sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

FILHO DE GENERAL CRÍTICO DO MPLA ATACADO:


INTIMIDAÇÃO POLÍTICA?

Hollywood e o seu pai, o general Pakas.
Hollywood Mendes de Carvalho tem 17 anos. Aquilo que lhe aconteceu, no passado dia 7 de Dezembro, parece tirado de um filme. Mas não é.
Eram perto das duas da madrugada quando o rapaz foi atacado na sua residência, na Comuna do Catete, município do Icolo e Bengo. Os assaltantes ataram-lhe as mãos aos pés com braçadeiras e cabos de electricidade. Ele sentiu três picadas nas costas, de três injecções que lhe administraram. A toalha de banho, que trazia ao ombro enquanto saía da casa de banho anexa à residência, serviu para o amordaçar, impedindo-o de gritar. Como se fosse um embrulho, os assaltantes largaram-no no quintal entre a cozinha, o restaurante e a residência.
A missão dos assaltantes não era roubar a modesta propriedade do general Manuel Paulo Mendes de Carvalho “Pakas” – um crítico acérrimo do presidente José Eduardo dos Santos e das iniquidades do MPLA, de que é militante, e pai de Hollywood. O general afirma sem rodeios que se tratou de um atentado contra si e contra a sua família, um “aviso”.
Hollywood conta que, ao sair da casa de banho, se apercebeu de movimentos estranhos e de que só havia uma pequena lâmpada acesa no quintal, contrariamente à iluminação habitual. “Fui ver o quadro de electricidade e um deles agarrou-me. Ao resistir, [o assaltante] chamou o que tinha a AK e a mochila às costas pelo nome de Vítor. Foi este que tirou as braçadeiras e o cabo de electricidade da mochila para me amarrarem”, explica o adolescente.
O general acusa frontalmente o regime que durante décadas serviu com zelo. “Calhou o miúdo aparecer [no quintal] naquela hora. Comigo teria sido pior. Eu servi esse regime, conheço muito bem o seu modus operandi.”
Os três assaltantes, um dos quais armado com uma AK-47, deixaram balas não usadas pelo chão, uma seringa suja, que se presume tenha sido usada para dar as injecções ao filho do general, e as agulhas.
Demonstrando enorme à-vontade e descontracção, os assaltantes serviram-se de três finos (cerveja de pressão) e deixaram os copos cheios no balcão. Atiraram para o chão os dois televisores e o micro-ondas que se encontravam no restaurante.
Hollywood Teixeira Mendes de Carvalho permaneceu cerca de três horas no estado em que os assaltantes o deixaram, até que foi encontrado pela mãe, que acordou cedo.
A polícia foi chamada ao local para investigar a ocorrência e fez a recolha de provas. Mas lá deixou os copos de fino, que os assaltantes abandonaram cheios de bebida.
Este ataque intimidatório tem ressonância com as operações conjuntas do Serviço de Inteligência e Segurança de Estado (SINSE) e da Polícia Nacional para reprimir os manifestantes no Largo da Independência, uma vez que em ambos os casos se recorreu à sinistra administração de injecções.
A seringa usada para administrar as injecções ao Hollywood.
A seringa usada para administrar as injecções ao Hollywood.
Um especialista em segurança refere ao Maka Angola que “hoje existem várias drogas venenosas difíceis de detectar e que podem causar diversas reacções, a curto, médio e longo prazos”. E aconselha que o adolescente seja submetido a análises médicas rigorosas, para identificar o tipo de substâncias que lhe foram inoculadas.
Vários familiares do general acorreram ao local, incluindo o seu irmão, o almirante André Gaspar Mendes de Carvalho, actual chefe de bancada parlamentar da CASA-CE. André e Manuel Paulo são filhos de Mendes de Carvalho, o nacionalista e dirigente histórico do MPLA. Ambos optaram por manifestar publicamente a sua oposição a José Eduardo dos Santos, cuja ascensão ao poder em muito se deveu à proposta do malogrado Mendes de Carvalho.
“Está no ADN da família ficarmos sempre do lado dos mais fracos e contra as injustiças sociais”, afirma com orgulho o general.
Manifestando-se contra a intolerância política perante os que pensam diferente, o general rebusca práticas do passado que considera terem-se tornado crónicas nos dias de hoje. “Vivemos num país com grande discriminação étnica, racial e social. Nunca pactuei com os crimes do poder. Por me opor aos focos de tribalismo e racismo do MPLA, fui ameaçado de morte, pela primeira vez, em 1975, por um dirigente”, conta.
Durante a manhã do dia seguinte, vários cidadãos de todos os estratos passam pelo restaurante para inquirir sobre o estado de saúde de Hollywood. O restaurante é um dos pontos de referência da comunidade local. No mesmo local, comensais da JMPLA e do MPLA sentam-se em grupos, com os seus bonés identificativos, e forram o estômago com sopa ou com pica-pau e pão.
“Tenho sofrido várias ameaças. Já fui censurado publicamente pelo MPLA, por criticar uma série de atrocidades. Mas esta é a primeira vez que invadem o meu espaço e agem desta forma. Nunca contratei um guarda para me proteger”, refere o pai da vítima.
“Apesar de eu ser general, a minha segurança é Deus”, desabafa, manifestando-se tranquilo com a sua consciência.
Perseguição política
A bala de "aviso", deixada em casa do general Pakas.
A bala de “aviso”, deixada em casa do general Pakas.
A perseguição de que Manuel Paulo Mendes de Carvalho “Pakas” diz ser alvo tem ainda outras manifestações.
Desde há um ano e meio, o general é obrigado a comparecer quinzenalmente no Tribunal Supremo, que o constituiu arguido e o colocou sob termo de identidade e residência.
O caso remonta a 2008, quando Adão Francisco “Kupopa” — um dos dirigentes do MPLA no Icolo e Bengo e oficial do (SINSE) — apresentou queixa contra o general, a quem acusou de o injuriar com palavrões durante uma assembleia do MPLA, na administração municipal do Icolo e Bengo.
Inicialmente, o general foi chamado ao Tribunal Provincial do Bengo, para “tratar de assuntos do seu interesse”. Quando lá chegou, tomou conhecimento in situ de que seria julgado naquele mesmo instante, sem nunca ter sido notificado ou formalmente acusado. “Eu nem sequer me fiz acompanhar de advogado, porque não sabia. Expliquei que o Tribunal Provincial não tinha competência para me julgar, na qualidade de general. Depois de alguma confusão, pediram-me desculpas e mandaram-me embora.”
A 25 de Junho de 2015, oito anos depois, a primeira secção da Câmara Criminal do Tribunal Supremo decidiu em Acórdão (Despacho de Pronúncia nº 234) rejeitar a acusação pelo crime de injúria que pendia contra o general, porque as testemunhas negaram que este tivesse mandado o dirigente do MPLA para os seus órgãos genitais.
Todavia, o general foi confrontado com outra denúncia. À noite, depois da referida assembleia do MPLA, o referido queixoso afirmou ter feito sinal de luzes na via pública, para que o general estacionasse a sua viatura e pudessem reconciliar-se na rua. Segundo a acusação, o general terá parado a viatura, ameaçando exaltadamente bater no colega do MPLA com correntes e mandando-o novamente para os seus órgãos genitais. A única testemunha da alegada ocorrência era o sobrinho do queixoso, Jordão Filipe Amado, actual administrador adjunto comunal de Cassoneca. O general negou ter proferido tais ameaças, mas o Tribunal Supremo, através dos juízes conselheiros Simão de Sousa Víctor, Joel Leonardo e José Martinho Nunes, acusou-o ainda assim.
O Maka Angola obteve cópia da queixa original redigida por Francisco Adão, a 14 de Junho de 2008, endereçada à PGR local e com cópias para o MPLA. Nada consta sobre essas ameaças. O dirigente e oficial do SINSE refere-se apenas às ofensas de que diz ter sido alvo na administração municipal, entretanto desmentidas pelas testemunhas que arrolou.
Este portal também obteve cópia do despacho da direcção do MPLA no Icolo e Bengo, que instruía o chefe da Comissão de Disciplina e Auditoria do MPLA, “camarada Bab Loy”, a reunir os dois membros para apurar o caso, que suspeitava ser uma “brincadeira”, e solicitava uma comunicação urgente caso se confirmasse a ideia.
