segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

O ideal de Andre Matsangaissa


Eusébio A. P. Gwembe
·
O ideal de Andre Matsangaissa (na imagem), o mitıco fundador da Renamo

Sou André Matade Matsangaisse. Aqui me chamam Commandante André. Nasci em Vila de Manica há 27 anos. Eu venho de uma família pobre e quando meu pai morreu eu tinha apenas a segunda classe. Tive que ir arranjar a vida. Depois de algum treinamento eu encontrei um bom trabalho como um operador assistente de Caterpillar com Sher (a Manica Power Works).
A minha grande chance veio com a construção da barragem de Cabora Bassa. Estava a ganhar mais de 400 Rand por mês, trabalhando com maquinaria pesada no local da barragem. Mesmo assim, acreditei firmemente em todas as conversas sobre os portugueses, que estes eram exploradores do povo. Em 1972, entrei em contacto com agentes da Frelimo na Estima, ao sul de Cabora Bassa. Com 26 outros recrutas, fui enviado para o campo de treinamento principal da Frelimo em Nachingwea, Sul da Tanzânia. Lá fui submetido a um curso de contra terrorismo dado por instrutores chineses. Retornei a Moçambique, lutei em Tete e mais tarde na minha terra nativa, Manica.
Após a retirada portuguesa, fui designado comandante da Frelimo encarregado do equipamento pesado no quartel principal de Dondo, 30 km ao norte da Beira. Eu pensei “agora que somos livres e independentes, chegou a hora de aproveitar a vida". Com o dinheiro que tinha economizado no meu trabalho em Cabora Bassa, comprei um Mercedes-Benz. Mas a minha felicidade era curta. O comissário político do quartel de Dondo, Fernando Tembe, informou-me que, sob a nova ditadura do proletariado, o carro pertencia ao povo. Voltei para trás - e perdi. Inventaram uma história para me incriminar. Em Fevereiro de 1976, fui enviado ao campo de concentração de onde escapei seis meses mais tarde. No campo, eu tinha muito tempo para me familiarizar completamente com as duras realidades da vida sob o regime que eu ajudara a estabelecer. Uma vez livre, não demorei muito para entrar em contacto com pequenos grupos de combatentes anti-Frelimo que operavam nas zonas centrais de Moçambique há mais de um ano.
Em um encontro secreto de líderes guerrilheiros de Manica e Tete, fui eleito por unanimidade como comandante geral das forças que combatiam a Frelimo. Este é o único movimento efectivo que opera fisicamente em Moçambique contra o regime marxista. Esta não é uma organização política, concentra seus esforços para derrubar o regime de Machel. A minha organização está determinada a libertar o povo de Moçambique da opressão marxista que lhes foi imposta. A nossa resistência visa, finalmente, criar as condições para que os próprios povos escolham a sua política de futuro através de eleições livres. Os meus homens não têm ambições políticas. Eles estão lutando pelo direito de cada homem e mulher para ter uma palavra na escolha de governo para o seu país. Se Deus quiser, vamos ganhar esta guerra.
Transcrição de audıo de uma entrevista de André Matsangaissa, em 1979. Parte da informação coincide com a presente na Entrevista dada ao José Ramalho, publicada no To the Point, Johannesburg, 13 July 1979, p.8-11. Na entrevista fala da sua crença e do seus homens em Deus, das lojas do povo que, segundo ele, "sao, na verdade, as lojas da Frelimo" bem como das autoridades tradicionais.

Comments
Francisco Wache Wache
Francisco Wache Wache Tsemmm. Voce Eusebio Andre Eusébio A. P. Gwembe é para a gente pensar que o homem nao roubou o armamento de dondo para iniciar a guerrilha? Cortou a historia que estava a narrar. Acusaram-lhe de o que? E o que ele tinha a dizer sobre o que lhe acusavam?
Remove
Mário João Francisco Francisco
Mário João Francisco Francisco kakakakaka
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Afinal, o homem perdeu o seu benz! E apontou o culpado, entendes?
Remove
Francisco Wache Wache
Francisco Wache Wache Hahahahahah, quem lhe roubou o benz? Porque nao disse o nome da pessoa? A Frelimo como uma instituiçao nao levou bens de nenhum cidadao, mas algumas pessoas que usaram a capa da frelimo na altura para fazer das suas
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Ha um nome no texto, veja bem. Nao que seja o de quem levou, mas de quem deu aviso. Tudo entre antıgos combatentes. kakakakaka
Remove
Lyndo A. Mondlane
Lyndo A. Mondlane Inventaram diz Ai
. Ou seja nao gostavam dele é zas inventaram um delito
Remove
Manuel Nelinho Cossa
Manuel Nelinho Cossa Por amor a História de Moçambique, eu leio e partilho este e outros Posts do Eusébio!
