domingo, 22 de janeiro de 2017

Jornal de Angola diz que Portugal tem “plano diabólico” para interferir nas eleições


Angola
1.099
17
O Jornal de Angola escreve este sábado, em editorial, que Portugal tem em curso um "plano diabólico" para interferir "em massa" nas eleições gerais que se deverão realizar em agosto no país.
JOAO RELVAS/LUSA
Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre
O Jornal de Angola escreve este sábado, em editorial, que Portugal tem em curso um “plano diabólico” para interferir “em massa” nas eleições gerais que se deverão realizar em agosto no país.
O editorial, assinado pelo diretor do jornal, que é detido totalmente pelo Estado angolano, intitula-se “A viragem no caminho da América” e aborda essencialmente as preocupações mundiais após a tomada de posse de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos da América (EUA).
“Portugal prepara-se para exercer uma interferência em massa nas eleições gerais deste ano em Angola”, lê-se no editorial. “O voto não é respeitado. Uma fraude eleitoral e um escândalo”, lê-se no editorial, sobre o processo eleitoral norte-americano, por ser “decidido por um Colégio Eleitoral que decide de modo diferente da vontade expressa pelo eleitorado”.
“A candidata democrata Hillary Clinton teve mais três milhões de votos do que o adversário, suficientes para ser declarada vencedora, mas o Colégio Eleitoral deu a vitória a Trump. A derrota de Hillary, vencedora da votação, foi uma vergonha para a democracia mundial”, insiste o editorial do Jornal de Angola.
Após uma extensa análise ao processo eleitoral dos Estados Unidos e de crítica aos oito anos de liderança de Barack Obama, o texto termina com um alerta: “Portugal prepara-se para exercer uma interferência em massa nas eleições gerais deste ano em Angola”.
Acrescenta que “com a ajuda de antigos colonos, servidores do apartheid, finança internacional, falsos jornalistas, canais televisivos e revolucionários de pacotilha, está em curso um plano diabólico”. “Talvez não fosse mau seguir as lições do passado e o exemplo de Trump. Deixem ser os próprios angolanos a decidir sobre os seus destinos”, conclui o editorial.
Angola tem previstas eleições gerais (presidenciais e legislativas) para agosto de 2017. O país é liderado desde 1979 por José Eduardo dos Santos, mas o chefe de Estado anunciou anteriormente que pretende retirar-se da vida política em 2018.

Cipião Numantino
2 h
Puxa, nada melhor do que estes cromos angolanos para puxarem o lustro ao meu ego. Se continuam a esfregar a lâmpada ainda sai de lá um novo Afonso Albuquerque. Armada para submeter os angolanos? Pois, certo, ora aí está, pois então, mandamos os dois submarinos da classe Barracuda. Um sobe e não desce e o outro desce e não sobe! Não subam já para os coqueiros, não! Buummm!...
José C. Aguiar
4 h
AhAhAh! He!He!
Ainda eles não sabem que já foi despachado o maior porta-aviões português para a baía de Luanda! Além de uns quantos drones, leva uma carrada de rum e coca cola para distribuir "cuba libre" pelos eleitores.
Consta ainda que leva também milhôes de T-shirts do R7 para competir com as do ZéDu!
Estão lixados!!
Jesus Manuel
4 h
Já houve eleições alguma vez em angola ? Se for desta informem..ob grato.
Jesus Manuel
4 h
A família santos. e a sua Entourage de 2007 a 2012 torraram 32 mil milhões $ usa....ver no observador o artigo do jornalista do financial tines..angola a pilhagem de África.
no mundo do petróleo são considerados uns falidos
na banca ...a dona Isabel segundo o BCE não tem estatuto para administrar bancos 
Então a culpa é do costa? Parecem o sporting com os penslties..

