quarta-feira, 24 de maio de 2017

FALTA DISCIPLINA E AUSTERIDADE EM ÁFRICA


Listen to this post. Powered by iSpeech.org
Mapa_africa-pt1África tem 1,2 mil milhões de habitantes, maior parte dos quais vive na miséria ou seja abaixo da linha da pobreza estabelecida pelas Nações Unidas.
Entretanto, todos os seus 54 chefes de Estado e de Go­verno vivem na maior opu­lência extensiva aos seus ministros, esposas, filhos, amantes e seus familiares.
Alguns têm contas bancárias gordas na Suíça ou noutros paraísos fiscais do Mundo.
Fazem ouvidos de mercador aos gritos para disciplina e austeridade feitos pelos países doadores, alguns dos quais com longa tradição de disciplina e austeridade cal­culadas.
Semana passada, o novo Presidente francês, o jovem Emmanuel Macron, formou o seu governo com 22 mi­nistros (11 homens e 11 mulheres) de todos os ex­tractos políticos da socieda­de francesa, ou seja, esquer­da, centro e direita.
Dados económicos indicam que a França tem um Pro­duto Interno Bruto de 2.422 mil biliões de dólares norte­-americanos.
A África do Sul tem um governo de cerca de 75 ministros e vice-ministros com um Produto Interno Bruto de 312,8 biliões de dólares norte-americanos.
Moçambique, um dos países mais empobrecidos do Mun­do, tem 22 ministros e cerca de 20 vice-ministros, com um Produto Interno Bruto de 14 biliões de dólares norte­-americanos.
A Suécia, que financiou a au­ditoria das dívidas ocultadas ao Parlamento que sufoca­ram o “maravilhoso povo”, é um dos melhores exemplos mundiais de austeridade.
Segundo uma reportagem da cadeia de televisão brasilei­ra, a Suécia é ainda uma mo­narquia, mas o Rei já perdeu os poderes.
O país é gerido pela classe política que, entretanto, não tem privilégios especiais, luxo, ou mordomias.
Durante as sessões do parla­mento, os deputados fede­rais vivem em apartamentos simples de 40 metros qua­drados e outros ainda mais pequenos com 18 metros quadrados e sem máquinas de lavar roupa.
Os deputados usam lavanda­rias e cozinhas comunitárias. Nenhum deputado tem carro pago pelo parlamento e mui­to menos motorista.
Na residência oficial do Pri­meiro-Ministro não tem em­pregado pago pelo Estado.
As actas de reuniões oficiais do chefe do governo são dis­poníveis para a consulta pú­blica.
Na década de 1990, uma vice­-primeira-ministra sueca per­deu o cargo por ter usado o cartão de crédito do governo na compra de barra de cho­colate e alguns bens pesso­ais. Até pode ser considerado exagero, mas isto mostra o nível de disciplina e de aus­teridade da sociedade sueca.
Os suecos dizem que os seus impostos são para pagar a máquina governativa e não para os governantes.
Quem nos dera em África. Oxalá que Ruanda de que tanto se fala nos salve.
Estou menos preocupado com referências de ditadura de Paul Kagamé. Disciplina faz parte da ditadura, desde que beneficie a maioria, so­bretudo os pobres.
THANGANI WA TIYANi

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.