quinta-feira, 16 de março de 2017

Assembleia da República aprova em definitivo Lei de Medicamentos


Escrito por Emildo Sambo  em 16 Março 2017
Share/Save/Bookmark
O Parlamento moçambicano viabilizou, nesta quarta-feira (15), na especialidade/definitivo e sem necessidade de votação, dada a anuência das três bancadas parlamentares, a proposta de revisão da Lei 04/98, de 14 de Janeiro, atinente aos Medicamentos, Vacinas e outros Produtos Biológicos para o Uso Humano.
O dispositivo, que já tinha sido aprovado na generalidade na semana finda, voltou ao plenário para a última apreciação.
O mesmo estabelece regras de produção, distribuição, uso e disponibilização eficiente e segura, bem como a garantia da qualidade dos medicamentos, vacinas e produtos biológicos e de saúde para os cidadãos.
Institui ainda um sistema de fármaco-vigilância eficiente, que visa detectar precocemente os efeitos adversos aos remédios, garantir que a produção local de medicamentos respeite as boas práticas recomendáveis internacionalmente, facilitar o registo de remédios e tratar dos exercício da profissão farmacêutica. Antónia Chare, presidente da Comissão dos Assuntos Sociais, do Género, Tecnologias e Comunicação Social [3a comissão], disse, durante a apresentação do relatório final sobre o análise feita à lei em alusão pelos deputados, que, nos termos da referida norma, “o exercício da profissão farmacêutica é incompatível com outras funções” e só é permitida a trabalhadores idóneos e devidamente inscritos na área a que estão afectos.
Entre outras finalidades, a lei ora aprovada vela também pela fixação de preços de modo a evitar a especulação, contrabando, falsificação e desvio de medicamentos, vacinas e produtos biológicos e de saúde para os cidadãos.
Ela determina igualmente as mecanismos para a criação da Autoridade Nacional Reguladora de Medicamentos (ANARME), uma entidade pública com autonomia administrativa, financeira e patrimonial.
Cabe a esta instituição, cujo estatuto será aprovado pelo Governo, supervisionar, fiscalizar e sancionar a política de medicamentos no país, Antónia Chare.
A mesma entidade irá propor ao Executivo a política de remédios, vacinas e produtos biológicos e de saúde para o uso humano e zelar pela sua execução, bem como emitir certificados de registo de fármacos e cuida de todas as questões inerentes a esta matéria.

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.