quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

O estado da presidência de Jacob Zuma

Vol 58 No 4

Publicado em 17 de fevereiro de 2017

África do Sul África do Sul


17 de fevereiro de 2017

Os ataques implacáveis ​​ao caráter do presidente estão enfraquecendo a economia e minando sua influência na sucessão

Com mais de dez meses como líder do Congresso Nacional Africano (ANC), o presidente Jacob Zuma tentou escorar seu governo com uma enxurrada de políticas populistas - longa em retórica e curto em detalhes - na abertura do Parlamento em 9 de fevereiro. Juntamente com a pompa e o esplendor, à medida que membros do Parlamento e seus cônjuges passeavam ao longo do tapete vermelho para os edifícios parlamentares, esses eram sinais do profundo mal-estar político do país.

Helicópteros militares circulavam em cima. Mais de 6.000 policiais armados, equipados com equipamentos anti-motim, e metade de um batalhão de soldados estavam em conspícuo guarda sobre os procedimentos. Funcionários do Estado falaram sobre ameaças à lei e ordem, alguns mencionaram o terrorismo. Para os políticos da oposição, isso era intimidação, a militarização do Parlamento.

Para outros, conjurou a República da Ruritânia. Nos dias antes da abertura, as faixas militares marcharam acima e tragam as ruas em torno do parlamento. No dia em si, a saudação de 21 armas foi mal feita; A primeira fusillade saiu antes de Zuma ter montado o pódio fora do Parlamento.

Esta demonstração de força sem precedentes não conseguiu impedir as lutas de punho na câmara ou mais sérios confrontos entre partidários rivais nas ruas. Os jornalistas encontraram-se encurralados em uma caneta de mídia.

O policiamento pesado entristecido sul-africanos nostálgico para o espírito de Nelson Mandela . Em seu dia, a abertura do parlamento era uma celebração da libertação nacional, com os líderes políticos, os escritores e os artistas que voam dentro através do mundo. Quando as forças armadas saudaram o primeiro presidente democraticamente eleito do país, foi um poderoso símbolo de mudança. Agora, os militares foi como uma força de ocupação no recinto parlamentar: mais PW Botha que Mandela.

Como Zuma entrou na câmara para entregar o seu discurso do Estado da Nação, deputados dos lutadores militantes liberdade económica (FEP), vestidos com macacões vermelhos e mineiros capacetes, gritou 'Tsotsi!' (ladrao). Eles queriam um debate sobre o fracasso do Parlamento para manter Zuma para explicar sobre o uso de fundos do Estado em sua herdade Nkandla (AC Vol 57 No 21, Stalwarts impulso para a saída de Zuma ).

Barqueando
Por mais de uma hora Zuma, 74, tentou entregar seu discurso contra o barracking da oposição. Milhões de sul-africanos assistiram ao espetáculo na televisão: jovens militantes irritados gritando e abusando de um líder muito diminuído. A audiência para sessões televisivas do parlamento disparou de alguns milhares a vários milhões, graças à estratégia de ação direta do FEP.

Barreira contra Zuma trabalha para a oposição. Tanto o esquerdista EFF quanto a Aliança Democrática de centro-direita (DA) aumentaram seus votos nas eleições locais de agosto passado: partidos de oposição agora dirigem quatro das maiores cidades do país. A quota de votos da ANC no governo caiu 7,7% desde a última votação nacional em 2014 para 54,5% nas eleições do ano passado.

Líder FEP Julius Malema Disse a Zuma que ele estava "podre até o núcleo" e deve renunciar imediatamente. Então Speaker Baleka Mbete Chamado na equipe de segurança parlamentar, conhecida como "Camisas Brancas", para expulsar Malema e seus companheiros militantes, em meio a alegrias dos bancos do ANC. Fist-brigas estourou, o ruckus escalado. Algumas camisas brancas usaram spray de pimenta para subjugar os rebeldes; Ele flutuava para cima e muitos saíam da galeria pública espirrando. Mais Camisas Brancas invadiram, para garantir que todo o caucus da EFF fosse jogado fora. Malema estava jubilosa lá fora, dizendo aos jornalistas que seu partido havia novamente negado a legitimidade do Zuma no Parlamento.

Líder DA Mmusi Maimane levou seus MPs para fora da câmara, acumulando mais culpa sobre Zuma eo ANC. Isso deixou os bancos da oposição vazios, além de um punhado de deputados do Partido Democrata-Cristão Africano, Inkatha ea Frente de Liberdade. Quando o tumulto diminuiu, um Zuma abalado examinou os destroços e lançou-se em um discurso de uma hora de duração, que falhou em dois pontos. Teve pouco para inspirar a base de ANC mas suas reivindicações retóricas sobre quebrar acima monopólios e acelerar distribuição de terra não fizeram nada tranquilizar investors já unsettled por shenanigans políticos do dia.

Até mesmo os deputados da ANC de Zuma cresceram visivelmente entediados após cerca de dez minutos e os aplausos gradualmente se tornaram mais desastrosos. Seu tema - a transformação econômica radical - ou a falta dela, está no centro da política do país. Zuma enfrentou o dilema de cada partido de longa data que começa a prometer mudanças radicais: Por que eles não fizeram isso antes?

Populismo
Era uma lista familiar de desigualdades: os sul-africanos negros possuem diretamente apenas dez por cento das ações na Bolsa de Valores de Joanesburgo e as famílias brancas ganham, em média, cinco vezes mais do que as negras. Zuma prometeu mudanças nos padrões de administração, propriedade e controle das corporações, mas não estabeleceu nenhuma estratégia detalhada para alcançá-las. Em vez disso, ele adota um código populista, tomando algumas políticas radicais do FEP em terra, cortando taxas de estudante e nacionalizando as minas - mas desinfetando-as um pouco. Ele tem o cuidado de não entrar em uma guerra de licitação sobre as políticas com o EFF, pois ele sempre flanqueá-lo.

As reivindicações para a redistribuição da terra e a posse mais preta das minas são agora politicamente mainstream. Em um negócio reunindo alguns dias antes da abertura do Parlamento, o proprietário bilionário da gigante cadeia de varejo Shoprite, Christoffel Wiese, disse que era vital para acelerar a transferência de título de terra para negros sul-africanos e liberar terras de propriedade do governo para Propriedade preta. "Eu concordo com o líder FEP Julius Malema , quando diz que a prioridade mais importante na África do Sul é a propriedade da terra preta", disse ele.

No entanto, além da retórica sobre a redistribuição de terras, a Zuma ofereceu algumas medidas incrementais, como a aceleração da emissão de títulos de propriedade e o processamento de contratos de venda de terras com apoio do Estado. O projeto de lei de apropriação de terras deve ser remetido ao Parlamento porque suas disposições podem ser inconstitucionais.

Wiese pode ser menos simpatizante com as demandas, empurradas por ativistas no ANC e no EFF, para quebrar os monopólios: os conglomerados de varejo como Shoprite e Pick n Pay; Os quatro grandes bancos - First National Bank, Nedbank, Standard Bank da África do Sul e ABSA; E os barões das telecomunicações, MTN e Vodacom.

Curto detalhe
Mais uma vez, Zuma ofereceu poucos detalhes sobre como o ANC mudaria sua política sobre os conglomerados além das banalidades, como a política do partido deveria se mover "além das palavras para os programas práticos". Ele definiu-os como "mudanças fundamentais na estrutura, sistemas, instituições e padrões de propriedade, gestão e controle da economia em favor de todos os sul-africanos, especialmente os pobres, a maioria africana e feminina". Ele acrescentou que o governo vai priorizar o uso de seus 500 bilhões de rands (US $ 38,4 bilhões). Orçamento de aquisições para comprar mais coisas a partir de empresas de propriedade de negros: mais uma vez, há especificidades, não há metas mensuráveis.

Mais detalhes surgiram sobre educação. Este é o lugar onde os radicais "Taxas Must Fall 'movimento, organizado depois de uma campanha bem sucedida de estudantes para remover uma estátua do século 19 Cape Colony primeiro-ministro e empresário Cecil Rhodes a partir dos jardins da Universidade de Cape Town, já tinha empurrado o governo Em um U-virar humilhante.

Enquanto todos os níveis de financiamento educacional estão sob revisão, Zuma listou várias concessões, tais como pagar toda a dívida devida no ano passado por estudantes para esse ano financeiro e isentar os estudantes de famílias cuja renda anual total era menos de R $ 600.000 de aumentos na faculdade e Universidade este ano.

Congratulando seu governo por implementar uma provisão de bem-estar em massa, Zuma disse que mais de 17 milhões de pessoas, mais de um terço dos sul-africanos, agora recebem subsídios sociais. Ele não mencionou as restrições financeiras que esses compromissos terão de enfrentar em abril. Também não propôs novas estratégias para enfrentar a razão subjacente a este elevado volume de pagamentos de assistência social: o desemprego em massa. Para as pessoas em idade activa, o desemprego é de 26-27%, segundo dados oficiais; Para os menores de 30 anos, é mais de 40%. Muitos deles terão direito a votar pela primeira vez nas eleições de 2019.

A política mais clara no discurso de Zuma - um salário horário mínimo de R20 ou R3,500 um mês - teve, de facto, foi lançado no dia anterior pelo vice-presidente Cyril Ramaphosa . O casal tinha de aparecer em conjunto para esse lançamento, mas quando o Congresso dos Sindicatos da África do Sul (Cosatu) recusou-se a assinar o lançamento (quer um salário mínimo mensal de R4.500), Zuma retirou-se.

Manifestação em massa
Depois de uma intensa semana de discussão política na Cidade do Cabo culminando na abertura de Zuma de um Parlamento turbulento em meio à intensa cobertura da mídia, parece provável que a posição do presidente com o público em geral tenha caído ainda mais. O envio de soldados e polícias armados ao redor do Parlamento foi particularmente impopular.

Um dia antes, o ex-Diretor-Geral das Relações Exteriores, Sipho Pityana, ea campanha Salvar a África do Sul teve um comício na Catedral de St. George logo atrás Parlamento e chamado novamente para a saída imediata de Zuma. Pityana, um veterano ativista anti-apartheid e agora presidente do gigante da mineração AngloGold Ashanti, superou os políticos parlamentares - Malema e Maimane - em sua conversa direta com Zuma: "O verdadeiro estado da nação é que está sendo despedaçado pelo nepotismo , a corrupção eo estado captura e você está no centro de tudo ... "(AC Vol 58 no 1, luta de poder vai nuclear ).

Em meio a aplausos de uma platéia que incluía luminares do ANC como o ex-ministro das Finanças, Trevor Manuel, Pityana continuou a sua mensagem para Zuma: 'Você não faz nada sobre a crise de governança, má gestão e corrupção em entidades estatais, que se tornou um importante factor de desestabilização A economia ... Seu foco está em garantir que a agenda da África do Sul atenda ao seu próprio interesse pessoal, bem como à dos membros da sua família e aos seus amigos.

No entanto, a maior questão para o ANC é como estas críticas intermináveis ​​e ataques a Zuma afetará os 4.500 delegados devido ao voto nas eleições da liderança do partido, prevista para dezembro. O próximo líder do partido determinará sua orientação política, as chances de uma reforma séria e talvez os resultados das eleições gerais de 2019.

Paralelamente aos argumentos políticos e reuniões caucus em Cape Town, na semana passada, os dois principais candidatos se acotovelando para ter sucesso Zuma como partido do presidente, nacional Vice-Presidente Ramaphosa e na ex-Presidente da Comissão da União Africano, Nkosazana Dlamini-Zuma , começaram seu próprio Não tão discreto.

Ambos estiveram participando das reuniões do ramo do partido para ouvir as preocupações locais e para influenciar os delegados votantes. Presidente Zuma deixou claro várias vezes que ele favorece sua ex-esposa Dlamini-Zuma. Isso lhe dá muito do poder de um titular e certamente a força de sua rede de lobby: os muitos membros do Comitê Executivo Nacional do ANC para quem ele fez favores pessoais.

Além disso, Dlamini-Zuma teria a maior parte dos delegados de KwaZulu-Natal, a província com o maior número de filiais do ANC, juntamente com a Liga Feminina do ANC. Ela e o presidente também estão cortejando fortemente as províncias da Premier League, North West, Mpumalanga e Free State. No entanto, apoiar não há mais certeza, ouvimos, com alguns dos principais políticos, como o Free State Premier Ace Magashule, sendo aconselhados a manter suas opções em aberto.

Viagem Eastern Cape
Além disso, Dlamini-Zuma fez uma viagem desastrosa para Eastern Cape na semana passada para solicitar o apoio do rei Xhosa, Mpendulo Zwelonke Sigcawu. Isso caiu completamente, ostensivamente porque o rei de mentalidade tradicional questionou a adequação de uma mulher como presidente. Insiders dizer que Eastern Cape já decidiu apoiar Ramaphosa, graças a algum lobbying altamente eficaz pelo secretário-geral do ANC Gwede Mantashe Em sua província natal.

Em outros lugares, parece, Ramaphosa também foi fechar a lacuna. Ele já tem Eastern Cape, uma grande província de adesão, e está fazendo lobby para obter apoio total de Gauteng, a província mais rica do país, embora a opinião ainda esteja dividida, dizem os insiders. Embora Cosatu tenha saído para Ramaphosa, alguns de seus altos funcionários permanecem perto de Zuma e isso poderia afetar a votação.

Três das províncias menores parecem estar se alinhando atrás de Ramaphosa: Northern Cape, Western Cape e Limpopo. Em boa forma em uma reunião do Progressive Professional Forum, essencialmente um grupo de apoiadores do ANC nos negócios, Ramaphosa percorreu um campo de novas políticas econômicas, fluente e confiante.

Isso é algo que nem Dlamini-Zuma nem seu ex-marido são adeptos, mas por agora, a contagem de cabeças está a seu favor. No entanto, com algumas semanas mais ruins para Zuma como o que acabou de passar, os números poderiam mudar rapidamente. Isso abriria o concurso para Ramaphosa ou talvez um terceiro candidato, como o ANC Tesoureiro Zweli Mkhize, que está esperando em silêncio nos bastidores.

Orçamento 2017: as receitas caem à medida que os riscos aumentam
Em 22 de fevereiro, o ministro das Finanças Pravin Gordhan é ler o seu orçamento ao Parlamento, que terá de financiar a maior quebra de receitas para mais de uma década. Segue-se a cinco anos de queda e queda dos preços das principais exportações da África do Sul. No entanto, o teste do orçamento de Gordhan será mais político do que econômico: sua sobrevivência no trabalho. Para o ano passado, ele foi bloqueado em batalha com o presidente Jacob Zuma sobre as investigações diversas em influência da família Gupta bem-conectados em decisões de gastos estatais e planos presidenciais para contratos de energia nuclear de vários bilhões de dólares a serem concedidos a empresas estatais russas (AC vol 58 No 1, luta de poder vai nuclear ).
Um veterano da luta de libertação, Gordhan tem resistido, com o apoio de vários membros seniores do governo, incluindo o vice-presidente Cyril Ramaphosa , secretário-geral do Congresso Nacional Africano Gwede Mantashe e ANC Tesoureiro Geral Zweli Mkhize.
Contudo, é constitucionalmente possível que o Presidente Zuma saqueie Gordhan ou reoriente-o para um papel mais humilde sem pedir permissão a seus colegas. Zuma tem pelo menos três opções. Um deles é um despedimento reta de Gordhan e sua substituição logo após o orçamento por um número tecnicamente qualificado, mas um pensamento mais flexível, como o antigo governador do Banco de Reserva Tito Mboweni ou Planejamento, Monitoramento e Avaliação ministro Jeff Radebe. Ou Zuma poderia nomear um aliado próximo, como o ex-chefe da companhia de energia estatal Eskom, Brian Molefe, como deputado e suplente de Gordhan, a fim de controlar suas iniciativas. Falhando isso, Zuma poderia esperar até junho, quando Nkosazana Dlamini-Zuma , depois de ter terminado o seu papel na transição de liderança na Comissão da União Africana, estaria disponível para atribuição na África do Sul - e ter a carteira de Finanças. Isso daria a Dlamini-Zuma um trabalho de alto nível antes de concorrer para a liderança do ANC em dezembro, com o apoio total de Zuma.
Enquanto isso, Gordhan continuará desafiando Zuma sobre gastos excessivos do governo enquanto trabalha com empresas e bancos para evitar que o rating de investimento do país seja rebaixado para status de "lixo". Nomura Banco Peter Attard Montalto disse que cerca de US $ 3-5 bilhões em investimento de carteira fluiriam para fora após um rebaixamento devido às disposições regulamentares que regem os investidores institucionais (AC Vol 56 No 25, roadshow econômico da EFF ). Outros sugerem que o fluxo de saída pode ser de quatro a cinco vezes esse valor. Os efeitos atingiriam rapidamente o custo do crédito para a classe média ea criação de emprego para a classe trabalhadora.
Cerca de 6.000 investidores internacionais reunidos na Cidade do Cabo para a Indaba Mining em fevereiro 6-09, sublinhou a importância da indústria de mineração da África do Sul, mas foram cada vez mais olhando para o norte por melhores retornos e maior previsibilidade em países como a Etiópia, Gana, Quênia, Namíbia, Nigéria e Ruanda.
Em um evento paralelo, o ex-presidente Thabo Mbeki , presente em todo o Mining Indaba, expressou surpresa que o ministro da Mineração Mosebenzi Zwane tinha assistido apenas o primeiro dia da reunião, enquanto seu vice à esquerda no dia seguinte sem resolver questões mais nova carta de mineração do governo. Mbeki disse que a degeneração da governança foi pior do que muitos perceberam, exacerbada pela corrupção e pelo patrocínio. "É hora de falar e fazer sua voz ser ouvida. Não é hora de ter medo ", disse ele. Os investidores de mineração estão se atrasando em novos empreendimentos por vários anos, citando incertezas políticas, agitação trabalhista e burocracia de pescadores.
Nos últimos cinco anos, as empresas sul-africanas investiram US $ 250 bilhões. no exterior. Vários indivíduos ricos detêm mais de metade dos seus ativos no exterior, Africa Confidential ouve. No ano passado, US $ 180 milhões em investimentos de carteira foram para o exterior à medida que a percepção de risco político aumentou.

Copyright © Africa Confidential 2017
Http://www.africa-confidential.com

Artigos relacionados

Vol. 57 No 21 |

Stalwarts pressionam pela saída de Zuma

21 de outubro de 2016

À medida que mais detalhes surgem sobre seus aliados empresariais, a posição do presidente no gabinete e no partido está enfraquecendo

Este mês, a luta entre o presidente Jacob Zuma e sua banda diminuição dos defensores de um lado e do outro, o valente ex-Public Protector Thulisile Madonsela e ...

Vol. 58 No 1 |

A luta pelo poder é nuclear

6 de janeiro de 2017

As batalhas internas amargas do ANC ameaçam retardar o negócio do governo a um rastejamento

No Dia de Reconciliação em 16 na África do Sul dezembro, o presidente Jacob Zuma discurso de na província de North-West foi trazido a uma parada quando o vento forte e chuva pesada, arrasou a ma ...

Vol. 56 No 25 |

EFF's economic roadshow

18 de dezembro de 2015

À medida que cresce o seguimento de Malema, um diálogo começou com os investidores preocupados com a conversa de nacionalização e controle de preços

O investimento estrangeiro direto é vital para a economia sul-africana ea única previsão confiável é que haverá mudanças profundas. Como Julius Malema Combatentes da Liberdade Económica de lo ...

Vol. 52 No 16 |

Flip-flops de política externa

5 de agosto de 2011

As políticas externas do presidente Zuma aguardam definição e estão sob forte ataque de seus antigos aliados

Presidente Jacob Zuma política externa, seus críticos em casa dizer, é como sua política interna: ele se senta em cima do muro esperando para agradar a todos e, no final, paralisia segue. ...

Vol 52 No 7 |

Quem é quem em Zumaland

1 de Abril de 2011

O círculo interno, aliados dentro do governo, e principais inimigos pessoais

Published 17th February 2017

South Africa

The state of Jacob Zuma's presidency

Relentless attacks on the President's character are weakening the economy and undermining his influence on the succession

With ten more months as leader of the African National Congress (ANC), President Jacob Zuma tried to shore up his government with a flurry of populist policies – long on rhetoric and short on detail – at the opening of Parliament on 9 February. Together with the pomp and splendour, as members of parliament and their spouses sauntered along the red carpet to the parliamentary buildings, these were signs of the country's deep political malaise.
Military helicopters circled overhead. Over 6,000 armed police, equipped with anti-riot gear, and half a battalion of soldiers stood in conspicuous guard over the proceedings. State officials spoke about threats to law and order, some mentioned terrorism. To opposition politicians, this was intimidation, the militarisation of Parliament.
To others it conjured up the Republic of Ruritania. In the days before the opening, military bands marched up and down the streets around Parliament. On the day itself, the 21-gun salute was mistimed; the first fusillade went off before Zuma had mounted the podium outside Parliament.
This unprecedented show of force failed to prevent fist-fights in the chamber or more serious clashes between rival supporters on the streets. Journalists found themselves corralled in a media pen.
The heavy policing saddened South Africans nostalgic for the spirit of Nelson Mandela. In his day, the opening of Parliament was a celebration of national liberation, with political leaders, writers and artists flying in from across the world. When the armed forces saluted the country's first democratically elected President, it was a powerful symbol of change. Now, the military was like an occupying force in the parliamentary precinct: more PW Botha than Mandela.
As Zuma entered the chamber to deliver his State of the Nation address, MPs from the militant Economic Freedom Fighters (EFF), dressed in red boiler suits and miners' helmets, yelled out 'Tsotsi!' (thief). They had wanted a debate on the failure of Parliament to hold Zuma to account over the use of state funds on his Nkandla homestead (AC Vol 57 No 21, Stalwarts push for Zuma's exit).
Barracking
For over an hour Zuma, 74, tried to deliver his speech against the opposition barracking. Millions of South Africans watched the spectacle on television: angry young militants shouting down and abusing a much diminished leader. The audience for televised sessions of Parliament has shot from a few thousand to several millions, thanks to the EFF's direct-action strategy.
Railing against Zuma works for the opposition. Both the leftist EFF and the centre-right Democratic Alliance (DA) boosted their votes in local elections last August: opposition parties now run four of the country's biggest cities. The governing ANC's share of the vote plummeted by 7.7% from the last national vote in 2014 to 54.5% in last year's polls.
EFF leader Julius Malema told Zuma he was 'rotten to the core' and should resign immediately. Then Speaker Baleka Mbete called in the parliamentary security team, known as the 'White Shirts', to eject Malema and his fellow militants, amid cheers from the ANC benches. Fist-fights broke out, the ruckus escalated. Some White Shirts used pepper spray to subdue the rebels; it wafted upwards and many left the public gallery sneezing. More White Shirts stormed in, to ensure that the entire EFF caucus was thrown out. Malema was jubilant outside, telling journalists that his party had again denied Zuma legitimacy in Parliament.
DA leader Mmusi Maimane took his MPs out of the chamber, heaping more blame on Zuma and the ANC. That left the opposition benches empty, apart from a smattering of MPs from the African Christian Democratic Party, Inkatha and the Freedom Front. As the tumult subsided, a shaken Zuma surveyed the wreckage and launched into an hour-long set-piece speech which failed on two counts. It had little to inspire the ANC base but its rhetorical claims about breaking up monopolies and speeding up land distribution did nothing to reassure investors already unsettled by the day's political shenanigans.
Even Zuma's fellow ANC MPs grew visibly bored after about ten minutes and applause gradually became more desultory. His theme – radical economic transformation – or the lack of it, is at the centre of the country's politics. Zuma faced the dilemma of every long-term incumbent party which starts to promise sweeping changes: Why didn't they do it before?
Populism
It was a familiar list of inequities: black South Africans directly own just ten per cent of the shares on the Johannesburg Stock Exchange and white families earn on average five times more than black ones. Zuma promised changes in patterns of management, ownership and control of corporations but set out no detailed strategy to achieve them. Instead, he adopts a populist code, taking some radical policies from the EFF on land, cutting student fees and nationalising the mines – but sanitising them a little. He's careful not to get into a bidding war on policies with the EFF, for it would always outflank him.
Calls for land redistribution and more black ownership of the mines are now politically mainstream. At a business gathering a few days before the opening of Parliament, the billionaire owner of the giant Shoprite retail chain, Christoffel Wiese, said it was vital to speed up the transfer of land title to black South Africans and to release government-owned land for black ownership. 'I agree with EFF leader Julius Malema when he says that the most important priority in South Africa is black land ownership,' he said.
Yet beyond rhetoric about land redistribution, Zuma offered a few incremental measures, such as speeding up the issue of title deeds and the processing of state-backed land sale agreements. The Land Appropriation Bill is to be referred back to Parliament because its provisions may be unconstitutional.
Wiese may be less sympathetic to demands, pushed by activists in the ANC and the EFF, to break up the monopolies: retail conglomerates such as Shoprite and Pick n Pay; the four big banks – First National Bank, Nedbank, Standard Bank of South Africa and ABSA; and the telecommunications barons, MTN and Vodacom.
Short on detail
Again, Zuma offered few details of how the ANC would change its policy on conglomerates beyond platitudes, such as party policy should move 'beyond words to practical programmes.' He defined these as 'fundamental changes in the structure, systems, institutions and patterns of ownership, management and control of the economy in favour of all South Africans, especially the poor, the majority of whom are African and female.' He added that the government would prioritise the use of its 500 billion rand (US$38.4 bn.) procurement budget to buy more things from black-owned businesses: again, no specifics, no measurable targets.
More details emerged on education. This is where the radical 'Fees Must Fall' movement, organised after a successful campaign by students to remove a statue of the 19th century Cape Colony Prime Minister and businessman Cecil Rhodes from the grounds of the University of Cape Town, had already pushed the government into a humiliating U-turn.
While all levels of educational funding are under review, Zuma listed several concessions, such as paying all the debt owed last year by students for that financial year and exempting students from families whose total annual income was less than R600,000 from increases in college and university fees this year.
Congratulating his government on rolling out mass welfare provision, Zuma said that over 17 million people, more than a third of South Africans, now received social grants. He didn't mention the funding constraints that these commitments will face in April. Nor did he propose any new strategies to tackle the underlying reason for this high volume of welfare payments: mass unemployment. For people of working age, unemployment is running at 26-27%, according to official figures; for the under-30s, it's over 40%. Many of those will be eligible to vote for the first time in the 2019 elections.
The clearest policy in Zuma's address – a minimum hourly wage of R20 or R3,500 a month – had in fact been launched the previous day by Deputy President Cyril Ramaphosa. The pair had been due to turn up together for that launch but when the Congress of South African Trade Unions (Cosatu) declined to sign up to the launch (it wants a monthly minimum wage of R4,500), Zuma pulled out.
Mass rally
After an intense week of political argument in Cape Town culminating in Zuma's opening of a rowdy Parliament amid intense media coverage, it seems likely that the President's standing with the wider public has fallen further. Posting soldiers and armed police around Parliament was particularly unpopular.
The day before that, the former Director General of Foreign Affairs, Sipho Pityana, and the Save South Africa campaign had a mass rally at St. George's Cathedral just behind Parliament and called again for Zuma's immediate exit. Pityana, a veteran anti-apartheid activist and now Chairman of mining giant AngloGold Ashanti, outdid the parliamentary politicians – Malema and Maimane – in his straight- talking to Zuma: 'The real state of the nation is that it is being torn apart by nepotism, corruption and state capture and you are at the centre of it all…' (AC Vol 58 No 1, Power struggle goes nuclear).
To cheers from an audience that included ANC luminaries such as former Finance Minister Trevor Manuel, Pityana continued his message to Zuma: 'You do nothing about the governance crisis, mismanagement and corruption in state-owned entities, which has become a major destabilising factor in the economy… Your focus is on making sure South Africa's agenda serves your own personal interest, as well as those of your family members and your cronies.'
Yet the biggest question for the ANC is how these unending critiques and attacks on Zuma will affect the 4,500 delegates due to vote in the party leadership elections, due in December. The next leader of the party will determine its policy direction, the chances of serious reform and perhaps the results of the 2019 general elections.
Parallel to the policy arguments and caucus meetings in Cape Town last week, the two front-runners jostling to succeed Zuma as party President, national Deputy President Ramaphosa and the former Chairperson of the African Union Commission, Nkosazana Dlamini-Zuma, have started their own not-so-discreet lobbying.
Both have been attending party branch meetings to listen to local concerns and to influence voting delegates. President Zuma has made it clear several times that he favours his ex-wife Dlamini-Zuma. That gives her much of the power of an incumbent and certainly the strength of his lobbying network: the many members of the ANC's National Executive Committee for whom he has done personal favours.
On top of that, Dlamini-Zuma would have the bulk of delegates from KwaZulu-Natal, the province with the biggest number of ANC branches, together with the ANC's Women's League. She and the President are also strongly courting the Premier League provinces, North West, Mpumalanga and Free State. Yet support there is no longer assured, we hear, with some of the top politicians, such as Free State Premier Ace Magashule, being advised to keep his options open.
Eastern Cape trip
Moreover, Dlamini-Zuma made a disastrous trip to Eastern Cape last week to solicit the support of the Xhosa King, Mpendulo Zwelonke Sigcawu. That fell flat, ostensibly because the traditionally-minded King questioned the suitability of a woman as President. Insiders say that Eastern Cape has already decided to back Ramaphosa, thanks to some highly effective lobbying by ANC Secretary General Gwede Mantashe in his home province.
Elsewhere, it seems, Ramaphosa has also been closing the gap. He already has Eastern Cape, a big membership province, and he is lobbying hard to get full support from Gauteng, the richest province in the country, though opinion is still divided, insiders say. Although Cosatu has come out for Ramaphosa, some of its senior officials remain close to Zuma and that could affect voting.
Three of the smaller provinces seem to be lining up behind Ramaphosa: Northern Cape, Western Cape and Limpopo. On good form at a meeting of the Progressive Professional Forum, essentially a group of ANC-supporters in business, Ramaphosa cantered through a field of new economic policies, fluently and confidently.
That's something that neither Dlamini-Zuma nor her ex-husband are adept at but for now, the head count is in their favour. Yet with a few more bad weeks for Zuma like the one just passed, the numbers could change quickly. That would open up the contest for Ramaphosa or perhaps a third candidate, such as ANC Treasurer Zweli Mkhize, who's waiting quietly in the wings.

Budget 2017: Revenue falls as risks rise

On 22 February, Finance Minister Pravin Gordhan is to read his budget to Parliament, which will have to fund the biggest revenue shortfall for over a decade. It follows five years of lacklustre and falling prices for South Africa's main exports. Yet Gordhan's budget test will be more political than economic: his survival in the job. For the past year, he has been locked in battle with President Jacob Zuma over sundry investigations into the well-connected Gupta family's influence on state spending decisions and presidential plans for multi-billion dollar nuclear power contracts to be awarded to Russian state companies (AC Vol 58 No 1, Power struggle goes nuclear).
A veteran of the liberation struggle, Gordhan has resisted, with the support of several senior government members, including Deputy President Cyril Ramaphosa, Secretary General of the African National Congress Gwede Mantashe and ANC Treasurer General Zweli Mkhize.
Yet it is constitutionally possible for President Zuma to sack Gordhan or reshuffle him to a lowlier role without seeking permission from his colleagues. Zuma has at least three options. One is a straight dismissal of Gordhan and his replacement just after the budget by a technically qualified figure but one thought more pliable, such as former Reserve Bank Governor Tito Mboweni or Planning, Monitoring and Evaluation Minister Jeff Radebe. Or Zuma could appoint a close ally, such as the former head of the state power company Eskom, Brian Molefe, as a deputy and understudy to Gordhan in order to rein in his initiatives. Failing that, Zuma could wait until June, when Nkosazana Dlamini-Zuma, having finished her role in the leadership transition at the Africa Union Commission, would be available for assignment in South Africa – and be given the Finance portfolio. This would give Dlamini-Zuma a high-profile job before she contests for the ANC leadership in December, with Zuma's full support.
Meanwhile, Gordhan will continue to challenge Zuma over excessive government spending while working with businesses and banks to prevent the country's investment rating being downgraded to 'junk' status. Nomura Bank's Peter Attard Montalto said that an estimated US$3-5 billion in portfolio investment would flow out after a downgrade because of the regulatory provisions governing institutional investors (AC Vol 56 No 25, EFF's economic roadshow). Others suggest the outflow could be four to five times that amount. The effects would quickly hit the cost of credit for the middle class and job creation for the working class.
Some 6,000 international investors meeting in Cape Town for the Mining Indaba on 6-9 February underlined the importance of South Africa's mining industry but were looking increasingly northwards for better returns and more predictability in countries such as Ethiopia, Ghana, Kenya, Namibia, Nigeria and Rwanda.
At a fringe event, former President Thabo Mbeki, present throughout the Mining Indaba, expressed surprise that Mining Minister Mosebenzi Zwane had attended only the first day of the meeting while his deputy left the following day without resolving questions over the government's new mining charter. Mbeki said the degeneration of governance was worse than many realised, exacerbated by corruption and patronage. 'It is time to speak out and make your voice heard. It is not a time to be afraid,' he said. Mining investors have been holding back on new ventures for several years, citing policy uncertainty, labour unrest and bureaucratic bottle-necks.
In the past five years, South African companies have invested $250 bn. abroad. Several wealthy individuals hold more than half of their assets overseas, Africa Confidential hears. In the past year, $180 million of portfolio investment has gone abroad as perceptions of political risk rise.


Related Articles

Stalwarts push for Zuma's exit

As more details emerge about his business allies, the President's position in the cabinet and party is weakening
This month, the fight between President Jacob Zuma and his diminishing band of defenders on the one hand and on the other, the gutsy former Public Protector Thulisile Madonsela and...

Power struggle goes nuclear

The ANC's bitter internal battles threaten to slow government business to a crawl 
On South Africa's Reconciliation Day on 16 December, President Jacob Zuma's speech in the North-West Province was brought to a halt when strong wind and heavy rain blew away the ma...

EFF's economic roadshow

As Malema's following grows, a dialogue has begun with investors worried by talk of nationalisation and price controls
Foreign direct investment is vital to the South African economy and the only confident prediction is that there will be deep change. As Julius Malema's Economic Freedom Fighters lo...

Foreign policy flip-flops

President Zuma’s foreign policies await definition and are under fierce attack from his former allies
President Jacob Zuma’s foreign policy, his critics at home say, is just like his domestic policy: he sits on the fence hoping to please everyone and in the end, paralysis follows. ...

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.