sábado, 10 de dezembro de 2016

“Estou a sofrer um autêntico linchamento nas redes sociais”

Diretor do “El Mundo”:

Pedro García Cuartango diz ao Expresso que o jornal que dirige está a travar sozinho em Espanha uma batalha na investigação aos documentos do Football Leaks. “Os três grandes jornais de Madrid estão a silenciar este assunto como se ele não existisse”

   
INFLUÊNCIA. Pedro Cuartango diz que “todos querem ficar de bem com o Real Madrid” neste tema do Football Leaks 
D.R.
Um redondo “sim” é a resposta de Pedro García Cuartango quando lhe perguntamos se sente que o “El Mundo” está a travar a batalha Football Leaks sozinho em Espanha. “Os três grandes jornais de Madrid estão a silenciar este assunto como se ele não existisse, embora algumas cadeias de televisão estejam a apoiar-nos”, diz o diretor do jornal em entrevista ao Expresso.
Por dar a cara pelo maior diário madrileno, Cuartango está a sofrer o que diz ser uma verdadeira perseguição por parte dos que torcem pelo Real Madrid, a equipa com mais jogadores e ex-jogadores citados na investigação do consórcio European Investigative Collaborations (EIC) — do qual os dois jornais ibéricos são parceiros — com base em documentos fornecidos à “Der Spiegel” pela plataforma que deu o nome ao caso.
“Estou a sofrer um autêntico linchamento nas redes sociais por parte de um sector de adeptos do Real Madrid e, além disso, enfrento a ameaça de um auto judicial que me proíbe de publicar informação sob pena de ser preso. Realmente, tenho a sensação de que estamos sozinhos a enfrentar um aparelho mediático e económico de larga escala”, confessa o jornalista.
D.R.
Perguntamos-lhe se tem havido algum tipo de pressão por partes terceiras desde que o “El Mundo”, o Expresso e os restantes dez parceiros do EIC começaram a divulgar os resultados da sua investigação de sete meses há uma semana. Desmente mas com uma ressalva: “Há interesses. Todos querem ficar de bem com o Real Madrid e temem represálias se entrarem no assunto. O clube cometeu o erro de se identificar com Cristiano Ronaldo e de transformar esta questão num ajuste de contas entre o El Mundo e dos seus sócios”.
A resposta, numa troca de emails esta sexta-feira, parece fazer referência ao facto de, no comunicado que emitiu em resposta às suspeitas elevadas pelo EIC, a equipa merengue apenas ter falado de Ronaldo, um “jogador exemplar”, exigindo “máximo respeito” pela estrela do Real e astro maior do futebol. Facto é que, no meio de todo o negrume que envolveu Cuartango na última semana, nem ele nem o jornal sofreram pressões diretas do clube — para já. “O assunto não caiu bem junto de Florentino Pérez [atual presidente do Real Madrid] mas não me pressionou."
O AGENTE Jorge Mendes é o elo de ligação
O AGENTE Jorge Mendes é o elo de ligação
 
RUI DUARTE SILVA
Desde a passada sexta-feira, adianta, o único contacto do jornal com a Gestifute foi um questionário que os jornalistas do “El Mundo” enviaram à empresa do superagente português Jorge Mendes, que representa muitos dos jogadores e treinadores citados no Football Leaks, “como a todos os que aparecem” citados na investigação, explica Cuartango. Os representantes da empresa “recusaram-se a responder”. A isso acresce o facto de, na opinião do jornalista, estarem a meter os pés pelas mãos. “Estão continuamente a confundir-se, a cada explicação que dão metem a pata na poça. A sua estratégia informativa é nefasta.”
Para Cuartango, a declaração de património de Cristiano Ronaldo divulgada esta semana, numa aparente tentativa de ilibar o candidato a Bola de Ouro das suspeitas de ter desviado cerca de 150 milhões de euros em direitos de imagem para um paraíso fiscal, não serve o propósito que a Gestifute queria.
“Trata-se de um inventário do seu património, mas onde não se estabelece a origem. Publicámos esta tarde uma peça no nosso site que desmonta o que dizem a Gestifute e os advogados do jogador. É uma manobra de distração para esconder o essencial: a trama de evasão fiscal.”
O JOGADOR Ronaldo é o futebolista mais visado
O JOGADOR Ronaldo é o futebolista mais visado
 
REUTERS
A opinião é partilhada pelo fiscalista português José Pedroso de Melo, da SRS Advogados. “Se, ao que tudo indica, se tratam de certidões emitidas pela Agência Tributária espanhola, indicando que os suspeitos teriam, à data da sua emissão, a sua situação tributária regularizada, os mesmos não trazem efetivamente nada de novo para esta questão”, explicou ao Expresso sobre os documentos que têm sido divulgados por uma série de futebolistas citados na Football Leaks. “O facto de a Agência Tributária ter certificado que os suspeitos teriam a sua situação tributária regularizada em determinada data não impede que possam vir a ser apurados valores em dívida — e assacadas as consequentes responsabilidades criminais e/ou contraordenacionais — na sequência das conclusões de eventual processo de inspeção que venha a terminar em data posterior à emissão dessas certidões.”
Debaixo de fogo e sozinho na luta, Cuartango sente que a maior ajuda poderá vir da Catalunha, sede do arquirrival do Real Madrid, onde em julho deste ano a estrela do Barça, Lionel Messi, foi condenado a prisão com pena suspensa por ter ocultado do fisco 4,1 milhões de euros entre 2007 e 2009.
Quando lhe perguntamos se acredita que a imprensa catalã vai continuar a pressionar as partes para que seja aberta uma investigação a Ronaldo, o diretor do “El Mundo” responde “sem dúvidas”, que “a pressão a partir da Catalunha é muito forte”. A imprensa daquela região “não vai esquecer que Messi foi condenado a 21 meses de prisão por uma soma muito inferior à que se fala do jogador português.”

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.