sexta-feira, 19 de maio de 2017

Governo provincial de Nampula sem verbas para pagar faturas



A crise económica dificulta a vida aos moçambicanos. A situação dos comerciantes em Nampula é agravada pela incapacidade do Governo provincial de pagar as faturas. Os responsáveis prometem solução ainda este ano.
Vários comerciantes da província de Nampula dizem que se sentem sufocados pela crise financeira que abala o país. Os empresários acusam o Governo de lhes dever dinheiro pelo fornecimento de produtos e serviços. Caetano Brito trabalha na área da restauração e ainda está à espera de pagamentos referentes a 2014. O restaurante-bar de Caetano Brito fazia refeições para eventos governamentais: "A crise é péssima. Penso que todos nós [empresários e a população em geral] estamos afetados com esta situação da crise."
Caetano Brito teve de fechar o restaurante no centro da cidade de Nampula. O empresário não quis explicar em detalhe o que levou ao encerramento, mas acredita que, se o Governo não pagar o que deve, muitas empresas podem ir a falência: "A solução é trabalharmos mais e o Governo pagar as dívidas. Porque nós sem o Governo e o Governo sem o sector privado, não se faz nada, porque quem é o fazedor da economia do país é o sector privado."
Governo provincial ainda não sabe quando poderá pagar
Recentemente, no V Fórum Empresarial da província de Nampula, o Governo assumiu as dificuldades e prometeu pagar as dívidas. Mas não avançou datas. As autoridades provinciais dizem que estão à espera de verbas do Governo central.
A crise e a falta de ajuda externa ao orçamento do Estado são as razões para os atrasos nos pagamentos - diz Victor Borges, governador da província de Nampula: "Acho que ao longo deste ano, alguma coisa poderá ser feita, mas não sei exatamente quando", disse Borges à DW África.
Victor Borges garante que, neste momento, "o Governo procura uma receita extraordinária. Já tivemos instruções a nível central para arrolar todas as dívidas que existem para que, quando houver disponibilidade, se possa pagar."
O governador provincial frisou ainda que reconhece o contributo do setor empresarial na economia e pede paciência. Ao todo, mais de dois mil homens de negócios estão filiados no Conselho empresarial na província de Nampula.
Os empresários aguardam agora que o Governo cumpra as promessas, diz Caetano Brito.
"O que o governador explicou é a realidade do país. Nós, empresários sem fundos, não podemos fazer mais nada. Temos já as nossas casas [empresas] encerradas e como reabrir?", pergunta Brito.
DW-18.05.2017

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.