Luís Casanova
5 h
Quando aparecem, na mesma frase, as palavras Angola e país, é certo tratar-se de uma anedota. Infelizmente.
Miguel Rosa
5 h
Ahahahahahaa
Para começar é burro. Nem percebe que na America as leis são e SEMPRE foram assim. Mas quando.os candidatos que lhes convinha ganhavam nunca contestaram . E garanto que os portugueses estão-se nas tintas para Angola. Só aqueles que tem interesses económicos em Angola tem interesse. Para os outros Angola tem  a democracia pela qual lutou . Agora afinal ainda estão piores ? O diabo colonialista afinal não era assim tão mau? Tal como Poncio Pilatos , lavamos dai as nossas mãos
... Ler mais
Paulo Guimarães
7 h
Um jornal em que na sua ficha de contactos não vem sequer um e-mail para onde os leitores possam enviar uma ideia, uma crítica, não pode ser levado a sério. Os editoriais do jornal de angola devem fazer o pleno na cúpula governamental em angola, mas certamente não vão mais longe que isso. Não é só cá que percisamos de uma mudança de geração para ver se as coisas mudam. Em angola é absolutamente essencial que isso aconteça
Jacinta Marques
7 h
A sério? Desconhecia que Portugal tinha tanto poder!
Carlos Mambo
8 h
Estes textos são lidos por nós (portugueses) de forma ligeira e anedótica, mas são a face visível da estratégia que o poder Angolano preparou para se perpetuar no poder. Em qualquer país em que a população está sujeita a tanta pobreza e criminalidade, seria impossível evitar que os eleitores procurassem políticos alternativos, com novas soluções, para os problemas que enfrentam. A atenção com que olham para o sucesso de Trump, revela bem o modelo que escolheram. Seria interessante se o Observador conseguisse contactar senadores americanos, ligados à CIA, para que esta revelem as informações que têm sobre as ligações entre o poder angolano e a Rússia de Putin! Não é por acaso que Putin está a ser um "case study" entre ditadores mundiais, de como um regime, aparentemente democrático, se consegue perpetuar, mesmo realizando eleições!
Fodelício dos SantosCarlos Mambo
8 h
Antes do Vladimiro ser um caso de estudo já o ZeDu era catedrático na matéria, cavalheiro.
João Gata
9 h
As Teorias da Conspiração que os Regimes Ditatoriais inventam para se perpetuarem no Poder são HILARIANTES !!!
Fodelício dos Santos
9 h
Coitado do Ribeirinho, está à beirinha dum ataque de nervos.

O que ele queria dizer não disse por manifesta incapacidade intelectual e falha congénita - é que Portugal terá " influência " nas eleições de Agosto tal como a Russia teve perante a eleição de Trump.

Mas isto faz parte duma campanha sistemática contra a Metrópole desde sempre e para sempre, justamente para desviar as atenções das tribos locais perante o " mosaico político " regional, digamos assim.

Ele que pergunte ao tenente-coronel Rogério Carvalho porque em 2012 o servidor da CNE estava ligado à Casa Militar do qual aquele era responsável da informática e porque é que os observadores internacionais não tiveram livre acesso pelo país inteiro.

E por enquanto por aqui me fico.
Paula Pereira
9 h
Eu gosto destes moços...leio estas noticias e sinto-me numa super-potência! O melhor elixir para a auto-estima portuguesa, quanto ao resto, abusam um pouco das bebidas, não abusam???
Fábio PereiraPaula Pereira
4 h
Eu só acho que, o pessoal em Angola devia partilhar um pouco daquilo que anda a fumar!
José C. AguiarPaula Pereira
4 h
"... abusam um pouco das bebidas, não abusam???"
Tem havido falta de wisky e o "caperroto" tem sido de má qualidade! É só isso!
Jorge Ventura
9 h
Cambada de imbecis, Portugal nem consegue ter um plano para pagar as contas ao fim do mês quanto mais....

Luis Ilheu
9 h
Portugal só tem é que "exigir" que Isabel dos Santos assuma a presidência de Angola!!! 

“A realidade na Coreia do Norte é muito mais assustadora do que a ficção”

“Porque é que a Espanha cresce mais do dobro do que cresce Portugal, apesar de ter estado quase um ano sem governo?", questionou.
Comentários
Jose Viana
Jose Viana Porque em Espanha não havia ninguém, que, com a ânsia de chegar ao poder, não chumbou as medidas necessárias para evitar a imposição de austeridade imposta pela troica, e, agora, com os Esqueletos escondidos, durante o seu governo, o dinheiro destinado ao investimento, apenas dá para acudir à banca.
Gosto · Responder · 13 · 5 h
Ana Alves
Ana Alves Entre outros motivos, claro, acima de tudo Espanha tem um nacionalismo muito forte Passos Coelho.... não vende o país ao desbarato e a qualquer um... são políticas diferentes... espítritos diferentes. Se lesses Ortega Y Gasset e Miguel de Unamuno entenderias um pouco isso, mas tu licenciaste-te ( nem passaste pelo curso) tarde e mal.... tens que rever alguma Filosofia e Ciências políticas....admite que enquanto lá estiveste não conseguiste fazer melhor.....
Gosto · Responder · 14 · 6 h · Editado
Julia Correia
Julia Correia Uauuu Ana, que lindo! 
Pena que um País não cresça com filosofia.
Um País cresce com políticas económicas que incentivam o investimento, tudo o que a geringonca não faz.
Gosto · Responder · 8 · 6 h
Nuno Alves Pinto
Nuno Alves Pinto Políticas essas que têm uma filosofia por detrás que são a matriz de tudo obviamente.
"Penso, logo existo" já o dizia René Descartes.
Gosto · Responder · 2 · 6 h
Nuno Alves Pinto
Nuno Alves Pinto Já agora a D. Ana fala e fala muito bem! Basta ler os contemporâneos portugueses da Geração 98 que se vê logo muita coisa a apontar a Portugal. Cito já Oliveira e Martins e Teixeira de Pascoaes, os respectivos homólogos portugueses de Gasset e Unamuno
Gosto · Responder · 2 · 6 h
Nuno Alves Pinto
Nuno Alves Pinto Aliás comparar a máquina económica espanhola à portuguesa é a mesma coisa que comparar um Citroen C3 a um Citroen C4. Obviamente há diferenças a começar pelo segmento, tecnologia e motorização aplicada.
Gosto · Responder · 2 · 6 h
Ana Alves
Ana Alves Julia Correia sim, tem razão, também, mas para isso tem que conhecer o espírito de um povo que depois forma um todo juntamente com os seus políticos... tal como o dos alemães, suecos, finlandeses que nada tem a ver com o latino.... também há filosofia económica...entre outras coisas... eu sei do que estou a falar.... basta ir a esses países, analisar, dialogar com pessoas dessas culturas ..... O MAL NÃO é só da Geringonça ou do partido anterior.... é um todo, a começar pelo povo... Na Suécia muitos políticos andam de transportes públicos... e aqui? Esse facto leva a muita coisa....
Gosto · Responder · 2 · 5 h · Editado
Ana Alves
Ana Alves Nuno Alves Pinto Sim e Antero de Quental.... Causas da decadência dos povos peninsulares... são leituras atemporais...
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Ana Alves
Ana Alves Nuno Alves Pinto Sim e Antero de Quental.... Causas da decadência dos povos peninsulares... são leituras atemporais...
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Julia Correia
Julia Correia Sim mas a Cultura de um povo está ligada à educação e a educação está ligada às políticas dos sucessivos governos. A Sra Ana Alves que creio que é professora, saberá melhor que eu a deterioração do ensino em Portugal . Falam os dois e muito bem em leituras de autores portugueses e não só. Mas quem os lê? 
Que hábitos de leitura são incutidos nos nossos jovens?
E a política de facilitismo dos governos das últimas décadas, que levou famílias a endividarem-se para comprar bons carros ou fazer férias no estrangeiro em detrimento da poupança?
Não podemos esperar um povo exigente, quando é genericamente inculto e desinformado e isso na minha modesta opinião está directamente ligado aos governos.
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Domicilia Claudio
Domicilia Claudio Julia Correia Tire as palas e veja quem tem apostado finalmente no crescimento económico, claro que é preciso fazer muito mais, mas comparando com os últimos anos, ninguém, mesmo com todas as dificuldades, fez tanto, como este Governo... Contra tudo e contra todos. Pois está sempre a ser combatido internamente, em vez de ser apoiado, pelo interesse do País!....
Gosto · Responder · 5 h
Fatima Costa
Fatima Costa Caro senhor ex-Primeiro Ministro Pedro Passos Coelho, os quatros anos que passou no seu governo, penso que lhe deram largamente a oportunidade temporal, de "ridiculizar" a vizinha Espanha, demonstrando que o progresso e prosperidade que conseguiu construir para o nosso país, são de longe melhores que os obtidos pelos seus homólogos espanhóis! Porém, quando nos interpela com o facto de que a Espanha, cresceu o dobro de Portugal, apesar de ter estado quase um ano sem governo, quer dizer que os resultados que o senhor obteve, são sinônimo da sua mediocridade e de um governo incompetente, onde o senhor era o Primeiro Ministro?! Bom, vamos por partes: desde que o senhor deixou de exercer as funções de Primeiro Ministro do nosso país, o seu índice de popularidade, é dos baixos de sempre e continua a descer, descer! A sua "performance" enquanto Presidente do PSD, tem sido objeto de críticas no seio do seu partido, que remetem em causa a sua capacidade a dirigir, revitalizar e reconquistar o espaço eleitoral perdido! Como testemunho, basta olhar para as várias sondagens publicadas! O contributo que devia ter dado ao