ACTUALIDADE

Loading...

terça-feira, 28 de agosto de 2012

O que é O XICONHOCA?

Xiconhoca01Xiconhoca sò cria confusao
O departamento de Informaçao e Propaganda da Frelimo criou uma caricatura a que chamou XICONHOCA. Esta caricatura representa todo e qualquer inimigo interno. Xiconhoca é uma palavra composta de dois nomes: Xico e Nhoca: O primeiro nome vem de Xico-Feio, um indivíduo que pertenceu à Pide-Dgs. Nhoca, em quase todos os dialectos do País, significa cobra. Bem sabemos qual é o modo de vida de uma cobra e os truques que usa quando quer atacar uma pessoa.
O Departamento de Informaçao e Propaganda achou necessário criar uma figura que representasse o nosso inimigo interno. Essa figura é o Xiconhoca.
Assim o Xiconhoca representa tudo aquilo que nós combatemos. Podemos dizer que ele tem uma boca de bêbado, uma orelha de boateiro, maos de açambarcador e de especulador, olhos de racista, nariz de tribalista, dentes de regionalista, pés de confusionista. O Xiconhoca é uma figura que representa todos estes males deixados pelo colonialismo, e que o Povo moçambicano está a combater.
Xiconhocas sao aqueles indivíduos que conduzem viaturas quando se encontram bêbados, originando graves acidentes; é o parasita que se recusa a trabalhar, a participar na produçao colectiva.

Existem, no entanto, muitas pessoas que usam a palavra Xiconhoca por uma simples brincadeira. hahhaha tenho amigos que tambem tem esse habito, num sentido de piada a gente chama xiconhoca ou xiconhoquices qualquer atitude admiravel...
A populaçao deve estar consciente que o Xiconhoca é um inimigo do Povo, é um indivíduo que tem o mesmo modo de vida do inimigo, do reaccionário, do inimigo da independência e soberania moçambicanas, é todo o indisciplinado, o corrupto, os bandidos, assassinos, ladroes, divisionistas, regionalistas, racistas, etc.
..................................
Entao ficou agora o conceito que acredito que muitos nao faziam ideia.
.....................................................................................................................................
(FRELIMO - Departamento de Informaçao - Secçao Jornais do Povo) (Excerto) in Revista "Tempo" n° 31012/09/76




22/08/2010

The Life and Walks of Dr. José C. Massinga (1930-2010)

(Tradução automática. Texto original em inglês no link ao fundo)

Autor: Solomon Mondlane


"Nenhuma verdade, sem futuro" Desmond Tutu


A vida e passeios a pé do Dr. José Chicuarra Massinga é a extraordinária história real de um político que sofria de sua infância até os dias quando ele pensou que estavam todos os sofrimentos.


Ele começou a política quando era jovem, desafiando a autoridade do seu distrito na Guma depois que o governador Português mudou sua chieftaincy tribal para outra tribo.


Ele também desafiou os professores onde estudou em ssues desleal que lhes digam respeito os estudantes. Embora ele foi brilhante, que foi demitido da sua escola onde ele estava fazendo uma última classe no seminário Namaacha.


Dr. Massinga queria mais educação. Ele tentou aplicar a muitas escolas do Marques de Lorenzo, em seguida, mas ele não foi aceite. Ele teve a oportunidade de conhecer o Dr. Eduardo Mondlane Chivambo o primeiro moçambicano preto para obter um doutorado e o primeiro moçambicano preto para trabalhar nos escritórios de UN. Dr. Mondlane ajudou Massinga Dr. para obter uma bolsa para estudar no exterior. Não foi fácil para o Dr. Massinga deixar o país para o português não permitiria que o fazer. Ele foi preso sob a lei portuguesa, que impediu os negros para ir fora do país. Ele escapou através da Suazilândia.


Na Suazilândia, ele passou algum tempo com outros políticos. Mudou-se para a Tanzânia e estava lá durante a formação do partido FRELIMO em Dr. Mondlane. Ele seguiu para estudar nos EUA e na Suíça. Há 10 anos, Dr. Massinga prosseguiu seus estudos. Em 1973, ele voltou seus colegas na guerra contra os portugueses.


Em 1995, Moçambique ganhou a independência e ele estava lá trabalhando no governo. Quando ele pensou que tudo estava indo bem, seu povo traiu. Ele foi preso e torturado. Em 1985, ele foi lançado e fugiu para Portugal, onde ajudou a trazer a paz ao seu país, para que o governo estava lutando contra os rebeldes. Ele organizou conferências em Portugal para tentar restabelecer a paz e para ajudar os refugiados a obter bolsas de estudo em theorganisation "Amigos de Moçambique".


Paz foi restaurada em Moçambique e Moçambique tornou-se um país democrático. Dr. Massinga formado seu próprio partido político de oposição e sentou-se no Parlamento em 1994.
Hoje Dr Massinga é um homem feliz, apesar do fato de que o Governo da FRELIMO foi incapaz de honrá-lo-ele sabe que ele tem feito muito para seu país. O Bispo Desmond Tutu - ex-Presidente, verdade e Comissão de reconciliação (CVR) na África do Sul.



Prefácio

Sobre o autor

Confirmação

Capítulo 1: O começo

Capítulo 2: Escolaridade early days

Capítulo 3: Políticos Beginnings

Capítulo 4: Breve encontro em Lorenzo Marques (Maputo)

Capítulo 5: Vida em Lorenzo Marques (Maputo)

Capítulo 6: Como encontrar meu caminho para a América

Capítulo 7: Rápida visita à Suazilândia

Capítulo 8: através da África do Sul para Botswana

Capítulo 9: Vida na Tanzânia e a formação da FRELIMO

Capítulo 10: Vida no exterior

Capítulo 11: logo após a independência

Capítulo 12: Prisão sob FRELIMO

Capítulo 13: Vida na prisão

Capítulo 14: Homem livre no passado

Capítulo 15: Vida em Portugal

Capítulo 16: O círculo foi concluído



A vida do Dr José C. Massinga representa a vida de muitos africanos irmãos e irmãs que se dedicaram à luta pela libertação do continente Africano na esperança de um dia viver em uma África livre e melhor, mas que foram detidos, torturados e mortos – algumas sem julgamento-mesmo pelas compatriotas muito que assumiu o poder quando as potências coloniais foram derrubadas.


Na África de hoje, a maioria destes heróis ter sido esquecida como se nunca tivessem existido quando, na realidade, sem as suas contribuições para a luta, mesmo que a vitória foi determinada, ele pode ter foi adiado.


Como os líderes da África contemporânea defendem o renascimento do continente através do recém-lançado União Africana (UA), eles devem saber que uma União Africana não pode ser criada em um falsefoundation. Se esta nova União é e deve ser considerado diferente do seu antecessor a organização da Unidade Africana (OUA), ele precisa abraçar a verdade e reconciliação como um valor de definição de sua fundação.


Embora a OUA foi formada com intenções genuínas, é a mesma organização que foi utilizada para fins de propaganda pelos ditadores africanos. Alguns da história e das pessoas encontradas em livros publicados sob a autoridade da OUA e distribuídos em bibliotecas nacionais em países em África, são um testemunho de líderes africanos como manipulado esta organização para sua própria propaganda e a propagação de fabricado informações.


Um renascimento africano biofísico, social, político e económico só será possível se todos os cidadãos são considerados iguais, os direitos de todos são respeitados e os esforços e a contribuição de todos os cidadãos são reconhecidos - para África é não para quem está no poder a qualquer momento, mas para todos os africanos, independentemente da tribo, religião, família de plano de fundo e cor da pele.


Espera-se que este livro, "A vida e passeios a pé do Dr. José c. Massinga", servirá como uma fonte de inspiração para: em primeiro lugar, os moçambicanos que, por causa do seu amor para Moçambique, dedicaram suas vidas para a luta pela independência e democracia do seu país e nunca foram reconheceram; em segundo lugar, para os colegas africanos que passou por situações semelhantes em qualquer parte da África: e em terceiro lugar, a qualquer combatente da liberdade em qualquer parte do mundo, que espera e reza pela liberdade, independência e paz na sua terra.

Verdade vai prevalecer, é apenas uma questão de tempo!



Solomon Mondlane nasceu 31 de julho de 1976, como Domingo Tshekefane Mondlane, filho de Vicente Mododweni Mondlane de Manjacaze na província de Gaza em Moçambique e Verah Stengile de Joanesburgo, África do Sul (um ex-ANC exílio em Moçambique). Salomão foi sequestrado pela RENAMO com a idade de 13 para lutar na guerra e escapou à Suazilândia após seis meses.


Antes ele foi sequestrado, testemunhou o rapto de sua tia Leah. Salomão matriculou-se na Suazilândia St Francis High School, em Mbabane. Enquanto ele estava ainda na escola, ele jurou que ele iria voltar ao seu país para lutar contra a FRELIMO e a RENAMO. Hoje Solomon Mondlane é o fundador do movimento de verdade e Comissão de reconciliação (CVR) em Moçambique.


Solomon Mondlane tornou-se perto de Dr. Massinga quando ele retornou a Moçambique em 1997. Dr. Massinga tratados Mondlane como seu filho. Então Mondlane tinha 21 anos. Dr. Massinga costumava dizer Mondlane sobre os problemas que ele encontrou em sua vida. A partir desse momento, Mondlane queria escrever um livro que revelaria a governação cruel da FRELIMO e a RENAMO killingsby, mas o tempo não estava certo. Ele também queria honra Dr. Massinga, o homem que ele acreditava que tinha feito tanto para o país sem reconhecimento.


Em 1999 Mondlane foi para a África do Sul para trabalhar e para continuar seus estudos. Na África do Sul, muitos moçambicanos que conhecia Mondlane contactou dele em pediu-lhe para elaborar um plano para trazer de volta suas famílias, que foram espalhadas por lei de produção de operação do Guebuza. Mondlane viu que era importante regressar a casa para iniciar uma verdade e movimento de Comissão de reconciliação (CVR), que poderia pressionar o Governo de Moçambique para estabelecer um Comissãoao indemnizar as vítimas.


Mondlane sempre culpou Graça Machel (a ex-primeira dama de Moçambique) para separar a questão da morte de seu marido de questões de aqueles que sofreram sob o regime de Samora Machel. Para expor a Graça e o Estado cruel de Samora Machel, Mondlane se aproximou de Dr. Massinga considerar escrever sua história de vida. Mondlane não percebeu que ele iria ficar questões mais sensíveis do que ele esperava. Durante nove meses, Mondlane seguido as histórias, que Dr. Massinga disse sobre si mesmo.


Mondlane nunca descansada. Às vezes, ele iria encontrar-se em lágrimas. Foi nove meses de alegria e tristeza. Dr. Massinga viajaria com Mondlane onde ele estava, dizendo-lhe o que tinha acontecido com ele e para o país. Mondlane recordar algumas das coisas que ele tinha testemunhado antes que ele escapou à Suazilândia aos nove anos de idade. Quando ele pensou o rapto de sua tia, ele sentiu que era importante fazer alguma coisa para rastrear todos aqueles que tinham desaparecido, pois ele acredita que alguns estão ainda vivos, mas eles têm nenhuma maneira de voltar para suas famílias.
Mondlane fundou o movimento de verdade e Comissão de reconciliação (CVR), pois ele precisava da verdade-se tanto como muitos outros. Salomão tentou localizar algumas das pessoas que foram presos com Dr. Massinga, mas eles se recusaram a contar suas histórias, sentindo que a FRELIMO teria maltratarem-los e que quando Mondlane prometeu que ele iria liberar sua people.Kenneth Makhanya



Eu não tenho nada a dizer, mas para agradecer a Deus que ele enviou um jovem corajoso para mim, Solomon Mondlane. Eu estou feliz que história nunca vai esquecer-me devido a ele. Eu conheci muitas pessoas na minha vida, mas ninguém nunca pensei em fazer o que Salomão tem feito por mim. Salomão é um homem confio e para mim é como meu próprio filho. Suas idéias são as mesmas idéias que tive quando eu tinha sua idade. Penso que nosso governo deve lhe dar uma chance e ele vai fazer muito para Moçambique. Eles não devem deixar conhecimento deste homem ser desperdiçado como o Governo da FRELIMO fez para mim. Eu também quero agradecer sua esposa Saquilifa Nina Chitofo por seu trabalho duro pesquisando algumas das informações no livro.


Eu também não vai esquecer René Smulders e sua equipe de profissionais Medpharm publicações para a sua vontade e assistência profissional na preparação do manuscrito e minha história de vida de publicação em formato de livro.


Deus abençoe a todos.


Dr José Chicuarra Massinga



Guma é uma vila pequena, empoeirada, encontrada na parte sudeste do distrito Massinga, na província de Inhambane. Está rodeado por muitos mafurera árvores e arbustos pequenos. Guma Village e distrito de Massinga foram nomeados após Gunwa Massinga, o primeiro chefe primordial preto dessa área. É aí que eu, José Chicuarra Massinga (neto de Gunwa Massinga), nasceu em 3 de Janeiro de 1930. Meus pais me chamado José. José é o meu nome "Cristão" ou Europeia. Era obrigatório para recém-nascidos a registar todos os anos pelos seus nomes cristãos, como os portugueses alegaram que eles não poderiam pronunciar nossos nomes africanos. Chicuarra era o nome do meu pai. Era necessário para que eu tê-lo como um nome do meio, de acordo com a lei dos portugueses.


Eu nasci em uma família de sete filhos. Nós éramos seis meninos e uma menina. Foi o sexto bornchild do meu pai e o segundo filho nascido de minha mãe, Louçiquine Mahendlele. Meu pai tinha duas esposas, a segunda esposa sendo minha mãe. O nome de minha mãe mais velho, primeira esposa do meu pai, era Nwaximbitane. Meu pai se casou com minha mãe após a morte de sua esposa mais velho. Meus outros cinco irmãos foram Naethan, Tsikiwane, Bandane, Manhanganhane e Kanyane. Nome do Mysister era Jenufayane.


Nossa família era muito pobre. Os meus pais morreram quando eu era muito jovem-tinha apenas seis anos de idade. Após a morte dos meus pais, eu fiquei com meu irmão mais velho Bandane (de minha mãe biológica) e meu irmão mais novo, Kanyane. Depois de algum tempo, meu irmão mais velho deixou de trabalhar nas minas na África do Sul, e eu tinha que cuidar de mim e meu irmão mais novo. Eu tinha um monte de responsabilidades como uma criança. Eu não tinha tempo para brincar e tive que certifique-se que nós hadsomething para comer todos os dias.


Apesar do fato de que meu pai morreu quando eu era muito jovem, há algo que eu nunca vou esquecer sobre ele. Meu pai, sendo o filho do chefe primordial, foi nomeado para liderar os escravos negros, que foram obrigados a ser enviado como 'shibalo' (trabalho forçado), Cataria Mucuaimba em Manhiça e Xinavane para cultivo de cana de açúcar para a empresa incomate. Essa foi a ordem dada pelo governador de Português.


Meu pai não obteve o número de homens exigidos pela empresa. Portanto, o administrador ordenou a seus homens para vencê-lo. Ele foi terrivelmente torturado e espancado com um 'palmatoria' (uma ferramenta de madeira feita para torturar pessoas negras). Quando ele veio para casa, ele estava com dor e suas mãos eram sangramento e inchados.


Senti-me irritado quando eu vi meu pai como aquele. Eu queria chorar, mas meu pai costumava dizer-me que, 'um homem não chorar'. Minha mãe água fervida e lavou suas feridas. Em casa, tivemos três cabanas, um dos quais era meu pai. Ele enfrentou a parte oriental de Guma. Oposto foi minha cabana, que eu compartilhei com meu irmão. Do lado esquerdo era a cozinha. Esta casa grande foi minha responsabilidade. Eu costumava acordar cedo de manhã para buscar água, que foi encontrada alguma distância longe de casa.


Às vezes, eu poderia ir à procura de lenha, que também foi encontrada alguma distância. No meu retorno, eu iria encontrar meu irmão esperando pacientemente para mim. Até então, eu sabia que eu tinha que fazer. Gostaria de ir rapidamente para o jardim mais próximo para buscar algumas batatas-doces ou alguns mandioca. Às vezes eu retornaria mãos vazias. A solução é estabelecer com os meus vizinhos, a família de Cumbe, cuja casa foi situada em frente de minas.


