quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

NEPOTISMO E TRIBALISMO NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SONGO (PARTE II)



INBOX:
" Mano Unay publica mais isto a cerca das sujeiras no ISP-Songo sempre no anonimato.
Parte - II Nepotismo, Clientelismo, Sexualismo e Tribalismo no lnstituto Superior Politécnico de Songo (ISP-Songo) Dando seguimento aos assuntos sujos que são praticados pelo director do ISP-Songo, o gordo e ditador Francisco Vieira, temos informações frescas que garantem que ele sem justificações convincentes não paga subsídios de alojamento aos seus docentes a 4 meses, situação esta que está sendo muito caricata para os docentes, visto que são obrigados a tirarem do seu magro salário os valores para pagarem injustamente a renda de casas, e mesmo assim nos finais do ano passado o instituto tinha muito dinheiro de sobra e ele preferiu usar o tal dinheiro para fazer as suas luxuosas viagens para Inglaterra onde reside a sua esposa, mentindo e inventando sempre viagens de trabalho enquanto que vai la so para atender os seus apetites e da sua família usando o dinheiro do instituto. Outra informação triste é do mesmo dinheiro de sobra que ele ordenou fraudulentamente para que fosse canalizado nas contas bancárias de alguns funcionários da sua confiança e sobre tudo os machanganas seus defensores e lambe-botas do instituto, em vez de usar o tal dinheiro para pagar as rendas dos docentes ele preferiu usar em coisas fúteis. Existe tambem um grupo de funcionários do instituto, sobretudo os do sul, machanganas, que estão quase sempre a puchar-saco do gordo mesmo sabendo das asneiras que o porco comete naquele instituto, esses funcionários como ja é sabido, comportam-se assim para garantirem promoções e ter cargos de chefia no instituto, e gostam muito de dinheiro um ábito que é normal dos sulistas pobres. Um outro assunto muito grave, têm a ver com a forma discriminatória de como o gordo trata os funcionarios daquele instituto. Se um machangana comete a mesma falha que um "chingondo", o "chingondo" é mais penalizado em relação ao machangana, uma situação clara de tribalismo acentuado que aquele porco está fomentado naquele instituto. Alguns docentes do sul atribuem fraudulentamente notas e informações de testes e exames aos estudantes do sul, e o gordo sabe disso mas não faz nada porque são conterrãneos dele. E até outros se envolvem em actos eróticos com as estudantes mas ele nem os toca e nem os adverte por serem todos do sul. Ainda traremos mais coisas fúteis e banais do gordo e porco Francisco Vieira".
há 3 horas · Enviada através do Messenger
NOTA:
Estas práticas também são "normais" em todas embaixadas e consulados de Moçambique no estrangeiro em que 99.9% dos funcionários sao do sul e chegam ao desplante de falar abertamente changana nos escritórios como se fosse alguma língua oficial de Moçambique.
Mesmo que o embaixador seja um chingondinho, o cenário nunca muda. Depois dizem que Unay Cambuma e tribalista e divisionista. O incrível de tudo isso e que nem o chingondo Nyusi consegue acabar com estas práticas retogradas da máfia sulista da Frelimo.
LikeShow more reactions
Comments
Amicides Goveia Campos Averdade e sempre dita triste
Like4 hrs
Ben Manecas Benito Sem comentarios
Like3 hrs
Marcos Dos Santos Ernesto Esta mal mesmo
Like3 hrs
Artur Matusse Mano Unay Cambuma eu gosto muito de ti. O texto fala de denuncia que acontecem no instituto de songo, mas o que me deixa triste é de a pessoa que te mandou a mensagem usar muito a linguagem TRIBALISTA o que nao fica bem publicar este tipo de textos. Eu condeno muito o tribalismo porque nao estou a favos, nos todos somos. Quanto ao director que haja justica
Like13 hrs
Artur Matusse Quiz dizer somos irmaos
Like3 hrs
Agostinho Nhampossa Tribalista, intriguista e fofoqueiro é o autor deste post.
Like3 hrs
Omar António Sobre a nao pagamento de rendas eu sou da opniao, kem mora dessa casa è k paga, o instituto pode pagar salario dox seus docente obrigatoriamente. Eles ganham muita mola e entao desconseqe tirar 3% para pagar renda? Ou entao vao morar nas salas de aula praticas
Like3 hrs
Joao Decrecio Paulo Nao tem cabimento que estas a dizer
Like9 mins
Joao Decrecio Paulo Se o instituto prometeu pagar rendas é que paguem,nao dar meia volta.
Like8 mins
Jeremias Macamo É impossível combater o tribalismo pelo tribalismo, ou então o individuo que assim procede é tribalista por ideologia.
Like2 hrs
Baptista Magaia Todas coisas que falaram eh normal onde existem pessoas só eu condeno o tribalismo acentuado eu mesmo já fui chamado Chingondo com Pastores amigo no Sul
Like2 hrs
Chaquiro Selemano A ser verdade,estamos com uma patologia muito grande em mocambik.k resume se da ingnorancia.o ser humano e uma unica pessoa feita de matope e arreia.k tarde ou cedo voltara se a juntar se com a propria areia.sejam unidos perante a o vosso criador.pois ambicao,arrogancia,egoismo,etc.nao vai vos levar a nenhum lado.temem castigado de Allah.o humano.
Like2 hrs
Jornal Zechau Isso de tribalimo aqui em mocambique existe isso e verdade pessoas do sul chamam pessoas do centro e norte de chingondo os do sul sabe disso nae mentira agora se e assim vamos divir o territorio porque quem divide os sao do sul nem de &a no voces que ja isso sabe e sao as mesmas pessohba que defende quem no no nao pode de n divido . porque quer andar asultar as
Like1 hr
Jornal Zechau Esse director desse instituto de songo tem abuso ele e malandro sai na terra dele ir semeiar tribalismo na terra do outro quando esse chingondo sai de la em tete para maputo chamam ele de chingondo quando vai na terra dele voces presegue ele para chamar chingondo . porisso esse director e bom abandonar essa provincia os do centro e norte nunca vos insultaram . porque que voces tambem nao faz o mesmo . voces do sul que semeia tribalismo aqui em mocambique por chamar entao ate quando que vai isso esse comentrio vai para aquelas pessoas que fomenta tribalimo nao unidade isso em bom deixar .
Like1 hr
Joao Decrecio Paulo Aqui no centro nao tem pessoas qualificada pra a tal posiçao???

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.