sábado, 28 de janeiro de 2017

Donald Trump is going to snap very soon, and here is how I know

Donald Trump vai se encaixar muito em breve, e aqui está como eu sei
Postado em 22 de janeiro de 2017 por Richard Willmsen

Curbtbewiaaaj0h

Creio que, ao invés de esmagar nossas próprias casas de vidro em pedaços no ato de destruir a Presidência de Donald Trump, precisamos estar conscientes de nosso Trunfo interno, refletir sobre nossas próprias tendências de pensar e comportar-se em formas catastróficamente imaturas, venais e inseguras . Eu, portanto, oferecer esta breve descrição do meu próprio desenvolvimento emocional pessoal e, em seguida, explicar por que eu acho que ajuda a explicar por que Trump está indo para uma colapso muito, muito em breve.

Eu costumava sofrer de uma insegurança bastante incapacitante, particularmente quando se tratava de coisas como ser criativo e formar relacionamentos com outras pessoas. Fiquei melhor, em parte por viver e estudar Portugal, aprendendo sobre a tendência do seu povo de balançar entre momentos de auto-engrandecimento e auto-abnegação, de "somos grandes" a "não somos nada". Aprendi também sobre meu próprio hábito de projetar meus próprios sentimentos sobre os outros, pessoas e países. O trabalho do poeta português Fernando Pessoa mostrou-me que todos nós somos personagens num palco desempenhando papéis diferentes, e que tudo bem. Eu me identifiquei fortemente com o diagnóstico do filósofo Eduardo Lourenço de que os portugueses tendem a sofrer de assumir demasiadas identidades, e tomei uma enorme inspiração, consolo e orientação de suas idéias de que Portugal é "maravilhosamente imperfeito", "não pior nem melhor do que ninguém Senão ", e que o progresso vem de aceitar as limitações.

Viver na China me ensinou a aceitar a existência de outras percepções da minha própria identidade, mesmo que eu me sinta envergonhada, especialmente em termos da minha identidade nacional. Todo mundo tem um e eu não posso deixar o fato de meus ingleses ou ingleses me inibir indevidamente. Escrever sobre meus mal-entendidos da sociedade chinesa e sobre o meu papel lá me ajudou a aceitar que eu, como todo mundo, tenho um ego, e também que posso usar a escrita como um veículo para estabelecer conexões entre as coisas e ajudar a encontrar pessoas que já notaram As mesmas coisas, que compartilham minha perspectiva. Passar tempo com um psicanalista lacaniano em Londres me ajudou a desenvolver a confiança em minha própria voz enquanto também me ensinava sobre as fraquezas da minha tendência a pensar demais. Eu fiquei melhor (embora não necessariamente bom) em identificar e cultivar amizades com outras pessoas. Conheci a mulher que mais tarde se tornou minha esposa, que me ama por quem eu sou e não por quem eu finjo ser. Através do meu trabalho eu me tornei melhor em ouvir as pessoas e mais aceitar dos outros e de mim mesmo. Aprendi que a auto-reflexão honesta é um meio mais eficaz para o desenvolvimento pessoal do que o álcool. Através da aquisição de outras línguas descobri que a aprendizagem é uma das coisas que mais gosto e valor sobre estar vivo.

Eu ainda estropeio, como todos nós, mas eu aceito que fazer isso é parte da vida, e quando eu faço ou recebo algo errado eu tento pedir desculpas sem medo ou recriminação. Eu sei que não estou louco em nenhum sentido significativo. Eu aceito que eu tenho alguma capacidade de escrever divertida e perspicaz, e eu tenho menos medo do que eu fiz antes de dizer o que eu quero dizer. Eu tenho um editor maravilhoso em minha esposa e eu aceito que eu às vezes falto coisas e expor talvez algumas partes de mim mesmo ao criticism e ao ridicule. Eu sei que o que eu escrevo não tem e não tem que agradar a todos. Eu aceito que todo mundo é falível, e que é preciso muito trabalho para produzir a escrita de qualidade. Às vezes eu não coloco em bastante trabalho duro, e isso é culpa minha. Procuro não depender emocionalmente das respostas ou da falta de respostas ao que escrevo. Em poucas palavras, eu amadureci, até o ponto em que agora eu posso enfrentar a perspectiva de se tornar um pai, algo que, digamos, há 15 anos era (por assim dizer) inconcebível.

Tudo isso significa que eu entendo algo da fragilidade do ego de Donald Trump. Tendo lutado para manter as amizades no passado, posso ver como Trump pode chegar a um ponto onde ele tem, de acordo com uma peça na Newsweek com base em vários meses passados ​​em torno dele, sem amigos próximos. Como eu já reconheci antes, é essencial para nós ter a humildade de reconhecer que não temos a capacidade de diagnosticar Trump à distância. Mas que há algo do manchild sobre ele é inescapável.

