quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Gâmbia crise política: O que acontece depois?

Da seção ÁfricaCompartilharAdama Barrow dando o endereço após jurar-emLegenda da imagemBarrow fez o juramento de embaixada do seu país no SenegalUma crise política na Gâmbia parece estar chegando à tona, com Adama Barrow assumindo a presidência com o apoio da comunidade internacional, enquanto Yahya Jammeh continua se recusando a entregar o poder.O que acontece depois?Barrow fez o juramento enquanto ainda estava no vizinho Senegal, segurando um Alcorão quando assumiu o juramento de seu cargo na embaixada da Gâmbia.O juramento foi administrado pelo presidente da Associação Gambiana de Advogados, o xerife Tambadou, na presença de embaixadores de países do Conselho de Segurança da ONU e de importantes Estados africanos.Há poucas dúvidas de que Barrow, que venceu as eleições do mês passado, será agora reconhecido internacionalmente como o novo chefe de Estado da Gâmbia.No entanto, não está claro quanto tempo ele será capaz de tomar o poder em Banjul.Media captionWhy A Gâmbia está em tumulto - em 60 segundos.O agrupamento regional da África Ocidental Ecowas ordenou ao Senegal, que quase circunda a Gâmbia, liderar uma intervenção militar para instalar o Sr. Barrow e as suas tropas se reuniram na fronteira. A Nigéria enviou aviões e tropas para o Senegal e desdobrou um navio de guerra.No entanto, fontes militares da África Ocidental dizem que a intervenção se destina apenas como um último recurso se Jammeh não puder ser persuadido pela ameaça da força para ficar de lado. "Se não for encontrada nenhuma solução política, entraremos em cena", disse o coronel Abdou Ndiaye, porta-voz do exército senegalês, segundo a agência de notícias Reuters.Gâmbia é um destino turístico popular e depois que o Ministério das Relações Exteriores britânico atualizou seus conselhos de viagem, empresas de férias têm evacuado turistas.A intervenção militar seria legal?O Senegal divulgou um projeto de resolução no Conselho de Segurança da ONU, buscando autorização para uma intervenção, mas nenhum voto foi agendado. Alguns diplomatas sugeriram que tal autorização não pode ser necessária se o Sr. Barrow, tendo assumido a presidência, pedir ajuda.Qual é a posição do Sr. Jammeh?Jammeh tentou reforçar sua posição no início da semana declarando um estado de emergência e engenharia uma votação parlamentar para estender sua presidência por três meses. Ele disse que esses movimentos iriam impedir um vazio de poder enquanto a Suprema Corte considerou um desafio legal que ele apresentou sobre o resultado da eleição.Mapa da GâmbiaAparentemente desconsiderando a possibilidade de que o tribunal poderia eventualmente decidir contra ele, ele também prometeu permanecer no poder até que novas eleições possam ser realizadas.Embora a votação parlamentar tenha ocorrido enquanto Jammeh ainda era oficialmente presidente, as potências regionais não consideram a decisão válida e continuam com seus planos de instalar Barrow na State House. Sem esta extensão, o mandato de Jammeh terminou à meia-noite de quinta-feira.A intervenção militar seria bem-sucedida?Espera-se que uma força de intervenção liderada pelo Senegal tenha mais poder de fogo do que o exército gambiano, mas não está claro quanta resistência ela enfrentaria.O chefe do exército é um fiel lealista de Jammeh, mas foi citado dizendo que não arriscaria a vida de seus homens em uma disputa política.O regimento de elite do exército, extraído principalmente do mesmo grupo étnico como Jammeh, está bem armado e é considerado ferozmente leal. No entanto, seria uma desvantagem numérica considerável para uma força interveniente.A lealdade de outros regimentos é muito menos certa. Correspondentes dizem que tem havido conversa que alguns estão descontentes com eventos recentes e querem uma resolução pacífica.Como o povo da Gâmbia está reagindo?A tensão é alta na capital gambiana, Banjul, por causa das