Segundo o analista jurídico do Maka Angola, Rui Verde, “a ameaça tem de ser séria. Tem de ser verosímil. Não basta o mero insulto ou dizer palavras. Ora, a decisão do tribunal omite esse requisito, e basta isso para que a pronúncia seja nula”.
“Os factos descritos no processo nunca deveriam ter originado uma pronúncia por crime de ameaça, dada a sua fragilidade e irrelevância. Mesmo assim, actualmente encontram-se totalmente amnistiados face à recente Lei da Amnistia, pelo que o Tribunal Supremo só tem de extinguir automaticamente o processo”, reforça Rui Verde.
Uma pedra no sapato do MPLA
O general “Pakas”, veterano do MPLA e do exército, tem assumido uma posição consistentemente crítica do regime, causando mal-estar no partido. A sua voz tem-se feito ouvir através de uma página bastante concorrida no Facebook: “Os conselhos do general”.
Em Agosto passado, por ocasião do aniversário do presidente, o general Pakas endereçou-lhe um apelo público em “A sucessão presidencial e arredores – camarada presidente, está na hora!”.
No texto, instava-o a não concorrer às eleições de 2017 e alertava para os perigos de uma transição opaca: “Se a sucessão do Presidente José Eduardo dos Santos não for bem gerida, com lisura e transparência, a história vai-se repetir, com consequências desastrosas para todos. Tudo devemos fazer para se evitar outras roturas no seio do partido.”
Bastante divulgado nas redes sociais e assinado por um general do MPLA, o texto causou grande mal-estar entre os fanáticos, principais beneficiários, oportunistas e bajuladores do regime. Afinal, o general tinha razão.

Rui Olival Morte
Estão matando Hollywood? Matam os heróis atemorizando-lhe os filhos ...e até o cinema! Abre o olho angolano, mermão vai haver catana no ar!
Gosto · Responder · 1 · 8 h · Editado
Martins Leonardo Gonçalves Albino · 
Apesar de eu ser general, a minha segurança é Deus”, !!!! Deus está ai
Gosto · Responder · 3 · 9 h
Jonny Divânio El Princip · 
Hhhh Que cena pah... Espero que o filho do general esteja bem de saúde e que as injecções não lhe cause problemas de saúde futura.
Gosto · Responder · 4 · 9 h
Dário Teu · 
Welcome tramp 

A Gâmbia já se salvou da tirania.
Gosto · Responder · 2 · 9 h
Jose Nunes · 
Isto so num Pais Pirata
Gosto · Responder · 9 h
Jorge Correia · 
Assim agem os que ainda se sentem donos.

Mas o tempo deles terminou. Só que, infelizmente, parabéns que ainda não sabem e não sentem...
Gosto · Responder · 2 · 9 h
Peter Nicholaberty John Nicholaberty · 
Freedom Now we Are tired!
Gosto · Responder · 8 h
Franco Nuno Souza · 
Estamos a viver numa caverna...onde quem tentar saltar a cerca...leva do tutano,ainda bem q o Sr Pakas considera Deus como seu segurança.
Gosto · Responder · 2 · 8 h
Manuel Cangue · 
Esta duro isso.
Gosto · Responder · 7 h
Madaleno Augusto · 
Perseguindo os descendentes do malogrado Mendes de Carvalho, se preferirem "Uahenga Xítu", é um autentico desrespeito e engratidão por todo contributo, que este carismático homem deu em pról do glorioso MPLA e pela independência do país. Não sejam engratos com a alma deste grande nacionalista angolano. Que a sua alma descansa em paz.
ABAIXO AS PERSEGUIÇÕES POLÍTICAS EM ANGOLA.
Gosto · Responder · 5 · 8 h · Editado
Lourenço Lobato Pires Lobato
Deus é grande e vai operar na tua família.
Gosto · Responder · 8 h
Madaleno Augusto · 
Será que estamos caminhando para uma nova "Caças ás bruxas"?
Gosto · Responder · 8 h · Editado
Valentim Fernandes Fernandes · 
Os velhos morreram sedo outros filhos irão também filhos pequenos estão com medo da situação que se mantém !!!