país, enquanto "chefe" responsável da oposição, é dos mais ridículos dos últimos anos, e nomeadamente na história do PSD! A sua ação tem sido caracterizada por um constante destilar de ódio, desprezo e desprestigiaste para Portugal, de tal forma visível, que já conseguiu envergonhar a maioria dos seus colegas de partido! A sua atitude a querer passar por uma virgem ofendida é ridícula e pouco credível! Porém, é suficientemente visível e credível a sua vontade de vingança! Mas, o PSD, não precisa de vinganças, pois não será com elas que conseguirá conquistar a confiança das portuguesas e dos portugueses! Para reconquistar a confiança dos portugueses, terá de o fazer com factos, relevantes e credíveis, que se destaquem pela visível e palpável prosperidade criada para o país e para todos os seus cidadãos! Acabe com as suas demagogias saloias! Apresente-se com outra atitude aos portugueses, por exemplo: POSITIVA, pois continuando desta forma, não penso que consiga convencer alguém alguém das suas capacidades, para dirigir de futuro o nosso país! Não será, de certeza absoluta, passando a sua vida a tentar "desculpar-se" apresentando os "defeitos" dos outros, que poderá recuperar a sua credibilidade, mas sim, fazendo prevalecer e demonstrando as suas virtudes! Saiba que hoje os portugueses pensam que, PPC, quer dizer o seguinte: Pedro Perdeu a Cabeça! Para seu bem, do partido e do país, PPC, deveria querer dizer o seguinte: PPC-Pedro Precisa de Confiança! Neste momento, é mais PSD - Partido Sem Destino! PPC - Pedro Para Casmurro!
Gosto · Responder · 1 · 2 h
Ricardo Carvalho
Ricardo Carvalho Aqui só falam em troika e em FMI, mas devem se ter esquecido que estes só apareceram porque o que tenta agora governar o país era no passado um ministro dum governo que nos causou esses todos problemas
Gosto · Responder · 6 · 5 h
Maria Jacira Pinto Pereira
Maria Jacira Pinto Pereira Devia ter vergonha de tanto falar mal destes que estão pós tudo no miséria!!
Gosto · Responder · 2 h
Ricardo Carvalho
Ricardo Carvalho A senhora pode se explicar melhor e justificar se faz favor? vergonha só a terei quando errar ou ficar a dever, esses são os meus principios
Gosto · Responder · 1 · 1 h
Rui Ferreira
Rui Ferreira No teu tempo crescíamos a quanto , diz desavergonhado??'tem vergonha no que dizes e afirmas convencido que o "povo laranja" e não só já te esqueceu...bem pelo contrário quanto mais apareces mais irritas...!!!!!!
Gosto · Responder · 1 · 4 h
João Eiras
João Eiras Resolveu a criar e em 2015 o país cresceu o sinto do que em 2016 com a geringonça. Ponto.
Gosto · Responder · 2 h
Ana Alves
Ana Alves João Eiras A dita Geringonça, está a tentar "salvar" algumas coisas porque senão o país tinha sido vendido aos pedacinhos....
Fausto Marques
Fausto Marques Como a memoria dos interesses e tao curta.....ja se sabe onde estao os milhoes do desgoverno socialista de Socrates......quem pediu ajuda internacional! Pois o mesmo! Onde arranjou milhoes o que morreu? Os mesmos! Nisto de bancos governados pela fireita e jeitinhos a esquerda tem muita roupa suja para lavar? O ze povinho esse diz mal e paga! Ja vamos com 4o evtal anos.....o povo e ordeiro paga e nao bufa !
Gosto · Responder · 1 · 3 h
Domicilia Claudio
Domicilia Claudio Porque Espanha não esteve debaixo de regras do FMI e de governantes que durante quatro anos, venderam as Empresas mais produtivas aos amigos!....
Gosto · Responder · 18 · 7 h
Irene Neves
Irene Neves Portanto, está convencida que o crescimento económico de um País se faz através de empresas públicas? Haja paciência para tanta irracionalidade.
Gosto · Responder · 9 · 6 h
João Farinhote
João Farinhote Talvez, mas Espanha também não teve governos bancarroteiros que causaram 78 mil milhões de dívida aos credores nem protegeram bancos de corruptos.
Gosto · Responder · 2 · 6 h
Domicilia Claudio
Domicilia Claudio Irene Neves , Não, mas também....
Gosto · Responder · 5 h
Carlos Marques
Carlos Marques e quem foi o causador da vinda do dito fmi ??? ,ou tambem me vai dizer que a culpa foi do passos ???
Gosto · Responder · 3 · 5 h
Domicilia Claudio
Domicilia Claudio João Farinhote Claro, Espanha não queria governar a qualquer preço e por isso, responsabilizaram o sistema financeiro pelos seus problemas e assim, os bancos que resolvessem e pedissem o resgate, como veio a acontecer. Em Portugal a Politica e a finança, estava completamente comprometida pela corrupção que agora se conhece. Por isso, não se compare, o que não é comparável...
Gosto · Responder · 5 h
Domicilia Claudio
Domicilia Claudio Carlos Marques Passos, tal como hoje, só queria ser primeiro ministro e isso foi-lhe dado em troca de um testa de ferro que o FMI precisava para obedecer às suas ordens!... Ou por acaso este senhor alguma vez teve ideias próprias?! ....
Gosto · Responder · 2 · 5 h
João Farinhote
João Farinhote Domicilia Claudio, vai concordar comigo que governar com a corda na garganta do FMI não é a mesma coisa que herdar um país com mais credibilidade do que antes e depois de terem sido feitos muitos sacrifícios.
Gosto · Responder · 2 h
Ana Alves
Ana Alves Irene Neves mas iriam privatizar tudo... mais uns 4 aninhos e o que teríamos? Até com a escola pública queriam acabar, entre outras coisas....a privatização custa dinheiro ao povo... com a desintegração de vários sectores do país iria haver ainda mais pobreza... o pós 25 de Abril não fez produzir políticos carismáticos, preocupados com a Nação.... mas sim um grupo de meninos mimados pela luta do poder, que não sabem o que fazer com o país e com eles mesmos... tem havido nos últimos 40 anos corrupção ao mais alto nível em Portugal.
