domingo, 27 de novembro de 2016

Um ditador é um ditador. Ponto final, parágrafo

Os números do regime (sangrento) de Fidel Castro

2.288
29
O regime de Fidel Castro é responsável por pelo menos 8.190 mortes, segundo o Cuba Archive. Os fuzilados, os desaparecidos e os presos da ditadura castrista.

AFP/Getty Images
Noventa anos de vida, quarenta e nove de ditadura, nove dias de luto. A morte do ditador comunista Fidel Castro é também um ponto de viragem na História de Cuba e do mundo. A notícia, dada na madrugada de sábado por Raul Castro, atualmente no poder, dividiu reações por todo o planeta.
De acordo com o projeto Cuba Archive, o regime de Fidel Castro foi responsável por três vezes mais mortes que o regime instalado no Chile por Pinochet. Conheça estes e outros números do longo regime de Fidel Castro nesta infografia.

Fidel Castro

Um ditador é um ditador. Ponto final, parágrafo


O balanço de quase 57 anos de castrismo é trágico. Inimigo das liberdades, apenas ofereceu ao povo uma pobreza resignada. Por isso é intolerável a duplicidade moral com que avalia o legado de Fidel.
Há muito que Fidel Castro não era uma figura deste tempo. Não por estar doente e afastado do poder, que passara ao irmão, mas por representar uma utopia há muito desacreditada, a utopia marxista-leninista, e a mais trágica das ilusões do século passado, a ilusão comunista.
O El Pais tinha ontem um título feliz: El siglo XX queda definitivamente atrás con la muerte de Fidel Castro. O texto centrava-se em Cuba, mas a mensagem serve para o mundo. Mesmo que alguns teimem em não a escutar.
Fidel sobreviveu a todos os demais não apenas porque viveu até aos 90 anos e morreu na cama. Fidel sobreviveu-lhes porque, mesmo tendo cedido as rédeas do poder ao seu irmão Raúl, morreu numa Cuba moldada à sua imagem e semelhança, subjugada à sua vontade, tão pateticamente “revolucionária” como o ancião que já só víamos em raras aparições envergando lustrosos fatos de treino.
Mas Fidel sobreviveu sobretudo porque conseguiu manter viva – ainda que cada vez mais tremelicante – a chama que alimentou o seu mito e o mito do socialismo “gentil” e caribenho. Há nessa sua arte uma mistura de felizes circunstâncias histórias, muito carisma pessoal e uma dose ainda mais considerável de cegueira de gerações de “sonhadores” sempre disponíveis para se deixarem seduzir por ditadores.
O mito castrista começou muito antes de entrar triunfalmente em Havana a 1 de Janeiro de 1959. Começou com um fracasso – o assalto ao quartel Moncada, em 1952 – e continuou com uma aventura – a partida, há exactamente 60 anos (a 25 de Novembro de 1956), do iate Granma da costa de Veracruz, no México, em direcção a Cuba com 81 jovens revolucionários a bordo. Depois aconteceu o milagre: Fidel está entre os 12 revolucionários que conseguem escapar a um desembarque catastrófico e, com base nessa minúscula força, consegue iniciar na Sierra Maestra um movimento de guerrilha que depois o levaria até Havana.
Foi nesse tempo que a sua imagem romântica começou a ser construída, e por um jornalista do New York Times, Herbert Matthews, que o apresentou ao mundo como o homem que iria resgatar Cuba da ditadura corrupta de Fulgêncio Batista em nome dos mais puros ideais democráticos. Quando finalmente triunfou, não demorou a revelar os seus métodos: os julgamentos populares tornaram-se comuns na Cuba revolucionária, as execuções sumárias banais, muitas delas supervisionadas pelo seu companheiro Che Guevara. Não demoraria muito a abolir todos os partidos políticos, a liquidas a liberdade de expressão e informação, a promover a nacionalização de toda a economia e a sistematicamente ver-se livre de todos os que lhe poderiam fazer frente (Cienfuegos, o primeiro a fazer-lhe frente, morreu num acidente de aviação; Che vaguearia pelo mundo, embaixador da revolução, até ser morto nos confins da selva boliviana).
Só que, entretanto, já nascera o mito da revolução cubana – um mito que teve como primeira fonte tratar-se daquilo a que um antigo embaixador britânico, David Thomas, chamou “um produto crioulo”, isto é, uma revolução made in Cuba, uma revolução bem diferente das que, na Europa, tinham sido impostas pelos tanques soviéticos. Uma revolução que, para mais, era telegénica, com os seus “barbudos” e as suas fardas cor de azeitona. Korda, o fotógrafo revolucionário que captou a icónica imagem de Che Guevara que depressa começou a ser estampada em t-shirts por todo o mundo, imortalizaria também um Fidel de barrete militar e charuto na boca, uma imagem “cool” que contrastava com o cinzentismo das geriatrias que governavam a URSS e os países da Europa de Leste.
Se a tudo isto acrescentarmos a ideia, cuidadosamente cultivada, de um pequeno David (Cuba) e desafiar um poderoso Golias (os Estados Unidos), então temos quase todos os ingredientes necessários para explicar o fascínio que o castrismo teve, e que em parte ainda mantém apesar da evidente decadência do regime e do seu líder.
Mas para termos uma explicação completa é necessário acrescentarmos dois outros factores. O primeiro, foi o génio político de Castro. O segundo a duplicidade moral de boa parte da esquerda e da intelectualidade quando se trata de julgar ditadores socialistas.
O génio político de Castro – que quando entrou em Havana nem era ainda comunista, ao contrário do seu irmão Raúl e do próprio Che Guevara – passou, primeiro, por ter adoptado a ortodoxia que, nos anos da Guerra Fria, lhe permitia ter um aliado disponível para pagar todas as contas de uma Cuba com a economia dizimada pela estatização, e, depois, por ter percebido que só resistindo na ortodoxia e mantendo o regime o mais fechado possível, conseguiria sobreviver, isto é, conseguiria evitar ter o destino de Gorbatchov.
Acontece porém que o génio da sobrevivência política nem sempre é um bem para quem tem de o suportar, algo que Portugal sentiu na carne porque Salazar também teve o génio para sobreviver à vitória das democracias na II Guerra e, depois, ao eclodir das guerras coloniais. Sabemos como isso condenou Portugal ao atraso, tal como sabemos como o castrismo condenou Cuba à miséria. Como em tempos disse Eloy Gutiérrez Menoyo, ex-comandante e revolucionário de 1959, “todos queríamos liberdade e justiça social, mas a revolução foi sequestrada por Fidel e o preço que pagámos foi demasiado alto”.
Altíssimo, tanto no que respeita á falta de liberdade – há muito menos liberdade em Cuba do que houve em qualquer período da ditadura salazarista, algo que só por absoluta cegueira se pode negar – como à pobreza generalizada a que condenou a ilha. Aquele que era o país mais desenvolvido da América Latina quando Castro entrou em Havana é hoje um dos mais pobres e nem sequer é verdade que isso tenha sucedido em nome da igualdade – em Cuba são pobres os que só têm pesos, vão-se desenrascando os que têm acesso aos dólares das remessas da emigração ou do turismo – ou por causa do “bloqueio”.
De resto a permanente insistência em atribuir todos os males do país ao “bloqueio” é, ao mesmo tempo, uma demonstração do génio político de Fidel, que sempre soube explorar a obsessão estúpida dos norte-americanos para explicar todos os seus fracassos económicos, e uma demonstração de como dominava as técnicas orwellianas de fazer com que a realidade não fosse o que era, mas a forma como o regime a descrevia. Na verdade Cuba nunca sofreu um “bloqueio”, nunca esteve cercada por navios que bloqueassem a entrada e saída de mercadorias dos seus portos ou F16 que fechassem o seu espaço aéreo. Cuba sempre pode ter relações comerciais com a maioria – a quase totalidade – dos países do mundo e com quase todos os seus vizinhos. Em Cuba pode-se mesmo encontrar produtos norte-americanos nas lojas, mas só nas lojas que só aceitam dólares. O “bloqueio” de Cuba sempre foi outro: uma economia dependente da monocultura da cana-de-açúcar que só sobreviveu com alguma largueza enquanto a URSS comprava as safras a preços muito acima dos de mercado. No entanto ainda hoje boa parte da esquerda (vejam-se as reacções à morte de Fidel do PCP e de figuras como Louçã) ainda nos falam dos sofrimentos do povo cubano como sendo uma consequência do inexistente “bloqueio” em vez de a atribuírem à mais que demonstrada ineficiência da sua economia estatizada.
Esta duplicidade moral da esquerda pode ser ilustrada com uma provocação simples, mas verdadeira: o regime de Castro matou muito mais opositores do que o regime de Pinochet; Castro, ao contrário de Pinochet, nunca permitiu uma consulta livre sobre o seu destino político, nem abandonou o poder respeitando a vontade popular; Castro encontrou uma Cuba corrupta mas economicamente dinâmica e deixa-a empobrecida e corrompida pelos mesmos males que vituperou, como prostituição, enquanto Pinochet recuperou a economia chilena, ainda hoje a mais dinâmica de toda a América Latina. Castro não deveria por tudo isso merecer mais condescendência do que a tolerância zero que justamente dedicamos à ditadura chilena. Sabemos bem como não é isso que acontece e como tantos procuram encontrar justificações e desculpas para continuarem a adular o “barbudo” que alimentou os seus sonhos juvenis, mas que hoje são apenas delírios senis.
Um ditador é um ditador, e quando tantos, à esquerda e até à direita, continuam a desculpar, justificar ou mesmo adular figuras como Fidel Castro, estão apenas a regressar à velha máxima que levou os Estados Unidos a apoiarem vários regimes ditatoriais: “é um filho da puta, mas é o nosso filho da puta”.
Possa a sua morte trazer melhores dias para o sacrificado povo cubano.

Um ditador é um ditador. Ponto final, parágrafo
Mais votados26
Todos181
Bruno Guedes
2 d
Os ditadores de esquerda são mais fofinhos que os ditadores de direita. São uns heróis românticos, que mataram, é verdade, mas foi tudo pelo bem-estar do povo trabalhador. Eles só não deram maior liberdade ao povo porque o povo ainda não estava pronto para tanta liberdade, era preciso educa-los primeiro, está a ver. Eram ditadores, mas eram daqueles ditadores apoiados por Prémios Nobel da Literatura, protegidos pelos artistas, essa elite bem-pensante que está sempre do lado certo da História. Para a Esquerda, ditadores são os políticos de centro-esquerda em diante eleitos pela "burguesia". Na "verdadeira Esquerda patriótica" não há ditadores, só há Grandes Líderes! E quem assim não pensa é fascista, nazi, neoliberal e o diabo à solta!
José Pereira
2 d
Fui um (dos muitos) Portugueses que visitou cuba, com medo que fidel morresse para conhecer o "espirito e imaginário da revolução". Foi há 14 anos atrás e o que conheci foi exatamente o que o JMF descreve. Porque não quis apenas estar espraiado em varadero, percorri havana e alguns locais de cuba não tão turística. Foi uma verdadeira revelação: um povo oprimido, amordaçado, triste (apesar de alegres), com fome de liberdade e pobres, muito pobres, quase todos! Talvez não passem fome. Talvez o governo distribua pão como distribui as fardas para as crianças que andam na escola. Mas vivem todos igualmente muito mal. Experiência miserável para quem adora os cubanos e cuba. E sim também identifiquei os "vigilantes" do governo.
Vitor Reis
1 d
Muito bom. Um artigo excelente, talvez dos melhores que aqui vi escritos pelo José Manuel Fernandes. Adular e bajular ditadores são sempre atitudes mesquinhas daqueles que revelam uma enorme pobreza de espírito. Fidel foi um ditador em nome de um ideal que nada teve de revolucionário. Quem já visitou Cuba conheceu a pobreza de um povo que só não se foi acentuando para toda a população porque o turismo permitiu a entrada de divisas. Quando agora se dão loas a um ditador a que nada faltou dos bens de consumo isso significa que há muitos destes personagens que gostariam de estar no lugar dele. 

O problema mesmo é que o mundo está encresoado destes rapazes que, com a justificação do melhor para o seu povo, o arrastam para a miséria latente, prolongada, definitiva. Fidel teve o que sempre quis, mandar num povo e num país, catequisando milhões com as suas ideias e os seus ideais. Precisou, claro está, de um exército de fiéis seguidores, de bajuladores, a quem também atribuía benesses que nunca estiveram ao alcance da demais população. É sempre assim, isso faz parte da história e é dos livros. 

Em Portugal criticou-se asperamente – e com toda a razão – as dezenas de anos que Salazar esteve no poder, em Cuba dão-se graças pelo estado em que 50 anos de poder comunista deixou um país. É a costumeira duplicidade entre o que é de direita (péssimo) e o que é de esquerda (fantástico). 