Gosto · Responder · 2 · 7 h
Rafael Teixeira Teixeira · 
Trabalha na empresa Arquitetura em minha casa
grande Bonga ja canto
Gosto · Responder · 5 h
Fernando Manuel Mosquito
Abram os olhos! Eu vivo vigilante porque perdi figuras importantes no seio da minha familia por causa do jogo da cabra cega!
Gosto · Responder · 7 h
Agostinho Silva
Os lacaios/algozes do sr. José Eduardo dos Santos aprenderam todos na mesma unidade de saúde (URSS) a ministrar injecções iguais, utilizando o mesmo método que aconteceu durante o protesto da familiar de um dos marinheiros mortos no afundamento do submarino russo "KURSK" no mar de Barents. Lembram-se? A camarilha no poder é igual.
Gosto · Responder · 7 h
Rafael Teixeira Teixeira · 
Trabalha na empresa Arquitetura em minha casa
senhor meu deus proteja o puto o babulo é do pai não é do puto
Gosto · Responder · 7 h
Victor Moutinho · 
Tipico de ditaduras.
Gosto · Responder · 1 · 7 h
Bernardo Lourenco · 
Trabalha na empresa RCA/usa-DC
Qe horrivel, porqe tanta maldade. So os fracos recorrem ao uso do força pea solucionar diferenças
Gosto · Responder · 1 · 7 h
Gustavo Douglas Miguel
O jogo esta violento.
Gosto · Responder · 7 h
Pedro William · 
o game na banda está violento.
Gosto · Responder · 7 h
Samuel Kiala Holanda Holanda · 
Se a moda pegar estaremos fritos,porque um casal no palanca tinham sido injetados agua de bateria,os autores foram encontrados,para acusar alguem tem que tet provas,agora procurar aparecer no facebook,sabe as quantas andam o seu filho? ou qe
Gosto · Responder · 7 h
Felizandro Armando Felizinho
O GAME TA VIOLENTO SE ARREPENDEM AGORA OU NAO HAVERA PIEDADE.
Gosto · Responder · 7 h
Juan Serafín Dominguez Rocha · 
Bengo? Bengo? Bengo? Icolo? Com tantos problemas desses benguso cheio de feitiçaria facil de atacar uma pessoa rica
Gosto · Responder · 7 h
Manuel Morais · 
Gen. Paka jikulo'meso
Gosto · Responder · 6 h
Job Francisco Cassua Jobilson · 
Caro Marques votos de boas novas, fiquei muito triste por ler este relato independente de ter qualquer status social nós devemos respeitar sempre opiniões divergente porque é através da diferença que o mundo em que vivemos esta evoluído, estas praticas das injecções conhecemos bem é o modus operantis dos nossos serviços de inteligência rogo a Deus que não seja algo fatal para o jovem que nada tem haver nesta confusão, e o mas agravante é que não podemos confiar nos nossos serviços policias porque não têm credibilidade e quase todos nós os Angolanos não confiamos é triste também ver ainda assassinos com cartão livre para fazer e desfazer a seu belo prazer e cada vez que matam tornam-se chefes triste realidade do meu país, tem um ditado que diz » Se as feridas do teu irmão não te causam dor, a sua doença é mas grave que a dele» Melhoras aos adoentados, e um abraço para nós que ainda estamos aqui.
Gosto · Responder · 2 · 6 h
Hamilton Cassua Jala · 
Trabalha na empresa Reformou-se
Bem dito!
Gosto · Responder · 36 min
Manuel Pedro
Mesmas pessoas no poder, mesmos métodos. 
Viva Angola!
Gosto · Responder · 6 h
Quinene Da Rosa Quinene · 
se nos nāo agirmos vai continuar porque falando só nāo vai dar certo a velho ditado qui diz o cao ladra e caravana passa
Gosto · Responder · 6 h · Editado
Dinis Sachipia Chelungui Dinis · 
Como general em casa não pode faltar um kastor para a defesa. Porque com o MPLA não se brinca. Você sabe melhor que eu..quem passar na sua casa mata. Não quero esta noticia se repetir outro dia por favor ,se você ja não quer matar me contrata para ser o teu guarda.faz favor leva o miúdo na África do Sul ou cuba. .
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Catota Paulo · 
Começam já a se matar nós povo desta vez Só vamos assistir e rir o suficiente para esqueçer o que a falsa crise nos trouxe de desgraça.
