domingo, 5 de fevereiro de 2017

Fotos dos filhos no Facebook. Sim ou não?




CRÓNICA


Os pais têm o direito de publicar fotos dos filhos nas redes sociais? É seguro fazê-lo?
A Maria acabadinha de nascer. O João a dormir como um anjinho. A Sofia com aquele olhar sedutor. O Miguel com um sorriso maroto de quem só tem dois dentes. Os primeiros passos do Pedro. Ou a acrobacia da Mariana no parque. Há poucas coisas mais ternurentas do que uma foto de uma criança. Especialmente se forem as nossas. Por esta razão, e mais algumas, os pais adoram mostrar as fotos dos filhos aos amigos e familiares. E os feeds do Facebook e do Instagram ou a timeline dos blogues enchem-se de fotos de crianças,
A grande questão — que até já chegou aos tribunais — é se os pais têm o direito de publicar fotos dos filhos nas redes sociais, em particular, e na Internet, em geral?
Para não ficar apenas com a minha opinião (e a minha prática), fiz uma rápida sondagem por alguns amigos. “Publicas fotos dos teus filhos no Facebook?” A primeira resposta foi curta e grossa. “Não”. Porquê? “É um assunto da vida privada”. Outra mãe, outra resposta: “Publico algumas, sempre irreconhecível e demos instruções ao resto da família para fazerem o mesmo”. "Porquê? Achas que não tens o direito de publicar ou é só por segurança?", perguntei. “Ambas”, foi a resposta.
Voltei a fazer a pergunta, desta vez a alguém que está fora do país. “Sim, publico. Porque vivo longe e é uma maneira fácil de os meus amigos e família poderem acompanhar o crescimento deles, já que raramente os vêem”, respondeu-me um dos pais, deixando um par de ressalvas: “Tenho a preocupação de não os mostrar em situações que impliquem desconforto/embaraço (para futuro registo digital) e nunca, mas nunca, os localizo geograficamente.” E juntou uma adenda. “Num futuro próximo, poderei deixar de publicar fotos deles e até as poderei apagar todas, se for esse o desejo deles.”
A última resposta que recebi é muito parecida com a anterior. Os pais só publicam fotos dos filhos às vezes, mas com o cuidado de as limitar aos amigos e não deixar que sejam vistas por conhecidos deles. A razão para publicar fotos é fácil de adivinhar. “Porque sou uma mãe estupidamente babada. E para ir dando noticias nossas à família e amigos espalhados pelos quatro cantos do mundo.”
PÚBLICO -
Foto
Esta discussão já começou há alguns anos e promete continuar. Até na justiça. Num caso de um casal divorciado, o tribunal definiu as condições da regulação do poder parental e, entre elas, incluiu o dever de os pais não divulgarem “fotografias ou informações que permitam identificar a filha nas redes sociais”. A mãe recorreu para o Tribunal da Relação de Évora, que foi bem claro na resposta. “Na verdade, os filhos não são coisas ou objectos pertencentes aos pais e de que estes podem dispor a seu belo prazer. São pessoas e consequentemente titulares de direitos”, escreveram os juízes Bernardo Domingos, Silva Rato e Assunção Raimundo num acórdão de Julho de 2015.
Argumentando que há um “perigo sério e real” de a divulgação de fotos de crianças nas redes sociais as deixar mais susceptíveis a predadores sexuais, os juízes concluem que a proibição de publicar fotos que permitam identificar a criança é “adequada e proporcional à salvaguarda do direito à reserva da intimidade da vida privada e da protecção dos dados pessoais e sobretudo da segurança da menor no ciberespaço”.
Confesso que mais do que ser um legalista ou proibicionista, sou fã da lei do bom-senso. E, por isso, o que realmente me choca são os pais que publicam fotos dos filhos sem qualquer pudor ou contenção (e, como viram, não é o caso dos amigos acima citados). Mas há muitos que não respeitam as dicas básicas de segurança, como enumerava um artigo da Notícias Magazine, de Junho de 2014: nunca publicar fotos de crianças no banho ou de fraldas, nem com uniformes escolares; evitar pôr fotos em alta resolução; não fazer post de imagens em que crianças aparecem com objectos de valor ou imagens em que seja fácil identificar o local (a escola, a casa, etc). Também fundamental é ter o cuidado de restringir ao máximo o número de pessoas que podem ter acesso à imagem no Facebook, limitando, por exemplo, a acesso a amigos mais próximos — e, mesmo assim, as definições de privacidade no Facebook são um mundo em constante mutação, sendo fácil cometer erros.
Estes conselhos são todos úteis para quem não resistir à tentação. Eu, porém, prefiro seguir neste caso a regra do menos é mais: zero fotos é igual a zero riscos. E as imagens hão-de chegar, por outros meios (menos fáceis mas mais seguros), aos avós, tios e amigos que vivem longe. É que — como alguém escreveu num texto erradamente atribuído na Internet a José Saramago — um “filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém al��m de nós mesmos, de como mudar os nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem”. Na feliz (e assustadora) expressão desse autor desconhecido, os filhos "são apenas um empréstimo". E, por isso, prefiro que um dia não me cobrem essa dívida: “Pai, como foste capaz de publicar esta foto minha no Facebook?”.

Sofia Duarte Caetano
 O problema é que a maioria dos predadores sexuais, mais do que surgirem pela internet, devem entrar pela porta da frente, porque são familiares, amigos ou vizinhos... e aí, não interessa nada como publicam as fotografias, se as desfocam ou põem smileys à frente da cara dos miúdos. Interessa mesmo é que tenham os olhos abertos, o que infelizmente nem sempre acontece.
Gosto · Responder · 26 · 12 h
Miguel Santos
Miguel Santos Não é só esse o problema ....e verem as fotos gostarem da criança e ....tudo fazerem para a roubarem
Gosto · Responder · 4 h
Sofia Duarte Caetano
Sofia Duarte Caetano Miguel Santos , não digo que não. Só acho que há uma preocupação excessiva com isso, quando há problemas mais perto de casa. A probabilidade de acontecer algo é maior pela proximidade, do que pela internet. Os casos que surgem constantemente na comunicação social, ou que conhecemos, são quase sempre de familiares, professores, treinadores ou pessoas próximas em quem as crianças confiam... muito raramente de pessoas pela internet.
Jorge Quinta-Nova
Jorge Quinta-Nova Chegará o dia em que meteremos os putos no armário até aos 18 e lhes negaremos a existência autónoma. Eu por mim deixo-os ir para a rua, meter a mão na terra e chafurdar na realidade. Esconder não evita, atrofia.
Gosto · Responder · 33 · 13 h · Editado
Katya Marques
Katya Marques uma coisa é brincar na terra porque a criança quer, outra é publicar fotos dessa mesma criança sem a sua autorização.
Gosto · Responder · 7 · 12 h
Nuno Caldeira
Nuno Caldeira Katya Marques, as crianças não têm essa autonomia, os pais é que autorizam ou não. Por exemplo, quaisquer televisões estariam bem tramadas para publicar fotografias, ou filmagens, de locais públicos onde aparecessem crianças, e se tivesse que perguntar a cada uma se autorizava que a sua imagem fosse vista por milhões de telespectadores...
Gosto · Responder · 6 h · Editado
Carla Rodrigues
Carla Rodrigues O que já satura é a quantidade de pessoas, muitas sem filhos, a quererem ditar como os filhos dos outros deverão ser educados, (ou, de uma maneira mais geral, a querer ditar como os outros devem viver,) independentemente de isso os afectar ou não. Já agora, a esmagadora maioria dos predadores são próximos das crianças, vamos proibir crianças de viver com adultos só para precaver? Quanto à pergunta do pai como foste capaz de por a foto no FB, o problema não é o FB, é mesmo a foto. Também tenho fotos parvas de quando era miúda, como não sou o centro do Universo- ninguém se lembra ou quer saber.
Gosto · Responder · 11 · 9 h · Editado
Nuno Caldeira
Nuno Caldeira Paranóia sem sentido nenhum. A pedofilia, e a recolha de fotografias de crianças por predadores sexuais, são muito mais antigos que o facebook. Lembro-me dum episódio do meu tempo no infantário, na Guarda. No acesso tinha um portão enorme, trancado, obviamente, que para nós, à proporção, era como a Porta Férrea da Universidade de Coimbra para os adultos. Era mesmo grande. O quartel dos bombeiros ficava a menos de 500 metros de distância, e um dia tocaram a sirene. Acto contínuo, corremos para o portão, a gritar, e a trepá-lo. Devíamos ser uns 30 miúdos ali a gritar e a abanar o portão. Várias pessoas pararam a olhar para nós estupefactas, e a tirar fotografias. 35 anos depois não sei quem eram as pessoas, nem o que fizeram com as fotografias. Acham que alguém nos pediu autorização para nos fotografar, ou às educadoras que lá foram tirar-nos do portão para baixo?...
Gosto · Responder · 1 · 6 h · Editado
Anselmo Realinho
Anselmo Realinho Eu posto, muitas e nunca tive problemas. Pois estou sempre vigilante, atento. Do que serve proteger a identidade das crianças no Facebook se depois as deixam no parque e vão para o café que é logo ali? Ou as deixam brincar e se distraem com a conversa ou se as deixam em casa porque elas até há estavam a dormir e elas dormem semore a noite toda seguida e por aí fora. O que não faltam é exemplos de incúria em relação aos filhos
Gosto · Responder · 1 · 11 h
Margarida Roque
Margarida Roque Concordo plenamente com esse juiz do tribunal de Évora. Nós não somos titulares dos direitos dos filhos, e como diz, a jornalista 0 fotos 0 riscos.
Gosto · Responder · 4 · 8 h
João Santos
João Santos É internet é um mundo , enquanto no passado as fotografias ficavam no album e só era aberto e dado a conhecer ás pessoas mais próximas era difícil de copiar .A internet abre a porta para biliões de pessoas com finalidades muito diversas e o lado mau é rede de trafico de crianças para mais diversas finalidades . E estar repetidamente a postar fotografias de crianças mais as actividades e rotina não contribui para segurança das crianças... Nem 8 , nem 80. Isto já para não falar de outras questões como por exemplo a criança crescer e virar um adulto e as fotografias que estão postadas no facebook ou outra rede social terem impacto a nível profissional , académico , amoroso.... Estou-me lembrar de um artigo em que dizia que uma mulher processou os pais por não retirarem fotografias que estão no facebook por considerar fotos embaraçosas. É basicamente uma violação ou abuso da intimidade da criança e que pode ter repercussões no futuro.
Gosto · Responder · 7 · 13 h · Editado
Rui Duarte
Rui Duarte Se o problema é pedofilia, então não faz muito sentido, pois é um triste fenómeno bem anterior ao face!!! Então aquela foto de família tirada nas férias, algures numa do Algarve onde estamos todos em trajes de banho??? Será crime???
Gosto · Responder · 1 · 8 h
Nuno Caetano
Nuno Caetano A paranóia... Como se alguém ligasse ao que zé ninguém mete no facebook ou não.
Gosto · Responder · 7 · 13 h · Editado
Joana Carmona
Gosto · Responder · 9 h
Miguel Santos
Miguel Santos Direito tem ,seguro não ....eu não publicava ...mas ...cada um faz como pensa ...
Gosto · Responder · 4 h
Ana Adelaide Oliveira Fernandes
Ana Adelaide Oliveira Fernandes O que me choca mesmo é a tirania "do que eu acho que é melhor para os meus filhos devia ser um livro sobre educaçao" meus caros, guardem as fotos dos vossos filhos ou mostrem ao mundo, ninguem se importa!!!!
Gosto · Responder · 4 · 2 h · Editado
Rita Gigante
Rita Gigante Maria Agudo Manuel André nem por acaso ! Lembrei-me logo da nossa conversa
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Octávio Rebelo da Costa
Octávio Rebelo da Costa Eu até do meu cao quando vou a rua leva um saco preto na cabeça pa ninguem o ver!
Gosto · Responder · 5 · 13 h
Pedro Baptista Coelho
Pedro Baptista Coelho Tb penso como o autor do artigo, mas lá está, cada um é livre de ter a postura que quer.
Fábio Viegas
Fábio Viegas Talvez os alunos da casa pia tenham sido abusados por ter fotos no facebook e aqueles milhares de crianças abusadas pelos progenitores tbm. Vamos banir as fotos de crianças nas papás tbm... nem muito ao mar nem muito à terra.
Gosto · Responder · 1 · 5 h
Ricardo Henriques Silva
Ricardo Henriques Silva Do meu, não.
Gosto · Responder · 1 · 7 h
Antono Manuel Canario
Antono Manuel Canario Fotos de crianças não devem ser aqui expoostas.Anda por ai mui pedófilo.
Gosto · Responder · 6 h
Aurora Torrodão
Aurora Torrodão A Polícia aconselha constantemente no Facebook a não fazê-lo e dá razões. Para mim bastava isso.
Gosto · Responder · 5 h
Julio Ricardo V. Dos Santos
Julio Ricardo V. Dos Santos Alguns pais fazem lavagem cerebral nas crianças, vestem roupas de times de futebol, mostram as crianças caindo de escadas, fazem elas cantarem funk ... etc etc... UM ABSURDO. Esse programa da TV SBT, chamado Raul Gil é vergonhoso. Usa as crianças pra ganhar audiência (e dinheiro)
Gosto · Responder · 9 h · Editado
Ana Vanessa
Ana Vanessa Opção única e exclusiva dos pais.
Gosto · Responder · 2 · 7 h
Pedro Gomes
Pedro Gomes Não ha mal nenhum com os pais que publicam fotos dos filhos no facebook.
Gosto · Responder · 1 · 10 h
Suzete Sousa
Gosto · Responder · 8 h
Inês Lopes
Inês Lopes Decididamente, NÃO!
Gosto · Responder · 7 h
Joana Costa
Joana Costa É jogador do Estoril?!!!
Gosto · Responder · 3 h

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook