domingo, 22 de janeiro de 2017

"Profeta" é preso por prever morte do presidente do Zimbábue


O "profeta" Patrick Mugazda (esq.) e Robert Mugabe, presidente do Zimbábue O "profeta" Patrick Mugazda (esq.) e Robert Mugabe, presidente do Zimbábue
Está difícil a vida dos videntes no Zimbábue. A polícia local prendeu um homem que afirmou que o presidente do país, Robert Mugabe, que completa 93 anos no mês que vem, vai morrer em outubro.
O vidente, que diz ser pastor, se chama Patrick Mugazda e acabou detido por se vestir com a bandeira nacional e, claro, por ter feito a profecia contra o presidente que está no cargo desde 1980.

Uma profecia política

Patrick Mugadza inicialmente foi acusado por "atentar contra a autoridade do chefe de estado", antes de finalmente ser preso por "insulto de pessoas praticado numa religião", de acordo com declarações de seu advogado à AFP.
Robert Mugabe, que dirige com uma mão de ferro o país desde a independência em 1980, é o mais antigo chefe de estado em exercício no mundo, que vai comemorar seus 93 anos em fevereiro.
Em dezembro, seu partido, ZANU-PF, investiu-o como um candidato para as próximas eleições presidenciais em 2018.
O Pastor Mugadza faz parte de uma figuras proeminente da sociedade civil na vanguarda do protesto anti-Mugabe. E chegou mesmo hastear sem permissão, a bandeira nacional, um crime em o Zimbábue desde que este símbolo tem sido usado por manifestantes anti-Mugabe em 2016.

Adversário conhecido

Em 2015, Patrick Mugadza também tinha sido preso por desafiar o chefe de estado durante um Congresso do partido no poder ZANU-PF: com cartazes onde podia-se ler: "as pessoas sofrem, Senhor Presidente”. em alusão à crise económica enfrentada pelo Zimbabwe nos últimos 15 anos.
Em Abril 2016, na festa da independência, o pastor deu um sermão pendurado em um posto de energia em Harare, uma maneira dele simbolizar a falta de liberdade no Zimbabwe
AFP

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.