Gosto · Responder · 34 min · Editado
Agostinho Salgado
Agostinho Salgado Sr. Passos Coelho é muito simples de ver. Ou seja, nos momentos conturbados de Espanha, não se vendeu nem se privatizou ao desbarato como aconteceu no seu reinado. Agora, estão a colher o que semearam tal como estamos a colher o que você mais a sua comandita de incompetentes e corruptos semearam, que foi nada mais nada menos o descaracterizar o País dos seus bens elementares para uma política de apoio e de servir a População em geral que foi o que o seu governo não fez!!!...
Gosto · Responder · 1 h
Horácio Oliveira
Horácio Oliveira Como foi possível que este sujeito, ignorante, fingido, farsola, corrupto, invejoso, pedante, mentirosos, ter sido primeiro ministro. Esta mente doentia é capaz de tudo para tentar voltar ao poder, e vomita ódio por todos os poros.E dizia ele que se lixem as eleições ...
Gosto · Responder · 1 · 2 h
Ricardo Carvalho
Ricardo Carvalho Quer justificar ou é só um louco fanatico politico?
Gosto · Responder · 1 h
Ana Alves
Ana Alves Ricardo Carvalho o Passos Coelho envergonha o PSD... não tem carisma... esse partido teve melhores personalidades... conheço pessoas PSD que nunca o apreciaram.... como foi possível???
Jorge Luiz Sousa Rego
Jorge Luiz Sousa Rego Se continua medíocre que seria no tempo dele em que brincava aos governos!!! Passos não vale a pena dizeres tantas asneiras. O teu tempo acabou há muito. Vai ter com o teu ex patrão e pede-lhe emprego. O país enche-se de rir contigo!!! Ainda não reparaste?
Gosto · Responder · 1 · 1 h
Alice Gouveia
Alice Gouveia Correcto, o país está débil pique vcs o deixaram assim. Recomeçar é difícil e não num passo de mágica. Criticar é fácil, a arte é difícil.
Gosto · Responder · 4 h
Adelina Delgado
Adelina Delgado se ele diz que continua mediocre eh porque no tempo dele ja era mediocre...... ou nao?
Gosto · Responder · 1 · 2 h
Carlos Bonaparte
Carlos Bonaparte É tão triste ver um jornal que tinha tanto potencial para marcar a diferença pela positiva, ter a intensão e o cuidado de seguir precisamente o rumo contrário... que pena... é que eu já nem sinto a falta de abrir as vossas notícias, antes até abria o Firefox para poder ler as vossas notícias, agora já nem vale a pena porque os títulos dizem tudo, muitas vezes até de mais. Notícia que não é notícia, dão mais tempo de antena ao ex-primeiro ministro e à sua ideologia em termos europeus, do que ao que dizem presidente da república e primeiro ministro juntos, têm uma cor clubística (ou então é só um anti-sportinguismo) manifestado de forma deliberada... o que é que se passa convosco, Observador? É porque é isto que vos mantém no ativo? Não será por muito tempo se for essa a ideologia, porque o Correio da Manhã também tem website e um canal de televisão. No mais isto é o que esperamos deles, não do Observador que começou de forma totalmente diferente. Dou-vos um exemplo da consequência do caminho que neste momento estão a seguir: PINN. Pesquisem, vejam a força com que começaram e o fracaço com que acabaram. Não façam o mesmo porque estão a conseguir quebrar, com o vosso profissionalismo, as barreiras de que jornais online, ou rádios online, ou tudo o que seja online, não presta. As televisões citam-vos... ... olhem para isso, não promovam as peças menos bem conseguidas, mostrem a prata da casa, não a lata.
Gosto · Responder · 7 h
Leandro Pereira Pina
Leandro Pereira Pina Com esta afirmação tive que ir consultar a minha BOLA DE CRISTAL, e o resultado não dá para acreditar, simplesmente me disse "porque têm um partido que se chama PSD"
Gosto · Responder · 5 h
Hugo Lopes
Hugo Lopes Dizes bem. Continua. Culpa deles e tua...politiquices que a maralha ainda engole...
Gosto · Responder · 4 h
Duarte Stock
Duarte Stock Porque paga bem menos juros do que Portugal. Sendo que consigo não cresceu mais e as pessoas tinham menos rendimento. Já pode deixar de estar em negação e deixar a liderança do PSD sff?
Gosto · Responder · 3 h
Joaquim Young Fernandes
Joaquim Young Fernandes Nem a Espanha nem a Irlanda tiveram 4 anos de Paf... entendes Passolas?
Gosto · Responder · 2 h
Alexandre Cardoso Matias
Alexandre Cardoso Matias Comparar a Espanha coim Portugal é um grande disparate. A Espenha começou por resolver o caus no sweu sistema financeiro , pelo contrário Portugal não só não o resolveu , como o agravou escondendo o que se cestava a passar. Esta será uma das principais razões.
Gosto · Responder · 1 · 4 h
Herculano Pereira
Herculano Pereira Oh doutor, parece que se esqueceu que ainda há pouco tempo era primeiro ministro , será que contribuiu para tal?
Gosto · Responder · 2 · 6 h
Dionísio Ferreira
Dionísio Ferreira Tem piada: faz uma pergunta e responde logo de seguida: o facto bé que, se a Espanha cresceu menos
Gosto · Responder · 4 h
Capitolino Antonio
Capitolino Antonio A filosofia não dá comer ao Zé Povinho o que dá de comer ao Zé Povinho é o desenvolvimento económico o investimento a criação de emprego uma estratégia política definida para o País. Razão porque Espanha Finlândia Itália França crescem mais que nós. Hortega é um deleite para o espírito mas nunca vi nenhum governo desses citá-lo em matéria de desenvolvimento económico ou social