Fidel não foi mais do que um personagem político que abominava ideias contrárias, que detestava que outros tivessem opiniões diferentes. Afinal, todas as ditaduras e os ditadores são assim. Para os de fora as barbas do senhor davam-lhe um ar patusco e era a sua imagem de marca. Para os de dentro, o problema maior não era as barbas, eram as ideias e a sua permanente obsessão de castrar quem não pensasse da mesma maneira. 

Abomino este tipo de políticos e mais detesto todos aqueles que pregam a democracia quando estão fora do poder e depois se revelam nas mais nefastas atitudes de ditadores quando o alcançam. Pensem só o que seria de um país como o nosso se algum dia o PC e os “aprendizes” do Bloco estivessem no poder sozinhos. A democracia tem para eles um significado diferente consoante o seu posicionamento na política.
Vento Forte
1 d
Ainda hoje escrevi um comentário no DN a respeito de um comentário da autoria de Cipião Numantino à crónica de Paulo Baldaia... Ambos os comentários foram censurados... Já lá não estão. Também ontem escrevemos dois comentários sobre o comunicado do Papa Francisco a respeito da morte do ditador assassino Fidel... Pois bem, ambos foram censurados... Passada uma hora, tinham desaparecido! 

Que diziam essencialmente esses comentários?

a) Sobre o Papa Francisco, expressávamos o nosso espanto pelo facto do papa não condenar o falecido ditador, a morte, a prisão e a opressão de tantos inocentes. No meu caso, lembrava o papel do saudoso Papa João Paulo II, que foi fundamental para o fim das ditaduras a leste... Pelo contrário, afirmei nesse comentário que o Papa Francisco parecia estar a trabalhar para as restaurar no ocidente, aliás a intervenção recente na Venezuela parece ir nesse sentido, uma vez que impôs um diálogo que afinal só favoreceu até ao momento a ditadura de maduro!

b) Hoje, a respeito da crónica de Paulo Baldaia, Cipião Numantino declarava a sua concordância com o cronista e lamentava que o país estivesse sem oposição. Comentei então que, embora acompanhe muitas vezes o pensamento de Cipião, neste caso não o podia fazer. Como argumentos, registei que tinha acabado de ver a RTP 3 acerca de Fidel e acrescentava que, se os media estavam a conseguir apresentar um ditador assassino como um herói e um santo, não seria de estranhar que estivéssemos aparentemente sem oposição... Que, na verdade a oposição existe e está a fazer o seu trabalho, acontece que nos regimes populistas e ditatoriais primeiro se diaboliza a oposição, depois cala-se e por fim mata-se!... Que no nosso caso, as duas primeiras fases já estão em prática evidente: o governo está a diabolizar permanentemente a direita e os media estão a fazer de lápis azul, censurando a informação... Aconselhei, então, Cipião a consultar as páginas do PSD e CDS para verificar que  a oposição existe e está a fazer o seu trabalho mas não consegue a atenção dos media senão em ocasiões extraordinárias ou em caso de ter falhado o pé.... Enfim, sugeria que pouco a pouco a oposição está ser colocada numa espécie de clandestinidade! Se não, perguntava: alguém conhece, discutiu, debateu as propostas de alteração do Orçamento de 2017 do PSD e do CDS? Não, pois não... Mas eles existem!

PS.: A censura voltou... A propaganda tomou conta de todos os media portugueses, sem exceção! O que aqui conto é a prova disso mesmo!

PS.: Espero que o comentador que dá pelo nome de Cipião Numantino possa confirmar o que aqui relato!
Pedro Santos da Cunha
1 d
Segundo a Revista Forbes este Assassino tem uma fortuna Pessoal superior a US$ 500 Milhões!
Lindo não é?
E também, segundo parece, o mano também tem uma Fortuna ainda Maior!
Viva a Revolução! 
A deles, claro!
Carlos Resende Alves
1 d
você é tão cobarde que vem aqui criticar aqueles que dão a cara e têm coragem de expressar a sua opinião sobre um ditador. Tenha vergonha e se não tem coragem de dar a cara, não está aqui a fazer nada... Desapareça !!!
Carlos Rodrigues
1 d
um ditador é um ditador, Um assassino é um assassino, Estes pseudo politicos e pseudo comentadores que lamentam ou choram  a morte de um ditador e de um assassino são autenticos cataventos,autenticos cretinos,autenticos manipuladores. Que alguém tenha pena deles! Vale uma aposta: Marcelo,Costa,Santos Silva deslocam-se a Havana para o funeral deste assassino!
Manuel Barroso
2 d
Assim mesmo, sem meias-palavras e certeiro!
Paulo Correia
1 d
A esquerda nunca se preocupou com a miséria ou a falta de liberdade. Apenas se preocupa com a tomada do poder. A solidariedade para com o regime cubano e a indiferença para com a morte dos opositores e para com a miséria do povo cubano são bem demonstrativas disso.
MaxMartins Martins
1 d
Nem La Palisse diria melhor...
Um ditador é sempre um execrável assassino...quer seja de direita quer seja de esquerda...
Não dá por isso para entender que alguns achem que um ditador de esquerda é uma democrata e sempre "tem desculpa" para as piores arbitrariedades que cometa...
E um ditador de direita será sempre...um assassino sem "desculpa"...

Quando é que se "aceita" que entre um e outro...o diabo que escolha...?

Neste caso, morreu mais um ditador (é a "vingança" das suas vítimas...nenhum cá fica...)...e ponto final...!



Katty Jerónimo Costa
1 d
"festeja a morte de Fidel"?

Sei de muitos cubanos que festejaram a morte do ditador...

Faleceu o rei da igualdade ... na pobreza. Só os caciques do partido se safavam.

Não me importava nada de ser herdeiro material deste ditador.
Carlos Resende Alves
1 d
Excelente mais uma vez JMF. Que bom haver pessoas como você capaz de falar verdade, ao contrário de muito boa gente que branqueia e idolatra a vida de um ditador. parabéns !
Red Baron
1 d
Fidel Castro escravizou o povo cubano e remeteu-o á mais abjecta miséria.

A morte de um "animal" destes é motivo de felicidade para a Humanidade.
Paula Pereirajosé maria
1 d
Quero lá saber do PSD, do PS ou do CDS...Penso por mim e não por nenhum partido! Era um ditador e um assassino e nenhum democrata se pode rever nele. Ponto.
Carlitos Sousa
1 d
Gosto da frontalidade na avaliação do ditador. 
Não porque tentou subtrair Cuba ao colonialismo americano, mas quando submeteu por 50 anos o povo cubano a uma sanguinária ditadura e a uma miséria indescritível seguindo os ditames de um comunismo utópico.
Em sentido inverso detesto a hipocrisia dos que tentam justificar os crimes de Fidel Castro e Guevara , em prol dum sonho romanticamente revolucionário ao qual nem Marcelo escapou.
Faço votos que Raul se sinta agora menos condicionado para encetar um rumo que traga prosperidade e felicidade ao martirizado povo cubano. 
Fernando M Nogueira Francisco
1 d
Duas notas caro anónimo:
- Parece que não leu a crónica, pois JMF fala do que havia antes da revolução e deu-lhe os nomes adequados.
- Já foi a Cuba? Conhece a realidade? O "amor" que os cubanos têm ao "socialismo"? Se lá fosse chegaria rápidamente a conclusão que aquilo que se lá vive é muito pior que antes do nosso 25/4. Aqui vivia-se, lá sobrevive-se.  
Joao MA
1 d
Excelente.

Um assassino, torturador e opressor dum povo nao pode ser branqueado só por ser de esquerda.
É um monstro igual a Estaline, Hitler e outros. Só que um monstro que conta com o beneplácito do establishment de esquerda em Portugal. O Marcelo ainda conseguiu ir ao beija-mao.
Manuel Almeida Gonçalves
1 d
Soberbo, cheio de razão. A duplicidade moral da esquerda é ignóbil e cínica. A maioria da direita já ultrapassou essa fase e pode vilipendiar à vontade Berlusconi, Trump, Orbán, para nem falar de outros escroques do passado.
Alexandro De Pinedo
1 d
Un amigo y familia  portugues, siempre me manda estos analisis periodisticos, muy bien escritos por periodistas portugueses. Si. Estoy obligado a contestar, 1- Porque soy cubano 100 %. y 2- Porque vivo en el exilio por mas de 26 anhos, y no solo puedo comparar las sociedades capitalista y socialista; sino que puedo ver perfectamente como, mi pais lo ha ido destruyendo paulatinamente  un dictador comunista, culturalmente, estructuralmente, moralmente, educacionalmente, politicamente, socialmente y puedo decir  muchas cosas mas. La revolucion cubana y su ideologia comunista aun si tenian buenas intenciones sus lideres, nunca fue suficiente. Ninguna dictadura es buena...... Ni de izquierda ni de derecha. El resultado de el experimento de aplicar la ideologia marxista en la revolucion fue; miles de muertos, millones de exiliados (Me incluyo), y un pais destrozado y muerto de hambre .............Yo no lo acuso Dios lo juzgara' ............!!
Paula Pereira
1 d
Uma crónica final e lapidar. O que espanta é que estas evidências não sejam subscritas por todos os partidos democráticos. O PCP e o BE não admira que tomem a posição que tomam, não são democratas.
Cipião Numantino
1 d
Mentira!!! JMF deu a entender que só havia gente infeliz em Cuba. Mas isso é uma redonda mentira, já que por lá só existe gente feliz. Isto porque, aos infelizes, já Fidel os mandou matar a todos!...
2- Uma das atitudes mais asquerosas e patéticas da esquerda é a glorificação dos seus heróis. A cambada comunista não tem qualquer tipo de pudor neste preciso aspeto. Podem ser os maiores bandidos e escroques tal como Fidel e Che e, mesmo assim, serem glorificados. Por isso muitas vezes escrevo por aqui que o comunismo é uma religião. E mesmo que nada o suporte mais aos seus pretensos heróis, para a populaça comuna é tudo gloriosamente aceite. Se alguém por eles endeusado expelir um traque mal cheiroso, haverá sempre uns quantos que gabarão a excelência do cheiro. Em suma, tudo entra no espaço-tempo da divina fé, e na antítese do mais elementar racionalismo. Esta postura vem de longe. E é tão antiga como a própria História. Quando Plínio-o-Jovem (sobrinho-neto de Plínio-o-Velho que morreu na erupção do Vesúvio e como ele um grande cientista e orador) era o procônsul romano (governador) da Bitínia província romana onde hoje se situa a Anatólia turca, tendo-lhe sido levados alguns cristãos ao seu palácio de Nicomédia para julgar, ele tem o seguinte desabafo em carta para o imperador em Roma "o que é que hei-de fazer a estes infelizes desgraçados, que estão dispostos a ceder a honra e a vida a troco de uma quimera?". Como se passaram 2.000 anos e a interrogação de Plínio continua ainda tão atual?...
José Montargil
1 d
José Manuel Fernandes tem uma denúncia pela frente: escrever aos sete ventos que aos media amplificam, essa condescendência, esse duplo critério que a esquerda, os extremistas do BE e os comunistas promovem a torto e a direito de que o regime cubano era diferente , era progressista, era a favor dos pobres de todo o mundo.
Diziam que era um país desinteressado que ajudava os povos a saírem das "garras do colonialismo". Viu-se em Angola como os cubanos se portaram, pessimamente, e é apenas um exemplo. 

O duplo standard é fatal e a maioria da malta engole o que estes jornalistas papagueiam. Os políticos já se sabe, usam e abusam do politicamente correcto. Mas é uma vergonha as notícias e os telejornais. Raros são os que são minimamente isentos. O Rebelo de Sousa então, metia dó. Esse está armado em Miss Simpatia a querer que todos gostem dele. Um dó!!!



Cuca Neco
1 d
O Jerónimo também vai ter o seu destino ingénuo.

E está para breve. Rigorosamente a não perder, como dizia o outro que foi saneado da SicNotícias (mais uma vítima do esquerdismo militante).
martins bento
2 d
Um movimento ,dito socialista revolucionário,requer uma"vanguarda",um comité directivo,que escolhe entre os "iluminados" o seu chefe.Com as dificuldades que encontra qualquer desses processos,na vida corrente,quer a posição do chefe ,quer da"vanguarda" ,têm de ser assegurados,ou pela demagogia,ou por polícias politicas.Aconteceu em Cuba e aconteceu,que me lembre,em todos os regimes de partido único,ou dominante.Os cubanos são perseguidos,a moeda dupla é uma farsa e vivem todos pobres,embora sem as favelas do resto da América do Sul,porque construíram um razoável sistema de educação e de saúde.Contam com estupidez  de muitos milhões de europeus
Paulo Coelho
1 d
anónimo cobarde -
reza para que nunca se zanguem contigo no teu partido se não ainda vais parar a um Gulag. depois perceberias melhor quem é escumalha.
José Rodrigues
1 d
Qualquer ditadura militar, de esquerda ou de direita é reprovável e só se mantém pela opressão e assassinatos. Fidel foi um monstro como todos os ditadores, não tem como branquear.
to
Fidel Castro

Um ditador é um ditador. Ponto final, parágrafo

10.777
181
O balanço de quase 57 anos de castrismo é trágico. Inimigo das liberdades, apenas ofereceu ao povo uma pobreza resignada. Por isso é intolerável a duplicidade moral com que avalia o legado de Fidel.
Há muito que Fidel Castro não era uma figura deste tempo. Não por estar doente e afastado do poder, que passara ao irmão, mas por representar uma utopia há muito desacreditada, a utopia marxista-leninista, e a mais trágica das ilusões do século passado, a ilusão comunista.
O El Pais tinha ontem um título feliz: El siglo XX queda definitivamente atrás con la muerte de Fidel Castro. O texto centrava-se em Cuba, mas a mensagem serve para o mundo. Mesmo que alguns teimem em não a escutar.
Fidel sobreviveu a todos os demais não apenas porque viveu até aos 90 anos e morreu na cama. Fidel sobreviveu-lhes porque, mesmo tendo cedido as rédeas do poder ao seu irmão Raúl, morreu numa Cuba moldada à sua imagem e semelhança, subjugada à sua vontade, tão pateticamente “revolucionária” como o ancião que já só víamos em raras aparições envergando lustrosos fatos de treino.
Mas Fidel sobreviveu sobretudo porque conseguiu manter viva – ainda que cada vez mais tremelicante – a chama que alimentou o seu mito e o mito do socialismo “gentil” e caribenho. Há nessa sua arte uma mistura de felizes circunstâncias histórias, muito carisma pessoal e uma dose ainda mais considerável de cegueira de gerações de “sonhadores” sempre disponíveis para se deixarem seduzir por ditadores.
O mito castrista começou muito antes de entrar triunfalmente em Havana a 1 de Janeiro de 1959. Começou com um fracasso – o assalto ao quartel Moncada, em 1952 – e continuou com uma aventura – a partida, há exactamente 60 anos (a 25 de Novembro de 1956), do iate Granma da costa de Veracruz, no México, em direcção a Cuba com 81 jovens revolucionários a bordo. Depois aconteceu o milagre: Fidel estava entre os 12 revolucionários que conseguiram escapar a um desembarque catastrófico e, com base nessa minúscula força, conseguiu iniciar na Sierra Maestra um movimento de guerrilha que mais tarde o levaria até Havana.
Foi nesse tempo que a sua imagem romântica começou a ser construída, e por um jornalista do New York Times, Herbert Matthews, que o apresentou ao mundo como o homem que iria resgatar Cuba da ditadura corrupta de Fulgêncio Batista em nome dos mais puros ideais democráticos. Quando finalmente triunfou, não demorou a revelar os seus métodos: os julgamentos populares tornaram-se comuns na Cuba revolucionária, as execuções sumárias banais, muitas delas supervisionadas pelo seu companheiro Che Guevara. Não demoraria muito a abolir todos os partidos políticos, a liquidas a liberdade de expressão e informação, a promover a nacionalização de toda a economia e a sistematicamente ver-se livre de todos os que lhe poderiam fazer frente (Cienfuegos, o primeiro a fazer-lhe frente, morreu num acidente de aviação; Che vaguearia pelo mundo, embaixador da revolução, até ser morto nos confins da selva boliviana).
Só que, entretanto, já nascera o mito da revolução cubana – um mito que teve como primeira fonte tratar-se daquilo a que um antigo embaixador britânico, David Thomas, chamou “um produto crioulo”, isto é, uma revolução made in Cuba, uma revolução bem diferente das que, na Europa, tinham sido impostas pelos tanques soviéticos. Uma revolução que, para mais, era telegénica, com os seus “barbudos” e as suas fardas cor de azeitona. Korda, o fotógrafo revolucionário que captou a icónica imagem de Che Guevara que depressa começou a ser estampada em t-shirts por todo o mundo, imortalizaria também um Fidel de barrete militar e charuto na boca, uma imagem “cool” que contrastava com o cinzentismo das geriatrias que governavam a URSS e os países da Europa de Leste.
Se a tudo isto acrescentarmos a ideia, cuidadosamente cultivada, de um pequeno David (Cuba) e desafiar um poderoso Golias (os Estados Unidos), então temos quase todos os ingredientes necessários para explicar o fascínio que o castrismo teve, e que em parte ainda mantém apesar da evidente decadência do regime e do seu líder.
Mas para termos uma explicação completa é necessário acrescentarmos dois outros factores. O primeiro, foi o génio político de Castro. O segundo a duplicidade moral de boa parte da esquerda e da intelectualidade quando se trata de julgar ditadores socialistas.
O génio político de Castro – que quando entrou em Havana nem era ainda comunista, ao contrário do seu irmão Raúl e do próprio Che Guevara – passou, primeiro, por ter adoptado a ortodoxia que, nos anos da Guerra Fria, lhe permitia ter um aliado disponível para pagar todas as contas de uma Cuba com a economia dizimada pela estatização, e, depois, por ter percebido que só resistindo na ortodoxia e mantendo o regime o mais fechado possível, conseguiria sobreviver, isto é, conseguiria evitar ter o destino ingénuo de Gorbatchov.
Acontece porém que o génio da sobrevivência política nem sempre é um bem para quem tem de o suportar, algo que Portugal sentiu na carne porque Salazar também teve o génio para sobreviver à vitória das democracias na II Guerra e, depois, ao eclodir das guerras coloniais. Sabemos como isso condenou Portugal ao atraso, tal como sabemos como o castrismo condenou Cuba à miséria. Como em tempos disse Eloy Gutiérrez Menoyo, ex-comandante e revolucionário de 1959, “todos queríamos liberdade e justiça social, mas a revolução foi sequestrada por Fidel e o preço que pagámos foi demasiado alto”.
Altíssimo, tanto no que respeita á falta de liberdade – há muito menos liberdade em Cuba do que houve em qualquer período da ditadura salazarista, algo que só por absoluta cegueira se pode negar – como à pobreza generalizada a que condenou a ilha. Aquele que era o país mais desenvolvido da América Latina quando Castro entrou em Havana é hoje um dos mais pobres e nem sequer é verdade que isso tenha sucedido em nome da igualdade – em Cuba são pobres os que só têm pesos, vão-se desenrascando os que têm acesso aos dólares das remessas da emigração ou do turismo – ou por causa do “bloqueio”.
De resto a permanente insistência em atribuir todos os males do país ao “bloqueio” é, ao mesmo tempo, uma demonstração do génio político de Fidel, que sempre soube explorar a obsessão estúpida dos norte-americanos para explicar todos os seus fracassos económicos, e uma demonstração de como dominava as técnicas orwellianas de fazer com que a realidade não fosse o que era, mas a forma como o regime a descrevia. Na verdade Cuba nunca sofreu um “bloqueio”, nunca esteve cercada por navios que bloqueassem a entrada e saída de mercadorias dos seus portos ou F16 que fechassem o seu espaço aéreo. Cuba sempre pode ter relações comerciais com a maioria – a quase totalidade – dos países do mundo e com quase todos os seus vizinhos. Em Cuba pode-se mesmo encontrar produtos norte-americanos nas lojas, mas só nas lojas que só aceitam dólares. O “bloqueio” de Cuba sempre foi outro: uma economia dependente da monocultura da cana-de-açúcar que só sobreviveu com alguma largueza enquanto a URSS comprava as safras a preços muito acima dos de mercado. No entanto ainda hoje boa parte da esquerda (vejam-se as reacções à morte de Fidel do PCP e de figuras como Louçã) ainda nos falam dos sofrimentos do povo cubano como sendo uma consequência do inexistente “bloqueio” em vez de a atribuírem à mais que demonstrada ineficiência da sua economia estatizada.
Esta duplicidade moral da esquerda pode ser ilustrada com uma provocação simples, mas verdadeira: o regime de Castro matou muito mais opositores do que o regime de Pinochet; Castro, ao contrário de Pinochet, nunca permitiu uma consulta livre sobre o seu destino político, nem abandonou o poder respeitando a vontade popular; Castro encontrou uma Cuba corrupta mas economicamente dinâmica e deixa-a empobrecida e corrompida pelos mesmos males que vituperou, como prostituição, enquanto Pinochet recuperou a economia chilena, ainda hoje a mais dinâmica de toda a América Latina. Castro não deveria por tudo isso merecer mais condescendência do que a tolerância zero que justamente dedicamos à ditadura chilena. Sabemos bem como não é isso que acontece e como tantos procuram encontrar justificações e desculpas para continuarem a adular o “barbudo” que alimentou os seus sonhos juvenis, mas que hoje são apenas delírios senis.
Um ditador é um ditador, e quando tantos, à esquerda e até à direita, continuam a desculpar, justificar ou mesmo adular figuras como Fidel Castro, estão apenas a regressar à velha máxima que levou os Estados Unidos a apoiarem vários regimes ditatoriais: “é um filho da puta, mas é o nosso filho da puta”.
Possa a sua morte trazer melhores dias para o sacrificado povo cubano.
Partilhe
Comente
181Comente e partilhe as suas ideias
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmf@observador.pt
Casa Branca 2016

Eles falaram. Mas insistem em não os ouvir.

José Manuel Fernandes
1.339
42
Trump venceu e vêm aí novas tempestades, agora na Europa. Assim, que tal deixar de insultar e menosprezar os seus eleitores e começar a tentar perceber as (muitas) razões de quem vota nos populistas?
Casa Branca 2016

Acordámos num mundo que não conhecemos

José Manuel Fernandes
2.436
87
Trump assusta, mas mais assustados devíamos estar por não termos ouvido os eleitores que mobilizou. E não, não: Trump não é um fascista nem os EUA são Itália. Por isso não venham prever o apocalipse.
Fidel Castro

Não apaguem a memória

Zita Seabra
146
16
Nestes dias após a morte de Fidel Castro, temos assistido aos mais espantosos depoimentos, relativizando e branqueando os crimes do regime comunista cubano e de Fidel em particular.
Europa

A direita tranquila

José Conde Rodrigues
François Fillon em França, tal como a continuação de Merkel na Alemanha ou a liderança de Theresa May no Reino Unido, poderão ser o último reduto contra os extremismos baseados no medo da globalização
Comentários
Um ditador é um ditador. Ponto final, parágrafo
Mais votados26
Todos181
Carlos Carreira
11 h
Assino
Um ditador é um ditador. Ponto final, parágrafo

Ora aqui está uma afirmação sem direito a contraditório. Uma setença peremptória e sem direito a recurso. JMF Com cartório notarial aberto no observador oficializou que Fidel foi um ditador . Não se fala mais nisso. Ponto final 

Miguel Martel
12 h
Bem referido. E contudo, a realidade, nomeadamente em Portugal, mostra-nos como é possível ser-se governado por ditadores (aqueles que usam e abusam do Poder em proveito próprio e dos seus amigalhaços, com a benção da maçonaria), num regime apelidado de democrata, mas onde as característica de uma ditadura socialista estão bem patentes, elevada corrupção, manipulação da Justiça com eliminação de prova e atraso nos julgamentos, obscenos enriquecimentos e vida de luxo daqueles que criticavam o sistema capitalista, elevado empobrecimento, estagnação económica e elevado endividamento, vivendo-se de esmolas (seja da URSS ou da UE). 
... Ler mais
Jesus Cristo laico
15 h
Como seria Portugal se um dia por azar da vida o PCP fosse governo?
Paulo Nogueira
16 h
O que eu mais gosto na revolução cubana é a "guantanamera", aqueles carros moderníssimos a circular por Havana toda pintadinha e airosa, com prédios espectaculares, a população (atenção: são todos doutores) com ar limpo e bem vestida como o Fidel com um fato de treino das Adidas que lhe ficava tão bem... Fez muito bem Marcelo em ir lá tirar umas fotos. O seu afeto dará para irá ao funeral?
Manuel Carvalho
19 h
Para contextualizar...José Manuel Fernandes, antigo militante da extrema esquerda admirador de Mao, propagandista destacado da guerra do Iraque (morreram centenas de milhares de pessoas) e atual porta voz daquela casta bem instalada na vida, convencida da sua excecionalidade em relação à "ralé" que os rodeia.
Luis Jesus
19 h
Sempre bom ver ex-marxistas ou ex-maoistas querem-se limpar renegando o que antes defendiam a ferro e fogo. A isto chamo o sindrome de Zita Seabra... So ha pobreza em Cuba, nos restantes 200 e tal paises do mundo nao ha fome, sem abrigos, pessoas a morrer de doencas curaveis ou por nao terem dinheiro para terem acesso a cuidados medicos...Castro que abandonou o poder ha 10 anos deve ter sido o ultimo ditador do mundo.. valha-nos isso...
Paulo Correia
20 h
Para a esquerda os ditadores de esquerda são fantásticos. O PC até relações amistosas com a Coreia do Norte...
Eduardo Lopes
23 h
Bom dia!
Para revolucionário, nada fez por Cuba! pude constar com os meus olhos e questionei-me que revolução foi aquela que em cinquenta anos, apenas deu instrução ao povo mas não teve a discernimento para o desenvolver economicamente aproveitando-a,  utilizando a velha máxima do cardeal Cerejeira, dá-lhes fome que serão humildes, um país não é livre com 11 milhões de pessoas e um milhão de policias e outros tantos bufos.
Fidel, falhou por arrogância e cegueira de poder e não passou de mais um ditador. " PONTO FINAL"
... Ler mais
Montresor Amontillado
1 d
Fidel não quis morrer colado à imagem de um idiota útil da ex-URSS. Provavelmente porque assisitu à entrevista a Yuri Bezmenov, um agente da KGB que desertou em 1970, sobre os “idiotas úteis” https://www.youtube.com/watch?v=vLqHv0xgOlc . Fidel foi um idiota útil durante muito tempo, mas fez questão de provar que não era “útil”, que era convicto, e assim optou, tragicamente, por manter a idiotia até ao final da sua vida, sacrificando um povo e várias gerações de Cubanos.

Para quem quiser ver a entrevista completa de Bezmenov https://www.youtube.com/watch?v=y3qkf3bajd4 
Carlos de Melo
1 d
Para uma analise simplista como esta, do"contra", pode-se contrapor uma semelhante "a favor": Fidel colocou Cuba no mapa e não foi seguramente pela prostituição. A sua intervenção ajudou a libertação de Angola, Namibia e África do Sul.
Eduardo LopesCarlos de Melo
23 h
Libertou de quê?
Oque Escrevemos
1 d
Morreu Castro e o regime continua portanto todos os festejos e foguetórios são inúteis e disparatados. Realmente nos últimos anos Fidel não tinha poder efetivo e o que mudou? Muito pouco. Morreu um ditador mas Raul Castro é o quê? Um garboso democrata? Demagogias há de todas as formas mesmo a de achar que Fidel era só ele o regime. Anda tudo a fingir que com a sua morte muda alguma coisa. 
Jorge pedro
1 d
O Fidel, como todos os ditadores foi burro!
O Fidel é um homem extraordinário mas burro.
Conseguiu coisas extraordinárias para o povo cubano. Esqueçam as ideologias, o facto é que se olharmos para os setores da saúde e educação o regime dele conseguiu coisas extraordinárias.
Mas isso não invalida que tenha sido um burro!

Com efeito, se ele em finais da década de 80, tivesse aproveitado a Perestroika e o movimento mundial de reformulação de regimes que estava em curso por todo o mundo, teria promovido a democratização do regime e teria saído por cima de toda aquela situação. Teria seguramente reconhecimento mundial e prestígio para o resto da vida. Teria sido bom para o povo cubano que baseado nas conquistas que tinham sido conseguidas até aí,  assumiria o controlo do seu destino, através de um regime livre e democrático.

Mas como todos os ditadores são burros! Agarrou-se ao poder que nem uma lapa. Essa é a principal doença dos ditadores. O resto é história. Morreu como um desprezível ditador e fuzilador de membros da  oposição. É isso. Triste destino para um homem que poderia ter acabado os seus dias nos píncaros. Assim não passa de mais um ditadorzeco desprezível, por mais fama que possa ter.

Meio Vazio
1 d
Decida-se J. M. Fernandes: o ponto é final ou é parágrafo?
João Caramba
1 d
O jornalismo deixou de ser independente a partir do momento que passou a ser um negocio, e este senhor para se manter tanto tempo nesta area !!! O que é um ditador? Alguém que oprime os demais, pode ser um chefe, um empresário, um politico, alguém que bombardeia por exemplo o Afeganistão, o Iraque, a Líbia, a Síria, que dispõe no xadrez mundial os ditadores que lhe convém. Ora bem, chamem os bois pelos nomes, e chamem ditadores a todos os que são. Relativamente a este sr. Jornalista, não esquecer que já faz parte do aparelho e já não sabe definir o que é jornalismo de pura propaganda.
Jorge pedroJoão Caramba
1 d
Queres uma definição minimalista de um ditador vê o meu post mais abaixo! Não tem a ver com empresário, chefe, ou outro que tal. 
E tu, o que achas do Fidel? Era ditador ou não?

Gabriel Moreira
1 d
Pois, eu também me faz confusão porque os opositores ao regime de Salazar são uns heróicos anti-fascistas e os opositores ao regime de Castro eram uns safardanas a soldo dos malditos ianques.
Miguel Martel
1 d
José Fernandes, boa exposição e comparações..., pena denotar que está dominado pela bitola dos corruptos e incompetentes governantes "democratas" que sabendo da superioridade total do regime do Estado Novo, nada mais fazem há mais de 42 anos, do que falsificar a História como lhes convém, nomeadamente pela lavagem cerebral desde as creches, como nos regimes totalitários!
Tem consciência da falsidade inerente à afirmação "Sabemos como isso condenou Portugal ao atraso,..."?  Ou não sabe das elevadas taxas de crescimento económico na década de 60 (7 a 10%), da redução das taxas de mortalidade (nomeadamente a infantil) e de analfabetismo, do aumento da instrução dos portugueses, da industrialização, da passagem que houve do sector primário para o secundário e terciário, da construção de milhares de infra-estruturas públicas, caso de Universidades, escolas, liceus, maternidades, porto de Sines e ampliação do de Leixões e Lisboa, hospitais (que continuam a ser os maiores), monumentos e centros de investigação (LNEC, LNEG, I. Ricardo Jorge, etc...), aumento dos serviços de carácter social, caso de colónias de féria e cantinas escolares ou universitárias, estádios desportivos universitários e TUDO sem ESMOLAS ou endividamentos?  
Em contraponto, onde encontramos genocídios? Além das ditaduras vermelhas, encontramos nalgumas democracias..., ou não conhece o crime cometido pelo democrata racista Churchill em 1943, ou do apartheid existente nos EUA até aos anos 60?
Crime é crime, assassinato e assassinato, independentemente de quem o comete, especialmente quando o assassinado é inocente, caso da Sá Carneiro, AAmaro da Costa e acompanhantes..., ou aceita a versão de branqueamento dos democratas criminosos, nacionais e americanos?
Paulo Correia
1 d
Fidel foi um ditador impiedoso e a miséria do povo nunca o preocupou. Mas a esquerda adora este homem é os outros ditadores da sua cor.
Povo na miséria e a passar fome mas com uma esperança de virada superior à dos nativos do Trump. Povo a passar fome mas com uma taxa de natalidade superior à dos americanos .
Fernando Ramos Ramos
1 d
Taxa de natalidade superior?  E qual é o país pobre que não tem taxa de natalidade elevada ?  Quanto mais pobres, mais filhos.
No To BrainwashingFernando Ramos Ramos
1 d
bom argumento... e para isto...

os cubanos têm níveis de educação superior aos EUA...os cubanos têm um sistema de saúde superior aos EUA...os cubanos têm menos pessoas em extrema pobreza que os EUA...e podia continuar!
carlos mendesNo To Brainwashing
17 h
e têm os charutos...
és tão estupido que até doi

NUma democracia é tudo mais amigo.

a história dos usa construída em cima do holocausto de milhões de índios e no assasinato e escravidão de milhões de negros é uma coisa muito democrática .
No To Brainwashing
1 d
isso não vem ao acaso...

os EUA dizem que fidel é mau... é... PONTO! 

os EUA dizem que assad é mau... é... PONTO!

os EUA dizem que putin é mau... é... PONTO!

.... e PONTO!

e a carneirada engole... PONTO!
No To Brainwashing
1 d
só custa a encaixar na narrativa...

os cubanos têm níveis de educação superior aos EUA...

os cubanos têm um sistema de saúde superior aos EUA...

os cubanos têm menos pessoas em extrema pobreza que os EUA...

e podia continuar!
No To Brainwashing
1 d
hummm já me esquecia...

os americanos têm melhores carros e LCDs maiores!

pena é serem mais estúpidos... mas nestas sociedades "estupidificadas" nem se nota! 
Miguel Martel
1 d
Bem referido..., mas como é uma democracia, é para abafar!
E tu não passas de um cérebro brainwashed e com palas nos olhos. Tudo o que vem dos EUA é mau para ti!.
Enquanto não retirares essa pala dos olhos, não passas de um triste cérebro Brainwashed!

As pessoas com cabeça no sítio (ou seja não Brainwashed como tu) , não precisam dos EUA para fazerem a sua análise e formarem a sua opinião sobre Fidel. É simples, estudam, analisam e formam a sua opinião. Tu não queres saber. Tens dúvidas que Fidel era um ditador? Ou vais dizer que e um santo só porque os EUA dizem que é um ditador?


Paulo Coelho
1 d
vou deixar de te responder. és mentecapto
Paulo CoelhoNo To Brainwashing
1 d
acho que não te assite falar de estupidez por razões óbvias
1 em cada 6 americanos ou está preso ou fora do mercado trabalho., já que falamos de presos.
Os cubanos são pobres e malnutridos , passam fome mas a esperança de vida é superior à dos americanos .
No To BrainwashingJorge pedro
1 d
quando se é uma cabeça oca e não se sabe o que dizer faz-se essa figura triste...

então homem esse QI baixíssimo não permite mais? 
dara isabel
1 d
Uma coisa e uma coisa e outra coisa é outra coisa.
No To BrainwashingPaulo Coelho
1 d
um energúmeno como tu que não é capaz de formular um argumento devia estar calado...
já os teus argumentos são pérolas LOL
No To BrainwashingPaulo Coelho
20 h
é melhor do que não ter capacidade para tal...

mas sabes, eu não escrevi argumentos... eu escrevi FACTOS...

sabes a diferença? se os conseguires desmentir...
Tu tens pelo menos 2 problemas que saltam á vista de qualquer um:

a) O primeiro é que não consegues formular uma argumentação, com  as nuances que normalmente estão associadas, ou seja apresentar o ponto de vista e fundamentar o mesmo. Não fudamentas nada. Não penses que apresentar os números da educação de Cuba é fundamentar. Sabes porquê? Porque és tão faccioso que esqueces tudo o resto que é negativo!!!!

b) O segundo problema é que os teus comentários são sempre telegráficos e altamente facciosos. Por exemplo tudo o que venha dos EUA é automaticamente mau. Tudo o que vem do Putin e companhia é excelente. Não tens meio termo. Funcionas na base de um sistema binário. Altamente prevísível.
Ou sejas não dás pica nenhuma num debate de ideias!!! O teu ouput é sempre o mesmo:
1. Contra os EUA
2. A favor de Putin

E já agora, já me ia esquecendo que de vez em quando tens como output o vídeo do do general americano.
Chega a ser cómico! LOL

respondeste por mim. não tens argumentos e ainda acusas os outros de não saberem argumentar. uma última pergunta. onde achas que podes viver melhor, em Cuba ou nos EUA?
No To BrainwashingPaulo Coelho
13 m
há dados concretos sobre isso... se a sua capacidade cognitiva não lhe permite... 
No To BrainwashingJorge pedro
12 m
você tem um problema... cérebro inquinado!
Alexandro De Pinedo
1 d
Un amigo y familia  portugues, siempre me manda estos analisis periodisticos, muy bien escritos por periodistas portugueses. Si. Estoy obligado a contestar, 1- Porque soy cubano 100 %. y 2- Porque vivo en el exilio por mas de 26 anhos, y no solo puedo comparar las sociedades capitalista y socialista; sino que puedo ver perfectamente como, mi pais lo ha ido destruyendo paulatinamente  un dictador comunista, culturalmente, estructuralmente, moralmente, educacionalmente, politicamente, socialmente y puedo decir  muchas cosas mas. La revolucion cubana y su ideologia comunista aun si tenian buenas intenciones sus lideres, nunca fue suficiente. Ninguna dictadura es buena...... Ni de izquierda ni de derecha. El resultado de el experimento de aplicar la ideologia marxista en la revolucion fue; miles de muertos, millones de exiliados (Me incluyo), y un pais destrozado y muerto de hambre .............Yo no lo acuso Dios lo juzgara' ............!!
Belo comentário.
João Lopes
1 d
Excelente artigo de  JMF. É verdade: «O balanço de quase 57 anos de castrismo é trágico. Inimigo das liberdades, apenas ofereceu ao povo uma pobreza resignada. Por isso é intolerável a duplicidade moral»… por «boa parte da esquerda e da intelectualidade quando se trata de julgar ditadores socialistas». Os comunistas, sempre apoiam e defendem os “seus irmãos”, por maiores criminosos que tenham sido…como Stalin, Mao, Fidel, e nos tempos recentes, Chavez, o ditador da Coreia do Norte.  Maduro, etc.
Julio Manuel Cardoso
1 d
Fidel foi um ditador?
Foi!
Há ditadores bons e ditadores maus?
Não!
Mas há ditadores diferentes.
Sabem?
Uns são como aqueles pais déspotas com filhos preferidos.
E outros são autoritários para que todos os filhos tenham o seu quinhão.
Viva Fidel!
Sillas Va
1 d
Os detratores de Fidel no fundo sabem que ele foi um homem amado por milhões de pessoas em todo o mundo. Podem chamar-lhe os nomes que quiserem, mas o certo é que ele não era um individuo qualquer e mesmo vivo ja era um herói e legendário pelo facto de ter resistido a unica superpotência do mundo e sobreviveu.
Muitos que o detratam estão a milhões de anos luz de distancia de ser como Fidel, como líder, politico e governante, desportista, homem de cultura, militar, etc.
Fidel será eternamente recordado como um homem de bem, que não agradou a gregos e troianos mas sim a maioria.
Pedro AlvesSillas Va
1 d
De bem????
A maioria? de que minoria pertencia essa maioria que fala? os lambe botas do partido comunista cubano?
Miguel MartelSillas Va
1 d
Estaline também foi e é amado por milhões...e isso o que interessa na análise de um regime? Quantidade NÃO é qualidade!
Cipião NumantinoSillas Va
1 d
Claro que Fidel não foi um homem normal, já que foi um horroroso sociopata assassino. E foi sim senhor amado, por toda a bufaria, traidores e labregagem internacional de que vc é suficiente exemplo!
Manuel FernandesSillas Va
1 d
O hitler também tinha muitos seguidores.Milhões.
Fidel foi o único homem deste mundo, que desafiou, resistiu a única superpotência mundial, localizada a escassos 180 km do seu país e sobreviveu.
Comparar fidel a Hitler é um grande absurdo, porque Fidel não invadiu e ocupou nenhum país, nem provocou o holocausto, Fidel nunca foi racista, muito pelo contrário ajudou a acabar com o regime racista na Africa do Sul.
Nos Estados Unidos da America a sentença para todos os indivíduos condenados por traição a pátria, é a morte, seja por fuzilamento, cadeira eléctrica ou outro método qualquer. Ninguém os chama de assassinos. Em qualquer país do mundo se um cidadão recebe dinheiro do estrangeiro para conspirar, sabotar ou violar as leis desse mesmo país, e imediatamente preso e não é considerado preso politico, mesmo que ele alegar isso.
Nenhum presidente americano foi chamado de assassino, quando aviões e mísseis americanos mataram milhares de crianças, mulheres e velhos inocentes no Vietnam, Japão, Iraque, Libia, Síria.
Em Cuba, apesar do bloqueio econômico e financeiro, nenhum cubano morreu de fome, frio ou calor
Fidel defendeu as suas ideias e princípios até ao fim e não se vergou, humilhou, implorou, pôs de joelhos perante ninguém, tal como alguns o fizeram e isso irritou muita gente.


... Ler mais
Francisco Pinto
1 d
Um ditador é um ditador, ponto final? Sim mas nem para todos, pois juro-vos que ouvi o líder parlamentar comunista dizer que o defunto foi um "grande democrata"!  Mudei de estação e não ouvi mais nada, mas imagino o resto da cassete: "progressista, arauto da justiça social, zelador do bem-estar do povo, pai da liberdade" e outras enormidades com que tentam disfarçar um embuste que durante um século de vida só produziu pobreza, injustiça, perseguição política, violência e morte.
Há muito que Fidel Castro não era uma figura deste tempo.

Nota-se . Ninguém no mundo reparou na morte de Fidel. Até o pasquim observador não dedicou nem uma linha a este não acontecimento . 


José Luiz Sarmento Ferreira
1 d
Ponto final, parágrqafo, o tanas. Cuba não é o Haiti. Comparada com o Haiti e outras republiquetas caribenhas, Cuba é a Suécia. Enquanto Cuba for Cuba e o Haiti o Haiti, e enquanto a herança de Fidel for a herança de Fidel e a herança de Duvalier for a herança de Duvalier,  haverá ditadores e ditadores. JMF pode gostar tanto de Duvalier, de Fulgencio Bautista ou de Rafael Trujillo como outros de Che Guevara ou Fidel Castro, o que não pode dizer sem mentir é que pertencem todos à mesma galáxia.
Hum! Acho que o José Manuel Fernandes só se quis referir ao planeta!...
Comparado Fidel com Salazar ... então este foi um aprendiz de ditador!

Que tal fazeres um ranking para os ditadores?

O autor tem razão, um ditador é um ditador. É evidente que não são todos iguais, até porque o contexto histórico, cultural, geográfico, etc varia bastante. No entanto as principais características de um ditador estão presentes em todos eles:

a) Apego desmesurado ao poder
b)Ausência de direitos e liberdade de um modo geral
c) Ausência de organizações que representem a oposição
d) Ausência de imprensa livre

Outros atributos poderiam ser listados mas os acima estão presentes em todos eles.

Depois existem algumas variantes  individuais: Uns assasinam o seu povo por decreto, outros com balas, etc, etc, etc.


Fernando PitéJorge pedro
1 d
Nas  quatro primeiras alíneas, penso que refere-se aos ditadores, mas se estes se locupletam com os bens sacrificados `a Comunidade, e perpetram assassínios e desaparecimentos e tortura sem justificação aceitável, então não passam de tiranos... 
MaxMartins MartinsJosé C. Aguiar
1 d
Bem o Salazar também foi ditador...certamente foi responsável por prisões até mortes...
Mas "coitado"...comparado estes ditadores "mais conhecidos"...quase se podia dizer ter sido um "menino de coro" (notem que não o estou a defender...mas ao pé de Hitler, Staline. Pinochet, Pol Pot, Fidel...quase não terá passado de um "aprendiz de feiteceiro"...e volto a dize-lo...: não o estou a defender ou a dizer que não foi ditador...)...

Mas comparando...é uma "cópia muito limitada"...
Mas o que pretende com esta argumentação? Era um ditador mas outros são mais ditadores que ele? Tem uma lista de ditadores hierarquizados por horrores, assassinatos e zona geográfica?
Miguel MartelMaxMartins Martins
1 d
Quando será que alargam os vossos horizontes históricos e fazem uma análise de acordo com o tipo de vítima, pois há uma diferença entre matar um inocente e um assassino.
Em Portugal ditador na verdadeira acepção, foi Afonso Costa e os seus acólitos do reviralho republicano!
O Estadista foi um ditamole, um humanista sincero e competente, contrariamente a democratas sanguinários como Eisenhower ou Churchill...,e a prova, é que o ACunhal se licenciou com elevada nota na faculdade de Direito, apesar de estar preso! Em que regime, conseguiria tal liberdade?
MaxMartins MartinsPaula Pereira
1 d
Para mim os ditadores são todos maus...
Só me custa aceitar que se considere Salazar, porque era de direita...um facínora...
E Fidel porque era de esquerda...um heroi...
Só isso...
Joaquim Moreira
1 d
José Manuel Fernandes, de facto um ditador é um ditador. A forma como os ditadores de esquerda são tratados, diz bem da onda que nos atingiu e que até está a conseguir arrastar uma certa direita, que também se sentiu "vítima da austeridade" e da decisão de Pedro Passos Coelho de não apoiar o banco liderado pelo DDT da altura. O tal que seria "salvo", caso estivesse no poder na altura o actual Malabarista, Ilusionista, Mentiroso e Ignorante. Com tantas qualidades não admira nada!

Quando se juntam no mesmo governo partidos que não só desculpam como apoiam ditadores como Fidel Castro, a verdade e a realidade histórica já conhecida, e que aqui bem comprova, são completamente adulteradas por quem e para quem a "verdade" e a "realidade histórica" só o são, se coincidirem com a que determinaram que fosse. É, como a situação do país. Se eles dizem que as "pessoas estão melhor", então o país está melhor. Ponto final parágrafo, dizem eles!  
José Luiz Sarmento FerreiraJoaquim Moreira
1 d
Fidel Castro é Rafael Trujillo?! Nem nesta galáxia, nem em nenhuma outra. Já que fala de História, aprenda um pouquinho de História, que não lhe fará mal nenhum.
O que é que este comentário tem que ver com o que disse acima? Antes de se aprender História deve-se saber ler e interpretar. Ou é apenas fanatismo?
Um cretino é um cretino e a tua sorte é que a estupidez não dói.

Zé pá , o fidel morreu mas a revolução não . 
Francisco S. Leitao
1 d
Parabens pela análise profunda e clarividente !...
Pedro Alves
1 d
Excelente opinião!
José Luiz Sarmento FerreiraPedro Alves
1 d
Para quem gosta de regimes como o de Fulgencio Bautista ou Rafael Trujillo, esta opinião é, de facto, uma excelente opinião. Para quem compara Cuba com os seus vizinhos caribenhos, é a opinião de um imbecil ou pior.
Acha que sim?
Uma ditadura de décadas? sem liberdade? sem democracia?
E o autor referiu que a ditadura que está substituiu não era melhor!
Tu nem fazes ideia da miséria que se passa em Cuba. Vai a Cuba, fala com o povo e então já podes falar. A tua ignorância é atrevida porque opinas sobre assuntos que desconheces. Sabes que até os médicos em Cuba vão trabalhar com camisas e calças remendadas e de sapatos
com as solas furadas. Tu só dizes as tolices que vais ouvindo da boca de ignorantes como tu. 
Francisco Pinto
1 d
Um ditador é um ditador, ponto final? Sim mas nem para todos, pois juro-vos que ouvi o líder parlamentar comunista dizer que o defunto foi um "grande democrata"!  Mudei de estação e não ouvi mais nada, mas imagino o resto da cassete: "progressista, arauto da justiça social, zelador do bem-estar do povo, pai da liberdade" e outras enormidades com que tentam disfarçar um embuste que durante um século de vida só produziu pobreza, injustiça, perseguição política, violência e morte.
Zé pá , todo contente ! estás a festejar onde ? Em Miami com  a escumalha reaccionária  cubana ou na torre Trump com a outra escumalha americana ? Nunca soubeste escolher os teus amigos .
Paulo Coelho
1 d
anónimo cobarde -
reza para que nunca se zanguem contigo no teu partido se não ainda vais parar a um Gulag. depois perceberias melhor quem é escumalha.
Mais um post do ideólogo do pensamento primitivo.
Paulo Coelho
1 d
primitivo és tu que vives em 1917
Oque Escrevemos
1 d
A propósito de alguns comentários algumas ideias. Não, não é porque se lê na internet que é verdade. Não, não façam de uma caixa de comentários um local de denúncia pelo facto de terem sido "censurados" num outro jornal qualquer, a vossa importância é o que é e o vosso comentário não é importante. É igual a todos os outros. Não descobriram a "água quente". Não é de gente decente desejar que morra este ou aquele político português. Quem afirma destas coisas é o que é, um ser humano muito pequeno. Não se podem classificar todas as opiniões como sendo de esquerda ou de direita. Há mais mundo além desse mundo. 
Carlos RodriguesOque Escrevemos
1 d
Realmente o que o senhor afirma é de uma candura tocante e quase quase a levar á lágrima. O senhor não ficou contente quando Hitler morreu ou quando Saddan foi encontrado ,ou mesmo quando Causesco caiu ou Mussolini foi enforcado?
Oque EscrevemosCarlos Rodrigues
1 d
Não diga disparates e aprenda a interpretar. 
josé mariaOque Escrevemos
1 d
Não é de gente decente desejar que morra este ou aquele político português

Mas há por aqui quem deseje a breve morte de Mário Soares:

Pela minha parte não irei apresentar sentidas condolências a ninguém no dia em que Mário Soares se for! E já tarda! 


... Ler mais
Alberto FreitasOque Escrevemos
1 d
Para evitar o forte argumento: “Nâo diga disparates” -, vou tentar interpretar. 

Não, o comentário censurado não é igual aos outros: por isso é censurado.

E a sua importância não tem a ver com quem o escreve, mas com quem o censura; pois clarifica o critério editorial.

Não tendo a pretensão de retirar o direito de censura, mas de mostrar o que se censura.

 Claro que comentário com conteúdo calunioso ou ofensivo, o autor tendo consciência dessa realidade, limita-se a constatar a eliminação; não o indo, obviamente, postar noutro jornal.

 A classificação de esquerda ou direita é opção que tem a ver como o autor se pretende situar e que nem sempre coincide com a posição que os outros o situam; e realmente o mundo não está limitado à circunscrição dos conflitos de cada um 

Espero que considere o texto bem interpretado e sem disparates
José Luiz Sarmento FerreiraCarlos Rodrigues
1 d
Com a morte de Hitler, Ceausescu ou Mussolini, houve razões para que as pessoas ficassem contentes. Com a de Saddam, e tendo em conta o que veio a seguir, não. É que afinal, e ao contrário do que afirma o JMF, há ditadores e ditadores.
Fernando M Nogueira FranciscoJosé Luiz Sarmento Ferreira
1 d
Realmente. "Há ditadores e ditadores". Pois porque voce não conta fazer parte dos torturados e assassinados!? Que pretensão!
Reitero o afirmado.
Só peca por já tardia!
Mas qualquer um que não um comunasno saberia que a opinião é pessoal e ao contrário da prática das ditaduras não a imponho a ninguém ... 
Antonio Castro
1 d
Se a mentira e os complexos de uma esquerda e de uma intelectualidade ( aqui conviria um esclarecimento sobre o que é que isso significa) conseguiram construir um mito e preservá-lo «à prova de bala» , pergunto perplexo se não havia mais ninguém na Terra para denunciar essa fraude e desfazer o mito?! 
Eu sei, lembro-me bem, que «a malta» achava chique usar o teeshirt com o Che a rir-se ( dessa malta) , mas essa era «a malta»...  Não houve gente com tino e não muito ignorante que tivesse dito alto  , naturalmente fora da ilha caríbica, que havia limites para essa diversão de tantos tontos?
Em segundo lugar , um conselho : é preciso não dar espaço demasiado à nossa imaginação, mesmo se a fantasia possa servir o nosso pensamento e prosa . Comparar, a propósito da sobrevivência de Fidel,este latino-americano com Salazar, é esticar excessivamente a corda da credibilidade , cheira a mero oportunismo . De resto, gostei.
José Luiz Sarmento FerreiraAntonio Castro
1 d
Quer "desfazer o mito"? É fácil: faça uma investigação histórica a provar que Fidel Castro foi tão sanguinário, cruel e violento, ou mais, do que Fulgencio Bautista ou Rafael Trujillo. E se isso não bastar, faça uma análise sociológica ou económica a provar que se vive melhor no Haiti, ou em qualquer outra republiqueta caribenha, do que em Cuba. Ficará finalmente desfeito o "mito" que tanto o incomoda, e a intelectualidade de direita ficar-lhe-á eternamente agradecida.
Devem ser às resmas de cubanos em Miami a quererem voltar para Cuba por estarem desiludidos com a realidade capitalista.
agora a sério: tenha vergonha na cara. você com as suas palavras tenta justificar o injustificável. O comunismo é uma desgraça para todas as populações que sofreram essa chaga, menos claro está, os seus dirigentes a quem nunca faltou nada. já agora tem alguma dessas análises para mostrar? Feitas por quem? Pergunte aos cubanos na Florida que eles dão-lhe a análise num instante
JB Dias
1 d
As reacções dos partidos políticos, que não da "esquerda" marxista-leninista-trotskista-maoista, e as primeiras páginas da quase globalidade da imprensa vêm confirmar que os seres humanos melhoram imenso depois de mortos ....

As reacções a que assisto fazem-me pensar o que teria ocorrido se Adolf Hitler não tivesse invadido a Polónia em 1939, e se tivesse limitado a governar a grande Alemanha até aos dias da sua morte.

Sou capaz de apostar que as reacções não teriam sido muito diferentes! 
josé maria
1 d
PSD manifesta as mais sentidas condolências pela morte de Fidel

O que agora me vou rir com a cara dos pafiosos...


E todos os comunasnos têm efectivamente toda a razão para rir com quem não se preocupou em separar as condolências pela morte de um ser humano das claramente não devidas pela morte de um ditador ...

Pela minha parte não irei apresentar sentidas condolências a ninguém no dia em que Mário Soares se for! E já tarda! 


josé mariaJB Dias
1 d
Os pafiosos também são assim mesmo.

Com base no seu hipócrita oportunismo político, até seriam capazes de apresentar sentidas condolências pela morte dos genocidas Assad e Putin.

Quando não têm forma racional de argumentar, os pafiosos até seriam capazes de separar as sentidas  condolências pela morte de qualquer genocida, na suposta qualidade de ser humano.

Enfim, dos pafiosos não se pode esperar racionalidade suficientemente desenvolvida, nem coerência intelectual e, muito menos, elementar sentido ético.

Por isso mesmo é que são pafiosos.

Para eles, se forem os partidos de esquerda a apresentar sentidas condolências pela morte de Fidel, são antidemocráticos. Se for o PSD já está tudo bem.

O carácter baixo e reles dos pafiosos vê-se muito bem nesse tipo de atitudes.

Como quando alguém deseja a breve morte do ser humano, chamado Mário Soares.
... Ler mais
Ana das IlhasJB Dias
1 d
Pode não gostar de Mário Soares, mas, antecipadamente , fazer comentários com este teor sobre este homem que tem o seu nome escrito nos anais da história de Portugal, penso que é censurável. 
O nome de Mário Soares fica na história, mas o seu, não. É a diferença. Percebeu?
Fernando PitéAna das Ilhas
1 d
Também A. Hitler pode ter ficado nos anais da História a Alemanha, tal como Lutero, e foram "grandes homens" de que reza a História, mas naturalmente, no caso de Hitler pelas piores razões.
SE Hitler tivesse imposto o nacional-socialismo, a bem do povo carenciado, mesmo assim poderia não ficar com o mau carisma  de Fidel...
Ana das IlhasFernando Pité
1 d
Não tenho conhecimento de nenhum tirano ou ditador que tenha governado para o bem do povo. Todos os tiranos e ditadores ficaram nos anais da história pelas piores razões. Desde Pisístrato na Antiga Grécia até ao malogrado Fidel Castro, no presente, todos oprimiram e violentaram as populações apenas para defender os seus interesses e dos seus lacaios.
Morrem os tiranos ou ditadores, mas, os seus nomes ficam na memória de todos. Pelas piores razões.
Miguel MartelAna das Ilhas
1 d
MSoares fica na História, como Hitler, Estaline, Mao ou outros socialistas..., ou não conhece os genocídios em que foi colaborador com as vergonhosas descolonizações? E como foi um governante incompetente e que encheu a barriga à custa do saque dos dinheiros do povo para fazer fundações?  A corrupção não apareceu com Sócrates ou DLima!
João Porretejosé maria
1 d
Um comunicado patético e hipócrita. Aí tem a minha reação.
Mas o meu vai por aqui ficando expresso e o seu não. Percebeu?
Carlitos Sousa
1 d
Gosto da frontalidade na avaliação do ditador. 
Não porque tentou subtrair Cuba ao colonialismo americano, mas quando submeteu por 50 anos o povo cubano a uma sanguinária ditadura e a uma miséria indescritível seguindo os ditames de um comunismo utópico.
Em sentido inverso detesto a hipocrisia dos que tentam justificar os crimes de Fidel Castro e Guevara , em prol dum sonho romanticamente revolucionário ao qual nem Marcelo escapou.
Faço votos que Raul se sinta agora menos condicionado para encetar um rumo que traga prosperidade e felicidade ao martirizado povo cubano. 
Paula Pereira
1 d
Uma crónica final e lapidar. O que espanta é que estas evidências não sejam subscritas por todos os partidos democráticos. O PCP e o BE não admira que tomem a posição que tomam, não são democratas.
josé mariaPaula Pereira
1 d
E que tal a Tatcher mancomunada com o ditador Pinochet ?

E que tal quando ainda hoje alguma direita, mais ou menos envergonhada, se mantém fiel a Salazar?

E que tal as mais sentidas condolências do PSD pela morte de Fidel ?

O PSD também não é um partido democrata ?








Paula Pereirajosé maria
1 d
Quero lá saber do PSD, do PS ou do CDS...Penso por mim e não por nenhum partido! Era um ditador e um assassino e nenhum democrata se pode rever nele. Ponto.
José C. AguiarPaula Pereira
1 d
Tem o meu apoio!
menos um ditador neste mundo, pelo que o ar que se respira ficou mais limpo!
josé mariaPaula Pereira
1 d
Na mensagem, o PSD salienta o «importante papel desempenhado por Fidel Castro na história de Cuba» e endereça «ao povo cubano e ao seu Governo as mais sentidas condolências».

Mas o PSD também apresentou sentidas condolências pela morte de Fidel. Ficaram muito pesarosos.

Agora o PSD já passou a não democrático ou ficou sem capacidade de resposta ?

Vá, mostre agora até que ponto vai a sua coerência, não fique embatucada.
Carlos Rodriguesjosé maria
1 d
Então se existem colegas seus que choram a morte de Fidel, é muito lógico que haja portugueses talvez colegas seus que chorem Salazar. Confesso tristemente que estes terão mais razão.

josé mariaCarlos Rodrigues
1 d
Não há colegas meus que choram a morte de Fidel, porque não possuo nenhuma militância partidária e as minhas posições dizem-me exclusivamente respeito. Quanto àqueles, como no PSD, que choram a morte de Fidel, e não são obviamente meus colegas, isso é lá com o partido do Pedro Coelho.No que respeita à morte de Salazar, é altamente provável que os esbirros da ex-PIDE digam ámen consigo. Os nazis diriam o mesmo de Hitler. É tudo gente da mesma laia.
Paulo Coelhojosé maria
1 d
José Maria - Apoia ou condena Fidel Castro?
responda
josé mariaPaulo Coelho
1 d
O tempo da PIDE já passou e a minha posição crítica sobre Fidel já a exprimi de forma clara noutras crónicas do Observador.

Procure-as você que eu não tenho pachorra para atitudes pidescas.
Miguel Rosajosé maria
1 d
hehehe !! Não possui nenhuma militância partidária. O que faria se tivesse.
Paulo Coelhojosé maria
1 d
portanto não foi capaz de o condenar...

Miguel MartelJosé C. Aguiar
1 d
Fica? E os mascarados de democratas e que fabricaram campos de extermínio, caso das clínicas abortistas?
Agnelo Diasjosé maria
1 d
Este José Maria não existe porque nem Zé Maria é. Este que se diz José Maria diz todas as asneiras e tolices a coberto de um anonimato cobarde.
João Porretejosé maria
1 d
Este comunicado do PSD é patético e hipócrita.
Paulo Correia
1 d
A esquerda nunca se preocupou com a miséria ou a falta de liberdade. Apenas se preocupa com a tomada do poder. A solidariedade para com o regime cubano e a indiferença para com a morte dos opositores e para com a miséria do povo cubano são bem demonstrativas disso.
Cipião Numantino
1 d
Mentira!!! JMF deu a entender que só havia gente infeliz em Cuba. Mas isso é uma redonda mentira, já que por lá só existe gente feliz. Isto porque, aos infelizes, já Fidel os mandou matar a todos!...
2- Uma das atitudes mais asquerosas e patéticas da esquerda é a glorificação dos seus heróis. A cambada comunista não tem qualquer tipo de pudor neste preciso aspeto. Podem ser os maiores bandidos e escroques tal como Fidel e Che e, mesmo assim, serem glorificados. Por isso muitas vezes escrevo por aqui que o comunismo é uma religião. E mesmo que nada o suporte mais aos seus pretensos heróis, para a populaça comuna é tudo gloriosamente aceite. Se alguém por eles endeusado expelir um traque mal cheiroso, haverá sempre uns quantos que gabarão a excelência do cheiro. Em suma, tudo entra no espaço-tempo da divina fé, e na antítese do mais elementar racionalismo. Esta postura vem de longe. E é tão antiga como a própria História. Quando Plínio-o-Jovem (sobrinho-neto de Plínio-o-Velho que morreu na erupção do Vesúvio e como ele um grande cientista e orador) era o procônsul romano (governador) da Bitínia província romana onde hoje se situa a Anatólia turca, tendo-lhe sido levados alguns cristãos ao seu palácio de Nicomédia para julgar, ele tem o seguinte desabafo em carta para o imperador em Roma "o que é que hei-de fazer a estes infelizes desgraçados, que estão dispostos a ceder a honra e a vida a troco de uma quimera?". Como se passaram 2.000 anos e a interrogação de Plínio continua ainda tão atual?...
Cipião NumantinoCipião Numantino
1 d
Conta-se por aí que o Fidelito el Castrito se apresentou descaradamente de armas e bagagens no céu. Aí, o horrorizado S. Pedro, mandou-o logo de charola para o inferno. Chegado aí, tinha o diabo à sua espera onde foi recebido com todas as honras. Instalado principescamente numa das melhores fornalhas, Fidel notou que se tinha esquecido das bagagens e armas no céu. Vai daí, pediu ao diabo para o deixar lá regressar, tendo em vista recuperar as suas coisas. O diabo, solícito e atencioso, respondeu-lhe que não se preocupasse. Chamou assim 5 diabitos e deu-lhes instruções para irem buscar as coisas de Fidel. Chegados ao céu e antes de qualquer outra explicação, o S. Pedro abismado, exclamou "livra, o Fidel acabou mesmo agora de chegar ao inferno, e já tenho por aqui 5 refugiados"?!...Hehehehe
Oque EscrevemosCipião Numantino
1 d
Humor negro ou ...? 
José C. AguiarCipião Numantino
1 d
Boa! Salvou esta tarde chuvosa de domingo!
MaxMartins Martins
1 d
Nem La Palisse diria melhor...
Um ditador é sempre um execrável assassino...quer seja de direita quer seja de esquerda...
Não dá por isso para entender que alguns achem que um ditador de esquerda é uma democrata e sempre "tem desculpa" para as piores arbitrariedades que cometa...
E um ditador de direita será sempre...um assassino sem "desculpa"...

Quando é que se "aceita" que entre um e outro...o diabo que escolha...?

Neste caso, morreu mais um ditador (é a "vingança" das suas vítimas...nenhum cá fica...)...e ponto final...!



josé maria
1 d
Fidel e Pinochet foram ditadores, é um facto politicamente incontestáel.

Mas aqui no Observador os mesmos que se insurgem contra Fidel, que contestam, e bem, o seu regime ditatotial, as suas prisões e execuções sumárias, são exactamente os mesmos que silenciam completamente e até branqueiam os genocidas Assad e Putin, nos seus sistemáticos bombardeamentos à população civil de Aleppo, a nova Guernica dos tempos ditos modernos. Uma enorme vergonha, uma verdadeira patifaria. São tão responsáveis aqueles que lançam sórdidos ataques sobre homens, mulheres e crianças indefesas, como aqueles que, pela sua mentira, pelo seu silêncio ou pela sua aprovação, legitimam esse vergonhoso genocídio.Muitos dos que andam aqui a censurar Fidel, são exactamente os mesmos que aplaudiriam Pinochet. E são  exactamente os mesmos hipócritas "pró-vida", para quem a vida de uma criança síria assassinada pelos bombardeamentos cruéis de Assad e Putin já não vale nada.
Delfim Rodriguesjosé maria
1 d
Ó xé maria , não digas que o fidélito foi uma ditador, olha que a tua seita vai-te por a pão(sem bifana) e aguardente.
João Porretejosé maria
1 d
Grande confusão que aqui vai! "Pró-vidas" misturados com putinistas e outros ditadores, e supostamente apoiantes da morte de crianças sírias. O que é que uma coisa tem a ver com a outra? Não se pode ser Pró-vida e contra a morte de crianças, sírias e não só? Eu sou ambas as coisas.
Paulo José Ramosjosé maria
1 d
Passou-se de vez!!
Delfim Rodriguesjosé maria
1 d
Xé, gostaria de saber qual o interesse nessa vossa viragem para o catolicismo. Dever ser efeito do xiquito comuna que tenta pegar na pobreza que semearam ao longo dos séculos e cola-la aos vossos ideais. realmente fica-vos bem
josé mariaDelfim Rodrigues
1 d
Onde é que está a minha viragem para esse tolice teológica , que aqui tantas vezes tenho denunciado?


Delfim Rodriguesjosé maria
1 d
A verdade no actual momento e tu continuas a não aceitar é que o papa xiquito está ligado profundamente os ideais marxistas vigentes.
Xé como é que ficamos?
Delfim Rodrigues
1 d
Já não há pachorra para tanta noticia sobre o fidélito o santo.Já não me admira nada neste triste país, depois de um alucinado da seita que nos governa definir o pedaço como uma tranquila  ilha, restam poucas duvidas sobre a lavagem cerebral que estão a efectuar  ao povinho.E para apimentar a coisa, o moço dos afectos juntou-se á seita, na esperança de que nesta chafurdice  consiga uma cadeira junto á pia.
Ana das Ilhas
1 d
Morreu um grande ditador do século XX e o último reduto do comunismo terminou. Cuba ainda se mantinha fiel aos princípios estalinistas de opressão, violência e castração da liberdade de opinião, apesar da ligeira mudança com Raul Castro.
Inicia-se uma nova página na história política mundial onde se assiste à emergência de novas formas de governação cuja prática não se coaduna com nenhuma ideologia especificada. Para onde vamos?
António Hermínio Quadros Silva
1 d
Rot in Hell
José Rodrigues
1 d
Qualquer ditadura militar, de esquerda ou de direita é reprovável e só se mantém pela opressão e assassinatos. Fidel foi um monstro como todos os ditadores, não tem como branquear.
Fernando PitéJosé Rodrigues
1 d
Continuo a pensar que existem ditadores e tiranos, sejam de direita ou de esquerda. So que após o fanatismo religioso, resta talvez a incongruência sofista para justificar actos bárbaros. 
E a  opulência e miséria continuam a "prosperar" sem terem cobro.
Aos ditadores de "boas intenções", como Salazar, e os do Egipto e Tunísia, segue a meia-desculpa.
Fidel, pelos vistos, a coberto de uma ideologia à partida "piedosa", comportou-se no fundo como tirano...
José Montargil
1 d
José Manuel Fernandes tem uma denúncia pela frente: escrever aos sete ventos que aos media amplificam, essa condescendência, esse duplo critério que a esquerda, os extremistas do BE e os comunistas promovem a torto e a direito de que o regime cubano era diferente , era progressista, era a favor dos pobres de todo o mundo.
Diziam que era um país desinteressado que ajudava os povos a saírem das "garras do colonialismo". Viu-se em Angola como os cubanos se portaram, pessimamente, e é apenas um exemplo. 

O duplo standard é fatal e a maioria da malta engole o que estes jornalistas papagueiam. Os políticos já se sabe, usam e abusam do politicamente correcto. Mas é uma vergonha as notícias e os telejornais. Raros são os que são minimamente isentos. O Rebelo de Sousa então, metia dó. Esse está armado em Miss Simpatia a querer que todos gostem dele. Um dó!!!



Luis Faria
1 d
E não é que temos no poder em Portugal quem apoia este assassino. Estamos mais pobres, mas é uma pobreza virtuosa porque é imposta pela esquerda. Como aparentemente temos mais uns trocos no bolso, que interessa que esses trocos estejam a aumentar a dívida? E todos a pagar os aumentos da função pública? Bom não é? E os atropelos à lei? Só é problema se for a direita a fazê-los. Grande Portugal ! 
Joao MA
1 d
Excelente.

Um assassino, torturador e opressor dum povo nao pode ser branqueado só por ser de esquerda.
É um monstro igual a Estaline, Hitler e outros. Só que um monstro que conta com o beneplácito do establishment de esquerda em Portugal. O Marcelo ainda conseguiu ir ao beija-mao.
Ana das IlhasJoao MA
1 d
Não se esqueça de outros ditadores, como, por exemplo, Salazar.
Paulo CoelhoAna das Ilhas
1 d
Ana não me diga que não condena o Fidel
Carlos Rodrigues
1 d
um ditador é um ditador, Um assassino é um assassino, Estes pseudo politicos e pseudo comentadores que lamentam ou choram  a morte de um ditador e de um assassino são autenticos cataventos,autenticos cretinos,autenticos manipuladores. Que alguém tenha pena deles! Vale uma aposta: Marcelo,Costa,Santos Silva deslocam-se a Havana para o funeral deste assassino!
Tiago Pereira
1 d
Muito bom, como sempre
Pedro Santos da Cunha
1 d
Segundo a Revista Forbes este Assassino tem uma fortuna Pessoal superior a US$ 500 Milhões!
Lindo não é?
E também, segundo parece, o mano também tem uma Fortuna ainda Maior!
Viva a Revolução! 
A deles, claro!
Com tanta filharada , dezenas como dizem, não vai ser dificil assegurar a continuação da dinastia....
Vitor Reis
1 d
Muito bom. Um artigo excelente, talvez dos melhores que aqui vi escritos pelo José Manuel Fernandes. Adular e bajular ditadores são sempre atitudes mesquinhas daqueles que revelam uma enorme pobreza de espírito. Fidel foi um ditador em nome de um ideal que nada teve de revolucionário. Quem já visitou Cuba conheceu a pobreza de um povo que só não se foi acentuando para toda a população porque o turismo permitiu a entrada de divisas. Quando agora se dão loas a um ditador a que nada faltou dos bens de consumo isso significa que há muitos destes personagens que gostariam de estar no lugar dele. 

O problema mesmo é que o mundo está encresoado destes rapazes que, com a justificação do melhor para o seu povo, o arrastam para a miséria latente, prolongada, definitiva. Fidel teve o que sempre quis, mandar num povo e num país, catequisando milhões com as suas ideias e os seus ideais. Precisou, claro está, de um exército de fiéis seguidores, de bajuladores, a quem também atribuía benesses que nunca estiveram ao alcance da demais população. É sempre assim, isso faz parte da história e é dos livros. 

Em Portugal criticou-se asperamente – e com toda a razão – as dezenas de anos que Salazar esteve no poder, em Cuba dão-se graças pelo estado em que 50 anos de poder comunista deixou um país. É a costumeira duplicidade entre o que é de direita (péssimo) e o que é de esquerda (fantástico). 

Fidel não foi mais do que um personagem político que abominava ideias contrárias, que detestava que outros tivessem opiniões diferentes. Afinal, todas as ditaduras e os ditadores são assim. Para os de fora as barbas do senhor davam-lhe um ar patusco e era a sua imagem de marca. Para os de dentro, o problema maior não era as barbas, eram as ideias e a sua permanente obsessão de castrar quem não pensasse da mesma maneira. 

Abomino este tipo de políticos e mais detesto todos aqueles que pregam a democracia quando estão fora do poder e depois se revelam nas mais nefastas atitudes de ditadores quando o alcançam. Pensem só o que seria de um país como o nosso se algum dia o PC e os “aprendizes” do Bloco estivessem no poder sozinhos. A democracia tem para eles um significado diferente consoante o seu posicionamento na política.
João PorreteVitor Reis
1 d
Também tenho notado uma "excessiva" sensibilidade à crítica aqui no Observador. Espero que tenha sido passageira. Exceptuando algum excesso de linguagem que posso ter cometido (chamei "burro" a alguém) nada justifica a censura de textos expressando opiniões em linguagem apropriada.
A miséria moral de um exesquerdista no seu esplendor de ódio, rancor , raiva contra os seus demónios de juventude . 
Manuel RB
1 d
De miséria moral, só se enxerga a sua. Pronto a defender todas barbáries desde que justifiquem a sua causa.
E, provavelmente, já é assim desde novo, sem nunca ter percebido o mundo em que vive.
Defendeu Estaline, defendeu a invasão da Checoslováquia, sempre admirou Fidel, acha que Maduro trava uma luta contra o imperialismo, enquanto o povo morre de fome e os seus familiares traficam drogas. Aí mais atrás até contou 20 milhões de índios assassinados pelo "governo do Estados Unidos". Um conselho, deixe a realidade entrar nessa cabecinha e fazer alguma luz. Talvez se torne num (mais) feliz ex-esquerdista.
Fernando M Nogueira Francisco
1 d
Para além de mostrar asco pelo jornalista, tem algo para contrapor? Ou só demonstra que é igual aos "castros" deste mundo? Cresça, pessoa. Pois nem a cara é capaz de mostrar!
Vento Forte
1 d
Ainda hoje escrevi um comentário no DN a respeito de um comentário da autoria de Cipião Numantino à crónica de Paulo Baldaia... Ambos os comentários foram censurados... Já lá não estão. Também ontem escrevemos dois comentários sobre o comunicado do Papa Francisco a respeito da morte do ditador assassino Fidel... Pois bem, ambos foram censurados... Passada uma hora, tinham desaparecido! 

Que diziam essencialmente esses comentários?

a) Sobre o Papa Francisco, expressávamos o nosso espanto pelo facto do papa não condenar o falecido ditador, a morte, a prisão e a opressão de tantos inocentes. No meu caso, lembrava o papel do saudoso Papa João Paulo II, que foi fundamental para o fim das ditaduras a leste... Pelo contrário, afirmei nesse comentário que o Papa Francisco parecia estar a trabalhar para as restaurar no ocidente, aliás a intervenção recente na Venezuela parece ir nesse sentido, uma vez que impôs um diálogo que afinal só favoreceu até ao momento a ditadura de maduro!

b) Hoje, a respeito da crónica de Paulo Baldaia, Cipião Numantino declarava a sua concordância com o cronista e lamentava que o país estivesse sem oposição. Comentei então que, embora acompanhe muitas vezes o pensamento de Cipião, neste caso não o podia fazer. Como argumentos, registei que tinha acabado de ver a RTP 3 acerca de Fidel e acrescentava que, se os media estavam a conseguir apresentar um ditador assassino como um herói e um santo, não seria de estranhar que estivéssemos aparentemente sem oposição... Que, na verdade a oposição existe e está a fazer o seu trabalho, acontece que nos regimes populistas e ditatoriais primeiro se diaboliza a oposição, depois cala-se e por fim mata-se!... Que no nosso caso, as duas primeiras fases já estão em prática evidente: o governo está a diabolizar permanentemente a direita e os media estão a fazer de lápis azul, censurando a informação... Aconselhei, então, Cipião a consultar as páginas do PSD e CDS para verificar que  a oposição existe e está a fazer o seu trabalho mas não consegue a atenção dos media senão em ocasiões extraordinárias ou em caso de ter falhado o pé.... Enfim, sugeria que pouco a pouco a oposição está ser colocada numa espécie de clandestinidade! Se não, perguntava: alguém conhece, discutiu, debateu as propostas de alteração do Orçamento de 2017 do PSD e do CDS? Não, pois não... Mas eles existem!

PS.: A censura voltou... A propaganda tomou conta de todos os media portugueses, sem exceção! O que aqui conto é a prova disso mesmo!

PS.: Espero que o comentador que dá pelo nome de Cipião Numantino possa confirmar o que aqui relato!
Alberto FreitasVento Forte
1 d
É de estranhar a admiração do meu caro pelo comportamento do Papa, observando-se os antecedentes...; aquilo que nem alguns ficcionistas de imaginação fertil acreditaram: um Papa marxista. 

Se tomarmos em consideração a ascensão de Trump, com o fim de Obama e a derrota de Hillary, o Papa resta como único ponto de referência do esquerdismo mundial. 

Basta olhar o seu comportamento na América Latina onde expressou a sua simpatia e amizade pelos responsáveis políticos (incluindo os perdedores do poder) de esquerda, e hostilizou os mais à direita como o peruano Pablo Kuczynsky , ou Macri da Argentina.

Em 24 de Outubro assegurou total apoio a Maduro quando o recebeu no Vaticano. 

Mais importante foi em Novembro no Encontro Mundial dos Movimentos Populares, na sua maioria agitadores ao serviço de causas revolucionárias; como o MST brasileiro, praticamente um “braço armado” (se considerarmos as formas de actuação e ameaças) do PT, cujo representante se encontra assiduamente com Maduro e a quem promete apoio na luta contra a “reacção” de direita (leia-se: população com fome).

Pois o Papa fecha o Encontro com a frase: “Faço meu o vosso grito” – provavelmente no passar à prática da sua declaração que um comunista fala como um cristão.

 Mas será de ler

 http://factormm.com/los-revolucionarios-suramericanos-que-llegaron-al-vaticano-1/
Alberto FreitasVento Forte
1 d
Postar na comunicação social concorrente os textos censurados é uma boa prática que, se seguida por todos, mostrará a verdadeira face das políticas editoriais
Alberto FreitasAlberto Freitas
1 d
Ou ler também sobre a relação Papa/Soros

http://factormm.com/conozca-la-conexion-entre-el-papa-francisco-el-financista-rojo-george-soros-y-ban-ki-moon/
Cipião NumantinoVento Forte
1 d
Caro Vento Forte, é bem como diz, tenho imensos posts censurados no DN em especial sempre que ataco os métodos da esquerda ou a geringonça. No que concerne à oposição terá alguma razão no que afirma mas, assim mesmo, esta podia fazer bem mais. Vou recuperar do DN uma resposta que lhe dei sobre este tema:
"Pois é, caro Vasco Abreu. Pontualmente não estamos de acordo.Isso não obsta a que eu respeite imenso as suas ideias e palavras. O senhor é um comentador que dá gosto ler. Vê-se obviamente que tem um compromisso partidário, mas isso nunca o impede de ser muitas vezes justo e equilibrado. Quando a mim não tenho engajamentos políticos sejam de que espécie for. Talvez isso me conceda um distanciamento mais objetivo e veja as coisas de forma menos apaixonada. E é aqui que discordamos. E não, não há oposição. Lembro, por exemplo, um único caso. Lisboa está transformada num alucinado estaleiro de obras. Curiosamente até acho que Medina é um homem ativo e bom presidente, mas não é isso que eu quero destacar. Os lisboetas andam com os nervos em franja. Basta só passear pelo Eixo Central para desde logo o percebermos. Se o presidente da CML fosse do PSD, pode ter a certeza que todos os dias haveria cegada em Lisboa e um concerto de apitos automóveis absolutamente ensurdecedor. As arruaças, os bloqueios, enfim o caos generalizado seria o habitual dia a dia em Lisboa. A revolta seria de tal ordem e o clamor via TV seria de tal monta, que o substituto de Medina e com ele por arrastamento o putativo governo do PSD, seriam perfeitamente queimados em lume brando. O PSD e o CDS estão amorfos. Perfeitamente atontados e cilindrados pela retórica desbragadamente demagógica da geringonça. Outra: faltam imensas coisas nos hospitais. Os cortes (eles chamam-lhes cativações - curioso como para gente normal uma mera alteração semântica envolve todo um conceito), são mais que muitos. Faltam coisas básicas e as listas de espera são um horror. Lembra-se o que disse a oposição quando se passou o mesmo com o anterior governo? Parecia até que vivíamos num generalizado caos. E muitos mais exemplos poderia por aqui dar. Assim, lamento, não temos oposição. Temos as elites partidárias medrosas e desaparecidas em combate e o resto é o total vácuo. A continuarem assim as coisas, a geringonça, vai ganhar as próximas eleições com maioria absoluta. E Portugal vai definitivamente estagnar rumo a uma vida sem perspetivas ou futuro!..."
Cipião NumantinoVento Forte
1 d
Confirmo o que aqui escreveu. Tentei aqui colar uma resposta que lhe dei, mas o Observador para já recusou-a. Não percebo porquê, pois não tinha nada que fosse ofensivo para ninguém e tecia, tão só, considerações políticas. Pode ser que, mais tarde, deixem postar. De qualquer forma parece que andamos de Herodes para Pilatos.
Obrigado por me ter respondido e ainda mais por confirmar que muitos comentários são censurados no DN...
Quanto à sua resposta, já a tinha lido no DN... No fundo concordo consigo, mas dou ainda mais importância à dificuldade que é fazer oposição no presente contexto: no país essa oposição era responsabilidade sobretudo do BE, PCP, UGT e CGTP... Ora, como estas forças estão comprometidas com o poder, fazer oposição não é fácil!
Carlos Resende Alves
1 d
Excelente mais uma vez JMF. Que bom haver pessoas como você capaz de falar verdade, ao contrário de muito boa gente que branqueia e idolatra a vida de um ditador. parabéns !
Ze Correia
1 d
Pois, mas parece-me que no jornal que dirige essa ideia também não é muito clara, ... a julgar pelos títulos e conteúdo dos artigos relacionados com o tema. Basta comparar o que na Europa se tem escrito sobre o tema, não há jornalismo em Portugal. Escrevem umas coisas e não têm capacidade ou coragem para sair da linha e afrontar o controlo social instituído. Uma miséria.
O ódio, o rancor , a raiva , tudo o que pior um ser humano possa ter está neste vomito de JMF . JMF Tem ódio à revolução cubano, ao heróico povo cubano porque este se revoltou contra uma ditadura fascista e lacaia dos americanos , tem rancor ao povo cubano porque este heróico povo resistiu e resiste a invasões mercenarias e tentativas de assasinato dos seus líderes , tem raiva do povo cubano porque este se manteve e mantém ao lado dos seus dirigentes de cabeça erguida, dignos e valentes resistindo a bloqueios, chantagens e propaganda mentirosa à qual está ligado. Esta criatura renegou os seus ideais de juventude para se tornar num pobre joguete de quem lhe paga a existência . A existência hoje de uma Cuba livre e socialista é uma espinha cravada na sua consciência . Tal como Trump , outro da sua laia , está contente e festeja a morte de Fidel. De certo ficou triste com a morte de pinochet.
Carlos Resende Alves
1 d
você é tão cobarde que vem aqui criticar aqueles que dão a cara e têm coragem de expressar a sua opinião sobre um ditador. Tenha vergonha e se não tem coragem de dar a cara, não está aqui a fazer nada... Desapareça !!!
Katty Jerónimo Costa
1 d
"festeja a morte de Fidel"?

Sei de muitos cubanos que festejaram a morte do ditador...

Faleceu o rei da igualdade ... na pobreza. Só os caciques do partido se safavam.

Não me importava nada de ser herdeiro material deste ditador.
António Hermínio Quadros Silva
1 d
Senão tem coragem de dar a cara vá dar o c...
Fernando M Nogueira Francisco
1 d
Duas notas caro anónimo:
- Parece que não leu a crónica, pois JMF fala do que havia antes da revolução e deu-lhe os nomes adequados.
- Já foi a Cuba? Conhece a realidade? O "amor" que os cubanos têm ao "socialismo"? Se lá fosse chegaria rápidamente a conclusão que aquilo que se lá vive é muito pior que antes do nosso 25/4. Aqui vivia-se, lá sobrevive-se.  
Marcos Graça
1 d
A lavágem cerebral está bem patente no conteúdo dos seus argumentos ,,, há gente que mesmo vendo que é pau,continua a dizer que é pedra, ou seja ,há  gente que não aprende de maneira nenhuma.
Manuel Oliveira Vieira
1 d
ainda está na clandestinidade? olhe que há mais de 40 anos que não há polícia política.
saia da toca!
Paulo Coelho
1 d
Caro anónimo cobarde-
o povo cubano não tem nada a ver com a revolução. a revolução foi feita por uns tantos que se apelidaram de representantes do povo. primeiro foram pedir apoio aos EUA e só depois de não o terem alcançado é que se viraram para a União Soviética.
deixe-se de tretas. nos países comunistas o povo fica sempre a perder e em filas para a comida racionada. e ai de quem refilar. assim é fácil dizer que o povo está sempre oa lado dos dirigentes
vocês comunistas não passam de pessoas incapazes de concretizar algo na vida sem ser pela tomada do poder pela força. depois quando chega a hora de terem de gerir o país é o que se tem visto sempre.
vá contar a história da carochinha para outro lado que aqui não engana ninguém
Carlos Saraiva
1 d
a primeira coisa a fazer é eleições livres, mas convém não serem supervisionadas nem por maduro, lula, obama, entre muitos outros ... caso sejam livres, lá teremos a conclusão de que o povo é muito burro pois vota em maioria contra o status bolorento das sociedades socialistas comandadas por mentes tolhidas do longo inverno escuro e gelado, como as covas onde jazem os seus opositores
Manuel Almeida Gonçalves
1 d
Soberbo, cheio de razão. A duplicidade moral da esquerda é ignóbil e cínica. A maioria da direita já ultrapassou essa fase e pode vilipendiar à vontade Berlusconi, Trump, Orbán, para nem falar de outros escroques do passado.
João Gata
1 d
O dinossauro Fidel Castro morreu. Cuba pode agora sonhar com Liberdade.
Celeste Teixeira
1 d
Pobreza resignada JMF? Resignada ou... Palavras  bonitas,  circunstanciais,
Hipocrisia, já foi tarde, ponto final.
Cuca Neco
2 d
O Jerónimo também vai ter o seu destino ingénuo.

E está para breve. Rigorosamente a não perder, como dizia o outro que foi saneado da SicNotícias (mais uma vítima do esquerdismo militante).
Manuel Oliveira VieiraCuca Neco
1 d
a quem se refere? (o saneado da sic notícias??
obrigado.
Red Baron
2 d
Fidel Castro escravizou o povo cubano e remeteu-o á mais abjecta miséria.

A morte de um "animal" destes é motivo de felicidade para a Humanidade.
martins bento
2 d
Um movimento ,dito socialista revolucionário,requer uma"vanguarda",um comité directivo,que escolhe entre os "iluminados" o seu chefe.Com as dificuldades que encontra qualquer desses processos,na vida corrente,quer a posição do chefe ,quer da"vanguarda" ,têm de ser assegurados,ou pela demagogia,ou por polícias politicas.Aconteceu em Cuba e aconteceu,que me lembre,em todos os regimes de partido único,ou dominante.Os cubanos são perseguidos,a moeda dupla é uma farsa e vivem todos pobres,embora sem as favelas do resto da América do Sul,porque construíram um razoável sistema de educação e de saúde.Contam com estupidez  de muitos milhões de europeus
José Pereira
2 d
Fui um (dos muitos) Portugueses que visitou cuba, com medo que fidel morresse para conhecer o "espirito e imaginário da revolução". Foi há 14 anos atrás e o que conheci foi exatamente o que o JMF descreve. Porque não quis apenas estar espraiado em varadero, percorri havana e alguns locais de cuba não tão turística. Foi uma verdadeira revelação: um povo oprimido, amordaçado, triste (apesar de alegres), com fome de liberdade e pobres, muito pobres, quase todos! Talvez não passem fome. Talvez o governo distribua pão como distribui as fardas para as crianças que andam na escola. Mas vivem todos igualmente muito mal. Experiência miserável para quem adora os cubanos e cuba. E sim também identifiquei os "vigilantes" do governo.
José C. AguiarJosé Pereira
1 d
O seu testemunho é importante. Também convivi com cubanos em Angola. As impressões com que fiquei foram semelhantes às suas, dado que os cubanos em Angola eram militares e professores na sua maioria.
Bruno Guedes
2 d
Os ditadores de esquerda são mais fofinhos que os ditadores de direita. São uns heróis românticos, que mataram, é verdade, mas foi tudo pelo bem-estar do povo trabalhador. Eles só não deram maior liberdade ao povo porque o povo ainda não estava pronto para tanta liberdade, era preciso educa-los primeiro, está a ver. Eram ditadores, mas eram daqueles ditadores apoiados por Prémios Nobel da Literatura, protegidos pelos artistas, essa elite bem-pensante que está sempre do lado certo da História. Para a Esquerda, ditadores são os políticos de centro-esquerda em diante eleitos pela "burguesia". Na "verdadeira Esquerda patriótica" não há ditadores, só há Grandes Líderes! E quem assim não pensa é fascista, nazi, neoliberal e o diabo à solta!
Cuca NecoBruno Guedes
1 d
Pol Pot liquidou todo um povo no Cambodja. 

Muito romantico , muito fofinho.
Manuel Barroso
2 d
Assim mesmo, sem meias-palavras e certeiro! 

Sem comentários:

Windows Live Messenger + Facebook