossa casa acho que está longe de acontecer. Qual é o alcance deste perdão que a Renamo tema em anunciar. Brevemente a Renamo e seu líder irão anunciar Amnistia geral.
6
7 h
Marcos Cipriano Maulate Me parece que Jesus Cristo está a ficar ignorado em determento de Barrabás.
2
5 hEditado
Marcos Cipriano Maulate Analizando bem este discurso do dono da tal organização me parece que ele sabe o mal que cometeu ao povo moçambicano e teme que este se insurja contra a sua aparente reaparição do lugar incerto, dai que esteja a clamar pelo perdão, este é sinal de que está pra sair da toca e quer mais uma amnistia.
2
5 hEditado
Antolinho André De acordo apenas que seja coerente. Que não confunda em nome da paz. Afinal que está no mato?
1
7 h
Augusto BáfuaBáfua Eish, "Installement Tréguas". Morri.
2
8 h
Taisse Sigaúque kkkk, aka " Treguas as prestacoes" 😂😂😂😂😂😂😂
1
5 h
Armistício Mulande Concordo contigo amigo Alexandre Chivale. Não tenho nada contra a confraternização entre membros da Frelimo e da Renamo, que muitos até são amigos e familiares. O que inquieta-me é a aparente ausência de estratégia do partido para encarar os próximos pleitos para ganhar. E como bem recordas, 1999 é uma referência obrigatória. As recentes eleições internas a nível distrital e abaixo foram muito "low profile" (ou eu não acompanhei bem), e a única pessoa que parece estar a fazer algum trabalho partidário é o SG. Eu nem conheço a cara dos outros secretários, à excepção do amigo Niquice. Como tu, estou realmente preocupado com a vitalidade do partido. E sinceramente, não acho que o Presidente do partido esteja a fazer alguma coisa pelo partido; nunca o vi em acções concretas de galvanização das estruturas.
Mas como acredito no partido, tenho fé que haja por ai uma carta na manga, um plano B. 😀
5
8 h
Antolinho André Amigo não espere que os órgãos venham ao seu encontro. Se és membro aconselho a aproximar a rua célula do Partido do seu bairro de residência para dar o seu saber. Muita coisa está acontecer neste momento. Trabalhemos nos órgãos camaradas.
1
7 h
Armistício Mulande É bom ouvir que muita coisa está a acontecer ao nível das células amigo Antolinho André. A questão é que não estou a conseguir ver nem ouvir. Se te recordas, há alguns anos o partido era praticamente uma marca, uma marca bastante forte. E quando chega a hora das eleições o importante não é o que fazemos lá na célula, mas o que cá fora transparece do trabalho que fazemos a nível da célula. É essa pujança que não se vê, que não se sente.
2
6 h
Antolinho André Pois então tu, eu e ele somos chamados a levantar bem alto essa marca para que não morra enquanto existimos.
1
6 h
Cnmutemba Mutemba Ontem vi no jornal de Portugal: ladrão confesso , processou a família , sua vítima, alegando que levou muita porrada, e isso não era forma de se tratar um ladrão. Muito caricato nê ? 
Então , estou eu a dizer que está aí outro caso....
3
8 h
Antolinho André Então o ladrão vai exigir indemnização por ter roubado.
1
7 h
Liliana Sulila Bandido. Ntlha
2
7 h
Antolinho André Bandido que é igual a Dhlakama.
1
7 h
Cnmutemba Mutemba Pediu indemnização e ganhou a causa mas a família e todo bairro saíram em defesa da vítima e recorreu da sentença. Muito caricato , assim descrevia também o jornal .
3
6 h
Eusébio A. P. Gwembe Tambem achei estranho, um agressor querendo perdoar as suas vitimas. Exchange of actions
3
6 h
Sergio Ndava Mano Alexandre Chivale, nem sempre que quando um adversário elogia é porque não estamos num bom caminho, ms sim sinônimo de reconhecimento das capacidades tecnicas das que dispomos. No entanto assume que estamos à altura de fazer bem ou melhor aquilo que sabe fazer bem. É uma questão de paz n espírito
6 h
Alexandre Chivale Em política as coisas não são assim, meu caro. Um partido político tem como mote alcançar e manter o poder. Isso já e luta e na luta não há abraços e carícias. Se vives de elogiar o adversário e lhe reconheces capacidades, por que razão não te juntas a ele?
6 h
Taisse Sigaúque Eu so posso dizer: Meu afilhado Escreveeeeee....!! O resto 🤐🤐🤐🤐🤐🤐
2
5 h
Alexandre Chivale Fala só madrinha
1
4 h
Lenon Arnaldo De facto, preocupa-me o marasmo organizacional no partido. Dito de outro modo, o partido perdeu a vitalidade que lhe é peculiar. E isso, deve preocupar qualquer que seja membro da Glorioso Frelimo.

Com esse andar, corremos sérios riscos termos que reviver a triste situação de 99. Estamos muito relaxado, e quiçá, preocupados em lutas internas, desnecessárias.

É verdade que uma cabeça é uma sentença, mas não podemos perder de vista os objetivos coletivos. Mas, se esse romantismo e carícias levar tempo mais do que necessário, e sem que nada seja feito de substancial (o que é feito até então, é mais paliativo e não estruturante) para inverter essa situação calamitosa, camaradas, por mais paz e reconciliação ou melhorar a situação econômica e financeira, iremos acordar na frigideira, porquê a luta ultrapassa questões de umbigo - é o poder político.

O poder conquista-se com trabalho árduo. 

NB: a comunicação fluida e organizada para membros e mais, sobre a real situação do partido e do país que existia morreu. E hoje, ficamos reféns das teleconferências do líder, Well Street Journal, Zitmar ou, máxime, do Canal de Moçambique para saber o que está acontecer ou por acontece - vê se pode.
3
5 h
Mostrar mais reações
Isalcio Mahanjane Citamos o Presidente Samora quando nos convém... e não quando se impõe.... FRELIMO SOU EU CAMARADA, FRELIMO SOU EU...
Mostrar mais reações
5
4 h
Inacio Arnaldo Mazive A Frelimo é que deve perdoar,porque a milícia da renamo assassinou muitos secretários do Partido Governamental incluindo o régulo Muxùngué.
Mostrar mais reações
1
2 hEditado

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.