Gosto · Responder · 4 h
José Barbosa
José Barbosa Daí decorre que, se tivéssemos estado sem governo durante quatro anos, teríamos rebentado a escala do crescimento...;)
Gosto · Responder · 2 · 6 h
Jorge Reis
Jorge Reis Discorde-se pois não se deve classificar de medíocre o que é paupérrimo
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Mário Garrido Moreira
Mário Garrido Moreira Bem.mais que pediocre é quase inexistente. Pena que o Marcelo não fale disso quando fala da inflação
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Manuel Segundo
Manuel Segundo O Pinóquio deveria fazer estas mesmas perguntas a ele mesmo, quando esteve no poleiro. Crescer á custa do esforço financeiro do povo, retirar qualidade de vida ao povo, cortar em tudo, subir preços, impostos, etc e etc , isso é saber governar ? Será que isso representa realmente o crescimento de um País ?
Gosto · Responder · 2 h
Dionísio Ferreira
Dionísio Ferreira perdão, mais sem governo, foi só porque não ter governo nenhum é melhor do que ter sido sujeita a 4 anos de governo de Passos Coelho!
Gosto · Responder · 4 h
David Cavaco
David Cavaco A diferença está nos políticos. 99,9% preocupam-se com eles próprios, o restante com os outros e com o país. Infelizmente a grande minoria
Gosto · Responder · 3 · 7 h
Jorge Costa
Jorge Costa Que gajo mais idiota.
Gosto · Responder · 2 · 7 h
Samuel Rodrigo Pinto
Samuel Rodrigo Pinto É mentira o que ele diz??? Ah! Já percebi...."É idiota porque embora diga verdades, eu não gosto dele e ponto final." :-D :-D :-D
Gosto · Responder · 10 · 6 h
Jorge Costa
Jorge Costa Pois....fique com ele que vai bem servido.
Gosto · Responder · 6 h
Samuel Rodrigo Pinto
Samuel Rodrigo Pinto Jorge Costa
Gosto · Responder · 6 h
Julia Correia
Julia Correia Basta ver os argumentos do Jorge Costa, que são Zero, para perceber que é apenas porque sim...
Gosto · Responder · 3 · 6 h
Jorge Costa
Jorge Costa Julia deitar pérolas a porcos nãp vale a pena,não dão o devido valor....temos pena.
Gosto · Responder · 4 h
Julia Correia
Julia Correia Jorge Costa deve ser lixado falar sozinho. .. e ver -se ao espelho então! Continue a dedicar-se ao surf que para mais não dá.
Gosto · Responder · 1 · 2 h
Maria Nunes
Maria Nunes Julia Correia ,concordo!e agora sustentar burros a pão de ló é mesmo descaramento!nós vamos ter que pagar ,os votos que esta geringonça ambiciona!
Gosto · Responder · 1 h
Emilia Gonçalves
Emilia Gonçalves Porra este homem e repugnante que farta
Gosto · Responder · 2 h
Paulo Graça
Paulo Graça No tempo em k lá esteve o país era negativo.
Gosto · Responder · 5 h
Maria Nunes
Maria Nunes Força PPC ,competência ,credibilidade,seriedade,coragem e resistência !!
Gosto · Responder · 1 h
Filipe Antolin Teixeira
Filipe Antolin Teixeira Esta foi tão estupida
Gosto · Responder · 1 h
Zé Santos
Zé Santos ALDRABÃO
Gosto · Responder · 4 h
Luis Gomes
Luis Gomes Pateta ... atrasou-nos e não entende.
Gosto · Responder · 3 h
Ermelinda Zacarias
Ermelinda Zacarias A Espanha esteve sem governo mas nós termos um gangue de malfeitores incompetentes que se uniram para se governarem e dar cabo do País
Gosto · Responder · 10 · 7 h
Manuel Sousa Viegas
Manuel Sousa Viegas Porque tem a Catalunha
Gosto · Responder · 5 h
Mário Blue
Mário Blue O povo gosta o povo tem! Haja beijos e abraços e sorrisos... e algumas benesses enquanto enriquecem os chulistas.
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Fernanda Dias
Fernanda Dias como ele
Gosto · Responder · 5 h
Anita Coelho Da Palma
Anita Coelho Da Palma É triste mas é a realidade
Gosto · Responder · 4 h
Antonio Gomes
Antonio Gomes Cresce mais porque roubaram menos !
Gosto · Responder · 3 h
Cila Figueiredo
Cila Figueiredo Sim nao cresceu no seu governo agora e que esta acrescer
Gosto · Responder · 3 h
Julio Neves
Julio Neves Está doente
Gosto · Responder · 5 h
21 Janeiro 20171.925
Suki Kim passou seis meses infiltrada como professora de inglês em Pyongyang. Tirava notas que guardava clandestinamente numa pen. Quando saiu, escreveu um livro. O Observador entrevistou-a em Bali.
Suki Kim nasceu em Seul em 1970. Quando tinha 13 anos, foi viver para Nova Iorque com a família, deixando para trás uma península dividida e um tio sequestrado pelas tropas da Coreia do Norte. Em 2002 visitou pela primeira vez Pyongyang e passou os nove anos seguintes obcecada com uma ideia: infiltrar-se no regime fundado por Kim Il-sung, criador da ideologia Juche (“autossuficiência”, uma variante do marxismo-leninismo). Durante meio ano, conviveu com 270 estudantes da elite norte-coreana e foi tirando notas que armazenou clandestinamente numa pen. O resultado foi um livro pioneiro, ainda sem publicação em Portugal e largamente incompreendido nos Estados Unidos, onde foi embrulhado como simples compilação de memórias.
Quando surgiu a oportunidade de ir ao Festival de Escritores & Leitores de Ubud — uma pequena cidade no interior de Bali, na Indonésia —, o primeiro nome que sobressaiu foi o de Suki Kim, “única escritora até à data a viver infiltrada na Coreia do Norte”. O programa online do festival incluía uma pequena fotografia de uma mulher jovem e atraente, com rasgos orientais. A biografia acrescentava que o primeiro dos dois livros escritos pela autora fora o romance The Interpreter (finalista do PEN Hemingway Prize), e que a partir de 2002 tinha viajado várias vezes até à Coreia do Norte como jornalista.