preocupações de que o conflito político irá se transformar em violência. Milhares de pessoas fugiram para países vizinhos e áreas rurais.No início desta semana, a coalizão de Barrow instou os gambianos a "exercer restrição, observar o Estado de Direito e não responder a provocações".Suportes de Adama Barrow que comemoram o resultado da eleiçãoImage copyrightGETTY IMAGESLegenda da imagemAlguns comemoraram quando o Sr. Barrow ganhou eleições, mas há uns medos da violência possível agoraUmaru Fofana, da BBC, que está em Banjul, diz que as pessoas estão petrificadas. Estão estocando comida e água. Todo mundo está orando por uma solução pacífica, diz ele.Qual é a disputa sobre a eleição?Jammeh, que tomou o poder em 1994, admitiu inicialmente que Barrow venceu as eleições, mas depois reverteu sua posição e disse que não iria demitir-se.Ele apresentou uma petição ao Supremo Tribunal, desafiando os resultados das eleições, e diz que a existência deste processo legal significa que seria inconstitucional para o Sr. Barrow para assumir o cargo.Ele também pediu ao Tribunal Supremo uma medida cautelar para interromper a inauguração, mas o presidente da justiça recusou-se a julgá-la, dizendo que ele deveria recusar-se de qualquer caso que pudesse afetar sua própria posição - ele normalmente realizaria o juramento Jammeh disse que houve irregularidades no processo eleitoral, incluindo o afastamento de alguns dos seus apoiantes das assembleias de voto, e os erros cometidos pela comissão eleitoral.Yahya JammehImagem copyrightGETTY IMAGESImagem captaçãoYahya Jammeh está se recusando a ficar de pé e é pensado para Comandam o apoio de tropas de elite. A comissão aceitou que alguns dos resultados que publicou inicialmente continham erros, mas disse que Barrow ainda ganhou. O poder de retenção asseguraria que ele não fosse processado na Gâmbia por supostos abusos cometidos durante seu governo. Os ministros continuam a abandonar o governo de Jammeh. Um dos ministros que renunciaram, o ex-chefe da informação, o xerife Bojang, disse que os argumentos de Jammeh tinham um "verniz de constitucionalismo", mas eram uma tentativa de subverter a Vontade do povo gambiano. A comunidade internacional diz que Barrow ganhou com justiça.O advogado que representa o Sr. Jammeh e seu partido APRC no desafio eleitoral também fugiu para o Senegal e exortou o líder de longa data a se afastar.Que está acontecendo na Suprema Corte? Juízes da Nigéria e Serra Leoa foram contratados para ouvir a petição para derrubar o resultado da eleição, mas eles ainda têm de chegar em Banjul.Gambian chefe da justiça Emmanuel Fagbenle disse que o tribunal será capaz de se reunir não antes de maio, e possivelmente até novembro, porque Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari (R), na Casa do Estado, em Banjul, na Gâmbia, a 13 de Janeiro de 2007, e o presidente da Nigéria, Onogeme Uduma, está totalmente reservado para os próximos meses. Muhammadu Buhari (r) esteve em Banjul na sexta-feira, mas não conseguiu persuadir Jammeh a mudar de ideia. O Sr. Barrow distanciou-se dos comentários feitos por outros membros da oposição, sugerindo que Jammeh pode ser Acusado de abusos no poder. Ele disse que Jammeh deveria ser capaz de ficar na Gâmbia e seria honrado como, e receber os privilégios de um ex-chefe de Estado, se ele desceu.No entanto, os analistas dizem que Jammeh é improvável que Ser persuadido pela linguagem aparentemente conciliatória de seu oponente. Outra opção, levantada por deputados nigerianos, é que Jammeh poderia ser oferecido asilo e uma aposentadoria confortável em outro país africano. Além da Nigéria, Marrocos tem sido discutido como um destino possível (a esposa de Jammeh é Marroquino). Uma terceira possibilidade tornou-se mais provável com as recentes movimentações de Jammeh para se enraizar - que Jammeh continua a agarrar-se ao poder com o apoio de pelo menos parte do exército, aguardando a intervenção militar das potências regionais.

Gambia political crisis: What happens next?

  • Crise de Gâmbia: Barrow jurou em Senegal enquanto Jammeh permanece põrHá 48 minutos
     
    Da seção ÁfricaCompartilharAdama Barrow - 12 de dezembro de 2016Imagem copyrightREUTROSLegenda da imagemAdama Barrow esteve no Senegal desde o fim de semanaAdama Barrow, o homem que venceu as eleições disputadas na Gâmbia, foi nomeado presidente.Ele fez o juramento na embaixada do país no Senegal, ordenando que os soldados gambianos permanecessem em seus barracões.Ele foi reconhecido internacionalmente. Mas o homem forte da Gâmbia, Yahya Jammeh, se recusou a demitir-se e seu mandato foi prorrogado pelo parlamento.Os líderes da África Ocidental até agora não conseguiram persuadir Jammeh a deixar de fumar. Eles ameaçaram removê-lo pela força.Jammeh perdeu a eleição de 1 de dezembro, de acordo com a comissão eleitoral gambiana. Mas ele quer que os resultados sejam anulados, citando erros no processo eleitoral.África Live: Actualizações sobre a criseO que acontece depois?Barrow prestou juramento na embaixada da Gâmbia em Dakar na quinta-feira."Eu, Adama Barrow, juro que vou processar bem e verdadeiramente as funções de presidente da República da Gâmbia, que vou preservar e defender a Constituição", disse ele.Em seu discurso de posse, ele ordenou que todos os membros das forças armadas da Gâmbia permanecessem em seus quartéis."Aqueles que se encontram ilegalmente segurando as armas serão considerados rebeldes", alertou.Embaixadores ocidentais no Senegal, o enviado da ONU para a África Ocidental e altos funcionários do bloco regional Ecowas (Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental) participaram da cerimônia, enquanto centenas de expatriados gambianos se reuniram fora do complexo.As forças militares da África Ocidental, estacionadas na fronteira, dizem que estão prontas para impor uma transferência de poder na Gâmbia, um popular destino de praia entre turistas europeus.Ecowas e Senegal estão buscando apoio do Conselho de Segurança da ONU para intervenção. No entanto, alguns diplomatas disseram que se Barrow, 51, pedisse ajuda após a sua posse, tal aprovação não seria necessária.A Nigéria disse na quinta-feira que sua "força aérea de reconhecimento armado está sobre Gâmbia", informa a AFP."Eles têm a capacidade de atacar", disse Ayodele Famuyiwa, porta-voz da Força Aérea da Nigéria, à agência noticiosa.Enquanto isso, o mandato de Jammeh foi prorrogado por três meses por uma maioria de dois terços no parlamento. Alguns especialistas dizem que ele ainda tem uma reivindicação legítima de ser chamado de presidente do país.Estrada vazia em Banjul, Gâmbia. Foto: 19 de janeiro de 2017Image copyrightREUTERSNa cena - Thomas Fessy, notícia da BBC, Banjul, GambiaÉ estranhamente silencioso na capital da Gâmbia. A maioria das ruas está deserta; Lojas, postos de gasolina e bancos estão todos fechados. As pessoas estão na maior parte permanecendo em casa, incerto sobre o que pode acontecer, porque os turistas europeus continuam a evacuar seus hotéis.Media captionA olhar para por que A Gâmbia está em tumulto - em 60 segundos.Em algumas áreas, os homens estão de pé na estrada, os braços cruzados ou olhando para seus telefones. Alguns nos disseram que estavam esperando o presidente Jammeh para ir e iria para as ruas, uma vez que o Sr. Barrow foi jurado nesta tarde.Eles disseram que queriam que as tropas da África Ocidental viessem o mais rápido possível. Alguns também nos disseram que estavam preocupados com as ações do Sr. Jammeh se houvesse uma ofensiva contra ele. Mas até agora vimos pouca presença de forças de segurança na cidade.Poderia haver conflito? - Joseph Winter, editor em linha de África, notícia da BBCEspero que não. O chefe do Exército da Gâmbia, anteriormente visto como um aliado próximo de Jammeh, parece cauteloso com a ação. "Esta é uma disputa política: não vou envolver meus soldados em uma luta estúpida, eu amo meus homens", disse a agência de notícias AFP Ousman Badjie.No entanto, ele tem pouca influência sobre uma unidade de elite de lutadores, chamada Guarda Nacional da Gâmbia, que pode optar por lutar, mesmo que muito superado pelas forças senegalesas e nigerianas. Como são do mesmo grupo étnico como o Sr. Jammeh. As forças armadas da Gâmbia são ditas a número 2.500.Um soldado gambiano em uma rua em Serrekunda, Gâmbia - dezembro 2016Image copyrightAFPLegenda da imagemSe as forças regionais entraram na Gâmbia, acredita-se que recrutas normais não lutariamUma pergunta-chave é como os gambianos comuns vêem as tropas senegalesas se cruzarem a fronteira. A Gâmbia e o Senegal são constituídos pelos mesmos grupos étnicos, divididos por fronteiras coloniais, por isso falam as mesmas línguas e partilham a mesma cultura.No entanto, uma rivalidade feroz se desenvolveu entre as duas nações, com muitos gambianos sentem que são menosprezados pelos seus vizinhos mais francófonos.Assim, enquanto apoiantes de Barrow presumivelmente ver qualquer intervenção favoravelmente, há também o perigo de que ele poderia ser visto como uma força de invasão estrangeira.Por que Barrow está no Senegal?Barrow, um promotor imobiliário que nunca ocupou cargos públicos, esteve no Senegal desde o fim de semana após um convite para participar de uma cúpula de líderes africanos que apoiam sua vitória.Ele nem voltou para casa quando seu filho de oito anos morreu depois de ser atacadopor

    um cachorro. Ele perdeu o funeral na segunda-feira como ele foi aconselhado a permanecer no Senegal para sua safety.He se juntou pelo menos 26.000 Gambianos que buscaram refúgio no Senegal.Seu porta-voz diz que a equipe do Sr. Barrow está ansioso por uma resolução pacífica, mas aceita a intervenção militar pode É inevitável. "Ecowas está do lado do presidente Barrow - e se ele jurou, obviamente ele tem que estar na Casa do Estado. Se o outro lado se recusou, então você está simplesmente falando sobre um estado de guerra", disse Halifa Sallah O programa Newshour da BBC.Ele disse que o presidente Jammeh tinha recebido uma carta prometendo que ele seria dado os mesmos direitos e privilégios que Dawda Jawara, o único ex-presidente da Gâmbia.Por que o Sr. Jammeh recusar-se a parar? Jammeh, Que primeiro chegou ao poder em um golpe sem sangue há 22 anos, inicialmente aceitou a derrota, mas posteriormente reverteu sua posição.Media captionA ascensão e queda de Yahya JammehA comissão eleitoral aceitou que alguns dos resultados que publicou inicialmente continham erros, mas disseram que iriam Não afetou a vitória de Barrow. A contestação legal de Jammeh para que a votação seja anulada não pode ser ouvida pelo Supremo Tribunal até maio devido à falta de juízes, de modo que o parlamento entrou em cena e estendeu seu mandato no prazo de 90 dias e impôs três . Os grupos de defesa dos direitos humanos acusam Jammeh, que no passado afirmou ser capaz de curar o Aids ea infertilidade, de repressão. O poder de reter também asseguraria que ele não fosse processado na Gâmbia por supostos abusos cometidos durante seu governo.
  •  
  • From the sectionAfrica


Adama Barrow giving address after swearing-in
Image captionMr Barrow took the oath of office in his country's embassy in Senegal

A political crisis in The Gambia appears to be coming to a head, with Adama Barrow being sworn in as president with the support of the international community, while Yahya Jammeh continues to refuse to hand over power.

What happens next?

Mr Barrow was sworn in while still in neighbouring Senegal, holding a Koran as he took the oath of office at the Gambian embassy.
The oath was administered by the Gambian Bar Association president, Sheriff Tambadou, in the presence of ambassadors from countries in the UN Security Council and key African states.
There is little doubt that Mr Barrow, who won last month's elections, will now be recognised internationally as The Gambia's new head of state.
However, it remains unclear how soon he will be able to take power in Banjul.




Media captionWhy The Gambia is in turmoil - in 60 seconds.

West African regional grouping Ecowas has mandated Senegal, which almost surrounds The Gambia, to lead a military intervention to install Mr Barrow and its troops have massed on the border. Nigeria has sent aircraft and troops to Senegal, and deployed a warship.
However, West African military sources say intervention is intended only as a last resort if Mr Jammeh cannot be persuaded by the threat of force to stand aside. "If no political solution is found, we will step in," Col Abdou Ndiaye, a spokesman for the Senegalese military, was quoted by Reuters news agency as saying.
Gambia is a popular tourist destination and after the British Foreign Office updated its travel advice, holiday companies have been evacuating tourists.

Would military intervention be legal?

Senegal has circulated a draft resolution at the UN Security Council, seeking authorisation for an intervention but no vote has been scheduled. Some diplomats have suggested that such authorisation may not be necessary if Mr Barrow, having assumed the presidency, requests help.

What is Mr Jammeh's position?

Mr Jammeh tried to bolster his position earlier this week by declaring a state of emergency and engineering a parliamentary vote to extend his presidency by three months. He said these moves would prevent a power vacuum while the Supreme Court considered a legal challenge he has submitted over the election result.


