segunda-feira, 13 de março de 2017

SHOPPING HOSPITALAR

SHOPPING HOSPITALAR
Ultimamente (e não sei quando é que foi melhor) ir a hospitais privados é como ir a supermercados. O comportamento é quase igual: muita papelada, cheio de “compras” e o relacionamento é justamente de cliente para vendedor. Para beneficiários de pacotes de assistência média, o cartão é mesmo cartão de crédito. Antes de qualquer procedimento, liga-se para apurar a cobertura. O exercício leva o mínimo de 15 minutos para cada chamada. E são no mínimo três procedimentos: consulta, análise e farmácia. Pelos meus cálculos, apenas essas três chamadas consomem uma hora de tempo no mínimo.
E depois segue um outro problema; o das prescrições médicas. Os médicos amiúde receitam medicamento de marca. Cyfenol, pain killer, etc., para se referir ao paracetamentol e por aí em diante.
Nos hospitais públicos, se não fosse o problema de percepção pública negativa do mau serviço (problema do utente) ou do sempre risco de calhar com estagiário e morrer por overdose ou falta de meios ou medicamentos, seriam os melhores locais para tratar de saúde. 
Por exemplo, na minha vida contraí traumatismos que precisaram de uma pequena cirurgia. Na primeira vez fui a um hospital público. Desde o momento da chegada até ao procedimento final levei apenas 30 minutos. A segunda vez fui a um hospital privado e levei 4 horas. É verdade que no hospital privado tive que passar por exames preliminares (raios X e TAC), contrariamente ao hospital público que foram directos ao assunto. Coseram a ferida e puseram a andar.
A mensagem que pretendo aqui passar pode ser de difícil compreensão. Eu também não domino o negócio da saúde nem o sector, mas eis as minhas preocupações:
1. Como diminuir o tempo de espera e atendimento de pacientes em clinicas privadas? É que tanto os beneficiários de pacotes de assistência médica como não passam pelo mesmo procedimento enfadonho: muita papelada, consulta prévia da disponibilidade de médicos, etc.
2. Como garantir que o cidadão possa ter as opções nas prescrições médicas? Dez comprimidos de papacetamol podem custar tanto 20 meticais como 250. Sabendo que os beneficiários de pacotes de assistência medica têm limites, tal como um cartão de crédito, não seria bom que houvesse um dispositivo legal que oferecesse ao utente uma oportunidade de melhor gerir seu orçamento? 
 3. É minha sensação que os provedores de seguro de saúde exageram pela negativa nos serviços que prestam em pelo menos quatro níveis:
o Primeiro: no tempo de espera para autorização: na minha última consulta (três dias atrás), eu testei ligando para o meu provedor e levei 19 minutos. O homem da farmácia levou 15 enquanto a recepção levou 17.
o Segundo: amiúde, é normal chegar às farmácias ou clínicas e obter informações como a que segue “devido a problemas administrativos, não estamos aceitar beneficiários do serviço xyz”. Quando se procura saber, normalmente dizem que o Plano não pagou ou não paga há um tempo.
Ou seja, enquanto aos cidadãos e entidades não lhes falta o pagamento, esses provedores não honram os compromissos com as clínicas, em prejuízo do paciente que até não é actualizado dos centros médicos, farmácias e outros estabelecimentos para onde deve acorrer. Tudo é feito na hora, com consequências negativas aos utentes.
o Terceiro, sonegação da informação: aos beneficiários de pacotes de assistência médica, o negócio acaba sendo na essência entre as unidades sanitárias e farmacêuticas com o provedor: os preços apenas eles conhecem e negoceiam entre si. Ao utente apenas deve assinar.
o Quarto: nem sempre a consulta médica é consequente. Ou seja, depois de uma consulta se o médico lhe receitar vitaminas, o provedor da saúde pode não aceitar pagar; na infortuna situação de uma entorse e precisar de liga ou colar, o provedor pode não suportar; se for uma queimadura e precisar de uma pomada, o provedor pode achar que é um cosmético e, a dados preços, certos produtos deverão ser arcados pelo beneficiário. Ou seja, enquanto o plafom é monetariamente determinável (ou seja, o valor total de gastos que assiste à cada membro beneficiário e ao cartão integral por ano), já certos cuidados não são por estes suportados.
Existe aqui uma oportunidade para os nossos legisladores deitarem mão para disciplinar esses aspectos. O governo pode até achar isso assunto secundário, dado o seu enfoque em alargar o básico aos demais cidadãos pelo país fora; porém, a Defesa do consumidor, o parlamento e demais organizações de defesa do interesse público podem e muito bem rever a legislação e demais regulamentos para garantir pelo menos quatro respostas aos cidadãos.
1. Acesso total e tempestivo a informação actualizada, por parte dos provedores dos serviços de assistência médica em relação aos serviços em dia e os fora de serviço. 
2. A possibilidade de o beneficiário poder optar entre medicamentos genéricos ou de marca como forma de melhor gerir o seu plafom.
3. Garantir que as clínicas tenham um mínimo corpo especializado permanente. É normal para uma mulher gestante ter que aguardar por um obstetra que “está a sair de casa”. Chamam isso de emergência e paga-se muito dinheiro por causa disso. Mas rigorosamente, para um centro médico que se preze, este serviço deveria estar em permanência! Tal como esses especialistas, existem também as clínicas cujos laboratórios só servem para fazer hemograma completo. Em caso de necessidade, submetem as amostra à outras clínicas ou laboratórios, encarecendo desnecessariamente o custo final. 
4. Gerir as margens de lucro dos provedores dos serviços de seguro médico e encontrar mecanismos de bonificação aos que pouco fazem uso dos serviços.
Enquanto o meu apelo fica por analisar e responder, julgo também que a INAE deve passar por lá, juntamente com a inspeção médica. Aposto que algumas clínicas fechavam.
GostoMostrar mais reações
25 comentários
Comentários
Zito Mubay
Zito Mubay Falou muito eu tenho pacote e e simples e ter o medico liga faca uma consulta de urgencia ele dira onde xta e nao precisara fcar 1hra na fila
Gosto · 8 h
Egidio Vaz
Egidio Vaz Zito, quando la chegar precisará de marccar a consulta e obter a necessária autorização.A não ser que queira pagar directamente na caixa. Mesmo assim terá que aguardar. Não há como. Eu sou useiro dos dois sistemas
Gosto · 7 h
Zito Mubay
Gosto · 4 h
Nairinho Mabote
Nairinho Mabote No hospital público o estagiário pode prescrever, mas depois terá que passar por uma avaliação do médico assistente que vai carimbar a receita. Se tiver provas de que um estagiário matou um paciente por overdose, por favor, mostre-nos.
Gosto · 4 · 7 h
Egidio Vaz
Egidio Vaz Eu nunca fui assistido por 2 médicos. Na sala de consulta esteve sempre UM MÉDICO SÓ. Indique-me onde posso encontrar dois medicos a trabalhar para a mesma pessoa.
Gosto · 6 · 7 h
Nairinho Mabote
Nairinho Mabote Sabe identificar um médico estagiário?
Gosto · 6 h
Nairinho Mabote
Nairinho Mabote E quem morreu de overdose por culpa de um estagiário?
Gosto · 6 h
Egidio Vaz
Egidio Vaz Nairinho Mabote sei. Olha, na minha familia tenho médicos com 20, 30, 35 anos e outros em formação e outros estagiários. Esse assunto não me é estranho.
Gosto · 1 · 6 h
Nairinho Mabote
Nairinho Mabote Não respondeu a nenhuma das minhas questões. Bom dia!
Gosto · 6 h
Egidio Vaz
Egidio Vaz Nairinho Mabote existem vários relatos de erros médicos consequentes. Não queria trazer exemplos de familiares que morreram deste tipo de erro médico. Então pare por ai senão trarei nomes e casos em tribunal ok? Abraços.
Gosto · 1 · 6 h
Tiago Valoi
Tiago Valoi Ilustre Nairinho, eu tenho provas disso. Por pouco amputavam me a mao direita por causa de uma simples irresponsabilidade de um estagiario, portanto, nao venha com estorietas aqui. Ë verdade sim que pacientes morrem por simples incompetencia de estagiarios nas nossas unidades sanitarias.
Gosto · 2 · 6 h
Nairinho Mabote
Nairinho Mabote Mostra a prova
Gosto · 6 h
Egidio Vaz
Egidio Vaz Nairinho Mabote achas que ter devo explicações. Dei-te. Queres provas, só se me disseres quem es tu e em que é que estás disposto em me ajudar nos casosem tribunal. Sem isso estás a divertir as pessoas. Deixe quem está interessado em desdenvolver um argumento ter essa oportunidade.
Gosto · 6 h
De Waan Candido
De Waan Candido O investigador ker provas. Kkkk e até parece estrangeiro não sabe no concreto o que acontece em Moz
Gosto · 6 h
Nairinho Mabote
Nairinho Mabote Bom trabalho à todos.
Gosto · 6 h
Tiago Valoi
Tiago Valoi Nairinho Mabote deve ser um estagiario meu caro Egidio Vaz.
Gosto · 2 · 6 h
John Tangal
John Tangal Sem duvidas e um estagiario
Gosto · 2 · 5 h
Lda Lda
Lda Lda Venhe ao banco de socorro do HPT pela madrugada.
Gosto · 5 h
Abilio Manuel Cuamba
Abilio Manuel Cuamba Meu caro: parece que nao vive neste pais; ou esta simplesmente a ignorar a realidade deste povo pacto. Nao nos faca perder tempo, pf...
Gosto · 2 · 2 h
Carmen Fumo
Carmen Fumo Concordo plenamente com o que disse, de facto tenho muitas reservas se os planos de saúde são para facilitar a vida dos utentes, pois torna-se enfadonho demais ir ao médico e dependendo de quem atende hoje podem permitir a compra de um ou outro medicamento, mas noutro dia o cartão não cobre. Outro aspecto é a falta de actualização da real situação em que se encontram em relação aos seus parceiros (pagamentos em dia) por parte dos provedores, pois torna-se constrangedor iniciar um processo e no meio receber a informação "por razões administrativas do momento não estamos a aceitar este cartão". Mas enfim, tomara que o INAE tome em consideração também...
Gosto · 2 · 7 h · Editado
Egidio Vaz
Egidio Vaz Este é um negócio recente em Moçambique mas prenhe de informação oculta ao utente. É nessa assimetria da informação que os provedores ganham muito. Ou pelo menos investem tão pouco e brinca com a saúde dos demais.
Gosto · 1 · 7 h
Carmen Fumo
Carmen Fumo A única clareza na informação é quando o cliente excedeu o limite dos pacotes que cobre, aí sim há celeridade em informar os parceiros.
Gosto · 5 h
Edelson Assado
Edelson Assado Ilustre Egidio Vaz as Clinicas Privadas tal cmo farmacias sao negócios que Brincam com Saude e Bolso Povo..quando vais a uma clinica Fazem um monte de Exames ate o disnecesario ,e tudo tem um custo.....os Medicamentos sao receitados os mais Carros(o mesmo acontece nas farmacias comesam sempre pelo mais Carro),dai que e necessario educar ao povo como se comportar nestes locais.......
Gosto · 7 h · Editado
Carmen Fumo
Carmen Fumo Em menos de dois meses podes fazer os mesmos exames, fom custos elevadíssimos. E para no fim receitarem os mesmos medicamentos.
Gosto · 1 · 5 h
Edelson Assado
Edelson Assado Com certeza Carmen Fumo ...apesar do espirito de Descontentamento dos Nossos hospitais publico...mais ainda merecem uma confiança..
Gosto · 1 · 5 h
Albertina Oliveira
Albertina Oliveira Mesmo para reflectir.
Gosto · 7 h
Nelson Junior
Nelson Junior Esses que nos libertaram da escravatura e do colonialismo, quando assumiram o poder, nacionalizaram a saude e a educacao, pois, ( eles) na altura pensavam de que a boa educacao e a saude eram direitos de qualquer ser humano neste planeta...e tinham tanta tanta razao....com o andar dos tempos, os "primos" deles: os renamistas iniciaram a "destruir" as escolas e os hospitais dos distritos...e, contemporaneamente, os ditos " donos" de Mocambique nunca e nunca investiam na educacao e na saude....Com sistemas de educacao e da saude pessimos, surgiram as escolas e hospitais privados....sistemas novos estes que tinham o unico objectivo de criar novos ricos.....Se, querem analizar o fracasso da frelimo nestes 42 anos de independencia, eh so olhar a qualidade de educacao e da saude......Uma pequenissima ilha, pobre em recursos naturais, com o embargo dos Estados Unidos, mas, com lideres politicos nacionalistas conseguiu criar um dos melhores sistemas de educacao e da saude de todo mundo...essa pequena ilha chama-se Cuba....o problema de Mocambique, ou dos negros eh de se preocupar demasiadamente em dinheiros e se esquecer do bem comum: consequencia: eh essa porcaria de Pais.!!!!!!!
Gosto · 1 · 6 h
Aires Fataha Amisse
Aires Fataha Amisse Triste, sem prejuizo dos demais aspectos repunantes, como o tempo para confirmar os dados do paciente, o argumento, ou seja, a existência de problemas administrativos é uma pedra no sapato, tens o serviço pago, mas a sua privesora não canalizou fundos, e nada podes fazer, o que aconselham é ligar para o seu provedor, mas aí surge o problema supra referido! Em certos casos determinado médico especialista goza as suas férias e durante o periódo de sua ausência ninguem esta lá para substituir! Parabens Egidio Vaz, desvendou vários aspectos importantes. E mais seria bom se pudessem uniformizar o sistema de cartões como acontece com o visa por exemplo.
Gosto · 1 · 6 h
Milton Boane
Milton Boane Poxa vida. Eu aqui me remoendo com essa tal de seguradora, me achando casmurro e antequado "imoderno", afinal tenho razao! Não é que fui vaiado numa farmacia por ter apresentado um cartão, como que fosse cartão de direito à esmola!
Gosto · 2 · 6 h
Muchuquetane Guenjere
Muchuquetane Guenjere KKKKKKKkk, grande Milton Boane, CARTAO de Direito a esmola.
Gosto · 7 min
Nelson Junior
Nelson Junior Ps!...quando um lider cubano fica gravemente doente, nao apanha um aviao pra os Estados Unidos ou pra Europa a fim de ter tratamentos....Fica em Cuba.!!!!...porem,no Mocambique dos camaradas, quando, os senhoroes( os tais ditos donos de Mocambique) ficam doentes, alugam carissimas avionetas e dirigem-se pra a Africa do Sul ou pra Europa em tratamentos...essa eh a vergonha de Mocambique e da Africa.....lideres que nao sao mais do que caras sem vergonha!...Gastam dinheiroes em carros de luxo e em armas, mas "ignoram" a saude...so negros eh que pensam assim
Gosto · 6 h
Sergio Jamal
Sergio Jamal Meu prezado Egidio Vaz fico satisfeito quando abordas a questão de Saúde, o tempo de espera, Consulta, exames laboratórias e farmácias nos serviço no privado e no público é lástimavel. Os provedores de saúde, os bancos e as seguradores que tem plano de saúde as farmácias privadas e as Clinicas só único objectivo ganhar lucros um negócios rentavel. Nas Urgências sempre tem um médico Assistente e Especialista que fazem um belissimo trabalho, o Senhor EV afirmas que nas Urgências de Banco de Socorro "só existe estagiário que não sabe nada " gostaria de saber que hospital isso tenha acontecido??? Nunca vi acções concretas de Associação do Direito do Consumidor liderado por Dr. Mouzinho Nicols talves a INAE esta nota 100 comandada pela Dra. Maria Rita Freitas. Aguardo ilustre EV da visita do S.Excia Filipe Jacinto Nhussy no Ministério de Saúde ou Minist. Não tem Medicamentos kkkkkk
Gosto · 6 h
Egidio Vaz
Egidio Vaz Devo reescrever ou clarificar. No banco de Socorro, estão na sua maioria médicos estagiários que as vezs levam muito tempo para descortinar um problema. Há dias que calhas com médicos experientes mas na maioria das vezes são mesmo estagiários. Podemos ir agora ao HCM e veremos que das 4 salas de consulta, 3 estão nas mãos de estagiários. Não quero com isso dizer que todos eles são maus, mas se ninguém gosta de ver seu carro atendido por um aprendiz de mecânica auto quanto mais à sua saúde!
Gosto · 1 · 6 h
Lda Lda
Lda Lda Em tete tem estagiários, que só ligam para o médico de escala depois de meterem muita H2O. Para o tal chegar ja eras.
Gosto · 5 h
Sergio Jamal
Sergio Jamal Só quero teu comentário
Gosto · 6 h
Catman Mandlazi
Catman Mandlazi quanto as prescricoes, a Legislacao Farmaceutica em Mocambique, ja regula que, numa receita médica, os medicamentos devem ser prescritos apenas em nomes genéricos e nao comercias. exemplo:Paracetamol 500mg comprimidos,e nao "Parar já" etc
Gosto · 6 h
Nelson Junior
Nelson Junior Caro Senhor, se tiver tempo pesquise o " mercado internacional" de medicamentos e vai ver que se trata de um gigantissimo cartel....nao eh por acaso, que a maioria das farmacias em Mocambique esteja ou esta nas maos da comunidade indiana...........ha muito muito muito business sujo no mundo dos medicamentos.......
Gosto · 6 h
Catman Mandlazi
Catman Mandlazi Pois é. há varios fabricäntes de diversas marcas de médicamentos. Mas, o prescritor deve passa-los em nome generico e nao comercial. caso contrario seria irglrdad.
Gosto · 6 h · Editado
Manuel Jeque Francisco
Manuel Jeque Francisco Egidio, continue lutando contra escravidao mental. que e' mas perigoso que escravidao fisica.
Gosto · 6 h
Frans Mabasso
Frans Mabasso Egidio Vaz o que disse é pura verdade só quem nunca directamente ou i directamente passou por isso é que não tem noção do que você está dizer
Gosto · 6 h
De Waan Candido
De Waan Candido esses senhores provedores de saúde são uma fantochada autêntica. o mais me indigna é o quarto ponto em k o médico prescreve e o provedor diz não pagamos isso. cmon... pra começar devia estar lá um médico pra tomar esse tipo de decisão . kem São eles pra negarem prescrição médica alegando serem medicamentos não essenciais. e será k não podem encontrar um sistema mais dinâmico d comunicação? ora não atendem telefone, ora desligam na cara qndo por sorte atendem o processo é super moroso. A "Blue" ja nem falo por mim nem devia existir.
Gosto · 6 h
Jeremy Timbe
Jeremy Timbe O sistema nacional de saude, é igual ao sistema de educacao e outros sistemas herdados do branco. Não é um sistema para curar mas para manter os negros dependentes. A educacao não educa mas mantem as pessoas negras de "complaint" com os ex patroes brancos. A Africa deve recriar se inventar se. Antes da selvajaria do branco destruir a Africa e os africanos o nosso sistema de saude era sem custos e raramente tinhamos doenças. Porquê os africanos perseguem estes sistemas que não funcionam e depois reclamam? Porquê não queremos nos libertar do branco?
Gosto · 6 h
Nelson Junior
Nelson Junior "Por que nao queremos nos libertar do branco"....enquanto o know how e a economia mundial( estados unidos, inglaterra, alemanha, etc, etc) estiverem nas maos do branco...este vai ser o Deus da Terra....e a mente negra sentir-se-a sempre inferior....so um pequeno exemplo:...ja reparou como a negra mulher trata o branco?...e a mesma como trata o negro?...eh um pequeno exemplo mas diz tudo....a negra, trata o branco como se, fosse um pequeno Deus...e ao negro, nem se da o prazer de cumprimentar-lo...isto nao eh so em Mocambique:eh em toda africa negra
Gosto · 1 · 5 h
Jeremy Timbe
Jeremy Timbe Nelson Junior isso é um facto mas não é a verdade do Africano. O Africano sofreu o que posso chamar de feitiço do branco em todas as vertentes mas agora é tempo de reverter o feitiço. Antes do famoso Hipocrites ai qual nossos estudantes de medicina fazem juramento quando graduam, nòs tinhamos o Imothep, o médico, arquitecto, engenheiro, astrologo que governou e revolucionou o conhecimento de tudo quanto conhecemos actualmente em tecnologia e saude. Imothep é o verdadeiro pai da medicina e era negro. Todo conhecimento deste negro foi roubado pelos romanos a quando do saque da Alexandria, enviado para Europa para ser plagiado e reeditado como conhecimento europeu. Quanto a nossa mulher Africana, a historia é bem complicada... Mas hà que sair disto
Gosto · 1 · 5 h
Arrone Mangiga
Arrone Mangiga A 10 anos atrás a momentum era uma das únicas seguradoras que existia,não precisa ligar p confirmação,bastava trazer receita ,cartão do membro e documento pessoal,levantava todo tipo de medicamento,houve má fé dos utentes /escritores que até afrodisíacos ,produtos de estética levantam,isso culminou com novos moldes de atendimento que existem agora....
Gosto · 5 h
Alarico Moisés Manjacaze
Alarico Moisés Manjacaze A questão do mau atendimento no hospital público é preciso rever certas exigências que o funcionário vem fazendo, porque sempre a motivação é fundamental para uma área tão sensível, é possível termos hospitais com uma boa imagem, não querendo dizer que o mau trabalho é causado pelo descontentamento apenas mas vejamos a polícia de trânsito tem uma percentagem sobre todas multas que passa, se o governo nao pode reajustar o ordenado ou as condições de trabalho vamos aumentar os custos de consulta para garantir atendimento condigno, disponibilidade de meios auxiliares de diagnóstico e medicamentos só assim podemos exigir melhorias de qualidade
Gosto · 1 · 5 h
Lda Lda
Lda Lda Medina Convencional vs Medicina Orthomolecular. Uma dor e lucro, outra cura.
Gosto · 5 h
Claudio Lombene
Claudio Lombene Nyusicare precisa-se.
Gosto · 5 h
Evanex Saboroso
Evanex Saboroso Sobre o plano de Saude e normal chegares nas farmacias cobertas pelo plano e dizerem que nao cobrem medicamento X, Y ou Z...no plano que tenho dizem nao cobrem POMADAS, certos Xaropes e.t.c a dias ando a procura de SAL FERROSO COM ACIDO FOLICO este medicamento me foi receitado para uma crianca de 6 anos, nao me foi dado porque so podiam dar me se fosse mulher gravida e custa nada menos que 750mt...para que servem os planos de Saude?? So para paracetamol?
Gosto · 1 · 4 h · Editado
Egidio Vaz
Egidio Vaz Ai está meu caro. E mais, não ha como bonificar o cliente para tratamentos cosmeticos por exemplo, quando alguém não usa o serviço por um ano. Ou seja, o seguro cobra-te e reza para que não fique doente ano todo e mesmo assim, na graça de Deus não pode limpar os dentes, trocar do par de óculos...
Gosto · 3 · 4 h
Evanex Saboroso
Evanex Saboroso A saúde do pais acabou! Ficou mercadoria de quinta...é vergonhoso. Medicamentos sem nenhuma qualidade produzidos na India por indústrias farmacêuticas de quinta categoria.
Gosto · 3 h
Evanex Saboroso
Evanex Saboroso As pessoas que estão escrevendo os livros de medicina na qual estamos estudando, são as mesmas pessoas que estao administrando os hospitais. Eles são os mesmos que dirigem as empresas farmacêuticas. Eles são os mesmos que estao geneticamente modificando os alimentos. 

Entao obviamente que os livros concordarão com os médicos, os médicos vão concordar com as empresas farmacêuticas e as empresas farmacêuticas vão concordar com os cientistas, e quando voce, usar a cabeça para questionar sobre o que eles estao fazendo, aqueles que foram ensinados a pensar que estao pensando vao dizer que estas equivocado, e que seras uma piada por questionar a mentira daquilo que foi institucionalmente legalizado como verdade porque os estudos e os livros deles sao baseados em fontes cientificas e que a duvida daqueles como eu que pensam sao baseadas em meras opinioes impiricas. 

Este é o nosso mundo, uma luta intelectual entre a crença(fe) e o conhecimento. Uma luta entre aqueles que estao pensando contra aqueles que acreditam que estao pensando. 

Mas independentemente da nossa verdade nao estar escrita no livro destes cientistas, Nós que estamos a pensar, sabemos que o seu objetivo não é a saúde, mas a riqueza, mesmo que isso custe a vida de todos os africanos...entenda quem pode...porque a inteligência não vem dos livros, mas da capacidade de ver o que os outros não podem...e metade da populacao nao sabe desenhar uma vitamina no papel porque nunca viram, mas todos acreditam que nossos corpos precisam das vitaminas porque os cientistas disseram. Metade da populacao nunca viram deus, mas todos acreditam que existe...mas o conhecimento nao tem nada haver com crencas nem com aquilo que tu acreditas, mas aquilo que tu sabes.
Gosto · 3 h
Dinis Tivane
Dinis Tivane É negócio. Duvido muito que essa ideia passe, a de deixar o utente escolher o seu fornecedor ou marca de medicamentos para poder gerir seu orçamento. Isso é como ir a discoteca e dizer que queres consumir bebidas da barraca. Eles instalaram a discoteca exactamente para venderem as bebidas à preço de ouro. O mesmo com o negócio da saúde. Eles querem vender creme de pele a 1.750,00Mt quando sabem que há outro a 375,00Mt, mas não prescrevem esse pois fica fora do circuito...
Gosto · 1 · 2 h
Egidio Vaz
Egidio Vaz Mas em Portugal já é obrigatório que o médico prescreva nomes genéricos e tenha opção de dizer se prefere nomes de marca.
Gosto · 1 h
Francisco Jose
Francisco Jose Vindem a nós.... tudo é gratuito e de alta qualidade!! Egídio Vaz, autonomia, beneficência, não maleficiência, Justiça e sigilo profissional são os principios que juramos respeitar incondicionalmente!!

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.