sábado, 4 de fevereiro de 2017

Moçambique "frelimizado"

Há poucos dias estive em Nacala, e em conversa com um professor, este dizia que dia seguinte ia para a abertura do ano escolar, e tinha de controlar, por ordem de uma circular da Direcção Distrital da Educação, a presença dos pais/encarregados de educação na cerimónia, pois, quem não comparecesse, seu filho corria risco de perder a vaga. Achei aquilo piada de muito mau gosto.
Hoje vejo isto, assinado por um desses tantos drs daqui: o chefe de RH/Secretaria da escola deve levar o livro de ponto para a praça, pois, quem não for celebrar os heróis, que não reclame no salário... o professor Director de turma deve levar o livro de sumário para o praça, e ai da criança que faltar, falta na hora... e segunda-feira, punição.
Mas, como é que esses tipos chegam a chefia mesmo? Como pode um dr pegar na sua pena para assinar uma baboseira dessas? 
______
Alguém diz ao dr docente n1 director da escola secundária que "eucalipito" é 'eucalipto'!

Moçambique "frelimizado"

Listen to this post. Powered by iSpeech.org Convocatorianacalaprofessores
João Cabrita
Para todos os efeitos práticos , o “3 de Fevereiro” é um evento partidarizado. A data foi instituída por um Estado partidarizado que discriminava – e continua a discriminar – entre moçambicanos heróis e moçambicanos traidores.
Eduardo Mondlane não foi o fundador da Frelimo. Quem fundou a Frelimo – Adelino Gwambe – é considerado de moçambicano traidor. Não tem, por isso, lugar no momento dos Heróis Moçambicanos. Nem ele, nem outros moçambicanos que a Frelimo considera de traidores, como Uria Simango, Joana Simeao, etc.
Nenhuma instituição estatal idónea e independente julgou ou condenou Adelino Gwambe, Uria Simango, Joana Simeão e outros como traidores. Quem decidiu sobre a condição de traidores desses e outros moçambicanos foi um partido, e não um Estado de Direito democrático. Por conseguinte, uma decisão partidária, o que, forçosamente, transforma em acto partidarizado todas as decisões que toma, ou manda tomar, como a do director da Escola Secundária de Nacala.

Comentários
Thenday Rita Mathere Jafar
Thenday Rita Mathere Jafar .onde vamos chegar. Para que tudo isso?
Gosto · Responder · 12 h
Olga Augusto Wateca
Olga Augusto Wateca São puxa sacos
Gosto · Responder · 12 h
Francisco Wache Wache
Francisco Wache Wache Nao é puxa saco porque nao é nenhuma orientaçao superior. É invençao bussal dele. Que todas a culpa recaia sobre ele e nao sobre qualquer outra instituiçao ou partido.
Gosto · Responder · 2 · 12 h
Décio Setemane
Décio Setemane Passei parte da minha vida estudantil a ir nesses programas por obrigação. Poucas foram as vezes em fui de livre e espontânea vontade. 
Hoje quando os meus filhos me dizem que têm de ir a praça dos heróis por obrigação, eu digo logo pra não irem e eu 
assumo s consequências. 
O dever patriótico não se obriga, não se impõe.
Infelizmente esse docente N1 foi meu professor na escola secundária e depois na faculdade. 
Mas não lhe culpo, isso são imposições do regime no poder para dar a sensação de que o povo está com eles em todo momento. 
Essa circular e extensiva aos docentes da escola. Caso não fode essa imposição, ninguém da escola faria parte das festividades do dia dos heróis nos "eucalipitos"
Gosto · Responder · 2 · 12 h · Editado
Carlos Antonio
Carlos Antonio Cada 1 fãs uqui quer. Coisa feia. Depois dis qui a constituição da república não pode ser alterada. Como não si tá mal organizado está merda, depois a frelimo Alê de organizar de boa maneira ainda está piorar mas, está perder total confiança nu povo. Juiz do tribunal uma vez fãs parar carro tipo polícia de trânsito?? Quer dizer agora já não a vergonha.