Map of The Gambia

Apparently disregarding the possibility that the court could eventually rule against him, he also promised to stay in power until new elections can be held.
Although the parliamentary vote took place while Mr Jammeh was still officially president, regional powers are not regarding the decision as valid and are continuing with their plans to install Mr Barrow at State House. Without this extension, Mr Jammeh's term ended at midnight on Thursday.

Would military intervention succeed?

A Senegalese-led intervention force would be expected to have more firepower than the Gambian army but it is not clear how much resistance it would face.
The army chief is a close Jammeh loyalist but has been quoted as saying he would not risk his men's lives in a political dispute.
The elite regiment of the army, drawn mainly from the same ethnic group as Mr Jammeh, is well-armed and is regarded as being fiercely loyal. However, it would be at a considerable numerical disadvantage to an intervening force.
The loyalty of other regiments is much less certain. Correspondents say there has been talk that some are unhappy with recent events and want a peaceful resolution.

How are the Gambian people reacting?

Tension is high in the Gambian capital, Banjul, over concerns that the political conflict will escalate into violence. Thousands of people have fled to neighbouring countries and rural areas.
Earlier this week, Mr Barrow's coalition urged Gambians to "exercise restraint, observe the rule of law and not to respond to provocation".


Supporters of Adama Barrow celebrating election resultImage copyrightGETTY IMAGES
Image captionSome celebrated when Mr Barrow won elections, but there are fears of possible violence now

The BBC's Umaru Fofana, who is in Banjul, says people there are petrified. They are stocking up on food and water. Everyone is praying for a peaceful resolution, he says.

What is the dispute over the election?

Mr Jammeh, who seized power in a 1994 coup, initially accepted that Mr Barrow had won the election but later reversed his position and said he would not step down.
He filed a petition to the Supreme Court, challenging the election results, and says the existence of this legal process means it would be unconstitutional for Mr Barrow to assume office.
He also asked the Supreme Court for an injunction to stop the inauguration but the chief justice declined to rule on it, saying he must recuse himself from any case that could affect his own position - he would normally conduct the swearing-in ceremony.
Mr Jammeh has said there were irregularities in the election process, including the turning away of some of his supporters from polling stations, and errors made by the electoral commission.


Yahya JammehImage copyrightGETTY IMAGES
Image captionYahya Jammeh is refusing to stand down and is thought to command the support of elite troops

The commission accepted that some of the results it initially published contained errors, but said Mr Barrow still won.
Retaining power would ensure he was not prosecuted in The Gambia for alleged abuses committed during his rule.

How have his allies reacted to the crisis?

Ministers are continuing to desert Mr Jammeh's government. Several ministers, and even the long-serving vice-president, have resigned in recent days.
One of the ministers who resigned, former information chief Sheriff Bojang, said Mr Jammeh's arguments had a "veneer of constitutionalism" but were an attempt to subvert the will of the Gambian people. The international community says Mr Barrow won fairly.
The lawyer representing Mr Jammeh and his APRC party in the election challenge has also fled to Senegal and urged the long-time leader to step aside.

What is happening at the Supreme Court?

Judges from Nigeria and Sierra Leone have been hired to hear the petition to overturn the election result, but they have yet to arrive in Banjul.
Gambian chief justice Emmanuel Fagbenle has said the court will be able to convene no earlier than May, and possibly not until November, because the Nigerian who is to act as court president, Onogeme Uduma, is fully booked for the coming months.


President of The Gambia Yahya Jammeh (L) welcoming President of Nigeria Muhammadu Buhari (R) at the State House in Banjul, Gambia, 13 January 2017.Image copyrightEPA
Image captionNigerian leader Muhammadu Buhari (r) was in Banjul on Friday but could not persuade Mr Jammeh to change his mind

How might this be resolved?

Mr Barrow has distanced himself from comments, made by other opposition figures, suggesting Mr Jammeh may be prosecuted over alleged abuses in power.
He said Mr Jammeh should be able to stay in The Gambia and would be honoured as, and receive the privileges of, a former head of state if he stepped down.
However, analysts say Mr Jammeh is unlikely to be persuaded by his opponent's apparently conciliatory language.
Another option, raised by Nigerian MPs, is that Mr Jammeh could be offered asylum and a comfortable retirement in another African country.
Besides Nigeria, Morocco has been mooted as a possible destination (Mr Jammeh's wife is Moroccan).
A third possibility has become more likely with Mr Jammeh's recent moves to entrench himself - that Mr Jammeh continues to cling to power with the backing of at least some of the army, pending military intervention by regional powers.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook