sábado, 28 de janeiro de 2017

Trump, o rei dos tempos modernos

OPINIÃO


Não é um democrata, não é um liberal, não é um conservador, nem um fascista, nem um nacionalista, é um demagogo revolucionário, egocêntrico e autoritário, que só ouve a voz do seu próprio sucesso.
Imaginem uma mistura de um comentador anónimo cheio de fúria com todos que não são ele próprio com um troll da Internet e alguém que vive entre “gostos” e conflitos nas redes sociais, um participante num reality show, um espectador obsessivo de televisão do crime, do sangue, dos escândalos, dobrado de um dos banqueiros que nos fez chegar à crise de 2008, um dos empresários que faz parte da lista das imparidades da Caixa, do BES, de tudo quanto é banco e continua a viver como se nada fosse, um menino mimado, um bully que se sente impune para ameaçar quem quiser e tem alguns meios para ser temido nessas ameaças. Ao fazer isto tudo, ou algumas destas coisas, ao ter alguns destes vícios e obsessões, fica-se a pensar e a actuar de uma determinada maneira? Claro que fica. E não é boa.
Pois deitem salvas e foguetes, uma personagem destas chegou a Presidente dos EUA. É um populista e um demagogo clássico? Também é, mas é mais moderno do que clássico, mais novo do que antigo. Esqueçam a senhora Le Pen (não, não esqueçam), um produto reciclado da extrema-direita francesa, uma das que têm maior história na Europa, porque Trump é outra coisa, com outra história, outros know-how, outros riscos enormes para a democracia e a paz do mundo. Trump é um populista e um demagogo, mas também é um revolucionário, quer realmente mudar as coisas, nem que para isso tenha de levar tudo à frente. Para onde as quer levar sabemos pelos slogans e as intenções, mas eu aconselhava toda a gente a tomá-los à letra, mesmo quando contraditórios. Quer fazer da América “grande”; quer “dar voz” aos danados da terra do rust belt; quer dar aos empresários tudo o que precisam para deixarem de se preocupar com impostos, com a regulação, com tudo o que lhes dificulte ganhar mais dinheiro e fazer mais fábricas, mais empresas, mais automóveis, mais pontes e estradas; quer expulsar os “outros”, milhões de estrangeiros ilegais, que diz estarem nos EUA, quer-se dar bem com Putin, que acha que é como ele, esperto, audaz, sem regras, e não está disposto a ter de pagar a defesa dos europeus, nem dos japoneses, nem dos coreanos, nem de ninguém que não seja americano.
Mais do que querer controlar como nós pensamos, quer forçar-nos a pensar como ele pensa. Se não vão a bem, vão a mal. No seu mundo, a sua opinião sobre as coisas é equivalente à verdade, uma atitude muito comum nas redes sociais e usa todos os meios para que, se não conseguir que só a sua “opinião-verdade” circule, pelo menos que circule com o mesmo estatuto dos factos. Há vários exemplos típicos de como se perde qualquer conteúdo neste tido de comunicação. Comunica-se apenas a força, mais nada. Depois de ter feito declarações ofensivas para as mulheres várias vezes, quando confrontado, repete à saciedade que “ninguém mais do que [ele] respeita as mulheres”. Repare-se: “ninguém mais…” Fez o mesmo com os serviços de inteligência. Depois de lhes ter chamado “nazis”, foi à CIA dizer que “ninguém mais do que [ele] preza os serviços de informação”- Repare-se, de novo: “ninguém mais…” Tudo se torna opinião – insisto, como nas redes sociais – e num mundo em que a opinião, a impressão, o “achar” substituem os factos pela força do número e a amplitude do vozear. A racionalidade é expulsa. Domina apenas o pathos.
A relativização do espaço público torna-se total e isso faz depender o que cada um pensa apenas da força de quem tem mais força. O bullying na informação é um factor fundamental da “experiência Trump” para varrer o espaço público dos factos incómodos e mostrar que apenas uma voz tem força – a sua. É um dos sinais mais preocupantes da tendência para o autoritarismo em Trump.