Gosto · Responder · 11 h
Adelino Inacio Assane
Adelino Inacio Assane Mas isso tudo está comentar este post de Ser - Huo?
Gosto · Responder · 1 · 11 h
Carlos Antonio
Carlos Antonio Aproveitar falar de vez. Procuramos o começo só pra chegar au poto onde queremos chegar.
Gosto · Responder · 1 · 11 h
Nunomiguelanselmocaliano Nuquito
Nunomiguelanselmocaliano Nuquito Nós vamos de mal a pior, muito triste isso.
Gosto · Responder · 2 · 11 h
Claudio Zunguene
Claudio Zunguene Há que olhar com atenção para estes pequenos detalhes. Alguém já procurou saber a motivação que justifica tal procedimento? Estamos aqui para julgar a causa ou o efeito? Quanto ao erro na ortografia acho muito triste, mal e vergonhoso.
Gosto · Responder · 1 · 11 h
Berta Graciete Boane Zunguene
Berta Graciete Boane Zunguene Kkkkk é mui grave isso haja paciência Até os olhos e o cérebro reclama de tanto ver e ler erros.
Gosto · Responder · 6 h
Gervasioa Absolone Chambo
Gervasioa Absolone Chambo Isto faz relembrar os nossos posicionamentos de ontem e anteontem. Sabes do estou a falar.
Gosto · Responder · 3 · 11 h
Onelio da Mena
Onelio da Mena Eu bem disse que o professor não tem poder de decisão e nem de opinar. É um "faça o que eu digo"!
Que qualidade esperamos da nossa educação?
Gosto · Responder · 11 h
Gervasioa Absolone Chambo
Gervasioa Absolone Chambo Aqui vai uma evidência do seu posicionamento Onelio da Mena. Quando os professores terão voz contra ditadura dos chefes?
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Onelio da Mena
Onelio da Mena Caríssimo Gervásio!
Quando um professor tenta reivindicar os seus direitos, é transferido para uma outra escola distante da sua residência e leva consigo um processo disciplinar...
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Onelio da Mena
Onelio da Mena Lembra_se do caso do professor Nhaca da Emília Dausse, Inhambane?
O que lhe aconteceu quando a direcção se apercebeu que ele é simpatizante do Partido MDM?
Gosto · Responder · 10 h
Gervasioa Absolone Chambo
Gervasioa Absolone Chambo Recordo-me que o único e antigo professor referência de desenho foi cair em Mabote porque era um chefe do MDM e mais tarde candidato a presidente municipal na nossa cidade de Inhambane. A minha pergunta continua a mesma: quando os professores terão a voz como a espinha dorsal da formação das gerações? É que os professores podem e devem mas unidos além da ONP.
Gosto · Responder · 1 · 2 h
Evi Pitinu Malay Maculuve
Evi Pitinu Malay Maculuve Lambebotismo de primeira! Isso não tem nada a ver com as competências e os objectivos preconizados nos curricula do ensino básico! Enquanto noutros países temem dar a educação em benefício da população, por reconhecer a poderosa arma que está nela, no país do pandza os alunos são instrumentalizados para fins alheios! Resultado: revolta, retaliação contra o sistema! Educação deve pressupor paz e liberdade... Em detrimento da opressão entre irmãos! Mais não disse...
Gosto · Responder · 3 · 11 h
Maria Lurdes
Maria Lurdes Ha coisas que damos a culpa a partes inocentes.oque vejo nesses dr ditos diretores das escolas confundem ad suas funções.começam transformar os colegas em empregados do seu quintal e os alunos em filhos dos seus sobrinhos.esquecem que tiveram mesmo passos que os outros para terem o emprego e estar na cadeira em que esta trata se de confiança e oportunidade .
Gosto · Responder · 1 · 11 h
Claudio Zunguene
Claudio Zunguene Maria Lurdes respeito sua opinião mas acho ela deveras generalista, quando você diz: " o que vejo nesses dr ditos diretores das escolas...... ", acho injusto colocar tudo e todos no mesmo saco,não acha? Conheci diretores, licenciados ou seja dr. com um comportamento digno de menção e exímios na sua função. Contudo, devo admitir que existem muitos em quase todos os setores de atividades que deixam muito a desejar.
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Maria Lurdes
Maria Lurdes Claudio zunguene eu como originaria macua diz a batata
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Justino Tcheco
Justino Tcheco Não é possível!! Em aqui em Moçambique isso? Não acredito. Meu Deus!!
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Maria Lurdes
Maria Lurdes Uma só estragada num saco considera se todo saco ter a mesma situação.a verdade ehvque a maior parte dos diretores transformam a instituição em ambiente do seu bairro e com a característica do comportamento da comunidade em que vive
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Maria Lurdes
Maria Lurdes Justino em Moçambique tudo tornamos possível.
Gosto · Responder · 10 h
Justino Tcheco
Justino Tcheco Verdade meu irmão. Aí você foi claro. País do pandza mesmo. Kkkkkkkkkkkk
Gosto · Responder · 10 h
Justino Tcheco
Justino Tcheco Minha irmã Maria Lurdes, o que a mim me inquieta é o facto de participar da cerimónia ser uma coisa obrigada que até usa-se um instrumento de coerção, que é o livro de ponto para punir os ausentes.
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Oreste Muatuca Muatuca
Oreste Muatuca Muatuca O que está errado em o director exigir que seus funcionários vão ao serviço? Não entendi.
Gosto · Responder · 10 h
Ser - Huo
Ser - Huo Mano Oreste, por favor não destoa. Desde quando praça foi serviço?
Gosto · Responder · 10 h
Marilu Lopes Agibo
Marilu Lopes Agibo Oreste Muatuca Muatuca acredito que sua questão é do tipo maiêutica, vero?!!! Eu então fiquei em casa e não fui ao serviço!
Gosto · Responder · 8 h
Milquiel Agostinho
Milquiel Agostinho Kkkkkkkkk....... Meu amigo Oreste, fique sossegado, 2afr ao inves de ir ao meu instituto, vou a praca dos herois ja que la tambem e' no servico, kkkkkkkkkkkk.......
Gosto · Responder · 2 · 8 h
Ser - Huo
Ser - Huo Lá no grupo do Whatsapp um mano disse que "Talvez seja uma das estratégia para resgate de valores... patriotismo a martelada". 
Ai está. O Decio diz que parte de sua "formação escolar ia a praça por obrigação". Há trabalhadores que vão a praça por obri
gação. Mas porque isso hoje? 
Eu me recordo que quando na primaria e secundária, ia a praça simplesmente por saber que era dia de feriado, aquilo estava no sangue, nos valores de patriotismo aprendidos (talvez na OCRM). Não me recordo de uma e única vez que fui a praça e alguém fez chamada. Recordo que nem sempre íamos como turma da professora X, e sim, como alunos da escola Y, e bastava. A questão é, o que aconteceu de la para cá? Porque as pessoas já nao se baldam para assuntos como valores patrióticos, valores morais, valores culturais, valores académicos, cores profissionais, valores isto e aquilo? Eu disse pessoas, incluindo professores que se hoje vão a praça no dia 12 de Outubro, é porque tem medo de falta (que já é problema se se refletir no pobre salário), falo de médicos, polícias, financeiros, políticos, toda classe social e profissional do país que não se balda mais a coisas que até à bem menos de 2 décadas faziam e cumpriam as coisas por letra e amor? 
Me entristece isto, e ficamos a dizer Frelimo, sistema, que Frelimo que sistema que o que? Somos NÓS sim, porque nós somos o sistema. Nós é que permitimos que um colega faça esse tipo de macaquices. Somos um paiseco ao tamanho da nossa "cabeça".