A vida não era fácil. Às vezes nós iríamos dias sem comida. O meu vizinho usado para aconselhar-nos ir para minha irmã mais velho, que já era casada. Recusei-me. Eu sabia muito bem que não poderia ser capazes de permanecer confortavelmente, e que minha irmã não sentiria muito confortável sobre ter-nos em seu lugar, apesar de sua insistência nos para ficar com ela. Eu sabia muito bem que não era sua casa, mas ele era seu marido, de acordo com a nossa cultura. Meu meio-irmão mais velho não foi bem resolvido, assim que nós não poderia problema dele. Eu, por isso, fiquei com meu irmão mais novo, Kanyane, e nós estávamos conteúdos. O meu vizinho parado preocupante nos sobre ir à minha irmã, forhe viu que não estávamos preparados para fazê-lo.



A família de Cumbe foi bom para nós. Eles tiveram um filho da minha idade pelo nome de Francisco Samuel. Sua família era bem fora, e Francisco estava indo para começar a escola naquele mesmo ano. Foi ele quem me convidou para registrar com ele na escola que ele estava indo para assistir. Por conseguinte, entrei para ele. O ano foi de 1940.


O nome da escola que fomos assistir era conhecido como "Escola de Santos António de Lisboa do Rio Pedras". Foi uma longa distância de onde ficamos, mais ou menos 15 km. Meu amigo e eu viajaram juntos. Eu estava andando, e ele estava andando em um jumento fornecido pela sua família. Eu não foi incomodado por viagem, porque eu estava acostumado a tais longas distâncias. Às vezes ele costumava me dar uma carona em seu burro, mas na maioria das vezes, eu seria a um pé. Na chegada à escola, fomos para o escritório para registrar nossos nomes. Eu estava feliz que eu estava indo para começar a estudar. Apesar da longa viagem, eu estava determinado a ter sucesso na escola.


No segundo dia que acordei meu amigo cedo, como eu queria certificar-se de que nós não chegam late.I não queria ser julgado na primeira vez que frequentou a escola. Fomos os primeiros a chegar à escola naquele dia. Chegamos antes mesmo de aqueles que ficaram nas proximidades.


As lições começaram naquele dia, e eu apreciei cada momento dela. Pela primeira vez tive a sorte de estudar a língua portuguesa. Foi uma boa experiência para mim.
Chegando cedo foi nossa rotina diária. Tenho usado para a viagem. Eu estava fazendo bem na escola e meu professor, José malato, estava feliz com meu desempenho. Meu amigo, Francisco, não foi fazê-lo bem na escola.


Sr. malato ensinou-nos para o primeiro ano e depois à esquerda. No ano seguinte outro professor, que era conhecido como Ernesto Matenga Massinga, juntou-nos. Ele também estava muito feliz com meu desempenho. Ele sempre monitorados meu trabalho escolar. Ele me disse que nós éramos família, eu era da família da chieftaincy, e que eu deveria para fazer melhor do que o resto.


Eu usei para alcançar as marcas mais elevadas nos exames, e todos os professores gostaram de mim. Um dia o Sr. Massinga chamou-me para ter um bate-papo, homem a homem. Ele me disse que ele estava feliz com meu desempenho. Portanto, ele queria que eu ficar com ele para que ele poderia oferecer sua ajuda sempre que eu precisava disso. Ele me disse que ele estava preocupado com a longa viagem que eu tirei de casa para a escola. Às vezes, ele podia ver que eu não tinha nada para comer.


Eu queria aceitar a oferta do Sr. Massinga. Ele era tão generoso. Eu tinha apenas um problema que eu não podia discutir com ninguém – meu irmão mais novo. Ele estava sob meus cuidados e não poderia cuidar de si mesmo. Ele precisava minha ajuda. Eu tive que dar o Sr. Massinga uma resposta em breve. ' Senhor, obrigado pela sua oferta. Eu tenho que discuti-lo com meus pais. ' Eu estava deitado. Eu não sabia o que era suposto para dizer. Eu não tive nenhum pais. Eu era o pai me. Disse-me para voltar com a resposta no dia seguinte.


No dia seguinte eu disse-lhe que meus pais recusou-se a deixar-me ficar com ele. Ele ficou tão desapontado, mas aceitou. Ele destacou que ele queria ajudar. Ele viu que, embora eu estava fazendo bem na escola, eu estava lutando.


Passei para a próxima aula no ano seguinte. Até então, eu tinha decidido registrar meu irmão mais novo, Kanyane, na mesma escola. Eu estava feliz com o desempenho do meu irmão. No ano seguinte, eu avançado para a terceira classe e meu irmão para o segundo. Agora, a terceira classe foi o mais alto grau que eu poderia conseguir na Escola de Santos de Lisboa do Rio Pedras, e passei muito bem.


Eu queria continuar com minha educação, mas eu não tinha idéia de como meus estudos. Fui falar com o Sr. Massinga, que me contou sobre uma escola que ofereceu uma quarta classe. A escola estava em Morrumbene e foi chamado de "Missãu de Santa Maria de Mocodoeni". Sr. Massinga aconselhou-me a falar com o director da escola, mas ele não me disse que ele era.



Eu tive que fazer um plano para obter aceite na Missãu de Santa Maria de Mocodoene, para fazer minha quarta classe. Fui lá para falar para o director-adjunto, mas ele me disse que não havia nenhum lugar para mim. Eu sabia que o director-adjunto estava deitado.
Eu sabia que diou pessoas negras, porque ele era branco. Foi a primeira vez que vim cara a cara com um homem branco. Decepcionado e irritado eu voltei para casa. Eu queria mais educação, mas pareceu-me que nada estava indo minha maneira.


No dia seguinte em casa, o meu vizinho amigável trouxe um telegrama de missão. Era um telegrama dirigido a mim. Foi a partir de Missãu Santa Maria de Mocodoene onde eu estava no dia anterior. Eu foi convocado para voltar para a escola. Gostaria de saber o que estava acontecendo. Por que eles estavam chamando-me quando eu estava lá no dia anterior? Eu levei a longa jornada no dia seguinte. Eu queria ser na faculdade para ouvir o que tinham a dizer-me. As chances foram que, o director-adjunto poderia ter mudou de idéia e decidiu admitir-me à sua escola. A outra possibilidade era que eles poderiam me cadastrar para o ano seguinte.


Cheguei na escola a tempo. O director-adjunto foi em seu escritório. "O que você quer?", perguntou quando ele me viu. "Não digo-lhe que não há lugar para você?" Eu estava confuso e pensei para mim mesmo: "foi este homem fazer um tolo de mim?" Senhor, você não aquele que me enviou um telegrama ontem estava? ' Eu perguntei.


' Ir para fora, você pequeno fantoche. Não me brincar! ' ele gritou. Fiquei tão decepcionado. Eu queria chorar. Eu não sabia o que fazer. A vida era tão injusta. Por que o homem fazia isso para mim? Foi porque eu era negro?


Eu marcharam fora do escritório do diretor adjunto em lágrimas. Enquanto eu estava fora, um homem branco em um terno preto, vestindo óculos, se aproximou. Ele era alto e magro com uma cara longa. Ele cumprimentou-me com um sorriso e me perguntou o que tinha acontecido.
Eu lhe disse sobre a telegrama que recebi no dia anterior, e como o director-adjunto da escola tinha me trataram. "Oh-não!", disse que o homem branco. ' Eu mandei esse telegrama para você. Eu queria falar com você, não o subdirector. ' Fiquei surpreso e aliviado. Eu sabia que eu estava falando para o homem certo. Ele quis ajudar? Ele era a pessoa certa para me cadastrar no Colégio? Ele era um bom Samaritano? Estas foram todas as perguntas que eu perguntei-me.


Ele pediu desculpas pelo que tinha acontecido e me convidou para seu escritório. Em seu escritório, ele pediu uma das empregadas para me fazer uma xícara de chá. Ela era uma mulher negra. O homem branco se apresentou-me como Padré José de Freitas, o diretor do Colégio. Ele foi encarregado de analisar aplicações do estudante e seus formulários de desempenho das classes anteriores. "Young man," ele disse: ' eu revi seu trabalho e tive o prazer de ver o desempenho de sua escola anterior. Você fez muito bem, e eu tenho chamado sua escola anterior para falar com um de seus professores, Sr. Massinga. Ele disse que eram os melhores. ' Eu estava tão aliviada para ouvi-lo dizer que, especialmente quando ele mencionou o nome do Sr. Massinga. 'So, what?' Pedi voluntariamente para saber o que ia acontecer comigo. 'Então, você está totalmente registrado no Colégio como um estudante.', disse.


Eu não podia acreditar meus ouvidos. Eu queria pular e gritar com alegria, mas eu permaneci calmo. Padré Freitas disse-me para ir para casa e buscar minhas roupas, porque eu estava indo para ficar na faculdade. Fiquei feliz, muito feliz. Apreciei o Padré Freitas disse. Ele prometeu a falar para o director-adjunto e garantiu-me que nada vai mudar. Durante minha conversa com Padré Freitas, vim a saber que o director-adjunto da escola era conhecido como Padré Virgilio Romero de Lemos.


Eu levei a estradas empoeiradas para Guma, um menino feliz. Eu queria que meu irmão sabe o que aconteceu. Eu queria dizer meu vizinho a notícia. Não se esqueça sobre o Sr. Massinga, ou todos os professores na minha escola anterior. Eu chegou em casa muito tarde e eu encontrei que meu irmão tinha cozinhado mandioca. Eu disse-lhe a boa notícia antes que eu comi. Ele estava feliz e me abraçou com alegria. Apesar de tudo isso, houve um problema.


O que ia acontecer com ele? A única solução foi meu irmão mais velho Naethan, que poderia acomodar meu irmão mais novo. Eu não podia perder a oportunidade de aprofundar meus estudos. Eu decidi tomar meu irmão mais novo para o meu irmão mais velho. Meu irmão mais velho estava muito feliz que eu estava indo para meus estudos, mas ele estava preocupado que ninguém estava indo para cuidar da nossa casa. Da casa do meu irmão, eu fui ao Sr. Massinga. Eu disse-lhe a notícia. Ele estava muito feliz. Ele recebeu a notícia antes de mim. Em seguida, fui para a faculdade. Eu estava carregando meu saco mulala, que costumava pertencem ao meu pai. No interior foram dois antigos pares de calças, que meu pai me deu e duas camisetas que me foi dada pelo Sr. Massinga.


Eu comecei minhas aulas na minha escola nova. Meu amigo vizinho já não estava comigo. Ele não passa grau três e teve de repetir a mesma classe. Meu melhor professor foi Padré Freitas. Ele garantiu-me que eu estava bem-vindo na escola da missão. Ele me disse que, se eu tivesse algum problema, eu poderia confiar nele. Eu tive um bom relacionamento com todos os professores na escola. Eu tive um problema com Padré Lemos, o director-adjunto. A forma como ele olhou para mim, não era bom. Ele não foi ainda sorrindo para mim. Durante a minha estadia na escola, eu vim a saber por que ele era assim. Todos os estudantes diou-lo e alegaram que ele se comportou superior mais do que os outros.


Foi bom estar na faculdade. Acordamos de manhã muito cedo e limpos os nossos quartos. Depois disso, podemos ir para um banho e desfrutar breakfast.We seria então proceder ao assembly e, posteriormente, iniciar nossas aulas. Essa foi nossa rotina diária. Meu melhor amigo era conhecido como Jordaan Mahose. Ele estava fazendo bem na classe e foi um dos melhores alunos do terceiro grau na mesma faculdade.


Os professores gostaram dele. Ele era negro. Nós estudamos com outros estudantes brancos. Padré Freitas incentivou-me a ser amigos Jordaan. Eu estava feliz com meu desempenho, então foi Padré Freitas. Eu trabalhou arduamente na classe e questionou tudo que eu não entendi. Nossos exames contraíram foram realizados em Maxixe, com alunos de outras escolas. Ficamos em Maxixe por uma semana após os exames. Quando voltamos, nossos resultados já foram recebidos pelo Colégio.

Eu me lembro muito bem o dia que cheguei na faculdade de Maxixe. Meus professores já estavam esperando por mim. Como eu pisei fora do barramento, meus professores veio correndo em relação a mim. Eles me abraçaram e chanted parabéns. Eu sabia que eu tinha realizado bem, mas não sabia que eu tinha conseguido uma distinção. Eu estava no topo. Eu havia derrotado tanto alunos preto e brancos no meu bairro. Meu desempenho foi bom e meus professores não preocupar-me mais. Às vezes eles iria me enviar para a rua de esperar para trazer o Jornal do caminhão Jornal. Eu li o Jornal antes que eu o levei para os professores. Que é quando eu comecei a perceber que havia uma cidade chamada Lorenzo Marques em uma determinada parte do nosso país. Lembrei-me com meu pai me dizendo sobre ele.


Enquanto eu estava fazendo grau 4, em 1944, ouvi dizer que o governador queria levar nossa liderança (chieftaincy) em Massinga e dar a alguém que não pertencem à família da Massinga. Eu sabia que meu irmão mais velho não iria desafiar as autoridades, para ele não se importa sobre o que estava acontecendo. Eu tomei-me desafiar as autoridades do distrito Massinga. O governador do Massinga designou um homem, pelo apelido de Tsemba, ser um chefe em vez de meu irmão mais velho, o primogênito do meu pai. Eu sabia que os brancos estavam jogando jogos com nossa liderança. O chieftaincy foi em homenagem ao meu avô que, após sua morte, foi sucedido por meu pai. Era óbvio que meu irmão era suposto ter sucesso como o terceiro chefe.


Eu fui para o administrador do distrito de apresentar a minha queixa. Ele era um homem branco. Naquele momento, eu falava português bem o suficiente para se comunicar com alguém. Mal sabia eu que isso iria marcar o início de minha participação na política. Eu estava amarga sobre o que o Governo Português estava fazendo – tomar decisões sem consultar os proprietários dos terrenos. Quando cheguei no Instituto do distrito, pediu para ver o administrador. Ele me chamou. Eu tinha apenas 14 anos. "O que posso fazer para você jovem?", perguntou. Eu estava com medo de falar, mas porque eu já estava lá, eu tinha que falar. ' Senhor, estou aqui para saber sobre a nossa liderança de chieftaincy. Por que você decidiu dar a alguém? Isso é ilegal. O chieftaincy pertence a nós. Nós, a Massinga. ' Eu disse.


O administrador foi tranquilo por um tempo. Ele, em seguida, aconselhou-me a transmitir a minha queixa por escrito. Ele garantiu-me que a minha queixa, sendo encaminhada por escrito, iria ser abordada. Ele não disse muito mais longe.


Eu estava feliz de ter falado para o administrador. Eu voltei para a faculdade de elaborar uma carta, mas antes que eu fiz isso, eu tinha que ver o Sr. Nemba. Fui ao seu gabinete, que costumava ser do meu pai. Entrei na estância e Sr. Nemba levantou. "Por que você não bater?", perguntou muito angrily.


'for What?' Eu perguntei. Sr. Nemba foi muito irritado. Ele suados como ele falou. ' Este é o escritório do meu pai, por que você está roubando nossa liderança? Nossos antepassados trabalharam para isso! ' Eu shouted. Sr. Nemba não estava feliz com o que ele ouviu, mas não disse nada em sua defesa. Ele disse-me para se acalmar e me pediu para voltar no dia seguinte. Saí com uma sensação de prazer. Pelo menos eu tinha feito o meu ponto. Eu esperava que ele iria demitir-se. Mal sabia eu que não iria acontecer em breve.


Cheguei na faculdade muito tarde. Meu amigo, Jordaan, perguntou onde eu tinha sido. Eu disse-lhe toda a história. Ele não gostava que ele ouviu e foi totalmente contra o que eu tinha feito. Ele alertou-me para ter cuidado, porque o Governo Português poderia demitir-me da escola. Ele mesmo se recusou a me ajudar a elaborar uma carta ao Governador. Eu tinha que fazer isso no meu próprio. Eu estava com medo. Ele não ia ser fácil, mas eu tinha que continuar a batalha. Eu já tinha falado para o administrador do meu bairro, e eu já tinha visto o Sr. Nemba. Estava convencido de que eu estava indo todefeat-los.


Cedo no dia seguinte, eu fui Padré Freitas dizer-lhe que eu estava indo para visitar um parente que estava muito doente. Eu estava deitado – eu estava tomando a letra eu tinha elaborado para o administrador e estava indo para ver o Sr. Nemba. Padré Freitas sentiu muito triste para mim. Ele desejou meu parente uma rápida recuperação. Eu levei a viagem a pé. Foi uma viagem longa, e eu não estava me sentindo tão confiante como no dia anterior.


