quinta-feira, 16 de março de 2017

Polícia prende dois presumíveis raptores na província Maputo



PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Newsflash
Escrito por Emildo Sambo  em 16 Março 2017
Share/Save/Bookmark
A Polícia da República de Moçambique (PRM) recolheu aos calabouços, no último fim-de-semana, dois cidadãos, acusando-os de fazer parte de uma quadrilha raptores que actuavam na cidade e províncias de Maputo e Gaza. Os visados são ainda indiciados de sequestro, na terça-feira (14), no distrito de Bilene, do empresário luso-moçambicano José Apolinário, o qual horas mais tarde foi restituído à liberdade.
A corporação disse que outros dois indivíduos estão foragidos, mas está no encalço dos mesmos.
Em Fevereiro passado, no distrito da Manhiça, os suspeitos sequestraram uma mulher e feriram o marido da mesma, segundo a PRM na província de Maputo.
Para além deste crime, os dois cidadãos, ora encarcerados, raptaram um empresário nas proximidades do Supermercado Maputo Shopping, na zona baixa da capital do país.
Para materializar os seus desígnios, os supostos bandidos usavam uma viatura – agora confiscada – que era deslocada de Gaza para a cidade e província de Maputo, e depois voltavam para Gaza, onde escondiam o mesmo meio circulante.
“Eles são parte do grupo de sequestradores”, disse à imprensa Emídio Mabunda, porta-voz da PRM em Maputo, frisando que a operação foi delineada pelos comandos da Polícia e do Serviço Nacional de Investigação Criminal (SERNIC) na cidade e províncias de Maputo e Gaza.
Os dois indivíduos implicados neste tipo de crime encontram-se privados de liberdade desde o fim-de-semana e o sequestro de José Apolinário aconteceu na terça-feira.
Contudo, os agentes da Lei e Ordem acreditam que eles e os presumíveis comparsas a monte foram os mentores rapto do cidadão em causa quando se dirigia ao seu estabelecimento hoteleiro, chamado “Aquários”, na área turística da Praia de Bilene.
Em sua defesa, um dos detidos contou que está privado de liberdade por ter emprestado o seu carro a um amigo e vizinho que responde pelo nome de William Matusse. Não era a primeira vez que o fazia mas nunca procurou saber para que finalidade o amigo precisa da viatura.
De acordo com este cidadão, a Polícia foi buscá-lo na sua casa, em Bilene, porque o seu veículo foi usado num rapto no distrito da Manhiça.
Para a corporação, o visado era condutor do carro usado no rapto ocorrido em Maputo e na Manhiça.
O outro suspeito alegou que a sua prisão aconteceu em Maputo quando estava na companhia de um conhecido cuja profissão é taxista.
A PRM rebateu a versão deste indiciado, alegando que este teria preparado o cativeiro onde as vítimas eram mantidas.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.