sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

O meu Adeus ao Líder Máximo dos iguais

Elisio Macamo

Ontem à noite terminei a leitura das memórias de Juan Reinaldo Sanchez, um cubano que foi guarda-costas de Fidel Castro durante 17 anos antes de ser detido, encarcerrado por 2 anos (duma pena de 8 anos) e de fugir e pedir asilo político nos EUA. O crime? Quem sabe onde impera a arbitrariedade? Ele diz que foi vítima de intrigas dos seus superiores hierárquicos. Os defensores da ditadura cubana dizem que foi por insubordinação. Para mim pouco importa. É mais um entre milhares de casos de gente simples vítima de sistema político que pouco se lixa com a dignidade humana e não tem sistemas judiciários que, acima de tudo, protegem o indivíduo da arbitrariedade.

Não é uma grande obra de literatura, apenas as memórias dum cubano simples. O seu último parágrafo diz o seguinte (minha tradução da versão inglesa):

“Eu simplesmente cometi um erro. Cometi o erro de dedicar a primeira parte da minha vida a proteger um homem cuja luta pela liberdade do seu país e pelos ideais revolucionários admirei antes de o ver nas garras da febre do poder absoluto e desprezo pelo povo. Mais do que a sua ingratidão sem limites em relação aos que o serviram, desaprovo nele a sua traição – sim, ele traíu as esperanças de milhões de cubanos. Até ao fim dos meus dias, duas questões vão ocupar a minha cabeça: porque é que as revoluções terminam mal e porque é que os seus heróis sistematicamente se transformam em tiranos piores ainda do que os ditadores que eles destituíram?”

Estas duas perguntas é que me interessam. São estas duas perguntas que cada um de nós, pelo menos em Moz onde também fomos levados ao abismo por gente convencida da sua infalibilidade, deve reflectir. Não precisa de encontrar resposta. Apenas reflectir e perguntar a si próprio se é satisfatório insistir nas “coisas boas” que o tirano fez e activar o modo “relativismo” tipo “democracia também mata”. O que é que pode ser “bom” num sistema político todo ele baseado no desprezo pela pessoa humana? Não precisam de reflectir sobre o embaraço que é, para qualquer indivíduo são, o facto de alguém governar um país durante 49 anos a fio na base duma ideologia que considera todos iguais. Merkel, já vos oiço dizer, vai se CANDIDATAR de novo, isto é vai se submeter ao escrutínio popular. Só pensar, pelo menos aqueles que vivem em sistemas teórica ou praticamente democráticos, se alguém vos prometesse comida e cuidados médicos (não importa a qualidade e a quantidade), mas vos recusasse a liberdade de viajar, de emitir opinião crítica, de culto, de escolherem a vossa profissão e vos submetesse a uma justiça arbitrária, tivesse a prerrogativa de vos mandar para onde lhe der na gana “ajudar povos irmãos”, incluindo morrer ou invalidar-se por aquilo que ele, e só ele, considera justo, mandar-vos servir nos cantos mais recônditos do mundo em troca de ninharia (mas com o Estado a abocanhar a parte do lobo em violação das leis da Organização Internacional do Trabalho e ao estilo do que nós próprios quizemos fazer com os desafortunados “Madgerman”) se vocês aceitariam isso.

Se sim, tudo bem. Se não, também tudo bem. É só para reflectir no conforto da liberdade que os cubanos não tiveram, nem têm. Na Pérola do Índico a fome impera, a saúde ginga. Levanta o braço aquele que não sente orgulho por viver num país onde os erros dum governo são denunciados na imprensa, onde aquele que não vê o mundo como ele é visto pelo seu governo tem total liberdade para criar o seu partido, associação ou seja o que for que lhe der na gana, onde um ex-presidente (isto é, um indivíduo que subiu ao poder por escrutínio popular e apenas ficou os anos previstos pela lei) é chamado a depôr junto duma comissão parlamentar que investiga irregularidades ou crimes por ele cometidos, onde você não precisa de autorização do governo para viajar para fora do país, onde você sabe que pelo menos teoricamente a justiça o protege da arbitrariedade e se não o faz você pode reclamar, você pode apelar à comunidade internacional para vir ver de perto sem que, por isso, perca a nacionalidade ou seja obrigado a viver no exílio. Se não levantou a mão é porque você é o problema. Você pode contribuir para que Moçambique seja tudo isso porque você vive dentro dum sistema político que lhe dá essa possibilidade.