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Maria Lurdes
Maria Lurdes Justino são outras maneiras de tentar convencer.não são capazes de dialogar com os colegas explicando o espirito patriótico.
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Maria Lurdes
Maria Lurdes Tenho a sorte de continuar empregada domestica porque a minha sra zanga comigo com razão a palpável.
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Claudio Zunguene
Claudio Zunguene Ser - Huo, concordo com o seu posicionamento: somos nós o sistema. Outra coisa acho que ninguém deve olhar a situação em debate com olhos do passado ou seja, usar premissas de patriotismo, heroísmo, ideológicas que tiveram seu efeito noutro contexto histórico do país. Hoje devemos ser homens críticos para as novas situações do nosso tempo como diz Benedetto Croce apud Lucien Febvre: " toda a história é contemporânea''. Também gostaria de saber a resposta dos questionamentos levantados:" porque as pessoas já não se baldam para assuntos como valores morais, valores patrióticos, valores acadêmicos, cores profissionais? A resposta não deve apenas se limitar no seguinte: tudo está mal! O país vai de mal a pior! , então, quais as soluções?
Gosto · Responder · 1 · 9 h
Justino Tcheco
Justino Tcheco Dr Cláudio, o problema para mim, não está no contexto ou buscamos enquadramentos teóricos para assuntos que nem precisam de tanta pesquisa. O problema é, porque é que a participação é obrigatória, chegando até à envolver o uso de um instrumento coercivo que é o livro de ponto. Porquê? Se todos os eventos de índole nacional a sua participação fosse levada desse jeito, diria que o passado está de volta, nesse caso, a escravatura. A solução solicitada pelo Dr para mim é tão simples, corrigir-se o erro cometido através da mesma via e/ou fonte, tal como está sucedendo e basta.
Gosto · Responder · 2 · 9 h
Claudio Zunguene
Claudio Zunguene Justino Tcheco, meu companheiro de grandes batalhas.concordo quando você diz que o erro deve ser corrigido. Porquanto acho esse dabate um forma de contribuição. Permita- me que men defenda: os argumentos teóricos no qual me baseio não pretende levar o debate a carris'' acadêmicos'' e nem tão pouco tornar o difícil o entendimento. Apenas quis dizer que esta situação deve ser olhada com olhos de hoje.se está errado que se corrija de imediato esse caso, agora dizer que tudo está mal como alguém apregoa acho insensato
Gosto · Responder · 1 · 9 h
Justino Tcheco
Justino Tcheco Maria Lurdes, és mais uma das pessoas com o mesmo posicionamento consensual positivo. Podem não concordarem mas a participação em eventos do género não nenhuma obrigação, a pessoa é livre de se expressar. Que os colegas deixem de jogar guizo na panela errada.
Gosto · Responder · 2 · 9 h
Justino Tcheco
Justino Tcheco Dr. As faculdades ensinam que as críticas são construtivas, e que cada um tem uma interpretação diferente do outro ou seja, o teu ponto de vista sobre o assunto em apreço, pode ser diferente do meu, conforme noto neste debate. O Dr tem a sua razão e um argumento que para mim pode não ser convincente como é o caso. Talvez tenha a ver com a cultura, ela é transcendente, o que significa que ultrapassa o indivíduo.
Gosto · Responder · 1 · 9 h
Claudio Zunguene
Claudio Zunguene Justino Tcheco, você pode me dizer qual o meu posicionamento sobre esse caso? Acho que está fazendo um juízo em desconformidade com os meus argumentos. Deixo bem claro aqui que eu não apoio tais medidas. Contudo, acho que cada situação ou caso é um caso. Colocar cultura nesse dabate acho fútil e desnecessário.
Gosto · Responder · 9 h
Oreste Muatuca Muatuca
Oreste Muatuca Muatuca Se eu fosse director duma escola, se tu fosses director duma escola, se ele fosse diector duma escola, se nós fóssemos directores dumas escolas...agiríamos como agiu o dr. Director da portuária. Xuuuru.
