domingo, 5 de fevereiro de 2017

Uma procissão para que chova


O Dom Dinis Sengulane tinha razão. Ao contrário da má língua, suas orações até podiam ter efeito. Agora que entramos aceleradamente em Fevereiro, cada vez mais pensamos no pior que pode acontecer. E o pior é não chover lá na Suazilândia para alimentar o Umbeluzi. A solução Corumana só no final do próximo ano. Há dias conversei com nosso guru das águas, o catedrático Carmo Vaz. O cenário é horripilante. Então eu vejo que uma das soluções é metermos uma cunha lá em cima.
Minha fé diz que sim. Rezar e orar para o milagre distante é pão de cada dia. Nós oramos e fazemos preces para tudo. Para subir na vida, para casar, para ter de volta o amor perdido. Então porquê que não orar para que chova? A laicidade do Estado não elimina nossa religiosidade. Dom Sengulane tentou uma cunha divina e foi vilipendiado.
Outra via seria phatlhar. O presidente Nyusi orientar um muphatlho. Rogarmos aos nossos antepassados para que chova já. O Estado é useiro e vezeiro dessa praxis quando se inaugura uma obra pública e não seria herético se ela fosse usada para nos safar dum dilema colectivo.
Mas certo, certo é mesmo uma prece urgindo intervenção celestial. Uma procissão pode servir. Dom Dinis Sengulane tinha razão. Pois não seria a primeira vez. No Brasil, depois de uma seca profunda que atingiu o lugar de Ilhéus no interior da Bahia, a cidade toda andou em procissão e resultou. Foi nos idos anos de 1925. Não chovia há anos e estavam em causa as plantações de cacau, das quais dependia a sobrevivência dos locais, dos donos das roças “nas terras adubadas com cadáveres e sangue”. Se não chovesse, seria o caos. E todo o mundo saiu à rua.
E resultou. As preces salvaram a safra. Mas o problema é que as chuvas se prolongaram por dias e dias e dias... A oferenda divina foi demasiada.
Querem saber o que aconteceu para as chuvas pararem? Leiam Gabriela Cravo e Canela, a obra seminal de Jorge Amado. A estória de Ilhéus enreda sua monumental ficção. Não sei o que aconteceria se a prece de Dom Sengulane, turbinada por uma procissão de maputenses e matolenses, desse certo. E se chuvesse imparavelmente?
Gosto
Comentar
Comentários
Francey Zeúte
Francey Zeúte Foi também retrada na telenovela Gabriela. Agora, fica complicado para nós porque nunca sabemos aproveitar quando a chuva é abundante. Choramos pela abundância e pela carência.
Gosto · Responder · 8 · 20 h
Estevao Mabjaia
Estevao Mabjaia Como dizes, a ideia de meter cunhas lá acima não é tão estapafúrdia assim. Aqui mesmo na vizinha África do Sul, a 19 de Janeiro último, o The City of Cape Town Mayoral Committee recomendou ao Conselho Municipal da Cidade de Cabo a implementar restrições severas no abastecimento/uso de água, devido ao mesmo tipo de problema que nós: redução severa do nível da água da barragem que abastece a cidade (por escassez de pluviosidade) e uso persistente de água - pelos munícipes - acima das metas diárias estabelecidas (não sei se nossas autoridades de abastecimento de água tinham/têm metas específicas ou se abastecem apenas). Não segui o desfecho mas se aprovadas, as medidas recomendadas tornaram-se efectivas a partir do passado dia 1 de Fevereiro. Dentre as várias acções recomendadas, o Comité anotou também que "We are also requesting our religious leaders to pray for rain." 
A única coisa que me pareceu mais clara é que o plano engendrado para o problema de escassez de água lá da Cidade do Cabo é mesmo um plano, melhor estruturado, com responsabilidades e metas claras... Do nosso lado só vi uma tabela que mostra quando é que cada bairro/zona é suposto receber alguma água.
Gosto · Responder · 2 · 19 h · Editado
Armenio Naene
Armenio Naene Eu acredito que a chuva vira em peso dentro de 10 dias
Gosto · Responder · 1 · 19 h
Rui Costa
Rui Costa Fé também redime às asneiras?! Que bom.
Gosto · Responder · 2 · 18 h
Titos Cau
Titos Cau Pequena correcao: os africanos quando palham fazem preces ao Deus Supremo(Amen/ Amenet), Deuses, Antepassados Espiritualmente Instruidos e Antepassados e nao somente aos antepassados. Quanto a questao da agua, solucao e a dessalinizacao da agua do mar. O processo de dessalinizacao produz agua potavel e electricidade. E uma industria onerosa, mas parece nao haver outra solucao para o problema da agua. Os chineses estao muito avancados no desenvolvimento dessas tecnologias. Mais avancados que americanos, alemaes, japoneses etc. Outro aspecto a ter em conta e que o continente africano esta a ficar desertificado a medida que o tempo passa. Nao ha volta a dar. O estudo das tradicoes africanas, nas suas revelacoes da criacao de Africa e do mundo, traz uma luz sobre esse processo.
Gosto · Responder · 1 · 17 h
Jorge Jone
Jorge Jone Deus supremo?! Então eles deviam ir a Bíblia para saber como se faz.
Gosto · Responder · 2 · 2 h
Titos Cau
Titos Cau Jorge Jone nao e preciso ir a biblia porque tudo que esta na biblia, alcorao, tora, etc sao retalhos retirados da religiao tradicional africana. Portanto essas religioes sao tentativas frustradas de imitar a tradicao africana. A religiao tradicional africana e a UNICA religiao criada por Deus. Monoteismo e uma fraude.
Gosto · Responder · 1 h
Jorge Jone
Jorge Jone Hehehehe. Conheces profundamente todos estes livros para afirmares que são retalhos da religião tradicional africana? Pelo menos sobre a Bíblia tenho a certeza absoluta que pouco ou mesmo nada sabes. A sua descrença num Deus único é sinal inequívoco disso.
Eduardo Zimba
Eduardo Zimba Tomara que chova, três dias sem parar...
Gosto · Responder · 1 · 17 h
Raul Chambote
Raul Chambote Caro Marcelo Mosse, nao sei nao sobre quao eficientes seriam as oracoes dos prelados...Africa do Sul nao conserva agua orando, que o digam Botswana e Namibia da quase querla mitilar entre os dois paises la para a decada de 70. O nosso maior problema e nunca pensarmos em planos alternativos: se plano A falha, vamos com o B. Creio que voce sabe que do rio que desagua ai na Macaneta, Marracuene. Tem sempre agua, agua, agua. Acho que esse seria o plano B para fornecer agua a cidade de Maputo. Existencia desses planos nos fazem notar que correm rios passando nossas vilas e cidades, mas tais vilas e cidades nao tem agua canalizada....Foi do fumo do incenso e oracoes que perdemos muita perspectiva sobre certas coisas neste pais....
Gosto · Responder · 4 · 1 h

Sem comentários:

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.