domingo, 4 de dezembro de 2016

Um mestre de obras que endividou Moçambique até ao pescoço


Julião João Cumbane com Julião João Cumbane.


Armando Guebuza (na fotos na imagem) sucedeu pacificamente Joaquim Chissano na presidência da República de Moçambique.

Durante o seu consulado como Presidente da República de Moçambique, Armando Guebuza fez obras inumeráveis. Duas pontes novas sobre o Rio Zambeze foram construídas e uma sobre o mesmo rio foi reabilitada. Dois hospitais provinciais de raíz foram construídos e equipados na Matola e em Quelimane. Várias novas escolas e vários novos postos de saúde foram construídos e equipados. Outras tantas escolas e postos de saúdes e hospitais foram reabilitados e reequipados. Duas novas Universidades públicas viáveis foram criadas nas regiões Centro e Norte de Moçambique. Milhares que quilómetros de estrada foram reabilitados e centenas de quilómetros de estradas novas foram construídos. A barragem hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB) foi revertida para o Estado moçambicano e a energia eléctrica aí gerada levada para quase todos os cantos de Moçambique, através de centenas de quilómetros de linhas de transmissão construídas de raiz. Centrais novas de geração de electricidade também fazem parte da lista das obras erguidas no consulado de Armando Gubuza. Esta lista pode continuar para incluir contratos para a exploração de recursos naturais para gerar renda para Moçambique, entre outras obras...

Para fazer estas obras, que permitiram que a economia de Moçambique começasse a florescer, Armando Guebuza teve que endividar obstinadamente os moçambicanos até ao pescoço. Ele (Armando Guebuza) abriu os cordões à bolsa de forma muito ousada. É por assim ter feito que Armando Guebuza está a ser duramente criticado e indevidamente vilipendiado até por pessoas sem qualquer sentido de Pátria. Mas as obras estão em Moçambique, mesmo com a crise que actualmente este país atravessa.

Enquanto o legado de Joaquim Chissano para Armando Guebuza foi uma paz podre, dívida externa incomportável que foi preciso negociar seu perdão, e altos níveis de percepção da corrupção que graça em todos os sectores da vida de Moçambique, o legado de Armando Guebuza para Filipe Nyusi foi a mesma paz podre e também uma dívida incomportável, mas a isto é preciso adicionar muitas obras feitas e algumas ainda em construção.

Assim, Filipe Nyusi, o actual Presidente da República de Moçambique, tem pelo menos por onde começar. Armando Guebuza começou quase do NADA. É por saber disto que eu tenho dificuldades de entender o mérito da crítica que se faz ao Armando Guebuza. Dívida externa, paz podre, corrupção e um país sem infraestruturas para viabilizar o crescimento da economia é o que ele (Armando Guebuza) herdou Joaquim Chissano. Não vejo como ele poderia ter feito melhor do que fez num país com défice crónico de produção interna em todos os domínios. Mesmo assim, a economia moçambicana alcançou níveis de crescimento económico nunca vistos no Moçambique de paz podre que ele herdou de Joaquim Chissano. Pena foi que esse crescimento não se traduziu numa melhoria significativa das condições de vida dos moçambicanos. Por isto aceito que Armando Guebuza seja criticado, mas não por ter endividado os moçambicanos. De facto, diferentemente do endividamento público no consulado de Joaquim Chissano, o endividamento público no consulado de Armando Guebuza gerou obras que criaram a base necessária para sustentar o crescimento da economia de Moçambique pelo futuro à frente dos moçambicanos.

Por que então criticar impiedosamente Armando Guebuza?

Só vejo uma resposta: ciúme de quem não fez o que deveria ter quando teve a chance de fazer diferença!

Espero que Filipe Nyusi aprenda esta lição de vida: a crítica pode ser feita por ciúme; esta é a instância quando a crítica não tem mérito e deve ser ignorada.

Sendo embora necessário ouvir a crítica de mérito, o Filipe Nyusi tem que se concentrar na continuidade da obra de Armando Guebuza e na construção da sua própria obra. Eu lembro-me de ouvir ele (Filipe Nyusi) dizer que vai construir o quarto-andar do edifício do Estado moçambicano. Assim seja! Mas mais do que construir o quarto-andar, ele deve considerar que, sendo engenheiro mecânico que é, não vai ficar bem na fotografia se deixar o país sem uma indústria siderúrgica e metalomecânica que livre os moçambicanos de importar até alfinetes e agulhas, para não falar de pregos e parafusos para diversos usos. Não vai sair bem na fotografia se deixar o poleiro com os moçambicanos a ainda a importarem cereais, carne, peixe, medicamentos, roupa, calçado, mobília e uma variedade de utensílios e maquinaria para diversos fins, sendo este país (Moçambique) detentor de imensas reservas de recursos naturais para produzir quase tudo o que os moçambicanos precisam para viver condignamente e ainda gerar renda bastante para ser referência mundial por ser melhor no que pode ser melhor.

Pronto, já disse.

Agora, com licença!



GostoMostrar mais reaçõesPartilhar
35 35
Comentários

Lyndo A. Mondlane O erro do PR guebuza é confundir interesses de todos com os privados, as dividas, realmente ninguem ja reclama a ponte de catembe, se reclama comprae barcos para enferrujar se reclama a privatizacao da defesa das costas, o resto foi muito melhor q o PR chissano Ai podemos estar de acordó..
Gosto · 2 · 3 h · Editado
Ocultar 12 respostas

Rildo Rafael Duvido! Critérios, só assim iniciamos a discussão!
Gosto · 3 h

Rildo Rafael O Slogam da Frelimo me parece que é sempre continuidade! Resta realmente isolar os outros!!!
Gosto · 1 · 3 h

Lyndo A. Mondlane Rildo Rafael tu nao ves o enorme dano q causa num país o desleixo... Nao te imaginas, leía o telmo chamusso é muda jovens é poe chissano entenderás o enorme dano material é humano q causa a apatía, e o deixa andar..
Gosto · 1 · 3 h · Editado

Rildo Rafael O Julião João Cumbane: Caro amigo! Hehehe! Me parece que estas numa velocidade supersonic: Não teremos tempo para apreciar os textos "Chissano e agora Guebuza"...Vamos tentar articular a nossa contribuição no debate!!! Espero que estejas mais interventivo aos comentários dos fecefriends!!!...
Gosto · 3 · 3 h

Lyndo A. Mondlane Kkkk esta zangado..
Gosto · 2 · 3 h

Julião João Cumbane O querias dizer mesmo, ó Rildo Rafael?!... Eu esperava um comentário em torno do assunto do 'post', mas um comentário que fosse útil.
Gosto · 1 · 3 h

Mussá Roots Lyndo A. Mondlane, o presidente Guebuza, de facto, no principio, tentou combater O tal espirito deixa andar...porém, ele próprio passou a liderar um pequeno grupo de corruptos e lesa pátria.

Ou seja,"trocando em quinhentas", ele combateu ladrões, dando-se ele próprio o direito exclusívo de ser ladrão, enquanto que o Presidente Chissano, roubava e deixava que os outros roubassem, desde que o fizessem com cuidado "Cabrito come onde está amarrado", segundo suas próprias palavras.
Gosto · 5 · 3 h

Rildo Rafael Julião João Cumbane: Já comentei em torno do post caro amigo!
Gosto · 3 h

Lyndo A. Mondlane ok,, por isso falei noutro post dos mediocres e o nosso custume de condecorar o menos mediocre..., o chissano é excelente porque deixava que todos roubassemos..esse é o grande problema desse pais, achar bom algo que esta mal so porque a todos nos deixam fazer Mussá Roots
Gosto · 1 · 2 h · Editado

Mussá Roots Lyndo A. Mondlane, em nenhum momento eu assumí que um presidente era melhor que o outro...apenas fiz um exercicio, de distinção, sobre a postura de um em relação ao outro, sem assumír posição em favor de um ou de outro.
Gosto · 2 · 2 h

Lyndo A. Mondlane ok..te entendo Mussá Roots.... so que é a linha maioritaria em mz....é bom, porque nos deixa roubar..Helena Taipo é boa, porque nos da feriados sem terminar..
Gosto · 2 · 2 h