Dirceu, Cunha e Odebrecht correm risco de vida

Os bandidos imitam a política
publicado 22/01/2017
Pao.jpeg
A colona "Painel" da Fel-lha, que trata tucano a sorvete Haagen Dasz, com o sugestivo título "salve-se quem puder", observa que os presos no Complexo Médico Penal de Pinhais, onde estão o José Dirceu e o Eduardo Cunha, relatam "temor" com a proximidade da ala contigua, em que ficam criminosos comuns, como homicidas e estupradores.
Não só o Cunha e o Dirceu, mas o Marcelo Odebrecht também corre sério risco de vida.
Dirceu, porque é uma cabeça que não pode funcionar em liberdade.
E o Cunha e o Marcelo porque podem encarcerar tucanos gordos e os "MT"s.
Afinal, degolador também tem partido político...
Em tempo: longe de o ansioso blogueiro querer competir com o Historialista, que é, de fato e direito, o correspondente da Amazon no Brasil. E, aos domingos, publica uma seção de "Livros" na Fel-lha e no Globo Overseas Investment BV.
Ainda assim, o ansioso blogueiro recomenda "Ensaios sobre o mundo do crime - Contos de Kolimá 4", do magistral Varlam Chalámov, que descreve sua experiência nos gulags estalinistas.
O capítulo "A Guerra das cadelas" - uma apavorante descrição da luta entre facções dentro da cadeia - "cadela" é o bandido que traiu a lei da bandidagem - conclui assim:
"Os bandidos atuam de modo a imitar a política e a guerra".
PHA

Lava Jato do Teori não é a do Moro

Janio: Lava Jato e Globo fizeram o país da bandalheira
publicado 22/01/2017
Doutor.jpg
O Conversa Afiada reproduz notável, irretocável artigo de Janio de Freitas, na Fel-lha, a mesma Fel-lha em que o Elio Gaspari usa a morte do Teori para inocentar a Operação Condor e seu Mestre, o Geisel, dos assassinatos de JK e Jango.
Fazer o que?
Lava Jato que existe não é a desejada por Teori

As mortes, as incógnitas da Lava Jato, a alteração perigosa na formação do Supremo –tudo isso em um só desastre, e a esta fase do Brasil ainda pareceu pouco. Com motivo justificado pelo próprio acúmulo do desastre, o pasmo foi depressa sucedido por suspeitas, apesar da ausência de indício imediato. Hoje em dia, suspeitas são o mais típico sentimento dos brasileiros.

As suspeições que se tornaram públicas foram acompanhadas de um curioso pormenor: com poucas exceções, foi evitada a palavra definidora do suposto –atentado. Os pedidos de investigação criteriosa, especial, meticulosa, indispensável, e por aí, jorraram com rapidez, entre o exótico pudor vocabular e o impulso dado pelas circunstâncias.

Teori Zavascki era, sim, passível de sofrer um atentado. Embora o Brasil não tenha tradição em atentados políticos fora dos períodos ditatoriais, como a têm os Estados Unidos e alguns países latino-americanos.

Havia o risco e a consciência dele: além do seu recolhimento natural, o relator da Lava Jato contava com proteção pessoal constante.

As possibilidades de atentado no avião seriam remotas e propensas a outras causas, como sugerem as condições do desastre sob chuva forte, visibilidade reduzida, sem copiloto, últimos dois quilômetros de voo. Ainda assim, só uma perícia competente dará a resposta.

Mas o acréscimo aos males do desastre não espera por ela. Aqui e fora. Lá, Rodrigo Janot e Henrique Meirelles, submetidos ao frio suíço, esquentaram suas declarações com dados interessantes.

O primeiro não só negou que a Lava Jato afaste investidores, como sustentou que "é justamente o contrário. Atrai investidores porque gera segurança jurídica".

Entre os possíveis méritos da Lava Jato não há contribuição alguma para a segurança jurídica. Os "investidores" só vêm buscar o lucro fácil dos juros nas alturas e as pechinchas nas "liquidações" de empresas, de jazidas de petróleo e de partes da Petrobras.

Ao inverso do que Janot propaga, o escândalo que associou Lava Jato e imprensa/TV fez do Brasil, ao olhar do mundo, o país da bandalheira. A mudança do tratamento ao Brasil é drástica, o que se pode confirmar a cada dia tanto na imprensa estrangeira como na internet.

Agora, com um acréscimo arrasador: a presunção de assassinato com atentado político. Como meio de atrasar ou desviar processos da Lava Jato, a mesma que, segundo Janot, "traz segurança jurídica".

Henrique Meirelles, por sua vez, disse lá que o crescimento econômico estará de volta já ao fim do primeiro trimestre, fim de março. O problema da segurança jurídica, vê-se, começa pela que falta às afirmações das chamadas autoridades brasileiras. Lá e cá.

Entre as louvações à memória de Teori Zavascki, a de Sergio Moro teve a relevância de atribuir ao ministro a existência da Lava Jato.

Mas a que existe não é, por certo, a Lava Jato desejada por Teori Zavascki. Foram muitas as suas críticas aos "vazamentos" dirigidos.

Não escondeu suas irritações com vários procedimentos de Moro, sobretudo com a gravação e divulgação de conversa da então presidente Dilma com Lula, que o ministro trancou sob sigilo de justiça.

Na véspera do recesso judicial, Teori Zavascki fez a exceção de uma breve entrevista: criticou a Lava Jato, aborrecido com o "vazamento" de delações da Odebrecht.

Para dar sentido ao que disse, Sergio Moro precisaria corrigir o criticado por Teori Zavascki.

Seria então a Lava Jato de quem, disse Moro, a fez existir. Mas talvez não fosse mais a Lava Jato de Sergio Moro.

Lula: perto do Temer o FMI é de esquerda

"É a desigualdade, estúpido." - Lagarde ao Meirelles
publicado 21/01/2017
CortaPraMim1.jpg
Na Rede Brasil Atual:
Comparado a governo Temer, FMI é 'esquerda porreta', diz Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem (19) que o Fundo Monetário Internacional, comparado ao governo brasileiro, se tornou uma "esquerda porreta". Em discurso durante o lançamento do congresso do PT, em São Paulo, Lula fez referência à crítica desferida pela presidente do FMI, Christine Lagarde, à política de ajuste fiscal conduzida no Brasil pelo ministro da Fazenda Henrique Meirelles. "Quando o Meirelles começou a falar do ajuste (durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça), ela afirmou que a prioridade das políticas econômicas precisa ser o combate a desigualdade social. Uma coisa que nós sabíamos desde 2003 quando resolvemos fazer política social", ironizou.

Em Davos, Christine Lagarde afirmou que o FMI está revendo seus conceitos e adotou postura crítica a políticas econômicas concentradas em austeridade fiscal e desconectadas de seus impactos sociais. "Não sei por que as pessoas não escutaram (que a desigualdade é nociva), mas, certamente, os economistas se revoltaram e disseram que não era problema deles. Inclusive na minha própria instituição, que agora se converteu para aceitar a importância da desigualdade social e a necessidade de estudá-la e promover políticas em resposta a ela", disse a francesa, segundo relato da BBC.

(...) "Um governo que resolve fazer um ajuste que coloca educação na rubrica de gastos é um governo que condena este país a não ter futuro, a não ter inovação. É um governo que não quer investimento em tecnologia, não quer competitividade internacional, e que quer continuar sendo exportador de commodities. Se tem um governo que deu razões para a gente brigar é este", afirmou.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.