Quando cheguei, o administrador não estava em seu escritório. Deixei a letra com sua secretária. Fui direto para o Sr. Nemba. Na chegada, ele disse-me entrar em seu escritório. Ele fechado e bloqueado o door.Mr. Tsemba era um homem muito alto e escuro. Ele falou com a voz. 'Jovem!' ele gritou. ' Não enganar comigo, meu menino.


Eu sou muito velho, e quem lhe disse que eu estava tomando a liderança do seu pai? Vá e diga seu pai vir-se. ' Mas ele é dea… ' Antes que eu poderia terminar dizendo o que eu quis dizer, ele bateu-me muito difícil. Ele tomou um 'paramatoria', que tornou-se mais ou menos e começou a bater-me. Eu gritei. Era doloroso. Eu tentei abrir a porta, mas ele foi bloqueado. Ambas minhas mãos estavam vermelhos e sangramento. Ele não parou bater-me até que ele ouviu uma batida na porta.


Quando ele abriu a porta, havia pessoas de fora, shouting, ' Tsemba, pará-lo, ele é apenas uma criança. ' Sr. Nemba deixe-me ir. Corri dos gritos de escritório e pontas volta ao longo da estrada de onde eu tinha vindo. Eu corri para a casa da minha irmã mais velho foi nas proximidades. Parei chorando ao longo do caminho e comecei a pensar sobre o calvário que acabámos de viver. Eu pensei meu amigo na escola que tinha aconselhou-me para não fazer o que eu tinha planejado. Eu pensei que meu pai, que uma vez veio sangramento home como este. Eu pensei Mr. Nemba. Ele era mão na luva com o Português, é por isso que ele foi bater-me como aquele. Era doloroso. Eu queria vingança, mas não sabia como.


À sua chegada à casa da minha irmã, caiu no chão. Minha irmã veio correndo e gritando para obter ajuda. Ela foi surpreendida com o que tinha acontecido a mim. ' O que é Chicuarra? O que aconteceu com você? ' Eu não respondeu. Eu queria se livrar da dor que eu estava me sentindo. Minha irmã me ajudou em sua casa. Ela rapidamente água fervida e lavado minhas mãos com um pano na forma como minha mãe fez para o meu pai. Depois disso, me senti melhor. Ela me deu comida. Seus vizinhos veio para a porta, wantingto saber o que tinha acontecido a mim.


Depois de terminar a minha comida, disse-lhes o que tinha acontecido a mim. Eles foram todos surpreendidos. Então eu levei um juramento que tudo o que aconteceu comigo, eu iria lutar pela nossa liderança. Como? Eu não sabia. Tudo que eu sabia era que eu tinha que concluir meus estudos, pois lembrei-me que o meu amigo me disse. Eu não queria enfrentar o Sr. Nemba ou o administrador novamente. Eu fiquei no lugar da minha irmã durante uma semana, não atender à faculdade. Durante este tempo, Padré Freitas veio visitar, acompanhado de meu irmão mais velho. Eu sabia que estava em apuros.


"Amigo de manhã", disse Padré Freitas com um sorriso. Padré Freitas era uma pessoa amável que não iria mostrar sua raiva, mesmo quando zangado. Eu respondi em voz muito suave. Não tenha medo de menino. Eu não estou aqui para assustá-lo, mas para simpatizar para o que aconteceu com você. Ouvi. ' Fiquei surpreso que a notícia chegou ao Colégio.
Padré Freitas continuou, "O executivo do Colégio, decidiu suspender a você por um tempo. Isso foi depois a escola recebeu uma carta de governador de distrito solicitando a fazê-lo. Dizia-se que você ter insultado o administrador e o Chief. ' Eu estava tão preocupado e queria chorar. Padré Freitas prometeu que eu iria ser reinstituída muito em breve, pois ele estava indo para tomar a questão para o topo.


Padré Freitas foi o único homem que eu podia confiar. Tudo o que ele disse que fez sentido para mim. Padré Freitas e meu irmão, que não disse uma palavra para mim, à esquerda. No dia seguinte eu ouvi, de minha irmã que estiveram na cidade, que meu irmão mais velho foi convidado pelo administrador para tomar café com ele. Fiquei tão surpreso que um homem branco poderia convidar uma pessoa negra para tomar café com ele. Foi tão estranho.


Descobri depois que meu irmão assinado alguns documentos, sem saber que ele era uma testemunha à alegação que eu tivesse insultado o administrador. Enquanto isso, Padré Freitas levou a questão a Lorenzo Marques (hoje conhecido como Maputo), argumentando contra o despedimento de um menino negro brilhante sem quaisquer razões concretas. Ele afirmou que um menino da minha idade não poderia fazer o que eles disseram que eu fiz. O Governo de Lorenzo Marques rapidamente deu ordens ao governador de distrito para permitir-me a ser reinstituídas na faculdade. Os documentos meu irmão assinado não ajudar-lhe em todos.


Eu estava de volta ao colégio assim que eu fui chamado. Padré Freitas teve uma breve conversa comigo. Ele me disse que ele entendeu o que tinha acontecido e porque eu tinha agido a maneira que eu fiz. Ele me disse algo que eu nunca vou esquecer. Ele disse: ' educação é a chave para desbloquear qualquer porta. Se você quiser lutar contra o colonialismo, é melhor ser educado.

Se você quiser lutar Tsemba, é melhor começar educação. Por agora, ficar fora de problemas antes de você é expulsos do Colégio para o bem. ' O que ele dizia era muito grave. Eu sabia que meu irmão tinha assinado documentos que ele não entendia, porque ele não tinha educação. Eu tive que tomar uma decisão, naquele momento, a levar a sério a educação ou a deixá-lo ser desperdiçado. Quando meu amigo me viu, ele fez uma única instrução, "Espero que você tenha aprendido uma lição".


Desse dia em diante, eu jurei para me dedicar à educação. Uma semana depois, ouvi dizer que o administrador tinha sido demitido por causa do meu problema. Para mim, foi vitória contra um homem branco, mas eu tive que lutar meu homem, Sr. Nemba. Como? A resposta foi - através da educação. Eu sabia que o Sr. Nemba não foi educado e educação foi a melhor arma para usar contra ele.



O Missãu de Santa Maria de Mocodoene terminou com grau 4. Padré Freitas disse-me para aplicar a Escola de Habilitação de Professores indígena (escola de formação de habilitação dos professores indígenas). Foi nessa escola que eu conheci o Dr. Maia, um homem branco muito gentil. Ele foi diretor e professor na escola. Dr. Maia deu-me muito incentivo para estudar para que eu pudesse ajudar meu país para lutar contra o colonialismo. Ele me disse que eu tinha uma grande capacidade para ter sucesso e ele nunca quis me perder meu tempo na Escola de Habilitação de Professores indígena.
Eu fiz bem em que a escola e aplicar meus estudos no Seminário Católico de Junior Magude. Dr. Maia prometeu que eu teria admitido para o seminário de meu desempenho, bem como a recomendação que ele estava indo para enviar. Meu desempenho foi tão bom que eu era facilmente aceites no seminário Magude católica Junior. Dr. Maia estava tão feliz que ele quis-me o melhor e deu-me uma das suas camisas bonitas. Ele alertou-me para ficar fora de problemas. Meus irmãos e irmã foram muito felizes que eu tinha sido admitido para um novo Colégio sem quaisquer problemas. Meu irmão me comprou um pequeno saco, que eu usei para minhas roupas.


A viagem a Magude era muito longa, que estava viajando de ônibus neste momento. Cheguei na faculdade early in the morning. Eu não era o único. Muitos meninos e meninas tinham acabado de chegar e eram registrando seus nomes na recepção. Eu apenas seguido a fila. Quando chegou minha vez entrar na recepção, uma senhora negra assistida-me pela primeira vez na minha vida. Ela anotou em meu nome e me proporcionou um número chave e sala. Eu tive que dividir um quarto com outro rapaz. Ele falou bastante semelhante ao meu outro idioma. Ele falou Tsongas, e seu nome era Senepe de José Augusto.


Meu novo amigo e passei a noite toda a falar de nossos professores e escolas anteriores. Foi quando eu descobri que ele estava falando de idioma. Ele era da província que estávamos em Gaza. Nossa conversa ficou tenso quando perguntei-lhe sobre Lorenzo Marques. Ele tinha sido em Lorenzo Marques por um tempo. 'Meu amigo, Lorenzo Marques não é uma piada, que é onde meu pai trabalha'. Ele disse com carranca em seu rosto. ' Meu pai trabalha para um homem Português. O Portugueseman trata-lo como um jumento. Ele é expulso, bateu e, por vezes, enviado para a loja como uma criança. O salário que ele ganha é muito pouco em comparação com as tarefas que ele executa. '
Eu estava ouvindo. Ouvi-lo falar, eu quis chorar, mas eu tive que ouvir atentamente. Meu amigo me contou sobre o sofrimento do povo negro na parte de Moçambique. O que ele estava me contando não era estranho. Eu sabia que alguns portugueses eram cruéis e outros não, mas ouvir o meu amigo teve que dizer me fez deiam a toda nação portuguesa. Eu desejei que iria deixar o nosso país. Eu sabia muito bem que não provêm de aqui. Antes de morrer, meu pai tinha me disse que eles eram provenientes de um país chamado Portugal.


Eu caí adormecido antes de meu amigo conseguiu terminar sua história. No dia seguinte foi dada as regras e o ethos do seminário católico. Eu estava indo para inscrever-se para um curso de Junior. Eu gostei da escola. Todas as pessoas brancas eram muito amigáveis. Era uma contradição com o que eu tinha ouvido falar antes. Nós atendemos assembly antes de iniciar nossas aulas. Isso é onde eu comecei a aprender a oração do Senhor ' em Português. Após a oração, nos deram instruções para o dia.
No sábado a primeira semana, fomos informados para assistir a um serviço de Igreja em Lorenzo Marques, uma vez por mês. Foi a primeira semana nós estávamos indo para ir para Lorenzo Marques. Fiquei feliz, muito feliz. Eu foi selecionado para ser no coro da escola que era suposto para cantar na Igreja. Começamos a ensaio para o domingo.


Na manhã de domingo, acordamos muito cedo. Temos preparado-nos e viajou de ônibus da cidade considerava ser a cidade da escravidão. Eu queria ver nessa cidade. Gostaria de testemunhar o que meu amigo me disse. A viagem era longa, como de costume, mas nós foram asseguradas que nós iria chegar a tempo.


Quando nos aproximamos Lorenzo Marques, as crianças no ônibus eram tão felizes. Eu estava calmo, anseio para ver a cidade. Finalmente, lá estava ele, alguns quilômetros de distância. Havia prédios altos e eram muito bonitas. Quando nos aproximamos, eu vi muitos carros. Os brancos levou a maioria dos carros. Eu percebi que estava em um outro mundo.


Eu desejei que meus irmãos e irmãs estavam lá para testemunhar o que eu estava vendo. Nós participamos da cidade e dirigiu a nossa Igreja, mas meu coração não estava lá. Meu coração estava com a cidade em si. Era bonito, ainda pertencia a estrangeiros. O serviço de Igreja apenas tinha começado. Fomos e nosso Coro foi chamado para cantar.


Nós cantamos, e após o serviço, nós comemos o alimento que tinha trazido ao longo da escola theseminary. Depois que tinha acabado, começamos nossa viagem de volta ao Colégio. Era noite quando saímos, e toda a cidade foi iluminada. Foi bonito. Eu desejei que eu poderia ficar em algumas das casas e apartamentos que eu vi. Chegamos no seminário, muito tarde. Eu não conseguia manter silêncio sobre o que eu tinha visto. Eu passei tempo questionando meu amigo, que foi um pouco mais familiarizado com a cidade do que eu.



Meus resultados foram muito bons, como de costume. Passei todos os meus temas no final do ano e foi transferido para o Seminário Católico maior de Namaacha. Me matriculei num curso principal. Este seminário apenas tinha sido construído. Até agora, eu estava familiarizado com Lorenzo Marques para nós costumávamos ir lá todos os meses. Eu tinha um desejo – um desejo de permanecer em Lorenzo Marques. Eu tinha sobrinhos que viveu em Lorenzo Marques.


Passei meu primeiro ano grande seminário Course com facilidade. Como eu estava prestes a começar o segundo curso de ano, houve conflito entre os estudantes negros, que eram de diferentes partes de Moçambique (a parte Sul, a parte central e a parte norte de Moçambique). Esses alunos foram divididos por suas linhas tribais.
Vendo o conflito, o diretor da escola aproximou-me para levar os alunos e atuar como mediador entre eles. No entanto, eu me recusei a oferta na alegação de que eu era contra o sistema de nomeação. Eu queria ser eleito entre outros estudantes, por todos os estudantes, de diferentes partes de Moçambique. Eu disse o diretor que acreditava na democracia.


O diretor estava furioso comigo para que eu tinha dito a ele. Ele acusou-me de ser desobediente e disse que eu estava indo para ser julgado da faculdade. Eu disse a ele que eu estava preparado para deixar se era necessário. Alguns dias mais tarde, recebi uma carta de demissão do Bispo da Igreja Católica na sede em Lorenzo Marques. Ele afirmou claramente que eu era desobediente e que eu estava propagando política no seminário, que foi contra a sua política.


Em 1959, antes de eu foi expulso do seminário Namaacha, meu professor me convidou para testemunhar o sofrimento do meu povo que foram recrutados no âmbito do sistema de abour forçada, apelámos 'shibalo'. O que é 'shibalo'? Shibalo é o nome que nós ainda usamos hoje, ou seja, trabalho forçado. Isto foi originada durante o tempo quando as pessoas foram obrigadas a cultivar algodão e culturas de alimentos. Meu pai já trabalhou sob o mesmo sistema.


Depois que eu testemunhei que, eu escrevi uma carta ao Governador, Gabriel Teixeira, reclamando sobre os maus-tratos de pessoas negras. Eu era contra o sistema de abour forçada. Não recebi nenhuma resposta, mas a notícia chegou o diretor do seminário.
Que também contribuiu para minha demissão. Eu reuniu meus pertences e se mudou para Lorenzo Marques para ficar com meus sobrinhos, Alexandre Zunguze e João Chitofo. Eu aplicado a continuar meus estudos durante a sua estada com meus sobrinhos, mas foi recusado por todas as escolas em Lorenzo Marques. Por essa altura eu estava 29 anos de idade. Foi-me dito que a educação que tinha recebido até agora difere consideravelmente a educação em Lorenzo Marques. Eu estava devastado. Percebi que as dificuldades de estar na cidade de escravidão. Eu tive que encontrar um emprego para ajudar meus sobrinhos. Eu sabia que eles não estavam indo para alimentação e servem para mim enquanto eu estava freqüentando a escola.


Comecei procurando um emprego e encontrou trabalho como um jardineiro para um homem branco. A família foi tão bom para mim, que eu esqueci mesmo que os brancos eram cruéis. Apesar do fato de que meu empregador era tão bom para mim, eu costumava ver outros brancos batendo negros, às vezes derramar água sobre eles. Eu nunca vou esquecer ver um homem branco, segurando a face de um homem negro para ser batido por seu filho. A vida era tão cruel.


Eu também vim a saber sobre a polícia secreta de Português (PIDE). Eles foram a polícia secreta encontrada na cidade, eles eram tão ruins. Eles diou negros e fez suas vidas miseráveis. Racismo foi na ordem do dia em Lorenzo Marques. Quando uma pessoa negra quis comprar algo de uma loja, ele contou para durar, mesmo se ele foi o primeiro a chegar. A situação era ruim na cidade. No entanto, eu nunca sonhei de voltar para a aldeia nesse momento.


Meus sobrinhos estavam muito felizes que eu estava trabalhando e eu poderia contribuir para a família, mas eles estavam preocupados com uma coisa. A maneira que eu sempre falei sobre os brancos e querendo-los a deixar o país. Eles me avisaram que eu iria acabar na prisão se eu continuei falando dessa forma.


Enquanto em Lorenzo Marques, ouvi muitas histórias sobre a morte de pessoas negras nas mãos de seus empregados. Meu mestre sempre disse que era uma mentira. Ele costumava me perguntar se ele tratou-me mal. Naturalmente, ele não estava. Essa família me tratou bem. Eles costumavam me dê sobras, que levou para casa. Para mim, que não foi suficiente para mudar a minha opinião sobre a crueldade dos brancos e que eles devem deixar nossa terra.


Passado um ano. Eu estava cansado de trabalhar para um homem branco. Eu queria educação, mas não sabia como eu estava indo para obtê-lo. Um dia, em 1960, ao ouvir a notícia, ele veio a minha atenção que algumas crianças pretas foram encontradas mortos nos arredores de Lorenzo Marques. Acreditava-se que o Governo português e a PIDE esteve envolvido no ato. Ouvi dizer que um homem negro dos EUA, que trabalhava para as Nações Unidas, havia condenado o assassinato de crianças. Seu nome era Dr. Eduardo Mondlane Chivambo. Ele era um moçambicano da província de Gaza. Ele foi uma das poucas pessoas negras nas Nações Unidas e o primeiro de nosso país obteve doutorado e se casar com uma mulher branca.


Eu queria conhecer este homem. Talvez ele pudesse ajudar-me segura uma bolsa para continuar meus estudos. Gostaria de estudar no estrangeiro. O ano era de 1961, e todo mundo falou sobre Dr. Eduardo Mondlane visitar Moçambique. Eu queria vê-lo e nada estava indo me parar. O homem era muito famoso. Foi educado e o Governo Português sentiu-se desconfortável tê-lo ao redor. Eu sabia que ele estava indo para me receber com os braços abertos, porque ele era negro como eu.
Eu tinha que manter-me informado sobre whereabouts do Dr. Eduardo Mondlane para saber onde ele pôde ser encontrado.

Felizmente, ouvi dizer que ele estava indo para a Lorenzo Marques e preparou-me a ir para ver um moçambicano muito educado.
Eu queria ser como ele, e havia apenas uma maneira de conseguir isso. Eu tive que aproximam dele para que ele poderia me dar o segredo por trás de seu sucesso na educação. Durante os dias quando Dr. Mondlane foi dito ser em Lorenzo Marques, eu levei para a rua de uma manhã. Eu estava bem preparado para apresentar minha história para este poderoso homem negro do meu país. Na chegada, onde ele foi dito ser, eu encontrei uma multidão de pessoas. Homens, mulheres e crianças estavam esperando para ver seu herói.
Eles estavam esperando para ver este homem famoso, educado.

Eu esperei pacientemente para o momento de conhecê-lo. A empurrões e empurrando das pessoas, eu sabia que o homem tinha chegado, mas eu não podia vê-lo. Alguns estavam apontando para o lado de mão esquerda, alguns para a direita, mas eu não podia vê-lo. Eu tive uma idéia do que ele olhou como, de uma imagem do Jornal. Eu observei um carro preto perto de onde eu estava de pé. Era um belo carro, e de repente apareceu um homem enorme escuro, acenando com a mão. As pessoas estavam gritando, 'Mondlane…!', elogiando-o. Eu tremeu e eu não sabia o que era suposto para fazer.


Esse foi o Dr. Eduardo Mondlane, "o negro árvore mais alta" do país. Eu empurrei meu caminho em direção a ele, e ele olhou para mim. Ele apertou minha mão e cumprimentou-me com um sorriso amigável. Eu tive a oportunidade de dizer-lhe sobre o meu desejo de promover meus estudos. Ele ficou muito contente e levei meus detalhes. Ele prometeu entrar em contato comigo depois que ele voltou para os Estados Unidos dentro de algumas semanas. Ele informou-me que ele estava procurando jovens homens e mulheres que queriam estudar no estrangeiro e se enquadram no perfil. Eu estava muito feliz e retornado casa. Meu sonho ainda mais meu educationcould tornam-se uma realidade.



Dr. Mondlane era longo desde ido, e eu esperava sua resposta. Dois meses mais tarde, ele me enviou um telegrama para me informar que teve a sorte e recebeu uma bolsa de estudos. Era suposto Prepare-se e obter um passaporte e visto. Eu estava muito feliz e, pela primeira vez, ouviu meus sobrinhos desejando-me o melhor em tudo o que eu estava fazendo. João prometeu que iria fazer nada para permitir-me para ir no exterior.


Ele era o único homem que eu poderia confiar, porque ele parecia ser mais favorável do que o resto das pessoas. Foi para o departamento de imigração e pediu um passaporte, mas foi recusado. Foi-me dito que as pessoas negras não foram autorizadas a ir além das fronteiras de Moçambique. Eu tive que fazer um plano alternativo para obter um passaporte. Fui direto para o consulado americano naquela tarde. Não foi fácil, mas eu tinha meu sobrinho, João Chitofo, comigo. Ele era tão enxadrezado e seria dodge os guardas de segurança, se necessário, para encontrar seu caminho para a casa do cônsul, a fim de fazer um compromisso para mim.


Felizmente, eu estava autorizado a casa com a ajuda de João. Eu expliquei para o cônsul que eu queria ir aos Estados Unidos para estudar, e eu precisava de sua ajuda. Expliquei-lhe que meu irmão na América tinha arranjado uma bolsa de estudos para mim. Ele queria saber quem foi meu irmão. Quando eu mencionei o nome, Eduardo Mondlane, ele foi rápido para me convidar para seu escritório no dia seguinte. Dr. Eduardo Mondlane era bem conhecido em toda a parte. Ele foi uma das poucas pessoas negras para ser encontrado no escritório das Nações Unidas em América.


Eu estava com medo de voltar ao escritório consulado americano. Eu estava com medo da polícia PIDE, que eram da área da recepção nos escritórios norte-americano do Alto Comissariado. Eu disse a mesmo que eu não tinha escolha. Eu não quis perder a oportunidade de estudar na América. Na manhã seguinte eu acordei muito cedo e preparou-me a encontrar-se com o cônsul. Aproximei orgulhosamente na recepção. Uma senhora portuguesa Batrachoseps branca foi olhar para mim. Eu cumprimentado dela, mas ela não respondeu.


Eu sabia que ela odiava os negros, como o resto dos portugueses. Senhora Presidente, eu estou aqui para ver o cônsul, por favor. ' Eu disse. Quem é você? Você tem um compromisso com ele? ", indagou. Não, ele quer falar comigo. ' Eu disse. Ela estava muito irritada. Ela tirou o telefone e discado escritório do cônsul. Algum tempo mais tarde, ela disse muito educadamente, 'tem um assento, o cônsul estará com você em poucos minutos'. Com muito orgulho, sentou-se e cruzaram meus pés.


O cônsul me chamou em seu escritório. Ele não disse muito e queria saber se eu poderia escrever em inglês. Confirmei que eu poderia, mas eu estava deitado. Ele me deu algumas formas de preencher e mandou-me para trazê-los de volta no dia seguinte. Eu não poderia mesmo ler e mentiu sobre ser capaz de escrever em inglês.


Eu levei meus formulários ao meu amigo, Joel Ngodoane, que estava trabalhando em CFM e poderia falar, ler e escrever Inglês. Pedi-lhe para me ajudar a preencher os formulários. Ele me ajudou muito rapidamente e ordenou-me para não revelar a ninguém o que tinha feito para mim.


No dia seguinte eu voltei para o consulado. Desta vez eu não tive nenhum problema com a recepcionista. O cônsul levou os formulários e disse-me para voltar em duas semanas.


Meu bilhete de avião para os Estados Unidos já tinha sido enviado, mas eu ainda estava lutando para obter um passaporte e visto. Duas semanas depois, voltei para o consulado americano. Ele me deu um documento para levar a imigração com minhas fotografias e a quantidade necessária. Eu levei tudo que eles exigiram à imigração. Na chegada, entregou toda a documentação para a recepcionista, que dirigiu-me a um dos escritórios. Como entrar, um homem branco Português cumprimentou-me com um sorriso caloroso. Foi minha primeira vez, desde que tinha chegado em Lorenzo Marques, que um whiteman deu-me uma calorosa.


O homem branco pediu um dos seus assistentes para obter ajuda, depois que eu expliquei-lhe que eu precisava apressadamente um passaporte. Ele me levou duas horas para obter um passaporte e visto. No dia seguinte eu deixei para o aeroporto com a minha bagagem, documentos e bilhete.


À chegada ao aeroporto, segui a fila para a entrada, para meu avião estava indo para afastar-se em hora uma. Quando cheguei os guardas de segurança, que estavam procurando e observando nossos documentos, pediram-me para o meu destino.


Quando eu respondi, "América", ele perguntou: ' para fazer o quê?" Eu disse a ele que eu estava indo para estudar. Ele me disse para esperar lado furiosamente e disse: ' isto não é a América. Você deve seguir as regras dos portugueses. ' Eu sabia que isto significava problemas.


Eu estava furioso para o avião estava prestes a sair. A PIDE estava tentando me impede de estudar na América. Um guarda de segurança ordenou alguns dos seus colegas para escoltar-me à delegacia. Eles me transportados na parte traseira de sua van, com minha bagagem. À chegada ao posto da polícia, foi bloqueado em uma célula de exploração.


Depois de algumas horas eu foi levado para o escritório do vice Inspetor então da PIDE em Moçambique, Carmindo da Rocha. Como entrar seu escritório, ele imediatamente começou a falar sobre coisas em conexão com-me ir para os Estados Unidos.


Eu estava muito irritado qualquer atenção para o que ele estava dizendo. Depois de ter terminado a falar, houve silêncio na sala. Perguntei-lhe, "por que o Governo Português quer me impede de estudar em um país que segue os princípios e valores da civilização ocidental? Que programa o Português siga para o futuro de Moçambique, para evitar tornar-se uma presa fácil de comunismo amanhã? ' Rocha nunca respondeu às minhas perguntas. Em vez disso, ele me perguntou por que eu não pedi o Governo português a dar-me uma bolsa de estudos.


Foi a única resposta que eu poderia dar, 'Você recusou dar-me uma bolsa de estudos'. Ele estava irritado e ordenada para mim a ser removido do cargo. Os guardas de segurança levou-me fora e disse-me para deixar suas instalações, mas mantiveram meus documentos. Lá fora, havia jornalistas esperando por mim. Alguns queriam saber o que tinha acontecido a mim e por que o governo não vai permitir-me a estudar no exterior? Eu era o Dr. Eduardo Mondlane próximo? Eu estava confuso e quis saber quem informou os jornalistas. Trata-se de início da luta contra o Governo Português?

Eu estava tão irritado que Recusei-me a falar com os jornalistas. Eu só poderia repetir as perguntas tinha solicitado o Sr. Rocha mais cedo naquele dia. Mal sabia eu que, num futuro próximo, Moçambique tornaria um país comunista. Eu levei a minha bagagem e fui para casa.


Em casa meus sobrinhos, Alxandre e João, estavam preocupados vê-me de volta tão cedo. Eu tive um bom relacionamento com eles e disse-lhes o que tinha acontecido. João estava decepcionado. Depois que eu tinha conseguido obter um passaporte e visto, ele pensou que a luta foi mais. Os portugueses estavam fazendo vidas do moçambicano preto desagradáveis, e eles estavam nos impede de ir estudar para capacitar-nos com os conhecimentos necessários. Eles queriam que sejamos escravos ignorante para sempre.


Eu não conseguia aceitar isso. Eu fui para o cônsul americano para explicar o meu dilema. Ele me disse que eu não deveria ter dito a polícia PIDE que eu era destinado para a América. No entanto, não havia nenhuma maneira eu poderia ter evitado-los no aeroporto. Ele me disse que não havia nada mais que ele poderia fazer para me ajudar.


A história de um jovem que queria ir no exterior para continuar seus estudos, foi publicada em jornais de todo o país. Alguns diziam que eu era o Dr. Eduardo Mondlane próxima. Alguns repórteres disse mesmo que eu tivesse tentado fugir do país para espionar os portugueses. Eu temia por minha vida em Moçambique.


Eu sabia que a PIDE estavam indo para tentar me matar antes do final do dia. Eu tive que elaborar um plano de evacuação, porque eu estava doente e cansado de ser intimidados por eles. Por outro lado, fiquei orgulhoso de ter sido a primeira pessoa negra a desafiá-los abertamente.



No dia seguinte se reuniram a minha bagagem e embarcou em um trem para Chicualacuala em relação a Rhodesian borda (hoje Zimbábue). Eu cruzaram a fronteira a Rodésia do Sul. Em Bulawayo um homem local acomodados-me. Eu não era o único convidado em sua casa.
Houve outro residente de Moçambique, que tinha estado lá por alguns dias já. Seu destino era Tanzânia, através da Zâmbia. Nosso anfitrião estava feliz por ter-nos em sua casa e todo mundo disse que ele tinha visitantes. A polícia Rodesiana branca tornou-se suspeito e decidimos deixar. Ele nos levou para a paragem de autocarro, mas no nosso caminho, encontramos um policial branco armado.


Ele queria saber onde estávamos de. O homem que tinha acomodados nos disse a ele que nós éramos de Pafure. Pafure foi Rhodesia perto da fronteira com a Moçambique. O policial se recusou a aceitar que e disse que tínhamos de Moçambique. Nós tentamos negá-lo, mas ele persistentes que o povo do Pafure não olhar como nós. Ele ordenou a deitar-se com as nossas mãos em nossas cabeças e esperar que a polícia patrulha van. Nosso anfitrião foi dito para sair. Após uma longa espera van finalmente chegou. O policial informou seus dois colegas que estávamos de Moçambique, e que nós estávamos tentando escapar à Tanzânia. Os dois homens fizeram ot mesmo fazer perguntas e ordenou-na entrar na van.


Dois polícias armadas nos acompanharam na parte traseira de van. Eu perguntei-lhes, 'É você mantendo-me no gunpoint fora do medo que eu poderia escapar?' Eles disseram: 'Sim'. Garanti-lhes que era inofensivo, não um criminoso. Eu expliquei que me escapou de Moçambique para estudar inAmerica, e que o Governo Português queria me impede de fazê-lo. Garanti-lhes que era seguro acabar com suas armas.


Eles fizeram como eu pedi. Nós dirigimos ao posto da polícia de Bulawayo, onde a polícia questionou-nos. Eu expliquei que eu era de Moçambique, tentando encontrar meu caminho aos Estados Unidos para continuar meus estudos, e que o Governo português não me permitiria a fazê-lo. Meu amigo também contou sua história. O policial branco que questionaram nos disse em Português, "onde na terra você já ouviu da educação do povo negro?' Eu estava irritado, mas eu não disse nada. Nós estávamos orderedto ir para as células de delegacia.


Três semanas depois, foram deportados para Moçambique. Na chegada, eu era regular e não sabia o paradeiro do amigo com que eu estava. Eu foi mantido em uma célula de exploração por uma semana. Que marcou o início de minha vida de prisão.
Foi lançado para aguardar julgamento. As notícias sobre minha detenção se espalhou como fogo selvagem. Fotos de mim foram emboçadas em todos os postos de fronteira em Moçambique.


Eu não poderia esperar para a data do julgamento, porque eu não estava certo o que aconteceria a mim se eu foi considerado culpado. Eu não tinha outra escolha, mas ao escalar o muro a Suazilândia.
Eu pedi um amigo meu, pelo nome de Carlos Chipe, para ter a minha bagagem para aqui eu estava indo para atravessar a Suazilândia. Eu parecia deixar casa como um homem simples que estava indo para voltar em breve. Eu não queria que a PIDE ser suspeito de mim. Eu saltei da fronteira a Suazilândia através da Namaacha. Foi um momento triste quando eu deixei Carlos ali. Ele quis-me bem e acenou a mão. Quando eu pulei o muro, foi ainda escuro. Eu esperei perto da estrada debaixo de uma árvore. Enquanto espera, lembrei-me que havia um homem chamado Mr. Machava, que era um pastor conhecido. Ele costumava vir a Namaacha Seminário Católico quando ainda era estudante. Ouvi dizer que sua casa estava situada na área Lomahasha.


Eu esperei até que as pessoas começaram a se movendo ao redor. Suazilândia era um lugar muito calmo espalhado com montanhas e estradas empoeiradas cascalho. A primeira pessoa que eu falei com era uma senhora que estava em traje tradicional Swazi. Eu cumprimentado dela e ela foi rápida responder em Shangaan. Senti-me aliviado e pediu para direções para pastor Machava. Ela perguntou se eu estava escapando do Ministro das finanças e confirmei. Ela sentiu pena de mim e me dirigiu ao lugar do pastor Machava.


Não foi até agora, perto de uma escola secundária chamada Lomahasha Central. Eu fui para a escola e bateu em uma das casas. Perguntei onde poderia ser encontrada pastor Machava. Eles começaram a rir-talvez tenha sido a maneira que eu estava falando e me levou para casa do pastor Machava. Pastor Machava não estava disponível, e eles me informaram que ele seria voltar no tempo de uma semana. Explicando minha situação, sua esposa senti pena para mim e me acolheu em sua casa. Eu era dada uma sala e permaneceu lá por quatro dias. Senhora deputada.


Machava estava preocupada, porque eu não podia comer a comida que ela cozidos. Eu tentei, mas eu ia vomitar porque eu não estava acostumado aos mealies de terreno com coalhada. Quando seu marido chegou ela rapidamente me apresentou a ele. Ela lhe disse que eu era de seminário, desde aqueles que usavam vestidos de brancos. Ela disse que seu marido que eu não tinha comido uma coisa desde que cheguei. Ela defendeu com ele para me levar para Mbabane (capital da Suazilândia) onde eu poderia começar algo para comer que wouldagree com meu sistema.


Pastor Machava foi tão amável. A única coisa que ele pediu era dinheiro de gasolina. Eu tinha um pouco de dinheiro no bolso, que foi o suficiente para chegarmos a Mbabane.
Nós dirigimos ao longo das estradas de cascalho empoeirada da Suazilândia, através de montanhas e vales. Pastor Machava apontou as fazendas do povo Inglês vivendo na Suazilândia. Foi uma viagem longa, empoeirada para Bremersdorp (hoje Manzini), a primeira cidade da Lomahasha para Mbabane. Em Bremersdorp, paramos em uma das estações de gasolina para encher o tanque com gasolina. Pastor Machava comprou algo para comer, mas eu não queria nada. Eu estava ansioso para chegar ao nosso destino. Eu estava ansioso para atender J.J Nxuku, que Pastor Machava estava me contando sobre.


Eu imediatamente percebeu o tamanho da cidade. Era muito pequena e não vejo muitos brancos durante pelo menos 30 minutos. Pegamos outra estrada. Nós não tinha muito a fazer neste momento, segundo a pastor Machava e atingiu Mbabane dentro de 50 minutos. Pastor Machava levou para um local conhecido em Mbabane, chamado Msunduza. Ele foi me levando a um homem chamado, J.J Nxuku, o líder do movimento político Mchubaphambili na Suazilândia.


Pastor Machava apresentou-me ao Sr. Nxuku, que me acolheu em sua casa. Pastor Machava parecia saber muito bem, Sr. Nxuku para eles começaram a falar como velhos amigos. Pastor Machavadidn't permanecer muito tempo, depois à esquerda sem mim. Lugar do Sr. Nxuku foi cercado por montanhas e vales.


As casas foram construídas com vara e lama. Era um pequeno lugar tranquilo. Sr. Nxuku era conhecido na Suazilândia como J.J Nxuku. Naquele dia ele apenas havia retornado do departamento de Justiça, onde apresentou uma carta, exigindo a libertação dos Swazis negros que foram acusados, pelo Governo britânico, de algo que eles não fizeram. Sr. Nxuku foi muito simpático e me mostrou sua casa. Ele disse que ele estava feliz atender a um homem de Moçambique, que estava envolvido na luta. Acordo com ele, era o momento certo para lutar contra o inimigo de todos os cantos do continente. Ele me contou sobre seu vínculo com Nkhwame Nkrumah do Gana e o resto dos lutadores liberdade na África.


Ele ofereceu-me uma das salas de atrás de sua casa. J.J Nxuku quis-me para participar da luta contra os ingleses na Suazilândia. Era uma idéia nova, mas minha luta foi contra os portugueses e sua era contra os ingleses. Uma coisa que tinham em comum era para ser capaz de viver livremente na África. Eu disse J.J Nxuku que o meu principal objectivo era obter educado, e tem o mesmo conhecimento tinham os brancos. Para mim, a educação era a melhor arma contra os brancos. Recordei o Conselho que tinha recebido do meu ex-professor, Padré Freitas na escola católica Missãu de Santa Maria de Mocodoene, quando eu estava na categoria 4. J.J Nxuku entendido e admitiu que educationwas bom, mas ele enfatizou que, enquanto alguns estavam educar-se, o resto deve lutar pela liberdade.


Eu tinha um relacionamento estreito com J.J Nxuku. Ele tentou várias vezes para entrar em contato com Nkhwame Nkrumah em Gana, para que ele pudesse ajudar-me para ir no exterior. Ele não teve êxito, razão pela qual ele queria que eu a aderir a luta na Suazilândia. Acompanhei o Sr. Nxuku onde quer que ele fosse. Ele me apresentou a muitos políticos.
Alguns dos políticos foram Príncipe Dumisa e Ambrose Zwane do Congresso oficialmente da libertação nacional (NNLC). Tornei-me com muitos activistas Swazi amigos, mas não esqueça de que meu objetivo era ir para a América para estudar. Eu tinha certeza que o Dr. Eduardo Mondlane ainda estava esperando por mim. No entanto, eu não tinha certeza se a bolsa foi ainda válida ou não. Um dia, um homem chamado Mr. Zondi veio a casa de J.J Nxuku.

Ele foi acompanhado por uma garota chamada Thandani. J.J Nxuku nos apresentou. Sr. Zondi foi um Sul-Africano que estava conectado a ANC Portanto, ele esteve também envolvido em ajudar os combatentes da liberdade ANC a atravessar a fronteira para outros países.

Thandani foi um daqueles que escapou da África do Sul, com a ajuda de Zondi. Zondi não ficou muito, e quando ele deixou Thandani ficado para trás. JJ Nxuku me quis data Thandani, mas eu não estava interessado. Eu suspeito que era talvez maneira de J.J Nxuku de tentar manter-me na Suazilândia, para que eu poderia livrar-se da idéia de indo para o exterior para estudar. Eu tive um bom relacionamento com Thandani, mas não na medida em que poderia casar com ela. Eu não estava interessado em Senhoras nessa fase, porque eu sabia que eu tinha que realizar meu objetivo. Minha vocação foi para libertar o meu país, mesmo se política, por vezes, me entediado.


Foi muito bom estar com J.J Nxuku, mas ele sempre estava em apuros com a polícia britânica. Lembrei-me do dia que seu carro foi queimado. Ele usou para estacionar o seu carro na frente de minha porta. À meia-noite, eu vi uma luz brilhante fora. Eu fui fora e VI carro de J.J Nxuku queima. Apressou-se para bater à sua porta gritando, 'Moto de Yasha'! Eu mal podia pronunciar qualquer palavra em Swazi, mas eu tinha que tentar. No momento ele acordou, o carro e meu quarto foram queimado para cinzeríneos. Felizmente, meus documentos eram de J.J Nxuku casa.


J.J Nxuku disse que o inimigo estava fazendo isso para enfraquecer a ele. Eu decidi levar meus documentos e bastante ocultá-los com amigo de J.J Nxuku, Sr. Dlamini, que viveu na rua. Eu tinha lugar para ficar e dormiu fora. Eu decidi contra ele e buscado meus documentos do Sr. Dlamini manter comigo em uma pasta.


Nessa mesma noite, sua casa também foi queimada no chão. Comecei a personalizar a situação e viram como um ataque contra mim. As notícias do meu desaparecimento de Moçambique tinham chegado a Suazilândia. PIDE estava procurando alta e baixa para mim e eu sabia que não estava seguro na Suazilândia. Quando casa de J.J Nxuku foi queimada no chão, a polícia britânica que investigaram o incidente perguntou quem eu era. J.J Nxuku lhes disse que eu era de Moçambique.


Um polícia perguntou se eu era o único que escapou de Moçambique. J.J Nxuku rapidamente lhe disse que eu era um parente que estava trabalhando em Moçambique. Ele não revela que eram amigos e assim conseguiu livrar-se da polícia.
Alguns meses mais tarde eu decidi deixar Suazilândia para encontrar meu caminho para a América. Eu não senti confortável vivendo na casa de J.J Nxuku porque Suazilândia estava muito próximo de Moçambique.

Eu apreciei realmente a forma como as pessoas Swazi me trataram. Eles me trataram com amor e respeito. A única coisa que me lembro sobre as pessoas Swazi é que eles têm um grande apetite para a carne. Um dia, J.J. Nxuku viajou comigo para a parte extremo oriental da Suazilândia na região de Lubumbo, no sentido da fronteira Lavumisa. Quando chegamos, encontramos seu amigo adormecido, inconsciente da nossa chegada. Ele não tinha dinheiro, então eu tive que comprar uma galinha, que nós estávamos indo para braai. Depois que tinha preparado o frango, J.J Nxuku enviou-me à loja para comprar algumas especiarias. Quando eu voltei, descobri que eles tinham comido o frango inteiro. Eu estava tão irritado. J.J Nxuku disse-me nunca para deixar quando há carne para comer. Nesse dia eles me deram os pés de galinha, que era tudo o que foi deixado sobre. Esse incidente sempre lembra-me dos meus amigos na Suazilândia.



Eu sabia que minha viagem para a América não seria fácil, mas eu tinha que ir. Deixei na África do Sul. Eu pulei o muro e entraram no país em Oshoek. Eu pedi um elevador para Joanesburgo. Foi um longo caminho para Joanesburgo, uma distância que eu nunca tinha viajado antes. Era muito tarde, quando eu cheguei na estação de trem de Joanesburgo. Pedi para o comboio para Mafikeng. A estação era muito ocupada. Foi a primeira vez que eu tinha experimentado um lugar tão ocupado.


Eu embarcou o comboio para Mafikeng tarde naquela noite. O treinador em que estive foi bastante vazio. Eu sentou-se junto a uma senhora e queria falar com ela, mas eu não podia falar sua língua. O comboio chegou em Mafikeng às três da manhã. Eu comecei pedindo direções para Botswana. As pessoas não conseguia entender o que estava pedindo, mas senti pena para mim. Eles me dirigiram a um comboio, que me levaria direto para a borda do Botswana.


Estávamos prestes a atingir a borda quando alguém me avisou sobre a polícia sul-africana que estavam à procura de pessoas sem documentos de identificação. Eu estava muito atenta, e quando o comboio chegou na fronteira um branco policiais entrou.


VI-los e decidiu sair através da janela. O comboio tinha parado. As pessoas me não a bordo do comboio novamente porque a polícia iria prender-me avisado. Disseram-me a caminhar ao longo da linha de caminho de ferro para ninguém iria procurar para mim lá.


Eu levei uma longa caminhada – o povo tinha mentido para mim sobre ele ser uma curta distância. Eu andei até que eu vim de uma estrada que conduzem a Gaborone. Eu já estava no Botswana.


Eu engatado um elevador de um caminhão de passagem em sua maneira de Gaborone. Eu pago Rand alguns cominicar com Gaborone, porque eu tinha não Pula nessa fase. De Gaborone eu viajei para Francistown onde eu cruzaram a fronteira na Rodésia do Sul, agora conhecido como Zimbabwe.


Eu saltei a fronteira a Norte Rodésia, agora Zâmbia, da Rodésia do Sul. Desta vez que a polícia na Rodésia do Sul não conseguiu Segure-me. Enquanto eu estava na Zâmbia, fui direto para o escritório do partido político UNIP, onde conheci o Sr. Gray Zulu. Ele foi o porta-voz do partido e aquele que me ajudou a obter os documentos corretos para atravessar a fronteira para a Tanzânia.


O dia que cruzaram a fronteira para a Tanzânia foi acompanhado por um homem branco e uma senhora Sul-Africana. O homem branco foi um refugiado da África do Sul. A senhora estava seguindo seus colegas ANC para o exílio. Portanto, nós fomos direto para a fronteira entre a Tanzânia e Zâmbia. Fui o primeiro a apresentar os documentos que o grupo UNIP tinha organizado para mim. A senhora não tinha nenhum documento e quando eles perguntaram se eu estava com ela, eu concordei e deram a sua permissão para atravessar. O homem branco ficou para trás e foi preso, para sua imagem tinha sido publicada no Jornal.



Viajei com a senhora à Tanzânia, mas à chegada ela decidiu fazer o seu próprio caminho. Eu aprendi sobre os movimentos políticos da época na Tanzânia. Estes grupos me dirigiu para onde se situava o grupo de moçambicanos na Tanzânia. Novamente eu reuniu-se com o Dr. Eduardo Mondlane que estava organizando jovens para lutar uma guerra de guerrilha em Moçambique. Ele tomou esta decisão após os portugueses não conseguiu reagir a seu pedido que abandonar a escravidão e do apartheid e introduzir um sistema com vários participantes. Ele estava surpreso que eu era ainda retido na África. Ele me disse que pode haver ainda uma chance para mim, para continuar os meus estudos no exterior. Ele aconselhou-me para ir para a embaixada americana na Tanzânia, para obter informações sobre a validade da minha bolsa de estudos.


Eu estava muito perto de Dr. Mondlane e muitos questionou por quê. Eu me lembro, que por cerca de quatro dias em sucessão, passamos a noite toda a falar de política.
Estamos acostumados a falar sobre a luta contra as colonialistas e sobre o que iria acontecer depois da guerra, uma vez que Moçambique tornou-se independente. Nós falamos sobre a importância da educação e ele prometeu-me que eu seria o primeiro primeiro-ministro preto depois que ele foi eleito Presidente depois que tinha conquistado o Português. Para ele, não havia nenhum vai voltar.


Dr. Mondlane era um homem brilhante. Ele afirmou muito claramente que a FRELIMO não era um partido político, mas uma Aliança. Partidos políticos seriam formados após a independência e iria participar nas eleições. Sua idéia era que FRELIMO seria exibido em um Museu como um símbolo do respeito e da vitória contra os portugueses. Ele estava muito certo de que iria conquistar FRELIMO. Eu gostava dele e respeitei dele para o conhecimento que ele tinha e o respeito que ele tinha para outras pessoas. Ele foi preparado para sacrificar tudo para as pessoas de Moçambique e na verdade, ele fez isso. O que nós falamos sobre como foram as promessas que ele fez para as pessoas durante o Congresso da FRELIMO.


Na Tanzânia, testemunhei o primeiro Congresso do front libertação de Moçambique (FRELIMO), que marcou a sua formação. Muitos homens e mulheres jovens reunidos para o Congresso. Foi um grande Congresso. Dr. Mondlane tinha reunido três movimentos subterrâneos que estavam lutando contra os portugueses, ou seja, UNAMO, UDENAMO e NAMU. FRELIMO começou quando os três movimentos mesclados.
O discurso que Dr. Mondlane feita nesse Congresso foi muito sensível e encorajador. Um sentiu que havia uma necessidade de lutar contra as colonialistas. Ele afirmou muito claramente que a FRELIMO estava disposto a partilhar o poder com os portugueses, mesmo se eles foram derrotados.


Dr. Mondlane foi eleito o primeiro Presidente da FRELIMO e Oris Smango era seu adjunto. Isso não aconteceu por meio de cédula de votação nas primeiras eleições e Oris apresentou uma denúncia. Eles então realizaram eleições para uma segunda vez e Dr.
Mondlane abertamente derrotou Oris. O Congresso foi marcado com o canto das canções revolucionárias e recitação de "Viva FRELIMO"!


Após o Congresso, fui para a embaixada americana na Tanzânia para saber sobre minha bolsa e descobriu que ele era ainda válido. Dr. Mondlane ainda estava procurando jovens que iriam no exterior para estudar. Eu me lembro muito bem que Joaquim Chissano e Pascoal Mocoumbi foram alguns dos que foram selecionados para bolsas de estudo. Tudo foi arranjado para eles para ir para a Europa e para mim, para ir para a América.



À chegada dos EUA em 1963, o Departamento americano de relações exteriores chamou-me em um dia específico. Na chegada, fui apresentado a Sra. Janet Mondlane, a esposa do Dr. Eduardo Mondlane. Ela era uma mulher branca e não fiquei surpreso por Dr. Mondlane tinha me dito sobre ela. Disseram-me que Janet queria alguém para acompanhá-la à Tanzânia. Eles estavam com medo de que, se ela foi para a Tanzânia e pediu para Dr. Mondlane, ela seria morta. Eles wantedme para acompanhá-la e prometeu-me que eu poderia voltar para os Estados. Recusei-me a Solicitar. Ele me levou muito tempo para chegar aos Estados e eu não podia permitir que essa oportunidade ser desperdiçado. Eu disse que as autoridades que eu não estava preparado para retornar para a África, antes eu tinha terminado meus estudos. Sra. Janet Mondlane estava muito irritado, e desde aquela época nós nunca conheci cara a cara novamente.


Nesse mesmo ano, eu comecei meus estudos em uma escola de inglês em Nova York. Eu fiz um curso de laboratório intensivo de seis meses. Foi um curso muito interessante e original. Eu não tinha nenhuma escolha mas para aprender o idioma inglês para continuar meus estudos.


Durante esse tempo, eu tive que encontrar uma namorada que poderia ensinar-me a falar inglês. Seu nome era Evelyn Colman e ela costumava ficar na Filadélfia, onde visitei ela todo fim de semana. Ela me apresentou a muitas pessoas diferentes. Às vezes eles ia rir a forma como eu falei, mas não era um grande negócio para mim-eu só queria aprender a falar. No final do semestre, eu poderia se comunicar bem com outros companheiros e eu poderia ler um jornal e compreender tudo.


Depois de seis meses, com êxito terminei meu curso de laboratório inglês. Em seguida, comecei minha BA: ciências políticas, Universidade de Manhattan, em Nova York. Enquanto eu estava nos Estados Unidos, coincidiu com a FRELIMO na Tanzânia. Fui nomeado um representante da FRELIMO nos Estados Unidos. Nessa altura comecei a projetos de desenvolvimento comunitário em execução nos Estados Unidos.


Em 1965, eu fui para a Universidade de presunto de Ford para estudar para minha MA: ciências políticas. Nesse mesmo ano minha namorada deixou-me, porque ela disse que eu não tinha dinheiro para cuidar dela. Enquanto na Universidade de Ham Ford, recebi a notícia surpreendente que Chissano e Mocoumbi tinham de regressar a Tanzânia, porque eles não conseguiram seus cursos. Dr. Mondlane incentivou a fazer parte da luta. Eu aprendi que Chissano foi nomeado para cuidar do departamento de segurança e Mocoumbi para cuidar da juventude. Eu usei para corresponder com Mocoumbi, enquanto eu estava na América. Por esse tempo, a guerra contra o Governo Português estava em andamento há um ano e o espírito era alto no acampamento.


Eu tinha muito fazer na América, tanto para a FRELIMO e o Governo americano. Para a FRELIMO, correspondia com muitas organizações solicitando assistência. Uma dessas organizações foi NATO (North Atlantic Tratado Organization), que mais tarde sobre, Dr. Mondlane correspondia com. Para o norte-americano governement, estou envolvido-me durante a época de eleição, incentivando o povo da América para registrar e votar. Eu estava tão feliz por estar envolvido numa sociedade democrática e espera-se que eu teria a oportunidade de votar no meu próprio país. Isso não é tudo que eu fiz, eu costumava executar programa dos crianças de rua que foi patrocinado pelo Governo norte-americano. Eu era um tutor para o programa e foi muito interessante trabalhar com crianças. Apesar de todas estas actividades, meu coração longed para estar de volta com meu povo em Moçambique que precisava para ser liberado.
Eu estava bem conectado a uma família americana, o apelido de Melady. Essa família costumava gastar tempo comigo, me aconselhar e foram de grande ajuda para mim. Eu sempre preocupado-los entre aqueles que tiveram uma influência positiva na minha vida.


Eu caí no amor com uma mulher bonita chamada Ruth White. Ruth foi minha segunda relação, Evelyn depois de ter sido meu primeiro. Como eu preenchia Ruth? Foi uma tarde de quinta-feira e eu era casa da Universidade. Desde que eu era um pouco cansado, apenas comeu sobras e apressou-se para o Rio para o ar fresco. I fixam perto do Rio vestido de minhas calças, semi nuas. Depois de um tempo, eu vi uma senhora muito bonita. Era como se eu nunca vi tamanha beleza na minha vida. Ela parecia como se ela fosse de outro planeta. Ela era avarage tamanho e bem construído. Ela foi Batrachoseps com uma tez clara. Ela era uma senhora colorida. Ela veio para onde eu estava deitado e cumprimentou-me.
Ela apresentou-se e perguntou se eu sabia de um apartamento para alugar. Ela estava procurando uma casa e um emprego em Nova York, para ela apenas tinha concluído seus estudos universitários. Eu disse a ela que eu estava familiarizado com Nova Iorque e prometeu a olhar para um apartamento alugar. Nós trocamos números de contato e nós conversamos.

Ela parecia ser surpreendido por meu sotaque e perguntou onde eu estava de. Eu disse a ela que eu estava de África. 'Onde sobre?' ela quis saber. Eu disse a ela que Moçambique foi na parte sul da África. Foi a primeira vez que ela conheceu alguém da parte do continente.


Nós conversamos por algum tempo e antes que ela saiu, complementada dela em sua beleza. Ela sorriu e disse nada. Eu não conseguia parar de pensar sobre ela e fiquei surpreso e muito feliz em receber uma chamada dela. Ficamos em contato até que eu perguntei a ela em uma data e tudo foi concluído no decurso dessa data.


Me casei com Ruth em 1967. Mudamos para Genebra, na Suíça, onde eu queria concluir meu curso de relações internacionais. Enquanto eu estava na Suíça Dr. Mondlane me disse que havia conflitos nas fileiras da FRELIMO.
Capitalistas foram divididas contra comunistas. Dr. Mondlane disse-me para comunicar directamente com ele para ele confiava ninguém.


Em 1968, meu primeiro filho nasceu e chamei-lhe Ervin. Nesse mesmo ano minha esposa decidiu ir para casa aos Estados Unidos para uma visita. Quando ela chegou a América, ela me ligou e disse que ela já não estava interessado em se casar comigo, pois ela temia que eu iria levá-la para a África após minha formatura. Nesse mesmo ano que ela me enviou divórcio papéis para assinar. Assinei os documentos e nosso casamento terminou. No entanto, por razões de Ervin, ficamos sempre em contato.
Em 1969, cinco anos desde que a guerra tinha começado em Moçambique, eu era correspondente diretamente com o Dr. Mondlane, devido à confusão nas fileiras FRELIMO.


Em 3 de fevereiro de 1969, quando voltei da escola, muito cansada, eu joguei meus livros na minha cama e fui visitar meu amigo Freitas, que tinha na sala em frente de minas. A primeira coisa que ele disse foi, ' bad news. Seu Presidente Mondlane está morto. ' Eu não acredito dele, mas mais tarde ele foi confirmado no noticiário da BBC. Ele veio como um choque de ouvir que o líder do movimento de guerrilha em Moçambique passou afastado. Eu estava muito triste e não poderia concentrar meus estudos durante dias. Eu nunca perdeu a esperança na luta embora. Eu sabia que nós estávamos indo para ter sucesso. Eu sabia que a FRELIMO tinha gente forte na política como Oris Simango e Cavandame. Eu não sabia Machel, e eu nunca pensei de Chissano ou Mocoumbi assumir como eram muito jovens.
Eu tentei entrar em contato com muitas pessoas para saber mais sobre o que eu só tinha ouvido, mas infelizmente foi uma realidade, Dr. Mondlane estava morto. Depois de alguns dias, ouvi dizer que o movimento da FRELIMO foi empurrando para a frente com sucesso. Algumas semanas mais tarde, eu aprendi que o novo líder da FRELIMO era conhecido como Samora Moisés Machel, e que muitos daqueles que tinham sido perto de Dr. Mondlane eram vistos com desconfiança. Surpreendentemente, um dos suspeitos foi Oris Simango, o ex-vice-presidente da FRELIMO.


No final de 1969, eu estava feliz por encontrar Samora Machel em Genebra pela primeira vez. Ele agora era o Presidente da FRELIMO e foi eleito pelo Comitê Executivo. Quando Samora chegou em Genebra, eu era a pessoa que recebeu.


Machel foi legal, mas ele falou com autoridade. Ele me disse que tinha ouvido sobre mim. Ele tinha chegado a dizer-me que moçambicanos, não Português, logo governaria Moçambique. Ele disse que, não devemos esquecer de ir para casa depois que eu terminei meus estudos.
No mesmo ano, recebi Armando Guebuza, também um homem forte nas fileiras da FRELIMO. Ele veio com a mesma mensagem de encorajamento. Ele me disse que Moçambique seria precisa de mim depois da guerra. No início de 1970, Machel chegou a Genebra para uma conferência. Eu tive a oportunidade de conhecê-lo novamente e garanti-lo pela sua proposta que eu retornaria a Moçambique depois de meus estudos, para o que era meu objetivo.


No final de 1970, a organização de Unidade Africana (OUA) me convidou para participar de sua conferência em Accra (Gana). Enquanto eu estava em Gana, eu esfregou ombros com pessoas como Joaquim Chissano, Milcar Cabral e muitos outros. Em Gana, eu encontrei meu inimigo para ser, Sérgio Vieira, pela primeira vez. Sérgio era um homem colorido nascido em Moçambique. Ele foi um dos cães superior na FRELIMO. As únicas áreas em que ele não conseguiu bater-me, foi que Sergio não poderia falar inglês e ele nunca teve uma chance de frequentar a escola no exterior. Assim os negros africanos, que foram em Gana, poderiam não dizem respeito a ele apesar do fato de que ele era um dos oficiais superiores, porque ele não poderia se comunicar em inglês. Pior de tudo, ele era um colorido.


Ele queria saber quem eu era, e se eu fosse um espião, porque estava a estudar em um país de pessoas brancas, as pessoas ele estava lutando contra. Eu estava muito perto de muitas das pessoas FRELIMO e eles estavam satisfeitos com minha presença. Ajudei em um número de maneiras, traduzindo para o nosso povo que não podia falar inglês e contribuindo para a reunião. Sergio não gostou que e pensado em mim como uma ameaça à sua posição.


Em 1972, eu terminei meus estudos. No dia da minha formatura, fiquei muito feliz de ser tratada como médico. Uma senhora que eu nunca tinha visto antes veio a felicitar-me. Ela estava feliz que eu era da África e que tinha conseguido até agora. Ela disse que muitas pessoas na Suíça não conseguiram atingir o nível que eu realizei, apesar do fato de que eles tinham todas as oportunidades em torno deles. Ela me avisou que nem toda a gente ia gostar de minhas idéias no meu país, mas ela disse que eu sempre deve transportar as preocupações do meu povo no coração. Ela enfatizou que as pessoas na África eram disadvantanged e necessárias pessoas como eu. Ela me abraçou e deixou sem dizer que ela era.


Logo após a minha formatura, eu embalados minhas coisas e começ pronto para ir para a Tanzânia. Eu fui através dos EUA para despedir-minha família. Enquanto eu estava nos Estados, eu conheci Urius Simango, uma das ex-grandes armas da FRELIMO. Simango tinha assistido um serviço em uma Igreja Metodista na América. Após o serviço de Igreja, me aproximei dele. Ele me contou como FRELIMO tinha traiu e jurou a limpar seu nome.


Foi a última vez que o vi. Os quartéis da FRELIMO, principalmente eu fiz trabalho de escritório. Eu se confrontaram com Sérgio Vieira que nunca gostei de minha presença. Desde que ele foi encarregado de comida, ele teria alguns dias recusar a comida do prato-me. Ficou pior quando Samora Machel deu-me o uniforme militar que usou quando ele se juntou ao exército. Vieira queria me juntar-se ao exército em batalha; diou-me a fazer um trabalho de papel. Felizmente para Vieira, entrei para a guerra de bush. Por esse tempo, FRELIMO estava se tornando muito forte. Mesmo a notícia da BBC queria saber o que iria acontecer depois da guerra em Moçambique, pois eles viram que a FRELIMO foi ganhando. Entrei para nosso exército no mato, localizado em Delagado Gabo.


Durante esse tempo foi enviado pelos líderes FRELIMO para falar com os soldados portugueses que mostravam sinais de derrota, para ouvir as suas opiniões sobre a guerra.

Eu fui enviado para um lugar chamado Mueada em Cabo Delgado. Em primeiro lugar, conheci o administrador em Mueda e foi saudada por ele e até mesmo os soldados que cercada de tabela que estavam sentados. Eles me disseram que eles tinham sido ansioso para conhecer-me, porque eles lembrado o tempo eu estava tentando fugir para os Estados Unidos. Eles tinham seguido o que eu costumava dizer durante esse tempo. Eles acreditavam que eu era o homem certo para pressão FRELIMO para retornar à tabela e encontrar uma solução para acabar com a guerra. Deep down eu sabia que eles estavam ficando sem tempo. Eu prometi a eles que eu iria retornar. Infelizmente, a FRELIMO foi ganhando força e havia tempo para manter minha promessa.


Em 1974, a FRELIMO conquistou os portugueses. Sim, ainda havia confusão nas fileiras da FRELIMO, uma mistura de capitalismo e o comunismo. A maioria estava falando em termos de comunismo.


Apesar de tudo isso, havia felicidade em nosso acampamento quando ouvimos dizer que o Governo português em Portugal tinha decidido desistir, porque as pessoas em Portugal estavam reclamando que seus filhos estavam morrendo. Quando os portugueses rendeu-se ele foi um momento de celebração. A única pessoa que queria estragar minha alegria foi Vieira. Ele sempre foi jurando que meu tempo estava saindo. Eu não me incomodei sobre ele para eu era a mais do que ele era e impulsionou com uma educação.


A maioria dos nossos povos fui direto para Lorenzo Marques, mas eu permaneci em Cabo Delgado. O recém-nomeado, black primeiro governador de Cabo Delgado, designou-me para ser o coordenador de projeto em seu escritório. Eu comecei a ensinar as pessoas sobre FRELIMO e seus objectivos e como ele estava indo à regra de Moçambique. O governador estava muito feliz. As pessoas estavam felizes em receber-me para eles entenderam o que eu tinha a dizer.


O fardo tornou-se muito pesado, e eu decidi começar a Conferência de grupo, um sistema conhecido como Groupo Deminizador. Para este dia, as pessoas não sabem que eu era o fundador do Groupo Deminizador para que mais tarde foi usurpada e Armando Guebuza alegou que foi ele que começou. Com este sistema eu queria que as pessoas a fazer nomeações comigo se necessárias informações relativas a FRELIMO, porque eu não poderia ir para muitos lugares diferentes ao mesmo tempo. Eu tive que dividir meu tempo.


Dois meses depois que eu comecei a Conferência de grupo foi convocado para Lorenzo Marques. O trabalho estava indo bem até então. As pessoas queixaram-se me deixando, e o governador não estava feliz. Tornei-me envolvido no governo transitório em Lorenzo Marques.
Enquanto em Maputo, eu encontrei meus sobrinhos, João e Alexandra, que tinha me ajudaram durante minha luta. Eles eram muito felizes em ver que eu tinha conseguido. Às vezes ele se sentar durante todo o dia falando sobre o passado e o riso.



Logo após a independência, Joaquim Chissano foi nomeado como o primeiro negro Ministro das relações exteriores pelo então Presidente de Moçambique, Samora Moisés Machel. Ele foi nomeado juntamente com outros Ministros em diferentes portfolios.In de 1975, durante o Governo de transição, que Chissano se aproximou de mim para trabalhar em seu ministério. Quais fiz não know.In final de 1975, eu representei meu país nas Nações Unidas na América. Eu reuniu-se com muitos combatentes da liberdade de diferentes países africanos que conheci anteriormente em Accra Ghana, juntamente com importantes representantes de diferentes países.

A conferência foi um sucesso, para que apresentamos o que queríamos fazer em Moçambique como um recém-formado government.Many Democratas congratulou-se com nossas idéias. Eu também encontrei minha ex-namorada, Evelyn, que fui olhando para mim o hotel que eu fiquei. Foi maravilhoso para vê-la novamente. Ela lamentou desertá-me em favor daqueles com dinheiro enquanto era estudante. Tivemos um bom tempo juntos. Ela queria voltar comigo para Moçambique, mas ela não teve a documentação adequada, por conseguinte, ela permaneceu.

No ano seguinte, eu fui a Suazilândia para representar o meu país em uma cerimônia de dança de reed. Gostei das actividades. Eu era tratada com grande respeito e foi dado um intérprete. Ela traduzidos e explicou tudo para mim em inglês. Durante a cerimônia, a dona de casa me disse que eu deveria escolher uma senhora eu liked.I pensei que ela estava brincando. Eu disse a ela que não era adequado para mim escolher uma menina diante do rei, que seria desrespeitoso.

Isso resultaria em uma guerra entre os dois de nós. Eu mesmo advertiu a senhora, jokingly, que Moçambique apenas havia derrotado os portugueses e que o rei estava indo a sofrer porque eu tinha muita experiência em fighting.In Suazilândia, também conheci meu querido amigo, J.J. Nxuku, o homem que tinha acomodados-me quando eu estava correndo fora do Ministro das finanças. Ele estava feliz em me ver e vangloriou-se que ele era um responsável pelas minhas realizações.

Também fiquei feliz em vê-lo após um período tão longo, quando ambos os nossos países estavam isentos de colonialismo. Ele nunca esqueceu de lembrar-me de 'yasha moto', o tempo quando seu carro foi queimado por seus inimigos chamados. (Dr Massinga em 1975, durante o Governo de transição, trabalhando como diretor no Ministério dos negócios estrangeiros). Em 1976, Evelyn chamado para me dizer que ela tinha dado à luz um filho e que a criança era meu. Ela queria que eu para o nome da criança, e chamei-lhe Sebastian.I a convidou para vir a Moçambique, mas ela se recusou. Em 1976, uma guerra eclodiu em Moçambique.

Desta vez foi a resistência nacional de Moçambique (RENAMO) contra o Governo da FRELIMO. O movimento de resistência foi liderado por um dos ex-soldados de Moçambique, Andrea Machangayisa. Eu não conseguia entender sua motivação para o início da guerra, para nós wereall feliz que Moçambique estava livre. Samora tinha certeza que ele derrotaria RENAMO dentro de alguns meses. Pessoalmente eu nunca soube que Andrea, mas ouvi dizer que ele era um dos soldados que lutaram contra os portugueses.

Quando FRELIMO derrotou os portugueses, quando armas foram transportadas a partir do mato para Lorenzo Marques, ele iria esconder alguns no mato e isso é como ele conseguiu iniciar sua guerra. Em seguida, os Boers na África do Sul-lhe suporte para eles wereenemies dos negros, juntamente com a Banda Kamazu, que era o grande inimigo de Machel.Chissano era um bom e um homem educado. Nós éramos bons amigos e ainda hoje podemos manter contato, mas o problema é que ele é agora um homem ao longo de muitas pessoas devido à sua posição.

Eu trabalhava no Ministério dos negócios estrangeiros como um diretor para o departamento de pesquisa, planejamento e formação profissional. Durante o meu tempo no Ministério, eu descobri que nosso povo não tinha habilidades administrativas. Letras seriam enviadas diretas para diferentes ministérios, mas eles não iria chegar ao seu destino. Pessoas iria enviar suas queixas para nossos ministérios que as informações passadas para eles seria incorretas, ou não repassados em tudo.

Durante meu terceiro ano no Ministério, eu vi que era muito importante resolver a questão que fomos confrontados com no nosso governo. Precisamos estar em contacto com o mundo e com nosso povo. Eu tive que trabalhar para fora uma estratégia para melhorar a administração nos nossos departamentos diferentes. Eu pensei de introduzir um Instituto de formação para os secretários de departamentos diferentes. Eu arranjei primeiro o local, que foi localizado em um dos quartos do nosso famoso edifício chamado 33ºAndar (33ª andar) no centro da cidade recém-nomeado Maputo.

A FRELIMO governmenthad começou Renamer as cidades, cidades, ruas, avenidas, rios e muitos outros lugares após combatentes da liberdade, tribos bem conhecidos, etc. Eu arranjei para o governo brasileiro para me ajudar a introduzir tal um Instituto para os secretários. Eu também fundou o Instituto de relações internacionais. Muitas pessoas não sabem que eu sou o fundador do que department.My próxima jogada foi convidar todos os ministérios para enviar seus secretários para esta escola.

O problema era, que estava indo para pagar as taxas dos participantes? Me aproximei meu ministério, e foi-me dito para aproximar-se do Ministério de Education.The Ministério da educação disse-me para aproximar-se do Ministério do trabalho. Este processo levou-me mais três anos. Durante meus anos no Ministério, eu trabalhei com muitos combatentes da liberdade da África do Sul, ao lado do ANC Eu era quem organizados para eles ir para outros países.

Eu também organizados para eles ficar em Moçambique, onde alguns receberam jobs.We sabia o que eles queriam. Nós tinha lutado para a mesma coisa que eles estavam lutando para. Seus líderes e muitos outros combatentes da liberdade eram bem conhecidas em Moçambique e em todo o mundo. Eles foram Nelson Mandela, Govan Mbeki, Walter Sisulu e muitos outros. Eles foram presos desde 1964.We moçambicanos ficou pelos sul-africanos como combatentes da liberdade.


Prisão sob FRELIMO - Capítulo 12
Um dia, em 1981, o Ministro da segurança e chamou-me. Foi estranho porque eu nunca tinha comunicado com ele antes. Fiquei surpreso ao ver dois guardas de segurança storming em meu escritório, "Senhor, o Ministro da segurança e quer vê-lo", disseram. Eu pedi uma razão, mas eles não poderiam responder. Em vez disso, enfatizaram a mensagem do Ministro. Eles me tirou sua van e dirigiram-me a uma das prisões em Maputo. Na chegada, foi pesquisado e disse que eu estava sob prisão. "Porquê?" Eu perguntei.


Um polícia respondeu, "O governo não está feliz com você. Você está trabalhando com estranhos e pode vender-nos voltar para as pessoas brancas. O programa que deseja iniciar é a idéia de pessoas brancas do Brasil, e você sabe que lutou para conquistar a independência neste país.
Foi lamentável, que, durante esses dias, cidade de Matola foi bombardeada pelo governo apartheid, em seguida, Sul-Africano que estava procurando ANC exilados. Me foi dito ser um daqueles que foi de rede com o governo, em seguida, África do Sul.


Não foi a única razão; eu foi acusado de ser um agente para a CIA. Meu contato com funcionários em embaixadas ocidentais, pedindo para financiamento, trouxe-me sob suspeita com agentes de segurança da FRELIMO. Minha criação do Instituto de relações internacionais foi visto como uma sede em Maputo para superar o Governo da FRELIMO.


Eu acreditava que eu foi perseguido porque eu me recusei a imitar slogans inflamatória do governo, "Down com o capitalismo, para baixo com o capitalismo, socialismo viva." Ou talvez fosse que eu era a pessoa mais educada entre eles. Eu foi identificado como uma imperialista, um traidor e um agente da CIA. Meu nome e a fotografia foi constantemente nos jornais, no rádio e na TV. Eu era conhecido como uma imperialista em livros escritos em países comunistas. Durante da Frelimo, centenas de civis e soldados foram presos por falsas acusações de envolvimento com a CIA.


Eu odiava Samora e eu odiava aqueles que estavam ao seu redor. As pessoas gostam de Sérgio Vieira, Armando Guebuza, Marcelino dos Santos e muitos outros. Por esta altura, Samora estava mostrando sinais de se tornar um ditador.


Eu odiava tudo o que estava fazendo - os discursos que ele estava fazendo e as manifestações de dia inteiro que ele estava organizando enquanto as massas foram sofrem de fome.


Eu odiava o sjamboking de pessoas em público e o público confessando a coisas que não tinham feito. Eu odiava a remoção de pessoas do seu lugar de nascimento, para lugares distantes, nos termos da lei de operação produção instaurada pelo Armando Guebuza. Essa lei nossas famílias deslocadas na medida em que nós ainda não sabemos onde estão hoje.


Eu odiava o rapto vigoroso das pessoas para os campos de guerra, especialmente os jovens. Eu não conseguiu acompanhar o que estava fazendo, eu não era um comunista. Eu não era como um camaleão. Lembrei-me que eu tinha uma vez aconselhou os portugueses para que possamos estudar para que nós pode impedir a régua comunista em nosso país, mas não tomar meu Conselho e comunismo estava na ordem do dia em Moçambique. Eu estava muito irritado.


Eu odiava seu estilo de uma parte da liderança e ficou pior quando ele jurou, "Iwill nunca abandonar a Presidência e ninguém irá remover-me". Enquanto as pessoas estavam morrendo de fome, ele iria exportar alimentos à Rússia em troca de armas. Ele também aprovou uma lei que disse: "Um quilograma por pessoa por um mês". Isso significava que um indivíduo deve sobreviver com um quilo de farinha de pintalgá ou de arroz por um mês inteiro. Às vezes, um seria fila durante um dia inteiro sem receber nada.


Eu odiava o sistema de trabalho forçado e as promessas vazias para o povo. Moçambique era conhecido como o PEOPLE's REPUBLIC OF MOZAMBIQUE.


Samora Machel e seus homens não eram os únicos que eu odiava, porque havia RENAMO do outro lado. As pessoas estavam morrendo no extremo norte de Moçambique. As pessoas estavam vivendo uma vida miserável e escravizada. As pessoas foram obrigadas a realizar seus próprios pertences longas distâncias para os quartéis da RENAMO. As pessoas foram forçadas a atividades sexuais e seus seios, braços, pés e lábios foram amputados.


Mulheres grávidas tinham seus estômagos cortados abertos e seus bebês eram carimbados à morte. A situação estava ficando tensa. Eu me perguntei por que as pessoas de Moçambique foram fazendo isso depois que havia derrotado com êxito os portugueses?


Por que nós não estavam Unidos? Ninguém podia responder-me. FRELIMO acusados RENAMO e RENAMO acusados FRELIMO.


Eu era uma das muitas pessoas enviadas para a prisão. Nós foram acreditava ser espiões. Um dos homens que eu me lembro foi Alberto Santos. Nós estivemos juntos na mesma célula. Ele não era o único. Eu também estava com meu ex-instrutor de Nachingweya.


Foi quando estávamos ainda na prisão, Jamangwane em Machava, Maputo. Meu projeto de formação parou o dia que foi preso. É por isso que, ainda hoje, nosso povo falta as habilidades necessárias.
Lembro-me muito bem, pouco antes de eu foi detido, o Ministro eu estava servindo em, Joaquim Chissano, ficou sob fogo do governo FRELIMO. Eu sei que esta é uma história que ele não pode dizer agora, mas isso é o que aconteceu. Uma vez ele foi preso depois que ele foi acusado de cooperar com os imperialistas. Sérgio Vieira (ele era o Ministro da segurança e até então) espalhar mentiras sobre Chissano enquanto ele estava no exterior. Vieira disse Samora Machel que Chissanowas cooperar com os imperialistas.


Quando Chissano voltou de sua viagem ao exterior, foi preso. Em seguida, ele foi convocado pelo então Presidente, juntamente com Vieira. O Presidente disse Vieira repetir exatamente o que ele contou-lhe sobre Chissano, mas ele não poderia fazê-lo, e isso é como Chissano sobreviveu. Que Viera disse sobre Chissano eram puras mentiras. Eu sei que ele queria ser o Ministro das relações exteriores, mas ele não podia, porque Samora Machel confiável Chissano, que tinha trabalhado com ele desde o momento da luta como um homem digno de confiança.


Por esse tempo, RENAMO era poderoso, mesmo depois da morte de seu líder, Andrea, no início de 1980. Os combates continuaram e, após a morte de Andrea, o assédio de pessoas se agravou. RENAMO agora estava matando pessoas inocentes, ainda mais em Afonso Dhlakama. Lábios das pessoas foram cortados para que eles pudessem ir e rir de Machel. Ventres das mulheres grávidas foram cortados abertos e as crianças foram carimbadas em pintalgá moedura contêineres. Embora eu estava na prisão, eu poderia notsupport RENAMO.


Por esse tempo, não havia muitas Português em Moçambique. Aqueles que se opunham Samora Machel receberam 24 horas para deixar Moçambique, por Armando Guebuza, e alguns foram mortos. Por outro lado, FRELIMO iria matar pessoas inocentes e alegam que foi o trabalho da RENAMO.
Os alunos foram forçados a deixar a escola popular por lei por Graça Machel, que foi Ministro da educação.



Eu não acho que Chissano gostou da idéia de nós que está sendo enviado para a prisão, mas ele não podia fazer nada sobre isso. Jamangwane foi onde eu estava preso por quase três meses. É um lugar que eu desejo que eu poderia esquecer. Nos três meses que eu era suposto para passar na prisão que se transformou em três anos do inferno. Claro, eu não sei o que sente como para ser no inferno, mas era como se eu estava em um inferno na terra.


I foi torturado, sjamboked e eletrocutado pelo homem que uma vez espiava Chissano, Sérgio Vieira. Eu não conseguia andar porque minhas nádegas eram tão doloridas. Dispor de um esconderijo foi uma atividade cada dia. Minhas roupas foram rasgadas e eu sangrados profusely.
Um dia, Vieira e seus amigos veio para a prisão onde nós estávamos. Ele se aproximou de mim, puxou meus ouvidos e fez sarro de mim.

Ele iria rir e dizer: 'Você quer vender-aos portugueses, nunca Massinga'. Eu acho que este homem estava tentando proteger-se porque ele foi colorido. Ele temia, que um dia, ele poderia ser condenado a deixar o país e, portanto, ele estava tentando ganhar a confiança de Samora Machel. Ele mesmo lembrou-me sobre o que tinha acontecido em uma conferência em Gana, onde ele disse que eu tentei levar sua posição. Ele disse que era seu tempo para a vingança. Claro, era seu tempo.


Meus joelhos já não estavam funcionando bem e eu perdi minha memória. Eu fui forçado a caminhar descalço sobre um piso frio, e isso é o que danificado meus pés. Até hoje, eu não posso andar corretamente. Meus pés sentiram que tinha sido colocadas na neve por alguns dias, e eles nunca se recuperou. Me foi dada alimentos salgados. Imagine uma xícara de arroz, misturado com dois copos de sal. Eu não poderia comer a comida, mas na presença de protetores, fui forçado a. Houve, no entanto, um guarda de segurança que foi muito gentil comigo.
Ele iria roubar comida boa para mim comer. Infelizmente, que guarda trabalhou muda, assim eu não receber comida decente todos os dias.

Às vezes, quando foi dado alimento e abandonada, ia formam uma bola redonda e jogá-lo através de um buraco, que abriu logo abaixo do telhado. Quando os guardas voltaram, eles seriam felizes e disse: ' você vê como a FRELIMO está alimentando você? Boa comida livre, que nunca recebeu durante os dias dos portugueses. ' Por causa da comida ficou doente por dias e foi abandonada. Eu mesmo não poderia passar para o banheiro, que estava na célula. Eu estava em minha barriga por 24 horas todos os dias. Eu desejei que poderia voltar aos dias dos portugueses, como FRELIMO foi pior do que eles. Pensei a senhora que, na minha graduação na Suíça, tinha me avisado que não cada um estava indo para acolher minhas idéias. Eu percebi que ela estava dizendo a verdade.


Vieira and his people would visit frequently to pull our ears, and shock my neck as a form of torture. One day he came to tell us that we were being transferred to Cabo Delgado Prison. I was with 16 other men. We stayed in Cabo Delgado for a month and from there we were taken to Nampula.

We stayed in Nampula for a week and were then taken back to Cabo Delgado. After we left Jamangwane, life was better. We were not tortured as much and the food we were given was better.


I didn’t have to face Vieira any more. I spent my last years of imprisonment in Cabo Delgado. In all those jails, we were not allowed visits from our families. Our relatives were not even told where we were imprisoned. I remember one fellow prisoner, Wendi Wenyere, was left sick in his cell, unattended. The urine was burning him and we decided to take care of him, because we knew that it could happen to us.


He recovered but died shortly after we were released from jail. I shared my cell with a friend, Albert Santos, a cool and soft-spoken man. He did not speak much and he never argued. He always had one thing to say, ‘It is now Samora’s time and the Portuguese had theirs, our time is coming.’ I would listen to his statements and I would say to myself, ‘We fought against the Portuguese and now we are in power, yet we are worse off than when we were under our former masters.’
I could not agree that our time was coming.


Estava ansioso para o dia que eu seria libertado da prisão. O meu objectivo era a fugir do país. Eu nunca à parte embora, colocar o pensamento que nós pode ser executados. Por quê? Porque um guarda angrily disse-nos parar de ser teimoso, ou então nós seria mortos como Oris Simango. Aconteceu depois que se recusou a lavar louça depois de comer. Foi quando eu soube que havia sido morta Oris. Ninguém sabia e mantive-lo para mim. Anos se passaram e no final de 1985, foi libertado da prisão juntamente com outros colegas a 16.


Nas primeiras horas de um dia no final de 1985, o pessoal de segurança desbloqueados os portões de prisão e disse em voz alta, 'Get out, você não quer ver o sol?' Ele achou muito estranho, porque nós passou grande parte de nossas vidas na prisão. Eu pensei que ia ser o fim de nossas vidas. Eu se aproximou de meu velho amigo, Albert Santos e perguntou o que estava acontecendo. Ele não disse uma palavra. Ele parecia muito assustado como cada corpo de outra pessoa.


Fomos levados fora e lá eu vi o então Ministro da defesa, Chipanda. Ficamos surpresos pois não era normal que Chipanda conduzir até agora. Chipanda nos recebeu com um sorriso. Ele nos cumprimentou e nós os destinatários de uma forma muito educada.
Ele disse: 'A FRELIMO Governo decidiu conceder anistia você e agora você está livre para ir'. Nós não podia acreditar. Ele continuou: ' seus warders de prisão serão breve e você vai dizer-lhes onde pretende tomar. Obrigado. "


Ele voltou para seu carro. Fiquei feliz em ouvir isso, mas a questão foi, porque nós tinha sido presos? O dia que foram presos, não recebemos uma razão e o dia que foram lançados, não havia nenhuma explicação. A vida era injusta. As pessoas poderiam fazer tudo o que eles queriam porque eles estavam no poder.
Um homem livre no passado - Capítulo 14
Ele finalmente ocorreu-nos que era uma realidade que estávamos a ser liberado da prisão. Fomos para nosso warders de prisão para dizer-lhes onde queremos ir. Eu disse que queria ir para a minha pátria, Inhambane. Depois que todos nós apresentaram nossos nomes e destinos, fomos informados de que o Ministro tinha decidido que nós devem todos ser tomadas para Maputo. Eu não gostei da idéia, mas eu fui forçado a fazer tudo o que o Governo da FRELIMO estava oferecendo. Havia 17 nós saber: Jossias Dhlakama (ex-Tenente), Fernando Baptista (ex-Tenente), Sir Fawume (ex-capitão), Cornelio Bumila (ex-capitão), Pedro Chitimela (ex-capitão), Humbuto Laisee (ex-capitão), Sir Lipiwa (ex-capitão), Constantino Dowane (ex-capitão), José Simango (ex-capitão), Senhor Fernando (ex-capitão), José Massinga (ex-diretor dos negócios estrangeiros), Senhor Fernando Nhassingo (ex-capitão), Franciscos Vilancolos (ex-capitão), Marcos Chiviti (sem título), Wendi Wenyere (ex-capitão), Alberto Sando (ex-capitão) e Issa Faume (sem título).


Nós dirigimos em jipe do soldado e depois de algumas horas de 14-16, chegamos em Maputo. Uma vez lá, eu pedi um dos guardas por que eles não me levou à Inhambane. Ele me disse que eles temiam para minha vida. Eles disseram que era mais seguro em Maputo que em Inhambane. Eles estavam mentindo; eles temiam que eu iria mobilizar minha tribo para lutar contra o regime de Machel. Eu fiquei em Maputo para dois meses à procura de um emprego.


Eu fiquei com minha sobrinha, Celia. A vida era difícil e tivemos de sobreviver um mês inteiro comendo o um quilograma de pintalgá-refeição que recebeu. Meu sobrinho, João, foi ainda comigo durante esses sofrimentos. Finalmente, eu tenho um trabalho na empresa Estado chamada NECANAGRO. Meu trabalho com o Ministério dos negócios estrangeiros já não era válido-eu nunca voltei a perguntar para ele. Eu esqueci meu projeto de ensinar as pessoas sobre o trabalho do Secretariado. NECANAGRO supervisionou a importação de máquinas para a agricultura. Dentro das primeiras duas semanas do trabalho na nova empresa, recebemos visitantes brancos do Zimbabué.

Os brancos veio para negociar com o company.There foi uma falta de comunicação entre as duas partes. Eles não podiam entender uma outra causa de barreiras linguísticas. A um parte falava Inglês enquanto o outro falou Português. Meu chefe, que estava hesitante em me ligar para traduzir, acabou por fazê-lo. Eu achava que não havia muita confusão por causa das barreiras linguísticas.


Interpretei para eles, e os visitantes foram surpreendidos, Moçambique, havia alguém que pudesse falar inglês perfeito. Após a reunião, os visitantes me chamadas para estar com eles. Meu chefe não estava feliz, mas ele não tinha escolha. Eu fez amizade com os visitantes e disse a eles que eu queria ir para o Zimbabué, e se eu poderia sair com eles. Eu pensei que eu iria receber o melhor tratamento em hospitais do Zimbabué.


Eu também queria juntar-se a circulação RENAMO com o objectivo de alterar sua estratégia de combate de dentro. Isso foi depois que muitas pessoas haviam sido mortas no Maluane e foram transportados para o hospital principal do Maputo.


Machel foi chamado para ver o que fizeram Dhlakama. Comentário de Machel era, 'Se seu cabelo é longo demais, o que fazer?' O povo disse: 'Você cortá-la '. Machel disse, that's right, nós estão sendo cortados porque somos muitos, mas nós multiplicará novamente, como o nosso cabelo após ele é cortado. '
Eu tinha tentado entrar em contato com muitos líderes com o objectivo de unir RENAMO, mas iria fazer muitas perguntas desnecessárias. Eu decidi desistir dessa idéia para eles achavam que eles sabiam melhor do que eu fiz. Eu estava orgulhoso de minha educação e eu odiava o facto da maioria dos representantes RENAMO no exílio índios. Eu tinha uma forte crença que eles foram manipulação de nosso povo.


Quando o dia chegou, eu pedi uma licença de ausência e deixou com os visitantes do Zimbabué. Quando cheguei no Zimbabué, eu vi isso como minha chance de ir no exterior. Eu decidi pedir ajuda chegar a Portugal. Meus amigos me ajudaram a obter um bilhete para Portugal, mas em primeiro lugar, não foi fácil obter um visto.


Felizmente, a embaixada americana em Zimbábue informou a Embaixada de Portugal que tinha uma família na América, isto após os americanos tinha pesquisou exaustivamente meu fundo. Minha motivação era que eu queria visitar minha família antes de eu morri. Fiquei em Portugal por um mês e, em seguida, partiu para os Estados Unidos da América. Nos EUA, eu fiquei por alguns meses com a minha família antes de eu retornei para Portugal



Eu fiquei em Portugal a partir de 1986. Eu estava ganhando uma pensão dos EUA, porque eu tinha trabalhado nos EUA, enquanto era estudante. A primeira coisa que fiz à chegada a Portugal, foi iniciar uma organização chamada "Amigos de Moçambique". Que tinha sido que meu propósito para ir a Portugal, para ele era mais fácil de ficar em contato com o que estava acontecendo em Moçambique se alguém em Portugal do que na América.


A "amigos de Moçambique" foi uma Associação Moçambicana, que tentou obter bolsas de estudo para os refugiados que estavam em Portugal e pavimentou o caminho para a paz e a democracia no nosso país. A organização ajudou muitas pessoas que nunca voltaram, uma vez que eles tinham terminado seus cursos. Eu ganhei uma renda extra, trabalhando como um tradutor de Português para inglês e francês e vice-versa.


No dia 20 de outubro de 1986, a notícia chegou-me que o Presidente de Moçambique estava envolvido em um acidente de avião. A notícia veio quando eu estava no meu escritório. Não fiquei surpreso ao ouvir isso, porque eu sabia que seus amigos seriam livrar-se dele. Para mim foi um alívio. Eu vi isso como uma boa maneira de começar um processo de conduzir-na democracia. Nossas pessoas estavam morrendo no lado do acórdão, bem como sobre a vida e passeios a pé do Dr. José c. Massinga Capítulo 15: vida no lado de oposição de Portugal. Moçambicanos estavam matando uns aos outros. Eu não estava chocado em tudo.


De certa forma, eu senti que Samora era responsável por sua morte, ele escolheu o socialismo e rejeitou o princípio que trouxe FRELIMO para a existência, ou seja, o capitalismo. Eu sabia que o Dr. Eduardo Mondlane era um homem democrático que nunca pensei que Moçambique reger-se-ia da forma que Samora tinha feito.


Em 1987, eu fui a Nairobi no Quénia para conversar com Daniel Arap Moi. Eu fui para solicitar assistência na liberação de nosso povo da miséria. Daniel Arap Moi foi muito irritado. Ele disse que não era possível porque ele estava lá quando FRELIMO alcançou a independência de Moçambique. Ele mesmo disse: ' você José, você era um daqueles que chegou a pedir ajuda para livre de Moçambique. Que tipo de assistência precisa agora, porque os negros são praticados naquele país? ' Eu disse a ele que os negros eram matando uns aos outros. Precisávamos de ajuda para que todos iriam perceber por que razão Dr. Mondlane queria democracia para o nosso país. Além de amor, Dr. Mondlane havia casado com uma mulher branca como um símbolo de unidade com os brancos.


Finalmente, Arap Moi acordado ao meu pedido. Organizou as igrejas de Moçambique, e ele me pediu para conseguir fotografia de Afonso Dhlakama para que ele pode emitir um passaporte a ele para atravessar a fronteira através do Malawi de Nairobi. FRELIMO foram convidados para uma reunião que teve lugar em Nairobi. Foi a primeira reunião entre a FRELIMO e a RENAMO após a morte de Machel.
Que organizei fotografia da Afonso com a ajuda da polícia secreta portuguesa. Passaporte do Afonso foi feita no Quênia, e representante da RENAMO nos EUA, Artur Velancolos, ajudou-me a levá-lo a Gorongosa (quartel RENAMO). Alexandra foi um dos sacerdotes eu usei para comunicar-se com, que me ajudaram a entrar em contato com membros da Igreja. Eu não esteve presente na reunião e ouvi dizer que as duas partes nunca chegaram a um acordo.


Eu arranjei outra reunião entre FRELIMO e a RENAMO com a ajuda dos alemães. Nós, os refugiados, foram mediadores entre as duas partes. A reunião foi um sucesso, apesar do fato de que os dois líderes dos partidos não compareceram, ambas as partes concordaram que era o início da estrada para a paz.


Mesmo durante a hora do almoço, os representantes das duas partes sentaram-se junto e estavam falando sério e riram. Representante, Aguiar Mazulu da FRELIMO, foi ouvido dizendo que ele nunca tinha pensado que a RENAMO pessoas eram pessoas como ele. Além disso, representante da RENAMO, Boa Ventura Lemane disse, 'você chamar-nos animais.'


Após a conferência em Portugal, Chissano foi ouvido dizendo que Moçambique estava cansado de ser ajudado por outras pessoas para acabar com a guerra. Moçambicanos poderiam fazê-lo por si. Isso é quando eu percebi que nós estavam indo para paz em Moçambique. Depois disso, eu contatei pastor Mazulu, que estava perto de Chissano, com a finalidade de atingir Chissano, mas sem sucesso. A conferência em Portugal seguiu-se a principal conferência de Roma, onde foi assinado um acordo geral de paz. Eu não estava lá para representar o Governo da FRELIMO; principalmente porque Sérgio Vieira recusou-me o direito de participar. Me aproximei Chissano e ele me disse que eles tinham bastante representantes.


Me aproximei Afonso Dhlakama com o objetivo de ajudá-los com formas de abordagem FRELIMO, e ele se recusou. Isso é quando eu decidi esquecer-se sobre a conferência.
Agora, vi a relevância do meu futuro em Moçambique. Após a assinatura do acordo de paz em Roma, eu decidi voltar para casa. Eu viajei para Moçambique através dos EUA para despedir-minha família. Lutei durante algum tempo à procura de um lugar em Maputo, onde eu poderia ficar. Eu fiquei com minha sobrinha, Celia, para uma semana e, em seguida, alugou um apartamento com a ajuda do meu sobrinho João. De onde eu estava hospedado, que organizei minhas atividades políticas. Comecei então a um partido chamado o partido democrático nacional (PANADE). Meu sobrinho, João Chitofo, ajudou-me começar o partido, embora ele ainda estava trabalhando como um juiz Júnior no sistema de um partido FRELIMO.


O círculo foi concluído - Capítulo 16
Por esse tempo, FRELIMO não tinha certeza se era necessário um sistema pluripartidário em Moçambique. Eu vim cara a cara com Chissano e decidida para avisá-lo que, se ele não deixaria político partes participarem ou se ele não teria que refugiados voltar a Moçambique, ele pode encontrar-se em apuros, com organismos internacionais, ou as pessoas ao seu redor iria matá-lo. Por este tempo, FRELIMO wantedme a associar-se a eles, mas recusei-me porque eu não era um camaleão.
Eu odiava FRELIMO com todo meu coração e eu sabia que o povo merecia melhor do que o que FRELIMO foi dando-lhes. Eu também fui Gorongosa para avisar Dhlakama, que estava hesitante para sair do mato. Eu disse a ele que pessoas estavam olhando para ele para iniciar o processo de apeace.
Eu comecei meu partido político em 1992. O meu objectivo formar este grupo era fazer Moçambique praticar os princípios da democracia; para moçambicanos falar para fora e ter a liberdade de fazer tudo o que eles queriam fazer; para Moçambique a reger-se por um governo eleito por seu povo e desafio FRELIMO onits princípios.

Eu estava ainda único depois meu divórcio em 1968. Eu nunca tinha cometido a ninguém para minha vida foi um pouco áspero em torno das bordas. Em 1996 eu casou-se com Arlinda Tongane Mufume, a mãe do meu terceiro filho e minha primeira filha Jacqueline, que nasceu em 1997. Ela é agora apenas seis anos de idade.
Realizada eleições em 1994 pela primeira vez desde que um homem negro tomou o poder em Moçambique. PANADE participou, mas foi em conjunto com dois outros partidos políticos, ou seja, PALMO e PANAMO, que atuou em lugar de União (UD).


Houve uma grande atmosfera quando as pessoas iam votar pela primeira vez em suas vidas. Eu podia sentir medo, porque as pessoas não tinham certeza o que estava acontecendo. RENAMO foi assustar as pessoas com rumores de que eles podem voltar à guerra se perderam as eleições. As eleições foram bem-sucedidas e eu estava feliz por ter votado no país do meu nascimento pela primeira vez. Eu podia ver a luta que lutaram contra os portugueses, e contra o FRELIMO governo, tinha sido frutífera. Foi um momento tão alegre para mim.

Lugar de União veio terceiro nas eleições com nove lugares sentados. PANADE tinha um lugar dentro dos nove. Eu era um daqueles que estavam entre os primeiros membros do Parlamento eleito do meu país. Fiquei muito feliz de ter testemunhado um momento tão maravilhoso. Não havia nenhum mais, 'viva FRELIMO' e não havia nenhum mais 'continua aluta'. Empresários, preto e brancos, foram convidados volta. Moçambique estava lutando para a sua economia. Sim, Moçambique foi voltando! poderia ter tido mal-entendidos no Parlamento, mas fiquei feliz que era que democracia foi tudo sobre. Sim, os políticos ainda estão com medo do partido no poder, mas é muito melhor do que durante os dias de um sistema de uma das partes. No Parlamento, eu conheci o meu inimigo, Sérgio Vieira, novamente. Nós apertou as mãos como se nada tivesse happened.The sonhos das pessoas foram cumpridos. Minha longa viagem de Guma para Maputo tinha chegado círculo completo. Moçambique foi free.Dhlakama, Chissano e Sergio e muitos outros gigantes da FRELIMO estavam agora capaz de sentar-se com a gente e discutir as questões em torno da mesa. Não há mais armas e assassinatos.

Enquanto eu estava no Parlamento, as únicas coisas que eu não gostei foram as promessas não cumpridas feitas pelo governo FRELIMO. Corrupção era o que a FRELIMO falhou miseravelmente ao endereço. Eu odiava também o facto da FRELIMO não estava preparado para resolver o problema das vítimas da guerra. Eles fingiam que nada tinha acontecido no passado. Eu sei que a verdade vai sair um dia. Uma vez disappeares FRELIMO, as pessoas realmente será livre. Eu odiava o fato de que as pessoas que desafiou os princípios da FRELIMO foram mortas. Eu vi isso como um retrocesso para o nosso novo país democrático.

Agora tive a oportunidade de voltar ao meu minhas raízes no Guma. O povo de Guma restaurado a liderança de chieftaincy para mim, o chieftaincy tinha lutado para, alguns anos atrás quando os portugueses e os Nembas tinham roubado-lo. Hoje se eu morrer, eu vou morrer um homem feliz.

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook