sábado, 18 de março de 2017

Com a chegada da "ExxonMobil" será retomada a "savimbização"?


Canal de Opinião por Noé Nhantumbo
Todo o cuida­do é pouco. Ataque e contra-ataques directos, indirectos e sublimi­nares intensificam-se a olhos vistos.
E ainda as campanhas eleito­rais se iniciaram, mas já há sinais concretos de que serão renhidas.
Criar crises e fracturas no seio dos opositores políticos é uma especiali­dade que tem sido explorada. Não vai ser agora que os especialistas vão aban­donar uma das suas armas prediletas.
Cobrir as nossas desavenças e extrapolar as dos outros é o mé­todo frequentemente utilizado.
Mas o que favorece o êxi­to dessa táctica é a precarieda­de dos políticos em presença.
Na nossa fragilizada democracia, re­pleta de aprendizes em matéria politi­ca assim como analfabetos no assun­to, tem sido fácil semear discórdias.
A incidência é tanta, que rei­na a improvisação e o trabalho político ou '"marketing”  reactivo.
Independentemente das causas reais por detrás da aparente crise associada a Amurane em Nampula, uma verdade deve ser dita: houve uma manifesta quebra de disciplina. Se tivesse havido ma­turidade e fluxo de informação entre as partes divergentes, outra maneira de abordar os assuntos te­ria sido encontrada ou accionada.
Quem ganha com tudo o que acontece e é mediatizado?
Na encruzilhada que vive e sem que haja evidências de bom senso entre os beligerantes e sem que se manifeste de maneira inequívoca a maturidade da oposição e nem da posição, desenham-se muitos cená­rios. Alguns são dantescos e podem rapidamente remeter-nos a um pas­sado de carnificina etno-polfticar,fundamentada no apego a um poder político-governamental ilegítimo.
Um governo de amigos e aliados que precisa de ar fresco financeiro pede ser tentado a protelar as so­luções pacíficas logo que cheguem as mais-valias do gás do Norte.
E a chegada da "ExxonMobíl pode propiciar que isso aconteça.
É preciso não esquecer que em Angola os americanos pre­feriram o petróleo em vez de uma  solução  democratizante.
Os impasses em Moçambique são corolário da vista grossa das chancela­rias internacionais face ás sucessivas irregularidades eleitorais e fraudes.
Também no passado Portugal fez vista grossa ao assassinato politico enquanto   potência  colonizadora.
Os promotores da democracia têm-se comportado de manei­ra extremamente hipócrita para com países como Moçambique,
Cabe aos moçambicanos precaverem-se e defenderem a sua paz e negociarem com sabedoria e patriotismo os seus recursos naturais,
A chamada "maldição dos recur­sos está por demais documentada,
Quer-se um Estado de Direi­to democrático acima de to­das as suspeitas e malabarismos,
Quer-se realismo e uma politica pragmática que promova inclusão e dignidade humana abrangente, Moçambique não pode continuar a ser somente para um punhado de pessoas que se distribuem os recursos e as possibilidades nacio­nais entre elas. (Noé Nhantumbo)
CANALMOZ – 17.03.2017

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.