Esses dois primeiros dias de sua 'Presidência' viram tweets paranóicos e recriminatórios, um discurso à CIA, no qual ele criticou amargamente os relatos da mídia de sua coroação e seu porta-voz da imprensa foi enviado para entregar outro discurso paranóico auto-piedoso. As pessoas estão impiedosamente tirando a xixi do piss-pobre comparecimento a sua inauguração lamentável, e Trump parece estar acompanhando cada um deles no Twitter. Está claro para mim que qualquer coisa que ele tenha usado para sobreviver até este ponto não vai funcionar em seu novo papel. Há simplesmente muito escrutínio e ridículo, e está indo muito fundo. Ele é um narcisista raso demais para ignorá-lo.
Trump vai aprender a sabedoria de Jacques Lacan: "o louco não é apenas um mendigo que pensa que é um rei, mas também um rei que pensa que é um rei". Qualquer monstro que ele tenha enterrado em sua mente vai se levantar para morder pedaços enormes dele de dentro. Trump é famosa hostil à noção de aprendizagem: ninguém tem nada para ensiná-lo. Ele nasceu rico, e isso significa que ele é um gênio e que todos devem respeitá-lo. Ele parece não ter capacidade de auto-reflexão. Os espelhos que ele tem em sua mansão podem ser emoldurados em ouro, mas ele nunca foi capaz de se esforçar para olhar para eles por mais de alguns segundos. Em vez disso, ele se cercou de pessoas que lhe dizem o que ele quer ouvir, que lhe repetem seu mantra interior: você é o mais rico, o melhor, o maior escritor, construtor, estadista, etc etc etc. Mas são suas vozes interiores Que são o problema, os que lhe dizem que ele não é nada, um fracasso, que todos o vêem como uma piada. Os que (presumivelmente) soam muito parecido com seu pai. Seus tweets em particular revelam que em algum nível ele sabe que sua auto-imagem auto-engrandecente é oca e frágil. Então ele ataca, incluindo fisicamente. E está ficando pior. As pessoas estão rindo mais alto. Ele agora se colocou em uma posição onde o mundo inteiro sabe que ele é venal, inseguro, estúpido e iludido. Ele se tornou em dois dias o governante paranóico e iludido de tantos romances de escritores latino-americanos e africanos. Normalmente, este ponto é alcançado após várias décadas de governo e da imposição do terror e um culto da personalidade. Ele é o tipo de líder que os EUA impuseram a tantos outros países; Há um elemento de galinhas voltando para casa para descansar. Ele obviamente teve enorme consolo de sua imagem de mídia, a idéia de que ele era "CEO da América". Ele acreditava nisso e parece tê-lo internalizado, mas também é provocado por uma persistente consciência de que era pouco mais que uma piada, um slogan estúpido para vender um programa de TV. Seus partidários podem não saber disso, mas alguns aprenderão. Ele já está começando a transformar alguns deles contra ele. Como ele ataca seu padrão de vida e não tem as habilidades políticas necessárias para acalmar sua raiva, eles vão ver através dele para a ilusão, insegurança e vaidade dentro. Ele não terá mais defesas e será incapaz de se esconder do fato de que seus bajuladores não o respeitam. Putin, em particular, é mau, mas não estúpido. Ele sabe que Trump é um idiota absoluto. E ele não pode controlar esse sorriso de sua. Laan disse que o que importa na psicanálise não é tanto o que o cliente diz, mas o que cai fora de seus bolsos enquanto fala. Trump parece não ter absolutamente nenhuma idéia do que ele tem em seus bolsos, e agora todo mundo no planeta está pegando as coisas, inspecionando-as e dizendo a ele o que elas são. Eles estão ensinando-lhe coisas sobre si mesmo que ele não pode suportar para aprender. Ele também sabe que ele é presidente apenas no nome, e isso não é suficiente para sustentar seu ego. Ele vai se encaixar muito, muito em breve. Nosso trabalho é aumentar a tensão. (NEW POST: "Trump está indo para encaixar" uma réplica).