Remove
Fernando Jorge Francisco Cumbana
Fernando Jorge Francisco Cumbana quantos cidadaos tinham bens de luxo nesse tempo,,,? serâ que a frelimo levou ? Acho que hà verdades omitidas nessa entrevista.
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Fernando Jorge, Nao a Frelımo mas por ındıvıduos que se aproveıtavam da Frelımo para dıstorcer o rumo da revolucao. Partındo de outros exemplos em que carros de partıculares e nao so, foram levados por alguns membros da Frelımo (tenho exemplos, por exemplo de um que apos ter levado o jeep em nome das nacıonalızacoes, teve acıdente em Furancungo) nao tenho elementos para desmentır nem para aceıtar.
Remove
Eduardo Domingos
Eduardo Domingos Fernando Jorge Francisco Cumbana a frelimo levou so casas de luxo mas tambem barracas, igrejas....Apie nao é fruto de roubo?
Remove
Fernando Jorge Francisco Cumbana
Fernando Jorge Francisco Cumbana depende da maneira como queres intrepertar o evento das nacionalizaçoes Eduardo Domingos
Remove
Eduardo Domingos
Eduardo Domingos Tu como interpretas Fernando Jorge Francisco Cumbana as "nacionalizacoes" de bens privados?
Remove
Fernando Jorge Francisco Cumbana
Fernando Jorge Francisco Cumbana Considero uma decisao politica acertada no tempo em que o país vivia e nao um roubo embora tenha havido falhas em relaçao as casas de caniço
Remove
Sergio Serpa Salvador
Sergio Serpa Salvador Um entrevista interessante. Quanto a mim, as nacionalizações nos moldes em que acontecerem foram um erro. Nacionalizar um bem de uma pessoa que ganhou através de anos de trabalho, alegando combater propriedade privada. Mário Coluna não conseguiu reverter todos seus bens aboconhados por esses "comunistas", em nome da revolução.
Remove
Osvaldo Moz
Osvaldo Moz O sr. Fernando, tem intervencoes forcadas e contraditorios.
Que se saiba que todas revolucoes custam isto, sabor de insustica de muitos, por bem maior. A intencao era esta, bem maior. Conseguiram, sim, a Revolucao triunfou , nao na letra mas no espirito. Matsangaissa desencadeou uma outra etapa da revolucao, intensionalmente ou n. Mas os ventos fizeram parar a democracia multipartidaria na Perola do Indico.
Remove
Mário João Francisco Francisco
Mário João Francisco Francisco kkkkkkkkk
Remove
Danilo Tiago
Danilo Tiago A marginalização gera frustração, este discurso do André é disso exemplo. E actualmente temos muitos outros Andres por aí que se iniciaram na Gloriosa Frente de Libertação de Moçambique mas devido ao ostracismo a que foram votados acabam se filiando nos galos, papaeiras e outros partidos políticos que pululam por aí e só os vemos em tempo de campanhas eleitorais. Well done Eusébio. A tua isenção e imparcialidade devia contagiar outros camaradas. No fundo somos todos feitos carne e osso. As cores partidárias devem unir - nos na diversidade e não o inverso.
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Francisco Wache Wache, a transcricao fiel. Tal como foi dita e o entrevistador nao lhe colocou a pergunta.
Remove
Elton Bila
Elton Bila Kkkkkkkk
Remove
Max Lee
Max Lee Descontente esse fulano.
Remove
Joaquim Manuel
Joaquim Manuel Mercedes Benz como mobil do sofrimento eterno...hehehehe.
Remove
Almeida F. Massango
Almeida F. Massango Eu nunca vi um video desse homem tao pouco uma das suas cartas chego ate a pensar que é um fantasma ou invencao esse tal Andre Matsangaissa
Remove
Max Lee
Max Lee Nem Toda história é provada por vídeos ou cartas, a história da humanidade é muito mais antiga que a câmara de vídeo.
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe E ja vıu de Jesus Crısto? Acredıta nele?
Remove
Almeida F. Massango
Almeida F. Massango Na era desse senhor ja havia cameras que ate filmavam combates reais na nossa guerra e ate na primeira guerra mundial temos videos do Samora do propio Dlakhama e outros agora esse matchanga onde andava??? Ou sera que a sua historia foi se com o tempo???
Remove
Max Lee
Max Lee Nem todos tinham acesso a essa tecnologia, se não uma pequena elite. Mesmo que tivesse, há possibilidade de terem perdido as evidências. Samora e outros, foi diferente, era presidente da República.
Remove
Almeida F. Massango
Almeida F. Massango O Dlakhama como conseguiu nao era elemento deste homem???
Remove
Max Lee
Max Lee Sabes quantos milionários tem em Moçambique? Nem todos são ricos, cada um tem sua oportunidade, aliás, DHL envelheceu, mas aquele bandido não.
Remove
Almeida F. Massango
Almeida F. Massango Max Lee foste ironico
Remove
Wilson Mondlane
Wilson Mondlane Almeida por favor, tão simples quanto isso...!
Remove
Fidalgo Salomao Madeirao Mauai
Fidalgo Salomao Madeirao Mauai Max Lee estás a comentar na leviandade
1 · 19 hrs
Remove
Benjamim Rosa
Benjamim Rosa Historia ao vivo, obrigado pela conhecimento comungado
Remove
Heleno Bombe
Heleno Bombe Acumulou dinheiro e comprou Mercedes Benz hum hum hum
Remove
Lucas Henrique Matine
Lucas Henrique Matine E assim como a morte desse senhor vem em páginas divididas em meio claro. #Eusébio_P_Gwembe era devia a ter tempo para escrever sobre quem é ele realmente e volta a publicar.
Remove
Osvaldo Jamisse
Osvaldo Jamisse Bem haja caro Eusebio. O conhecimento deve ser partilhado e bem aventurado é aquele que sabe respeitar a opiniao alheia, o que nao significa concordar. Todas as guerras do mundo tem podres incluindo a desencadeada pelos nossos "libertadores". Caro Sr. Wache, porque nao olhar para o objecto da luta? Está satisfeito com o actual regime? Por algum lugar um projecto deve iniciar e ele foi buscar o armamento ali.
Remove
Almeida F. Massango
Almeida F. Massango Hammm para todos o "Estado da nação é bom"
Remove
Oreste Muatuca Muatuca
Oreste Muatuca Muatuca Falcatruando o que já era bujardas.
Remove
Ngonhamo Ngonhamo
Ngonhamo Ngonhamo Viva a democracia,quem diria que um dia se escreveria a pessoa do Andre Matsangayissa como homem e heroi?Tudo fizeram pra diabolizar o nome de um grande heroi nacional e libertador da nacao .Gracas a luta dos democraticos que herdamos a liberdade de escrever e ler assuntos e acontecimentos que os Nachingueianos libertadores fizeram tudo para banir.A verdade sempre triumfara.
Remove
Mondlane Calane Dzovo Kito
Mondlane Calane Dzovo Kito Meu Deus, confesso que está me apanhou de surpresa, por pouco eu deixava uma lágrima cair. Portanto está claro que esse país nunca irá avançar enquanto que os que lutaram de verdade pelo nosso país estiverem descontentes e não conseguirem a paz do Espírito.Em suma precisamos tirar a Frelimo do poder para que finalmente possamos fazer uma missa para todos os que deram a sua vida a causas da Nação.
Remove
Vasco Abrao Francisco
Vasco Abrao Francisco Deixem de se limitar no Benz!...afinal, o objectivo da luta do Matsangaíssa era simplemente recuperar o seu Benz? Releiam o texto do Eusébio A. P. Gwembe hão de perceber que ele trás elementos que visam ao entendimento de que a Frelimo sempre esteve infestada de gente que distorcia até as normas daquela altura para salvaguardar seus interesses. Naquela época não era proibido enriquecer, era sim proibido o enriquecimento ilícito.
Remove
Vasco Abrao Francisco
Vasco Abrao Francisco E com estes factos, cai por terra a tese por muitos defendida e que segundo a qual "Matsangaissa nao era um visionário!...
Remove
Gabriel Zondanhe Bruno
Gabriel Zondanhe Bruno Haaa conta outra
Remove
Filho Do Cinzentinho
Filho Do Cinzentinho Qual? A que queres ouvir?
Remove
Francisco Junior
Francisco Junior kkkkkkkkkkkkkkkk...