Mussá Roots Pois,Lyndo...por isso que digo que os que sentem Saudades do consulado de Chissano, e falam daquele tempo de forma celebratíva, pecam exactamente por aí...é mais ou menos, como o que o professor Elisio Macamo tem denunciado sobre a falta de coerência nos saudosístas de Samora Machel, que hoje defendem um estado de direito democratico, com liberdades individuais, como os de expressão, e menos autoritarísmo, o que não era a bandeira naquele tempo, e geralmente são organizações da sociedade civíl pró democracia que exibem tal incoerência.
Gosto · 1 · 2 h

Mussá Roots Profe, está claro, que os presidentes "gatunos" preferem a componente, obras públicas, para tirarem dividendos ilicitamente, porém de forma subtíl, lesando o estado.
Este tipo de presidentes, gestores públicos, preferem construír hospitais a formar médicos, ou escolas sem formar professores, porque na obra têm mais possibilidades de "roubar", usando diferentes, truques, o que é mais difícil na formação do Homem...
Gosto · 9 · 3 h

Rildo Rafael E esta agora! Risos!!!!
Gosto · 1 · 3 h

Julião João Cumbane Maneira de pensar de gente ingrata a tua, ó Mussá Roots! É mentira que Armando Guebuza fez obras?...
Gosto · 1 · 3 h

Mussá Roots Não é mentira,profe Julião João Cumbane, e nem eu disse isso...a análise que fiz, foi que os presidentes corruptos, em termos de preferência ou prioridades, optam por investir em obras, para roubarem...tal como usam a guerra, para lucrarem, prova disso é a desculpa de que comprou-se armas para combater a Renamo, ou seja, fica claro, para mim, que me nego, o direito a ingenuidade , que Guebuza empurrou Dlhakama a guerra, para justificar seus rombos.
Gosto · 1 · 2 h

Homer Wolf Ntsém!...
Gosto · 1 · 2 h

Eddy Lumasai Hehehehehehehhe epah
Gosto · 1 h

Tarcísio Azevedo Comungo a ideia do Mussá Roots.
Gosto · 52 min

Ricardino Jorge Ricardo Mas como ele o PR (Filipe Nyusi) construir o 4º andar enquanto o rés-do- chau ou o 1º andar está com alicerces podre? Já imaginou Profe dar continuidade uma obra que tinha arquitetos falsos?
Gosto · 1 · 3 h

Egidio Vaz Depois da crise estabilizar, voltaremos a falar bem de Guebuza. É uma questão de tempo.
Gosto · 5 · 3 h

Matilwene Bucar Enquanto isso nao acontece vamos falando, e lembrando da divida, ou seja das dividas que ele fez que por conta da mesma, A vida está tao cara
Gosto · 3 h

Julião João Cumbane Nunca o deveríamos destratar como o fazemos. Armando Guebuza não merece tamanho destratamento!
Gosto · 1 · 3 h

Milton Machel como sera' que vai acabar a crise? Armando Emílio Guebuza vai resolve-la? Nyusi vai resolve-la? vai acabar depois do Congresso da Frelimo em 2017? Ou esta' a espera da mola da Exxon Mobil (associada a Rosneft ou tomando a ENI e a Anadarko) e a esmola do FMI? Nao estavamos a fragilizar a pobreza firmes rumo a prosperidade? Nao tinhamos reduzido a dependencia para com os doadores do orcamento de estado ate numeros record, cheios de auto-estima? Nao estavamos a JATROPH(I)AR o pais com uma revolucao verde? nao estavamos a distribuir e a gerar riqueza local com os sete milhoes? onde estao os sete milhoes? hao-de voltar depois da crise acabar?
Gosto · 3 · 3 h

Honorio Isaias Massuanganhe O problema não é o endividamento em si...mas como ele foi gerido tendo em conta os requisitos constitucionais...e com que honestidade esse valor foi gasto em tais obras...
Gosto · 2 h

Milton Machel alinhando pelo seu diapasao, Honorio Isaias Massuanganhe, eu pediria que fossemos justos colocando nos pratos da balanca, por um lado as obras, realizacoes, caminhos abertos, sonhos vendidos, mudancas na sociedade e na mentalidade dos mocambicanos e feitos palpaveis do clarividente e visionario e por outro lado sopesando as borradas, o endividamento ilegal, as satungiradas, os buracos nas reservas internacionais liquidas, o efeito-domino e efeito manada das boladas das PPPs, concessoes empresariais promiscuas e favorecedoras de uma clique familar e clientelar. dessa balanca e com um afastamento melhor em relacao a este tempo de disforia, apos a euforia dos minerais, ai sim, poderemos com justeza e justica avaliar o legado de Armando Emilio Armando Emílio Guebuza...nao empolar O APOCALIPSE e nem forcar O OBRA PRIMA. Que Armando Emílio Guebuza eh claramente incontornavel e com um grande lugar reservado na nossa historia...a ser escrita por gente mais independente, mais distante e com mais meridiana clareza que os esforcados narradores zelotes de hoje.
Gosto · 2 h

Talique Amuda Ossol É notório o trabalho que ex presidente Armando Emílio Guebuza deixou no país, ele peca ao endividar o pais nos últimos anos do seu mandato e sem usar os procedimentos legais. tirando isso ele tem nota 10
Gosto · 1 · 3 h

Matilwene Bucar Elvino Dias vem ca, o fariseu está a solta
Gosto · 1 · 3 h · Editado

Cossa Khossa O presidente Nyusi disse ser um dos pisos do mesmo edificio. Guebuza pode ter herdado uma paz podre, mas se optasse pela continuidade, talvez nao tivessemos, hoje, o troar das armas. O calar das armas já é um grande indicador da paz e nao se regista. AEG, melhor do que todos nos aqui a debater o post do Prof. conhece bem o dossier AGP. Se JAC geriu mal ou a paz ou a implementaçao efectiva do AGP, AEG teve 10 anos para corrigir o que fosse. Alias DHL sempre esteve por perto ate q por alguma conveniencia teve que "acomodar-se" incomodando-nos, em parte incerta. Hoje, nao temos nem a tal paz podre, muito menos certeza do que sera do dia de amanha. Os escandalos da ultima governacao suplantam quaisquer outros na historia deste país.
Gosto · 4 · 3 h

Julião João Cumbane ...
«Os escandalos da ultima governacao suplantam quaisquer outros na historia deste país.» (sic). ERRADO, Cossa Khossa!

O maior escândalo foi fingir que Moçambique está com um partido político armado, fora da lei!

Os "escândalos" da governação dos últimos 10 anos são as obras que Moçambique hoje possui e não tinha. Lá isso posso concordar contigo, ó Khossa!
Gosto · 2 h · Editado

Cossa Khossa E o que foi feito de 2004 a esta parte com relaçao a esse mesmo partido armado? O partido ainda esta "ali", representando um sem numero de Mocambicanos. AEG preocupou-se mais com obras publicas e o dossier paz (efectiva) esteve como ultimo ponto de agenda ou sua abordagem foi adhoc. O povo esta a ler agora em posts iguais a este sobre a "má" governacao de JAC, mas esse mesmo povo vê e sente o efeito da gestao visionaria. So espero que o mesmo nao dure 18 anos
Gosto · 2 h

Julião João Cumbane Não vejo lógica no ponto que estás a tentar fazer aqui, ó Cossa Khossa. Fala-se de Joaquim Chissano como "obreiro da paz", paz essa que Moçambique não conhece, e muitos não questionam esse rótulo. Depois fala-se tão mal do Armando Guebuza, como se nada de bom tivesse feito, e muitos não questionam. Aqui eu faço ver que Armando Guebuza fez algo de bom por Moçambique e pelos moçambicanos. Mentí? O dossier da paz cabia ao Joaquim Chissano tratar do mesmo até ao fim. Não o concluiu por qual razão válida??...
Gosto · 1 · 2 h

Cossa Khossa Nao nego que AEG tenha feito algo de jeito. So nao acho justo que torne JAC num saco de pancada. Nao é justo deixar que certo produto vença seu prazo de validade e comecemos com campanhas de venda do mesmo. Houve erros? Que sejam apontados.
Gosto · 2 h

