domingo, 18 de dezembro de 2016

“Passos Coelho está agarrado ao lugar”

POLÍTICA

Alberto João Jardim: 

11
Depois de dois anos de ausência da vida política, Alberto João Jardim deu uma entrevista ao Público onde tece fortes críticas a Pedro Passos Coelho e elogia António Costa.
Sobre a Caixa Geral de Depósitos, Jardim admitiu que "o que se passa" faz "rir amargamente"
MANUEL DE ALMEIDA/LUSA
Em entrevista ao jornal Público, a primeira depois de meses de silêncio, Alberto João Jardim teceu fortes críticas ao líder do PSD, Pedro Passos Coelho, com quem admitiu ter “uma questão pessoal”, acusando-o de “estar agarrado ao lugar”, de ter “mau caráter” e de se “ter retirado da matriz social-democrata e ter arrastado o PSD para a direita”.
“O facto do governo socialista assentar em apoio parlamentar comunista e o facto do dr. Passos Coelho ter retirado da matriz social-democrata e ter arrastado o PSD para a direita, deixou uma enorme vaga no centro favorecendo o aparecimento de coisas novas”, defendeu o ex-presidente do governo regional da Madeira. “Hoje o centro-político não existem em Portugal”.
E aquelas guerrinhas do alecrim e da manjerona que se fala dentro do PSD são mais do mesmo. São sempre as mesmas histórias com as mesmas ‘carinhas’. Eu disse ‘carinhas’ de propósito.”
Questionado sobre se tinha votado no PSD nas últimas eleições, Jardim admitiu que não o fez. “Não votei nos outros, mas não tenho receio em dizer que não votei no Dr. Passos Coelho. Por razões nacionais e por razões regionais”, afirmou, admitindo que “existe de facto uma questão pessoal entre nós” e que Passos foi “incorreto” consigo. “Ele não desejava a minha vitória por maioria absoluta nas últimas eleições que disputei e consegui. A declaração que ele fez na noite em que consegui a décima maioria absoluta, quase parecia que o PSD nacional estava infeliz pela vitória.”
Acusando Passos Coelho de “mau carácter”, o ex-presidente da Madeira acusou ainda o líder do PSD de não ter tratado de forma correta “uma pessoa que esteve” à frente do partido “quase 40 anos que deu 46 vitórias eleitorais ao partido”. Apesar disso, Alberto João Jardim considerou que nada disso “conta para efeitos políticos”. “Ele, inclusivamente, como líder da oposição deu uma imagem ineficiente e sobretudo infeliz nas opções de combate, de confronto político com o Governo.”
Para Alberto João Jardim, porém, o grande problema do PSD é “o Dr. Passos Coelho” continuar “agarrado ao lugar e permitir uma solução nova que traga o PSD novamente à social-democracia“. “Ele continua a fazer que as políticas dele eram sociais-democratas, quando eram na verdade tecnocratas e conservadoras impostas pelas instituições estrangeiras e que fizeram de nós um protetorado. Aliás, Portugal é hoje um protetorado, e o Dr. António Costa ainda não teve arte de sair disto.”

“Isso é uma habilidade do Dr. Costa”

Durante a entrevista concedida ao Público, todos os grandes elogios foram para António Costa. “Apesar de sobreviver com os votos tanto do Bloco de Esquerda como do Partido Comunista, é claramente um Governo do Partido Socialista”, afirmou Jardim, acrescentando que “isso é uma grande habilidade do Dr. Costa”.
Não se nota, não se sente, que qualquer das formações comunistas tenha tido grande influência no correr da vida pública portuguesa. Isso é uma habilidade do Dr. Costa.”
Para Alberto João Jardim, a formação de um governo de esquerda acabou por ser “uma lição para um certo tipo de arrogância que os resultados eleitorais parecerem” ter proporcionado à “coligação PSD/CDS”. “O Dr. Passos Coelho cometeu dois erros. Primeiro ter radicalizado a sociedade portuguesa e depois não ter falado com o Partido Socialista antes. De certo modo, esta solução de Governo, é um castigo para o comportamento do Dr. Passos Coelho“, defendeu, considerando que o CDS fez muito melhor a transição.
Sobre a Caixa Geral de Depósitos, Jardim admitiu que “o que se passa” faz “rir amargamente”. Considerando que todo o processo está a ser conduzido “pessimamente” pelo Governo e pela oposição, o ex-governante defendeu que este “desacreditou ainda mais o sistema político”.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.