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Vasco Abrao Francisco foı ao encontro da questao de fundo. Durante muıto tempo pensou-se que Andre nao tıvesse alguma ıdeologıa mobıl e eu tambem caı neste erro, mesmo quando elaboreı a mınha monografıa de Lıcencıatura. Aında estou a coleccıonar o materıal para reconstıtuır algum pedaco da nossa hıstorıa, entre 75 a 90 e confesso que nao ée facıl. Tıve que ır ao Qatar so para conseguır esta pequena fıta magnetıca,
Remove
Abdala Mussa Inaque
Abdala Mussa Inaque Mestre ainda continuo apreendendo com suas ieeilogias
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Abdala Mussa Inaque, por onde andas!!! Um abraço
Remove
Muchuquetane Guenjere
Muchuquetane Guenjere Muito Obrigado ilustre #Eusebio_A_P_Gwembe, o senhor viajou muito, gastou recursos financeiros que muito bem teriam outras utilidades so para ter este pequeno trecho, mas carregado de muito valor. Parabens grande. E OBRIGADO pela sua IMPARCIALIDADE e pelo nao LAMBEBOTISMO.
Remove
Francisco Wache Wache
Francisco Wache Wache Qatar? Significa que eles tem a parte de historia que ignoramos?
Remove
Marcos Manejo Pakhonde Pakhonde
Marcos Manejo Pakhonde Pakhonde Afinal. O dito Bandido não é tão bandido como pensou-se por muito tempo. Se o foi, talvez tenha sido influenciado pela adrabisse que lhe deram ao arrancar lhe o Mercedes Benzi fruto do trabalho árduo na Cahora-bassa.
Remove
Julinho Taimo
Julinho Taimo É 1ª vez que escrevo pra ti Eusébio A. P. Gwembe, so tenho a dizer que ESTAS A FAZER UM EXCELENTE TRABALHO.
Remove
Raul Novinte
Raul Novinte André matsangaissa é um dos visionários do que um dia havemos de viver em Moçambique .....Me parece que nesta foto o comandante Matsangaissa estava orando junto com os seus soldados.. temente a Deus.....
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Sim, estava a rezar depois de receber a delegacao de Jornalıstas. Essa ınformacao esta num dos Jornaıs. O autor do artıgo dız que perdeu a contagem de quantas vezes Andre tera pronuncıado o nome de Deus antes de perguntar: quem é Samora Machel para proıbır as pessoas de rezar? Raul Novinte
Remove
Elton De Castro
Elton De Castro Nao basta provar q o outro esta erado pr tu estares serto
Remove
Francisco Junior
Francisco Junior Definitivamente, Grande homem este André.
Remove
Osvaldo Jamisse
Osvaldo Jamisse Força caro Gwembe. Toda contribuição é útil para que conheçamos a nossa verdeideira história. A verdade sempre prevalece
Remove
Raul Novinte
Raul Novinte Eusébio A. P. Gwembe, no nosso país temos PR que reza bastante, um religioso e que não tem limite onde rezar, isso é muito bom. No entanto acredito que não é apenas rezar que nos faz ser uma boa pessoa. Não sei se o Comandante Mantsagaissa seria como os nossos atuais que rezam em todos estabelecimentos religiosos mas suas atitudes, virtualidades e moralidades indicam noutra direção. Essa é uma preocupação. Não queremos PR ou dirigentes perfeitos e religiosos em Moçambique mas sim dirigentes imperfeitos cheios de temor de Deus.....
Remove
Calton Cadeado
Calton Cadeado Ilustre! Existe na Beira um número significativo de pessoas que conviveram diretamente com André Matsangaissa. Eu beneficiei da simpatia deles para saber um pouco mais a cerca de Andre Matsangaissa! Em Maputo também tem um comandante das FADM que fala sobre André Matsangaissa, ...!
Remove
Raul Novinte
Raul Novinte Pena que perdemos este homem de Deus em defesa dos direitos de todos nós......
Remove
Carlos Quizado Quizado
Carlos Quizado Quizado
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Calton Cadeado, eu converseı com (muitas) pessoas que convıveram com Andre em Dondo. Uma dessas pessoas deu-me alguns documentos/relatorıos que Andre deixou para tras quando foı levado para o centro de Sacudzo. Outros me deram Jornaıs que eram lıdos as escondıdas, para saber o que se tınha passado com ele. Num deles, O the Zımbabwe News, pude ler o seguınte: In June 1976 the CIO recruited Andre Matade Matsangaidze who had served in the FRELIMO forces from 1972 to l974 without distinction. He was acknowledged as a brave fighter but never attained a command position. After Mozambigue's independence in June 1975 he had worked in the querter-master's stores at Dondo, north-west of Beira. He was brought before a military tribunal for the theft of a mercedes car and items from the quartermaster's store; he was convicted and sent to Sacuze "reeducation centre" in Sofala province. From there he escaped to Rhodesia to become the first leader of what was to become known as MNR or Renamo.
Pelo exposto fica a idea de que a fonte do problema foi o carro que, para citar uma das minhas fontes "era de Andre e todos sabiamos disso".