Veja-se a utilização do Twitter. Trump usa o Twitter para dar notícias, para emitir opiniões e para fazer uma espécie de decretos presidenciais. Nada do que ele faz é novo, tudo são formas clássicas de comunicação. Se, em vez de dizer no Twitter “Amanhã haverá novidades sobre segurança nacional”, os seus serviços de imprensa fizessem uma nota dizendo “O presidente Trump anunciará amanhã numa visita à sede de CIA novas iniciativas sobre segurança nacional”, o conteúdo seria exactamente o mesmo. Se fizesse uma declaração à imprensa à saída ou à entrada de uma reunião, como é habitual acontecer em Portugal, dizendo que é um escândalo a CNN manipular o número de pessoas na tomada de posse, é o mesmo que no Twitter dizer as mesmas palavras, sem tirar nem pôr. O uso do Twitter para anunciar uma decisão é o mesmo que emitir uma “ordem executiva” que depois assina em papel numa pasta de couro emoldurada a ouro. 
Nada disto é novo, só teve um upgrade tecnológico que lhe dá uma dimensão nova e essa dimensão tem sérias consequências sociais, culturais e políticas. Ao escolher um sistema de mensagens que tem o limite de 140 caracteres, Trump está a fazer uma declaração, um grito, uma ordem, mas prescinde de qualquer explicação racional para o que está a dizer, porque não cabe na mensagem, nem ele o quer fazer. Mas está também a falar do local do poder, a tornar puramente pessoal a comunicação e a pretender fazê-lo sem mediação. Aqui está outra coisa em que ele é moderno: para ele não importa, nem ele deseja, que haja qualquer mediação que “inquine” a sua voz. É ele e o “povo”. O Twitter substitui a comunicação social.
Todas as suas declarações e medidas são quase sem excepção inaceitáveis numa sociedade democrática, e não adianta dizer que tudo foi sufragado pelo “povo” em eleições. Uma democracia, vale a pena estar sempre a repeti-lo, não é apenas o voto – é também os procedimentos e o primado da lei. O modo como fala de deportar os ilegais só pode ser feito com um enorme reforço policial e campos de concentração. E depois onde é que os deixam? Na fronteira com o México? Atiram-nos ao mar para eles regressarem à Síria ou ao Brasil? Deportar dois milhões de pessoas não tem precedente desde a Segunda Guerra e não pode ser feito em tempo de paz sem uma mudança estrutural do Estado, tornando-o um Estado policial. O modo como fala da tortura viola várias convenções sobre a guerra e as declarações de direitos humanos que os EUA assinaram, para além de que qualquer militar lhe dirá que isso expõe os soldados americanos ao mesmo tipo de práticas. As guerras não são só com o ISIS, que não conhece qualquer regra, mas com outros inimigos, que estarão agora à vontade para aplicar aos americanos os mesmos métodos. A Administração Trump ficará igual aos torcionários argentinos e brasileiros.
A imediata ameaça e chantagem às empresas que trabalham fora dos EUA, às cidades que se recusam a entregar informação sobre emigrantes ilegais que nelas habitam, como Nova Iorque, ou que se recusam a aceitar as políticas de discriminação religiosa contra os muçulmanos, a todos os sectores da administração ligados a políticas de natalidade, de controlo dos nascimentos, de igualdade de género são também mais típicas de uma governação autoritária do que democrática.
Trump quer fazer o que quer sem qualquer entrave. Não é um democrata, não é um liberal, não é um conservador, nem um fascista, nem um nacionalista, é um demagogo revolucionário, egocêntrico e autoritário, que só ouve a voz do seu próprio sucesso. E, como sucesso não lhe falta, essa voz soa-lhe bem alto. Milhões de americanos já entenderam que com Trump a resistência tem de ser imediata e constante e não pode ser complacente ou adiada. Como Trump tem com ele também muitos milhões, o ambiente político nos EUA é de cortar à faca e vai-se agravar todas as vezes que ele abrir a boca, e vai abri-la todos os dias, porque precisa de um contínuo fluxo para alimentar o seu estilo revolucionário. Menosprezem-no e pagarão um preço bem alto.