Donald Trump is going to snap very soon, and here is how I know

curbtbewiaaaj0h
I believe that rather than smashing our own glass houses to pieces in the act of destroying Donald Trump’s Presidency, we need to be aware of our own inner Trump, to reflect on our own tendencies to think and behave in catastrophically immature, venal and insecure ways. I therefore offer up this short account of my own personal emotional development, and then explain why I think it helps explain why Trump is heading for a breakdown very, very soon.
I used to suffer from a quite disabling insecurity, particularly when it came to things like being creative and forming relationships with other people. I got better, partly by virtue of living in and studying Portugal, learning about its people’s tendency to swing between moments of self-aggrandisement and self-abnegation, from ‘we are great’ to ‘we are nothing’. I also learnt about my own habit of projecting my own feelings onto others, both people and countries. The work of the Portuguese poet Fernando Pessoa showed me that we’re all characters on a stage acting out different roles, and that that is okay. I identified strongly with the philosopher Eduardo Lourenço’s diagnosis that Portuguese people tend to suffer from taking on too many identities, and I took enormous inspiration, consolation and guidance from his insights that Portugal is ‘marvelously imperfect’, ‘no worse and no better than anyone else’, and that progress comes from accepting one’s limitations.
Living in China taught me to accept the existence of other perceptions of my own identity, even if I feel embarrassed about it, particularly in terms of my national identity. Everyone has one and I can’t let the fact of my British or Englishness inhibit me unduly. Writing about my misunderstandings of Chinese society and about my role there helped me accept that I, like everyone else, have an ego, and also that I can use writing as a vehicle for making connections between things and to help find people who’ve noticed the same things, who share my perspective. Spending time with a Lacanian psychoanalyst in London helped me develop confidence in my own voice while also teaching me about the foibles of my tendency to overthink. I got better (although not necessarily good) at identifying and cultivating friendships with other people. I met the woman who later became my wife, who loves me for who I am rather than who I pretend to be. Through my job I became better at listening to people and more accepting of others and myself. I learnt that honest self-reflection is a more effective medium for personal development than alcohol is. Through acquiring other languages I discovered that learning is one of the things I most enjoy and value about being alive.
I still screw up, as we all do, but I accept that doing so is part of life, and when I do or get something wrong I try to apologise without fear or recrimination. I know that I’m not mad in any meaningful sense. I accept that I have some ability to write entertainingly and insightfully, and I have less fear than I did before of saying what I want to say. I have a wonderful editor in my wife and I accept that I sometimes miss things and perhaps expose some parts of myself to criticism and ridicule. I know that what I write doesn’t and doesn’t have to please everyone. I accept that everyone is fallible, and that it takes hard work to produce writing of quality. Sometimes I don’t put in enough hard work, and that’s my fault. I try hard not to depend emotionally on the responses or lack of responses to what I write. In a nutshell, I’ve matured, to the point where I can now face the prospect of becoming a father, something which, say, 15 years ago was (so to speak) inconceivable.
All this means that I understand something of the fragility of Donald Trump’s ego. Having struggled to maintain friendships in the past, I can see how Trump can get to a point where he has, according to a piece in Newsweek based on several months spent around him, no close friends. As I’ve acknowledged before, it’s essential for us to have the humility to recognise that we don’t have the ability to diagnose Trump at a distance. But that there’s something of the manchild about him is inescapable.
These first two days of his ‘Presidency’ saw paranoid and recriminatory tweets, a speech to the CIA in which he ranted bitterly about media reports of his coronation, and his press spokesperson being sent out to deliver another paranoid self-pitying rant. People are mercilessly taking the piss out of the piss-poor attendance at his pitiable inauguration, and Trump appears to be following every single one of them on Twitter. It’s clear to me that whatever means he’s used to survive up until this point aren’t going to work in his new role. There’s simply too much scrutiny and ridicule, and it’s going too deep. He’s too much of a shallow narcissist to ignore it. Trump is going to learn the wisdom of Jacques Lacan: “the madman is not only a beggar who thinks he is a king, but also a king who thinks he is a king”. Whatever monster he has buried in his mind is going to rise up to bite off huge chunks of him from within.
Trump is famously hostile to the notion of learning: no-one has anything to teach him. He was born rich, and that means he’s a genius and that everyone must respect him. He appears to have no ability for self-reflection. The mirrors he has in his mansion may be framed in gold, but he’s never been able to bring himself to look into them for more than a few seconds. Instead he’s surrounded himself with people who tell him what he wants to hear, who repeat back to him his inner mantra: you’re the richest, the best, the greatest writer, builder, statesman, etc etc etc. But it’s his inner voices that are the problem, the ones that tell him that he’s nothing, a failure, that everyone sees him as a joke. The ones that (presumably) sound a lot like his father.
His tweets in particular reveal that at some level he knows that his self-aggrandising self-image is hollow and brittle. So he lashes out, including physically. And it’s getting worse. People are laughing louder. He’s now put himself in a position where the entire world knows that he is venal, insecure, stupid and deluded.
He’s become in two days the paranoid and deluded ruler of so many novels by Latin American and African writers. Usually this point is reached after several decades of rule and the imposition of terror and a cult of personality. He’s the kind of leader that the U.S. has imposed on so many other countries; there is an element of chickens coming home to roost. He obviously took enormous consolation from his media image, the idea that he was ‘America’s CEO’. He believed this and seems to have internalised it, but is also taunted by a nagging awareness that it was little more than a joke, a stupid slogan to sell a TV show. His supporters may not know that, but some will learn. He’s already starting to turn some of them against him. As he attacks their standard of living and doesn’t have the political skills necessary to calm their anger, they will see through him to the delusion, insecurity and vanity within. He’ll have no more defences and will be unable to hide from the stark fact that his flatterers don’t respect him. Putin in particular is evil but not stupid. He knows that Trump is an absolute moron. And he can’t control that smirk of his.
Lacan said that what matters in psychoanalysis is not so much what the client says, but what falls out of his pockets while speaking. Trump appears to have absolutely no idea what he has in his pockets, and now everyone on the planet is picking up things, inspecting them and telling him what they are. They are teaching him things about himself that he cannot bear to learn. He also knows that he is President in name only, and that’s not enough to sustain his ego.
He will snap very, very soon.
Our job is to increase the tension.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.