Remove
Marcos Manejo Pakhonde Pakhonde
Marcos Manejo Pakhonde Pakhonde Por um simples carro, todos fomos empurados à guerra. Isto por que um camarada comandante ladrao, arrancou a seu subordinado. Sera que o tal Socialismo preconiza este tipo de acção?
Remove
Calton Cadeado
Calton Cadeado Agora há muitas condições para fazer confronto de narrativas. A narrativa oficial que enfatiza a conduta desviante de André Matsangaissa e a contra-narrativa que parece focalizar a intriga inter-pessoal.
Mas, não há dúvidas que a construção do comandante André Matsangaissa é obra da CIO
1 · 20 hrs
Remove
Joanguete Celestino
Joanguete Celestino Reconstruindo a História de Moçambique. Parabens.
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Muito dificil Joanguete Celestino, mas vamos tentando!
Remove
Raul Novinte
Raul Novinte Eusébio A. P. Gwembe requer coragem e sabedoria o que estás fazendo .....
Remove
Manuel Raice
Manuel Raice Interessante!
Remove
Joao Cabrita
Joao Cabrita Zımbabwe News ? A narrativa é semelhante à de um jornalista britânico que trabalhou para o MAGIC (Mozambique, Angola, Guinea-Bissau Information Centre) em Londres de 1977 a 1980, o Jorge Rebelo depois contratou-o para chefiar o sector de língua inglesa do DTIP. Não me lembro é do nome. Veja lá se consegue saber de quem se trata, Eusébio A. P. Gwembe .
Remove
Armando Cuna
Armando Cuna Faz todo o sentido Eusébio A. P. Gwembe. Jose Caetano Moreno pai da Maria Moreno e do Joao Moreno era proprietario de um Mercedez. Aurelio Manave mandata uma equipa para a casa da familia Moreno. Objetivo: "sr Moreno o camarada Governador pretende comprar o teu carro". "Comprar o meu carro como? Meu carro nao esta a venda". Duas semanas depois, a mesma gang volta a carga: "O cda Governador insiste que quer comprar o carro".
Jose Caetano Moreno percebeu imediatamente que a vida dele e de toda a familia estavam seriamente ameacados. Ainda a pensar em como iria gerir a questao, ele a informacao de que ele, e a esposa, na manha seguinte seriam presos e enviados pa
Remove
Armando Cuna
Armando Cuna Ele, a esposa e mais 4 pessoas que inclyuam o padre Estevao Mirasse seriam presos e envuados para Mitelele. Moreno e familia abandonam Mocamvique nessa mesma noite para o Malawi. Os outros 4 sao presos e tempos depois executados. Todo o patrimonio da familia Moreno foi imediatamente pilhado. Jose Moreno era portugues. Ana Tchukwa sua espoa, Maria e Joao eram mocambicanos. Os libertadores da patria nunca perceberam que que deveriam respeitar os legitimos interesses da Ana, da Maria e do Joao. E tudo comecou com o Mercedez. Bandidos.
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Vou procurar, Cabrita! inşallah, eu consiga
Remove
Momede Manhica
Momede Manhica
Remove
Isaias Nyamunda
Isaias Nyamunda Enquanto houver vida vamos aprender.
Remove
MrBadu MrBadu
MrBadu MrBadu a historia deve ser contada
Remove
Kuba Liwa
Kuba Liwa Recontada...
Remove
Ilustre Samuel Dos Santos
Ilustre Samuel Dos Santos " esta não é uma organização política..." interessante
Remove
Joao Rodrihues
Joao Rodrihues Posso vos garantir que essas atitudes dos Chefes dos grupos dinamizadores, Admnistradores da Frelimo eram normal. Comigo passou-se o mesmo em Inhaminga, era eu funcionário da TZR. O camarada do grupo dinamizador,veio ter comigo ao "Loco" ( oficinas da TZR) dizendo-me que tinha que ir fazer uma banja lá para o interior,e que tinha que dar-lhe o meu carro, na altura um VW combi, para o entendido ir mais uns tantos, porque o carro era do Povo! Porra, exclamei! Este carro é fruto do meu suor, abandonei a família, a vida na cidade para vir para o interior trabalhar e você diz que o carro é propriedade do povo!? Não Sr., não lhe empresto nem lhe dou o meu carro. Passados uns dias havia banja na vila, e pararam a produção para o efeito. Ia no Combi mais uns colegas, e mandaram-me parar, e de armas em punho prenderam-me nos calabouços da Policia de Inhaminga. Fugi! Tenho testemunhas do facto, uma em Moçambique e duas em Portugal. A história não acabou aí, houve mais peripécias. Espero que a malta, entenda que não foram só os da frelimo que lutaram pela libertação!
Remove
Muzila Wagner Nhatsave
Muzila Wagner Nhatsave muita gente se aproveitou dos tempos para pilhar, humilhar o povo. abusar do poder e destorcer todo um sentido de luta. Havia uma cambada de invejosos que ate por cobiçar mulher do outro prendeu ne mandou para a reeducaçao. Machel apercebendo se disso mandou fechar. Muitos odios foram criados por causa disso, e ate hoje estamos divididos por coisas feitas por gente maldosa e mal intencionada que disvirtuou o sentido de liberdade e da independencia. E um facto que temos que reconhecer. Aceito que pelo contexto a vigilancia era necessaria , dai ter sido palavra de orde. Mas ha que reconhecer erros. Precisamos neste pais de uma verdadeira reconciliaçao, para expurgar esse odio que nos divide. Eusebio es corajoso meu amigo. vamos curar as nossas feridas por favor.
1 · 7 hrs
Remove
Vasco Abrao Francisco
Vasco Abrao Francisco Decisão política baseada em que princípios, meu caro Fernando?
Remove
Vasco Abrao Francisco
Vasco Abrao Francisco O trabalho que o Eusébio A. P. Gwembe está a levar a cabo vem provar que é tempo dos Moçambicanos usarem o conteúdo dos seus canudos em Hostória para se fazer um trabalho sério, de se trazer a nossa verdadeira história à superfície, sem condicionalismos. Basta de continuarmos aplaudir historiadores "foreigners" por publicações, cujas fontes, os moçambicanos têm acesso a elas, mas porque permitiram que suas mentes fossem formatadas pelo regime, permacem no silencio pra proveito próprio e em prejuizo da nossa história que é rica em fontes e conteudos, mas pobre na sua consolidação. Mais uma vez, bem haja Eusébio A. P. Gwembe.
Remove
Paulo Bulaque
Paulo Bulaque A palavra chave deste autobiography é passo a citar" Este movimento nao tem fins politicos mas sim ideias de desestabilização " É por isso até a renamo so pensa em matar, saquear bens do povo. É um costume e é hereditario
Remove
Yahaia Assane
Yahaia Assane Se muitos leitores dao comentario intetessante e importante Que nos mantenhamos imparciais para Que a Versace apareca e seja para todos.
1- ajuda nos a reflexacao
2- leva a um desenvolvimento integral
Remove
Yahaia Assane
Yahaia Assane Digo verdade nao versage
Remove
Caetano Chapepa
Caetano Chapepa Andre Matsangaossa estava sonhando antes de dormir! confundindo que ele podia fazer o que a Frelimo fez quando derrubou o colonialismo Portugues! Veja so que ele ingressou em 72 nao tinha tempo suficiente para perceber os objectivos da Frelimo! Ele foi um ladrao e foi preso obviamente! Nao foi por causa do carro que eventualmente adquiriu algures! por isso morreu como morreu! e pior os outros!.....Nos estamos aqui nao vamos nenhum sitio somos daqui!
1 · 23 hrs
Remove
Siachukeni Lucas
Siachukeni Lucas Parabéns Eusébio A. P. Gwembe por este trecho. Cada vez mais vou entendendo a verdadeira história de Moz.
2 · 23 hrs
Remove
Giro da Fonseca
Giro da Fonseca Respect Eusébio A. P. Gwembe.
Remove
Roberto Manoco
Roberto Manoco Nos anos acima citados eu ainda, nao havia nascido, mas fica claro que o sistema era fraco em termos de quadros visionarios, os grupos dinamizadores da forma como se relata estavam a substituir o colono sem nocao, agiam euforicamente, sem nenhum principio a seguir. Suas interpretacoes estao longe de se traduzirem em principios comunistas.
1 · 23 hrs
Remove
Schauque Spirou
Schauque Spirou Reescrever a história.muito bem meu caro!
2 · 22 hrs
Remove
Mabeleza Manjate
Mabeleza Manjate Kkkkkkkkkkkkkkkkkk eu só vos olho Nico zweeeee
Remove
Roberto Manoco
Roberto Manoco Quero fazer entender que os grupos dinamizadores interpretavam mal os principios comunistas ao nao saber diferenciar a coisa do povo daquela que nao era do povo. O que aponta que apesar da autoridade que detinham, nao tinham conhecimento pleno do que faziam. Deixavam-se guiar pela emocao. Era um momento euforico, em que algumas pessoas como grupos dinamizadores e milicianos via no poder um instrumento de acessar em bens alheios.
Remove
Zacarias Jossias Valoi
Zacarias Jossias Valoi Opinião e ' respeitada e sempre devemos respeita - la, mas Eusebio Gwembe foi infeliz porque não deu detalhe da revolta deste Matsangaisse. ...tudo indica que o pretexto da guerra movida por este senhor não era contra o marxismo mas sim contra a independência e ambição pelo poder.por isso até hoje,há sempre ambiguidade da renamo nas suas actuações .e agora;cada moçambicano vai compreender o quão e 'a brutalidade da renamo e seus objectivos obscuros.
Remove
Zacarias Jossias Valoi
Zacarias Jossias Valoi Coitado da renamo sem quadros capazes de descrever a verdadeira história do surgimento deste grupelho desde André Matsangaisse no desvio de armamento na zona centro e o jossias Ressamo Dlhakama ex chefe da direcção técnica de autos e blindados no maputo e o encontro com john Flowr em chipungabera. ...começou assim este senhor.nao tem história e nem foi fundador.sempre foi lacaio de Orlando Cristina;Ivo Fernandes e o tabaqueiro Tiny Rolland
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Acho que Valoı nao compreendeu que trata-se de cıtacao e nao exıste mınha opınıao. Se acha que Matsangaıssa era ladrao e que usou pretexto do carro para ınıcıar a luta, e uma opınıao que aceıto tal como aceıto a opınıao sobre o que motıvou Samora Machel a odıar a Igreja e a seguır para Dar-es-Salaam. Para os hıstorıadores classıcos, todas as coısas tem o seu ponto de partıda. Um socıologo procurou saber "Por que as pessoas aceitam a condição de vítimas de suas sociedades enquanto, em outras ocasiões, elas se tornam tão iradas e buscam, com energia e paixão, fazer alguma coisa para mudar suas condições?" Esta questão inicia e percorre todo o trabalho de Barrington Moore Jr. na sua obra: Injustiça: as bases socıaıs da Revolta e da Obedıencıa. Leıa, se puder. Em uma primeira parte, Moore Jr. define as várias concepções de Injustiça presentes nas mais diversas sociedades. As pessoas que foram-se juntar ao Andre nao eram quaısquer. Entre elas estavam Orlando Macamo, da PIC, Zeca Antonio, Lapison Manuel. Sera que todos esses eram ladroes?
4 · 22 hrs
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Siachukeni Lucas, voce ai vive na panela da Hıstorıa da Renamo. Espero que contınue com aquela dedıcacao da faculdade. A cıencıa deve ser acto contınuo. Abraços
3 · 22 hrs
Remove
Siachukeni Lucas
Siachukeni Lucas E verdade, mas por cá torna-se difícil de fazer este trabalho sem intimidacoes e ameaças. Uma pesquisa deste nível levar-me-a a ser conotado como sendo mais um que está a preparar terreno para as regiões autónomas. Kkkk
1 · 10 hrs
Remove
Gabriel Alvaro
Gabriel Alvaro Eusébio, tens muita razão, coitados como Valoi, emocionados, que nem sequer param para reflectir, são aos milhares neste país. Uma coisa é certa: este país só vai ser um lugar para viver quando o povo tomar consciência, sair da emoção que os norteou desde 1969, e começar a construir a verdadeira história de um povo. E Não as mentiras que deliberadamente a frelimo quer incutir.
1 · 5 hrs
Remove
Roberto Manoco
Roberto Manoco Bom eu parabenizo EUSEBIO, por tentar trazer uma abordagem nova, diferente daquela que vinhamos conhecendo, que por sinal tem uma carga politica e que pode nao se passar de propaganda politica. Força Ilustre Eusebio, traga evidencias e eriqueçe a historia de Mocambique, porque os intelectuais precisam de conhecer a verdadeira historia de Mocambique.
3 · 22 hrs
Remove
Zacarias Jossias Valoi
Zacarias Jossias Valoi Kkkkk.fb e' assim os homens trocam impressões sem malícia porque não há razões para tal.boa noite.
1 · 22 hrs
Remove
Eusébio A. P. Gwembe
Eusébio A. P. Gwembe Compreendo! Nada de mal, tudo no meu mural e pacıfıco e vısıte-nos sempre que puder, Valoı
1 · 22 hrs
Remove
Albazino Ricardo Cumbane
Albazino Ricardo Cumbane Agora sim, O CONTRADITÓRIO, isto (desculpem o iato) mas venha outra opinião que enriquece o meu ser sedento.
Remove
Salomão Xerinda
Salomão Xerinda Muito interessante!
1 · 21 hrs
Remove
Nhecuta Phambany Khossa
Nhecuta Phambany Khossa Sobre o episódio da detenção do André Matsangayissa (donde vem o termo Mapswanga, usado no sul no tempo da guerra), vi os pronunciamentos de Cara Alegre Tembe e Tome Eduardo. Creio que foi na stv, no programa de entrevistas a antigos combatentes.
Remove
António Jone
António Jone Ml
1 · 20 hrs
Remove
Adriano Biza
Adriano Biza Nessa foto esta que nem o meu amigo Edgar Barroso
3 · 20 hrs
Remove
Edgar Barroso
Edgar Barroso
Remove
Rildo Rafael
Rildo Rafael Eusébio A. P. Gwembe:"Com o dinheiro que tinha economizado no meu trabalho em Cabora Bassa, comprei um Mercedes-Benz. Mas a minha felicidade era curta. O comissário político do quartel de Dondo, Fernando Tembe, informou-me que, sob a nova ditadura do proletariado, o carro pertencia ao povo. Voltei para trás - e perdi". Lendo a obra do Joseph Hanlon, Mozambique: The Revolutions Underfire, o autor também fala de um eventual mercedes!!!
Remove
Elvino Dias
Elvino Dias Muito interessante. Eusébio A. P. Gwembe, você é uma biblioteca viva
Remove
Rodolfo Paixão
Rodolfo Paixão Com o que economisou comprou um Mercedes já agora falta dizer a quem ! já que dizia que os portugueses eram exploradores e pagavam mal ,mal sabia ele que afinal o sistema foi bom mas só para alguns hehehehe hoje está mais que provado quem se tem governado à grande por lá e a exploração supera então os portugueses e que a fome é ainda mais e se não fosse os mesmos portugueses com os centros de ajuda ,Moçambique hoje batia os recordes de miséria ,que já não consegue esconder, hoje o mesmo povo os mesmos que espoliaram, roubaram ,e até crimes cometeram porque julgavam que iriam ficar ricos,estão hoje pagar os erros do passado talvez seja o castigo do culuamuno porque vê tudo e desse não esconde nada a frelimo hoje não passa de criminosos com medo de perder o poder e as notícias não enganam esse é a verdade hehehehe.
Remove
Vitorino David
Vitorino David Bem haja Eusébio A. P. Gwembe. A historia
Remove
José Puchar Puchar
José Puchar Puchar Eu recordo o tempo subsequente a independência, em que erã obrigatório só adquirir 10kg de arroz, 2l de óleo da cozinha, 3kg de açugar, e 2kg de carapau para uma família numerosa, k era para durar 30dias, mais guias de marcha, proibiu se produção individual apostou se em machambas do povo que nada se produziu. Será que eram decisões unilaterais dos grupos dinamizadores? Vamos falar sérios.
Remove
Zacarias Tsambe
Zacarias Tsambe Tudo isto começou por causa de um Mercedes Benz!???
Remove
Gil Massassane
Gil Massassane frelixo é uma merda
Remove
Roberto Manoco
Roberto Manoco Mais uma vez parabenizo Eusebio por trazer debates que suscitam reflexoes, e deixo entendender que a questao do comunismo deve ser visto em quanto forma como as politicaa eram definidas ao nivel central, e enquanto forma como eram implementadas localmente, ou seja como os grupos dinamizadores aplicavam a justiça ao nivel local. Agora quanto ao abastecimento, este envolvia custos o que obrigava o governo a controlar centralmente.
Remove
José de Matos
José de Matos Eusébio A. P. Gwembe, kanimambo por mais esta perspectiva historica
1 · 9 hrs
Remove
José de Matos
José de Matos Eusébio A. P. Gwembe, capa do The Point de 13 Julho 1979
3 · 9 hrs
Remove
Luis Pat Gande
Luis Pat Gande Recordar é viver, thanks
1 · 8 hrs
Remove
Elvino Dias
Elvino Dias Grande imagem. Afinal em Moçambique ainda existem estas fotos?
Remove
Nelio Raul Joao
Nelio Raul Joao A nossa história, trazida por um historiador isso é que é ciência, ir atrás dos fatos sem rodeios....
2 · 6 hrs
Remove
Rosa Maria
Rosa Maria A historia de Mocambique e' vasta
Remove
Vitorino David
Vitorino David Porque o "Mamade Alí" abraçou o boxe?
Remove
Fernando Narcisio Narcisio
Fernando Narcisio Narcisio Mas uma refeiçao da historia de moçambique

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook