sábado, 4 de fevereiro de 2017

Sobre a “eficácia” e “eficiência” social e financeira da política económica do Governo – elementos sobre a dívida pública e as prioridades económicas e sociais



Eneas Comiche
2 de Fevereiro de 2014 ·


Mensagem que nos foi enviada ontem de
Carlos Nuno Castel-Branco

Sobre a “eficácia” e “eficiência” social e financeira da política económica do Governo – elementos sobre a dívida pública e as prioridades económicas e sociais

Ponte Chinesa
Extensão: 42Km
Custo Total: 2.4 Biliões de USD
Custo por Km: 57 milhões de USD

Ponte Catembe
Extensão: 3Km
Custo Total:725 milhões de USD
Custo por Km: 242milhões de USD

Se a ponte Chinesa fosse construída em Moçambique custaria 10.122 Biliões de USD.
Se a ponte moçambicana fosse construída na China custaria 171 milhões de USD.
Outros dados comparativos: o custo da ponte chinesa foi equivalente a 0,02% do PIB e 0,05% das receitas fiscais na China. A ponte da Catembe terá um custo equivalente a 5% do PIB e 25% das receitas fiscais de Moçambique.
Juntando a dívida pública associada com a ponte da Catembe, a EMATUM, as acções da HCB e o estádio nacional do Zimpeto (apenas 4 projectos, qualquer um deles muito difícil de ser considerado prioritário para o país, dado o actual ambiente económico e social moçambicano), atinge-se o valor aproximado de US$ 2,7 biliões, isto é 90% das receitas fiscais e 18% do PIB de Moçambique.
Tomando em conta a informação pública sobre as condições dos empréstimos para estes projectos, só os juros do serviço desta dívida ascenderão a US$ 190 milhões por ano (excluindo a amortização do capital), o que é equivalente a aproximadamente 6% das receitas do Estado. Se a amortização do capital for também tomada em conta, o serviço de dívida destes 4 projectos não prioritários ascenderá a, aproximadamente, 13% das receitas do Estado. Este valor já equivale ao orçamento anual da educação ou saúde, ou é igual a 80 vezes o valor total do pacote de subsídios às pequenas e médias empresas aprovado para todo o mandato de 2010-2014.
Se juntarmos a esta a restante dívida acumulada e decorrente de outros projectos deste tipo, poderemos chegar à triste situação de cerca de 40% das receitas anuais do Estado serem para pagar a dívida de investimento público em projectos que nem são prioritários para o desenvolvimento alargado do país e para o combate à pobreza.
A estes valores podemos adicionar outros custos para a economia decorrentes da actual política fiscal do governo, que preconiza o financiamento directo da formação da grande burguesia financeira nacional em aliança com o grande capital multinacional. Primeiro, para manter a dívida dentro dos parâmetros acordados com o FMI, apenas na sequência do projecto EMATUM o governo já anunciou que vai cortar alguns projectos de investimentos: uma estrada, a grande barragem da Moamba e uma zona económica especial. Este é um arranjo de ultima hora, e sem mais informação é difícil decidir se o arranjo é melhor ou pior que o problema original. Que projectos foram ou serão cortados para dar lugar às outras dívidas? Segundo, doadores já anunciaram que estão a pensar cortar ajuda geral ao orçamento do Estado por causa da falta de transparência na contracção de dívida e planeamento da despesa pública. Alguns doadores interrogam-se sobre a necessidade e os riscos de o governo de Moçambique continuar a receber ajuda, que lhe permite entrar em arranjos financeiros duvidosos. Terceiro, parte considerável da dívida resulta dos subsídios fiscais a mega projectos, obrigando o governo a recorrer continuamente à venda de dívida pública na economia doméstica e no mundo. A venda de dívida na economia doméstica incentiva o instinto especulativo do sistema financeiro comercial e afasta-o da pequena e média empresa; contribui para manter as taxas de juro comerciais elevadas apesar de as taxas de referência baixarem, gerando uma inconsistência estrutural entre a política fiscal e a política monetária; torna o capital para a pequena e média empresa mais caro e mais escasso e desincentiva o investimento, a criação de emprego e a diversificação e alargamento da base produtiva e fiscal; e obriga as instituições públicas a pressionar o resto da economia e do rendimento nacional (excluindo multinacionais, claro) para aumentar a receita fiscal, o que pode ter impactos sérios nos níveis de poupança e investimento.
É letal, esta combinação de subsídios fiscais para o grande capital multinacional – associado ao capital financeiro emergente em Moçambique – com prioridades de despesa pública que servem esse capital financeiro mas não permitem alargar a base de desenvolvimento. Daqui resultam custos monumentais para o estado, benefícios mínimos para a sociedade, e lucros monumentais para o grande capital multinacional e o capital financeiro oligárquico nacional em emergência. Este é um resumo da natureza de classe da política económica vigente. Não admira, pois, que a economia cresça tão depressa, com tanto investimento, com a aceleração das exportações, mas com muito pouca eficácia na redução da pobreza, altos níveis de afunilamento, pouco emprego, bens e serviços básicos de má qualidade e caros (em especial os alimentares) e altos níveis de porosidade.
São precisamente estes governantes, que esbanjam o presente e o futuro do Estado e do País em projectos de auto-estima ou de enriquecimento de oligarquias financeiras nacionais, que depois nos vêm dizer que os mega projectos ainda não produzem riqueza (apesar de já estarem a transferir o equivalente a 6%-9% do PIB anual de Moçambique para o exterior, em lucros e despesas de serviços), que não há rendimento para distribuir, que primeiro é preciso criar riqueza antes de a distribuir. Mas porque é que este moralismo financeiro não se aplica às multinacionais e às grandes obras de formação de oligarquias financeiras nacionais? Porque é que apenas as expectativas das classes de rendimento médio e baixo e das pequenas e médias empresas têm de ser geridas e controladas, enquanto as expectativas dos bancos, do capital multinacional e do capitalismo financeiro nacional são satisfeitas imediatamente?
A agravar tudo isto, nenhum destes projectos de luxo foi debatido a sério no Parlamento e outros fóruns democráticos. Estes projectos seguiram processos de aprovação que violam a Constituição e as regras orçamentais. O da EMATUM, então, foi de extremo secretismo – nem o Banco de Moçambique nem o FMI sabiam.
Penso que o governo pode ter errado (todos erram, pelo menos de vez em quando) ou sido enganado em alguns casos, mas em outros casos os números foram bem calculados para servirem os interesses capitalistas a que se associam. O problema é que eles têm interesse na dívida - uns são sócios dos proprietários e dos gestores da dívida ou das empresas construtoras, ou das empresas multinacionais que recebem subsídios fiscais que são parte da causa da dívida, do negócio dos bancos, e do acesso a acções nas empresas sem realizar o capital dessas acções. Mesmo que não fossem pessoalmente interessados, a ideologia que o actual governo segue, de nacionalismo económico, é focada na formação de classes capitalistas financeiras nacionais que possam ombrear com o capital multinacional. O Estado não representa os interesses do País, mas os destas classes em formação; e são estas classes que hoje se dizem representativas dos interesses nacionais. Eles não têm postura de Estado, mas de capitalistas financeiros; e o seu nacionalismo resume-se à sua nacionalidade, pois não se importam de vender as riquezas do País, mesmo que isso custe pobreza para muitos, ao capital multinacional e a baixo custo – a terra, as florestas, a água, os recursos minerais, o gás e o petróleo e, acima de tudo, os trabalhadores e as suas esperanças.
Nós todos vamos pagar esta dívida pública com sacrifícios assumidos pelas classes trabalhadoras (de rendimento médio e baixo) e pela pequena e média empresa: com más estradas, péssimos sistemas de transporte público (de pessoas e mercadorias), educação de baixa qualidade, centros de saúde sem medicamentos, funcionários públicos (incluindo pessoal da saúde e educação) desmotivados, falta de segurança pública, cortes de energia e água, deficientes sistemas sanitários, ausência de sistemas de serviços de apoio à produção mais alargada e diversificada, etc.
Tudo isto será justificado por o país "ser pobre" para fornecer esses serviços e motivar os seus funcionários, mas no entanto já é rico para subsidiar multinacionais e o capital financeiro nacional, e para desperdiçar dinheiro em obras de auto-estima ou de promoção de acumulação capitalista primitiva improdutiva, que não resolvem (pelo contrário, agravam) os problemas da maioria pobre do nosso povo, embora enriqueçam os donos e gestores dessa dívida (imaginem o lucros a serem feitos pelos bancos que fazem a gestão desta dívida e do endividamento que se seguirá para pagar esta dívida).
Os que pensam que o nosso único problema é a guerra, e que finda a guerra podemos ter mais do mesmo tipo de governação económica, então tentem pensar nestes dados, oficiais, e nas implicações negativas que isto tem para a maioria da população e para o futuro do país. Tentem pensar nas muitas “guerras” e “revoltas” que podem surgir como consequência da injustiça social, económica e política, mesmo depois de a Frelimo e a Renamo consagrarem os seus acordos de não-agressão. Pode ser que deixemos de sofrer a ameaça de balas de chumbo da Renamo, mas vamos ficar ainda com a realidade da desesperança económica e social para a maioria dos moçambicanos, enquanto nos dizem que estamos a seguir o caminho da prosperidade para todos. E se estes moçambicanos se começarem a revoltar, as balas de chumbo vão voltar, desta vez da FIR e das Forças Armadas contra trabalhadores e pequenos e médios proprietários em crise.
Temos de reverter isto rapidamente para que os cidadãos possam tomar conta das suas finanças, das suas contas, das suas opções e dos seus destinos. Os deputados e os cidadãos têm de aprender o que devem discutir e como sobre as finanças públicas e, na sequência disso, aprender a ler os números e a fazer exigências concretas e fundamentadas relacionadas com a política económica e as prioridades nacionais. Temos que aprender a fazer isto, tanto sobre as receitas (como é que o Estado é financiado e porquê), como sobre as despesas (o que é que o Estado financia), bem como sobre a relação dinâmica e económica (não só contabilística) entre despesa e receita e entre o financiamento do Estado, as prioridades de despesa e a economia mais em geral.
As finanças públicas são PÚBLICAS, quer dizer, do povo. Quem não entende isso, não está em condições de governar com os cidadãos para os cidadãos.
O país não vai aguentar muito mais este tipo de governação económica e social. Mas as opções de Guebuza e dos seus discípulos são inquestionáveis, não são? Ou já não são mais? O que queremos que seja o nosso futuro?
Portanto, os que querem apresentar-se como alternativas, dentro ou fora da Frelimo, só o serão se responderem a estas questões e procurarem soluções para estes problemas. Ninguém é alternativa apenas por ter outro nome ou outras alianças políticas. Alternativas têm que ser para as grandes questões de governação económica, social e política. Vamos lá discutir estas questões.


Gosto


Gosto

Adoro

Riso

Surpresa

Tristeza

IraComentarPartilhar
Comentários principais
481481
290 partilhas
194 comentários
Comentários


Escreve um comentário...





Francisco Junior sempre a dizer, sem se cansar

Gosto · Responder · 55 · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:38 · Editado


Helder Maria Herminio Lopes Alex, poupe-nos... Ja nao temos mais ''graxa'' para escovar a ninguem... Acorda tu. A que te referes quando dizes trabalho espetacular do presidente? Por que falas tao bem do governo se ao virares na primeira esquina existe gente que dorme sem comer? Se o pais desenvolve por que a tendencia das pessoas ficarem com ''prato vazio''? O povo nao esta a pedir mancoes e nem carros de luxo. Eu sou povo e sei o que e prioritario, todos queremos comer, chegar a paragem do chapa e nao ficar 2 horas na bicha, nao pagar universidade privada de 5 mil quando o salario minimo nao chega a esse valor, ser ecoracado pela policia por falta de BI e a mesma diz esta a lutar contra a criminalidade, andar na rua sem ter medo de ser o proximo a ser sequestrado porque ha quem da informacao de quanto tenho na minha conta bancaria... Por favor, voce ganha algo com essa publicidade que faz dum pais pobre e com dirigentes tao ricos.
Gosto · Responder · 26 · 3 de Fevereiro de 2014 às 11:32


Nelson Jose da Silva Palavras do Prof. Castel Branco. Admiro esse académico.
Gosto · Responder · 9 · 3 de Fevereiro de 2014 às 1:58


Alfredo Paulo Gostaria de dizer a esse tal Jose e Thomas que comam calados. Nao é justo a virem aqui defender um governo completamente mafioso. Esta Frelimo nao governa para o bem do nosso povo. As contas nao mentem. A prioridade deste é sempre para o lado que lhes permite sacar dinheiro injustamente. Viva black empowerment? Desgraçado! Confudes o roubo com empowerment? Outros sriram-nos aos olhos com esta areia chamada racismo para nos enganarem. Essa tactia já nao pega e nem cola em mais ninguém. So serve para um punhado de malfeitores como estes dois acima mencionados.
Gosto · Responder · 6 · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:21


Tchutchu Vieira poucos não conseguem perguntar isso a Guebuza,enfim prof Nuno Castelo Branco consegue.
Gosto · Responder · 5 · 3 de Fevereiro de 2014 às 1:41


Kjb Banze Nao consequem por medo
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 11:27


Lameque Zacarias Meque xpero k exa mensagem chege a todos os potenciais eleitores em gurue e n so...
Gosto · Responder · 1 · 4 de Fevereiro de 2014 às 12:29


Escreve uma resposta...





Ozias Mungoi Jr. O maior problema e' que o estado mostra-nos a obra e nao o suor e sangue que pagaremos por ela. Arisco a dizer que 99% dos mocambicanos nao sabem nada sobre isto.
Gosto · Responder · 4 · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:50


Armindo Joaquinho Gente pelo k vejo todos os Moçambicanos acordaram, meus irmão o ano é este vamos mudar a situação em k se encontra o nosso belo país não se eskecendo uma pergunta k não ker calar "CAMARADA PORQUE NÃO ABANDONA A FRELIMO?".
Gosto · Responder · 4 · 2 de Fevereiro de 2014 às 23:38


Humilde Macário Patulane Ou melhor, prk k publicas ixo uma vez k vc é um 'camarada'? Ou já n é?
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 21:32


Obadias Armando Cassimo Matimbe Viva Frelimo
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 7:46


Albinocristao Cristao na tua casa viva mas para nos morra!!!
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 10:04


Escreve uma resposta...





Carlos Nuno Castel-Branco Em resposta a alguns comentários e comentaristas que em vez de discutirem o texto e os dados (os dados são oficiais, de fontes oficiais, não são inventados por mim) preferem atacar com atitudes racistas ou acusações de mão externa ou insinuações sobre a mihha ligação com alas e partidos políticos, ou qualquer outra banalidade dessas (as coisas habituais dos que não têm argumento - falsificar a mensagem e tentar "matar" o mensageiro para ver se consegum que ninguém preste atenção à mensagem real), para esses, aqui fica o estracto de um texto de Samora Moisés Machel, da sua obra "Estabelecer o poder popular para servir as massas", publicada em 1974. Leiam esse texto, e talvez possam entender o meu. Abraços. Aqui vai o texto:

"Não é governando com um Estado concebido para oprimir as massas que se pode servir as massas.

«Africanizar» o poder colonial e capitalista retira o sentido à nossa luta. Para que serviria a luta se continuássemos submetidos ao trabalho forçado, às companhias, às minas, mesmo se tudo estiver cheio de gerentes e capatazes africanos? Para quê o sacrifício se continuarmos a ser obrigados a vender o gado e o algodão, em feiras que só beneficiam os comerciantes, mesmo se estes forem africanos? Qual a razão de ser de tanto sangue, se no fim continuássemos submetidos a um Estado que, mesmo se governado por moçambicanos, só serve os ricos e os poderosos? Como manter uma polícia que prende e tortura os trabalhadores, guardar um exército que dispara contra o Povo, mesmo se todos os generais forem pretos?

Um Estado de ricos e poderosos em que uma minoria decide e impõe a sua vontade, quer a aceitemos ou não, quer compreendamos ou não, é a continuação sob novas formas da situação contra a qual lutamos.

A questão do poder popular é a questão essencial da nossa Revolução."

(Samora Moisés Machel. 1974. Estabelecer o poder popular para servir as massas)
Gosto · Responder · 6 · 4 de Fevereiro de 2014 às 11:46


Celso Cossa Quando uma economia como nossa regista um crescimento acelerado a custa de megaprojectos deve existir alguma explicação porquê continuamos a ter os mesmos problemas de pobreza. Caro Dr Castelo Branco explicou bem como o nosso governo subsidia as multinacionais cobrando mais os mais empobrecidos. Nem sempre é visível este esquema para um cidadão comum. Mas a explicação é simples, a taxa de imposto (IRPC) em Moçambique é de 32%. Se alguem deixa de cobrar essa taxa para aquelas megaempresas mais rentaveis está a subsidiar os investidores dessas empresas. E se por outro lado alguem alguem contrai tanta dívida para financiar a compra de navios de Ematum, MIG21, etc, o pouco do rendimento que for cobrado nos megaprojectos será usado para pagar as dívidas e nunca para melhorar o bem estar da sociedade em geral.
Gosto · Responder · 3 · 3 de Fevereiro de 2014 às 16:24


Helder Maria Herminio Lopes E a quem a Carapuxa serviu... Que se suicide.
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 14:20


Rogerio Novella Ha cada tipo e cada lambi bota....
Gosto · Responder · 3 · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:43


Alex Paulo Dos Anjos Sofram ingratos sofram, pelo menos estão a sofrer com alguma dignidade... Haja paciência para retornar ao tempo do salve-se quem poder, onde qualquer um podia ter milhões a esbanjar nas barracas e nas zonas quentes, sinceramente. Qual estudo qual queh, algum estudante de economia e/ou de Estatística, pode me dizer quanto Mocambique perdeu durante os 18anos de Poder da ALA que este POST está tentando defender? Dívida? Até EUA tem dívida... Queremos obras e não palavras bonitas e caras lindos para embelezar os gabinetes de promessas. Haja paciência!
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:27


Ismael Xicamane Alex Paulo Dos Anjos, com todo o respeito podes me ajudar com umas pequenas inquietacoes que me roem a memória? Eu entendo e respeito a tua posição, alias contra factos nao ha argumentos. Olha meu compatriota, discutir pessoas (alas) é uma perca de tempo. Vamos nos unir e construirmos um Moçambique melhor. Porque muitos dos feitos de hoje é uma continuidade do ja iniciado. Porque se assim nao assumirmos vamos recuar a cassete para um par de mandatos. Por onde anda a BAC (brigada anti-crime)? So fraturou ossos dos policias e ficaram de baixa nas ortopedias... Onde está a revolução verde, o projecto de biocombustivel (jatrofa se nao me engano); onde estao os beneficios da famosa frase ... Cahora bassa é nossa; onde estao as mais valias do gas natural de panda e temana; quem foi que deixou o povo moçambicano em terra por medo dos ataques na zona centro do país; quem foi que reintroduziu o famoso "my love" (aquele chapa 100 em caixa aberta); os raptos; as greves na função publica e na sociedade; os incedios dos ministerios e do payol; o culto de perseguicao (prisao de manhenje); banquete com transmissao ao vivo enquanto o povo afogava nas cheias; epah é muita merda...
Gosto · Responder · 4 · 3 de Fevereiro de 2014 às 16:02


Ismael Xicamane e ainda nos pede a paciencia. Eu nao sou de comentar aqui mas certas coisas provocam uma colera
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 16:03


Escreve uma resposta...





Martins Saiete Este e o governo que elegemos??? Vamos pensar para nao falhar mos da proxima outubro ta chegando........
Gosto · Responder · 3 · 3 de Fevereiro de 2014 às 6:06


Victor Severiano Munjjovo Poxaaah!!! Que tantas contas grandes a pagarmox meu Deus. Será que estámos a caminho do desenvolvimento sustentável, com uma extrutura edificada???

Enfim, obrigado Prof. CASTELO BRANCO.
Gosto · Responder · 2 · 2 de Fevereiro de 2014 às 22:47


Antonio Pereira A herança que este governo vai deixar ao povo Moçambicano, vai de facto ser pesada.
Gosto · Responder · 1 · 4 de Fevereiro de 2014 às 15:31


Carlos E. Nazareth Ribeiro O artigo do Professor está muito equilibrado e vai directo ao assunto. Pena é que os jornais que se dizem de maior audiência não publiquem análises destas, que serviriam para uma mais ampla consciência dos problemas reais que temos.
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 19:44


Paula Fonseca Tao acumular grandes fortunas comecando pela filha k e uma das mais ricas d mundo e por lado lado as criancas n tem escolas ,carteiras, hospitais trist mxm
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 15:27


Luis Virgilio Janela Eu ja estou acordado so infelizmente nao sei o que fazer para fazer face a este equivico que o nosso governo faz com esse pais. Socorrrrrrrrrro
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 10:31


Livio Barros Entre ter bosses que não fazem obras para o povo e constam da lista dos mais ricos de Moz e termos outros que constroem a pesar de também fazerem parte da lista dos que mais roubaram, o que mais interessa? Vão ver se estou na esquina, esta ala guebuziana joba mais que a ala chissaniana que pouco ou nada fez durante 18anos de poder, o dobro dos anos de governação da ala em questão agora, mas que está fazendo maravilhas que os invejosos não estão a aceitar. Tudo porque querem nos enganar de novo. Relaxem no banco até chegar a vossa fez de jogarem.... Kkkkkkk
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:36


Zeddicus Zul Zorander Com certeza.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 22:56


Escreve uma resposta...





Ismael Agy Algumas pessoas perdem a oportunidade de ficarem caladas nos seus comentários, como desta vez não quero ofender LAMBIBOTAS, SÓ POSSO DIZER QUE O T.P.I EM HAIA É QUE RESOLVERÍA CERTOS ASSUNTOS
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:24


Açucena Cesaltina André Por isso é que os salarios dos funcionarios de estado cuntinua magro, e os funcionarios nao satisfeito c0m isso c0meçam com as greves e manifestações, mandam tanto dinheiro para o exterior e quem sofre são as populações, vamos lá ver essa questão..
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 5:01


Casa Minhota Bem apresentado! Mas muitos nao vao querer perceber,a verdade que vc apresenta,pk o k importa eh a palavra, DESENVOLVIMENTO,e nao os verdadeiros Custos,de tal. Tambem maior parte nao serah no tempo deles que seram pago esses custos.
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 0:58


Arlindo Nhantumbo De Facto questoes pertinentes.temos que olhar nao só o presente mas o futuro.temos um endividamento que póe em causa a soberania.nao teremos um pais jâ acorrentado e amordaçado ? um estado alienado a cair na hipoteca.sao angustias e espaços de autenticidade em crise.e serà cada um de nôs a pagar a factura.pela transparência e por uma sociedade de justiça social e ecónomica.sem esta reflexao teremos um pais na bancarrota e refém do capital estrangeiro,acompanhado de graves convulsôes sociais.
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 0:17


CelestinoBetinho McTino O povo xta cm frele, é normal haver alguamx lacunax mx n pudmx mudar d partido, lembrem-se, a frelimo quando promete cumpre, frelimo hoye
Gosto · Responder · 2 · 2 de Fevereiro de 2014 às 23:47


Casa Minhota E a responsabilidad do partido eleito perante os cidadaos.? Eh soh fazer Besteiras,e,o POVO, k s LIXE.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 1:02


Juvencio Mingo Frlimo hoye o ke?
Por acaso seus filhos, parentes ou familiares tiram proveito com a situaxao actual?
Acorda, a Frel n representa e nem defende os interesses nacionais mas sim iteresses dakeles menbros que poem camisetes de gola e especiais pois ja foi visto k no mesmo partido existem 3 grupos nomeadamente:
1. Os de camisete sem gola e totalmente vermelha.
2. Os de camisete com gola e totalmente vermelha.
3. Os de camisete com gola e fabricados c tecido especial, a este grupo o Sr n pertence pois e d pesada ex: guebas, paunde, l. Diogo,......
E o c entre 1 e 2 onde esta encostado?
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 5:50


Escreve uma resposta...





Alexandre Langa Falta de coerencia. Existe um elevado sentido d oportunismo privado em deterimento das necessidades publicas.
Gosto · Responder · 2 · 2 de Fevereiro de 2014 às 23:22


Gerson Marques Pereira Xe em todax ax urnax d votaxao for feito akilo k fazem na beira frelimo perde... Vamux votar i ficar nax urnax ate xair o legitimu vencedor
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:54


Felix Barreto da Costa Meu Deus! o pior eh que a maioria da populacao mocamb. eh analfabeta. como abrir olhos se o ensino nao tem qualidade?! Avance Dr Castelo Branco!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:22


Natercia Timane Ate quando o mundo vai terminar d regenerar para ver a nova era dos justos?
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:19


Messias Jesus Jr. Triste realidade!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:02


Nelson Arnaldo LopesPires Pires A verdade e q a ponte construida na China, EUA, Brasil, Africa do Sul so para dar exemplo nunca tem mesmo valor Castelo Branco e outros facam estudo comparativo de um Pais por cada continente e para terminar precisamos desta obra e outra ou nao para reflexao.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:58


Lucas Alberto Junior Massango Temos uma oportunidade para mudar o governo se agente nao consiguir em novembro o inferno que nos espera
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:36


Amandio Mauro prezado prof.o pais agradece
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:13


Nenexu Carimo um dia s vai pagar com um cancro n ns pulmoes.....
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:03


Gil Andre Comé Comé OS Q TEM VAO MELHOR GERINDO,NOSSO PAIS POBRE MAS CADA VEZ GERINDO MAL ISTO TUDO PK QUEREM ENCHEREM OS SEUS SACOS AZUAIS Q O MAIS GRAVE SAO FURIDOS.QUE VERGONHA!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 7:56


Che Abdala Eu acho não seria boa ideia....eu vi como dirigiu o municipio de Maputo, não vale a pena
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 7:36


Helder Manhica lamentavel assim moxtra k continuaremx pobrex e cada vez mais refens da dependencia externa
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 7:27


Jorge Uaquihapala Isto é o prenúncio de um cataclisma econômico. Acabaremos estando na mesma situação de Portugal.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 5:06


Anselmo Nhane "Quem não tem número não tem direito a palavra." A maior recomendação nesse estudo.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 4:36


Pascoal De Castro lida observacai, acredito eu k kem leu tud isso, agora cnhece o pais em k vive. mas este ano vams mudar tudo, é so fazr uma boa escolha. open your ayis
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 4:20


Angélica Simões Mafumo Sbm e trist nao tnho comentario, apns o q psso dzr e q e lamentavel.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 4:04


Francisco João Impereca isso é aplicar a inteligência.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 1:45


Kensiwe Ollan Kayla Queco ...fiquei de boca e olhos abertos!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 1:31


Eduardo Chuquelane Vilanculo dizistmos de assunto e muito carro pha?
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 0:32


Bam Baptista k coixa tao incrivel pexoal
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 0:29


Guilherme Cristiano Vamos seguir em frente@mas, incuralados e q nao!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 0:29


Evaristo Antonio Cuambe É txova txova camaradas sigam em frente vamos consiguir!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 0:18


Jhoniz Dionisio Nhamue Diz se! E nao s efectwa, s tdaj a promexaj pelo menx fizesse 1 seria melhr pk diariamx k tentao e nao cnxeguem maj nem pa tentar fazr metad duk dizem.
Gosto · Responder · 2 de Fevereiro de 2014 às 23:52


Isaac Rumba Junyor Rumba Essax taix pontx ñ tão a ser conxtruid cá em mç?
Gosto · Responder · 2 de Fevereiro de 2014 às 23:48


Guilherme Jacinto M Matsombe nao ha pior coisa do ser conduzido por um cedo economicamente pra analisar e tomar decisoes maduras...mas tudo indica k ja consiguimos enxergar, porem o pior é o facto de continuar a enxergar carpiteiros a administrar pontos xaves duma naçao.
Gosto · Responder · 2 de Fevereiro de 2014 às 22:41 · Editado


Americo Muiambo Excelência peço colocar-lhe uma questão: por quê é que não sai da FRELIMO?
Gosto · Responder · 2 de Fevereiro de 2014 às 22:29


Santos Manuel Sitoe Sitoe Ta mal isso.
Gosto · Responder · 2 de Fevereiro de 2014 às 22:21


Dário Manhique Cituação complicada essa, dá nisso ser governado por "VAMPIROS" !!
Gosto · Responder · 2 de Fevereiro de 2014 às 22:21


Roberto Carvalho Irmãos este partido n poder tem o pais como ATM,,,,,,
K orçamento
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 11:58


Edmilson Dengo Não basta a guerro, querem sujar o nome do pais com dividas mal esclarecidas!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 2:41


Anacunda Bed Se bem que todos nos nao estamos vendidos e os nossos filhos e netos penhorados.
Gosto · Responder · 1 · 4 de Fevereiro de 2014 às 18:44


Euclides Da Flora 44 universidades privatizadas depois dizem todo mundo tem acesso a educaçào,com o salario nâo da para pagar uma faculdade privada,por vezes entrar numa publica é muito dificil visto que 5mil vagas para 32mil individuos,Moçambique sem vias de acesso,saude,educação,eletricidade,agricultura,elementos vitais para o desenvolvimento,porem neste momento a banca rota,em moçambique so ha desenvolvimento para a ala da frelimo,jovens parem de escovar,vamos ser revolucionarios.
Gosto · Responder · 1 · 4 de Fevereiro de 2014 às 18:17


Iolanda Jasser Jerimias Nguenha cantou,k comem entrem eles e dpoix ajudam nos a xorar,coitado do pato pk a galinha se vira.esses gajos curtem o povo e as 19 xtao no bar mimos a curtirem mas é melhor analizarem cmo os outros moreram pk vao se trair ixo nao vai falhar.pk o diabo sempre esta cm eles.
Gosto · Responder · 1 · 4 de Fevereiro de 2014 às 12:15


Helder Maria Herminio Lopes Thomas, por favor.
Se tu ou ele acham que e dificil dirigir, deixa pra os outros, alguem mandou?

Lembras do Savimbe, em Angola. Alguem em Mocambique tera o mesmo fim.
Agora tu, devias te envergonhar, va ao circo e poe vestido de bolinhas e nariz vermelho.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 8:43


Albinocristao Cristao voce k deveria ir ao circulo e dancar para a familia Guebuza
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 10:34


Escreve uma resposta...





Samuel Nguenha me parece k o prof castelo e do mdm de tudo quanto fala desde que iniciou ta me parecer k o prof castelo ta fazer campanha ak no fb para o mdm
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 7:17


Evaristo Emilia Maculuve este país esta maos d curruptos.que se lixem o guebas e seu discipulos.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 19:00


Nacer Choy Agora pergunta a esse mc Roger se percebe porque o professor castelo fica indignado com estes dirigentes?
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 18:57


Manuel Bude Parabéns Professor Nuno Castel-Branco pela sua brilhante contribuição. Os moçambicanos precisam de saber e conhecer a real situação do país e oque nos espera para o futuro. Sei que os lambe-botas não gostam quando o povo desperta, oque eles não sabem, é que já despertou.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 18:35


Mundefa Augusto Mundefa FRELIMO , tem bastante experiencia com muitos quadros espalhados em toda parte do Pais. evitem trazer polemicas ... isso que ta aqui nem o dono sabe , portanto tambem devem ser os ditos curupotos que fazem isso aqui, para quando ele ser eleito junto delapidarem a vida do povo, o que moveu voces criarem esta pagina? muito estranho a coisa por de traz de isso. so nos , ja nao somos cegos tamos a ver... deixe o Partido Frelimo fazer o seu trabalho.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 16:25


Albinocristao Cristao o trabalho de roubar o que e nosso por direito, voce tem cara de ladrao e curupto tambem.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 10:42


Luis Lifanissa Esta analise feita pelo castelo branco e serio! Este pais esta a ser lapidado pelos proprios lutador e combatentes! Esta-se mal!
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 15:01


Escreve uma resposta...





Julio Lacitela Ratos roem tudo, tudo. A dimensao das falcatruas destes governantes sao de deixar um homem comum tonto como barata
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 16:07


Che Abdala Simplesmente tramados , o meu neto,bisneto e... Endividados ate a ponta dos cabelos, não vejo outra saida se nao ,primeiro tirar esse regime do poder.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 16:05


RicoBoss Nhantumbo Ja ta na hora de darmos um basta a esses governates q ao em vez de nos servir serve-se do povo twmos q saber valorizar o nosso voto irmaos voto inteligente e racional o povo e q esta no poder
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 16:03


Xandu Inguane Todos estao a criticar o thomas porque ele contraria o castelinho?? Querem que todos sigam o catelinho porque o mano Gue bas o desativou porque nao falava antes so agora que esta fora sai a falar este senhor nunca foi criticoi quNdo vivia as cjsgas do povo
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 15:27


Chitamef Chiraf Bela aritimetica! So viria de um economista nao crata (nao politico)
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 14:42


Filipe Nhalungo Vamos discutir estes dados Dr. Nuno, pena que muitos sao avessos aos numeros, ou seja, a Artimetica.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 12:18


Ecelino Moiane Uma analise aplausivel e rica... Mas nos jovens que rumo podemos tomar para poder reverter ou minimizar essas situacoes lastimantes que estam deixando lacunas que acabam virando cancro para nos jovens e o povo em geral...? Sem contar com os familiares desses famintos gulosos
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 11:33


Amilcar Joaquim Inguane Felizmente estamos no país de "PANDZA" aonde ser governante lhe dá o direito de mexer com o bolso dos outros a seu belo prazer. ....
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 10:22


Preto Bonito o maior proble do governo mocambicano gosta muito de comissao.por isso soube os custos das obras e compras de bens sem qualidade.a metade do custo ou mais que a metade vai p seus bolsos.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:56


Carlos Mulhovo Mulhovo Sim senhor ...!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:24


Silvio Machachane Ja alguem disse uma vez..."O cabrito come onde esta amarado", so jesus deu a vida pelos homens. Entre nos...em fim vamos tentando mudra a ver s encontramos algo de jeito um dia, a ideia e' nao ficar parado a ver estas atrocidades. K venha o proximo, eu quero votar
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 9:06


Edson Raimundo Matusse Mais uma aula magna do professor.
Devemos apreender de uma vez por todas a fazer esse tipo de análise e questões que tanto contribuem para entender como a economia e a política se relacionam e como nós cidadãos podemos pressionar o governo a mudar de atitude.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:54


Helder Rosario Do Rosario A verdade doi,mas,tem de ser dita....
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 11:19


Escreve uma resposta...





Mangonde Matumatawane Mawayela Esta na hora d tirar a corja assassina do poder a todo custo.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:26


Antonio Zacarias mas ainda ha gente que marcha a favor dos feitos de Guebuza!
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 8:08


Alide Cheamade Cheamade Bela observacao assim o pais vai ao presepiçio!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 7:55


Juvencio Mingo Os moxambicanos dormiram por muito tempo, agora esta sonecar pois muitos de nos conseguimos avaliar uns e outros pontos de delapidaxao da riqueza nacional, saqueamento dpo herario publico, e vivemos uma consequencia grave desta governaxao da Frelimo. Ora, precisamos acordar pois dados apresentados aqui sao para ilucidar os menos estudados e atenciosos.... Bem haja boa vontade Dr Castelo e muito obrigado por nos por com balde de agua gelada em plena soneca.... Governo da Frelimo nao se difere do colonialismo portugues k deu cabo do nosso pais outrora. Este governo e 100% colonialismo de raxa NEGRA.....
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 5:39


Ibn Jamal Muhammad Moxambcanx ate kuand ek vamx cntnuar cm olhos fexadx. Ele rico o pais pobre dont vm o money dle?
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 2:31


Ibn Jamal Muhammad Brincadeira uk é ixo? Moçambicanx ja viram exe cara d aguebaz levou dnhero meteu n seu bolso e dxou nx cm dvda.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 2:25


Nuro Nadir Amir Nuro Não é lavagem do dinheiro do povo isso?
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 2:13


Thanders Macamito Thanders Macamito Ondem vendem cadeia o que si espera mais
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 1:37


Antonio Pimentel Isso merece uma reflexão e respectiva discussão pública
Gosto · Responder · 1 · 2 de Fevereiro de 2014 às 22:35


Vania Pinto Gosto de constatcar (orgulhosamente) que muitos deste jovens, a maioria, ja comecou a aperceber-se da (triste) realidade!!!!!!!!! Parabens :)
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 16:29


Antonio Forjaz Muito bem escrito. Era bom todos lerem isto e reflectirem.
Mas para isso é bom saber ler e interpretar o que esta escrito e entender bem que no fim é para o bem de todos que todos estejamos bem......
Gosto · Responder · 1 · 4 de Fevereiro de 2014 às 8:24 · Editado


Evaristo Matissone No Pais do Pandza.Os dirigentes sao ricos e o pais Pobre.
Abaixa a corrupcao.
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 14:49


NhamissöröDikôkô Sacur O papai samora ja prévia o futuro de Moçambique, qndo dizia que o ambicioso e o ganancioso é capaz de vender a patria em beneficio próprio, o nosso país não é pobre, mas sim tem pessoas pobres que colocam o país pobre e podre, tenhamos esperança irmãos, como é sabido que DEUS escreve certo por linhas tortas, isso serve d um aprendizado, se queremos mudanças, agente tem que mudar de mentalidade, um verdadeiro chefe tem que ser lider e não ditador,:tem que pensar que nem branco, nas futuras gerações. ..loolzao

Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 12:07


Zaida Issa Sempre bla bla ate parece k n tem esse valor so sbem encher vossas panxas
Gosto · Responder · 1 · 2 de Fevereiro de 2014 às 22:31


Baptista Rodrigues Thomas Wiliam Lipapala, para a desvenda de situações omissas relativamente a matérias diretamente ligas ao mundo económico no qual uma sociedade como a nossa "dotada de insuficiência de informação " encontra-se inserida, não submete nos a uma obrigatoriedade de alargamento/ampliação das fontes de pesquisas, bastando para tal fazer a busca dum outro facto económico e humildemente fazer a devida comparação! À semelhança do #Prof_Dr_Carlos_Nuno_Castelo_Branco, que com tanto orgulho, e de forma plena, me identifico nesta pesquisa!
Na verdade o senhor devia ter vergonha antes pegar no seu telemóvel/computador e diante dos factos claros, fazer esses tristes comentários como forma de salvaguardar os vossos interesses políticos que empobrecem a nossa riqueza, e enriquecem a pobreza!
Agora relativamente a valores em causa envolvidos neste Mega Projeto "pelo seu exagerado financiamento" Pequeno Projeto "pela sua falta de participação direta no combate à pobreza e desenvolvimento e fora das nossas prioridades", é mesmo pa dizer que a economia do país, está a passos largos para uma plena decadência, a Ponte de Catembe, transparecendo o seu custo, é quatro vezes mais cara que a ponte da china! E daqui a alguns anos, com a amortização da dívida, passará a custar 40% das nossas receitas do estado!
É lamentável a situação caótica que o nosso Moçambique vive/sobrevive.
Gosto · Responder · 3 · 3 de Fevereiro de 2014 às 13:28


Jose Verniz Timoteo a maior parte do povo que se beneficia dessas obras nem esta preocupada com o quanto gastaram ou vao gastar,oque querem é facilidades para a vida.preferivel gastarem com essas infra-estruturas doque levarem tudo para o bolso deles.eu pelo menos prefiro alguem que me roube eu a ver algo a ser feito doque alguem que me vai roubar sem eu ver nada e para piorar as coisas ficarem na mesma.da proxima vez dr CASTEL BRANCO e CAMRADA ENEAS COMICHE tragam as contas do tempo que voçes eram dirigentes nos sectores que dirigiam.
Gosto · Responder · 2 · 3 de Fevereiro de 2014 às 5:12


Ssgulha Malhati Pra alem da sabedoria vamos ter k contar com a sorte forca Dr castel branco
Gosto · Responder · 1 · 3 de Fevereiro de 2014 às 1:37


Rogerio Dinis Akeli beijo
Gosto · Responder · 19 de Fevereiro de 2014 às 0:46


Telys Nacir Tcheda ha iya o povo quer mudaça mas o governo é automatico
Gosto · Responder · 18 de Fevereiro de 2014 às 18:25


Satar Fernando Atumane Descorda o Dr Castelo Branco aqele k nao ama sua patria,aqle nao ama sua descendencia,aqle k n ama o fraco e aqle k nao se interessa d sofrimento d pssoas inocentes. Dr. nao pare pr favr. Vc é um ds vrdadeirs heroi dsse fraco povo k tanto grita pdindo socorro mx n vem nenhum socorro afável capaz d limpar as suas lagrmas. Ai,ai,ai... K pena d meu belo Pais...ate quando,ate quando...
Gosto · Responder · 18 de Fevereiro de 2014 às 0:25


Meque Mucanua Tdo receita do estado vai pra um individuo!
Gosto · Responder · 5 de Fevereiro de 2014 às 21:02


Andre Mahanzule É alarmante Dr Castel Branco pena q nao haja coragem para encarar esta situação. Nos outros somos sistematicamente embrutecidos nesta matéria de tal sorte q os poucos lúcidos parecem loucos ante tão numerosos aplausos ao regime do dia. Em fim venha dai a mudança.
Gosto · Responder · 5 de Fevereiro de 2014 às 18:52


Tony Simon II A ignorancia por vezes faz-nos estúpidos.Este texto é tão lúcido,tão explicativo e de alguma forma a discussão dos temas aqui apresentados ia ajudar a este maravilhoso povo a sair do marasmo em que se encontra e no fim aparece-me um(....)a discutir a composição do Partido?Qual é a relevância disso perante os factos?Qual?Que espécie de pessoas são estas que querem manter o povo na mais completa escuridão?Que espécie de pessoas são estas que jamais discutem ideias mas no entanto estão pré-dispostas a atacar?
Isto é tão frustrante!
Políticos...mas sem políticas!

P.S. Ahhhhh,tem também outros que ao invés de questionar,limitam-se a aplaudir/apoiar.Esses são piores do que os primeiros, porque vão difundir através de slogans esquisitos aquilo que não entendem,levando assim a estupidificação de um povo(opsss...a parte dele).
Gosto · Responder · 5 de Fevereiro de 2014 às 6:55


Valder Pedro Bem dito....Carlos Nuno Castel-Branco...
É impressionante ver como alguns ainda tentam cegar o povo...com meros discursos (de meia tigela) engrandecendo a Frelimo.... e ainda ameaça dizendo: melhor não tentar distrair os q trabalham
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 22:18


Arsénio Jorge Eu me espacto qdo aparece feguras de elevado prestigio a defender hipocresia. Ainda vao nos brindar cm mais falcatruas q andam a horquestrar. Este eh o começo.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 21:50


Ranger Man CONCERTEZA!
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 20:42


Fenias Julio Mandlate Euclides bravo apoiado vamos parar de escovar e agirmos.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 18:41


Angelo John Ver, ouvir e calar...
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 18:03


Sisqo Passe Epa, é complicado.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 17:56


Fenias Julio Mandlate Epahh fzr uké
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 15:20


Puto-klose Mondlane Penso k esta + do que na de nos como ''povo'' criar uma transparencia e realismo pra conosco atendendo aquilo que e o tipo de governo k ns detem..a posterior e important deixarmos de pensar ns problemas soment momentaneos + sim pensar de uma forma + ex...Ver mais
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 14:36


Tojo da Candelaria sem palavras
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 12:54


Artur Muando Boa visao, temos que continuar a lutar para acabarmos com isto!. Forca,forca...
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 12:34


Jaiminho Faria Xato
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 11:48


Kjb Banze Quando um governante olha bem no teu olho e descobre que o teu olho serve so para ver ele nunca vai parar de te visitar ate descobrir se ja a Alguma mudanca e quando for descobrir pensa 1000 vezes
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 11:23


Victor Severiano Munjjovo Esses valores metem medo, e na minha pobre matemática jamais aprendi.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 11:22


Guilherme Tamele Análise clara e minuciosa de quem percebe de macro-economia que deixa pelada a governação danosa do governo actual. Pena que haja poucos acádemicos como Dr. Castel-Branco com corajem p fazer este tipo de denúcias.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 10:48


Mba Mutxangana Bila Meu caro Mundefa vejo algo ganhas a erar no que dises nao seja um lambibota de grande escala se nada tens a comentar o melhor è ficar no seu canto
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 9:23


Mba Mutxangana Bila È de congratular um camarada com visão como o Prof Dr Nuno Castelo Branco
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 9:20


Ndila's Da Veronica Francisco josé!!! Grandas palavras! Like.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 9:11


Diogo Sinalo E lamentavel sobrevivermos dkilo que temos na entrega dexe tal governo,se a revolucao n comexa conosco mxmu,axax k alguem fara por nos hoj em dia?portanto deixemox de reclamar enknto a melhor koisa a fzr pra termox algumax soluxoex,pensem nexe caso,meus companheiros de moz.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 9:03


Edson Bailarino Manguele o comportamento d alguns pode sujar o nome d tods..nauh ee frlimo q fz vacabundagem dsculpm a esprexauh mas algumas pssoas q estam la dentro d partdo q sabotam sabotam pa dpois falarem mal d frelimo..vamos parar e pencer em alguns paises qndo um prsedent ministru nauh gverna bem o gvernante ee espulso pelo povo porq nos nauh fazrms o mesmo..agra nauh ee a vz ds riquinhos aquem esses dam dnheiro...agra ee noxa vz ee a vz dos jovns..si por acaso nos fzrms grave tds os jovns o pais nauh anda..mas esses governants dsprezauh a nos..eles lutam pelo o podr e quem sofre ee o jovem quem vai as matas ee jovem.mas na hora d governar semp estam presents na primeira capa d jornal..vams parar e pensar jovns so nos esse pais nauh anda o futro do pais ta em noxas mauhhhssss
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 8:44 · Editado


Edson Bailarino Manguele o cmportamento d alguns pode sujar o nome d tds.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 8:28


Carlos Sitoe Eu amo meu partido sabe fazer politica viva Frelimog.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 8:13