Rildo Rafael Julião João Cumbane, Lyndo A. Mondlane, Egidio Vaz: Todos os Presidentes Moçambicanos foram mestres das obras, logo não sei se para ser melhor Presidente de Moçambique tendes necessariamente ser um mestre de obra: As obras devem estar sempre ligadas ao Presidente ou a simples funcionários: Há muito que temos ouvido o slogan “continuidade”: Qual realmente é o ponto de partida das obras edificadas em Moçambique? Que intervenção e ou contribuição tiveram os presidentes cessantes: A ponte sobre o rio Zambeze já um projecto que vem dos tempos (só para elucidar, que viajava frequentemente de carro para a Zambézia-Quelimane conseguia perceber a existência de encontros na zona de Caia e Chimuara no distrito de Mopeia). O facto de um PR não ter construído um hospital, uma escola, uma universidade nova não pode o conferir o estatuto de “mestre das obras”, afinal de que obras estamos aqui a referir? Se algum PR ter se evidenciado na reabilitação da ponte, reabilitação de escolas, hospitais, estradas não merece ser tratado por “mestre de reabilitação de obras” ou ate de “mestre de obras”. Sei muito bem que a EN1 que foi construída de raiz pela Grinkaer (não sei se escrevi muito bem o nome)… Em relação a reversão da (HCB) consta que o processo já teve barbas brancas- É ai onde slogan continuidade começa a fazer sentido! Agora em relação as linhas de transmissão de energia eléctrica (nem sempre é necessário construir de raiz) pode-se em alguns casos aproveitar as linhas que já existem e potencia-las! Em relação aos contratos de “exploração” dos recursos (maldição dos recursos na acepção de Boaventura de Sousa Santos) o processo também tem barbas brancas, ou seja, desde os tempos que se conhecem as ocorrências de jazigos em Moçambique (Tempo colonial até aos nossos dias) e a prospecção de gás e petróleo já decorriam (por exemplo nas bacias de Buzi e Rovuma). É difícil afirma que algum PR começou quase do nada, afirmar isso seria dizer que Moçambique se tornou independente a partir de 2004, pois tudo que foi feito anteriormente não serviu?
Gosto · 4 · 3 h

Julião João Cumbane Qual é o ponto que pretendes fazer, ó Rildo Rafael? Estás aqui a choramingar sem razão aparente... É mentira que Armando Guebuza fez mais obras em 10 anos que o seu antecessor, Joaquim Chissano em 18 anos?...
Gosto · 3 h

Lyndo A. Mondlane Julião João Cumbane verdade absoluta, com numeros..
Gosto · 3 h

Cossa Khossa E quanto estao a custar aos Mocambicsnos os 10 anos de AEG?
Gosto · 1 · 2 h

Rildo Rafael Julião João Cumbane: O problema não é ser mentira ou verdade! Continuidade! Estamos a rasgar processos! A construção de uma nação é feito por etapas e períodos! O Slogan da continuidade não é meramente "eleitoral"...Continuar com as obras! Edificar o 4ª andar! Há trabalho de equipa aqui! Outro aspecto que quanto a mim deves incluir na sua reflexão sobre a edificação ou não das obras é avaliar o consulado de cada PR com o seu respectivo contexto social, político, económico, ideológica, etç... O PR Chissano herdou o seu consulado num contexto específico (Guerra Civil e muito mais) e estabilizou as dívidas de Moçambique (Lembra do livro a Sopa da Madrugada-são relatos de acções concretas do consulado do Chissano) e este perdão da dívida foi muito bem herdado pelo PR Guebuza (Há ou não continuidade). O PR Guebuza abraçou o projecto num contexto também específico... se fez mais obras em 10 anos que o seu antecessor, isso nem é problema....
Gosto · 1 · 2 h

Julião João Cumbane Então por que aceita a ostracizarão de Armando Guebuza, ó Rildo Rafael? E fala-se de Joaquim Chissano como se ele tivesse feito TUDO bem, escamoteando-se os erros da sua administração, porquê?
Gosto · 1 · 2 h

Homer Wolf Querer comparar Chissano que assumiu a presidencia em 1985 (lembra-se o que era Moz em 86 Profe, aquele país cinzento? E o mundo entáo? Eu lembro-me muito bem!...) com alguem que chegou ao poder em 2005, no auge da economia de mercado, agencias internacionais de corrperaçáo a "despejarem" dinheiro a rodos ... tsc
É o mesmo que querer comparar Pelé com Neymar...
Gosto · 2 · 2 h

Honorio Isaias Massuanganhe A minha questão tem a ver com a legalidade desse endividamento ...e por outro lado, quanto desse dinheiro foi realmente usado nas obras?
Gosto · 1 · 2 h · Editado

Julião João Cumbane A "ilegalidade" do indevidamente não tira mérito às obras feitas. Ou tira, Honorio Massuanganhe?!...
Gosto · 1 · 2 h · Editado

Wa Ka Mate Começo a pensar que é algo pessoal ou familiar com Presidente Chissano!
Gosto · 5 · 2 h

Honorio Isaias Massuanganhe Fiquei com a mesma sensação...já não estou confortável em continuar este debate...até me lembra o Elísio quando fala de Samora Machel
Gosto · 2 · 2 h

Julião João Cumbane «Começo a pensar que é algo pessoal ou familiar com Presidente Chissano!» (sic). Esta é a maneira de pensar própria dos polícias de consciências. Impedem o debate de questões da nossa vida a pretexto de protecção de direitos de outrem. O que pode levar alguém pensar que o autor deste 'post' «algo pessoal» com ex-PR Joaquim Chissano?
Gosto · 2 h

Josue Mucauro Um Senhor era pedreiro e trabalhou durante 40 anos numa empresa, decidiu pedir reforma, mais o dono da empresa disse que ele deveria fazer última obra dele como funcionário da empresa, contra sua vontade o pedreiro acabou fazendo, diga se, que foi a pior obra que o pedreiro fez em 40 anos, o dono da empresa perguntou ao pedreiro PK fizeste essa obra com má qualidade? O pedreiro disse que era a melhor obra e de maior qualidade que fez em toda vida... Por fim o dono da empresa tirou a chave da casa e ofereceu ao pedreiro, dizendo que não podia deixar de lhe compensar com a casa da melhor qualidade por ele feito em 40 anos. A casa era tão padrões de engenharia que o pedreiro chorou.... Não está em causa as grandes obras de AEG, e nem empréstimos feitos para construção de infraestrutura... Está em causa as dívidas feitas sem ser aprovado na casa de todos nós "AR", está em causa terem criado uma empresa EMATUM sem um plano de negócio... É ali onde Guebuza pecou, e foi um pecado que estraga todo legado
Gosto · 1 · 2 h

Julião João Cumbane Os erros cometidos não tiram mérito às obras que todos vemos e nos orgulhamos por elas. Ou tiram, Josue Mucauro?!...
Gosto · 1 · 2 h

Oracio Pedro Chauque Kakakakakakakkakaka...... Há um gajo que só quer engraxar aqui..... Está tudo dito e claro. As dívidas náo seguiram os procedimentos legais. O país está como está porque as dividas foram feitas de forma clandestina e nada prova que essas dividas tenham sido feitas em beneficio da maioria dos moçambicanos. Não se pode comparar a governacao de um coma de outro porque cada um entrou em momentos compeltamente diferentes. O nosso promblema é querer avaliar pessoas como se de nrs se tratasse. Se não é 1 é 2.... Esta comparacao nao se pode fazer, para estes casos....
Gosto · 3 · 2 h · Editado

Julião João Cumbane «As dívidas náo seguiram os procedimentos legais.» (sic). E isso tira valor às obras, ó Oracio Chauque?...
Gosto · 1 · 2 h

Oracio Pedro Chauque Kakakakakakakka. Há discursos que já nem me deixam chateado... Ja houve um tempo em que eu levava algumas coisas a serio mas sei que há gente preocupada em nos convencer de coisas que nem mesmo morto ficarei convencido. Portanto,. meu caro Julião João Cumbane, a minha intervenção termina por aqui. Tenho seguido atentamente muitos posts de gente com alguma visao mas sem fazer comentários só que há vezes em que nao consigo conter-me. O meu problema é de nao aceitar que se compare Cumbane com Chauque.... São 2 pesssoas que nasceram e viveram em contexto incomparáveis. Há normas e procedimentos que constituicao da republica define. De contrario, nao precisamos dela para nada.
Gosto · 2 · 2 h · Editado

Julião João Cumbane «Há normas e procedimentos que constituicao da republica define» (sic). Oracio Pedro Chauque, Joaquim Chissano jurou respeitar e fazer cumprir a Constituição da República de Moçambique, mas conviveu com a Renamo armada ilegalmente, em violação do seu juramento e da Constituição da República de Moçambique. Isso não incomodou a ele nem muitos aqui nesta conversa. Porquê?...
Gosto · 2 h

Tony Ferreira Jovens o tempo é o melhor árbitro para por cada macaco no seu galho, deixem o tempo passar que as respostas viram um dia. ...já alguém havia dito que a fruta quando amadurece cai sozinha.
Gosto · 2 h

Josue Mucauro Depende do ponto de vista ilustre, já lhe explico
Se olhar mos que foram construídos hospitais, temos de exaltar AEG, se olhar mos que a divida criada para ematum vai nos obrigar a fazer cortes na despesa e os hospitais construídos não terem medicamentos ali temos que vaiar AEG
Gosto · 1 · 2 h

Homer Wolf O "puto maravilha" da Comunicação Social é que tinha razão:

Gosto · 3 · 1 h

Eunicio Jeje Homer Wolf gosto. 👍🏾 the prof @ his prime.
Gosto · 1 h

Beto Xirindzane Xirindzane Lambibota
Gosto · 1 · 1 h

Joaquim Gove Julião João Cumbane, mais uma vez a batermos no mesmo passo.
Infelizmente, custa dizer aos pro-destruiçao de imagens e feitos.
Quem ñ comete erros e que de facto devem ser condenados. Lá, ñ concordo com que tenha que ser anulado todo o positivo que fez, como que se de nada tivesse contribuído.
Eu sou da opinião de que Moçambique nunca tinha conhecidos avanços e mudanças quanto o fez nos últimos 10 anos (sob a liderança de Guebuza). Aliás, foi a primeira vez que vimos os gulosos (criados por outros) a deixarem os carros e regalias excessivas; dirigentes julgados e condenados por seus actos (mal)-conduzidos, etc... Razão principal para a diabolizaçao do A.G.
Gosto · 1 h
Jose Dinis Maphanga Guebuza eh construtor.
Julião João Cumbane com Julião João Cumbane.

Um obreiro sem obra visível

Joaquim Chissano (na imagem) é nosso (nós moçambicanos) herói, sim. Ele abandonou o curso de medicina para se juntar à luta de libertação nacional, recrutado por Marcelino dos Santos e por Eduardo Mondlane.

Depois da morte trágica de Samora Machel, foi Joaquim Chissano que assumiu a presidência de Moçambique e conduziu o processo de pacificação deste país. Mas PECOU por não concluir o desarmamento da Renamo.

Não entendo por que os jornalistas NUNCA perguntam a ele (Joaquim Chissano) por que não desarmou completamente a Renamo, no quadro da implementação do Acordo Geral de Paz (AGP).

Por não desarmar a Renamo, depois de ter jurado CUMPRIR e FAZER CUMPRIR a Constituição da República de Moçambique, Joaquim Chissano cumpriu dois mandatos violando sistematicamente a Constituição da República de Moçambique, que ele jurara cumprir e fazer cumprir. É por isso que eu não consigo ver o "obreiro da paz" que alguns moçambicanos dizem ele (Joaquim Chissano) ser.

Hoje, Joaquim Chissano diz que «falta clareza» no diálogo pela paz. Eu pergunto:

Quando é que já houve clareza neste diálogo? Quando ele era Presidente?

É bom que fique claro para os moçambicanos que Joaquim Chissano é que armadilhou a paz em Moçambique. Este país só estaria em paz na condição de ele (Joaquim Chissano) continuar no poder. Como os camaradas tiraram-lhe o tapete, ele deixou um presente envenenado para os seus sucessores.

Espero que os meus compatriotas (moçambicanos) compreendam, agora, por que eu não vejo no Joaquim Chissano um obreiro da paz, mas sim um alguém que usou Afonso Dhlakama e Renamo para tentar manter-se no poder perpetuadamente.

Ainda assim, reconheço o papel de Joaquim Chissano na pacificação de Moçambique. Só não creio que ele seja esse "obreiro da paz", qual alguns de nós (moçambicanos) o qualificam.

Vamos lá deixar de ser bajuladores e encarar esta realidade tal qual ela é. O Joaquim Chissano foi nosso Presidente, sim. Mas não seja apenas por isso que nós temos que lhe dar títulos que ele não merece. Por exemplo, «obreiro da paz» ele não é, porque Moçambique não está em paz. E isto está assim porque ele (Joaquim Chissano) deixou a Renamo continuar continuar com uma guarda armada privada, enquanto «acarinhava» o Afonso Dhlakama em privado.

E também não é verdade que a solução para a paz em Moçambique passa pela eliminação física do Afonso Dhlakama. Ele é nosso concidadão e presta algum papel útil ao nosso processo de construção de Estado de Direito em Moçambique. A propósito, podemos tratar Joaquim Chissano como o Pai do Estado de Direito em Moçambique, porque foi ele que lançou as bases para o actual processo de construção de uma verdadeira república (democrática) em Moçambique. Afonso Dhlakama está a ser instrumentalizado por alguns de nós (moçambicanos), em associação com uma mão externa.

Enfim, vamos continuar a fazer apelos para que ele (Afonso Dhlakama) entenda, finalmente, que está a deixar-se enganar. O lugar dele (Afonso Dhlakama) é entre nós (moçambicanos) e não lá onde os seus enganadores o mandaram entrincheirar-se para fazer bandidagem em nome de uma falsa democracia, enquanto eles (os enganadores) comem do bom bem nas cidades. Esses é que são os verdadeiros bandidos armados e DEVEMOS neutralizá-los para que Moçambique possa, finalmente, alcançar a «paz efectiva».

Já disse.

Obrigado pela atenção!



GostoMostrar mais reaçõesPartilhar
73 73
13 partilhas
33 comentários
Comentários

Julião João Cumbane Já sei que vão dizer que estou a ATACAR Joaquim Chissano. Para esses que assim pensam, peço uma contenção de ânimos para que possam encarar a verdade narrada neste texto. Não sou contra Joaquim Chissano, mas sou contra o movimento pró sua canonização por obras que ELE NÃO FEZ. Não nos enganemos uns aos outros. Ele também precisa de ser íntegro e RECUSAR a bajulação de que sido alvo.

Joaquim Chissano é pai do Estado de Direito em Moçambique, mas não «obreiro da paz»! Ele adiou a paz efectiva em Moçambique, quando por duas vezes jurou CUMPRIR e FAZER CUMPRIR a Constituição da NOVA República de Moçambique, que ele fundou, e NÃO O FEZ, deixando a Renamo continuar ilegalmente armada. Quer dizer, ele (Joaquim Chissano) armadilho a nossa paz, quiçá pensando que ninguém mais quereria dirigir Moçambique com paz armadilhada.
Gosto · 5 · 8 h · Editado

Carlos Mindo Muita pena que minha voz nao chega a lugar nenhum prof ms ca entre nos (amigos e colegas no job) sempre falei a msm coisa.
E mais enquanto nao si resolver o desarmamento total e completo esse problema continuara...
Gosto · 2 · 9 h · Editado

Rildo Rafael A pergunta que Chissano colocaria seria hipoteticamente a seguite: Como e de que forma desaramar? Por que vias de facto? Pensar assim não é temer a ninguém? É muito fácil julgar após o leite derramado?
Gosto · 6 h

Carlos Mindo Eu acho do msm jeito e com mesma paciencia que teve pra calar as armas.
De outra forma apos as primeiras eleicoes devia é dar continuidade dado que era um processo inacabado...
Gosto · 5 h

Hermes Sueia Professor Cumbane porque será então que a RENAMO não entrega as armas voluntariamente?
Gosto · 1 · 4 h

Hermes Sueia Acha que mesmo que todas as armas tivessem sido recolhidas pelo Presidente Chissano não haveria condições para uma outra guerra? Por falta de armas? Ou já não se fabricam mais armas?
Gosto · 2 · 4 h

Vitorino David
Traduzido do Inglês
LeituraVer Original
Gosto · 9 h

Tércio Luísa de Oliveira SÓ TENHO A DIZER UMA COISA: MEUS PARABÉNS PELO TEXTO, POIS SEMPRE PENSEI ASSIM DO "SENHOR NA IMAGEM"!
Gosto · 2 · 8 h

Rildo Rafael A pergunta que Chissano colocaria seria hipoteticamente a seguite: Como e de que forma desaramar? Por que vias de facto? Pensar assim não é temer a ninguém? É muito fácil julgar após o leite derramado?
Gosto · 6 h

Elvira Chauque
Gosto · 8 h

Muianga João 1-Será que Moçambique está em guerra porque a Renamo está armada?
2- Será que o desarmamento da Renamo é o fim dos conflitos neste país?
Para mim, a pacificação de Moçambique não tem a ver com o desarmamento deste ou daquele mas sim o reencontro dos moçambicanos para uma reconciliação efectiva.
As armas que circulam neste país, não só são as armas de fogo, também as bocas armadas de fogo.
Joaquim Chissano desempenhou papel importante na construcao, manutenção da paz e coexistência pacífica das forças regulares e irregulares neste país.
O que vale entre correr para desarmar e provocar guerra e ignorar para manter a paz?
O que aconteceu é igual a tu teres um poço em casa sabendo que lá dentro tem uma serpente que come rãs e de lá não sai mas porque tu não te contentas pelo facto desse réptil estar lá, botas petróleo e fogo no poço para matar a serpente, o que vai acontecer, é que nao vais matar a serpente porque ela vai para agua a baixo com graves consequências de morrer de sede porque não vais beber mais daquela fonte por estar contaminada.
Este não é o momento de apontarmos dedo e culparmos este ou aquele da situação do país (falo da situação de guerra porque outros assuntos tem culpados), há que buscarmos formas pacíficas de nos reconciliar.
Em Moçambique, houve assinatura dos acordos de paz e o calar das armas mas não houve reconciliação nacional, essa reconciliação não só faltou entre os políticos e militares mas sim em várias camadas sociais que vivem em desconfiança eterna de sempre procurar saber de que lado tu estás, tu não és dos nossos e etc. O papel de reconciliação dos moçambicanos, não cabia ou não competia só ao presidente Joaquim Chissano mesmo que fosse Deus soberano, cabia e cabe sim ao povo no seu todo, se olhamos sob ponto de vista da liderança, Chissano não governou sozinho este país, ele teve apoio do governo com suporte da FRELIMO órgão soberano do Estado e depois partido FRELIMO, nesta base de ideia, Chissano não é o único culpado da inércia do desarmamento da Renamo.
Presidente Chissano é intelectual senão dos raros em África, por isso mereceu distinções em muitos cantos do mundo e não de fantochada, ele balançou esta questão de entrar numa aventura de desarmar a Renamo que só lhe traria consequências negativas para o país, ele sabia e bem que a Renamo não era uma força qualquer continuava aquela Renamo que criou instabilidade para o país durante 16 anos que saiu das matas para conviver nas cidades, isso já foi um ganho grande que mantermos o país num estado de paralisia tetraplegica como aconteceu nos últimos tempos.
Viva a unidade nacional, não a intriga, não aos instigadores da violência, viva Presidente Chissano, o obreiro da paz em Moçambique e no mundo!

( Chamo ao debate o Alvaro Simao Cossa e Lyndo A. Mondlane)
Gosto · 16 · 5 h · Editado

Aulito Andrade O Sr: está maluco, só pode ser. Desse jeito não irás subir de cargo, isso não é lamber bota, é ponografia
Gosto · 3 · 8 h

Isaura Machava Já ouviu falar em liberdade de expressão? ? Pois, se não, saiba que existe... se você não sabe o que falar simplesmente cale-se
Gosto · 8 · 8 h

Mapamo Carlos Aulito Andrade. Você é que está maluco e lambe botas.
Gosto · 1 · 6 h

Homer Wolf Yuh!
Gosto · 1 · 1 h

Lyndo A. Mondlane O presidente chissano foi pragmático Muianga João, ele sabía q nao havia capacidade para desarmar a renamo, ele conhecia as forcas com q contava, é se dedicou ao autoengano, e de passo apaciguar o DHL, resumindo escondendo a sujidade debaixo do tapete por entender q a escova nao esta em condicoes de varrer. Consequencias, a sugidade saiu. E os problemas voltaram, o presidente guebuza, sem querer entrar noutras partes da sua gestao, foi um estadista nato.. Soube entender q um estado q se queira chamar assim, nao pode q cada quem quiser ter sua milicia. Um estado nao pode ter 2 exercitos, so q nao se deu conta da escassa capacidade desse único exercito q tinha ou q pretendía ter.. muianga João, a renamo armada sempre foi como uma ferida no pé sem tratar com risco de gangrena. Compete ao dono do pé, se esconder a ferida e fingir q nao ha problema, preparar as condicoes p tratar a ferida, ou trata la más sem condicoes, com o risco de piorar, nisso estamos.... Si se tivessem fortificado as forcas armadas, quem sabe a estas alturas estaríamos noutra fase
Gosto · 4 · 7 h · Editado
Ocultar 13 respostas

Muianga João Exactamente, vê o penúltimo parágrafo do meu comentário Lyndo A. Mondlane.
Gosto · 1 · 7 h

Lyndo A. Mondlane Más estou dizer q ele preferiu por sentido práctico vendar o pé infectado é com calmantes aguentar, más a infecao estava Ai.. So retrasou o pioramento... Mas ele entendía q nao tinha nem medicamentos nem conhecimentos p tratar a infecao.. essa estava gangrenando e ameicando a integridade física..o guebuza preferiu atavar a infevao desfe a base,más sem medicamentos nem recursos.
Gosto · 2 · 7 h · Editado

Rildo Rafael Lyndo: Correcto: A pergunta que Chissano colocaria seria hipoteticamente a seguite: Como e de que forma desaramar? Por que vias de facto? Pensar assim não é temer a ninguém? É muito fácil julgar após o leite derramado?
Gosto · 1 · 6 h

Lyndo A. Mondlane Isso mesmo, más o povo so quer ver a renamp desarmada, os como isso é q deve responder chissano.. Mas bom, fortificando o exercito, como se fez.. Mas mais..
.
Gosto · 1 · 6 h · Editado

Rildo Rafael Lyndo Mondlane: A sujidade dentro do tapete podia muito bem ser varrido por outras pessoas (continuidade)...Chissano reconheceu a existência do lixo e avaliou a possibilidades e formas mais acertadas para a sua remoção: Ele percebeu que se varrer como uma vassora estragada poderia causar mais lixo ao invés de limpar o tapete: Essa atitude por parte de Chissano é de louvar! O que se fez após Chissano e de que forma? Será que se tomou como linha de base o reconhecimento que Chissano fez do lixo e as possibilidades por si equacionadas?
Gosto · 1 · 6 h

Lyndo A. Mondlane Nao se deve viver eternamemte na incerteza.. Nao é recomdavel..
Gosto · 1 · 6 h

Rildo Rafael Lyndo A. Mondlane: Chissano soube reconhecer a dimensão do problema olhando para a conjectura mundial: Algum país do mundo já conseguiu se livrar deste tipo de lixo com recurso a violência? Acho que o homem ponderou e percebeu que caminho encetar para não caiar muma nova esvcalada de violência! Há que dar mérito a forma como este estadista conduziu o processo (repare que estamos a falar de processo e não algo acabado)...Desarmar por vias militares é bastante oneroso e podia abrir novas feridas!
Gosto · 1 · 6 h

Lyndo A. Mondlane Estou de acordo Rildo Rafael, lhe vejo pragmático.. Por isso chegou guebas é achou continuar trabalho de chissano a sua maneira, pecou por nao haver visto a falta de capacidade. Mas a ideia nao era má..
Gosto · 1 · 6 h · Editado

Lyndo A. Mondlane Sim, existem, Angola. Sri Lanka.. Estao a nosso nivel, logo Russia a outro nivel com os chechenos, más repito o chissano nao tinha muitas opcoes, fez o melhor naquele momento, nao implica q fosse o correcto
Gosto · 1 · 6 h

Rildo Rafael Lyndo A. Mondlane; Esses exemplos são acertados, mas não são aquelas consideradas "as melhores" e esta nossa a par da colombiana e Fatah na Palestina são tidas como as mais robustas...Mas mresmo assim esse não é o foco! A solução Angolana é mais perigosa do que a empreitada desenvolvida por Chissano...Um barríl de Pólvora...Sendo a reconciliação " UM PROCESSO" ele deu seu contributo e ate agora podemos falar como um verdadeiro sucesso e estivemos nos holofotes internacionais por este feito: O que se fez para salvaguardar a obra de Chissano, para continuidade e quiça para o superar com objectivo claro de trazer a paz para os moçambicanos?
Gosto · 2 · 6 h

David Colaco Ribeiro Rildo Rafael o que se fez após Chissano, para continuidade do seu trabalho e quiçá o superar foi "PESCAR ATUM E LIXAR O PAIS"...em poucas palavras. Os bons entendedores irão compreender
Gosto · 2 · 5 h

Lyndo A. Mondlane Rildo Rafael, eu disse muitas vezes q chissano nao tinha.muitas opcoes, fezz o melhof naquele momento..ou seja o menos mal.. Mas nao implica o melhor.. Mas noutra parrte estragou o país com seu deixa andar..é estaremis hipotecados por geracoes, por aquelas politicas
Gosto · 2 · 5 h · Editado

Lyndo A. Mondlane Nos tinsmos é temos 2 exercitos. Era so questao de tempo q um canibalizasse o outro.. Um país nao pode ter 2 exercitos é se alguem Acha isso paz, quando lhe exigem doc. Pessoas armadas sem mandato para tal so é so porq esse é o preco da paz, entao temos problemas e graves como nacao Rildo Rafael...
Gosto · 1 · 5 h · Editado

Gaspar Americo Gove A renamo estava no bairro t3 costa do sol etc, o Chissano tinha que fazer algo pra parar com a guerra, ele fez isso, si estamos em guerra hoje a culpa e' de todos nos que nao conseguimos ver os membros da oposicao como irmaos.
Gosto · 1 · 7 h

Muianga João Até zona verde!
Gosto · 1 · 7 h

Gaspar Americo Gove Concerteza meu caro, na minha opiniao Chissano esta de parabens porque conseguiu parar com a guerra.
Gosto · 1 · 7 h

Munguambe Nietzsche Sera a sua política diplomática que causou este conflito que temos em Moçambique por tere deixado a renamo armado? O que era certo naquela altura era usar meios política ( coesão ) ou meio diplomático para ultrapassar as diferenças?... minha opinião é que os dois meios era necessário para o bem do país.

O que acontece hoje não é aceite em qualquer país do mundo que os partidos políticos seja armados e por conta disso reivindica quasquer coisa.

Dado a isso podemos dizer que algo falhou no acordo de roma. Era imperativo que a renamo não continua - se com as armas.
Gosto · 7 h · Editado

Alvaro Simao Cossa Lyndo A. Mondlane Eusébio A. P. Gwembe e Muianga João quem sabe porque o presidente Guebuza mandou prender o antigo ministro da Seguranca A. Manhenje? As medidas que o presidente Chissano tinha tomado para lentamente desarmar a Renamo sem guerra, foram sabotadas com a prisao do A. Manhenje, por isso, o que Julião João Cumbane escreve aqui carece deste conhecimento valioso, estrategico e certissimo, ao meu ver, do presidente Chissano.
Gosto · 8 · 7 h · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Chissano ja respondeu por que motivo nao desarmou a Renamo. Em poucas palavras, a probabilıdade de uma nova guerra era maior. Se assim disse quem esteve sempre ligado a defesa, quem sou eu para contestar!!
Não gosto · 6 · 7 h

Rildo Rafael Certo Eusébio A. P. Gwembe: Tomou a decisão de um Chefe de Estado: A pergunta que devemos fazer ao Julião João Cumbane: Como e porque vias o Chissano deveria desarmar? Hipoteticamente se coloque no lugar do PR nos anos entre 1988-1992?
Gosto · 2 · 6 h

Lyndo A. Mondlane Por isso, ele vía q nao tinha capacidade
Gosto · 2 · 7 h

Muianga João Falta de capacidade, é de um Estado pobre como nosso suportar uma guerra que dar saúde e educação de qualidade ao seu povo.
Gosto · 1 · 6 h

Lyndo A. Mondlane Bom essa é a teoría, porq creio q ao nosso estado nunca lhe preocupou a saude do seu povo, exemplos Sao muitos..so que ele vía q corría o risco de ser desarmado, porq com um exercito melho q o q tinha chissano, nao ha forma de desarmar a esses, imagina naquele tempo..
Gosto · 2 · 6 h · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Na altura se estava a formar FIR. talvez se pensava que seria com esta força antimotim que se desarmaria compulsivamente a Renamo. Em 1997, em Marıngue, um admıstrador local foı preso e levado para Beira aında amarrado, e o Governador recebeu ordens para nao se aproxımar do local prevısto para a reunıao, so para mencıonar alguns dos poucos incidentes. E na mesma altura, a Renamo movımentou cerca de 1000 homens. Portanto, longe da teorıa, havıa mais evıdencıas do perıgo latente. Chıssano fez a sua parte e fez bem.
Gosto · 4 · 6 h

Muianga João Sublinho Eusébio A. P. Gwembe " Chissano fez a sua parte e fez bem"
Gosto · 6 h

Lyndo A. Mondlane Ok.. Mas até quando ia se viver de malabarismos???
Gosto · 6 h · Editado

Lyndo A. Mondlane Foi secuestrado, nao preso, so prendem alguem.os agentes da leí, a mándo de um juiz, o resto é secuestro..
Gosto · 6 h · Editado

Mateus Mateus Jr. Factor "timing"! Queria que Chissano usasse os mesmos princípios de Samora Machel? Será que não poderiamos chegar a estas alturas com o país em guerra se não existisse o derrotado?
Gosto · 1 · 4 h · Editado

Rildo Rafael Eusébio A. P. Gwembe: E disso que as pesoas desconhecem quando falamos de processos de descalonação em conflitos...Muito bem
Gosto · 1 · 6 h

Agostinho Augusto Não tinha capacidade de desarmar, alias em 90 a Resistencia ja tinha ocupado muitos Distritos do centro e norte.
Gosto · 3 h

Alvaro Simao Cossa Presidente Chissano foi sabotado
Gosto · 1 · 6 h

Heleno Bombe Caro professor estou bastante satisfeito por ler o seu post isento de afinidades e amarras políticas contudo dizer que numa entrevista ao antigo chefe da ONU Aldo Aelo teria dito que o processo de desarmamento da Renamo foi difícil e acaretava custos não imagina veia porque aquando da desmobilização foi entregue uma lista de pessoal a ser desmobilizado e apareceram milhares e milhares que não tinha sido previsto o que quer dizer que havia muita proliferação de armas e de Homens a espera de serem desmobilizados mas que a missão já não tinha orçamento para desmobilizar, para mandar para reserva , para enquadrar no exercito unico e para integração social e foi face a isso que até hoje temos os homens residuais da Renamo a espera de integração e desmobilização!
Gosto · 2 · 6 h