Mas para isso teria que descolonizar a sua mente. Deixar de pensar que a opressão colonial e os excessos do “imperialismo” lhe proporcionam razões para desconfiar de tudo o que vem do Ocidente (menos da ciência e tecnologia, claro, você não é parvo de todo) e como se o Marxismo tivesse sido inventado em Chokwé. Desistir de tentar encontrar virtude na tirania.

Termino com dois reparos. Achei curioso que as memórias dum guarda-costas que acompanhou Fidel Castro durante 17 anos não façam referência a uma única tentativa de assassinato do Líder do conjunto de 638 que ele sofreu. Não duvido que ele tenha sofrido esses atentados. Achei apenas curioso que o guarda-costas não tivesse feito nenhuma referência. Também achei muito interessante a sua versão do caso Arnaldo Ochoa e do envolvimento do líder Máximo. Mas ele de certeza está a mentir. O guarda-costas, não o Líder. Líderes não mentem.

E dou por encerrada a minha perseguição ao “el más longo de los más cortos”.

GostoMostrar mais reaçõesComentarPartilhar
50 Dereck De Zeca Mulatinho, Belunga Tembe e 48 outras pessoas
1 partilha
14 comentários
Comentários

Mussá Roots Falando no ex presidente que foi chamado a depôr junto duma comissão parlamentar , o que se diz que ele falou lá "Eu libertei este país", pode ser parte da resposta, para a questão "porque é que as revoluções terminam mal" e porque é que os revolucionários se transformam em tiranos...

Mas, claro, a nossa realidade, é até menos má...pelo menos os fulanos, prestam-se a essas satisfações.
Gosto · Responder · 5 · 11 h

Adilson Mahomed Tajú Hoje por hoje já se fala com a língua amordaçada.....

Edson Cortez O mesmo argumento se aplica quando analisamos nos dias que correm Samora Machel...
Gosto · Responder · 2 · 10 h

Mablinga Shikhani Interessante.
Gosto · Responder · 10 h

Pedro Comissario Ilustre Prof. Elísio Macamo, como sempre, brilhante peça de análise a sua. Tenho o livro e li-o. The Double Life of Fidel Castro. Bom título porque não pretende esgotar o que FC foi. Nunca fui guarda-costas mas fui expulso da UEM, em 1976, estive na cadeia 3 meses e 19 no campo de reeducação de Sacudzo. Quando regressei, retomei e conclui os meus estudos no Maputo em 1981 e mais tarde nos EUA. Estou convencido que a minha prisão foi uma monstruosa injustiça mas continuei a militar na revolução e ainda creio que Samora foi um grande moçambicano e líder visionário a quem vim a servir de perto. Considero que o seu lugar na história de Moçambique e na construção do estado moçambicano serão inquestionáveis. Assim como Fidel Castro em Cuba e no mundo.
Gosto · Responder · 12 · 10 h
Ocultar 12 respostas

Mablinga Shikhani Igualmente interessante.
Gosto · Responder · 10 h

Kim Monteiro Sim Pedro, o lugar de Fidel na história é inquestionável, tal como Hitler, Mussolini ou Staline.
Gosto · Responder · 1 · 10 h

Pedro Comissario Interessante!
Gosto · Responder · 10 h

Mablinga Shikhani ande mbúya Pedro Comissario
Interesantímbu mêjo.Ver Tradução
Gosto · Responder · 1 · 9 h

Edson Chiziane Kim Monteiro George Bush, Obama, CLinton e todos os outros pais da democracia
Gosto · Responder · 9 h

Filipe Tumbo Muito profundo!
Gosto · Responder · 1 · 8 h

Elisio Macamo meu caro embaixador, a sua atitude honra-o como homem e mostra quão coerente é em relação ao que crê. no fundo essa é que é a minha questão. fidel ou samora não são o socialismo (ou marxismo). a questão que todo o indivíduo que acredita nisso deve colocar a si é se esses homens (extraordinários, sem dúvida!) fizeram aquilo que corresponde ao que cada um de nós entende por socialismo. eu parto do meu entendimento de respeito pela dignidade humana para me recusar a aceitar a sua acção como sendo congruente com esses princípios. é neste ponto que algumas pessoas perdem um pouco de coerência.
Gosto · Responder · 3 · 6 h

Pedro Comissario O Prof. E Macamo coloca sempre questões difíceis e extremamente inteligentes. Alguns de nós, não o podemos acompanhar. Quando timidamente dou o meu ponto de vista no debate, ponho-me sempre duas reservas. Uma, é que não pretendo ter uma visão unilateral e maniqueísta da história. Considero que o bem e o mal estão na natureza humana e isso condiciona os nossos actos através dos tempos. A segunda é que mesmo que um líder seja brilhante e visionário, ele não age sozinho. Tem quem o acompanhe e, diga-se, nem sempre por mesmas razões. Aquele poema de Jorge Rebelo é simples mas muito revelador: não basta que seja pura e justa a nossa causa; é preciso que a pureza e a justeza também existam dentro de nós. O que humanamente não parece ser sempre possível sustentar por toda a vida. Como então equacionar a progressão da história e a afirmação da liberdade humana? Creio que cada época tem o espaço de liberdade que o esforço e o engenho humanos são capazes de conquistar.
Gosto · Responder · 3 · 5 h

Elisio Macamo exactamente!!! aí está a questão. justamente porque somos falíveis precisamos de sistemas políticos que nos protejam da nossa falibilidade e, acima de tudo, que nos protejam de líderes incapazes de reconhecerem a sua falibilidade. as maiores tragédias nacionais em todo o mundo foram cometidas por líderes sobre os quais a sociedade não tinha nenhum controlo. não é suficiente que o marxismo ou o liberalismo sejam ideologias preocupadas com o bem. é importante que aqueles que as implementam estejam sujeitas ao controlo. isto falhou em moçambique de samora e falhou totalmente em cuba. a vantagem que a democracia liberal leva sobre a democracia "popular" é esta. ela reconhece a falibilidade humana e cria mecanismos que protejam os indivíduos. como jurista que é, é só imaginar o princípio da presunção de inocência generalizado para todas as esferas da actuação política. é isso que a democracia liberal consegue fazer. algumas pessoas, por exemplo, destacam a importância de o estado satisfazer as necessidades básicas do povo. gostaria de concordar com isso, mas os riscos de criar espaço para a tirania são enormes. a frelimo gloriosa criou no povo moçambicano a ideia de que o estado está para isso quando toda a nossa história é de gente que luta pelo seu próprio bem. mas essa expectativa é funcional à manutenção do poder por um grupo de indivíduos espertos que constantemente nos vão falar das coisas boas que fazem pelo povo. se o regime colonial tivesse garantido comida e saúde para todos não teria havido razões para querermos a nossa independência? claro que teria havido. estas são as questões que coloco. tiranos não podem garantir a estabilidade dum país. obrigado por essa deixa. quem diria que encontraria ajuda em jorge rebelo...
Gosto · Responder · 2 · 5 h

Pedro Comissario Admiro-o e dê-nos mais das suas reflexões mesmo quando não estamos totalmente de acordo!
Gosto · Responder · 1 · 2 h

Elisio Macamo obrigado. agradeçamos o privilégio de podermos falar livremente e trabalhar pelo país por livre vontade. abraços e até amanhã!
Gosto · Responder · 2 h

Pedro Comissario Muito obrigado, meu caro irmão e distinto Professor!
António Francisco Elisio Macamo: reparo que estás a aproveitar bem a semana de luto do Líder Máximo dos Iguais para te exorcismares do seu espírito magnânimo e protector. Agora, quanto à Pérola do Índico, onde a fome impera, e a doença ginga (tu escreveste saúde, mas quem realmente ginga e passeia a sua classe é a doença). Tens mesmo a certeza que o Chokwé não contribuiu para a invenção do Marxismo? Nem em Nachingwea? Olha que a teoria dos universos paralelos anda por aí e pode dar um jeito, em termos de intertextualidade holística. Enfim, sem ironia, obrigado por esse exercismo intelectual. Não tinha pachorra para tanto, mas valeu pelo alerta que fazer para algumas peças literárias dignas de consideração. Olha, acabo de ouvir na TV que Eduardo dos Santos não vai ser cabeça de lista para a recandidatura presidencial em 2017. O ano 2017 parece promissor, em várias partes do mundo. No caso de Angola, de uma coisa nuestros hermanos do Atlântico não vão certamente queixar-se. A longevidade de Eduardo dos Santos no poder não precisou de recorrer a longos discursos de terapia revolucionária anestesiante. Como diz o outro: cada um é como cada qual, mas ninguém é como evidentemente... excepto, claro, os Grandes Líderes.
Gosto · Responder · 11 · 10 h

Kim Monteiro Sim Antonio, aqui em Angola não temos discursos de terapia vindos directamente do nosso "arquitecto", pois a imprensa pública sob seu controlo faz este papel hora a fio. Há ditaduras e ditaduras.
Gosto · Responder · 1 · 9 h

António Francisco Gostei dessa, Kim Monteiro: Há ditaduras e ditaduras. o que faz-me lembrar aquela do notável Schumpeter: "Para se ser mesmo estúpido é preciso ter alguma esperteza".
Gosto · Responder · 7 h

Elisio Macamo pois. é uma questão de coerência. mas essa do marxismo ter nascido em chokwé é boa. agora já percebo aquela de ele dizer que estava a ler marx pela segunda vez...


Xiluva Macamo " porque é que as revoluções terminam mal e porque é que os seus heróis sistematicamente se transformam em tiranos piores ainda do que os ditadores que eles destituíram?” Na minha opinião a reposta é muito mais simples do que todos nos querem acreditar. A reposta é medo. Os "heróis" já cometaram vários crimes no caminho a poder (ou na "revolução"), se um dia o reigno deles termina e um verdadeiro sístema democrático sera construido quem sabe que eles não vai ser julgados para os crimes cometidos durante a revolução? (Os discuçõoes jurídicas sobre a possibilidade de julgar crimes que não eram crimes no seu tempo só por causa de ser contra uma coisa chamado "direitos humanos", que não tem effeitos para o próprio individúo, não tem lugar aqui.) Então os líderes das revoluções precisam de ser ainda mais pior do que os antigos ditadores se não querem arriscar de ser eliminado na mesma maneira ou ainda pior pela democracia. (Quem encontra um erro ortográfico, pode ficar com ele. ;) )
Gosto · Responder · 5 · 10 h

Elisio Macamo beijinhos, xili. sistemas políticos sem auto-correcção são seus próprios inimigos.


Alvaro Simao Cossa Gabriel Muthisse e Lyndo A. Mondlane escutem a face diferente do texto do prof. Elisio Macamo,https://www.youtube.com/watch?v=IQ3xMrb-PFM Estudo politico para o prof.



Discurso impecable - Fidel Castro
DISCURSO PRONUNCIADO POR EL COMANDANTE EN JEFE FIDEL CASTRO…
youtube.com
Gosto · Responder · 1 · 9 h · Editado

CJ Bila
Traduzido do Espanhol
No Vídeo, Fidel fala de uma realidade cruel igual que o ocidente não quer ouvir. No entanto, não quero colocar que o comadante era o mais santo da história, mas enquanto defendia um sistema que, ao longo da história se mostrou ineficaz o ocidente fazia de tudo para impor não só a contenção do sistema mas igual a sabotagem e Os embargos que fizeram de Cuba um anão económico. Talvez estes dados ou comportamentos contribuíram para uma posição de Fidel pouco compressível num mundo cada vez mais globalizado. O mundo e suas dinâmicas mudaram mas fidel ficou parado no tempo, pela sua teimosia.Ver Original
Gosto · Responder · 1 · 7 h

Elisio Macamo risos, Alvaro Simao Cossa, fiquei os primeiros 44 segundos à espera que o líder máximo começasse a falar. notei que assim que ele pigarreou o povo ficou silencioso. povo disciplinado aquele. mas depois que o ouvi a dizer que os eua não podem falar de direitos porque mataram os índios desliguei. não entende o problema. pena também que nunca vá entender.

Joaquim João Bem dito!
Gosto · Responder · 9 h

Joaquim João Permita-me partilhar o seu pensamento!
Gosto · Responder · 9 h

Lyndo A. Mondlane Da saude a maioria desses cooperantes vao voluntarios, se supoe q quando termina medicina tem a obrigacao de trabalhar uns anos para devolver ao estado ou povo q formou.. Em mz tambem é assim até hoje pelo menos na saude, nos EUA, se estuda a base de créditos é depois ha q passar anos e anos a devolver..em cuba nao sei como será o sistema de impostos, más é provavel q seja irisorio, entao se alguem lhe mandam fora, pode justificar se como retensoes para ajudar a q outros se formem, quem nao quer ajudar a outros a formar se havendo se formado com ajuda de outros simplesmente q se dedique a outra coisa.. Isto é uma cadeia solidaria...... O segundo pergunte a cistac se em mz ha liberdade professor. Me disseste q mz era a outra cara de cuba, entao em mz a liberdade esta ai, más relativa.. Quanto ao caso ochoa, te mandei o link para q visses as explicacoes detalhadas daquele caso,
Gosto · Responder · 2 · 7 h · Editado

Elisio Macamo Lyndo, lyndo...
Gosto · Responder · 2 · 5 h

Alvaro Simao Cossa Gostaria de que o Gabriel Muthisse e o Lyndo A. Mondlane ouvissem este discurso do comandante Fidel Castro ate ao fim e depois traduzissem ao prof,. Elisio Macamo em shangane. nossa lingua materna, para sensibilizar um pouco ao prof. Elisio Macamo, ja que os cubanos vao a tempo de cobrar a formacao de muitos mocambicanos que estudaram outrora no seu pais, com a nomeacao do Prof. Elisio Macamo como governador de Gaza, se ele continuar com esta linguagem usada pelos lacaios do imperialismo mundial, dos dissidentes da revolucao e satelites do diversionismo ideologico, contra as causas mais nobres e justas dos nossos povos. E' justo notar que a minha nomeacao para o cargo do governador de Gaza, seria a mais isogena da causa comum revolucionaria marxista-leninista, contra a ditadura cronica maniaca miliatar e intervencionista dos elementos mais reaccionarios do capitalismo moribundo e decadente anti-humano e belicista norteamericano. Desta feita, trago oficialmente para a vossa apreciacao, meus colegas, a minha candidatura convincentemente unanime, para a sensibilizacao e conselho a quem e' de direito para a minha nomeacao como Governador de Gaza, ja que estou certo que com a nomeacao do prof. Elisio Macamo as nossas relacoes com Cuba seriam uma expulsao, recuo e morte fetal . Peço portanto, que o camarada Gabriel Muthisse e Lyndo A. Mondlane convençam ao camarada Amosse Macamo para que proceda urgentemente a minha nomeacao em prol da deontologia politica sa das nossas nacoes irmas. Unidade trabalho e vigilancia. Ptria o muerte! Leswi swingo tiko o kumbe kufa. Hitaxlhula!
Gosto · Responder · 1 · 2 h · Editado

Elisio Macamo hahaha. horraíte, mas vou pedir o estatuto de região autónoma para xai-xai. vou fechar o mar para não receber o rio limpopo e vocês terem uma piscina olímpica lá em manjacaze, chibuto e chókwé...
Gosto · Responder · 2 · 2 h

Alvaro Simao Cossa Cuidado, depois vais ficar na parte incerta. kikiki
Gosto · Responder · 1 · 2 h

Lyndo A. Mondlane Kakakakkaak.. Voces mesmo
Gosto · Responder · 2 · 2 h

Elisio Macamo xai-xai é certinho. estrada nacional número 1 vai fechar e aquele nome que tem dentro da cidade vai mudar. na pontinha vai ter o nome "estrada que vai à capital de moçambique" e no cruzamento "estrada que vai ao mato".
Gosto · Responder · 1 · 2 h

Alvaro Simao Cossa kikiki
Gosto · Responder · 2 h

Alvaro Simao Cossa A estrada de Maputo a Chibuto ramifica-se em Macie. Aquela de Xai-xai a Chibuto esta' cheia de covas, ou sao covas feitas estrada, nem sei como dizer. Quando o carro passa dos 20 Km/h provoca caibras (kuxlhala) e um ramerrao do eixo que parecem arvores a se partirem. Tens que abdicar a intencao de ser Governador prof. Elisio Macamo, ficaras o embaixador nos EUA para mobilizar os yankis a investirem na construcao de estradas
Gosto · Responder · 1 · 1 h · Editado

Elisio Macamo hahaha.
Sergio Left Eye Puita Creio Que nos dias Que correm Cuba não precisa de uma guerra fria para seguir independente. Teremos tempo para ler mais "post's" de e sobre Cuba, e aprender-mos com a historia.
Adeus ao lider dos iguas!
Gosto · Responder · 2 · 8 h

Joaquim João Bem dito!
Gosto · Responder · 7 h

Joaquim João Permita-me partilhar o seu pensamento!
Gosto · Responder · 2 · 7 h

Simão Nhambi https://www.youtube.com/watch?v=MOQ4cNCfy9o



Julius Malema pays tribute to Fidel Castro
youtube.com
Gosto · Responder · 1 h

Elisio Macamo o encontro de demagogos...
Gosto · Responder · 1 · 1 h

Simão Nhambi Sem duvida meu Mentor. Aqui esta quem sabe usar circustancias politicas para elevar o seu perfil politico. comunicacao politica. isso sim.
Gosto · Responder · 1 · 1 h

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook