quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

O novo “alvo” de Donald Trump: a Austrália

PRESIDENTE TRUMP


13
As coisas aqueceram num telefonema entre presidente dos EUA e primeiro-ministro australiano. Trump acusou aliado de querer mandar para os EUA refugiados onde estará o "próximo bombista de Boston".

Getty Images
Não acabou bem um telefonema entre Donald Trump, o novo Presidente dos EUA, e Malcolm Turnbull, o primeiro-ministro australiano. O The Washington Post noticiou esta madrugada que, no mesmo fim de semana em que Trump conversou com Vladimir Putin e mais quatro líderes internacionais, o Presidente dos EUA irritou-se e terminou abruptamente um telefonema com Turnbull que era para durar uma hora mas que acabou após 25 minutos. Com a divulgação da notícia, Donald Trump reagiu com um tweet a criticar o “acordo idiota” de partilha de refugiados com Austrália, celebrado no tempo de Barack Obama.
Do you believe it? The Obama Administration agreed to take thousands of illegal immigrants from Australia. Why? I will study this dumb deal!
“Isto dá para acreditar? A Administração Obama concordou em receber milhares de imigrantes ilegais da Austrália. Porquê? Vou estudar este acordo idiota”. Ao seu estilo, Donald Trump não perdeu tempo em oferecer a sua versão da disputa que terá levado a que o Presidente dos EUA tenha tido, “de longe, a pior chamada de sempre” (na descrição feita pelo The Washington Post). Surpreendentemente, a “pior chamada de sempre” foi com um dos aliados históricos dos EUA, o governo australiano.
Malcolm Turnbull também já comentou o incidente, desmentindo as notícias de que Donald Trump lhe desligou o telefone na cara — “essa descrição não é correta”. O primeiro-ministro australiano descreveu a conversa como “muito franca e direta”.
Certo é que a chamada deveria ter durado uma hora mas Trump exaltou-se ao fim de 25 minutos e a chamada terminou. Donald Trump deixou clara a sua posição: “não quero receber essas pessoas. A Austrália quer mandar para cá os próximos bombistas de Boston“, terá afirmado Trump, numa referência ao atentado de 2013 na Maratona de Boston, pelos irmãos Tsarnaev.
Há uma foto de Donald Trump ao telefone com Turnbull, na Sala Oval (acompanhado pelo conselheiro principal, Stephen Bannon).

O que está em causa neste acordo polémico?

Os “milhares” de refugiados referidos por Trump são, na realidade, 1.250 pessoas que tentaram imigrar ilegalmente para a Austrália e que estão, neste momento, em centros de detenção australianos nas ilhas de Manus (Papua Nova Guiné) e Nauru. As Nações Unidas já criticaram de forma veemente as condições em que as pessoas estão a ser mantidas nesses centros de detenção, incapazes de voltar para a origem mas, também, proibidas de ir para o continente.
Nas vésperas de Donald Trump vencer as eleições, Barack Obama assinou um acordo para receber esses refugiados (a maioria proveniente do Irão), que a Austrália não quer que fiquem no país. Em troca, a Austrália aceitou receber refugiados de El Salvador, Guatemala e Honduras — estes são os termos de um acordo que foi mediado pelo Alto Comissariado para os Refugiados da ONU (o organismo anteriormente liderado por António Guterres, agora secretário-geral da organização).
Donald Trump terá dito a Malcolm Turnbull que se os EUA avançassem com aquele acordo, isso iria “matar [Trump], politicamente”. Mais tarde, à imprensa, o primeiro-ministro australiano recusou que este possa ser chamado um “acordo idiota” e diz que Trump lhe garantiu que não irá bloquear o acordo: “talvez seja um acordo que ele [Trump] não teria feito, mas a questão é que temos um compromisso de que irá respeitar o acordo que está assinado“.
Contudo, o tweet de Trump a dizer que vai “estudar” o acordo — “idiota” — foi posterior à hora a que, segundo Camberra, Trump terá reafirmado o compromisso com o acordo assinado pelo seu antecessor.

Pedro Correia Maia
 "Nas vésperas de Donald Trump vencer as eleições, Barack Obama assinou um acordo para receber esses refugiados (a maioria proveniente do Irão), que a Austrália não quer que fiquem no país. Em troca, a Austrália aceitou receber refugiados de El Salvador, Guatemala e Honduras — estes são os termos de um acordo que foi mediado pelo Alto Comissariado para os Refugiados da ONU (o organismo anteriormente liderado por António Guterres, agora secretário-geral da organização)."
Gosto · Responder · 5 · 1 h
Samuel Rodrigo Pinto
Samuel Rodrigo Pinto Acho que foi a Austrália quem ficou a ganhar com esse "negócio" de imigrantes feito pelo Obama. :-D
Gosto · Responder · 1 · 50 min
Mário Pimenta
Mário Pimenta Guterres , " O trafulha" .
Gosto · Responder · 1 · 41 min
Victor Avila
Victor Avila Grande negociador , o Obama. Se alguma vez dirigisse uma empresa ele ou o Guterres, a falência estaria assegurada...
Gosto · Responder · 2 · 39 min · Editado
Rsoares Soares
Rsoares Soares Os acordos para entalar Trump.
Gosto · Responder · 3 · 34 min
Luis Reis
Luis Reis O Obama armadilhou o seu sucessor. Desde as sanções à Russia, este caso, a oferta de dinheiro à Palestina nos últimos dias de governo, etc. Como ele só os inquilinos aue antes de deixar a casa destroem tudo.
Gosto · Responder · 2 · 15 min
António Conceição
António Conceição Trump está muito melhor do eu julgava, pensei que em 6 meses rebentava com isto tudo mas bastará apenas 1 mês para o fazer.
Gosto · Responder · 19 · 1 h
Maria Viegas
Maria Viegas Essa tá boa...!!!
Rsoares Soares
Rsoares Soares Gajo com colhões.
Não , e não.
Primeiro o país dele e a segurança do povo americano.

Pena é , que na europa ainda na haja gajos/as com esta coragem.
Vamos pagar muito caro esta leviandade desta esquerda
Gosto · Responder · 2 · 32 min
José Manuel Valentim
José Manuel Valentim Rsoares Soares a idiotice paga-se caro. A história assim o demonstra...
Gosto · Responder · 2 · 15 min
Rsoares Soares
Rsoares Soares Depois lá terá que vir os americanos em socorro como aconteceu na 2 guerra mundial
Gosto · Responder · 7 min
Mário Rui Oliveira
Mário Rui Oliveira Acho uma piada ... a Australia recusa-se receber os refugiados, mas o outro é que é mau ...
Gosto · Responder · 17 · 1 h
Richard Sousa
Richard Sousa Amigo nao foi a australia que comesou estas guerras mas sim o usa.
Gosto · Responder · 9 min
Victor Avila
Victor Avila Felizmente hoje qualquer cidadão do mundo pode ter acesso às redes sociais e mostrar o que o filtro de muitos orgaos de comunicação social impedia de se conhecer ou evitar uma formatação colectiva das mentes...
Tiago Costa
Tiago Costa Nunca o mundo precisou tanto de um classe jornalística imparcial e profissional. Não é isso que está a acontecer. Teremos mesmo de ser nós. Estamos numa altura em que cada um terá de ser um verdadeiro jornalista/cidadão. Analisar e difundir os factos e pensar nas razões e consequências do mesmo. Sem exageros, ideologias ou sensacionalismos, como o que aqui se vê . Não se pretende, por isso, defender ou atacar este ou aquele mas sim pensar em todos por igual com a frieza e distancia necessárias. Alvo?!!!!!!!Qualquer novo chefe de estado tem de rever todos os dossiês do seu antecessor e perceber se encaixam ou não na situação actual. Há custa disto é o que os media ainda não perceberam pois podem saber escrever mas marketing político estão às cegas. Toda esta campanha só está a fortalecer o Trump e a levantar por todo o mundo consciências nacionalistas. E Portugal não é excepção.
Gosto · Responder · 1 · 32 min
Mauro Martins
Mauro Martins Ora então, em menos de duas semanas já há problema com México, Australia, Irão, Iraque e basicamente toda a Europa... Tá certo...
Gosto · Responder · 4 · 50 min
Richard Sousa
Richard Sousa Da para ver o calibre do homem nao consegue comviver com nimguem tou a ver k vai isolar a america do mundo.
Gosto · Responder · 7 min
Luis Reis
Luis Reis Que mal fez o Trump à Europa ? O problema dos governos europeus é a hipotese do sucesso de Trump. Reparem o Trump não é politico de carreira e está a fszer algo que os politicos de carreira não fazem: Cumprir as promessas. Se Trump tem êxito e coloca os EUA na senda do progresso os europeus serão tentados a votar em " não politicos" gente que nunca viveu à sombra do orçamento e os politicos de carreira ficam no desemprego. Os jornalistas zurzem no Trump porque este não lhes dá bola , usando as redes sociais para comunicar com os eleitores. O sucesso de Trump Será o fim dos politicos carreiristas e dos jornalistas e comentadores que perderão importância. ESTE É O VERDADEIRO MOTIVO.
Gosto · Responder · 6 min
Teresa Silva
Teresa Silva Quando era miúda adorava ler livros de histórias encantadas . Tudo era complicado o enredo da história mas tudo acabava bem . Hoje adulta vejo as coisas diferentes a realidade da vida é bem mais dura . Hoje a vida sem realismo por parte de alguns que nos governa deixam de ser o (HERÓI ) da história . É assim que a (HISTÓRIA) de uma vida sem encantamento .
Victor Avila
Victor Avila Mais um pesente envenenado de Obama que o novo governo americano desembrulhou e que terá de resolver...
Gosto · Responder · 5 · 1 h · Editado
Antonio Moreira
Antonio Moreira Quem disse que os australianos eram parvos?
O Obama estava disposto a trocar refugiados iranianos por refugiados de El Salvador e Honduras.
Quem ganhava?
Gosto · Responder · 1 · 57 min
Samuel Rodrigo Pinto
Samuel Rodrigo Pinto A Austrália :D
Joao Pereira
Joao Pereira Observador, observador, que conversa é essa de alvo? Andamos muito em baixo. Precisam assim de tantos cliques?
Gosto · Responder · 3 · 57 min
Yolande Rachel
Yolande Rachel 2 errados não fazem um certo!
Gosto · Responder · 1 · 31 min
Joao Pedro Placido Vitoria
Joao Pedro Placido Vitoria Para a próxima, ele que telefone ao "presidente" Australiano...
Mário Reis
Mário Reis Mandem-lhe um bomerang à tola para o acalmar!
Gosto · Responder · 1 · 1 h
Maria Carita Ramalho
Maria Carita Ramalho A criatura em duas semanas está em pé de guerra com meio mundo 😏
Gosto · Responder · 1 · 33 min
Paulo Baptista
Paulo Baptista Vai despejar o Lixo à tua Porta Aussie!
Luis Sobreiro
Luis Sobreiro Mais uma "noticia" com muitas meias verdades.
Alexandre Marvanejo
Alexandre Marvanejo Cada vez gosto mais do Presidente Trump.
Gosto · Responder · 7 min

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.