Fortuna Bernardo O que mais vale? Uma tentativa de desarmamanto que gera conflito ou deixar as coisas como estão e termos uma paz tal como Joaquim Chissano foi capaz de nos garantir? Os que se acharam de sábio tentaram fazer o contrário daquilo que ele, J. Chissano, foi capaz de fazer sobretudo de forma inteligente. Julião João Cumbane, os outros devem sentar com ele, J. Chissano, e de forma humilde procurarem entender como ele foi capaz de conviver o tempo todo com a Renamo e suas lideranças e manter a paz. Tudo resto é conversa de café.
Gosto · 3 · 6 h

Lyndo A. Mondlane Aquilo era paz podre.. Algum día ia rebentar é com o risco de tomatem a ponta vermelha..
Gosto · 2 · 6 h

David Colaco Ribeiro Uma questão apenas: "o que significa Paz podre"? É o facto de a Renamo estar armada? Achas que, mesmo desarmada, se a Renamo quisesse não poderia conseguir armas novamente? Hoje em dia é muito mais fácil comprar armas que comida...o que impediria a Renamo de se voltar a armar novamente mesmo se tivesse sido desarmada em 1992? A guerra que vivemos actualmente nada tem a ver com o facto de a Renamo não ter sido desarmada. Ele, o prof. Julião João Cumbane acho que não sabe os reais motivos da guerra actual e está a tentar apalpar, ou, sabe e está a tentar nos distrair atirando poeira aos nossos olhos. E..se não sabe é porque não tem acesso às chefias dele que colocaram o país no estado em que está.
Gosto · 2 · 5 h

Lyndo A. Mondlane Paz podre é ter exercitos paralelos ameicando cidadaos todos dias, mesmo sem disparar.. Mz deve ser o único país do mundo com 2 exercitos é q alguns acham isso normal so para nao ouvir tiros.. Pois bem Ai estao os tiros agora... Eu estou longe, o pais ja pode SIRIALIZAR-SE. com nao se disparem mutuamente para alguns é preferivel..
Gosto · 5 h · Editado

Fortuna Bernardo Qual paz podre. Fique ciente de que não existe guerra boa nem paz ruim, só para recorar Mahatma Ghandi. Muitas vezes esses comentários são feitos debaixo do ar condicionado! Te desadio que se você vivesse um dia os momentos que os outros vivem por causa da tensão teria pensado o contrário.
Gosto · 1 · 6 h

Rildo Rafael Com andar deste debate acho que iremos mergulhar no AGP...Eusébio A. P. Gwembe
Gosto · 6 h

Lyndo A. Mondlane Paz podre Fortuna Bernardo porq as consequencias estao Ai, si se tivessem resolvido bem tudo desde o inicio, nao teriamos emboscadas hoje.
Deixar p amanha o q se deve fazer hoje.. Procastinacao... Mas repito o chissano nao tinha muitas opcoes.......a paz nao á so o calar das armas. A paz é um estado q alcanca um país. Sem ameacas imediatas.. Entendo q tu preferes viver com calmantes antes de operar se. Mas essa é tua opcao nao deveria ser a de um pais
Gosto · 1 · 6 h · Editado

Eusébio A. P. Gwembe E o problema das guerras que termınam sem vencıdos e sem vencedores.
Gosto · 2 · 6 h

Rildo Rafael Lyndo A. Mondlane: Verdadeira reconciliação nacional: Evita que mesmo desarmemos as pessoas voltem a armar-se! Chissano encetou o modelo e por vezes não é compreendido! A violência para desarmar (mesmo que obedeça os comandos constitucionais) desencadaria violência)...O PR Chissano sendo alguém com uma experiência assinalável percebeu a dimensão do problema e caminhou por outras vias e gradualmente as mentes se desarmariam por si só!!
Gosto · 4 · 6 h

Rildo Rafael Eusébio A. P. Gwembe: Exacatemte ninguém ganha a guerra, mas o povo é que perde mesmo!!!
Gosto · 6 h

Lyndo A. Mondlane Te entendo Rildo Rafael...
Gosto · 1 · 6 h

Fortuna Bernardo Argumento descabido. Quanto tempo de paz ele nos deu? Parece que você, Lyndo A. Mondlane, vive noutro planeta. A tal tentativa de desarmar culminou em consequênciaa graves que hoje vivemos. Eu posso dizer-te que se hoje Joaquim Chissano concorrer as eleições presidencial a chance de ascender ao poder mesmo sem ter feito inquérito é de 90%.
Gosto · 3 · 6 h

Lyndo A. Mondlane Sim o Trump tambem ganhou, a popularidade, nem sempre é sinal de ser excelente governante.. Os problemas q temos hoje, emboscadas a parte, o chissano os regou e semeiou, a corrupcao, o deixa andar, o desleixo, a falta de seriedade etc, Sao filhos legít...Ver mais
Gosto · 1 · 6 h · Editado

Rildo Rafael Lyndo A. Mondlane: O Chissano deve ter uma barriga do tamanho do mundo para gerar tanto mal: corrupcao, o deixa andar, o desleixo, a falta de seriedade etc,...Este são outros pesadelos que Chissano não gerou...Coitado! Ele devia estar em todas num contexto em que o país estava em gerra e depois em paz!
Gosto · 1 · 5 h

David Colaco Ribeiro Heheheh Lyndo A. Mondlane, então, a dizer que a corrupção só teve lugar no tempo de Chissano? E que o outro AEG somente criou a política do Lambe batismo? Porque isso sim, na era Guebuza apareceram muitos Lambe botas e alienados mentalmente. Então, os 3 bis de USD do ATUM foi Chissano que contraiu e lixou o país? Acredito
Gosto · 1 · 5 h

Lyndo A. Mondlane Ele criou as sementes é nao fez nada, tenho entendido q naquele tempo o ministerio dos transportes era fazenda privada do ministro de turno.. Q depois voces elegeram por 2 vezes, é deu no q deu, será q chissano nao sabía nada???? Será??? O deixa andar é isso..
Gosto · 1 · 5 h · Editado

David Colaco Ribeiro E o INSS? Tb foi na época de Chissano que virou saco azul do Governo? Não será isso tb deixa andar?
Gosto · 5 h · Editado

Rildo Rafael O que competiu e compete como responsabilidade (dos moçambicanos) para o processo de pacificação deste país após o mandato de Joaquim Alberto Chissano? Se não o colonialismo será culpado de tudo... Lyndo A. Mondlane e Eusébio A. P. Gwembe: Este post faz lembrar aquele filho que depois de olhar para traz percebe que não teve sucesso na vida e de forma apressada encarrega toda a culpa no seu encarregado de educação
Não gosto · 3 · 5 h

Lyndo A. Mondlane O pai pode ter sua dose de culpa Rildo Rafael se nao deu as ferramentas, ja sejam educativas ou incluso em recursos.. Se na familia nao ha disciplina, nao ha cultura de esforco, nao ha ambicao, ha apatía, isso os filhos heredam é acabam preferrindo um mes de feriados é de festas antes de por se a estudar.. Ai esta a responsabilidade dos progenitores ou dirigentes.. O chissano nos tirou a cultura do esforco, roubar ou estafar passou a ser bem visto.. É assim estamos
Gosto · 1 · 5 h · Editado

Rildo Rafael Temos que rever a governação de Chissano!!!!!
Gosto · 1 · 5 h

Lyndo A. Mondlane Um desastre total.. 18 anos perdidos amigo.. O chissamo nao deveria ter sido presidente nunca..
Gosto · 2 · 5 h

Lyndo A. Mondlane Aquelas privatizacoes o bcm, o siba siba, o cardoso, nas reparticoes públicas se corrompiam funcionarios a vista de todos. Os ministros oubavam a vista de todos.. Entendo q essa vida facilona goste Fortuna Bernardo, entendo o amigo fortuna Ame um país sem leí nem ordem, más pelo bem do pais. Pelo futuro nao é melhor opcao.
A cultura da pilhagem sem responsabilizacao, nao deveria agradar a ninguem...mas bom o migo fortuna prefere isso ao progresso, a ordem, a disciplina, ao desenvolvimento.. La cada qual com suas escolhas..
Gosto · 2 · 5 h · Editado

Eusébio A. P. Gwembe E agora, com o mal feıto, qual e a saıda Lyndo A. Mondlane. As forças armadas deram e aında dao o seu melhor mas as coısas estao como estao. Qual deve ser a saıda? A mesma pergunta se dırıge ao Julião João Cumbane
Não gosto · 5 · 5 h

Rildo Rafael Como desarmar? Me parecce que os outros vão se armando quanto mais se pretende desarmar pelas vias de facto? Qual deve ser a saıda? Como desarmar e se desarmarmos, como assegurar que não voltarão a se armar? parecem perguntas simples? Eusébio A. P. Gwembe, Lyndo A. Mondlane, Julião João Cumbane, David Colaco Ribeiro
Gosto · 1 · 5 h

Lyndo A. Mondlane Conversar.. Nao ha capacidade, incluso dar lhe o poder se ele pedir é se o preco da paz é esse q se lhe entregue a ponta vermelha, como diría Fortuna, so queremos paz nos.. É se essa paz custa a perna do meu primo.. Eu so quero paz, excepto se essa perna a cortar é a minha.. Ai ja nao q se lixe a paz...
Gosto · 5 h · Editado

Eusébio A. P. Gwembe Lyndo A. Mondlane es pelo GUN?
Gosto · 5 h

Lyndo A. Mondlane So quero paz eu..kikiki.. Incluso GUN. Q dirija Dlakama, q pare de disparar... Kkkk más brincadeiras nao vejo a renamo com capacidade p exigir GUN. Nao tem forca para isso, So pode prejudicar a ja pobre economia.... Em realidade sou partidario de q quem perde as eleiçoes q faca oposicao, é trabalho útil é valioso
Gosto · 1 · 5 h · Editado

David Colaco Ribeiro Uma questão apenas: "o que significa Paz podre"? É o facto de a Renamo estar armada? Achas que, mesmo desarmada, se a Renamo quisesse não poderia conseguir armas novamente? Hoje em dia é muito mais fácil comprar armas que comida...o que impediria a Renamo de se voltar a armar novamente mesmo se tivesse sido desarmada em 1992? A guerra que vivemos actualmente nada tem a ver com o facto de a Renamo não ter sido desarmada. Ele, o prof. Julião João Cumbane acho que não sabe os reais motivos da guerra actual e está a tentar apalpar, ou, sabe e está a tentar nos distrair atirando poeira aos nossos olhos. E..se não sabe é porque não tem acesso às chefias dele que colocaram o país no estado em que está.
Gosto · 5 h

Mussá Roots "Ele(o presidente Chissano) é um Homem estranho"

By profe. Julião João Cumbane.
Gosto · 4 h · Editado

Rildo Rafael Julião João Cumbane, Lyndo A. Mondlane, Eusébio A. P. Gwembe: O que é desarmar? Quem desarmou completamente este movimento! A culpa não deve morrer solteira? Joaquim Alberto Chissano é o culpado? Consta que o PR JAC (Joaquim Alberto Chissano) não foi o primeiro Presidente da República Popular de Moçambique, mas foi o (1º PR da República de Moçambique) … O que aconteceu entre Samora Moisés Machel e Joaquim Alberto Chissano- Todos se empenharam em desarmar? Não percebo porque os jornalistas devem perguntar o PR Chissano porque não conseguiu desarma-los? Quem conseguiu (antes e após o consulado de Chissano) desarmar? Chissano esteve ligado a paz (aquela semente da paz que muito bem foram lançadas por esse estadista moçambicano). O facto de ele afirmar que falta clareza no diálogo não quer dizer que o mesmo afirma que durante o seu envolvimento na pacificação do país, foi único momento em que houve clareza…até podemos supor que pela sua experiência no envolvimento nesses processos, ele esteja a reconhecer (que no seu tempo também não houve clareza, pela semelhança do andamento do processo---Por hipótese). Dizer que o PR armadilhou a paz par se perpetuar no poder é desconhecer dos comandos constitucionais (constituição) da República de Moçambique em relação ao nº de mandatos que um PR deve candidatar e se recandidatar. O facto de Moçambique se encontrar numa situação difícil em relação a paz não subverte o papel que JC teve neste processo…Processos de paz são duradoiros e exigem alguma perícia e astúcia para contornar os obstáculos que vão surgindo dentro do processo: Muito fácil julgar após o leite demorado! Estas análises deviam ser feitas lá para os anos de 1989, 1992, 1994, 2007 em diante….Abraços! Julião João Cumbane: Estes Post estão realmente a suscitar debate!! Parabéns!!!
Gosto · 1 · 2 h

David Colaco Ribeiro Acho que é o que o prof. Julião João Cumbane pretende...suscitar debate. Talvez queira entrar para o Guiness Book.
Gosto · 1 · 1 h

Luís Loforte A única pessoa que nos deu a viver 20 anos de paz chama-se Joaquim Alberto Chissano. O resto é falácia!
Não gosto · 5 · 2 h

Homer Wolf Eu se fosse o Profe, disfarçava. Cumpria esse "desiderato" de esculhambar Chissano (sabe-se lá porquê) de maneira mais subtil...
É que... eish, já não há pachorra!
Gosto · 3 · 1 h

Mussá Roots É que isto está sendo feito de forma descarada a roçar o vulgar...
Gosto · 2 · 1 h

David Colaco Ribeiro Logo no mês de Dezembro...
Gosto · 1 · 1 h

Homer Wolf Parcial, tendencioso e sobretudo DESPROPOSITADO.
Quer (em ultima análise - como diz o outro) assessorar Nyusi? Assessore-o à vontade - e até nos convide para a gente fazer coro - mas não precisa de atacar Chissano.
Gosto · 3 · 1 h · Editado

Mussá Roots Ntsém!
Gosto · 58 min

Armando Cuna Luís Loforte eh tao forte e verdade isto que dizes, que so nao ve quem nao o quer. Paras uma guerra fratricida de 16 anos com base numa negociacao que durou 2 longos anos, es burro se fores a insistir em factores que so te fazem retornar a guerra. Chissano percebeu isto melhor do que ninguem. Quando a guerra termina, eu nao sei onde eh que estava Juliao Joao Cumbane. Eu estava em Maputo com todas as cidades do Pais completamente cercadas pela Renamo. Qualquer tentativa de desarmar a Renamo a forca, fazia nos retornar a guerra. Insisto: so um Chissano burro eh que nos ia arrastar para essa via. Ja agora e depois do teu Guebuza/Nyusi terem gasto tanto dinheiro a comprarem arsenais de armas JJC porque eh que Nyusi, num toque de magia, nao desarma a Renamo e acaba com a puta desta guerra? Sabes porque eh que nao o faz? Porque a via nao eh essa. Mesmo que quisesse, Nyusi nunca vai resolver o problema por ai.
Gosto · 2 · 1 h

Dinoky Maringue Caro amigos neste momento, não vamos procurar quem o culpado, o importante neste momento é manter a paz para tudo sempre, chissano fez o que podia e o povo agradece o efeito
Gosto · 1 · Agora mesmo

1 comentário:

Chuphai Mutucua disse...

Sempre criando minhocas na cabeça dos Moçambicanos. Parece que este é mais um artigo do Sr. JJC difícil de compreender. Pena que não podemos deixar de ler quando entramos neste blog, mas as vezes este Senhor JJC mete minhocas nas cabeças das pessoas. Guebuza foi e sempre será o ladrão implacável que Moçambique tem. Nyusi não tem qualidade para dirigir Moçambique e cada mostra que nem discurso tem. Chissano nos deu uma PAZ duradoura. Mas Guebuza e Nyusi quebraram essa Paz, culpar a Chissano considerando a PAZ que ele trouxe como frágil é pensar pelos pés e não pela cabeça. Se a PAZ de Chissano foi frágil porque é que não houve guerra durante o seu mandato. Em 1999 Dlakama ganhou eleições mas foi ao mato porquê? A minha resposta a estas perguntas é: Chissano sabia lidar com seus opositores e sabia diplomaticamente como lidar com os doadores, ele era expertise em governar. Não merece ser culpado por ter deixado o poder pacificamente, mas os seus substitutos tem toda culpa e não vale a pena tentar por pomada numa pele que esta cheio de areia.
Procuremos outras culpas para colar a Chissano mas esta não vale…

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.