terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Clinton conheceu Arábia Saudita e Qatar fornecem apoio "clandestino" à ISIS - WikiLeaks

Assange: Clinton & ISIS financiado pelo mesmo dinheiro, Trump não será permitido ganhar (JOHN PILGER EXCLUSIVE)
Publicado em: 4 Nov, 2016 05:00
Horário editado: 5 Nov, 2016 15:34
Obter URL curto


115K997
No segundo trecho do John Pilger Special, que será transmitido exclusivamente pela RT no sábado, cortesia de Dartmouth Films, Julian Assange acusa Hillary Clinton de enganar os americanos sobre o verdadeiro alcance do apoio do Estado islâmico dos aliados do Oriente Médio de Washington.
Em um e-mail de 2014 divulgado pelo WikiLeaks de Assange no mês passado, Hillary Clinton, que havia servido como secretário de Estado até o ano anterior, insta John Podesta, então assessor de Barack Obama, a "pressionar" o Qatar ea Arábia Saudita " Que estão fornecendo apoio financeiro e logístico clandestino ao ISIL [IS islâmico, IS, ISIS] e outros grupos sunitas radicais ".


"Acho que este é o e-mail mais significativo da coleção", disse Assange, cujo site de denúncias divulgou três parcelas de e-mails relacionados a Clinton durante o ano passado, a uma entrevista exclusiva concedida por Dartmouth Films.

"Todos os analistas sérios sabem, e até mesmo o governo dos EUA concordou, que alguns números sauditas têm apoiado ISIS e ISIS financiamento, mas o rodeio sempre foi que é alguns príncipes" rogue "usando seu dinheiro do petróleo para fazer o que quiserem, Mas na verdade o governo desaprova. Mas esse e-mail diz que é o governo da Arábia Saudita eo governo do Catar que está financiando o ISIS ".

Assange e Pilger, que se sentaram para a entrevista de 25 minutos na Embaixada do Equador em Londres, onde o denunciante tem sido um refugiado desde 2012, então falam sobre o conflito de interesses entre o posto oficial de Clinton, que durante todo o primeiro mandato de Obama, Sem fins lucrativos do marido, e as autoridades do Oriente Médio, cujo desejo declarado de combater o terrorismo pode não ter sido sincero.

Consulte Mais informação
Assange: WikiLeaks não recebeu e-mails de Clinton do governo russo (JOHN PILGER EXCLUSIVE)
John Pilger: Os sauditas, os qataris, os marroquinos, os bareinenses, particularmente os dois primeiros, estão dando todo esse dinheiro à Fundação Clinton, enquanto Hillary Clinton é secretária de Estado, eo Departamento de Estado está aprovando a venda maciça de armas, particularmente a saudita Arábia.

Julian Assange: Sob Hillary Clinton - e os e-mails de Clinton revelam uma discussão significativa sobre isso - o maior acordo de armas do mundo foi feito com a Arábia Saudita: mais de US $ 80 bilhões. Durante seu mandato, as exportações totais de armas dos Estados Unidos dobraram em valor em dólar.

JP: É claro que a conseqüência disso é que esse notório grupo jihadista, chamado ISIL ou ISIS, é criado em grande parte com dinheiro de pessoas que estão dando dinheiro à Fundação Clinton?

JA: Sim.

LEIA MAIS: Clinton conheceu Arábia Saudita e Qatar fornecem apoio "clandestino" à ISIS - WikiLeaks

Pilger também questionou Assange sobre as acusações cada vez mais frequentes do campo de Hillary e dos meios de comunicação ocidentais, de que o WikiLeaks está tentando balançar as eleições presidenciais dos EUA na próxima semana em favor de Donald Trump - talvez por ordem russa.

Mas Assange descartou a perspectiva de Trump, que está atrás nas pesquisas, vencendo como improvável - e não necessariamente devido à sua posição com o eleitorado.

"Minha análise é que Trump não teria permissão para vencer. Por que eu digo isso? Porque ele teve cada estabelecimento fora de seu lado. Trump não tem um estabelecimento, talvez com a exceção dos Evangélicos, se você pode chamá-los de um estabelecimento ", disse Assange. "Bancos, inteligência, companhias de armas, dinheiro estrangeiro, etc. estão todos unidos atrás de Hillary Clinton. E a mídia também. Proprietários de mídia, e os próprios jornalistas. "

LEIA MAIS: 'Abate Donald para Putin bromance': # Podesta15 e-mails revelam desvio de estratégia ISIS para Clinton

Assange: Clinton & ISIS funded by same money, Trump won’t be allowed to win (JOHN PILGER EXCLUSIVE)

 
In the second excerpt from the John Pilger Special, to be exclusively broadcast by RT on Saturday, courtesy of Dartmouth Films, Julian Assange accuses Hillary Clinton of misleading Americans about the true scope of Islamic State’s support from Washington’s Middle East allies.
In a 2014 email made public by Assange’s WikiLeaks last month, Hillary Clinton, who had served as secretary of state until the year before, urges John Podesta, then an advisor to Barack Obama, to “bring pressure” on Qatar and Saudi Arabia, “which are providing clandestine financial and logistic support to ISIL [Islamic State, IS, ISIS] and other radical Sunni groups.”
“I think this is the most significant email in the whole collection,” Assange, whose whistleblowing site released three tranches of Clinton-related emails over the past year, told Pilger in an exclusive interview, courtesy of Dartmouth Films.
“All serious analysts know, and even the US government has agreed, that some Saudi figures have been supporting ISIS and funding ISIS, but the dodge has always been that it is some “rogue” princes using their oil money to do whatever they like, but actually the government disapproves. But that email says that it is the government of Saudi Arabia, and the government of Qatar that have been funding ISIS.”
Assange and Pilger, who sat down for their 25-minute interview at the Ecuadorian Embassy in London, where the whistleblower has been a refugee since 2012, then talk about the conflict of interest between Clinton’s official post, which held throughout Obama’s first term, her husband’s nonprofit, and the Middle East officials, whose stated desire to fight terrorism may not have been sincere.
John Pilger: The Saudis, the Qataris, the Moroccans, the Bahrainis, particularly the first two, are giving all this money to the Clinton Foundation, while Hillary Clinton is secretary of state, and the State Department is approving massive arms sales, particularly Saudi Arabia.
Julian Assange: Under Hillary Clinton – and the Clinton emails reveal a significant discussion of it – the biggest-ever arms deal in the world was made with Saudi Arabia: more than $80 billion. During her tenure, the total arms exports from the US doubled in dollar value.
JP: Of course, the consequence of that is that this notorious jihadist group, called ISIL or ISIS, is created largely with money from people who are giving money to the Clinton Foundation?
JA: Yes.
Pilger also questioned Assange over increasingly frequent accusations from the Clinton camp, and Western media, that WikiLeaks is looking to swing next week’s US presidential election in favor of Donald Trump – perhaps at Russia’s behest.
But Assange dismissed the prospect of Trump, who is behind in the polls, winning as unlikely – and not necessarily due to his standing with the electorate.
“My analysis is that Trump would not be permitted to win. Why do I say that? Because he has had every establishment off his side. Trump does not have one establishment, maybe with the exception of the Evangelicals, if you can call them an establishment,” said Assange. “Banks, intelligence, arms companies, foreign money, etc. are all united behind Hillary Clinton. And the media as well. Media owners, and the journalists themselves.”

READ MORE: ‘Slaughter Donald for Putin bromance’: #Podesta15 emails reveal ISIS strategy diversion for Clinton

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.