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Miguel Carvalho · 
Os Bajuladores e defensores desse governo,vao dizer que é tudo mentira.
So falta acusarem a Unita agora
" Anida é tempo de salvar Angola dos tirànos"
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Carla Silva · 
Os mais velhos já têm dito que os nomes têm força, "Hollywood", viveu por algumas horas como se estivesse nos E.U.A.
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Caridade de Montês · 
Para onde iremos com isso?
Gosto · Responder · 5 h
Manuel Cuzocola · 
Trabalha na empresa AngolACA, S.A.
Mais uma novela do regime , haver vamos qual sera o fim.
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Jose Vieira · 
Só estão a provar do veneno que o pai e avô...ajudou a distribuir pelo país! Outros se seguirão porque o regime não admite contestação e sempre sobreviveu de intrigas, calunias, intimidação...morte! E assim continua Angola... e viva o MPLA!
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Fernando Guilherme Nando Uba · 
Este senhor general foi posto de parte por ser angolano genuíno senão lhe faziam o bolso e ficava calado.
Gosto · Responder · 5 h
Zeca Lemos · 
Trabalha na empresa Nokia
Este filho do general tem que fazer uma corrente de orações
Gosto · Responder · 5 h
Llucia Lana · 
Cozinheira na empresa Pizza Hut
Ditadura abaixo
Gosto · Responder · 1 · 4 h
Diocenna De Barros Kakinda
Estar do mesmo lado não quer dizer que pensam da mesma maneira .estar junto não significa estar misturado.
Gosto · Responder · 4 h · Editado
Marcos Aderito · 
Não estamos em paz e não temos democracia. Estamos a tentar ensaiar a democracia.
Gosto · Responder · 1 · 3 h
Jose Miguel Gomes Timas · 
Trabalha na empresa Trabalhador(a) independente
A verdade vence o obscorantismo
Gosto · Responder · 3 h
Afonso Paulo Paulo
Se esta acontecer nas arvores verdes e as secos ? O que sera quando chegar a vez do Luvualo e do Joao Pinto os bajuladores ? apresentem queixas ou informem certos actos a ECOSSOC da ONU, corragem !!!
Gosto · Responder · 1 · 2 h
João Babaia · 
Embalmer na empresa Morgue
Hum.
Gosto · Responder · 2 h
Cari Ca Ri
Nada que não se esperasse deste governo constituído por crápulas e cobardes, depois de lermos o que, corajosa e publicamente, este General tem afirmado, desafiando mesmo o todo poderoso chefe do clã.
Eu continuo a achar que o regime (com ou sem o governo fantoche que se segue) só cairá quando outros "Pakas" do MPLA tiverem a coragem de fazer implodir o MPLA de JES, a partir de dentro.
Terem anunciado que proporão para candidato do MPLA o falcão João Lourenço, demonstra que estão a capitalizar a popularidade das tropas para uma eventual reacção repressiva, depois das próximas eleições.
Ou este MPLA/JES começa a desmontar-se através de acções de mplistas indignados, ou NUNCA aceitará partilhar/ceder o poder com/a nenhuma outra força política.
Nem que hipoteticamente perdessem as eleições, cederiam os lugares privilegiados desse banquete servido faustosa e exclusivamente a membros do clã. 
Aproximam-se tempos muito dificeis.
Gosto · Responder · 2 h
José Viegas · 
Serrelheiro na empresa Vedatela
Meu cota confia no seu Deus ele fará de vc um vencedor. Nós conhecemos quem foi o nosso querido Mendes de Carvalho, único que no MP LA q defendia os injustiçados. 
Força - força -força grande cota
Gosto · Responder · 1 h
Vado Trafulha de Rima V · 
Trabalha na empresa Xkinner Buziness - XB
e eu que pensava todos os generais são da cupla.
Vieira Lino · 
Sem vergonha, hoje por provar do seu próprio veneno vem dizer k por servir o regime conhece bem seu modo operandi k é o ele amdou a fazer aos outros
Rosário Vissimilo Vissimilo · 
Porque isso!!! Espero melhores resultados médicos ao teu filho Sr. general.
Gosto · Responder · 4 min

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.