terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Carta Aberta ao Diretor de Inteligência Nacional James Clapper:


Christine Pelosi
Eleitor presidencial de CA do 12o CD. CA Presidente do Caucus das Mulheres do Partido Democrata. Serviu como procurador em SF e anteriormente um chefe de pessoal em Capitol Hill.
ontem
Eleitores bipartidistas perguntam a James Clapper: Divulgue fatos sobre interferência externa na eleição dos EUA

Carta Aberta ao Diretor de Inteligência Nacional James Clapper:

Nós somos Eleitores que foram selecionados pelos eleitores de nossos estados para representá-los no Colégio Eleitoral em 19 de dezembro de 2016. Pretendemos cumprir nossos deveres como Eleitores, assegurando que selecionamos um candidato a presidente que, como nossos Pais Fundadores previram, Seria "dotado das qualificações necessárias". Como eleitores, também acreditamos que a deliberação é o cerne da própria democracia, não uma tarefa vazia ou formal. Não entendemos nossa única função de nos reunirmos em meados de dezembro, várias semanas após o dia da eleição, e de somar nossos votos. Ao contrário, a Constituição prevê o Colégio Eleitoral como um órgão deliberativo que desempenha um papel crítico em nosso sistema de governo - garantindo que o povo americano eleger um presidente que é constitucionalmente qualificado e apto a servir. Consequentemente, para cumprir o nosso papel de Eleitores, buscamos uma oportunidade informada e irrestrita para cumprir nosso papel constitucional até 19 de dezembro - isto é, a capacidade de investigar, discutir e deliberar com os nossos colegas sobre quem votar na eleição Faculdade.

Enfatizamos ainda a afirmação de Alexander Hamilton no Federalist Paper # 68 de que um dos objetivos principais do Colégio Eleitoral era impedir um "desejo em poderes estrangeiros de ganhar um ascendente impróprio em nossos conselhos". A comunidade de inteligência dos Estados Unidos concluiu agora com "alta confiança "Que uma potência extrangeira, a Rússia, agiu secretamente para interferir na campanha presidencial com a intenção de promover a candidatura de Donald Trump. Durante a campanha, a Rússia tentou ativamente influenciar o resultado das eleições através de ataques cibernéticos sobre nossas instituições políticas e uma campanha de propaganda abrangente coordenada por meio do Wikileaks e outros meios de comunicação.

As alegações de que Donald Trump estava recebendo assistência de uma potência estrangeira hostil para vencer as eleições começaram meses antes do dia da eleição. Ao ser informado de que o governo russo estava interferindo nas eleições durante o curso da campanha, tanto em briefings privados como em avaliações públicas, Donald Trump o rejeitou, recusou condená-lo e continuou aceitando sua ajuda. Donald Trump chegou a fazer uma súplica direta ao governo russo para interferir mais na eleição em uma conferência de imprensa em 27 de julho, dizendo: "A Rússia, se você está ouvindo, eu espero que você é capaz de encontrar os 30.000 e-mails que estão faltando . "

De acordo com relatórios do Washington Post, do New York Times e de outros meios, a comunidade de inteligência dos Estados Unidos concluiu definitivamente que a interferência russa foi realizada para ajudar Donald Trump a ser eleito, mas mesmo hoje Trump está se recusando a aceitar essa descoberta . Em resposta aos relatórios, o escritório de transição de Trump emitiu uma declaração que questionou a validade dos resultados de inteligência dos Estados Unidos e declarou a eleição apesar do Colégio Eleitoral ainda não votar. A disposição de Trump de ignorar conclusões feitas pela comunidade de inteligência e sua defesa contínua da Rússia e do presidente russo Vladimir Putin exigem um exame minucioso e uma deliberação do Colégio Eleitoral.

Separada das próprias negativas do Sr. Trump de envolvimento russo na eleição, a comunicação confirmada entre os assessores de Trump e aqueles associados à atividade de interferência eleitoral na Rússia levanta sérias preocupações que devem ser tratadas antes de votarmos. O confidente de Trump, Roger Stone, confirmou durante a campanha que estava envolvido em comunicações de back-channel com o fundador do Wikileaks, Julian Assange, responsável pela liberação de muitas das comunicações Democratas russo-hackeadas, e indicou que ele estava ciente do conteúdo hackeado antes de seu lançamento . O assessor de política externa Trump, Carter Page, teria visitado Moscou em julho deste ano, pouco antes do lançamento de comunicações DNC, durante as quais se acreditava que ele se encontrou com o assessor de Putin encarregado da inteligência russa nas eleições americanas. Page retornou a Moscou esta semana, onde afirmou estar se encontrando com os empresários russos e líderes de pensamento.

Além de Donald Trump e a conduta de seus assessores, as revelações sobre o seu envolvimento com o governo russo ao longo da campanha exigem uma investigação mais aprofundada, bem como a divulgação completa das conclusões de quaisquer esforços de investigação em curso ou fechados:
Funcionários do governo russo revelaram que tinham mantido contato com a campanha Trump durante as eleições e afirmaram que estavam familiarizados com a maioria dos indivíduos associados com o Sr. Trump.
    As investigações dos meios de comunicação sobre se o FBI estava investigando o apelo de julho de Donald Trump para a interferência russa na eleição resultou em uma "resposta Glomar" nem confirmando nem negando a existência de uma investigação, em vez da resposta mais típica de negar o pedido.
    Funcionários de inteligência dos EUA teriam investigado o assessor de política externa de Trump, Carter Page, em relação à viagem a Moscou durante a campanha.
    O FBI teria iniciado um inquérito sobre os associados do Trump após relatos de uma relação comercial de vários milhões de dólares com figuras pró-Putin na Ucrânia e na Rússia e relatos de um esforço para influenciar a opinião pública americana em favor do governo pró-Putin da Ucrânia.
    Michael Flynn, assessor de campanha da Trump e o anunciado Conselheiro de Segurança Nacional, viajou para a Rússia em dezembro de 2015 para um evento de gala celebrando a RT, uma rede de propaganda controlada pelo Estado, na qual ele estava sentado ao lado do presidente russo Vladimir Putin.

Os eleitores precisam saber da comunidade de inteligência se há investigações em andamento sobre os laços entre Donald Trump, sua campanha ou associados e a interferência do governo russo na eleição, o escopo dessas investigações, até onde essas investigações podem ter chegado e quem foi Envolvidos nessas investigações. Exigimos ainda uma instrução sobre todas as descobertas de investigação, uma vez que estas questões têm um impacto directo nos factores essenciais nas nossas deliberações sobre se o Sr. Trump está apto a servir como Presidente dos Estados Unidos.

Além disso, os eleitores exigirão separadamente de Donald Trump evidência conclusiva de que ele e seus funcionários e conselheiros não aceitaram a interferência russa, ou colaborar de outra forma durante a campanha, e negação conclusiva e repúdio dessa colaboração e interferência no futuro.

Esperamos que as informações e ações descritas nesta carta sejam fornecidas de maneira expedita, para que possamos cumprir nosso dever constitucional como eleitores.

Assinado,

Christine Pelosi (CA)

Micheal Baca (CO)

Anita Bonds (DC)

Courtney Watson (MD)

Dudley Dudley (NH)

Bev Hollingworth (NH)

Terie Norelli (NH)

Carol Shea-Porter (NH)

Clay Pell (RI)

Chris Suprun (TX)

Recentemente eleitores:

Edward Buck (CA)

Donna Ireland (CA)

Vinz Koller (CA)

Katherine Lyon (CA)

John P. MacMurray (CA)

Andres Ramos (CA)

Gail Teton-Landis (CA)

Olivia Reyes-Becerra (CA)

David Scott Warmuth (CA)

Gregory H. Willenborg (CA)

Jerad Sutton (CO)

Robert Nemenich (CO)

Nancy Shepherdson (IL)

Dori Dean (MA)

Jason Palitsch (MA)

Parwez Wahid (MA)

Paul G. Yorkis (MA)

Robert Leonard (MD)

Salome T. Peters (MD)

Melissa Mark-Viverito (NY)

Stuart Appelbaum (NY)

Stephanie Miner (NY)

Melissa Sklarz (NY)

Andrea Stewart-Cousins ​​(NY)

Sam H.W. Sappington (OR)

Beth Caldwell (WA)

Bret Chiafalo (WA)

Deb Fitzgerald (VA)

Terry C. Frye (VA)

Jeanette Sarver (VA)

Os eleitores presidenciais interessados ​​em adicionar seus nomes a esta carta devem contatar ElectoralCollege16@gmail.com.

Go to the profile of Christine Pelosi

Bipartisan Electors Ask James Clapper: Release Facts on Outside Interference in U.S. Election

Open Letter to Director of National Intelligence James Clapper:
We are Electors who were selected by the voters of our states to represent them in the Electoral College on December 19, 2016. We intend to discharge our duties as Electors by ensuring that we select a candidate for president who, as our Founding Fathers envisioned, would be “endowed with the requisite qualifications.” As Electors, we also believe that deliberation is at the heart of democracy itself, not an empty or formalistic task. We do not understand our sole function to be to convene in mid-December, several weeks after Election Day, and summarily cast our votes. To the contrary, the Constitution envisions the Electoral College as a deliberative body that plays a critical role in our system of government — ensuring that the American people elect a president who is constitutionally qualified and fit to serve. Accordingly, to fulfill our role as Electors, we seek an informed and unrestrained opportunity to fulfill our constitutional role leading up to December 19th — that is, the ability to investigate, discuss, and deliberate with our colleagues about whom to vote for in the Electoral College.
We further emphasize Alexander Hamilton’s assertion in Federalist Paper #68 that a core purpose of the Electoral College was to prevent a “desire in foreign powers to gain an improper ascendant in our councils.” The United States intelligence community has now concluded with “high confidence” that a foreign power, namely Russia, acted covertly to interfere in the presidential campaign with the intent of promoting Donald Trump’s candidacy. During the campaign Russia actively attempted to influence the election outcome through cyber attacks on our political institutions and a comprehensive propaganda campaign coordinated through Wikileaks and other outlets.
Allegations that Donald Trump was receiving assistance from a hostile foreign power to win the election began months before Election Day. When presented with information that the Russian government was interfering in the election through the course of the campaign, both in private briefings and public assessment, Donald Trump rejected it, refused to condemn it, and continued to accept their help. Donald Trump even made a direct plea to the Russian government to interfere further in the election in a press conference on July 27, saying, “Russia, if you’re listening, I hope you’re able to find the 30,000 emails that are missing.”
According to reports in the Washington Post, New York Times, and other outlets, the United States intelligence community has now concluded definitively that the Russian interference was performed to help Donald Trump get elected, yet even today Mr. Trump is refusing to accept that finding. In response to the reports, the Trump transition office instead released a statement which called into question the validity of United States intelligence findings, and declared the election over despite the Electoral College not yet casting its votes. Trump’s willingness to disregard conclusions made by the intelligence community and his continuing defense of Russia and Russian President Vladimir Putin demand close scrutiny and deliberation from the Electoral College.
Separate from Mr. Trump’s own denials of Russian involvement in the election, the confirmed communication between Trump’s aides and those associated with the Russian election interference activity raise serious concerns that must be addressed before we cast our votes. Trump-confidant Roger Stone confirmed during the campaign that he was engaged in back-channel communications with Wikileaks founder Julian Assange, responsible for releasing much of the Russian-hacked Democratic communications, and indicated that he was aware of the hacked content prior to its release. Trump foreign policy advisor Carter Page reportedly visited Moscow in July of this year, just prior to the release of hacked DNC communications, during which it was believed he met with the Putin aide in charge of Russian intelligence on the U.S. election. Page returned to Moscow this week where he claimed to be meeting with Russian business and thought leaders.
In addition to Donald Trump and his aides’ conduct, revelations about their further involvement with the Russian government over the course of the campaign demand further investigation, as well as full disclosure of findings from any ongoing or closed investigative efforts:
  • Russian government officials revealed that they had maintained contact with the Trump campaign during the election, and stated that they were familiar with most of the individuals associated with Mr. Trump.
  • Media inquiries into whether the FBI was investigating Donald Trump’s July plea for Russian interference in the election resulted in a “Glomar response” neither confirming nor denying the existence of an investigation, rather than the more typical response of denying the request outright.
  • U.S. intelligence officials reportedly probed Trump foreign policy advisor Carter Page in regard to travel to his Moscow during the campaign.
  • The FBI reportedly began an inquiry into Trump associates following reports of a multi-million dollar business relationship with pro-Putin figures in Ukraine and Russia, and reports of an effort to sway American public opinion in favor of Ukraine’s pro-Putin government.
  • Michael Flynn, Trump campaign aide and the announced incoming National Security Advisor, traveled to Russia in December of 2015 for a gala event celebrating RT, a state-controlled propaganda network, at which he was seated next to Russian President Vladimir Putin.
The Electors require to know from the intelligence community whether there are ongoing investigations into ties between Donald Trump, his campaign or associates, and Russian government interference in the election, the scope of those investigations, how far those investigations may have reached, and who was involved in those investigations. We further require a briefing on all investigative findings, as these matters directly impact the core factors in our deliberations of whether Mr. Trump is fit to serve as President of the United States.
Additionally, the Electors will separately require from Donald Trump conclusive evidence that he and his staff and advisors did not accept Russian interference, or otherwise collaborate during the campaign, and conclusive disavowal and repudiation of such collaboration and interference going forward.
We hope that the information and actions described in this letter will be provided in an expeditious manner, so that we can fulfill our constitutional duty as Electors.
Signed,
Christine Pelosi (CA)
Micheal Baca (CO)
Anita Bonds (DC)
Courtney Watson (MD)
Dudley Dudley (NH)
Bev Hollingworth (NH)
Terie Norelli (NH)
Carol Shea-Porter (NH)
Clay Pell (RI)
Chris Suprun (TX)
Newly Added Electors:
Edward Buck (CA)
Donna Ireland (CA)
Vinz Koller (CA)
Katherine Lyon (CA)
John P. MacMurray (CA)
Andres Ramos (CA)
Gail Teton-Landis (CA)
Olivia Reyes-Becerra (CA)
David Scott Warmuth (CA)
Gregory H. Willenborg (CA)
Jerad Sutton (CO)
Robert Nemenich (CO)
Nancy Shepherdson (IL)
Dori Dean (MA)
Jason Palitsch (MA)
Parwez Wahid (MA)
Paul G. Yorkis (MA)
Robert Leonard (MD)
Salome T. Peters (MD)
Melissa Mark-Viverito (NY)
Stuart Appelbaum (NY)
Stephanie Miner (NY)
Melissa Sklarz (NY)
Andrea Stewart-Cousins (NY)
Sam H.W. Sappington (OR)
Beth Caldwell (WA)
Bret Chiafalo (WA)
Deb Fitzgerald (VA)
Terry C. Frye (VA)
Jeanette Sarver (VA)
Presidential electors interested in adding their names to this letter should contact ElectoralCollege16@gmail.com.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.