quinta-feira, 16 de março de 2017

Família Mesquita se desespera com sucesso de Dilma no exterior e decide agredi-la


247 – Os quatrocentões da família Mesquita, do Estado de S. Paulo, publicaram editorial em que demonstram seu pânico com o sucesso que o furação Dilma vem causando na Europa, onde a presidente eleita tem falado para platéias lotadas sobre o golpe no Brasil e a tentativa de se impedir a volta de Lula ao poder.
Segundo os Mesquita, Dilma agride a língua portuguesa e desconhece que "há lei e há instituições no Brasil" – um país que se tornou vergonha internacional ao golpear a própria democracia para instalar seus políticos mais corruptos no poder, como demonstra a lista de Janot.
Abaixo, o editorial do Estado:
Dilma, um caso sério
Não satisfeita com o desastre causado ao País pelos seus cinco anos de governo – cujos efeitos daninhos são ainda sentidos diariamente pelos brasileiros –, a ex-presidente Dilma Rousseff dedica-se agora, assim fazem crer suas ações e palavras, a envergonhar o Brasil mundo afora. Seu comportamento em Genebra, onde participou de palestras e seminários, é sinal de que sua falta de discernimento, seja em questões nacionais, seja em relação às suas capacidades pessoais, não tem fim.
É conhecida sua dificuldade para se expressar na língua portuguesa. Como bem sabem os brasileiros, a beligerância de Dilma Rousseff com o idioma pátrio não exige condições especiais, podendo ocorrer até mesmo em casos de comentários triviais ou argumentos despidos de qualquer complexidade. Ela facilmente se embaralha com palavras e pensamentos, o que muitas vezes deu a eventos oficiais no Palácio do Planalto contornos de show humorístico.
Pois bem, essa mesma Dilma Rousseff, que já tanto maltrata a língua portuguesa, achou que podia, em sua viagem à Europa, dialogar em francês. O programa de televisão no qual a ex-presidente teve a ousadia de usar a língua de Victor Hugo é de incomum constrangimento, com alguns apresentadores em sérias dificuldades para manterem a compostura diante de tamanha agressão ao idioma francês. Mais do que simples gafe, a participação de Dilma no programa de televisão corrobora sua invencível incapacidade de realizar qualquer tipo de autocrítica.
Não falta, porém, a Dilma Rousseff discernimento apenas em questões de idioma. Ela ignora – e alardeia sua ignorância mundo afora – questões institucionais. Diante de uma plateia no Instituto de Altos Estudos Internacionais de Genebra, a ex-presidente afirmou haver o risco de que os ocupantes do poder no Brasil tentem impedir nova eleição de Lula da Silva. “Podem tentar condenar o Lula por duas vezes, podem mudar as regras da eleição presidencial, por exemplo, com introdução do parlamentarismo e, terceiro, podem simplesmente adiar a eleição presidencial do ano que vem”, disse Dilma.
É grave que uma ex-presidente fale de forma tão irresponsável sobre a democracia e as instituições no Brasil. Eventuais discordâncias de Dilma Rousseff com a decisão do Congresso de condená-la por crime de responsabilidade não lhe dão direito a tratar o País da forma vil como ela o tem tratado.
Ainda que imperfeita, a Lei da Ficha Limpa contribuiu para a moralidade das eleições no País, ao barrar candidatos que tenham sido condenados criminalmente em segunda instância. E o Poder Judiciário é independente, não mero instrumento de manobra do Poder Executivo, como dão a entender as palavras da ex-presidente. O que ela indevidamente aplica ao Brasil ocorre em países de seu especial agrado, como é o caso da Venezuela. No entanto, a respeito desse abuso Dilma sempre preferiu o silêncio.
Dilma ainda tratou de duas possíveis manobras para afastar Lula da Silva da Presidência da República: o parlamentarismo e o adiamento das eleições de 2018. A ex-presidente manifesta, assim, seu completo desconhecimento da realidade política e institucional do País. Ainda que seja plenamente legítimo, o parlamentarismo não é um assunto atual do Congresso. E a menção a suposto risco de adiamento das eleições é mais do que simples irresponsabilidade. Trata-se de uma acusação grave, sem qualquer prova ou indício, contra a democracia brasileira. Observe-se, a favor de Dilma, que ela não aventou a possibilidade da restauração da monarquia para manter Lula fora do poder.
Por mais que Dilma Rousseff não goste, há lei e há instituições no Brasil. O panorama é bem diferente do que ela alardeou na Suíça. Já em relação ao retorno de Lula da Silva à Presidência da República, os obstáculos estão bem evidentes, dispensando os tremendos esforços mentais de Dilma Rousseff. O principal óbice é ela mesma, pelo estrago que causou ao País. E, em segundo lugar, o próprio Lula, com sua incapacidade de emendar-se.
Recomendado para você

2 comentários:

Rosa disse...

Irresponsabilidade foi o golpe no Brasil. Mas que se preocupar com as falas de Dilma,deveriam ter vergonha dos crimes impunes no Brasil​. Vergonha tem que sentir do temer que traiu sua chefe de estado e dois dias depois tornou lei o crime de que a acusavam. Tenha vergonha vc que escreve isso. O Brasil vendido, divido, reformas que diminui direitos dos trabalhadores e vc se preocupa com o português de Dilma. O Brasil está avacalhado lá fora pelo golpe, e não só ela denúncia, muitos o fazem. A sua inveja faz com que vc fique a observar Dilma. Vá derrubar CRIMINOSOS se poder. Dilma estar certa quando diz que teme pelas eleições de 2018, ela não afirma como será, apenas fala de sua preocupação. E está mais certa ainda quando diz que as instituições não funcionam aqui. Se funcionasse não estaria esse caos, e ela teria sido respeitada. Ela e seus milhões de eleitores.

Rosa disse...

Fora mesquitas.

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.