Manuel Orlando Maciel É possível num país democrático um lunático, propotente, déspota, enfim alguém que não está habituado a respeitar os outros e as instituições democráticas, ser eleito? Não era precisa a eleição de Trump para chegarmos a essa conclusão, mas neste caso assume maiores proporções, porque se trata de uma potência mundial e as repercussões das duas atitudes e ações têm projeção mundial.
Gosto · Responder · 2 · 19 min


Fred Pinto "Donald Trump? Menosprezem-no e pagarão um preço bem alto". Façam-lhe a vontade e pagarão um preço ainda maior!!
Gosto · Responder · 10 · 2 h


Rui Delvas Chora mimi, chora e toma rennie.
Gosto · Responder · 4 · 1 h


Fred Pinto Deixo o Rennie para ti Rui Delvas, de preferência em formato de supositório que é para alegrar essa frustração que deve ser a tua vidinha!!
Gosto · Responder · 3 · 33 min


Maria Pereira Lá está, teremos que não o menosprezar ,mas tb não lhe fazer a vontade.
Gosto · Responder · 1 · 19 min


Escreve uma resposta...




Maria Clara Gama Prazeres É triste e lamemtável o estado a que chegou América. Com os seus defeitos podíamos contar com ela . Hoje está ao nível da Coreia do Norte com um desiquilibrado a governar
They vote they deserve him. Make a wall for us! Americans you are not welcome anywhere! Olho por olho!😈
Gosto · Responder · 8 min


Pedro Solomia Mais um calinada do Sr. "Comuna" Pereira. Tudo o que o Trump faz é "inaceitável", mas que soluções apresenta para combater a devastação industrial? Nenhumas. Mais irritante é o Sr. Pacheco armar-se agora também no defensor dos muçulmanos, no entanto já referiu que a sua vivência na Bélgica, lhe mostrou como as ruas mudaram dramaticamente.
Gosto · Responder · 13 · 2 h


Jose Lloyd !? Acha mesmo , mas que calinada esse comentário
Gosto · Responder · 8 · 2 h


Jorge Carvalho Pacheco tem que apesentar soluçöes por alma de quem...? As ruas em Portugal mudaram desde 1500.. O Martim Moniz è o mesmo desde a Renascença... Irritantes manias dos "comunas" de entäo de aceitarem muçulmanos, indus , africanos e conviverem muito bem com outras nacionalidades e crenças...
Gosto · Responder · 4 · 2 h · Editado


Escreve uma resposta...




Robert Kuzka Excelente descrição da patologia chamada Trump.
Gosto · Responder · 14 · 2 h


Mário Silva Camelo Pois é... Trump é isso tudo!! Sabe, sr. Pacheco porque é que ele foi eleito????? NÃO É POLITÍCO!! Só isso, os eleitores estão fartos deles (politícos).
Gosto · Responder · 1 · 1 h
1 resposta


Antonio Castanheira Mendonça Até que enfim algo que vale a pena ler do 'tachista vendido'.
Gosto · Responder · 1 · 1 h


Francisco Aguiar Este Pacheco Pereira já está totó há muito tempo desde que virou comuna
Gosto · Responder · 5 · 2 h
2 respostas · 1 h


Sofia Fonseca L. Simoes Trump não é de esquerda e isso está a deixar os midia e a Maçonaria em estado de obsessão paranoico depressiva.
Gosto · Responder · 1 · 1 h · Editado
1 resposta


Vitor Francisco O Pacheco retirou-se no seu museu de bandeiras e crachás e desactualizou-se.
Gosto · Responder · 2 · 1 h


Nuno Miguel Coelho Lourenço Nunca se pode menosprezar um idiota com poder, que é apoiado por todos os idiotas de uma terra de idiotas...
Gosto · Responder · 2 · 1 h


Paulo Paiva Tenho a certeza que será o melhor presidente que Estados Unidos que já tiveram estou de acordo com tudo que trump tem feito..
Gosto · Responder · 4 · 2 h · Editado


Miguel Lopes Tenho a certeza que será o pior presidente que os Estados Unidos já tiveram.
Gosto · Responder · 3 · 2 h


Paulo Paiva Não partilho tua opinião respeito precisámos de um presidente assim em portugal que não precise de ser presidente para enriquecer ...
Gosto · Responder · 4 · 2 h


Miguel Lopes Pk julga que o Trump não apresentou a declaração de impostos? Acha mesmo que vai ficar ausente das suas empresas!? Claro que vai encher-se e à grande.
Gosto · Responder · 1 · 2 h


Jorge Carvalho Paulo Paiva ... Näo, precisamos è de um presidente que faça enriquecer amigos e outros lobbies como Trump... Porque isso näo aconteceu ainda... Parece que os americanos estäo 100 anos atrasados em relaçäo a esta provincia "espanhola" nisso e noutras coisas...
Gosto · Responder · 4 · 2 h


Rui Delvas Miguel Lopes Não apresentou a declaração de impostos porque a lei não o obriga.
Gosto · Responder · 2 · 1 h


Miguel Lopes Rui Delvas Ou terá sido para não fazerem comparação do antes e depois!?
Gosto · Responder · 2 · 1 h


Daniel Pinto Jorge Carvalho mete mais tabaco nisso
Gosto · Responder · 1 h


Eduardo De Magalhaes Nobilioni Então vc é tão doente quanto ele.
Gosto · Responder · 1 · 1 h


Maria Clara Gama Prazeres Por exemplo o seu Presidente Marcelo
Acha que ele está a enriquecer? Maldade ou ignorância?😈
Gosto · Responder · 5 min


Paulo Paiva Sua ignorância..
Gosto · Responder · 3 min


Escreve uma resposta...




Jorge Manuel Este Pacheco Pereira saiu um bom pardal. Começou por ser esquerdista radical, depois tornou-se numa espécie de anti sistema, anti-maçonico mas foi comprado e bem pago pelo próprio sistema. Ele comenta na tv com o maçon coelhone. Acho que chega
Gosto · Responder · 51 min


Mario Assuncao Por menos palavras explicavas isso é um Louco
Gosto · Responder · 1 · 1 h


Joaquim Coelho Mais umas pérolas a porcos.
Gosto · Responder · 2 · 1 h


Nela Marques Pereira Excelente artigo a não perder!!
Gosto · Responder · 5 · 2 h


João Miguel Pelica Trump, a Nêmesis dos EUA e do Ocidente...
Gosto · Responder · 1 · 2 h


Maria Mateus Concordo com Pacheco Pereira
Gosto · Responder · 1 · 36 min


Cosmina Holobut "Domina apenas o pathos." Bem escrito!
Gosto · Responder · 2 h


Manuel Coelho Esperar para ver. Mas não prevejo nada de bom com este trump
Gosto · Responder · 1 h


Yolanda Artiaga Sim, sim!
Gosto · Responder · 2 h


José Paulo Amaral Rocha de Oliveira Se lhe derem tempo deixará um enorme rasto de desgraças.
Gosto · Responder · 36 min


Edson Monografias Aguardando uma alma Bondosa pegar no texto e colar nos comentários 😁
Gosto · Responder · 1 h


Rui Delvas Aahahaahhahahhaahaha. Quem te dera a ti ter 1/10 da inteligência do homem.
Gosto · Responder · 3 · 1 h
1 resposta


João Leite Duque Só ladainhas e carpideiras no meio do público!
Gosto · Responder · 1 h


جز قردز Uma personalidade construida pela ausência de valores humanos!
Gosto · Responder · 5 min


Antonio José Exatamente
Gosto · Responder · 1 h


Ilda Pascoal Deixem o homem trabalhar
Gosto · Responder · 3 · 2 h

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.