domingo, 1 de janeiro de 2017

Boa noite à Turma de Madrugada Amiga!

Madrugada Amiga

Sou Lopes Samuel Mufume, natural de Vilankulo. Venho por este meio pedir a vossa ajuda, como colega desta turma
A minha história começa assim:
Casei-me em 2003 com uma mulher que morava numa casa de aluguer, perto do salão onde eu trabalhava. Conquistei-a e ela aceitou. Depois de um mês, tentei saber algo sobre a sua família, mas ela dizia-me somente que era de Maputo. Eu pressionava-a sempre para conhecer a veracidade dos factos. Finalmente, ela acabou por revelar que, afinal era de Mabote. Ambos somos da mesma idade e provenientes da mesma Província. Sugeri que ela saísse da casa de aluguer onde morava para vir viver comigo. A minha família gostou dela e assim ficámos. Ela pediu-me valor em dinheiro, para iniciar um negócio da venda de peixe. Aceitei e dei-lhe.
Mas, em 2014 as coisas mudaram. Eu deixei de trabalhar no salão e tirei carta de condução. Comecei a trabalhar com um Táxi-Triciclo (Txopela). Aí ela já saía de casa às 06:00 e voltava às 00:00 horas. Eu aguardava pacientemente em casa, enquanto ela saía com o meu melhor amigo, um Condutor de Táxi-Triciclo (Txopelista). Namoraram durante um ano e eu mantinha-me calado. Nesse namoro dela com o outro estão envolvidas a minha cunhada e mais duas colegas dela da venda de peixe.
Cansado e desconfiado, comecei a tirar provas dos factos: Assim, em 14 de Fevereiro, Dia dos Namorados, eu avisei-lhe que no dia seguinte não deveria ir vender, para ficarmos a conviver, por ser o nosso dia. Mas ela não correspondeu à minha solicitação. Quando amanheceu, eu fiquei em casa, mas ela começou a arrumar-se e saiu às 13:00, tendo voltado somente às 02:00 horas de madrugada do dia 15. Perguntando-lhe algo sobre este procedimento, ela sempre me contrariava as palavras. Discutimos, mas sem solução. Depois, ela foi fazer uma tatuagem no corpo onde vinha o nome daquele meu amigo. Eu questionei-lhe, mas ela tentou inventar manobras, saindo de casa a chorar, para o mercado. Quando chegou lá informou tudo o que se passava àquelas 3 amigas. Elas deram-lhe a ideia de que deveria ir queixar-se à Policia. Ela assim fez. Passada uma hora, vieram agentes da PRM deter-me, sem qualquer notificação. Quando cheguei lá, ela disse: “Eu, Celeste, declaro agora que o meu casamento com Lopes terminou. Já não o quero mais”. Sabe-se que ela tinha dado um valor ao Oficial da Polícia. Por isso, aquele (Oficial) pressionou-me de uma maneira, até quase ameaçando que eu entrasse nas celas no mesmo dia, enquanto ela voltava para casa com uma das amigas. Chegado lá, ela levou toda a sua roupa, incluindo uma cristaleira e loiça, deixando só os meus filhos e a casa. Ela deixou um filho de 5 anos e outro de 3.
Eu ligava sempre para ela, a fim de saber da sua saúde. Algumas vezes ela não me atendia as minhas chamadas ou desligava. Um dia, ela mandou-me mensagem que dizia: “Eu não sou burra. Não me ligues mais. Eu penso para o futuro (para a frente) e nunca voltarei”. Eu disse: “Obrigado”. Mandei essa mensagem para toda a minha família.
O que me dói é o seguinte:
Nós já tínhamos comprado um terreno e fizemos um salão. Agora ela quer levar tudo (terreno e salão) só para si. Fui meter queixa nos próprios órgãos judiciais. Lá contei tudo o que ela me fez. Esclareci que, se fosse eu, como homem, sairia de casaco. Por isso, solicito que também ela saia apenas de capulana”.
Mas ela anda a comentar dizendo: “O Lopes não me liga para informar sobre a saúde das crianças. Mesmo quando me vê, não me saúda”. Outras vezes diz: “Eu deixei os meus filhos e o terreno ao meu marido”.
O que quero saber dos amigos de Madrugada Amiga é o seguinte: Tendo em conta que eu comprei este terreno estando ainda com ela, posso construir nele para o meu próprio benefício?
Ajudem-me, por favor!


GostoMostrar mais reaçõesComentar
Partilhar
77
Comentários


Azarias Domingos Madeira Boa noite carro amigo
Procure conversar com os familiar dela, talvez terá uma conclusão.
Gosto · Responder · 3 h


Gérsia Ricardo Moiane sim podes ela saiu de casa abandono de far perde a guarda dos filhos e direito de viver na casa agravando ao facto dela ter cometido adulterio. ela tem sim de sair de capulana.
Gosto · Responder · 31 min


Tony Sousa Jovem não perca tempo com essa mulher legalize o espaço e continue a vida normalmente, ela levou a parte dos bens que precisou, não tenha medo disso.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.