quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Governo inventa mais um projecto de combate à pobreza


PDF
Versão para impressão
Enviar por E-mail
Destaques - Newsflash
Escrito por Redação  em 16 Fevereiro 2017
Share/Save/Bookmark
O Governo de Moçambique aprovou, na terça-feira (14), mais um projecto orientado para a agricultura familiar, visando combater a fome e reduzir a pobreza que ainda afligem o grosso da população. Chama-se “Sustenta”, cujo lançamento terá lugar nesta sexta-feira (17), no distrito de Ribáuè, província de Nampula.
Em Moçambique, a agricultura familiar, que hoje representa é praticada por cerca de 80% da população, com mais de três milhões de parcelas, com 1,3 hactar cada, que devido às condições precárias de produção, tais como o acesso à semente, a falta de mercado competitivo e de infra-estruturas de transporte.
Orçado em 16 mil milhões de meticais financiados pelo Banco Mundial, o novo programa, também conhecido como Projecto de Desenvolvimento Rural Integrado e Inclusivo (PDRI), será implementado nas províncias da Zambézia e de Nampula, consideradas as mais extensas do país e com alto potencial agro-ecológico, mas com altos níveis de pobreza.
O programa foi idealizado pelo Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural (MITADER), devendo beneficiar 700 mil pequenos agricultores. Celso Correia, ministro daquela instituição do Estado, disse, fim da sessão do Conselho de Ministros, que numa primeira fase prevê-se construir como 260 quilómetros de estradas, reabilitar 240 hectares de regadios e a recuperação de Outras infra-estruturas imprescindíveis para a agricultura de conservação.
“Prevemos que ao longo deste processo o acesso a estes meios que facilitam a agricultura familiar irá ter um impacto muito grande no combate à pobreza, com ênfase no rendimento das famílias rurais através da melhoria da produtividade e acesso aos mercados, que é um factor determinante para os desafios de desenvolvimento rural que temos”, explanou o governante.
Na visita presidencial a seguir, tentem não "queimar tempo" ou atrapalhar o foco do Presidente Nyusi com "segmentos paralisantes".
Não compreendi nem achei graça ver o Presidente sendo introduzido a grupos culturais que cantavam para ele. Eu já vi tantos conselhos coordenadores e outras magnas reuniões desses ministérios mas nunca os vi sentados à ouvir timbila ou a dançar ngalanga. Se o fazem é nas horas mortas.
Ora, num apertado programa de meio-dia em que o Presidente quis inteirar-se dos aspectos críticos do ministério, alguém ainda a arranja tempo para dançar para o PR. Procastinadores!
PS: até agora as visitas presidenciais sugerem que eram necessárias e são uma prática que devem ser encorajadas. Para além da falta de compromisso com o serviço público, as ainda poucas visitas mostram que o estado era gerido em modelos feudais onde grupos de interesse, famílias de empresas ou parentes detinham o monopólio da agenda. O Presidente Nyusi está agora agora a viver momentos de revelações apocalípticas. Que venha a grande VASSOURA. Mas uma vassoura com respectivo desintupidor!
Inauguremos então a segunda fase do novo ciclo!
GostoMostrar mais reações
Comentários
Francisco Mussa
Francisco Mussa A Vassourada tardou, mas será inevitável.
Ninguém mais se dará o luxo de inviabilizar o trabalho do PR.
O Povo confia em FJN
Gosto · 1 · 13 h
Mavuto Cachingamba Viola
Mavuto Cachingamba Viola Para mim, a cultura foi um acto de reflement. Esteve muito consentrado la dentro pela causa da nacao. Portanto, uma cancao e sorizo do seu povo nada lhe faz mal.
Gosto · 3 · 13 h · Editado
Egidio Vaz
Egidio Vaz Se for o caso então é de sugerir que à frente do seu gabinete haja um grupo timbila. Sempre que virem Nyusi, tocam o tambor!
Gosto · 10 · 13 h
Mavuto Cachingamba Viola
Mavuto Cachingamba Viola Kkkk. Nada disso meu amigo Egidio Vaz, estariamos a criar rotinas, de geito que aconteceu deu para relaxar a mente do nosso chefe do estado. Acredito que ficou a observacao, mas nao deve ser considerado como um desperdicio. Nao esqueca que nao devemos por de fora a cultura.
Gosto · 4 · 13 h
Bali D'Paulo
Bali D'Paulo Concordo plenamente
Gosto · 13 h · Editado
Rildo Rafael
Rildo Rafael Ora, num apertado programa de meio-dia em que o Presidente quis inteirar-se dos aspectos críticos do ministério, alguém ainda a arranja tempo para dançar para o PR. Procastinadores!
Gosto · 1 · 13 h
Edú Da Nora
Edú Da Nora é pra discontrair o PR kkķkkkkkkkkk caso ele venha nervoso tudo acaba ali e nasce um sorriso que vai iluminar a reunião de modo a obterem resultados desejaveis
Gosto · 3 · 13 h
Rildo Rafael
Rildo Rafael Ora, num apertado programa de meio-dia em que o Presidente quis inteirar-se dos aspectos críticos do ministério, alguém ainda a arranja tempo para dançar para o PR. Procastinadores!
Gosto · 13 h
Rildo Rafael
Rildo Rafael até agora as visitas presidenciais sugerem que eram necessárias e são uma prática que devem ser encorajadas. Para além da falta de compromisso com o serviço público, as ainda poucas visitas mostram que o estado era gerido em modelos feudais onde grupos de interesse, famílias de empresas ou parentes detinham o monopólio da agenda. O Presidente Nyusi está agora agora a viver momentos de revelações apocalípticas. Que venha a grande VASSOURA. Mas uma vassoura com respectivo desintupidor!
Gosto · 13 h
Jaime Chambule
Jaime Chambule Ja é tarde demais! Vassoura deve partir do próprio Nyusi!
Gosto · 2 · 13 h
Rildo Rafael
Rildo Rafael Tudo dito Egidio
Gosto · 13 h
Debe Paúa
Debe Paúa Agora o PR parece tentar assumir a sua missão...espero que não seja um daqueles actos simplesmente catequéticos. Há muito que estávamos sem presidente...
Gosto · 13 h
Rildo Rafael
Rildo Rafael até agora as visitas presidenciais sugerem que eram necessárias e são uma prática que devem ser encorajadas. Para além da falta de compromisso com o serviço público, as ainda poucas visitas mostram que o estado era gerido em modelos feudais onde grupos de interesse, famílias de empresas ou parentes detinham o monopólio da agenda. O Presidente Nyusi está agora agora a viver momentos de revelações apocalípticas. Que venha a grande VASSOURA. Mas uma vassoura com respectivo desintupidor!
Gosto · 1 · 13 h
Rildo Rafael
Rildo Rafael Tudo dito Egidio
Gosto · 13 h
Simões António José
Simões António José Um post muito curto mas rico de educação. No entanto, penso que será dificil eliminar cantos e danças em visitas presidenciaís poís, faz parte da nossa cultura demonstrar a felicidade através dessas manifestações, alías, até em cerimónias fúnebres cantamos.
Gosto · 1 · 13 h
Rildo Rafael
Rildo Rafael Tudo dito Egidio
Gosto · 13 h
Julia Timba
Julia Timba Nem foi estranho
Gosto · 12 h
Juma Aiuba
Juma Aiuba Exactamente! Se o PR quiser ver timbila ira a Zavala
Gosto · 3 · 12 h
Carlos Jossia
Carlos Jossia Caras iguais e mesmos apelidos em todos os sitios! Porra!
Gosto · 3 · 12 h
Filipe Primeiro
Filipe Primeiro Pais de lambe botas beija maos kikikiki
Gosto · 12 h
Ajm Selemane
Ajm Selemane Eh evidente que esta visita tem um sentido que pode agradar a uns e desagradar a outros. Aqui pode-se ver td. Nao ha vasssoura de. E nunca havera. Porkê? Simplesmente no mirene os interesses ultrapassam td akilo k parece ser evidente. Abram olhos e estudem a situacao sem emocoes politicas ou anti-politicas. A realidade anda encoberta. Egidio ajude tb a da r sugestoes claras e nada de favoritismos politicos
Gosto · 1 · 12 h
Fauzio Mussagy Fernandes
Fauzio Mussagy Fernandes Não achei certo... Uma agenda corrida presidente mostrando querer virar a página da sua história e vem esses grupinhos
Gosto · 12 h
Fauzio Mussagy Fernandes
Fauzio Mussagy Fernandes Dançar plena agenda de trabalho
Gosto · 12 h
Elisio Macamo
Elisio Macamo pessoalmente, vejo esta maneira de governar com reservas. parece sinal de perplexidade. a primeira vez que se fez isto, nos anos 80, foi um desastre total. porquê? porque o que estava em causa, o modelo de estado, foi deixado intacto. esta é uma visão neo-patrimonial do estado que não leva a sítio nenhum. alguém anda a perder o seu tempo e a fazer outros perderem o seu.
Não gosto · 9 · 11 h · Editado
Egidio Vaz
Egidio Vaz Eu concordo em princípio com a sua opinião Professor pois, em princípio sou contra o micromanagement e o dirigismo Tenho a certeza queo próprio PR é contra isso e às vezes irrita-se quando recebe solicitações para "instruções ou orientação". Mas tenho reservas em dois pontos. Primeiro, no que se refere a visita em si. Pelo que sei, serve para inteirar-se dos desenvolvimentos da instituição no terreno. Não julgo tal objectivo de perca de tempo. Segundo, serve também para avançar a agenda da diplomacia pública e um pouco de plitiquice, numa perspectiva de Nyusi entanto que portador da promessa. 
Ora, em ambientes onde a burocracia funciona a mil maravilhas como Alemanha ou China, tais visitas seriam de facto perca de tempo. Mas tempo que em Moçambique ou outros países similares ao nosso, o "push" presidencial é benéfico em todos lados: do lado popular e populista do dirigente, pois reanima as expectativas; do lado do ministro e ministério, pois simboliza a importância e do lado do proprio Presidente, que nem sempre tem a visão total da situação devido a varios constrangimentos incluindo a mentira (prestação de falsos relatórios ou relatórios incompletos, seja por incompetência, seja por mera fraude).
Gosto · 3 · 3 h
Elisio Macamo
Elisio Macamo pudera. parece-me outra versão de presidência aberta... temos um exemplo mais recente: o primeiro ministro de saúde de guebuza. como está esse ministério? pois.
Gosto · 1 · 1 h
Alcídes André de Amaral
Alcídes André de Amaral Sim... Aquilo parece mais a imagem de Samora - em certa medida - do que o proprio Sanora. Isso só porque este já não está entre nós. Todas visitas que o PR fez as Instituições, se mostra mesmo como o patrão e não presidente. Helena Taipo é mestre nisso. Não pode ter o nosso aplauso... O Governo envolve também Instituições Governamentais - parece que nos esquecemos disso quando aplaudimos. Aquilo parece ser Samora de modo menos bruta.
Gosto · 1 · 11 h · Editado
Nguila Nyangulane
Nguila Nyangulane Egidio, nao te esqueças que o PR foi nado numa familia onde pontificam eximios dançarinos/bailarinos/coreografos. Talvez tenha sido por saberem desse facto. Abraço.
Gosto · 2 · 11 h
Hélder Nemésio
Hélder Nemésio Não estamos em festa, estamos a trabalhar. Subscrevo Egidio Vaz.
Gosto · 1 · 9 h
Belito Mb
Belito Mb eu penso que a Timbila foi no âmbito da inauguração do INP. Então, amado Egídio Vaz, ainda não é pratica. espero não estar equivocado, senão serei bloqueado.
Gosto · 3 h
Rafael Ricardo Nzucule
Rafael Ricardo Nzucule Aquele evento foi a propósito da inauguração do edifício do Instituto Nacional do Petróleo. Acho que não está desenquadrado de todo.

Aceitável sim.
Gosto · 2 h
Egidio Vaz
Egidio Vaz O PR visitou o Instituto Nacional de Geologia (havia mamanas a cantar), INP (havia timbila) e a propria sede do Ministério (vi mamanas a cantar).
Gosto · 2 h
Álvaro Xerinda
Álvaro Xerinda Talvez seja a recomendação do PR essas danças

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.