Gosto · Responder · 1 · 9 h
Estevao Pangueia
Estevao Pangueia O que acontece nos distritos é pior, é como se lá tivéssemos um outro Estado. Se isto ocorre em Nacala, imaginemos em lalaua, Mecuburi, Chicualacuala, Chigubu, Zumbo...?
Gosto · Responder · 2 · 9 h · Editado
Maria Lurdes
Maria Lurdes Oreste Muatuaca Muatuca peco para não meter agua.acho oque falta eh percebermos que o ir a praça não requer sentir um medo mas sim as pessoas devem ser educadas de maneiras a criarem um espirito patriotismo.conhecer o significado de porque ir nesta e aquela data a praça.agora se diz se eu fosse director ,tu fosses,...estaríamos agir assim,só poderia ser porque estamos acostumados a copiar os erros dos outros
Gosto · Responder · 2 · 9 h
Ser - Huo
Ser - Huo Mano Oreste Muatuca, a Maria Lurdes missiru :P ja disse parte do que eu queria. Respeito o que dizes, ainda bem que é "SE", que sendo chefe assinavas aquelas baboseiras, mas no estrito respeito pelo outro, nao me generalize mano, pois EU SEI QUE EU NAO FARIA AQUILO. (me preocupa que vezes reclames disto e daquilo, e hoje dizes que farias aquilo que tens denunciado). ohhhhh.
Gosto · Responder · 1 · 9 h
Oreste Muatuca Muatuca
Oreste Muatuca Muatuca Tenho de aguçar o debate, yo... Vamos parar?
Gosto · Responder · 8 h
Ser - Huo
Ser - Huo Tu mais velho Oreste Muatuca pahh, assim estás estás aguçar o debate. Gramei . Hehehehehhhhh
Gosto · Responder · 6 h
Oreste Muatuca Muatuca
Oreste Muatuca Muatuca Tu sabes que não vou com essas politiquices baratas. Por exemplo, essa coisa de praça, tu sabes como é que é. Eu sou um sem tempo para... Se eu estivesse naquela escola do director dr, acho que teria ppf.
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Nelson Janfar
Nelson Janfar O dr Yaia actual director da Escola, antigo professor e pedagógico da mesma deste os anos 1997...foi um professor de reconhecido mérito hoje...hoje ocupando o carro de Director da mesma depois de passar por muitas outras escola da Província e Estudante do curso de Geografia da UP Nampula. ..infelizmente caiu na triste atitude de muitos outros quadros q s deixam levar com a política do Dia....acredite que ele não tem uma outra escolha pois quer permanecer nesses lugares cimeiros. Oh Sérgio H. Só resta nos lamentar ...a Educação neste país está a lenga lenga.
Gosto · Responder · 2 · 8 h
Euclides Nacacara
Euclides Nacacara Pelo teor da convocatoria, nao seria convocatoria, talvez curcular ou coisa assim.
De seguida o dr. (Director da escola) mostrou incapacidade de persuadir os seus colegas e alunos (Não liderança) a participar em eventos de género. Lembrou-me de um trec
ho que li sobre Moçambique no período monopartidário.
Claro que é necessário e importante participar em cerimonias de deposição de coroa de flores, o sr. dr. tinha que enfatizar isso na sua convocatória oral.
Ir a praça não é obrigatório (salvo se consta no regulamento interno da escola), mas é acima de tudo mostrar patriotismo.
Gosto · Responder · 2 · 8 h
José Abdul Amade
José Abdul Amade Vamos colocar as coisas nos seus respectivos lugares, levar livro de ponto, efectividade numa praça e começar marcar presença quem não veio ou veio, não é ético, mas não disse somente uma opinião.
Gosto · Responder · 2 · 8 h
Estefania Baptista
Estefania Baptista YA N Ė ETICO QUANDO DESAPARECER O LIVRO D PONTO NA PRAXA D QUEM SERA A CULPA?
Gosto · Responder · 1 · 7 h
Ser - Huo
Ser - Huo Hehehehehhhhh, de quem será a culpa? Tás a ver nem?
Gosto · Responder · 6 h
José Abdul Amade
José Abdul Amade Será o senhor dias dos heróis moçambicano.
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Claudio Zunguene
Claudio Zunguene Euclides Nacacara, concordo plenamente com a sua opinião. É isso que o país precisa, pessoas que pensam Moçambique e não se limitam apenas a dizer: isto está mal, para onde vamos.... etc.
Gosto · Responder · 7 h
Estefania Baptista
Estefania Baptista Isto esta mau
Gosto · Responder · 7 h
Claudio Zunguene
Claudio Zunguene Estefania Baptista acho que se enganou na pessoa que devia responder.Apesar de respeitar a sua posição e sendo sua opinião acho que devia expressar para todo ver e não dar uma resposta sem que tenha sido colocada uma pergunta, discurso no deserto.
Gosto · Responder · 7 h
Ser - Huo
Ser - Huo Meu caro Nelson Janfar , apresentas um CV interessante do dr Iahaia, e gosto ainda mais quando fechas com aquele "ele não tem outra escolha, quer permanecer nesses lugares cimeiros". Aí está a coisa, as pessoas hoje vendem sua dignidade, seu conhecimento, sua integridade, por poder. É por isso que continuamos onde estamos, um país em que todos querem ser chefes, pois daí ja tem as portas do paraíso. 

Você Claudio Zunguene vou dar cartao amarelo. :P :)
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Claudio Zunguene
Claudio Zunguene Ser - Huo, vejo que você está sendo um árbitro que age por influência. Não terás recebido prendas " vouchers" como aquelas que Benfica oferece aos árbitros em Portugal? Kkkk. Um cartão amarelo me condiciona para a próxima partida! Abraço
Gosto · Responder · 6 h
Ser - Huo
Ser - Huo Kkkkkk, fica a vontade. Eu sou que nem árbitro de Benfica de Angoche e Sporting de Namialo.
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Euclides Nacacara
Euclides Nacacara Oreste Muatuca, o que está errado é o uso da coersão, ate chegar ao ponto de uso de sansões administrativas e disciplinares. Se fosse eu a ser exigido acredito que nao iria entender porquê participar em deposição de coroa de flores.
Gosto · Responder · 1 · 6 h
Ligia Manuel Leyela
Ligia Manuel Leyela Mentiste dona Maria Lurdes.Nao vais comparar um um funcionario do estado e uma simples empregada doméstica.Dizer k nao tens como entrar no estado,ai sim!
Gosto · Responder · 3 h
Ligia Manuel Leyela
Ligia Manuel Leyela Imaginem se nao obrigassem aos funcionarios irem a praça.Quem estaria la?Ninguem!
Gosto · Responder · 3 h
Nelson Recama
Nelson Recama Estas sao coisas de vergonha e lambebotismo ao cumulo
Da Crise do Patriotismo à Mobilização Coersiva.
Este é o titulo do nosso proximo artigo, na verdade ja haviamos pensado em escrever algo do género, nos meandros do ano passado.
Entretanto a imagem em anexo vem decerto mostrar o quao as nossas instituições publicas tem servido de meio para a mobilização coersiva, uma vez que o país atravessa uma certa crise de patriotismo e esta crise é resultado da associação de um conjunto de factores, dos mais destacados a exclusão economica que gerou a frustação das nossas expetativas, provocando uma violência estrutural generalizada e uma mágoa profunda com aqueles que a luz da historia oficial foram os libertadores da pátria.
Mas a questão que nunca se quer calar é, "Oque causará esta esta crise de patriotismo?
Gosto
Comentar
Comentários
Munguambe Nietzsche
Munguambe Nietzsche Estarei a espera ilustres.
Gosto · Responder · 12 h
Star Neves
Star Neves Estamos a voltar à Estaca zero. Os nossos governantes estão desnorteados.
Gosto · Responder · 8 h · Editado
Ariel Sonto
Ariel Sonto Nem mais!
Gosto · Responder · 12 h
Gilder Anibal
Gilder Anibal Os valores morais e patrióticos se PERDERAM. Faz muito tempo que tudo é feito por imposições e intimidações...para manter a disciplina ideológica.
Gosto · Responder · 1 · 11 h
Rico Roque
Rico Roque O pior erro que podemos cometer é pensar que a nossa aderência a essas cerimónias enfadonhas e entediantes se traduz em patriotismo.
Gosto · Responder · 11 h
Johnny Wiliam Rocha
Johnny Wiliam Rocha O artigo e" oportuno ,Tanbem vejo a falta de patriotismo sobretudo nos mas novos .
Gosto · Responder · 1 · 10 h · Editado
Mussa Abdula
Mussa Abdula Não sei se há, algum problema neste comunicado interno, em termos linguísticos são bem notáveis, mas se a questão for de mobilização da comunidade escolar a participar das actividades escolares não vejo nenhum nisto. No meu ponto de vista não se trata de uma mobilização coerciva, mas sim de uma actividade escolar de carácter obrigatória para o resgate de valores dos nossos heróis, o que faz parte das actividades, só que este tipo de comunicação já não se adequam à realidade actual.
Gosto · Responder · 1 · 9 h
Gilder Anibal
Gilder Anibal Paradoxal essa sua análise. Nós não queremos ser obrigados a participar qualquer evento que seja. Haja democracia e liberdade.
Gosto · Responder · 9 h
Bitone Viage
Bitone Viage Prontos.
Gosto · Responder · 1 · 9 h
Mussa Abdula
Mussa Abdula Caro Gilder Anibal, a minha ideia é paradoxal mesmo. Releia o meu pensamento. Disse o seguinte: “no meu ponto de vista” e não da forma como o Aníbal está a imaginar, agora se é uma obrigação, mobilização, pedido ou qualquer acto, isso tudo está sob seu critério, a minha escolha é essa, mas também não está proibido de tirar nenhuma ilação no meu comentário é bom e vai te ajudar a crescer psicologicamente e a entender melhor as coisas como elas acontecem.
Gosto · Responder · 8 h
Bitone Viage
Bitone Viage Mussa Abdula não ves que essa mobilização é coerciva?
Gosto · Responder · 1 · 8 h
Gilder Anibal
Gilder Anibal Ele Mussa Abdula, entendeu. Apenas está querendo ganhar campo para ajustar a sua tese! A verdade é que, esse tipo de documento, eu conheço muito bem. E se não é cumprido, tem havido punições (...). A isso, chama-se COERÇÃO e intimidação contra as liberdades de consciência, expressão e crenças...!
____
cc: Bitone Viage
Gosto · Responder · 8 h · Editado
Mussa Abdula
Mussa Abdula Não quero ganhar campo nenhum, apenas quis apresentar meu ponto de vista em relação ao conteúdo do documento apresentado, não sei se com isso ganha-se algo. Entendi a vossa explanação, mas não concordo na totalidade, não porque estejam errados, mas porque apenas tiveram acesso a apenas este documento que revela a coercibilidade de tantos outros que aparecem em público. O que noto neste documento é o problema da articulação na comunicação. O director da escola tem problemas sérios de discurso e de relacionamento com a comunidade escolar, alguns dirigentes não se esforçam em escrever devidamente os seus comunicados, não é o MINEDH que toma esta atitude. Obrigado pelo reparo ilustre Gilder Aniba ee Bitone Viage.
Gosto · Responder · 7 h
Elson Guila
Elson Guila Uma coisa é uma simples convocatória. Outra, bem diferente, é a ameaça em caso de não aderir. É mobilização coerciva sim ou não sabes o que [coerciva] significa!?

COERCIVA 

adj.
1. Que exerce ou pode exercer coacção.
2. Que impõe pena

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.