Momasflo Spn Este bicho d Guebuza k dizem e o nxxo prsisente e muit crupto..diz vamos acabar cm a pobreza enqwanto cinpra navios pr o bm dele dpos do mandato.e um aviao so k foi enagirad pela filha..asim cmo e k camos acabar cn a pobreza??Gente camix mudar de rotina.O VAKINA tmbem e do mesmo saco cm o Guebuza n se atrapalhem por nome..
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 7:54


Venancio Mandlate se fosse que temos a politica da unidade nacional nao podiamos passar tudo isto Eduardo Mondlane nao vai ressucitar para nos guiar ele nos amstrou o caminho , rico que era se vestir de pobre a ceitar humilhacao ate ser morto mas dele nao aprendemos a unidade . devemos jogar limpo em todas as frentes para demostrar unidos nao acumular dividas disnessarias num pais pobre que ainda vive de Doacoes! ate quando teremos o vencimento satisfatorio Educacao de qualidasde medicamentosa de qualidade isso iria tenstificar a cultura nacional oque vale isso emquanto tamos a morer de fome ! muitas doencas que da forma como tamos faser a reconstrucao nacional mesmo aquele que se encotra nas cidades morre de porque nao tem valores para as clinicas privada , e aqueles que estao nas zonas suburbanas? se o vencimento nao sustenta as a legacoes nao dedicar as nossas energiais na quilo que nao nos unem para acabar o discontetamento
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 7:45


Nobre Augusto Duarte o meu descontentamento n eh porque os politicos enriquecem mas sim porque o povo empobrece cada dia k passa...nos nao queremos dinheiro queremos que o adjectivo qualidade qualifique a educacao, policia, hospital,estradas,etc.
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 7:28


Abdul Agostinho Economicamente xtamos afundando
Gosto · Responder · 4 de Fevereiro de 2014 às 7:24


Zacarias Maveneca Joao Grande analíse prf doutor...pena pktdo acontece em moç....a vista.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 23:22


Arlindo Mendes Humilde Macário Patulane ser camarada nunca se deve confundir com hipocresia. Se a analise feita pelo professor Castelo constitui verdade, entao eu acho qualquer cidadao lúcido, independemente da sua cor partidaria deve estar muito preocupado.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 21:44


Elton Lubrino Acho q essa pagina em vez de ajudar, so ta afundar mais o bom nome do Dr. Eneas Comiche
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 20:47


Augusto Jaime Uate So acontece em Moz, e os menos informados sobre o abismo k o estado d nacao ta sendo levado continuam a enaltecer o presidente...
K pouca vergonha, pah!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 20:41


CelestinoBetinho McTino O noxo govern ta trabalhar
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 20:15


Mwenje Jacob Será que este valor da ponte da China é real, onde podemos apurar a veracidade.
Em Maputo teremos indemnização de centenas de famílias, qual é o valor das indemnizações?
Teremos uma estrada acoplada ao projecto de pelo menos 120Km, quanto custa 1km de estrada?
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 19:10


Adriano Armando Machaila Admiro muito prof Castel, ele faz analize critica visionario,analise critica construtiva.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 18:29


Jull's Langa Thomas Wiliam Lipapala toma vergonha na cara pls...lambe botas
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 17:50


Julio Lacitela Querem ver a figura real da frelimo? O pais inteiro chora da policia, a governadora de Maputo, ainda ontem reclamou da actuacao da policia e pediu purificacao. Sao policias condenados em tribunais por raptos e sequestros, e o seu comandante a ser galardoado hoje. Isto eh a frelimo, meus caros
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 17:18


Mundefa Augusto Mundefa voces povo do sul tao a pensar muito mal... mais um dia vao se arrepender... aguardem para ver... ao inves de lutarmos na permanencia dos ideias daqueles que troxeram a independencia aqui em Mocambique, querem fomentar o individualismo... haja saude para vermos ate onde vai isso um dia. lamento bastante. nao estou contra esse camarada nao, mais pelo o que voces LAMBE BOTAS FAZEM ... tirem isso aqui, e tudo que existe quanto os candidatos.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 16:36


Myro Fernando Profundidade dos mares e' a mesma?
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 15:23


Myro Fernando A profundidad dos e' a mesma?
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 15:23


Jeje Junior Sitoe aqui existem pessoas emocionadas, que vivem em Moçambique andam desactualizados em relacao a um cidadao k vive por ex; em Portugal. A quem preocupa-se mais em elogiar a Frelimo ou o seu lider e nao olha para o estado actual do nosso país.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 14:31


Lucio Luciano Henriques Puramente teórico, viabilidade e prioridade económica é questão meramente de opção...
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 12:58


Francisco Neto Faustino Traquino defacto é preocupante
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 12:16


Adino Alexandree Chicuava-Adilass O mais incrivel é existir pessoas k n percebem k o pais xta a desmoronar principalment jovens,guebuza n xta n poder p levar moz avante nao,xta p distrui lo ,acumulando o capital n bolso dele e da familia dele. Quem nao vê isto ja foi dito por jesus k outros tem olhos mas n veê e outros tem ouvidos mas n ouçam.na verdad todo o dinheiro k do estado xta ns bolsos d guebas e as infrastruturas k foram ou k xtao sendo feitas é graças à essas dividas ai..
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 12:03


Silcarjo Mangole Iluminatis. ...
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 12:03


Antonio Fernando Pronto pra mandarem essa gente irem embora ! È ultima vez que eles roubam dos Moçambicano
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 11:46 · Editado


Irondina Francisco Malate E pha k impacto economico social tera exa ponte? Elex constroem pk ja tem projecto delex vao erguer hoteis e mancoes ja ki sao "empreendedores" e nos é k vamx pagar com o nosso suor
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 11:43


Nielsen Silvestre Quand o hitler foi eleito chanceler da alemanha ele pediu 2 ministerio um deles era do interior aparentemente para os outros nao eram d maior importancia. Mas dipois dai fez extrago o predador quand quer cacar disfarca se de cordeiro.china n quer dinheiro.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 11:42


Cumbe Bolas Maicon Finiche E ixxo ai keremx a verdad.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 11:40


Artur Deemann Nhantumbo Toda verdade tem 3 lados: o lado a - o lado do proponente, o lado b - o lado da contraverdade, se eh que esta palavra existe e o lado c - o lado da verdade em si, no seu todo. Por irmaos fiquemos atentos a qualquer tipo de manipulacao
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 10:52


Hilario Fernando Hilario Ixo é Moz pha!
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 10:30


Donaldo Marrenge Irmãos O q podemos fazer para acabar com isto ? Temos q encontrar uma solução mais rápido possível
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 10:00


Hobety Luys Muhamby Isso é lamentavel.
Gosto · Responder · 3 de Fevereiro de 2014 às 10:20

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.